Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o ...

Download Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o ...

Post on 05-Jan-2017

224 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento Srie Sementes.

    Londrina, PRJaneiro, 2010

    73

    ISSN 1516-7860

    Autores

    Irineu LoriniEng. Agrnomo, Dr

    Embrapa Soja Cx Postal 231

    86001-970, Londrina, PRlorini@cnpso.embrapa.br

    Francisco Carlos KrzyzanowskiEng. Agrnomo, Dr

    Embrapa Soja Cx Postal 231

    86001-970, Londrina, PRfck@cnpso.embrapa.br

    Jos de Barros Frana-NetoEng. Agrnomo, Dr

    Embrapa Soja Cx Postal 231

    86001-970, Londrina, PRjbfranca@cnpso.embrapa.br

    Ademir Assis HenningEng. Agrnomo, Dr

    Embrapa Soja Cx Postal 231

    86001-970, Londrina, PRhenning@cnpso.embrapa.br

    A qualidade das sementes, em especial a fisiolgica, pode ser afetada pela ao de diversos fatores. Entre esses, as pragas de armazenamento, em especial Sitophilus zeamais, S. oryzae, Rhyzopertha dominica, Acanthoscelides obtectus, Lasioderma serricorne, Sitotroga cerealella, Ephestia kuehniella e E. elutella, podem ser responsveis pela deteriorao fsica do lote de semente armazenado.

    Principais Pragas

    O conhecimento do hbito alimentar de cada praga constitui elemento importante para definir o manejo a ser implementado nas sementes durante o perodo de armazenamento. Segundo esse hbito, as pragas podem ser classificadas em primrias ou secundrias.

    a) Pragas primrias: so aquelas que atacam sementes e gros inteiros e sadios e, dependendo da parte que atacam, podem ser denominadas pragas primrias internas ou externas. As primrias internas perfuram as sementes e nestas penetram para completar seu desenvolvimento. Alimentam-se de todo o tecido de reserva da semente e possibilitam a instalao de outros agentes de deteriorao. Exemplos dessas pragas so as espcies Rhyzopertha dominica, Sitophilus oryzae e S. zeamais. As pragas primrias externas destroem a parte exterior da semente (tegumento) e, posteriormente, alimentam-se da parte interna sem, no entanto, se desenvolverem no interior da mesma. H destruio da semente apenas para fins de alimentao (Lorini, 2008).

    b) Pragas secundrias: so aquelas que no conseguem atacar sementes e gros inteiros, pois dependem que estes estejam danificados ou quebrados para deles se alimentarem. Essas pragas ocorrem nas sementes quando esto trincadas, quebradas ou mesmo danificadas por pragas primrias, e geralmente ocorrem desde o perodo de recebimento ao de beneficiamento dos lotes de sementes. Multiplicam-se rapidamente e causam prejuzos elevados. Como exemplo, citam-se as espcies Cryptolestes ferrugineus, Oryzaephilus surinamensis e Tribolium castaneum (Lorini, 2008).

    A descrio, a biologia e os danos de cada espcie-praga devem ser conhecidos, para que seja adotada a melhor estratgia para evitar os respectivos prejuzos.

    Existem dois principais grupos de pragas que atacam as sementes armazenadas, que so besouros e traas. Entre os besouros encontram-se as espcies: R. dominica (F.), Sitophilus oryzae (L.), S. zeamais (Motschulsky), Acanthoscelides obtectus (Say), Lasioderma serricorne (Fabricius). As espcies de traas mais importantes so: Sitotroga cerealella (Olivier), Ephestia kuehniella

  • 2 Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento

    b) Danos

    Essa praga primria interna possui elevado potencial de destruio em sementes e gros de trigo, arroz, milho, cevada, aveia, centeio e triticale, pois capaz de destruir de 5 a 6 vezes seu prprio peso em uma semana (Poy, 1991). a principal praga na armazenagem no Brasil, em razo da incidncia e da grande dificuldade de se evitar os prejuzos que causa aos produtos.

    Deixa as sementes perfuradas e com grande quantidade de resduos na forma de farinha, decorrentes do hbito alimentar. Tanto adultos como larvas causam danos s sementes armazenadas. Possui grande nmero de hospedeiros, e adapta-se rapidamente s mais diversas condies climticas sobrevivendo mesmo em extremos de temperatura.

