Principais Doenas da Batata. Requeima (Phytophthora infestans) - Ocorrncia da requeima associada s baixas temperaturas e elevada umidade do ar. -

Download Principais Doenas da Batata. Requeima (Phytophthora infestans) - Ocorrncia da requeima associada s baixas temperaturas e  elevada umidade do ar. -

Post on 21-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

3 download

TRANSCRIPT

Slide 1 Principais Doenas da Batata Slide 2 Requeima (Phytophthora infestans) - Ocorrncia da requeima associada s baixas temperaturas e elevada umidade do ar. - O fator climtico mais importante para o incio da doena a umidade. Slide 3 - Os esporngios em poucos minutos aderem superfcie e, em menos de trs horas ocorrem a germinao e a penetrao. - Os primeiros sintomas surgem depois de trs a quatro dias: so pequenas manchas de cor verde oliva, muito discretas e de difcil visualizao. Slide 4 - Aps trs ou quatro dias as leses so facilmente visualizadas, com a formao dos esporngios e zoosporngios na face inferior das leses (massa pulverulenta de cor branca). - O fungo sobrevive por muito tempo na batata semente. Slide 5 Slide 6 Disseminao: - Vento (at 50 km), que remove os esporngios e zoosporngios das leses e os distribui dentro da rea, ou os transporta para novos locais. - Respingos de gua da chuva ou irrigao - Tubrculos contaminados, no caso da batata. Slide 7 Folha: entre o tecido necrosado e a parte sadia, se forma um anel de massa esbranquiada a concentrao de esporngios que quando germinam originam novas leses. Slide 8 - Ainda no h cultivares resistentes de batata. OBS: o excesso de nitrognio (causando exagerado vigor vegetativo) aliado deficincia de boro e ao plantio mais adensado deixa as plantas mais suscetveis ao ataque do fungo. Slide 9 - Devem-se evitar as irrigaes no final do dia (durante a noite (perodo de maior esporulao) as folhas ficam molhadas (aumentando o perodo de umidade livre), facilitando a infeco). - Fungicidas so aplicados preventivamente. OBS: Aplicar fungicidas de ao sistmica na fase jovem. Slide 10 - Quando a requeima j est instalada, o intervalo deve ser reduzido para dois ou trs dias, at que a doena esteja bem controlada. EX: fungicidas ( Consento e Infinito). - Estas duas solues devem ser aplicadas a partir da amontoa na cultura da batata. Slide 11 Mancha de alternaria (Alternaria solani) - encontrada em todas as regies produtoras de batata. - Sua incidncia maior nos perodos de vero, com temperatura e umidade elevadas. - Recebe tambm as denominaes de crestamento alternrio, queima, queima das folhas e crestamento precoce. Slide 12 Danos: O Fungo ataca toda a parte area da planta, pecolos e caule. Sintomas: - Iniciam-se normalmente nas folhas mais baixas e velhas da planta, onde surgem pequenas manchas (de 1 a 2 mm) escuras. Posteriormente, estas crescem, adquirindo um formato ovide, delimitado pelas nervuras da folha, de colorao escura e com zonas concntricas caractersticas. Slide 13 Mancha de Alternaria (Alternaria solani) Slide 14 - O tecido entre e ao redor das leses apresenta-se normalmente clortico. Mancha de Alternaria (Alternaria solani) Slide 15 - O aumento da intensidade da doena no campo ocorre tanto pelo surgimento de leses novas como pela expanso das mais velhas, que podem coalescer, atingindo uma rea considervel da folha. - Nos pecolos e caules os sintomas so semelhantes. Slide 16 Slide 17 - Maior nmero de leses pode surgir em plantas com deficincia de magnsio, e com infeces de viroses, como o vrus do enrolamento da folha. Tubrculos: as leses so escuras, de formato circular a irregular, deprimidas, tendendo a provocar podrido seca. - A infeco nestes normalmente ocorre atravs de ferimentos. Slide 