Pragas do feijoeiro (Feijo)

Download Pragas do feijoeiro (Feijo)

Post on 09-Jan-2017

4.077 views

Category:

Science

3 download

TRANSCRIPT

  • ISSN 1678-9644Novembro, 2009

    Empresa Brasileira de Pesquisa AgropecuriaCentro Nacional de Pesquisa de Arroz e FeijoMinistrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento

    Documentos 246

    Eliane Dias Quintela

    Manual de identificao de insetos e outros invertebrados pragas do feijoeiro

    Embrapa Arroz e FeijoSanto Antnio de Gois, GO2009

  • Exemplares desta publicao podem ser adquiridos na:

    Embrapa Arroz e FeijoRod. GO 462, Km 12Caixa Postal 17975375-000 Santo Antnio de Gois, GOFone: (0xx62) 3533 2100Fax: (0xx62) 3533 2123www.cnpaf.embrapa.brsac@cnpaf.embrapa.br

    Comit de Publicaes da UnidadePresidente: Lus Fernando StoneSecretrio-Executivo: Luiz Roberto Rocha da Silva Membros: Jos Alexandre Freitas Barrigossi Flvia Rabelo Barbosa

    Supervisor editorial: Camilla Souza de Oliveira Reviso de texto: Camilla Souza de Oliveira Normalizao bibliogrfica: Ana Lcia D. de FariaTratamento das Ilustraes: Sebastio Jos de ArajoEditorao eletrnica: Fabiano SeverinoFotos da Capa: Sebastio Jos de Arajo

    1a edio1a impresso (2009): 100 exemplares

    Todos os direitos reservadosA reproduo no-autorizada desta publicao, no todo ou em parte,

    constitui violao dos direitos autorais (Lei no 9.610).

    Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP)Embrapa Arroz e Feijo

    Quintela, Eliane Dias. Manual de identificao de insetos e outros invertebrados pragas do feijoeiro / Eliane Dias Quintela. - Santo Antnio de Gois : Embrapa Arroz e Feijo, 2009. 68 p. : il. ; 9,5 cm. - (Documentos / Embrapa Arroz e Feijo, ISSN 1678-9644 ; 246)

    1. Feijo Inseto. 2. Praga de planta. I. Ttulo. II. Embrapa Arroz e Feijo. III. Srie.

    CDD 635.65297 (21. ed.) Embrapa 2009

  • Autores

    Eliane Dias Quintela Engenheira agrnoma, Ph.D. em Entomologia, pesquisadora da Embrapa Arroz e Feijo, Santo Antnio de Gois, GO, quintela@cnpaf.embrapa.br

  • O problema de pragas na cultura do feijoeiro tem aumentado

    significativamente nos ltimos anos devido mudana de status

    de algumas pragas, adaptaes de pragas de outros cultivos e

    pela introduo de novas pragas de outros pases. Pragas que

    eram consideradas de importncia secundria ou no existiam no

    feijoeiro, atualmente esto causando danos significativos cultu-

    ra. Este documento traz informaes atualizadas sobre o desen-

    volvimento biolgico, comportamental e de dano das pragas mais

    comuns ao feijoeiro e visa facilitar o reconhecimento rpido das

    principais espcies de invertebrados que ocorrem a campo.

    Pedro Luiz de Oliveira Almeida MachadoChefe Geral da Embrapa Arroz e Feijo

    Apresentao

  • Sumrio

    PRAGAS DAS SEMENTES, PLNTULAS E RAZES .......................................9Larva das Sementes Delia platura (Diptera: Anthomiidae) .......................10Gorgulho do Solo Teratopactus nodicollis (Coleoptera: Curculionidae) ......12Lagarta Rosca Agrotis ipsilon (Lepidoptera: Noctuidae) .........................13Lagarta Elasmo Elasmopalpus lignosellus (Lepidoptera: Pyralidae) ...........14Lagarta Cortadeira Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae) .........16Lagarta Cortadeira Anticarsia gemmatalis (Lepidoptera: Noctuidae) .........17Lesmas Sarasinula linguaeformis, Derocerus spp., Limax spp. e Phyllocaulis spp. (Stylomenatophora: Veronicellidae) .........................................................................18

    PRAGAS DESFOLHADORAS ....................................................................20Vaquinha Verde ou Patriota Cerotoma arcuata (Coleoptera: Chrysomelidae) ....22Vaquinha Diabrotica speciosa (Coleoptera: Chrysomelidae) ....................24Minadora Liriomyza spp. (Diptera: Agromyzidae) ...................................25Lagarta Enroladeira das Folha Omiodes indicata (Lepidoptera: Pyralidae) .26Lagarta Cabea de Fsforo Urbanus proteus (Lepidoptera: Hesperiidae) ...28Lagarta Falsa-Medideira Pseudoplusia includens (Lepidoptera: Noctuidae) .29Lagarta Desfolhadora Spodoptera eridania (Lepidoptera: Noctuidae) ........30