    (Zeller) e Ephestia elutella (Hbner). Entre essas pragas, R. dominica, S. oryzae e S. zeamais so as mais preocupantes economicamente e justificam a maior parte do controle qumico praticado nos armazns de sementes. Alm dessas pragas, h roedores e pssaros causadores de perdas, principalmente qualitativas, pela sujeira que deixam no produto final, que tambm devem ser considerados no manejo integrado de pragas (MIP).

    Rhyzopertha dominica (Coleoptera, Bostrichidae) - besourinho dos cereais

    a) Descrio e biologia

    Os adultos so besouros de 2,3 mm a 2,8 mm de comprimento, colorao castanho-escura, corpo cilndrico e cabea globular, normalmente escondida pelo protrax (Fig. 1). A colorao das pupas varia de branca, inicialmente, a castanha, prximo emergncia dos adultos; possuem 3,9 mm de comprimento e 1,0 mm de largura do corpo, aproximadamente. As larvas so de colorao branca, com cabea escura, e medem cerca de 2,8 mm quando completamente desenvolvidas. Os ovos so cilndricos, embora variveis na forma, inicialmente brancos e posteriormente rosados e opacos, com 0,59 mm de comprimento e 0,2 mm de dimetro (Potter, 1935).

    O perodo de incubao, varivel em funo da temperatura, de 15,5 dias a 26 C (Potter, 1935) e de 4,5 dias a 36 C (Birch & Snowball, 1945). Os ovos podem ser colocados em grupos ou isolados, em fendas ou rachaduras das sementes ou mesmo na prpria massa de sementes (Poy, 1991). A durao do perodo larval de, aproximadamente, 22 dias, o perodo de pupa de 5 dias, e a longevidade dos adultos atinge 29 dias, a 30 /C e 70% de umidade relativa. O ciclo de vida da praga de, aproximadamente, 60 dias. A fmea tem fecundidade mdia de at 250 ovos (Almeida & Poy, 1994; Poy, 1991), a qual depende da qualidade do alimento e das condies de temperatura e de umidade.

    Fig. 1. Rhyzopertha dominica.

  • 3Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento

    Sitophilus oryzae e S. zeamais (Coleoptera, Curculionidae) - gorgulhos dos cereais

    a) Descrio e biologia

    Essas duas espcies so muito semelhantes em caracteres morfolgicos e podem ser distinguidas somente pelo estudo da genitlia. Ambas podem ocorrer juntas no mesmo lote de sementes, independentemente da espcie de semente onde encontrada.

    Os adultos so gorgulhos de 2,0 a 3,5 mm de comprimento, de colorao castanho-escura, com manchas mais claras nos litros (asas anteriores), visveis logo aps a emergncia. Tm a cabea projetada frente, na forma de rostro curvado (Fig. 2). Nos machos, o rostro mais curto e grosso, e nas fmeas, mais longo e afilado. As larvas so de colorao amarelo-clara, com a cabea de cor marrom-escura, e as pupas so brancas (Mound, 1989; Booth et al., 1990). O perodo de oviposio de 104 dias, e o nmero mdio de ovos por fmea de 282. A longevidade das fmeas de 140 dias. O perodo de incubao oscila entre 3 e 6 dias, e o ciclo de ovo at a emergncia de adultos de 34 dias (Lorini & Schneider, 1994, Lorini, 2008).

    b) Danos

    praga primria interna de grande importncia, pois pode apresentar infestao cruzada, ou seja, infestar sementes no campo e tambm no armazm, onde penetra profundamente na massa de sementes. Apresenta elevado potencial de reproduo, possui muitos hospedeiros, como trigo, milho, arroz, cevada, triticale e aveia. Tanto larvas como adultos so prejudiciais e atacam sementes inteiras. A postura feita dentro da semente; as larvas, aps se desenvolverem, empupam e se transformam em adultos. Os danos decorrem da reduo de peso e de qualidade fsica e fisiolgica da semente (Lorini, 2008).