18 Controle: - Boa nutrio das plantas e a sanidade da batata- semente - Cultivares nacionais como Aracy e Contenda tm resistncia intermediria. Exemplos de Fungicidas: iprodione e tebuconazole. Slide 19 Slide 20 Rhizoctonia solani Slide 21 - Est presente em todas as regies produtoras do mundo. - Sua presena mais comum em solos cultivados intensivamente e onde no se pratica a rotao de culturas com espcies no hospedeiras. Slide 22 Sintomas da doena - Ocorre em reboleiras, provocando a formao de manchas de plantas doentes e plantas sadias no campo. - O patgeno pode atacar todos os rgos da planta, mais comum nos rgos subterrneos da planta ou naqueles prximos ao solo. Slide 23 Sintomas de Reboleira (Rhizoctonia solani) Slide 24 Brotaes do tubrculo: causa o retardamento da emergncia e/ou morte dos brotos; resultando em um menor estande, desenvolvimento irregular das plantas e consequente reduo na produo. - Os brotos atacados podem emergir, apresentar cancros, que podem crescer levando-o morte. Slide 25 - O fungo tambm pode atacar a planta j desenvolvida, causando cancros nos tubrculos, nos estoles e na base das ramas, podendo estrangul-las e lev-las morte. Slide 26 Tubrculo: este pode apresentar uma crosta preta, tambm chamada de mancha asfalto, que resultante da formao de esclerdios do patgeno na sua superfcie. - Tubrculos infectados podem ainda apresentar sintomas de rachaduras, malformao e necrose. Slide 27 Rhizoctonia solani Slide 28 Sintomas reflexos da doena: tem-se a clorose e o enrolamento das folhas, normalmente mais severos na parte apical da planta, podendo confundir com os sintomas do vrus do enrolamento das folhas (PLRV). - Outros sintomas reflexos so a formao de tubrculos areos, enfezamento geral da planta e murcha. Slide 29 Vrus do enrolamento das folhas (PLRV) Slide 30 - Em algumas cultivares, pode ocorrer pigmentao de cor prpura nas folhas, devido ao acmulo de antocianina. Slide 31 Canela Preta (Erwinia carotovora) Slide 32 - Podrido-mole e a canela-preta da batata so doenas causadas pelas erwnias apodrecedoras, Bactrias: produzem enzimas que degradam substncias componentes das paredes celulares das plantas, provocando colapso dos tecidos, o que d aos tubrculos e ramas afetados um aspecto amolecido. Slide 33 Erwinia carotovora Slide 34 - Provocam grandes perdas - Perdas so resultado da infeco das ramas (podrido-mole ou canela- preta), podendo comprometer toda a planta, ou da podrido de tubrculos em campo e/ou aps a colheita (podrido-mole). Slide 35 Bactria causadora As espcies de Erwinia que infectam batata so E. chrysanthemi (ECHR) e E. carotovora. Sendo: Erwinia carotovora subsp. carotovora (ECC) e E. carotovora subsp. atroseptica (ECA). - A diferenciao destas trs espcies/subespcies baseada principalmente em testes bioqumicos. Slide 36 - Erwinia carotovora subsp. carotovora (ECC) tem a distribuio mais ampla, principalmente entre as hortalias. - E. carotovora subsp. atroseptica (ECA) mais restrita batata, sendo facilmente encontrada em regies de climas frios. - E. chrysanthemi (ECHR) a prevalecente em situaes onde so freqentes temperaturas elevadas, acima de 28 C. Slide 37 Sintomas - Todas provocam sintomas muito similares. - Os sintomas e a rapidez com que a doena evolui depende muito mais da umidade do solo e do ar e principalmente, da temperatura, do que da prpria espcie ou subespcie de Erwinia envolvida. Slide 38 Sintomas de apodrecimento: com ou sem escurecimento das ramas, resultam da infeco atravs de ferimentos na parte area da planta. - So freqentes quando a batata cultivada sob alta temperatura e umidade relativa do ar. Slide 39 - Observa-se tambm a murcha e s vezes, o amarelecimento das plantas