    PRAGAS SUGADORAS E RASPADORAS ...................................................32Cigarrinha Verde Empoasca kraemeri (Homoptera: Cicadellidae) ..............34Mosca-Branca Bemisia tabaci bitipos A e B (Homoptera: Aleyrodidae) ...35

  • Tripes Thrips palmi (Thysanoptera: Thripidae) .......................................37Tripes Caliothrips brasiliensis (Thysanoptera: Thripidae) .........................39Thrips tabaci (Thysanoptera: Thripidae) ...............................................40caro-Branco Polyphagotarsonemus latus (Acarina: Tarsonemidae) .........41caro-Rajado Tetranhychus urticae (Acarina: Tetranychidae) ..................43Broca das Axilas Epinotia aporema (Lepidoptera: Olethreutidae) ..............47Tamandu da Soja ou Bicudo da Soja Sternechus subsignatus (Coleoptera: Curculionidae) ...................................................................................49Percevejo Manchador dos Gros Neomegalotomus simplex (Heteroptera: Alydidae) .........................................................................................53Percevejo Verde ou Fede-Fede Nezara viridula (Heteroptera: Pentatomidae) ...54Percevejo Marrom Euschistus heros (Heteroptera: Pentatomidae) ............55Percevejo Verde-Pequeno Piezodorus guildini (Heteroptera: Pentatomidae) 56Percevejo Pardo Thyanta perditor (Heteroptera: Pentatomidae) ...............57Percevejo Asa Preta Edessa meditabunda (Heteroptera: Pentatomidae) ....58Percevejo Verde Chinavia spp. (Heteroptera: Pentatomidae) ..................59Lagarta das Vagens Maruca vitrata (Lepidoptera: Pyraustidae) ................60Etiella zinchenella (Lepidoptera: Phycitidae) ..........................................62Thecla jebus (Lepidoptera: Gelechidae) ................................................63Caruncho do Feijo Zabrotes subfasciatus (Coleoptera: Bruchidae) ..........66Acanthoscelides obtectus (Coleoptera: Bruchidae) ................................67

  • PRAG

    AS D

    AS S

    EMEN

    TES,

    PL

    NTUL

    AS E R

    AZE

    S

  • 10

    Larva das Sementes Delia platura (Diptera: Anthomiidae)

    Os adultos so semelhantes aos adultos da mosca domstica, de colorao cinza com cerca de 5 mm de comprimento. As fmeas oviposi-tam no solo, prximo s plantas ou sementes, em solo rico em matria orgnica e restos culturais. Os ovos so brancos e eclodem entre dois a oito dias. As larvas so branco-amareladas e completamen-

    te desenvolvidas, medem cerca de 6 mm de comprimento. A fase de pupa ocorre no solo, no interior de um puprio cor de caf, durando em mdia 9-12 dias.

    Danos: As larvas penetram nas sementes, perfurando o cotildo-ne, destruindo parcialmente ou totalmente o embrio, ocasionando reduo na populao de plantas.

    Podem alimentar-se, tambm, no interior do hipoctilo em plantas recm-emergidas, ocasionando po-drido dos tecidos, doena bacteria-na denominada Erwinia caratovora. Esta bactria persiste at o estgio do adulto, sendo transmitida pelas moscas atravs dos ovos. As larvas podem tambm alimentar-se de razes mais desenvolvidas.

  • 11

  • 12

    Gorgulho do Solo Teratopactus nodicollis (Coleoptera: Curculionidae)

    Os adultos medem de 10 15 mm com rostro curto e quadrado e colorao marrom-acinzentada, com as asas anteriores fundidas, o que o impede de voar. Os ovos so amarelados, achatados e ovais. As larvas so podas com o corpo ciln-drico levemente curvado, colorao

    branco-amarelada e com a cpsula ceflica castanho-amarelada, com mandbulas bem desenvolvidas. A pupa branco-amarelada, do tipo-livre e apresenta traos do adulto.

    Danos: As larvas alimentam-se dos ndulos em leguminosas, da radcu-la e hipoctilo das plantas e, neste

    caso, as plantas morrem antes da emergncia, havendo falhas na linha de plantio. Elas podem consumir vrias plantas, causando maior dano na fase de germinao e no incio de desenvolvimento vegetativo.

  • 13

    Lagarta Rosca Agrotis ipsilon (Lepidoptera: Noctuidae)

    Os adultos so mariposas de colo-rao pardo-escura a marrom com algumas manchas escuras nas asas anteriores. As mariposas medem em torno de 50 mm de envergadura. A fmea efetua a postura de 600 a 1000 ovos sobre as plntulas ou no solo em matria orgnica. O perodo de incubao dos ovos , em mdia, de cinco dias. As lagartas so de colorao varivel, cinza-escura a marrom-escura e dura, em mdia, 28 dias. As lagartas tm hbito no-turno e durante o dia encontram-se na base da planta, protegidas sob torres ou a poucos centmetros de profundidade no solo, na posio de rosca. A fase de pupa dura em torno de 15 dias.

