PREJUZOS CAUSADOS AOS CATADORES QUE como a de So Paulo, Campinas, Santos, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador, Recife e Belo Horizonte, a ...

Download PREJUZOS CAUSADOS AOS CATADORES QUE   como a de So Paulo, Campinas, Santos, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador, Recife e Belo Horizonte, a ...

Post on 26-May-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2553 PREJUZOS CAUSADOS AOS CATADORES QUE TRABALHAM NO LIXO DO MUNICPIO DE JUAZEIRO DO NORTE CE Ccera Josevnia Daniel Cordeiro, Pedro Silvino Pereira2, Antnia Eliene Duarte3, Luiz Marivando Barros3, Marlene Menezes de Souza3 1. Aluna do Curso de Especializao em Ensino de Biologia e Qumica - URCA, 2012. 2. Professor do Curso de Especializao em Ensino de Biologia e Qumica URCA (pedro.sillvino@gmail.com). 3. Professor(a) do Curso de Graduao de Biologia - URCA.Brasil. Recebido em: 06/10/2012 Aprovado em: 15/11/2012 Publicado em: 30/11/2012 RESUMO Nos lixes, os resduos slidos so expostos ao ar, o que atrai inmeros animais. Estes, por sua vez, so veiculadores de muitas doenas a mencionar a febre tifide, a clera, diversas diarrias, disenteria, tracoma, peste bubnica. Dessa forma, as pessoas que esto em contato direto com o lixo podem estar sujeitas a contrair doenas ou outros prejuzos provenientes da exposio ao lixo. A pesquisa foi realizada no municpio de Juazeiro do Norte, localizado no sul do estado do Cear, com rea de 248,558 km e a populao estimada em 249.829 habitantes, dados atravs de conversa informal e consulta literatura especializada. O trabalho foi direcionado aos catadores do sexo feminino e masculino que trabalham no lixo da referida cidade. No lixo do municpio de Juazeiro do Norte esto cadastrados 130 catadores de lixo que realizam diariamente o trabalho de reciclagem sem nenhuma proteo. Os coletores na sua maioria relataram j ter sofrido acidentes com material prfuro-cortante resultante do lixo hospitalar ou de resduos contidos no prprio lixo, como pedaos de vidro e latas enferrujadas. Houve queixas tambm de problemas respiratrios, dores de cabea e acidentes com caminhes de lixo. Assim, diante da problemtica, cabe ao poder pblico colocar em prtica projetos que j existem, voltados para a sade e proteo dessas pessoas que tiram do lixo o seu sustento. PALAVRAS-CHAVE: Lixo, prejuzos, catadores, lixo. DAMAGE CAUSED TO THE SCAVENGERS WORKERS AT THE LANDFILL OF JUAZEIRO DO NORTE, CE ABSTRACT In the landfills, solid waste is exposed to the air, which attracts numerous animals. These are disseminators of many diseases and we can mention typhoid fever, cholera, several types of diarrhea, dysentery, trachoma, plague. Thus, people who are in direct contact with the waste may be subjected to contract many diseases or other damages coming from the trash. The research was conducted in the municipality of Juazeiro do Norte, located in the southern part the state of Cear, with an area of 248.558 km and the estimated population is of 249,829 inhabitants, through informal conversation and consultation of specialized literature. The work ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2554 was directed to the female and male working collectors at that dump of the mentioned city. In the landfill of the city of Juazeiro do Norte 130 waste pickers are registered who perform daily recycling work without any protection. Most collectors reported already having had an accident with material resulting from drill cutting waste or medical waste contained in the trash like broken glass and rusty cans. There were also complaints of respiratory problems, headaches and accidents involving garbage trucks. Thus, faced with this issue, it is for the government to put in place already existing projects in favor of the health and the safety of those people who make their living from garbage. KEYWORDS: Garbage, damage, scavengers, garbage dump. INTRODUO Segundo LAZZARI & REIS (2011) o lixo definido, em geral, como resduo slido descartado pela populao. Os profissionais encarregados de sua coleta e do seu destino final