    Acanthoscelides obtectus (Coleoptera: Bruchidae) caruncho-do-feijo

    a) Descrio e biologia

    O caruncho-do-feijo (Fig. 3) uma praga primria de produtos armazenados, atacando principalmente leguminosas como feijo. Est adaptado tanto para viver e reproduzir em regies tropicais como nas temperadas, em condies de baixa umidade. Os adultos de A. obtectus medem de 2 mm a 4mm de comprimento e so de colorao pardo-escuros, com pontuaes avermelhadas no abdome, pernas e antenas; os olhos so distintamente emarginados e os fmures posteriores possuem um largo espinho ventral. As fmeas so maiores que os machos (Pereira, 1993).

    Os ovos podem ser colocados nas vagens ainda no campo ou diretamente nas sementes armazenadas; cada fmea deposita de 40 a 60 ovos e a ecloso ocorre em 3 a 9 dias. O desenvolvimento larval compreende 4 instares e dura de 12 a 150 dias, de acordo com as condies ambientais. Condies timas so de aproximadamente 30 C e 70% de UR, sendo o desenvolvimento mais lento abaixo de 18 C (Pereira, 1993).Fig. 2. Sitophilus oryzae.

  • Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento4

    As larvas so brancas, curvadas, de corpo robusto e so encontradas no interior das sementes. O empupamento ocorre dentro das sementes broqueadas e dura normalmente de 8 a 25 dias. Os adultos so bons voadores e iniciam as infestaes de campo vindo dos armazns, porm no se alimentam e tm vida curta. O ciclo de vida pode ser completado em apenas 23 dias e por isso que esta espcie tem um grande potencial de desenvolvimento. Tipicamente tm uma ou duas geraes no campo seguidas pelo crescimento contnuo nos gros ou sementes armazenadas. Em regies de clima tropical ocorrem normalmente 6 geraes por ano (Pereira, 1993).

    Desta maneira, os danos acumulados podem ser muito extensos (Pereira, 1993).

    Lasioderma serricorne (Coleoptera: Anobiidae)

    a) Descrio e Biologia

    As fmeas colocam os ovos em pequenas fendas nos fardos de fumo, onde praga originalmente importante, ou nos charutos, mas no nas folhas de fumo no campo, mas est aparecendo com certa frequncia, perfurando sementes e gros de soja, provocando prejuzos aos armazenadores, e ameaando a qualidade do produto oferecido nos mercados interno e externo. No momento, a maior ameaa ao armazenamento de sementes e gros de soja. O nmero mdio de ovos por fmea est entre 40 e 50. As larvas tm colorao branco-leitosa e so recobertas de plos finos. Aps a ecloso, so geis e escavam galerias cilndricas, medem cerca de 4,5 mm em seu ltimo instar. A pupa possui aproximadamente 4,0 mm de comprimento e colorao semelhante larva de ltimo instar. O adulto um besouro (Fig. 4) de corpo ovalado, de colorao castanho-avermelhada, recoberto por plos claros. O comprimento varia de 2 mm a 3 mm, sendo as fmeas maiores. Suas antenas so dentadas e salientes. O ciclo completo de 60 a 90 dias e apresenta cerca de 3 geraes por ano.

    Fig. 4. Lasioderma serricorne

    Fig. 3. Acanthoscelides obtectus

    b) Danos

    Causa prejuzos considerveis, como perda de peso, reduo da qualidade nutricional, do poder germinativo das sementes e a introduo de contaminantes secundrios, como fungos, e micotoxinas. Muitas infestaes iniciam no campo e as larvas alimentam-se das sementes em maturao. As larvas de A. obtectus alimentam-se dos cotildones, podendo em cada semente ocorrer diversas, e em funo do seu rpido desenvolvimento, h um alto potencial para o crescimento populacional.

  • Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento 5

    b) Danos

    uma praga cosmopolita, cujas larvas maiores escavam galerias. As larvas se alimentam dos produtos onde fazem as galerias, como o caso da soja armazenada. No capaz de atacar plantas vivas, embora ataque um grande nmero de produtos em depsitos, entre estes, frutos secos, papis, tapetes, forros, gros, farelos, farinhas, massas, biscoitos e raes.