    Danos: As lagartas consomem sementes no sulco de plantio e cortam as plntulas rente ao solo. O dano causado pelo inseto ser maior se houver populao elevada de lagartas grandes, provenientes

    de plantas hospedeiras, na fase de germinao das plantas. As plantas mais desenvolvidas podem tolerar o dano por mais tempo, porm mur-cham e podem sofrer tombamento pelo vento.

  • 14

    Lagarta Elasmo Elasmopalpus lignosellus (Lepidoptera: Pyralidae)

    A mariposa fmea apresenta colora-o cinza escura e o macho de cor pardo-amarelada, mede cerca de 20 mm de envergadura. A postu-ra de aproximadamente 130 ovos realizada individualmente nas folhas, talos ou no solo. As larvas so de cor verde azulada e passam por seis nstares em 13-26. Elas movimentam-se com muita agilida-

    de, constroem casulos revestidos de solo, que ficam na entrada dos orifcios que fazem na planta. A lagarta forma uma cmara pupal no solo ligada ao caule.

    Dano: A lagarta perfura o caule pr-ximo superfcie do solo (colo) ou logo abaixo e fazem galerias ascen-dentes no xilema provocando ama-

    relecimento, murcha e morte das plantas. Dano maior ocorre quando as plantas so atacadas na fase inicial de desenvolvimento. Plantas com mais de 20 dias raramente so atacadas. Tambm consomem sementes e razes e, na ausncia de plantas, podem completar a fase consumindo vegetais mortos.

  • 15

  • 16

    Lagarta Cortadeira Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae)

    O inseto adulto tem de 32 a 40 mm de envergadura. A fmea coloca, em mdia, 1500 ovos, em mas-sas variando de 100 a 200 ovos, que so depositados em grupos, geralmente em duas camadas e desenvolvem-se em dois a trs dias. A lagarta passa por seis nstares lar-

    vais em aproximadamente 14 dias. A parte frontal da cabea da lagarta madura apresenta um Y inverti-do de colorao branca. A lagarta empupa no solo, na profundidade de 2 a 8 cm e se desenvolve entre oito a nove dias.

    Danos: As lagartas cortam as plntulas rentes ao solo. Os danos causados pela lagarta tm sido con-fundidos com os da lagarta rosca, devido semelhana de seus danos ao feijoeiro e tambm pela seme-lhana entre as lagartas.

  • 17

    Lagarta Cortadeira Anticarsia gemmatalis (Lepidoptera: Noctuidae)

    A mariposa possui colorao cinza, marrom ou bege e com 30 a 38 mm de envergadura. A fmea deposita, em mdia, 1000 ovos na face infe-rior das folhas, no caule, pecolos e ramos e dura aproximadamente trs dias. As lagartas de cor esverdeada e nos dois primeiros nstares se lo-comovem medindo palmos, seme-lhante s lagartas falsas-medideiras. A fase larval dura aproximadamente 12 a 15 dias e passa por seis ns-tares larvais. A lagarta empupa no solo e aps nove a dez dias emer-gem as mariposas.

    Danos: Lavouras de feijo plantadas aps a colheita da soja tm sido danificadas pela lagarta-da-soja que corta as plantas. Em plantas mais

    desenvolvidas, as lagartas raspam o caule na altura do solo.

  • 18

    Lesmas Sarasinula linguaeformis, Derocerus spp., Limax spp. e Phyllocaulis spp. (Stylomenatophora: Veronicellidae)

    A lesma um molusco de corpo achatado de colorao marrom, parda ou cinza. Para facilitar a locomoo e manter o corpo mido expelem uma secreo (muco). So hermafroditas e colocam, em mdia, 80 ovos de forma agrupada em re-sduos de plantas ou em rachaduras no solo. Vivem de 12-18 meses e uma gerao desenvolve-se em oito

    semanas. As lesmas tm hbitos noturnos e durante o dia escon-dem-se debaixo de pedras, restos culturais e no solo. Elas so inativas durante os perodos de seca.

    Danos: As lesmas jovens podem consumir a folha inteira, deixando somente o talo. Lesmas mais de-senvolvidas consomem toda a folha e podem cortar as plantas rente

    ao solo e danificar as vagens. O nematide Angiostrongylus costari-censis, pode ser transmitido ao ser humano, principalmente em crianas atravs do muco produzido pela les-ma causando a doena denominada angiostrongilose abdominal.