so chamados genericamente de lixeiros ou garis. J de acordo com SANTOS (2008) o lixo qualquer resduo proveniente das atividades humanas ou geradas pela natureza em aglomeraes urbanas. J os resduos slidos so definidos como a soma dos produtos no aproveitados pelas atividades humanas, como domsticas, comerciais, industriais, de servios de sade ou aqueles gerados pela natureza, como folhas, galhos, terra, areia, que so retirados das ruas e logradouros pela operao de varrio e enviados para os locais de destinao ou tratamento. O consumo cotidiano de produtos industrializados responsvel pela contnua produo de lixo. A produo de lixo nas cidades de tal intensidade que no possvel conceber uma cidade sem considerar a problemtica gerada pelos resduos slidos, desde a etapa da gerao at a disposio final. Nas cidades brasileiras, geralmente esses resduos so destinados aos lixes (BELLINI & MUCELIM, 2008). Pode-se considerar que hbitos, atividades econmicas, crescimento das cidades metropolitanas esto correlacionados com a gerao de lixo ao longo da histria. Segundo ISWA (2009) a disposio de resduos em reas afastadas dos permetros urbanos contribuiu para evitar epidemias nas cidades, mas gerou um passivo ambiental, visto que so depositados a cu aberto. Esse fato correspondeu a um importante mote para realizao de pesquisas cientficas com o fim de desenvolver tecnologias economicamente viveis para disposio ambientalmente apropriada dos resduos e para tratamento do chorume. Nos ltimos anos, no mbito da preocupao com mudanas climticas, projetos em resduos slidos esto voltados para recuperao dos gases emitidos pelos aterros. A Lei 12.305, que instituiu a Poltica Nacional de Resduos Slidos (PNRS), tem como principal meta a erradicao de todos os lixes (depsitos de lixo a cu aberto que no dispem de sistemas de proteo ambiental adequado) do Pas e que sejam substitudos por aterros sanitrios, instalaes ambientalmente adequadas para o manejo e depsito de rejeitos, at agosto de 2014 (BRASIL, 2010). A Associao Brasileira de Resduos Slidos e Limpeza Pblica (ABLP), para contribuir na busca de solues, desenvolveram um projeto tcnico que atende meta da PNRS de acabar com os lixes. No Cear, o projeto prev a implantao de ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2555 seis aterros sanitrios de grande porte e seis aterros sanitrios de pequeno porte, totalizando 12 aterros, a um custo de aproximadamente R$ 71.461 milhes. A erradicao dos lixes um assunto de extrema relevncia, cujo propsito para elevar o nvel do Brasil no cenrio internacional em relao destinao final de resduos, segundo YOSHIMURA (2011), presidente da ABLP. De acordo com o projeto, em todo o Pas sero necessrios 256 aterros sanitrios de grande porte e 192 aterros sanitrios de pequeno porte, 448 aterros no total, com valor prximo de R$ 2 bilhes. O autor ainda menciona que num pas como o Brasil, cujo cenrio urbano conta com cerca de 250 cidades com mais de 100 mil habitantes e grandes regies metropolitanas, como a de So Paulo, Campinas, Santos, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador, Recife e Belo Horizonte, a verticalizao das construes inevitvel. A tendncia crescente e, ao que parece, irreversvel em curto prazo, se levar-se em conta o alto grau de aquecimento do mercado imobilirio, motivado pelo baixo desemprego, incluso socioeconmica e programas de incentivo casa prpria, como o Minha Casa Minha Vida. Para OLIVEIRA NETO, et al., (2009), em pases em desenvolvimento os aterros sanitrios devero continuar como alternativa de disposio por muito tempo, a despeito dos esforos relativos melhora de sistemas de coleta seletiva e outras formas de diminuio da quantidade de resduos gerados. No Brasil, colabora para esta realidade, o fato de que a populao cresce em mdia 1% ao ano e a gerao dos resduos domsticos 3%. Uma vez que o lixo tem uma grande responsabilidade em nmeros de mortos relacionados a doenas contradas devido ao contato com resduos, torna-se importante verificar a ocorrncia de problemas, alm daqueles relacionados sade, em pessoas que