    Sitotroga cerealella (Lepidoptera, Gelechiidae) - traa dos cereais

    a) Descrio e biologia

    Os adultos (Fig. 5) so mariposas com 10 mm a 15 mm de envergadura e 6 mm a 8 mm de comprimento. As asas anteriores so cor de palha, com franjas, e as posteriores so mais claras, com franjas maiores. Vivem de 6 a 10 dias. Os ovos so colocados sobre as sementes, preferentemente naquelas danificadas e/ou fendidas. A fmea pode ovipositar de 40 a 280 ovos, dependendo do substrato. Aps a ecloso, as larvas penetram no interior das sementes, onde se alimentam e completam a fase larval, que se estende por, aproximadamente, 15 dias. As larvas podem atingir 6 mm de comprimento e so brancas com as mandbulas escuras. A pupa varia de colorao desde branca, no incio, a marrom-escura, prximo emergncia do adulto. O perodo de ovo a adulto dura, em mdia, 30 dias (Lorini, 2008).

    Fig. 5. Sitotroga cerealella.

    b) Danos

    praga que ataca sementes intactas (primria), porm afeta mais a superfcie do lote de sementes. As larvas destroem a semente, alterando o peso e a qualidade. Tambm atacam as farinhas, nas quais se desenvolvem, causando deteriorao de produto pronto para consumo.

    Ephestia kuehniella e E. elutella (Lepidoptera, Pyralidae) - traas

    a) Descrio e biologia

    As duas espcies so muito semelhantes. Os adultos (Fig. 6 e 7) so mariposas de colorao parda, com 20 mm de envergadura, com asas anteriores longas e estreitas, de colorao acinzentada, com manchas transversais cinza-escuras. As asas posteriores so mais claras. A fmea oviposita de 200 a 300 ovos. As larvas atingem at 15 mm de comprimento; possuem colorao rosada e pernas e cabea castanhas; tecem um casulo de seda, em cujo interior empupam. O perodo de ovo a adulto estende-se por aproximadamente 40 dias. O perodo de incubao dura cerca de 3 dias, a fase larval 32 dias, a fase de pupa 7 dias, e a longevidade de adultos de, aproximadamente, 15 dias (Lorini & Schneider, 1994; Lorini, 2008).

    b) Danos

    So pragas secundrias, pois as larvas se desenvolvem sobre resduos de gros e de farinhas deixados pela ao de outras pragas. Seu ataque prejudica a qualidade das sementes armazenadas, devido a formao de uma teia sobre a massa de sementes ou mesmo nas sacarias durante o armazenamento. Penetra no interior das pilhas de sementes, fazendo a postura nas costuras da sacaria ou bags. Esta praga responsvel pela grande quantidade de tratamentos em termonebulizao nas UBS, durante o perodo de armazenamento dos lotes de semente.

  • Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento6

    Mtodos de Controle

    O controle dessas pragas depende praticamente de trs mtodos de controle: inseticidas qumicos lquidos (tratamento preventivo), inseticida natural a base de terra de diatomceas (tratamento preventivo), e o expurgo das sementes com o inseticida fosfina (tratamento curativo). Esses trs mtodos podem ser usados isoladamente ou em combinao, usando mais de um em cada UBS.

    Inseticidas qumicos lquidos (tratamento preventivo)

    As sementes, aps terem sido beneficiadas, expurgadas ou no, podem ser tratadas preventivamente para obter proteo contra o ataque das pragas durante o armazenamento.

    Se o perodo de armazenagem das sementes for superior a 60 dias, pode-se fazer este tratamento qumico preventivo, que consiste em aplicar inseticidas lquidos sobre as sementes, na correia transportadora ou na tubulao de fluxo da semente beneficiada, no momento de ensacar a semente ou de armazenar nos silos. O inseticida aplicado dever ser homogeneizado, de forma que toda semente receba o inseticida. Esse inseticida proteger a semente contra o ataque de pragas que tentaro se instalar durante a armazenagem.