  • 19

  • PRAG

    AS D

    ESFO

    LHAD

    ORAS

  • 22

    Vaquinha Verde ou Patriota Cerotoma arcuata (Coleoptera: Chrysomelidae)

    O adulto de C. arcuata um besou-ro de colorao castanha, com man-chas escuras no dorso e medem 5-6 mm de comprimento. A fmea pe, em mdia, 1200 ovos no solo e as larvas branco-leitosas, com a cabe-a e o ltimo segmento abdominal escuros, passam por trs nstares no solo em aproximadamente nove dias.

    Danos: Os adultos das vaquinhas causam desfolha durante todo o ci-clo da cultura e podem alimentar-se de flores e vagens. Os danos mais significativos ocorrem no estgio de plntula, pois podem consumir o broto apical e se ocorrerem altas populaes e no houver rea foliar disponvel pode matar a planta. As larvas alimentam-se das razes, de

    ndulos e de sementes em germina-o, fazendo perfuraes no local de alimentao.

  • 23

  • 24

    Vaquinha Diabrotica speciosa (Coleoptera: Chrysomelidae)

    O adulto de Diabrotica speciosa apresenta colorao verde com trs manchas amarelas no dorso, mede cerca de 6 mm de comprimento e vive, em mdia, 50 a 60 dias. A fmea pe cerca de 420 ovos, que eclodem em seis a oito dias. As larvas so semelhantes as de C.

    arcuata e tambm apresentam trs nstares entre nove a 14 dias. A pupa, de colorao branco-leitosa, desenvolve-se no solo em seis a oito dias

    Danos: Os adultos alimentam-se preferencialmente das folhas, mas

    podem alimentar-se de flores e vagens, quando a incidncia de adultos for alta. Os danos mais significativos ocorrem no estgio de plntula. As larvas alimentam-se das razes, ndulos e sementes em germinao.

  • 25

    Minadora Liriomyza spp. (Diptera: Agromyzidae)

    Os adultos medem cerca de 1-1,5 mm e vivem por aproximadamente seis dias. A fmea pode ovipositar isoladamente, dentro do tecido foliar, entre 500 a 700 ovos. Cada fmea coloca, em mdia, 35 ovos diariamente. Aps dois a trs dias nascem as larvas de colorao bran-

    co hialina e, aps a primeira troca de pele, tornam-se amareladas. O estgio larval dura de quatro a sete dias, passando por trs nstares. A pupa, de cor marrom clara a escura, desenvolve-se em cinco a sete dias.

    Danos: As larvas abrem galerias irregulares entre a epiderme supe-

    rior e inferior das folhas, formando leses esbranquiadas, podendo penetrar nas nervuras. Quando a populao de larvas na folha alta, ocorre reduo significativa da rea fotossinttica, podendo ocorrer mur-cha e queda prematura das folhas.

  • 26

    Lagarta Enroladeira das Folha Omiodes indicata (Lepidoptera: Pyralidae)

    Os adultos de O. indicata tm asas amareladas com estrias transver-sais escuras, medindo 20 mm de envergadura e podem viver por seis dias. A mariposa oviposita, em mdia, 330 ovos, na face inferior das folhas. Aps quatro dias, nasce a lagarta de colorao verde que se desenvolve em 11 dias. A pupa dura, em mdia, cinco dias.

    Danos: As lagartas raspam o parn-quima foliar, rendilhando os fololos que tornam-se secos. Enrolam as folhas atacadas com fios de seda, para se protegerem, onde podem ser observadas no seu interior as lagartas e as fezes.

  • 27

  • 28

    Lagarta Cabea de Fsforo Urbanus proteus (Lepidoptera: Hesperiidae)

    As lagartas so reconhecidas pelas trs linhas longitudinais no dor-so e pela grande cpsula ceflica marrom-avermelhada. O adulto da lagarta cabea de fsforo pe de um a seis ovos/folha na face infe-rior. Os ovos eclodem em seis dias,

    as larvas e pupas desenvolvem em 15 e nove dias, respectivamente. As lagartas dobram as margens das folhas e alimentam-se e empupam dentro dessa dobra. Eventualmente, as lagartas saem dessa cmara para se alimentarem.

    Danos: As lagartas dobram as mar-gens das folhas do feijoeiro. Essa lagarta raramente ocorre em popu-laes capazes de causar danos ao feijoeiro.

  • 29

    Lagarta Falsa-Medideira Pseudoplusia includens (Lepidoptera: Noctuidae)

    O adulto da falsa-medideira uma mariposa de colorao marrom-acin-zentada, com duas manchas pra-teadas no primeiro par de asas. A fmea oviposita mais de 600 ovos na face inferior das folhas. A lagarta apresenta colorao verde-clara, com linhas longitudinais esbranqui-adas no dorso. Possui apenas dois pares de falsas pernas abdominais e movimenta-se como se estivesse medindo palmos. A pupa, de cor verde, fica protegida em uma teia na face inferior das folhas.

