Pra lá e pra cá, vou a qualquer lugar! O papel do corpo e ... ?· En este informe de un estudio cuyo…

Download Pra lá e pra cá, vou a qualquer lugar! O papel do corpo e ... ?· En este informe de un estudio cuyo…

Post on 27-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li><p>ISSN: 1815-0640 Nmero 52. Abril 2018 </p><p>Pginas 144-166 www.fisem.org/web/union http://www.revistaunion.org </p><p> Nmero 52- Abril 2018 Pgina 144 </p><p> Pra l e pra c, vou a qualquer lugar! O papel do corpo e do seu movimento no contexto das tarefas para o desenvolvimento da </p><p>percepo espacial na Educao Infantil Celma Bento Moreira, Tnia Cristina R. S. Gusmo, Vicen Font </p><p> Fecha de recepcin: 20/04/2017 </p><p> Fecha de aceptacin: 15/12/2017 </p><p>Resumen </p><p>En este informe de un estudio cuyo objetivo fue analizar cmo es el desarrollo de nociones ubicacin y orientacin en el espacio por el nio de la Educacin Infantil y cmo este proceso puede ser facilitado e impulsado por las tareas matemticas que tengan el cuerpo y su movimiento como elementos centrales. El estudio fue un enfoque cualitativo, una investigacin de la intervencin con los nios de la guardera UFBA, cuyos datos fueron generados a travs de la ejecucin de secuencias de tareas en base a criterios de idoneidad didcticos. Los resultados revelaron que, a travs de la experiencia del cuerpo y la exploracin del espacio alrededor de su propio cuerpo y de los objetos, los nios se acercaron a las nociones relativas a la ubicacin y la orientacin (direccin y direccin) enriqueciendo y ampliando su percepcin del espacio. Palabras clave: Matemticas en la guardera; el cuerpo y su movimiento; percepcin espacial; diseo de las tareas; Criterios de idoneidad didctica. </p><p>Abstract </p><p>In this article we report a study whose purpose was to analyze how the development of notions of location and orientation in space by children of Early Childhood Education and how this process can be favored and driven by mathematical tasks that have the body and its movement as central elements. The study was a qualitative approach, an intervention research with children from a UFBA (Bahia Federal University) day care center, whose data were generated through implementation of tasks sequences based on didactic suitability criteria.The results revealed that through the body experience and the exploration of space around their own body and objects, the children approached notions of location and orientation (meaning and direction) enriching and expanding their perception of space. Keywords: Mathematics in Childhood Education; Body and its movement; Spatial perception; Task design; Didactic Suitability Criteria. </p><p>Resumo </p><p>Neste artigo relatamos um estudo cujo propsito foi analisar como ocorre o desenvolvimento de noes de localizao e orientao no espao pela criana da Educao Infantil e como esse processo pode ser favorecido e impulsionado por tarefas matemticas que tenham o corpo e o seu movimento como elementos centrais. O estudo realizado foi de abordagem qualitativa, uma pesquisa de interveno com crianas da Creche UFBA, cujos dados foram gerados por meio da implementao de sequncias de tarefas baseadas em critrios de idoneidade didtica. Os resultados revelaram que, por meio da vivncia corporal e da explorao do espao em torno de seu prprio corpo e dos objetos, as crianas se aproximaram de noes relativas localizao e orientao (sentido e direo) enriquecendo e ampliando a sua percepo de espao. Palavras-chave: Matemtica na Educao Infantil; Corpo e seu movimento; Percepo espacial; Desenho de tarefas; Critrios de Idoneidade Didtica. </p><p>1. Introduo </p><p>http://www.fisem.org/web/unionhttp://www.revistaunion.org/</p></li><li><p>Pra l e pra c, vou a qualquer lugar! O papel do corpo