Plantas com efeito na insônia - Medicina ?· Deve – se tomar cuidado com o uso concomitante com o…

Download Plantas com efeito na insônia - Medicina ?· Deve – se tomar cuidado com o uso concomitante com o…

Post on 10-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

<ul><li><p> Plantas com efeito na insnia</p><p>Paula ViasJos de Felippe Junior</p><p>O sono um mecanismo fisiolgico de recuperao e regenerao celular. durante o sono com qualidade quefabricamos vrias substncias e hormnios , incluindo o hormnio do crescimento vital nos processos de snteseproteica e a melatonina principal antioxidante natural que protege o DNA do ncleo das leses oxidativas.</p><p>Dormir mal aumenta a gerao de citocinas inflamtorias e consequentemente aumenta o risco de doenas degenerativas da idade.</p><p>Podemos classificar a insnia em : inicial, intervalar e terminal.</p><p>Insnia inicial: o paciente tem dificuldade em comear a dormir, o incio do sono afetado devido a ansiedade.</p><p>Insnia Intervalar: intervalos no tempo total de sono. O paciente no tem recuperao fsica e mental, no tem secreo dehormnios e corre risco de envelhecimento precoce. Causa: uso de substncias como cafena, chocolates, mate, descongestionantesnasais com efedrina.</p><p>Insnia terminal / final: o paciente possui despertar precoce reduo no tempo de sono. Geralmente ocorre em idosos.</p><p>Mecanismo de ao: o GABA ( cido gama aminobutrico) o neurotransmissor que induz a inibio do SNC, causando a sedao. Issoporque as clulas neuronais possuem receptores especficos para o GABA. Quando o GABA se liga aos receptores, abre se um canalpor onde entra on cloreto na clula neuronal fazendo com que a clula fique hiperpolarizada, dificultando a despolarizao e comoconseqncia ocorre diminuio da conduo neuronal provocando a inibio do SNC.</p><p>Valeriana (Valeriana officinalis L.)</p><p>Planta herbcea. de sabor aromtico e pouco amargo. originria da Europa e oeste da sia. Era bastante utilizada pelos mdicosrabes e foi usada na Primeira Guerra Mundial para tratar neuroses. A diversidade de seus efeitos teraputicos so conhecidos desde ostempos do Renascimento.</p><p>A atividade sedativa devido a um componente chamado valeropotriato que extrada do leo essencial. Atua como depressora dosistema nervoso, atenua a irritabilidade nervosa, melhora a coordenao e reduz a ansiedade.</p><p>Mecanismo de ao: Segundo Mennini T. et al., em trabalho publicado na Fitoterapia intitulado : In vitro study on the interaction ofextracts and pure compounds from Valeriana officinalis roots with GABA, benzodiazepine and barbiturate receptors in the rat brain ; avaleriana possui afinidade pelos receptores do cido gama aminobutrico o GABA. A valeriana possui tambm afinidade pelos receptoresbarbitricos (efeito indutor do sono) e benzodiazepnicos (efeito ansioltico).</p><p>No livro Fitofarmcia: Impiego razionale delle droghe vegetali, relatado um trabalho (Panijel, 1985) foi demonstrado que a valerianaem associao com o Hypericum perfuratum se revela mais eficaz no tratamento da ansiedade do que o diazepan.</p><p>No mesmo livro relatado um outro trabalho (Schulz e coll., 1998) demonstrando que o valeropotriato instvel em soluo cida oualcalina e altas temperaturas. E ainda, que preparaes lquidas (infuses, tinturas) so preferveis do que preparaes slidas(cpsulas). Outras associaes como com a Passiflora incarnata (maracuj) e Hmulus lupulus (lpulo) podem ser utilizados para otratamento da insnia.