    Danos: A falsa medideira no consome as nervuras das folhas de feijo e a desfolha apresenta um aspecto rendilhado.

  • 30

    Lagarta Desfolhadora Spodoptera eridania (Lepidoptera: Noctuidae)

    Os adultos so mariposas de aproxi-madamente 40 mm de envergadura, de colorao cinza-clara, sendo as asas anteriores acinzentadas, com um ponto preto no centro, e as pos-teriores, de colorao esbranquiada.

    As lagartas so de cor marrom, com uma faixa lateral amarela que inter-rompida por uma mancha escura no trax. Os ovos so depositados em massas sobre as folhas.

    Danos: Em algumas regies as

    lagartas tm causado desfolhas significativas e, no estgio repro-dutivo do feijoeiro, alimentam-se tambm de vagens e gros.

  • PRAG

    AS S

    UGAD

    ORAS

    E R

    ASPA

    DORA

    S

  • 34

    Cigarrinha Verde Empoasca kraemeri (Homoptera: Cicadellidae)

    Os adultos, de colorao verde, medem cerca de 3 mm e vivem, em mdia, 60 dias. Cada fmea oviposita, em mdia, 107 ovos. Os ovos so inseridos isoladamente nas folhas, pecolos ou caule e eclodem entre oito a nove dias. Os cinco estgios ninfais so completados

    em 8-11 dias. As ninfas so de colorao esverdeada semelhantes aos adultos, no possuem asas e se locomovem lateralmente. Os adultos e ninfas localizam-se normalmente na face inferior das folhas.

    Danos: O dano causado pelas ninfas e adultos que se alimentam

    do floema da planta, sugando a seiva e reduzindo o rendimento do feijoeiro. Os sintomas do ataque caracterizam-se pelo amarelecimen-to e curvatura das bordas foliares para baixo, seguido de secamento das margens das folhas.

  • 35

    Mosca-Branca Bemisia tabaci bitipos A e B (Homoptera: Aleyrodidae)

    Os adultos possuem dois pares de asas brancas e membranosas reco-bertas por uma substncia cerosa. A fmea pe de 20 a 350 ovos durante seu tempo de vida. A ninfa de primeiro nstar locomove-se por algumas horas ou dias at fixar-se na planta. Depois de estabelecida, a

    ninfa se mantm sssil em todos os outros estdios, at a emergncia do adulto. A durao mdia da fase de ovo a adulto de aproximada-mente 33 dias.

    Danos: Os danos diretos, pela suco da seiva da planta, podem ocorrer quando a populao da

    mosca-branca elevada. Pela trans-misso do vrus do mosaico doura-do, os danos so mais significativos quanto mais jovem a planta for infectada, podendo ocorrer perda total da produo. Aps o floresci-mento, as perdas devido ao vrus so reduzidas.

  • 36

  • 37

    Tripes Thrips palmi (Thysanoptera: Thripidae)

    Os adultos de T. palmi medem 1-1,2 mm de comprimento, apre-sentam colorao amarelo-clara e dourada, sendo a fmea maior que o macho. Os ovos branco-amarelados so colocados separadamente nas folhas e flores. Os dois estgios ninfais (10 e 20 nstares) so amarelo-claros. Quando completa-mente desenvolvidas, as ninfas do 20 nstar jogam-se ao solo, onde se transformam em pr-pupa e, em

    seguida, em pupa. Os dois estgios pupais (pr-pupa e pupa) tambm apresentam colorao amarelada, sendo a pupa imvel e a pr-pupa com pouca mobilidade. O estgio de ovo, ninfa e pupa dura, em mdia, 6,3, 4,8 e 14 dias, respectivamen-te.

    Danos: So decorrentes da ali-mentao das ninfas e adultos nas folhas e flores. As folhas inicial-

    mente apresentam pontos brancos na face superior. Pontos prateados surgem na superfcie inferior das folhas. Com o tempo, os tecidos mortos necrosam, ficam bronzeados ou ressecam e tornam-se quebradi-os. Brotos foliares e botes florais, quando atacados tendem a atrofiar. Pode tambm ocorrer uma queda prematura dos botes florais e va-gens quando ocorre alta infestao da praga.

  • 38

  • 39

    Tripes Caliothrips brasiliensis (Thysanoptera: Thripidae)

    O adulto de Caliothrips brasiliensis vive por aproximadamente 15 dias e mede cerca de 1,0 mm de compri-mento. Apresenta colorao preta com duas faixas brancas nas asas franjadas e as pernas so pretas com as extremidades das tbias de colorao amarelada. As fmeas inserem os ovos nas folhas, peco-los e caule e os ovos eclodem entre cinco e seis dias. Larvas do primeiro nstar se desenvolvem em um e dois dias e o 20 nstar dura de quatro a cinco dias. As ninfas empupam no solo durante dois a trs dias.