e do movimento no contexto das tarefas para o desenvolvimento da percepo espacial na Educao Infantil </p><p>Celma Bento Moreira, Tnia Cristina R. S. Gusmo, Vicen Font </p><p> Nmero 52- Abril 2018 Pgina 145 </p><p>Na Educao Infantil o(a) professor(a) precisa dar conta de uma multiplicidade de conhecimentos especficos que vo permear o desenvolvimento integral da criana pequena. Ao considerar que dentre esses conhecimentos esto os matemticos, o(a) professor(a) precisa responder tambm ao desafio de educar matematicamente as crianas, e, para isso, precisa perceber e explorar a Matemtica nos vrios tipos de atividades que a criana realiza, e inserir, de modo intencional e planejado, situaes que abordem noes e conceitos importantes para o desenvolvimento do pensamento matemtico. </p><p> A explorao Matemtica na Educao Infantil deve permear os campos espacial, numrico e das medidas, como sugere a tendncia internacional (LORENZATO, 2006) e as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educao Infantil, que preconizam que as prticas pedaggicas para a matemtica na Educao Infantil devem garantir experincias que recriem, em contextos significativos para as crianas, relaes quantitativas, medidas, formas e orientaes espao temporais (MEC/SEB, 2010, p. 25). </p><p>Porm, algumas pesquisas (SOUZA, 2007; MURAKAMI, 2009; MUNIZ, 2010) tm desvelado que os(as) professores(as) apresentam dificuldades em selecionar contedos e planejar atividades no campo da Geometria (espao e forma) para crianas da Educao Infantil, reflexo da formao deficitria dos(as) professores(as) sobre essa temtica; que o campo da geometria deixado de fora das suas atividades por conta de uma preocupao exacerbada com aprendizagem do campo numrico, e que, quando o campo geomtrico trabalhado, voltado, quase que exclusivamente, para a nomeao e o reconhecimento das figuras geomtricas planas. Notamos, desse modo, uma desvalorizao do campo da Geometria, tendendo para um minimalismo do currculo da Educao Infantil, no que concerne matemtica. </p><p>Entendemos que o trabalho com o campo geomtrico precisa ter espao na Educao Infantil, pois consideramos, em consonncia com Lorenzato (2006), que as primeiras experincias da criana com o mundo so de ordem espacial, e esse processo iniciado utilizando-se o prprio corpo e o seu movimento. Desde o seu nascimento, a criana permanece em contato constante com conceitos espaciais basilares, tanto no seu entorno social quanto no ambiente institucional da escola e, desse modo, a gnese das representaes espaciais ser uma consequncia imediata da sua relao com o ambiente circundante (VECINO, 2005). </p><p>Nesse contexto, a explorao do campo espacial mostra-se imprescindvel, cabendo escola o papel de ampliar, organizar e sistematizar os conhecimentos que a criana constri na interao com o meio, com os outros (seus pares e adultos) e com os objetos. Esta explorao pode ser feita por meio do desenho de tarefas com inteno educativa, que propicie a aproximao das crianas a noes e conceitos matemticos e cumpram com outros aspectos didticos e pedaggicos. </p><p>Assim, este estudo busca contribuir com um suporte terico-metodolgico que possa ser utilizado por profissionais da Educao Infantil, de modo a aproximar as crianas de importantes conceitos matemticos no campo geomtrico. Para isso, traz como problemtica central investigar o desenvolvimento da percepo de espao na Educao Infantil, por meio da metodologia do desenho de tarefas, levando-se em conta critrios de dimenso cognitiva e outras importantes </p></li><li><p>Pra l e pra c, vou a qualquer lugar! O papel do corpo e do movimento no contexto das tarefas para o desenvolvimento da percepo espacial na Educao Infantil </p><p>Celma Bento Moreira, Tnia Cristina R. S. Gusmo, Vicen Font </p><p> Nmero 