ppt 5 trocas gasosas em seres multicelulares

Download Ppt 5   Trocas Gasosas Em Seres Multicelulares

Post on 29-Jul-2015

3.758 views

Category:

Technology

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1. TROCAS GASOSAS EM SERES MULTICELULARESTrocas Gasosas nas Plantas 2. O mergulho dos elefantes marinhos 2 As fmeas adultas dos elefantes-marinhos podem mergulhar at 1255 metros de profundidade em busca de alimento. A durao dos mergulhos varia de 20 a 27 minutos, embora uma fmea tenha sido j monitorizada num mergulho que durou 120 minutos, ou seja, duas horas. O tempo de permanncia na superfcie entre os mergulhos de apenas 2 a 3 minutos. Como que estes animais conseguem este espectacular mergulho?Os elefantes-marinhos utilizam o oxignio que se encontra armazenado no seu sangue e no nos seus pulmes, pois o animal expira antes de mergulhar e sustm a respirao. Os pulmes colapsam a cerca de 40 metros de profundidade e deixam de acumular ar. A quantidade de sangue que estes animais possuem cerca de duas vezes e meia mais do que teria um homem do mesmo tamanho. Durante o mergulho, o corao baixa a sua frequncia (trs batimentos por minuto) e o sangue circula apenas nos rgos vitais e nos msculos necessrios movimentao na gua. Estes animais Mirounga leoninaapresentam ainda uma outra vantagem: os msculos tm uma elevada percentagem de mioglobina, protena com funo de armazenamento de oxignio. Nuno Correia 08-09 3. A respirao sinnimo de vida 3os seres vivos necessitam de um fluxo de oxigniopara as clulas e daremoo do dixido decarbono, que se formacomo consequncia dasreaces metablicas quel ocorrem. Nuno Correia 08-09 4. 4Nos seres unicelulares e nosseres multicelulares dedimenses reduzidas, as trocasgasosas indispensveis respirao celular ocorremdirectamente com o meio.Esponjas Nuno Correia 08-09 5. Seres Multicelulares 5 As trocas gasosas ocorrem atravs de estruturas especializadas.Nuno Correia 08-09 6. Trocas Gasosas nas Plantas 6 Nuno Correia 08-09 7. 7 As plantas realizam uma srie de funes metablicas, como a respirao, a fotossntese e a transpirao, indispensveis sua sobrevivncia. Nuno Correia 08-09 8. Estoma 8As plantas possuem algumas estruturas, quepermitem que estas trocasgasosas se processem comeficincia e que controlama quantidade de gasesabsorvidos e libertados.Nuno Correia 08-09 9. 9 Nuno Correia 08-09 10. Abertura e Fecho dos Estomas 10 Nuno Correia 08-09 11. 11Nuno Correia 08-09 12. 12O estado de turgescncia dasclulas estomticasdetermina o grau deabertura do estoma. Nuno Correia 08-09 13. 13O transporte activo deies, sobretudo do iopotssio (K+), para ointerior das clulasestomticas, constitui umdos mecanismosactualmente mais aceitepara explicar asvariaes na pressode turgescncia dessasclulas. Nuno Correia 08-09 14. 14 Apesar de ser muito importante na regulao da abertura e do fecho dos estomas, a concentrao de ies apenas um dos factores que intervm neste fenmeno. Nuno Correia 08-09 15. 15A diminuio da concentrao em CO2 nos espaosintercelulares das clulas dasfolhas causa a abertura dosestomas.. Nuno Correia 08-09 16. 16Nuno Correia 08-09