    Danos: Semelhantes aos danos do Thrips palmi. As ninfas e adultos alimentam-se das folhas e flores. Em altas populaes, brotos foliares

    e botes florais atrofiam e pode ocorrer queda prematura das flores e vagens.

  • 40

    Thrips tabaci (Thysanoptera: Thripidae)

    O adulto de Thrips tabaci possui cerca de 1,0 mm de comprimento e colorao desde amarelo-palha marrom-clara. Cada fmea coloca de 20 a 100 ovos e o perodo de incubao dos ovos de cinco dias. As ninfas tm colorao branca ou levemente amarelada e duram cinco dias. O perodo pupal de quatro dias.

    Danos: Semelhantes aos demais tripes, anteriormente citados.

  • 41

    caro-Branco Polyphagotarsonemus latus (Acarina: Tarsonemidae)

    A ocorrncia do caro-branco, Polyphagotarsonemus latus, tem aumentado significativamente no feijoeiro, principalmente no plantio de inverno e da seca. O caro bran-co encontra-se na pgina inferior das folhas e praticamente invis-vel a olho nu. A colorao varia de branca, mbar ou verde clara, com o tegumento brilhante. O ciclo de

    vida curto, podendo passar pelo estgio de ovo, larva, pseudopupa e adulto em seis a sete dias. As fmeas so maiores que os machos e vivem por aproximadamente 15 dias. A fmea coloca, em mdia, 48 ovos na face inferior das folhas do feijoeiro.

    Danos: Inicialmente o ataque ocorre em reboleiras e visvel nas folhas

    do ponteiro que ficam com as bordas dos fololos enroladas para cima e adquire, inicialmente, uma cor verde escura brilhante. Poste-riormente, a face inferior do fololo torna-se bronzeada, pela morte dos tecidos e as folhas ficam ressecadas e quebradias. Em altas infestaes, o caro-branco ataca as vagens que ficam prateadas e, posteriormente, bronzeadas e retorcidas.

  • 42

  • 43

    caro-Rajado Tetranhychus urticae (Acarina: Tetranychidae)

    O caro-rajado, Tetranhychus urti-cae, tem sido observado no plantio de inverno, em reas onde se plan-tou anteriormente algodo ou sorgo. O adulto possui forma ovalada e colorao esverdeada com duas

    manchas mais escuras no dorso, sendo uma de cada lado e mede cerca de 0,45 mm de comprimento e 0,24 mm de largura. Vive na face inferior das folhas, geralmente na parte mediana da planta, onde tece

    teias e a fmea coloca de 77 a 134 ovos. Os trs nstares desenvolvem-se em oito dias.

    Danos: Os adultos e ninfas escarifi-cam o tecido vegetal e alimentam-se da seiva que extravasada.

  • PRAGAS DAS HASTES E AXILAS

  • 47

    Broca das Axilas Epinotia aporema (Lepidoptera: Olethreutidae)

    Os adultos so ativos durante a noite e vivem por 15-22 dias. As fmeas colocam uma mdia de 100 ovos. O estgio de ovo dura de quatro a sete dias e passam por cinco estgios larvais que so completados em 14-22 dias. Inicialmente, as larvas so branco-esverdeadas, com a cabea escura, tornando-se amareladas,

    e posteriormente rseas quando prximo fase de pupa. As larvas empupam nas folhas ou no solo.

    Danos: O ataque geralmente inicia-se pelo ponteiro das plantas. As larvas penetram no caule atravs das axilas dos brotos terminais do feijoeiro, formam galeria descenden-te, onde ficam abrigadas. Une os

    fololos com teia e podem alimentar-se do caule ou dos ramos da planta, podendo causar sua quebra e favo-recer a entrada de patgenos. No broto atacado, a larva pode alimen-tar-se do tecido foliar, causando o desenvolvimento anormal ou a sua morte. Podem alimentar-se tambm de flores e vagens do feijoeiro.

  • 48

  • 49

    Tamandu da Soja ou Bicudo da Soja Sternechus subsignatus (Coleoptera: Curculionidae)

    Os adultos so besouros com cerca de 8 mm de comprimento, de colo-rao preta e faixas amareladas no dorso do trax, na proximidade da cabea e nos litros. As fmeas ovi-positam em mdia 212291 ovos, nas hastes das plantas. O perodo de incubao dos ovos , em mdia, de cinco dias. As larvas podas tm

    o corpo cilndrico levemente curva-do, de colorao branco-amarelada e com a cabea castanho-escura. Aps passarem por cinco nstares, que dura aproximadamente 44 dias, as larvas descem ao solo, ainda no quinto nstar, para hibernar por at dez meses.

    Danos: Os adultos atacam os peco-los e a haste principal, desfiando os tecidos ao redor da haste. As larvas desenvolvem-se no interior das has-tes, abrindo galerias em seu interior, que podem provocar a quebra e, muitas vezes, a morte das plantas.