esto em constante contato com o lixo. Nos lixes, os resduos slidos so expostos ao ar, o que atrai inmeros animais. Para as pessoas que esto em contato direto com o lixo, podem estar sujeitos aos riscos biolgicos. VILELA (2008) afirma que os riscos biolgicos, no mbito das Normas Regulamentadoras de Segurana e Sade no Trabalho NR incluem-se no conjunto dos riscos ambientais, junto aos riscos fsicos e qumicos, ou seja, podem ser causados ainda por agentes biolgicos e microrganismos, de origem animal ou vegetal, que podem trazer efeitos negativos ao organismo humano. A falta de saneamento bsico mostra um cenrio na destinao de RSU (resduos slidos urbanos), que so os lixes, locais onde os resduos so depositados diretamente no solo sem nenhuma tcnica de engenharia para deposio e operao, ou qualquer preocupao com os danos que sero causados ao meio ambiente, como contaminao do solo e corpos dgua superficiais e subterrneos, a proliferao de vetores e instalao de comunidades de catadores, gerao de gases e onde no h nenhum tipo de tratamento que contribua para a melhoria dos danos ambientais e soluo de problemas causados ao homem (SILVEIRA, 2004). O catador de material reciclvel um trabalhador urbano que recolhe os resduos slidos reciclveis, tais como papelo, alumnio, vidro e outros, os quais sobrevivem da separao e comercializao dos materiais reciclveis presentes no lixo urbano. Geralmente essas pessoas trabalham em condies precrias e inadequadas, sujeitas aos mais diversos tipos de contaminao e doenas, sendo que muitas vezes retiram do lixo o seu alimento. Os catadores vivem ainda margem de todos os direitos sociais e ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2556 trabalhistas, excludos da maior parte da riqueza que o mercado de reciclagem movimenta e produz. Crianas e adolescentes, que deveriam estar na escola, sentem-se obrigados a trabalhar para garantir a prpria sobrevivncia. Os catadores de lixo esto sujeitos ao contato ntimo com resduos oriundos das mais diversas atividades humanas. Como realizam seu trabalho a cu aberto, esto submetidos s radiaes solares, s variaes de temperatura, entre outros tipos de agentes agressores, como argumenta ROBAZZI et al., (1998). WINGAARDEN & SMITH (1988) referem existncia do calor como risco ocupacional porque pode agravar ou causar o aparecimento de doenas renais, cardacas e respiratrias. A poeira aparece como outro problema a que o trabalhador pode encontrar-se exposto. REIS (2012) relata que quando inspirada durante longos perodos, a poeira pode penetrar profundamente nos pulmes causando irritao crnica das mucosas. Estas condies de trabalho podem favorecer a ocorrncia de acidentes de trabalho e doenas, que possivelmente resultaro em prejuzos sade fsica e mental. As condies ambientais relativas ao ambiente de trabalho, como por exemplo, a presena de gases, vapores, rudo, calor, etc., so chamados de riscos ambientais (ISEGNET, 2009). As condies ambientes relativas ao conforto, postura, como por exemplo, esforos repetitivos, postura viciosa, etc., so chamados de riscos ergonmicos. Os riscos profissionais dividem-se, pois, em riscos de acidente, riscos ambientais e riscos ergonmicos. Os riscos ambientais so, ento, aqueles inerentes ao ambiente de trabalho que podero em condies especiais, ocasionar as doenas profissionais ou do trabalho (ISEGNET, 2009). O lixo de Juazeiro do Norte, situado a quatro km do centro da cidade, compreendendo uma rea de 25 hectares, recebe os detritos slidos da cidade indiscriminadamente. Lixo domiciliar, comercial, lixo das ruas, lixo hospitalar e do frigorfico industrial local, apesar de ser proibido o despejo de lixo hospitalar e industrial. Nele, os catadores desafiam todos os cuidados necessrios sade, desprotegidos, em sua maioria, andam descalos por cima do lixo pisando em tudo o que h pela frente, inclusive seringas com agulhas usadas em hospitais, farmcias e postos de sade. Diante do exposto, objetivou-se com este estudo verificar os prejuzos a que esto submetidas as pessoas que trabalham no lixo do municpio de Juazeiro