52- Abril 2018 Pgina 146 </p><p>dimenses, como a emocional e a interacional, que compem os critrios de idoneidade didtica, em conformidade com Godino et al., 2006. </p><p>Para este artigo, trazemos os resultados de duas Sequncias de tarefas desenvolvidas: Aqui ou l, em todo lugar! e Pra l e pra c, vou a qualquer lugar!, onde buscamos analisar como ocorre o desenvolvimento de noes de localizao e orientao no espao pela criana da Educao Infantil e como esse processo pode ser favorecido e impulsionado por tarefas matemticas que tenha o corpo e o seu movimento como elementos centrais. 2. O corpo e o seu movimento no desenvolvimento da percepo espacial </p><p>A percepo espacial entendida por ns como a tomada de conscincia da situao de seu prprio corpo em um meio ambiente, isto , do lugar e da orientao que pode ter em relao s pessoas e coisas (MEUR; STAES, 1991, p.13). A criana comea a construir o senso espacial a partir do momento em que consegue exercer algum domnio das relaes dinmicas que se estabelecem entre as partes do seu prprio corpo e/ou entre seu corpo e os demais, ao nvel do pensamento consciente. Nesse momento, torna-se possvel a aprendizagem de noes espaciais posicionais, como as de direo, sentido, atrs, perto, em cima de etc. (LORENZATO, 1995). Assim, a criana se aproxima dessas noes quando aprende a desviar de obstculos, abaixa-se quando necessrio passar por baixo de alguma coisa, descobre caminhos diferentes para chegar ao mesmo lugar e, finalmente, comea a compreender os trajetos que cada um percorre diariamente. </p><p>A criana, desse modo, faz a anlise do espao primeiro com o seu corpo, antes de faz-la com os olhos, para acabar por faz-la com a mente (SMOLE; DINIZ; CNDIDO 2003, pp. 26) e conhece o espao, sobretudo, pelo movimento, de acordo com as exploraes corporais que ela faz. </p><p>Canals (2009), Berdoneau e Cerquetti-Aberkane (1997), alm de destacarem a importncia do movimento e do corpo no desenvolvimento da percepo de espao, ressaltam a inadequao do uso de algumas atividades para a Educao Infantil, que se pautam unicamente na planificao: o papel e lpis nunca devem ser o ponto de partida, nem o primeiro passo (CANALS, 2009, p.37); raramente uma atividade sobre o suporte papel pertinente antes do perodo final de um aprendizado (BERDONEAU; CERQUETTI-ABERKANE, 1997, p.25), logo, a geometria esttica no a mais indicada para a Educao Infantil. O movimento corporal e a organizao do espao so vistos como elementos imprescindveis formulao da competncia espacial da criana, e, por meio deles, ela vai construindo seu prprio esquema mental, que a porta aberta para um futuro conhecimento propriamente geomtrico, conceitual e abstrato (CANALS, 2009). </p><p>Alguns autores (CHAMORRO, 2005; GONZLEZ &amp; WEINSTEIN, 2008; BAIRRAL, 2012) chamam a ateno para a explorao dos diferentes espaos geomtricos ao se trabalhar com a matemtica desde a Educao Infantil, que no deve se resumir ou priorizar apenas um espao, como vem ocorrendo, com a preponderncia da representao no micro espao, utilizando-se, geralmente, de atividades planificadas, que no fazem muito sentido para as crianas. </p></li><li><p>Pra l e pra c, vou a qualquer lugar! O papel do corpo e do movimento no contexto das tarefas para o desenvolvimento da percepo espacial na Educao Infantil </p><p>Celma Bento Moreira, Tnia Cristina R. S. Gusmo, Vicen Font </p><p> Nmero 52- Abril 2018 Pgina 147 </p><p>Gonzlez e Weinstein (2008) destacam que os seres humanos se deslocam constantemente em espaos de diferentes dimenses, na sua casa, no seu bairro ou no pas, dos quais derivam diferentes tipos de problemas e para os quais necessitam de uma variedade de estratgias de soluo. </p><p>Para a definio dos diferentes tamanhos do espao geomtrico, utilizaremos nesse