  • 50

  • PRAGA DAS VAGENS

  • 53

    Percevejo Manchador dos Gros Neomegalotomus simplex (Heteroptera: Alydidae)

    O adulto apresenta corpo estreito, cabea destacada, colorao mar-rom clara e mede de 10-11 mm. As fmeas ovipositam os ovos, sepa-radamente, nas folhas e vagens do feijoeiro. As ninfas so semelhantes a formigas e causam maiores danos

    aos gros a partir do quarto nstar. o percevejo mais abundante no feijoeiro.

    Danos: Os percevejos causam danos significativos s vagens, alimentando-se diretamente dos

    gros desde o incio de formao de vagens. Os gros atacados ficam menores, enrugados, chochos e mais escuros. Reduz, tambm, o poder germinativo e transmite a mancha de levedura provocada pelo fungo Nematospora corylli, o que causa depreciao do produto.

  • 54

    Percevejo Verde ou Fede-Fede Nezara viridula (Heteroptera: Pentatomidae)

    O adulto verde com antenas aver-melhadas, mede entre 12 e 15 mm e vive por at 70 dias. As fmeas

    colocam os ovos amarelos, normal-mente na face inferior das folhas, em massas de 50-100 ovos. As ninfas tm cor verde ou preta, com man-chas brancas, vermelhas e pequenos pontos pretos distribudos pelo corpo e apresentam cinco nstares. O pero-do de ninfa dura entre 20-25 dias.

    Danos: Somente a partir do terceiro nstar, as ninfas alimen-tam-se dos gros, com inten-sidade crescente at o quinto nstar. Sugam as vagens e gros de feijo, afetando a qualida-de das sementes e reduzindo o rendimento.

  • 55

    Percevejo Marrom Euschistus heros (Heteroptera: Pentatomidae)

    E. heros um percevejo marrom-escuro, com 11 mm de comprimento e dois espinhos laterais no protrax. Os ovos, em cinco a oito por massa, so colocados nas vagens e folhas do

    feijoeiro. As ninfas de primeiro nstar tm o corpo alaranjado e a cabea preta e passam por cinco nstares. As ninfas maiores tm colorao que pode variar de cinza a marrom.

    Danos: Alimentam-se das vagens e gros causando danos semelhantes aos demais percevejos.

  • 56

    Percevejo Verde-Pequeno Piezodorus guildini (Heteroptera: Pentatomidae)

    O adulto de P. guildini um perce-vejo pequeno de aproximadamente 10 mm, colorao verde clara, com uma listra transversal marrom-aver-melhada na parte dorsal do torax, prxima da cabea. As posturas so feitas normalmente nas vagens,

    contendo de dez a 20 ovos, de cor preta, dispostos em fileiras duplas. As ninfas apresentam o abdome volumoso, com a metade anterior do corpo pardo-escura e o abdome amarelo-avermelhado, com manchas pretas.

    Danos: Os adultos e ninfas causam danos aos gros semelhantes aos outros percevejos. As ninfas do ter-ceiro ao quinto nstar causam maio-res danos s vagens e aos gros.

  • 57

    Percevejo Pardo Thyanta perditor (Heteroptera: Pentatomidae)

    Os adultos com 9 a 11 mm de comprimento, apresentam colora-o verde ou parda com uma listra transversal marrom-avermelhada na parte dorsal do trax, prxima da cabea e com duas expanses

    laterais no pronoto em forma de espinho. Os ovos so colocados em forma de tonel em massas de 25 a 35, so castanho-acinzentados e apresentam lateralmente, duas faixas esbranquiadas. As ninfas

    so de colorao negra a ocre, com manchas brancas amareladas.

    Danos: Causam danos semelhantes aos outros percevejos sugadores de vagens e gros.

  • 58

    Percevejo Asa Preta Edessa meditabunda (Heteroptera: Pentatomidae)

    Os adultos medem 13 mm de comprimento e possuem a cabea, pronoto e escutelo verdes e as asas marrom-escuras. Colocam os ovos de cor verde-clara em fileira dupla, em grupos de 14 ovos, em mdia.

    As ninfas so verde-amareladas com desenhos no abdome e duram aproximadamente de 35 a 40 dias.

    Danos: Sugam as vagens e semen-tes de feijo.

  • 59

    Percevejo Verde Chinavia spp. (Heteroptera: Pentatomidae)

    Chinavia era conhecida como Acrosternum, antes da mudana do nome do gnero. Os adultos tm colorao uniforme verde e so muito semelhantes ao percevejo verde, Nezara viridula, mas dife-

    renciam por apresentarem antenas com segmentos escuros e espinho ventral no abdome. Fazem postura de ovos marrons, em grupos de 14, em mdia. As ninfas apresentam manchas brancas, pretas e alaranja-das distribudas pelo corpo.