</p><p>Partes Utilizadas: raz e rizoma</p><p>Dose mdia diria:</p><p>extrato seco (p): 0,3 a 1,0g trs vezes ao diainfuso ou decocto das razes: tomar 50 a 200 ml por dia</p><p>alcoolatura: 2 a 10g por diaextrato fludo em lcool 60%: 4 a 8 ml trs vezes ao diaUtilizar por 8 a 10 dias, seguido por intervalo de 3 semanas para retornar ao tratamento.</p><p>Efeitos Colaterais: cefalia, agitao, reaes alrgicas cutneas, diminuio da freqncia cardaca, aumento da presso arterial,insnia e excitabilidade (quando ocorre abuso)</p><p>OBS: A droga no deve conter menos que 15% de substncia extrativa.</p><p>Trabalhos Cientficos</p><p>Estudo Experimental duplo-cego: Foi administrado para pacientes que sofrem de insnia uma preparao de valeriana contendoprimariamente sesquiterpenos ou placebo. Comparando, o placebo mostrou significante efeito no sono leve, fraco (p</p></li><li><p>dosagem da valeriana no promoveu melhores efeitos. ( Leathwood PD, Chauffard F. Aqueous extract of valerian reduces tendency tofall asleep in man. Planta Medica 54:144-8,1985).</p><p>Estudo Experimental: O efeito do extrato aquoso da raz de valeriana no sono foi estudado em dois grupos de jovens e saudveisvoluntrios. Um dos grupos dormiram em casa (n=10) e o outro (n=8) dormiu no laboratrio. O sono foi avaliado fundamentalmenteem questionrios, auto avaliao e atividade motora noturna. Em adio polisonografia e anlise espectral do EEG durante o sono foirealizada no grupo laboratrio. Nas condies do lar, as duas doses do extrato de valeriana (450 e 900mg) reduziu a persistentelatncia do sono e o acordar no princpio de sono. A atividade motora noturna aumentou na terceira metade da noite e reduziu naterceira ltima. Os dados sugerem um efeito dose dependente. No laboratrio, onde s a maior dose de valeriana foi testada,nenhuma diferena ao placebo foi obtida. Entretanto, a direo de mudanas nas medidas subjetivas e objetivas da latncia de sono eo acordar aps sono inicial, assim como atividade motora noturna, correspondeu com a observada nas condies do lar. No hevidncias nos estgios de mudana de sono e espectro de EEG. Os resultados indicaram que o extrato aquoso de valeriana exerceuma suave ao hipntica ( Balderer G, Borbely AA. Effect of a valerian on human sleep. Psychopharmacol 87(4):406-9, 1985)</p><p>Experimental Double Blind Study: 128 subjects received 3 samples containing 400 mg of Valerian extract, 3 containing a proprietaryover-the-counter Valerian preparation, and 3 containing placebo. Samples were presented in random order and were taken onnon-consecutive nights. Valerian produced a significant decrease in subjectively evaluated sleep latency scores. It also produced asignificant improvement in sleep quality especially among people who considered themselves poor or irregular sleepers, smokers, andpeople who thought they had long sleep latencies. Night awakenings, dream recall and somnoloence the next morning were relativelyunaffected. The proprietary preparation anly produced a significant increase in reports of feeling more sleepy than normal the nextmorning (Leathwood PD et al. Aqueous extract of valerian root (Valeriana officinallis L.) improves sleep quality in man . PharmacolBiochem Behav 17(1):65-71,1982)</p><p>Maracuj (Passiflora incarnata)</p><p>Ao contrrio do que se diz na cultura popular, no o suco de maracuj que provoca sonolncia e tranquilidade nas pessoas, e sim asfolhas de maracuj, que contm flavonides e alcalides, agindo como depressor inespecfico do sistema nervoso central. O fruto domaracuj, utilizado no suco sim um rico suplemento de vitamina C.