o que pode ser confundido com a murcha-bacteriana provocada por Ralstonia solanacearum. OBS: Para um diagnstico correto da doena, a maneira mais fcil observar o apodrecimento externo na base da planta, provocado por Erwinia spp., o que no acontece no caso da murcha- bacteriana. Slide 40 - O apodrecimento de tubrculos se inicia por ferimentos ou pelas lenticelas. - Da, sob alta temperatura e alta umidade, avana rapidamente e toma todo o tubrculo, com um escurecimento no limite entre os tecidos afetados e sadios da polpa. Slide 41 - Tecido apodrecido normalmente associado a um odor desagradvel em decorrncia da invaso de organismos secundrios. - Em solos excessivamente midos, os sintomas nos tubrculos infectados se agravam pela ao de outras bactrias anaerbicas presentes no solo (todo o tubrculo apodrece, s vezes permanecendo somente a sua casca). Slide 42 - Quando a infeco ocorre pelas lenticelas e as condies ambientais tornarem-se desfavorveis aps o incio do apodrecimento, por uma reduo da umidade do solo, por exemplo, as leses podem secar, formando pontuaes escuras e deprimidas na superfcie do tubrculo. Slide 43 Epidemiologia - As espcies de Erwinia so considerados habitantes do solo (sobrevivem por longos perodos na ausncia de plantas de batata). Slide 44 - Ocorre um decrscimo do seu nvel populacional. Sobrevivncia: aps a colheita permanecerem resduos de tubrculos, plantas voluntrias (plantas de batata que brotam de tubrculos remanescentes) e plantas daninhas. Slide 45 - Praticamente todo tubrculo produzido em campo carrega um grande nmero de clulas bacterianas nesta forma. Slide 46 Manuteno e Disseminao: -Tubrculos sementes - Durante a colheita, transporte ou armazenamento. - Ferimentos no caule ou folhas, provocados por ventos ou equipamentos agrcolas. Slide 47 - A bactria atinge os stios de infeco atravs de aerossis formados durante a irrigao por asperso ou chuvas, ou levadas por insetos. - Fatores ambientais mais importantes: temperatura e umidades altas. Slide 48 Resumo das medidas de controle 1.Escolher rea de plantio que no tenha sido cultivada nos ltimos anos com batata ou com outras hortalias; 2. Preferir solos bem drenados, no sujeitos a empoamentos de gua; 3. Plantar batata-semente certificada, bem brotada e seca; Slide 49 4. Plantar em solo ligeiramente mido e no irrigar nos primeiros dias aps o plantio; 5. Controlar a irrigao, evitando principalmente excesso de gua e formao de poas dgua; 6. Fazer adubao balanceada, evitando especialmente o excesso de nitrognio e a falta de clcio; Slide 50 7. Evitar ferimentos planta durante a pulverizao e amontoa. Plantas feridas por granizo, vento ou mquinas devem ser imediatamente protegidas com pulverizao com antibitico e/ou fungicida base de cobre; 8. No usar gua contaminada por outras lavouras ou restos de produtos; Slide 51 9. Evitar ferimentos nos tubrculos durante a colheita, transporte e lavao; 10. Colher os tubrculos somente aps a fixao da casca (cerca de uma semana aps a morte das ramas), mas no atrasar muito a colheita; Slide 52 11. Evitar a lavao da batata. Quando lavados, os tubrculos devem sofrer secagem completa antes do ensacamento; 12. Fazer rotao de culturas de preferncia com gramneas. Slide 53 SARNA PRATEADA DA BATATA A sarna prateada, que at poucos anos era considerada doena secundria da batata, vem ganhando importncia. Slide 54 O que causa a sarna prateada? causada pelo fungo Helminthosporium solani (deuteromiceto, famlia Demathiacea,), que s ataca a cultura da batata. Como essa doena se manifesta? Nos tubrculos, e somente na periderme (pele) destes, nunca se aprofundando na polpa. Slide 55 - Tubrculos recm-colhidos, principalmente aps a