    Danos: Sugam as vagens e danifi-cam os gros de feijo.

  • 60

    Lagarta das Vagens Maruca vitrata (Lepidoptera: Pyraustidae)

    O adulto da Maruca vitrata uma mariposa, com aproximadamente 2 cm de envergadura e de colorao marrom clara, que apresenta, nas asas, reas transparentes por falta de escamas. Vive cerca de uma semana e a fmea oviposita apro-ximadamente 150 ovos nas gemas de folhas e flores. O perodo de incubao dos ovos de cinco dias

    e as lagartas com cinco nstares ali-mentam-se de pednculos, flores e vagens. A penetrao das larvas na vagem ocorre principalmente onde esta se encontra em contato com folhas, ramos ou com outra vagem e caracterstico o aparecimento de excrementos. Normalmente, empu-pam no solo e, algumas vezes, no interior das vagens.

    Danos: As lagartas alimentam-se das vagens e dos gros, destruindo os gros em formao. As per-furaes nas vagens favorecem a entrada de saprfitas e depreciam o produto final pela presena de excrementos e gros danificados.

  • 61

  • 62

    Etiella zinchenella (Lepidoptera: Phycitidae)

    Etiella zinchenella uma mariposa, com cerca de 2 cm de envergadu-ra, de asas anteriores cinza-escuras e posteriores cinza-claras. A postu-ra varia de dois a 70 ovos e feita no clice das flores ou nas vagens.

    As lagartas inicialmente so de co-lorao branca e cabea escura, tor-nando-se verdes e, quando prximo a empupar, rosadas, atingindo cerca de 20 mm. Penetram nas vagens, danificando as sementes e deixam

    excremento nos orifcios de penetra-o.

    Danos: As lagartas penetram nas vagens de feijo e se alimentam dos gros, causando dano semelhante ao da Maruca.

  • 63

    Thecla jebus (Lepidoptera: Gelechidae)

    As lagartas de Thecla jebus apre-sentam colorao varivel, sendo o verde a cor predominante e so semelhantes s lesmas. O estgio larval e a pupa desenvolvem-se em aproximadamente 15 e oito dias, respectivamente. Sua pre-sena pode ser notada pelo orifcio irregular na vagem, diferindo das

    demais lagartas, em que os orifcios de penetrao so mais ou menos circulares.

    Danos: As lagartas alimentam-se das vagens e gros de feijo cau-sando danos semelhantes aos de outras lagartas das vagens.

  • PRAGAS DOS GROS ARMAZENADOS

  • 66

    Caruncho do Feijo Zabrotes subfasciatus (Coleoptera: Bruchidae)

    Esse caruncho ocorre nas regies mais quentes dos trpicos e s infesta os gros aps a colheita, no armazenamento do feijo. A fmea tem colorao marrom e difere do macho por ser maior e apresentar quatro manchas de cor creme nos litros. Coloca, em mdia, 36 ovos aderidos firmemente nas sementes. A 26 C, os ovos desenvolvem em cinco a sete dias, a larva em 14-16 dias e a pupa em seis a sete dias. As larvas penetram diretamente do ovo para o interior das sementes, onde passam por quatro nstares, quando se transformam em pupas. A larva do ltimo nstar e a cmara pupal ficam visveis externamente, na forma de um orifcio circular coberto por um fina camada do

    tegumento da semente. O adulto emerge pelo orifcio, vive por aproxi-madamente 14 dias e normalmente no se alimenta.

    Danos: Causam danos aos gros de-vido s galerias feitas pelas larvas, destruindo os cotildones, reduzindo o peso e a germinao da semente e favorecendo a entrada de microor-ganismos e caros. Ocorre tambm aquecimento dos gros.

  • 67

    Acanthoscelides obtectus (Coleoptera: Bruchidae)

    o principal caruncho do feijoeiro nas regies temperadas em clima ameno e pode iniciar o ataque antes da colheita do feijo, inserindo os ovos nas vagens.

    O adulto de A. obtectus apresenta colorao cinza com manchas claras e vive por aproximadamente 14 dias. As fmeas so maiores que

    o macho e colocam, em mdia, 45 ovos soltos entre os gros. As lar-vas, branco-leitosas, saem procura do hospedeiro logo aps a ecloso e, para sua penetrao no gro, precisam de uma superfcie para se apoiar. As pupas so branco-leito-sas e, prximo emergncia dos adultos, ficam marrons, sendo vis-

    vel externamente, na forma de um orifcio circular coberto por uma fina camada do tegumento da semente.

    Danos: Este caruncho causa danos semelhantes a Z. subfasciatus, de-preciando a qualidade comercial dos gros devido s galerias de alimen-tao e a presena de insetos, ovos e excrementos.

  • 68