    Para o tratamento necessrio instalar adequadamente o equipamento de

    pulverizao, que pode ser especfico para armazns ou adaptado a partir de um pulverizador de campo. Deve-se instalar uma barra de pulverizao, sobre a correia transportadora, com 3 ou 5 bicos, distribudos de maneira que toda a semente receba o inseticida. Tambm devem ser colocados tombadores sobre a correia transportadora para que as sementes sejam misturadas quando estiverem passando sob a barra de pulverizao. Durante esse processo, devem ser verificadas a vazo dos bicos e a da correia transportadora. Se houver necessidade, deve-se fazer o ajuste de acordo com as doses de inseticidas e de calda por tonelada de sementes. Recomenda-se a dosagem de 1,0 a 2,0 litros de calda por tonelada, a ser pulverizada sobre as sementes, e uso dos inseticidas pirimiphos-methyl, fenitrothion, deltamethrin ou bifenthrin (Tabela 1), de acordo com a espcie-praga. No se deve realizar tratamento via lquida na correia transportadora, caso exista infestao de qualquer praga nas sementes, pois poder resultar em falhas de controle e incio de problema de resistncia das pragas aos inseticidas.

    Os inseticidas indicados so deltamethrin e bifenthrin, para controle de R. dominica, e pirimiphos-methyl e fenitrothion, para S. oryzae e para S. zeamais. Para as demais pragas, geralmente se obtm elevada eficcia usando-se um dos inseticidas indicados na Tabela 1, salientando-se que so poucos trabalhos existentes na literatura que tratam da eficcia de inseticidas sobre outras espcies-pragas,

    Fig. 6. Ephestia kuehniella. Fig. 7. Ephestia elutella.

  • Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento 7

    uma vez que, normalmente, no so alvo direto de controle. Detalhes sobre os inseticidas citados, como doses, nomes comerciais, intervalo de segurana, entre outros, podem ser obtidos na Tabela 1.

    Inseticida natural base de terra de diatomceas (tratamento preventivo)

    Mtodos alternativos de controle esto sendo enfatizados, a fim de reduzir o uso de produtos qumicos, diminuir o potencial de exposio humana e reduzir a velocidade e o desenvolvimento de resistncia de pragas a inseticidas. Recentemente disponibilizados no mercado, os ps inertes base de terra de diatomceas constituem uma alternativa para o produtor de sementes controlar as pragas durante o armazenamento, por meio do tratamento preventivo da semente.

    O p inerte base de terra de diatomceas proveniente de fsseis de algas diatomceas, que possuem naturalmente fina camada de slica, e pode ser de origem marinha ou de gua doce. O preparo da terra de diatomceas para uso comercial feito por extrao, secagem e moagem do material fssil, o qual resulta em p seco, de fina granulometria. No Brasil, apenas dois produtos comerciais, Insecto e Keepdry, base de terra de diatomceas, esto registrados como inseticidas e so recomendados para controle de pragas no armazenamento de sementes e de gros.

    O tamanho reduzido do corpo dos insetos e seus apndices longos e delgados resultam em rea de grande superfcie de evaporao por unidade de volume. Sabe-se que os insetos morrem quando perdem cerca de 30% de seu peso total ou 60% do teor corpreo de gua e que estes so protegidos da desidratao por uma barreira lipdica epicuticular com espessura mdia de 0,25m. Em virtude dos insetos de produtos armazenados viverem em ambientes cujas condies so muito secas, a conservao de gua crucial para sua sobrevivncia.

    O p inerte adere epicutcula dos insetos por carga eletrosttica, levando desidratao corporal, em consequncia da ao de adsoro de ceras da camada lipdica pelos cristais de slica ou de abraso da cutcula ou de ambas. Quando as molculas de cera da camada superficial so adsorvidas pelas partculas de slica, ocorre o rompimento da camada lipdica protetora, o que permite a evaporao dos lquidos do corpo do inseto (Golob, 1997; Korunic, 1998).

    A atividade inseticida do p inerte, entretanto, pode ser afetada pela mobilidade dos insetos, pelo nmero e distribuio de plos na cutcula, pelas diferenas quantitativas e qualitativas nos lipdios cuticulares das diferentes espcies de insetos, pelo tempo de exposio e pela umidade relativa do ar, fatores que influenciam a taxa de perda de gua, afetando consequentemente a eficincia dos ps inertes (Ebeling, 1971; LePatourel, 1986; Aldryhim, 1990; Banks & Fields, 1995; Golob, 1997; Korunic, 1998; Lorini, 2003).