lavao, apresentam manchas superficiais irregulares, de aspecto metlico-prateado. - Os sintomas so mais evidentes em cultivares de pele mais escura, como a Asterix e a Baronesa. - No caso de batata semente, que armazenada por perodo mais longo, a superfcie afetada pelo fungo vai se enrugando com o tempo. Slide 56 Slide 57 Por que as manchas so prateadas e enrugadas? O fungo provoca a morte das clulas da periderme, onde se formam pequenas bolsas de ar, que conferem o aspecto prateado s leses. O enrugamento ocorre devido ao comprometimento da integridade da superfcie do tubrculo colonizada pelo fungo, o que acelera a perda de gua durante o perodo de armazenamento. Slide 58 Por que essa doena tem aumentado de importncia nos ltimos anos? 1.Porque o fungo tornou-se resistente ao fungicida mais usado para seu controle, o thiabendazole. - Por isso, o controle qumico padro perdeu a eficcia, acarretando no aumento de sementes contaminadas; Slide 59 2. Porque a competitividade do setor exige cada vez mais um produto sem defeitos de pele, por menores que sejam; 3. Porque tem diminudo a oferta de batatas no lavadas (escovadas), como era a Baraka, que escondia os sintomas da doena; 4. Porque os produtores esto cada vez mais treinados em diagnosticar a doena. Slide 60 A doena afeta outras partes da planta? No. Mesmo outros rgos subterrneos da planta, como razes e estoles, no so afetados. Qual o efeito da doena no rendimento? Embora raramente interfira na produtividade, a sarna prateada afeta a aparncia do produto comercial, especialmente no sofisticado mercado brasileiro de batatas lavadas, onde predominam cultivares de peles lisas e brilhantes. Slide 61 A doena transmitida pela batata-semente? Sim. A batata-semente o principal veculo de transmisso. Logo aps o plantio, o fungo comea a se multiplicar atravs das estruturas presentes na superfcie dos tubrculos infestados, com ou sem manifestao de sintomas. - Essas estruturas, principalmente os esporos, contaminam os tubrculos filhos e iniciam novo ciclo da doena. Slide 62 Se a doena eficientemente transmitida pela batata-semente, a tolerncia para ela no deveria ser zero? Tecnicamente, a tolerncia zero seria a mais recomendada, mas isso no possvel na prtica, pois a freqncia com a doena que vem acontecendo comprometeria a oferta de batata- semente, colocando em risco a produo de batata-consumo. Slide 63 Qual a tolerncia atual para a sarna prateada na batata-semente? Essa tolerncia est oficializada pela Instruo Normativa de 05 de maro de 2004, do Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento (MAPA). - Se os tubrculos tiverem acima de 1/8 da superfcie atacada, as tolerncias so de 2%, 3% e 5% nas classes bsica, registrada e certificada, respectivamente. Slide 64 - Se os tubrculos apresentarem menos de 1/8 da superfcie tomada pela doena, a tolerncia de 20% para todas as classes. - Se os tubrculos apresentarem menos de 1/16 da superfcie tomada, a tolerncia de 30% para todas as classes. Slide 65 O plantio de sementes contaminadas vai resultar sempre na presena da doena na colheita? No. Batata-semente contaminada com o fungo pode produzir tubrculos sadios, pois o desenvolvimento da doena requer, alm da presena do fungo, um ambiente favorvel ao seu desenvolvimento. Slide 66 Quais so as condies de clima e solo que favorecem o desenvolvimento da doena? A umidade alta fundamental para a multiplicao do fungo e para iniciar novas leses. Assim, tubrculos de batata-consumo armazenados em solo mido ou de batata- semente armazenados em armazns e cmaras frias midas tm maiores chances de desenvolver a doena. Slide 67 - A partir de 3C, o fungo se multiplica com maior intensidade medida que a temperatura