</p><p>Em alguns pases o maracuj conhecido por flor da paixo (passion flower). Isso porque suas flores lembram instrumentos utilizadosna crucificao de Cristo.</p><p>Deve se tomar cuidado com o uso concomitante com o lcool (potencializa seus efeitos), alm de anti histamnicos, pentobarbitale morfina.</p><p>Nos casos de insnia mai severas, pode ser associada a valeriana e lpulo.</p><p>Dosagem</p><p>infuso ou decocto: tomar 50 a 200 mL/diaextrato fludo em lcool 25%: 0,5 a 1mL trs vezes ao diatintura 1:8 em lcool 45%: 0,5 a 2,0 mL trs vezes ao diap: 0,25 a 1 g trs vezes ao dia ou por infusodurao : 3 meses em mdia. No causa dependncia fsica.</p><p>PS: A droga deve conter no menos que 0,3% de flavonide</p><p>Trabalhos Cientficos</p><p>Animal Experimental Study: Rats given an oral Passiflora extract for 3 weeks demonstrated a diminished general activity indicative ofsedative effects despite surface and deep EEG recordings showing normal electric activity. (Sopranzi N et al. Biological andelectroencephalographic parameters in rats in relation to Passiflora incarnata L Clin Ter 132(5):329-33, 1990) Em italiano</p><p>Animal Experimental Study: The fluid extract of Passiflora given orally and intraperitoneally to rats raised the nociceptive threshold in thetail flick and hot-plate tests, but not in the voculization test; prolonged sleeping time; provide protection against the convulsiveeffects of pentylenetetrazole; and reduced locomotor activity (Speroni E, Minghetti A. Neuropharmacological activity of extracts fromPassiflora incarnata. Planta Med 54(6):488-91, 1988)</p><p>Melissa ( Melissa officinalis )</p><p>A melissa possui atividade sedativa sobre o sistema lmbico. tranquilizante e indutora do sono.</p><p>Parte Utilizada: folha e sumidades floridas</p><p>Dosagem</p><p>Folha seca: 2 a 4 g tr6es vezes ao diaInfuso: 3 colheres (ch) de folhas por xcara. Tomar 2 a 4 xcaras ao dia.Extrato fluido em lcool 45%: 2 a 4 mL trs vezes ao diatintura 1:5 em lcool 45%: 2 a 6 mL trs vezes ao diatintura me 40 a 50 gotas, 3 vezes ao diaextrato alcolico: 1,5 a 2,0 g ao dia</p><p>Trabalhos Cientficos</p><p>Experimental Placebo Controlled Study: 20 volunteers received either a combination of Valerian root 160 mg and Melissa officinalis80 mg, triazolan 0,125 or placebo. In the insomniac gp. the herbal preparation showed an effect comparable to that of thebenzodiazopine as well as an increase in deep sleep stages 3 and 4. The herbal preparation did not cause daytime sedation or reboundphrenomena and there was no evidence of diminished concentration based on the Concentration Performance Test or impairment ofphysical performance based on the Labyrinth Test (Dressind H, Riemann D, et al. Insomnia: Are Valerian/Melissa combinations of equalvalue to benzodiazepine? Therapiewoche 42:726-36, 1992) (in German)</p><p>Lpulo (Humulus lupulus)</p><p>fi-0014.pdf http://www.medicinacomplementar.com.br/convertido/fi-0014.htm</p><p>2 de 3 21/10/2011 11:51</p></li><li><p>Essa planta ficou bastante conhecida devido seu emprego na indstria de cerveja, com finalidade de clarificar, aromatizar e conservar abebida. O metilbutenol o responsvel pelo efeito sedativo. o produto de oxidao da humulona e lupulona.</p><p>Parte utilizada: flores</p><p>Dosagem:</p><p>extrato fluido 1:1 em lcool 15%: 0,5 a 2 mLinfuso: 1g de flores secas em uma xcara de gua fervente. Beber uma xcara antes de dormirTintura: 1 a 2 ml de tintura ao dia, em lcool 60%</p><p>fi-0014.pdf http://www.medicinacomplementar.com.br/convertido/fi-0014.htm</p><p>3 de 3 21/10/2011 11:51</p></li></ul>