Poemas de Antnio manuel pina

Download Poemas de  Antnio manuel pina

Post on 03-Aug-2015

292 views

Category:

Documents

10 download

DESCRIPTION

Breve antologia elaborada pela BE da escola secundria de Tondela

TRANSCRIPT

Poemas De Antnio Manuel Pina

Biblioteca da escola secundria de Tondela

Bibliografia

Manuel Antnio Pina, nasceu na Beira Alta, Sabugal, em 1943. Licenciou-se em Direito pela Universidade de Coimbra. Vive na cidade do Porto. Foi, durante 30 anos, jornalista profissional do Jornal de Notcias. Continua a colaborar regularmente na comunicao social. Foi professor da Escola Superior de Jornalismo do Porto e membro do Conselho de Imprensa. autor de mais de trs dezenas de obras de poesia, crnica, ensaio e literatura infantil e ainda de duas dezenas de peas de teatro. Obras suas foram levadas ao cinema, TV e BD, bem como musicadas e editadas em disco. A sua ingls, poesia encontra-se traduzida em

francs,

dinamarqus,

espanhol,

galego,

alemo, catalo, neerlands, blgaro, servo-croata e corso. A sua obra foi, vrias vezes, premiada.

Coisas que no h que hUma coisa que me pe triste que no exista o que no existe. (Se que no existe, e isto que existe!) H tantas coisas bonitas que no h: coisas que no h, gente que no h, bichos que j houve e j no h, livros por ler, coisas por ver, feitos desfeitos, outros feitos por fazer, pessoas to boas ainda por nascer e outras que morreram h tanto tempo! Tantas lembranas de que no me lembro, stios que no sei, invenes que no invento, gente de vidro e de vento, pases por achar, paisagens, plantas, jardins de ar, tudo o que eu nem posso imaginar porque se o imaginasse j existia embora num stio onde s eu ia...

Amor como em Casa

Regresso devagar ao teu sorriso como quem volta a casa. Fao de conta que no nada comigo. Distrado percorro o caminho familiar da saudade, pequeninas coisas me prendem, uma tarde num caf, um livro. Devagar te amo e s vezes depressa, meu amor, e s vezes fao coisas que no devo, regresso devagar a tua casa, compro um livro, entro no amor como em casa.

CompletasA meu favor tenho o teu olhar testemunhando por mim perante juzes terrveis: a morte, os amigos, os inimigos.

E aqueles que me assaltam noite na solido do quarto refugiam-se em fundos stios dentro de mim quando de manh o teu olhar ilumina o quarto. Protege-me com ele, com o teu olhar, dos demnios da noite e das aflies do dia, fala em voz alta, no deixes que adormea, afasta de mim o pecado da infelicidade.

by evenz

O MedoNingum me roubar algumas coisas, nem acerca de elas saberei transigir; um pequeno morto morre eternamente em qualquer stio de tudo isto.

a sua morte que eu vivo eternamente quem quer que eu seja e ele seja. As minhas palavras voltam eternamente a essa morte como, imvel, ao corao de um fruto.

Serei capaz de no ter medo de nada, nem de algumas palavras juntas?

A um Homem do PassadoEstes so os tempos futuros que temia o teu corao que mirrou sob pedras, que podes recear agora to fundo, onde no chegam as aflies nem as palavras duras?

Desceste em andamento; afinal era tudo to inevitvel como o resto. Viraste-te para o outro lado e sumiram-se da tua vista os bons e os maus momentos.

Tu ainda tinhas essa porta mo. (Aposto que a passaste com uma vnia desdenhosa.) Agora j no possvel morrer ou, pelo menos, j no chega fechar os olhos.

A Poesia Vai AcabarA poesia vai acabar, os poetas vo ser colocados em lugares mais teis. Por exemplo, observadores de pssaros (enquanto os pssaros no acabarem). Esta certeza tive-a hoje ao entrar numa repartio pblica. Um senhor mope atendia devagar ao balco; eu perguntei: Que fez algum poeta por este senhor? E a pergunta afligiu-me tanto por dentro e por fora da cabea que tive que voltar a ler toda a poesia desde o princpio do mundo. Uma pergunta numa cabea. Como uma coroa de espinhos: esto todos a ver onde o autor quer chegar?

By John tarahteeff

ARTE POTICAVai pois, poema, procura a voz literal que desocultamente fala sob tanta literatura.

Se a escutares, porm, tapa os ouvidos, porque pela primeira vez ests sozinho. Regressa ento, se puderes, pelo caminho das interpretaes e dos sentidos.

Mas no olhes para trs, no olhes para trs, ou jamais te perders; e teu canto, insensato, ser feito s de melancolia e de despeito.

E de discrdia. E todavia sob tanto passado insepulto o que encontraste seno tumulto, seno de novo ressentimento e ironia?