estudo Chamorro (2005) e Gonzlez e Weinstein (2008), como descrito a seguir. </p><p>Espaos geomtricos Caractersticas </p><p>Microespacio (pequeno) </p><p>Espao das interaes ligadas a manipulao de objetos pequenos, prximo ao sujeito, que contm objetos acessveis a viso e a manipulao nos quais o sujeito controla plenamente suas relaes espaciais com os objetos. </p><p>Mesoespacio (mdio) </p><p>Espao de deslocamento dos sujeitos, acessvel a uma viso global, que pode ser percorrido por um sujeito, tanto dentro como fora (como o prdio da escola), demandam orientao relativas a um sistema de referenciais fixos. </p><p>Macroespacio (grande) </p><p>Espao no qual no pode o sujeito com os meios normais obter uma viso global simultnea, inacessvel a uma percepo direta. o espao cuja dimenso tal que s pode ser coberta por uma sucesso de vises locais. Constituem trs categorias: urbano, rural e martimo. </p><p>Quadro 1. Caracterizao dos diferentes espaos geomtricos Fonte: Organizao nossa com base em Chamorro (2005); Gonzlez e Weinstein (2008) </p><p>Consideramos que o desenvolvimento da educao espacial da criana, entendida como aquela que parte da percepo que vai adquirindo do espao a sua volta, do espao de seus prprios movimentos ou movimentos alheios para assegurar-lhes posteriormente uma transio at uma geometria elementar (VECINO, 2005), ter suas possibilidades ampliadas quando proporcionadas criana, de forma intencional e planejada, situaes que considerem o corpo e o seu movimento como ponto de partida, permitam-lhe desenvolver a capacidade de movimentar o prprio corpo de forma integrada, dentro de um ambiente desafiador, vivenciando e experimentando diferentes espaos, micro, meso e macro, por meio de atividades que valorizem o seu fazer principal, o brincar. </p><p> 3. As tarefas matemticas e os Critrios de Idoneidade Didtica </p><p>As tarefas matemticas, apesar de fazerem parte do cotidiano das salas de aula, no mbito das pesquisas internacionais, tm tido o seu termo recuperado e ressignificado, atribuindo-lhes grande importncia para a construo do conhecimento (GUSMO, 2014), ou seja, as tarefas que ultrapassem a perspectiva da lista de exerccios de treino e reviso, assumindo uma concepo mais ampla, como recursos metodolgicos que objetivam a melhoria do ensino e da aprendizagem da matemtica (GUSMO, 2014). Desse modo, nosso estudo apoia-se na concepo de tarefas como contextos e situaes diversificadas de sequncias pensadas e planejadas pelo professor, com o intuito de colaborar para uma adequada aprendizagem dos estudantes (POCHULU et al., 2013). </p></li><li><p>Pra l e pra c, vou a qualquer lugar! O papel do corpo e do movimento no contexto das tarefas para o desenvolvimento da percepo espacial na Educao Infantil </p><p>Celma Bento Moreira, Tnia Cristina R. S. Gusmo, Vicen Font </p><p> Nmero 52- Abril 2018 Pgina 148 </p><p>Nesse contexto, optamos por trabalhar com sequncias de tarefas, utilizando como base os Critrios de Idoneidade Didtica1, quais sejam: o epistmico, o cognitivo, o mediacional, o emocional, o interacional e o ecolgico. Esses critrios se propem a fornecer ferramentas que contribuam com a anlise e valorao dos processos de ensino, com vistas a identificar os possveis entraves, e, desse modo, fornecer subsdios para a promoo dos ajustes e orientar melhorias dos processos de ensino e aprendizagem da matemtica (FONT; PLANAS; GODINO, 2010). </p><p>A idoneidade didtica de um processo de ensino e aprendizagem avaliada a partir da articulao coerente e sistmica desses seis critrios (GODINO; BATANERO; FONT, 2008), ou seja, um processo de estudo considerado adequado/idneo quando apresenta um alto grau em cada critrio de modo global. Porm, a sua avaliao complexa, visto que envolve diversas dimenses, muita...</p></li></ul>