do norte CE, levantando as principais reclamaes dos catadores com o intuito de sensibilizar o poder pblico para o problema. METODOLOGIA O trabalho foi realizado no municpio de Juazeiro do Norte, o qual se localiza no sul do estado do Cear. Sua rea de 248,558 km e a populao estimada 249.829 habitantes, com 95,33% de taxa de urbanizao, um PIB de R$ 1.098.232, do qual 79,50% so do setor de comrcio e servios (IPECE, 2010). A pesquisa foi do tipo exploratrio, uma vez que se concentrou em conhecer melhor o objeto a ser investigado. Para coleta dos dados foram realizadas visitas espordicas ao local, durante o ms de junho de 2012, com aplicao de entrevistas com os catadores do local, que se encontra em anexo. O pblico alvo envolveu catadores de ambos os sexos que realizam coleta no referido local. Foram entrevistados 80 catadores, sendo 50 do sexo feminino e 30 do sexo masculino, dos 200 que ali trabalham. Destes 40 catadores moram no lixo, o que ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2557 representa 50% dos entrevistados, e os outros 40 no seu entorno, vivendo de forma precrias e sem condies de higiene na sua maioria. RESULTADOS E DISCUSSO No lixo do municpio de Juazeiro do Norte so cadastrados 200 catadores de lixo os quais realizam diariamente o trabalho de reciclagem no ambiente mencionado sem nenhuma proteo a no ser um bon que utilizam como forma de proteo solar e um amontoado de panos envolto do corpo, improvisados pelos prprios trabalhadores. O risco de acidentes evidente apenas ao observar os mesmos realizarem seu trabalho. Dos 200 catadores que trabalham no lixo, 80 foram escolhidos aleatoriamente, o que representa uma amostra de 40%, dos quais 63% so do sexo feminino (equivalente a 50 catadores) e 37% do sexo masculino (30), de acordo com Grfico 1. GRFICO 1: Sexo dos catadores de lixo no lixo do Municpio de Juazeiro do Norte CE. Com relao ao estado civil, 60 catadores declararam ser casados e 20 solteiros; quanto a escolaridade 50 catadores disseram ter estudado at a quarta srie do ensino fundamental e os demais declararam s saber assinar o nome (analfabeto). Ainda foi dito que antes de serem catadores de lixo, uns faziam bico nas construes como ajudante de servente e outros faziam carretos; mas a maioria, (70%) afirmaram que encontraram no lixo a sua nica fonte de sobrevivncia. Com relao a catao foi perguntado h quanto tempo eles trabalhavam na catao/ reciclagem. 50% responderam que faziam aproximadamente a 10 anos, 30% responderam que faziam cinco anos e 20% menos que cinco anos. Com relao a quantidade de dias trabalhados todos foram unnimes em dizer que trabalham seis dias por semana. Em relao a quanto recebem por ms o valor varia de acordo com o tipo de resduo que chega ao lixo, variando entre R$ 400,00 a 600,00 por ms. ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2558 Os catadores na sua maioria relataram j ter sofrido acidentes com materiais perfuro-cortantes resultantes do lixo hospitalar, apesar da proibio do despejo desse material no local, ou de resduos contidos no prprio lixo como pedaos de vidro e latas enferrujadas. Cerca de 30% dos entrevistados j sofreram algum tipo de acidentes ao subirem em carros no momento do despejo dos resduos. Grande parte dos catadores (70%) apresentam queixas de problemas respiratrios resultantes, segundo eles, da poeira ocorrida pelo fluxo constante dos caminhes de lixo, alm disso, 48% disseram sentirem dores de cabea, provavelmente oriundas do Sol forte, da fumaa, dos gases e do mau cheiro. Ao observar os resduos lanados a cu aberto foi possvel constatar a presena de organismos transmissores de doenas como, moscas, mosquitos, baratas e ratos; a gerao de odores e a poluio do solo e das guas superficiais com chorume, lquido de cor preta, mal cheiroso e de elevado potencial poluidor produzido pela decomposio da matria orgnica contida no lixo, comprometendo os recursos hdricos. fundamental ressaltar a existncia de catadores, os quais retiram do lixo o seu sustento, e muitas vezes residem no prprio local. Muitos organismos