NA BIBLIOTECAO que no pode ser dito guarda um silncio feito de primeiras palavras diante do poema, que chega sempre demasiadamente tarde, quando j a incerteza e o medo se consomem em metros alexandrinos. Na biblioteca, em cada livro, em cada pgina sobre si recolhida, s horas mortas em que a casa se recolheu tambm virada para o lado de dentro, as palavras dormem talvez, slaba a slaba, o sono cego que dormiram as coisas antes da chegada dos deuses. A, onde no alcanam nem o poeta nem a leitura, o poema est s. E, incapaz de suportar sozinho a vida, canta.

Eu no procuro nada em tiEu no procuro nada em ti, nem a mim prprio, algo em ti que procura algo em ti no labirinto dos meus pensamentos.

Eu estou entre ti e ti, a minha vida, os meus sentidos (principalmente os meus sentidos) toldam de sombras o teu rosto.

O meu rosto no reflecte a tua imagem, o meu silncio no te deixa falar, o meu corpo no deixa que se juntem as partes dispersas de ti em mim.

Eu sou talvez aquele que procuras, e as minhas dvidas a tua voz chamando do fundo do meu corao.

A Pura Luz PensanteTudo tudo ou quase tudo e nada a mesma coisa. Na realidade so tudo coisas indiferentes. (Imagens...Imagens...Imagens...)

este o caminho da Inocncia? Existe tudo e a aparncia de tudo. (Imagens...) Totalmente tolerante a matria metafrica da infncia.

Tenho que tornar a fazer tudo, a emoo um fruto ftil, a pura luz pensando dos dois lados da Literatura. Aqui esto as palavras, metei o focinho nelas!

O Jardim das OliveirasSe procuro o teu rosto no meio do rudo das vozes quem procura o teu rosto?

Quem fala obscuramente em qualquer stio das minhas palavras ouvindo-se a si prprio?

s vezes suspeito que me segues, que no so meus os passos atrs de mim.

O que est fora de ti, falando-te? Este o teu caminho, e as minhas palavras os teus passos?

Quem me olha desse lado e deste lado de mim? As minhas dvidas, at elas te pertencem?

Ouro e prata

A flor amarela era a da urze? E a de prata a da giesta?

Pouca coisa so as palavras e o que me resta, o seu ouro derramado sobre as lembranas:

a palavra urze, a palavra giesta, os nomes das primeiras esperanas, o meu nome tantas vezes sussurrado de tantas maneiras indiferentes!

Agora Agora diferente Tenho o teu nome o teu cheiro A minha roupa de repente ficou com o teu cheiro

Agora estamos misturados No meio de ns j no cabe o amor J no arranjamos lugar para o amor

J no arranjamos vagar para o amor agora isto vai devagar isto agora demora

O que ditoAlguma coisa em algum lugar de que o que existe de o que no existe isto que escreve e a cincia de isto a pura voz sem sujeito e o fora de ela.

Esta mo um acontecimento improbabilssimo que o infinito e a eternidade atravessam, alguma coisa fala de si prpria atravs de ela. De que pode ela falar seno de tudo?

O que est dentro e o que est fora e v e visto de toda a parte o mesmo e o outro e tudo isto sabido em mim.

Van Gogh Mondrian

Uma vez um anjo apaixonou-se por Van Gogh e veio v-lo van Gogh pintou-o naquela cadeira, te acuerdas Frederico bajo la tierra? o anjo depois foi-se embora e van Gogh ficou com o tabaco estragado

mondrian tambm tinha um anjo mas o dele era mau no se importava com coisa nenhuma batia-lhe nos olhos

Atropelamento e Fuga

Era preciso mais do que silncio, era preciso pelo menos uma grande gritaria, uma crise de nervos, um incndio, portas a bater, correrias. Mas ficaste calada, apetecia-te chorar mas primeiro tinhas que arranjar o cabelo, perguntaste-me as horas, eram 3 da tarde, j no me lembro de que dia, talvez de um dia em que era eu quem morria, um dia que comeara mal, tinha deixado as chaves na fechadura do lado de dentro da porta, e agora ali estavas tu, morta (morta como se estivesses morta!), olhando-me em silncio estendida no asfalto, e ningum perguntava nada e ningum falava alto!

O livroE quando chegares dura pedra de mrmore no digas: gua, gua!, porque se encontraste o que procuravas perdeste-o e no comeou ainda a tua procura; e se tiveres sede, insensato, bebe as tuas palavras pois tudo o que tens: literatura, nem sequer mistrio, nem sequer sentido, apenas uma coisa hipcrita e escura, o livro.

No tenhas contra ele o corao endurecido, aquilo que podes saber est noutro stio. O que o livro diz no dito, como uma paisagem entrando pela janela de um quarto vazio.

RespostaAlgo mais elementar que o espao e o tempo, e a escurido luminosa do Areopagita, uma hiptese ilegvel, antes do pensamento, uma slaba s de uma palavra no dita,

sem sentido e sem finalidade, apenas uma ocasio, como um olho nico e cego que v do fundo da sepultura da razo, vaste comme la nuit et comme la clart.

Um sonho de uma sombra de qu?

Biblioteca da escola secundria de Tondela