    Trabalhos de pesquisa (Lorini et al., 2003) demonstraram que, para o tratamento de sementes, a terra de diatomceas pode ser usada diretamente na semente, polvilhando-a no momento imediatamente anterior ao ensaque. A dose empregada de 1-2 kg de terra de diatomceas por tonelada de semente (Tabela 1). Esse tratamento realizado com auxlio de uma mquina desenvolvida especificamente para aplicao do produto, a qual proporciona mistura homognea do produto com a semente, o que fundamental para o sucesso do controle de pragas. O produto tambm pode ser usado para o tratamento de estruturas de armazenamento de sementes, polvilhando-se as paredes na dose 20g/m2 para evitar a infestao externa de pragas.

    O tratamento de sementes e/ou gros com terra de diatomceas possui algumas vantagens em relao aos demais tratamentos, tais como: a) Controle das diversas pragas que atacam sementes armazenadas; b) Longo efeito residual na

  • Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento8

    semente; c) Segurana para os operadores manusearem o produto, pois de origem natural; d) Controle de populaes de pragas resistentes aos inseticidas qumicos e no promove a resistncia em insetos.

    Trata-se de produto seguro para o usurio e de efeito inseticida duradouro, pois no perde eficcia ao longo do tempo. O uso de ps inertes base de terra de diatomceas para controlar pragas em sementes e gros armazenados um avano substancial no setor, pois vem ao encontro das exigncias dos usurios por produtos eficientes e que respeitem a sade das pessoas e o ambiente.

    Expurgo das Sementes (Tratamento curativo)

    A fumigao ou expurgo uma tcnica empregada para eliminar qualquer infestao de pragas em sementes armazenadas mediante uso de gs. Deve ser realizada sempre que houver infestao, seja em produto recm-colhido infestado na lavoura ou mesmo aps um perodo de armazenamento em que houve infestao no armazm. Esse processo pode ser realizado nos mais diferentes locais, desde que sejam observadas a perfeita vedao do local a ser expurgado e as normas de segurana para os produtos em uso. Assim, pode ser realizado em pilhas de sacos de sementes (lotes), silos de concreto e metlicos, em armazns graneleiros, em tulhas, em vages de trem, em pores de navios, em cmaras de expurgo, entre outros, observando-se sempre o perodo de exposio e a hermeticidade do local. O gs introduzido no interior da cmara de expurgo deve ficar nesse ambiente em concentrao letal para as pragas. Por isso, qualquer sada ou entrada de ar deve ser vedada, sempre com materiais apropriados, como lona de expurgo. Para lotes de sementes ensacadas, essencial a colocao de pesos ao redor das pilhas, sobre lonas de expurgo, para garantir vedao.

    O inseticida indicado para expurgo de sementes, pela eficcia, facilidade de uso, segurana de aplicao e versatilidade, a fosfina (Tabela 1), independente da apresentao comercial. No entanto, importante lembrar que j foram detectadas raas de pragas resistentes a esse fumigante (Lorini et al., 2007). Alm disso, a temperatura e a umidade relativa do ar no armazm a ser expurgado, para uso de fosfina, so de extrema importncia, pois determinaro a eficincia do expurgo. O tempo mnimo de exposio das pragas fosfina deve ser de 168 horas para temperatura superior a 10C. Abaixo de 10 C no aconselhvel usar fosfina em pastilhas, pois a liberao do gs ser prejudicada, afetando o expurgo. Quanto umidade relativa do ar, deve-se observar que no intervalo de 168 horas seja superior a 25%, desaconselhando-se o expurgo com umidade inferior a 25%. Deve-se associar temperatura com umidade relativa do ar para definir o perodo de exposio, prevalecendo sempre o fator mais limitante dos dois (Lorini et al., 2007). Detalhes sobre fosfina, como doses, nomes comerciais, intervalo de segurana, entre outros, podem ser obtidos na Tabela 1.

  • Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento 9

    Tab

    ela

    1.

    Inse

    tici

    das

    indi

    cado

    s pa

    ra t

    rata

    men

    to p

    reve

    ntiv

    o e/

    ou c

    urat

    ivo

    de p

    raga

    s de

    sem

    ente

    s ar

    maz

    enad

    as.

    Nom

    eD

    ose

    (i.a.