aumenta. - Condies fsicas, qumicas e biolgicas do solo certamente afetam a taxa de multiplicao do fungo, mas essas interaes ainda no esto bem definidas. Slide 68 Esse fungo permanece no solo por muitos anos? No. Se for feita rotao de culturas, recomendada para o controle de vrias outras doenas, e se eliminar a soqueira (resteva), o solo no uma fonte de inculo significativa. Slide 69 - Entretanto, como o fungo apresenta atividade celuloltica, pode permanecer por algum tempo no solo associado a restos de culturas no decompostos e at mesmo em caixas usadas de batata-semente. Slide 70 Como posso ter garantia de que a batata- semente no est contaminada com o fungo? - Atualmente, no h tecnologia economicamente vivel para tal, principalmente devido a dificuldades de amostragem. - Assim, a princpio, toda batata-semente pode estar contaminada. Slide 71 - Deve-se examinar cuidadosamente os tubrculos aps a colheita, durante o armazenamento e na ocasio do plantio, eliminando-se aqueles com sintomas mais severos. Slide 72 - se a batata for armazenada em cmara fria, as temperaturas baixas inibem o crescimento do fungo. Slide 73 Qual o tratamento recomendado para eliminar o fungo na batata-semente? O produto mais indicado para tratamento de tubrculos recm colhidos o thiabendazole. Entretanto, vrias cepas desse fungo j adquiriram resistncia ao produto, fazendo com que o tratamento no seja sempre eficaz. Slide 74 - Alternativas de controle qumico, biolgico e cultural vm sendo estudados em instituies de pesquisa em todo mundo. Slide 75 Existem cultivares resistentes sarna prateada? No. Algumas cultivares podem apresentar quantidades menores de leses muito mais em resposta ao manejo da cultura do que devido resistncia gentica. - Entretanto, cultivares de pele lisa e escura se mostram aparentemente mais suscetveis por evidenciarem mais os sintomas. Slide 76 Quais as medidas de controle eficazes para se controlar a doena na produo de batata consumo? 1.Plantar batata-semente de boa qualidade, de preferncia certificada; 2.Colher o mais rpido possvel aps a morte das ramas; 3.Fazer rotao de culturas; Slide 77 4. Eliminar a soqueira. 5. Aps retirada da cmara fria, deixar os tubrculos secarem em ambiente de baixa umidade antes do plantio. Slide 78 E as medidas para a produo de batata- semente? 1.Plantar material propagativo de boa procedncia, como as classes pr-bsica e bsica; 2.Colher o mais rpido possvel aps a morte das ramas, desde que a pelcula j esteja fixada (cerca de 5-7 dias); Slide 79 3. No armazenar em caixas de madeira que j tenham sido utilizadas; 4. Armazenar em balco ou cmara limpa e desinfestada; 5. Separar lotes diferentes de sementes, pois a ventilao pode desalojar esporos e conduzi-los a outros lotes; Slide 80 6. Como os esporos no germinam em umidade relativa abaixo de 90%, manter os primeiros dias de armazenamento em ambiente mais seco, aumentando a seguir para evitar murchamento dos tubrculos; 7. Armazenar em cmara fria para inibir o crescimento do fungo. Slide 81 A batata-semente importada menos contaminada com a sarna prateada? No. Independentemente do pas de origem, a batata-semente pode at vir infectada, de acordo com uma tabela de tolerncia estabelecida pelo Ministrio da Agricultura. Slide 82 - Inclusive o lote pode chegar ao Brasil muito contaminado sem que tenha havido m f por parte do pas exportador, j que os sintomas se desenvolvem durante o perodo de transporte e armazenamento. Slide 83 Se desconfiar que minhas batatas-sementes esto contaminadas com este fungo, o que fao para ter a confirmao do diagnstico? - Enviar amostras para uma instituio de sua confiana para confirmao em laboratrio.

Recommended

View more >