so responsveis pela transmisso de inmeras doenas ao homem, tais como febre tifoide, salmoneloses e disenterias, filariose, malria, dengue e febre amarela, provocadas por mosquitos; raiva, peste bubnica, leptospirose e certas verminoses, ocasionadas por roedores (FILHO & BARRETO, 2011). Os urubus que so atrados pela matria orgnica em decomposio encontrada no lixo podem albergar o agente da toxoplasmose (SIQUEIRA & MORAIS, 2009), constituindo igualmente um risco para as aeronaves que circulam nas proximidades de reas de despejo de lixo. ACURIO et al., (1997) apontaram sete principais problemas de sade associados s substncias presentes nos locais de disposio de resduos perigosos: anomalias imunolgicas, cncer, danos ao aparelho reprodutor e defeitos de nascena, doenas respiratrias e pulmonares, deficincias hepticas, problemas neurolgicos e tambm renais. Ainda segundo os autores, o que mais preocupa as comunidades afetadas pela disposio de resduos perigosos so o cncer, os efeitos neurolgicos e os defeitos de nascena. Para FERREIRA & ANJOS (2001) os objetos perfuro-cortantes so responsveis por graves acidentes na coleta de lixo e esto includos entre os materiais que causam repulsas e medo entre os trabalhadores, pelo risco de contaminao. Para FERREIRA & ANJOS (2001), o odor emanado dos resduos pode causar mal-estar, cefaleias e nuseas em trabalhadores e pessoas que estejam prximos de equipamentos de coleta ou de sistemas de manuseio, transporte e destinao final. CONCLUSO Constatou-se que os moradores do entorno do Lixo de Juazeiro do Norte, Cear esto submetidos contaminao do solo pela percolao do chorume e de componentes qumicos do lixo; a poluio do ar pela exalao de gases nocivos sade, como o metano, resultante da decomposio da matria orgnica, entre outros, bem como do mau cheiro, permeando o dia-a-dia de seus moradores; a fragilizao do terreno, em consequncia da compactao inadequada do lixo depositado; os problemas estruturais apresentados pelas unidades habitacionais, ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2559 decorrentes da fragilizao do terreno e acomodao do solo; a presena contnua de insetos e roedores, transmissores de doenas, que ameaam os moradores todos os dias, etc. Os catadores de lixo so profissionais que se mantm em contato direto com o resduo slido, ficando sujeitos a diferentes tipos de riscos. O contato frequente com agentes nocivos sade torna a reciclagem do lixo realizada por essas pessoas uma das atividades mais arriscadas e insalubres. Por isso, deveriam receber, com redobrada ateno, informaes necessrias relativas sade, proteo e segurana no trabalho, alm de superviso constante, sendo observados quanto utilizao adequada dos equipamentos de proteo. O contato dirio com os gases oriundos do lixo pode acarretar danos sade a mdio e longo prazo. Os riscos vo desde as intempries climticas, passando pelo perigo de acidentes que o catador se expe ao subir nos carros de coleta ou mesmo ocorridos devido o contato com materiais perfuro-cortantes oriundos do lixo hospitalar. No local, o lixo domiciliar misturado com o lixo hospitalar e industrial. Os catadores sem nenhuma proteo desafiam todos os cuidados necessrios sade: andam descalos por cima do lixo, no utilizam Equipamento de Proteo Individual (EPI) e sobem em caminhes na busca de material reciclvel, sujeitos a acidentes. Os lixes no obedecem critrios de preservao ambiental ou de sade publica. Espera-se que o poder pblico ponha em prtica o projeto a ser implantado desde 2009 cujo objetivo era realizar um trabalho de reflorestamento da rea, melhorar a segurana, construir um galpo de triagem do lixo e fiscalizar o uso dos Equipamentos de Proteo Individual (EPI) para os catadores. No se tem notcia de que tenham sido adotadas medidas de controle de poluio; nem estudos que apontem a possibilidade de haver ou no a contaminao de guas subterrneas e superficiais, ou do solo, bem como de riscos para a sade e a segurana dos moradores. Recomenda-se considerar a Educao Ambiental, como instrumento de auxlio na construo de um ambiente ecologicamente correto. REFERNCIAS ACURIO, G.; ROSSIN, A.; TEIXEIRA, P.F; ZEPEDA, F. Diagnstico de la situacin del manejo de resduos slidos municipales en Amrica Latina y el Caribe. BID/OPS, Lima. 1997 BELLINI, M.; MUCELIM, C. A. Lixo e impactos ambientais perceptveis no ecossistema urbano. Sociedade & Natureza, Uberlndia, 20 (1): 111-124, jun. 2008 20 (1): 111-124, jun. 2008 BRASIL, 2010. Lei 12.305/2010 Institui a Poltica Nacional de Resduos Slidos. Presidncia da Repblica, Braslia. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007- 2010/2010/lei/l12305.htm. FERREIRA, J.F.; ANJOS L. A. Aspectos da sade coletiva e ocupacional associados gesto dos resduos slidos municipais. Cadernos de Sade Pblica, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p.689-696, maio-junho 2001. ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2560 FILHO, N. A e BARRETO, M. L. Epidemiologia e Sade - Fundamentos, Mtodos e Aplicaes. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2011. INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATGIA ECONMICA DO CEAR (IPECE). Perfil bsico municipal: Juazeiro do Norte. 2010. Disponvel em Acesso em: 15 jun. 2012. ISEGNET. Curso de CIPA no Isegnet Formao de Pessoal na Comisso Interna Para Preveno de Acidentes, 2009. Disponvel em < www.isegnet.com.br. > Acesso em: 16 jun. 2012. ISWA, 2009. Waste and Climate Change. White Paper. Austria: Internacional Solid Waste Association, 39 p. LAZZARI, Michelly Angelina; REIS, Cssia Barbosa. Os coletores de lixo urbano no municpio de Dourados (MS) e sua percepo sobre os riscos biolgicos em seu processo de trabalho. Cinc. sade coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 8, Aug. 2011. OLIVEIRA Neto, R., PETTER, C.O., CORTINA, J.K., 2009. The Current Situation of Sanitary Landfills in Brazil and the Importance of the Application of Economic Models. Waste Management & Research. 27, 10021005. REIS, ROBERTO S. Segurana e sade do trabalho. So Paulo: YENDIS, 2012. ROBAZZI, M. L.C.; SILVEIRA, E. A.; LUIS, M.A.V. Varredores de rua: acidentes ocorridos na cidade de Ribeiro Preto, Estado de So Paulo, Brasil. Rev. Latinoam. Enfermagem, Ribeiro Preto, v. 6, n.1, p. 71-79, jan/1998. SANTOS, I. V. A. Estudo dos riscos de acidentes de trabalho em coletores de lixo. So Paulo: ANAP. 2008. SILVEIRA, A. M. M. Estudo do Peso Especfico de RSU. Tese de Doutorado, UFRJ, 2004. SIQUEIRA, M. M. e MORAES, M. S. Sade coletiva, resduos slidos urbanos e os catadores de lixo. Cincia & Sade Coletiva, 14(6):2115-2122, 2009. VILELA, A. Os Riscos Biolgicos no mbito da norma regulamentadora n 32, 2008. Disponvel em < www.trabalhoseguro.com.> Acesso em: 17 jun. 2012. WINGAARDEN, J.B.; SMITH, L.H. Tratado de medicina interna. 18 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988. YOSHIMURA, T. Oportunidade histrica de melhorar o ambiente urbano. 2011. ABLP. Acesso em 26/10/2012 http://www.ablp.org.br/conteudo/artigos.php?pag=integra&cod=600. ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2561 ANEXO I DADOS PESSOAIS: 1. Idade: ____________________________ Sexo: ( ) M ( ) F 2. Estado civil: ( ) Casado ( ) Solteiro 3. Escolaridade: ( ) Ensino fundamental I (1 ao 5 ano) ( ) Ensino fundamental II(6 ao 9 ano) ( ) Ensino mdio(1 ao 3ano) ( ) Superior 4. Profisso anterior: ________________________________________________________________ CATAO: 5. H quanto tempo voc trabalha na catao / reciclagem? ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ 6. Quantos dias por semana e quantas horas por dia voc dedica a essa atividade? ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ 7. Quanto recebe por ms? ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ 8. J sofreu algum acidente com material perfuro-cortante? ENCICLOPDIA BIOSFERA, Centro Cientfico Conhecer, Goinia, v.8, n.15; p. 2012 2562 ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ 9. Que tipo de doena adquiriu no lixo? ________________________________________________________________ ________________________________________________________________

Recommended

View more >