    )N

    ome

    com

    erci

    alD

    ose

    com

    erci

    al/t

    Form

    ula

    o1

    Con

    cent

    ra

    o

    (g i.

    a./l,

    kg)

    Inte

    rval

    o de

    se

    gura

    na2

    Cla

    sse

    toxi

    col

    gica

    Reg

    istr

    ante

    Fosf

    ina3

    2,0

    g/m

    3G

    asto

    xin

    6g

    PF570

    4 d

    ias

    IBer

    nard

    o Q

    um

    ica

    2,0

    g/m

    3Ph

    oste

    k6g

    PF570

    4 d

    ias

    IBer

    nard

    o Q

    um

    ica

    2,0

    g/m

    3G

    asto

    xin

    B-5

    76g

    PF570

    4 d

    ias

    IBer

    nard

    o Q

    um

    ica

    2,0

    g/m

    3D

    eges

    ch

    Alu

    phos

    6g

    PF560

    4 d

    ias

    ID

    eges

    ch d

    o Bra

    sil

    2,0

    g/m

    3D

    eges

    ch F

    umic

    el6g

    PF560

    4 d

    ias

    ID

    eges

    ch d

    o Bra

    sil

    2,0

    g/m

    3Ph

    osto

    xin

    6g

    PF560

    4 d

    ias

    ID

    etia

    Deg

    esch

    2,0

    g/m

    3Fe

    rtox

    6g

    PF560

    4 d

    ias

    IFe

    rsol

    2,0

    g/m

    3Fe

    rmag

    6g

    PF660

    4 d

    ias

    IFe

    rsol

    Ter

    ra d

    e di

    atom

    cea

    0,9

    -1,7

    kg/t

    Inse

    cto

    1-2

    kg/t

    P867

    -IV

    Ber

    nard

    o Q

    um

    ica

    Ter

    ra d

    e di

    atom

    cea

    0,9

    -1,7

    kg/t

    Kee

    pdry

    1-2

    kg/t

    P860

    -IV

    Irrig

    ao

    Dia

    s C

    ruz

    Del

    tam

    ethr

    in0,3

    5-0

    ,50 p

    pmK

    -Obi

    ol14-2

    0 m

    lC

    E25

    30 d

    ias

    IIIBay

    er

    Bifen

    thrin

    0,4

    0 p

    pmPr

    oSto

    re16 m

    lC

    E25

    30 d

    ias

    IIIFM

    C

    Bifen

    thrin

    0,4

    0 p

    pmSta

    rion

    16 m

    lC

    E25

    30 d

    ias

    IIIFM

    C

    Feni

    trot

    hion

    5,0

    -10,0

    ppm

    Sum

    igra

    n10-2

    0 m

    lC

    E500

    120 d

    ias

    IIIh

    arab

    ras

    Pirim

    ipho

    s-m

    ethy

    l4,0

    -8,0

    ppm

    Act

    ellic

    8-1

    6 m

    lC

    E500

    30 d

    ias

    IISyn

    gent

    a1C

    E =

    Con

    cent

    rado

    em

    ulsi

    onv

    el;

    PF =

    Pas

    tilh

    a fu

    mig

    ante

    ; P

    = P

    se

    co.

    2

    Pero

    do e

    ntre

    a

    ltim

    a ap

    lica

    o e

    o c

    onsu

    mo.

    3O

    per

    odo

    de

    expo

    si

    o da

    fos

    fina

    d

    e, n

    o m

    nim

    o, 1

    68 h

    oras

    , de

    pend

    endo

    da

    tem

    pera

    tura

    e d

    a um

    idad

    e re

    lativa

    do

    ar n

    o ar

    maz

    m.

  • Principais Pragas e Mtodos de Controle em Sementes durante o Armazenamento10

    LORINI, I. Manual tcnico para o manejo integrado de pragas de gros de cereais armazenados. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2003. 80p.

    LORINI, I. Manejo Integrado de Pragas de Gros de Cereais Armazenados. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2008. 72p.

    LORINI, I.; SCHNEIDER, S. Pragas de gros armazenados: resultados de pesquisa. Passo Fundo: EMBRAPA-CNPT, 1994. 47p.

    LORINI, I.; MORS, A.; BECKEL, H. Tratamento de sementes armazenadas com ps inertes base de terra de diatomceas. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2003. 4 p. html (Embrapa Trigo. Comunicado Tcnico Online, 113). Disponvel em: http://www.cnpt.embrapa.br/biblio/co/p_co113.htm.

    LORINI, I.; COLLINS, P. J.; DAGLISH, G. J.; NAYAK, M. K.; PAVIC, H. Detection and characterisation of strong resistance to phosphine in Brazilian Rhyzopertha dominica (F.) (Coleoptera: Bostrychidae). Pest Management Science, v. 63, p. 358-364, 2007.

    MOUND, L. Common insect pests of stored food products. London: British Museum of Natural History, 1989. 68p.

    PEREIRA, P.R.V.S. Principais insetos que atacam gros armazenados. In: SIMPSIO DE PROTEO DE GROS ARMAZENADOS, 1993, Passo Fundo, RS. Anais... Passo Fundo: Embrapa-CNPT, 1993. p.104-116.

    POTTER, C. The biology and distribution of Rhizopertha dominica (Fab.). Transactions of the Royal Entomological Society of London, v.83, p.449-482, 1935.

    POY, L. de A. Ciclo de vida de Rhizopertha dominica (Fabricius, 1972) (Col., Bostrychidae) em farinhas e gros de diferentes cultivares de trigo. Curitiba: Universidade Federal do Paran, 1991. 135p. Tese Mestrado.

    Referncias bibliogrficas

    ALDRYHIM, Y.N. Efficacy of the amorphous silica dust, Dryacide, against Tribolium confusum Duv. and Sitophilus granarius (L.) (Coleoptera: Tenebrionidae and Curculionidae). Journal of Stored Products Research, v.26, 1990, p. 207-210.

    ALMEIDA, A.A.; POY, L.D.A. Reproduo de Rhyzopertha dominica (F., 1792) (Coleoptera, Bostrychidae) em gros inteiros e partidos, de cultivares de trigo, de textura vtrea e suave. Revista Brasileira de Entomologia, v.38, p.599-604, 1994.

    BANKS, H.J.; FIELDS, P.G. Physical methods for insect control in stored-grain ecosystems. In: JAYAS, D.S.; WHITE, N.D.G.; MUIR, W.E. Stored-grain ecosystems. New York: Marcell Dekker, 1995. p.353-409.

    BIRCH, L.C.; SNOWBALL, J.G. The development of eggs of Rhizopertha dominica (Fab. Coleoptera) at constant temperature. Journal of Experimental Biology, Medicine and Science, v.23, p.37-40, 1945.

    BOOTH, R.G.; COX, M.L.; MADGE, R.B. IIE Guides to insects of importance to man 3. COLEOPTERA. London: C.A.B. International, 1990. 384p.

    EBELING, W. Sorptive dusts for pest control. Annual Review of Entomology, v.16, 1971, p.122-158.

    GOLOB, P. Current status and future perspectives for inert dusts for control of stored product insects. Journal of Stored Products Research, v.33, p.69-79, 1997.

    KORUNIC, Z. Diatomaceous Earths, a Group of Natural Insecticides. Journal of Stored Products Research, v.34, p.87-97,1998.

    LE PATOUREL, G.N.J. The effect of grain moisture content on the toxicity of a sorptive silica dust to four species of grain beetle. Journal of Stored Products Research, v.22, p.63-69, 1986.

  • Anotaes

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    _______________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

    ________________________________________________

  • Exemplares desta edio podem ser adquiridos na:

    Embrapa SojaRod. Carlos Joo Strass - Acesso Orlando AmaralCx. Postal: 231 Londrina - PR 860001-970

    Fone: (43) 3371 6000 - Fax: 3371 6100Home page: www.cnpso.embrapa.bre-mail: sac@cnpso.embrapa.br

    1a edio1a impresso 01/2010: tiragem 2.000 exemplares

    Presidente: Jos Renato Bouas FariasSecretria Executiva: Regina Maria Villas Bas de Campos LeiteMembros: Claudine Dinali Santos Seixas, Francismar Corra Marcelino, Maria Cristina Neves de Oliveira, Mariangela Hungria da Cunha, Norman Neumaier, Srgio Luiz Gonalves

    Coordenador de editorao: Odilon Ferreira SaraivaNormatizador bibliogrfico: Ademir B. A. de LimaEditorao eletrnica: Eliane de Oliveira

    Comit de Publicaes

    Expediente

    Circular Tcnica, 73

    CGPE 7888

Recommended

View more >