Pim VII - TI_2013

Download Pim VII - TI_2013

Post on 24-Oct-2015

146 views

Category:

Documents

12 download

TRANSCRIPT

9

UNIP INTERATIVAProjeto Integrado MultidisciplinarCursos Superiores de Tecnologia

PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR VII TECNOLOGIA DA INFORMAO

PLOSCOTIA SPCOTIA SPEMBU SPSO JOS DOS CAMPOS - SPERECHIM - RSTABOO DA SERRA - SP

2013

UNIP INTERATIVAProjeto Integrado MultidisciplinarCursos Superiores de Tecnologia

PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR VII TECNOLOGIA DA INFORMAO

Alex Francisco Xavier Eusbio RA: 1222572Jader Tiago dos Santos RA: 1227551Moyses Barbosa RA: 1216012Sandro Pereira Lima RA: 1203536Tatiana Cavalheri Borges Dias RA: 1204985Francisco Chagas de Arajo RA: 1204386

CURSO: GESTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAO4 SEMESTRE

RESUMO

Atualmente, em meio a um mercado cada vez mais competitivo, a Tecnologia da Informao tem se disseminado cada vez mais dentro das organizaes, tornando-se forte aliada na gesto de informao e apoio a decises. Com isto faz-se evidente a necessidade de investimento em hardware e em metodologias de gesto, bem como a capacitao de profissionais que atuem de forma motivada, neste mercado. Partindo desta premissa, a empresa Software Developer Ltda., fabricante de softwares para instituies bancrias, viu a necessidade de detectar problemas e encontrar solues, inerentes sua administrao e estrutura fsica-organizacional, contratando um servio de assessoria que definisse solues no que tange seu gerenciamento de informaes, atravs de estudos, planejamento, anlise de impacto e desenvolvimento de melhorias a serem implantadas, buscando expandir vantagens competitivas frente a um mercado to exigente. Palavras-chave: Software; Solues; Organizao; Planejamento.

ABSTRACT

Currently, amid a market increasingly competitive, Information Technology has increasingly spread within organizations, becoming a strong ally in information management and decision support. With this it is evident the need for investment in hardware and in management methodologies, as well as the training of professionals who act so motivated this market. On this assumption, the company Software Developer Ltda., Maker of software for banking institutions, saw the need to detect problems and find solutions, inherent in its management and organizational structure, physical, hiring a consultancy service to define solutions regarding their information management through research, planning, impact analysis and development of improvements to be implemented, seeking to expand competitive advantages in a market as demanding.Keywords: Software, Solutions, Organization, Planning.

LISTA DE SIGLAS

Active Server PagesASPAsynchronous JavaScript and XML AJAXBalanced Scorecard BSCCapability Maturity Model IntegrationCMMICascading Style SheetsCSSCircuitos IntegradosCIsControl Objectives for Information and Related TechnologyCOBITData ManagementDMFeature Driven DevelopmentFDDHipertext PreprocesorPHPInformation Systems Audit and Control Association ISACAInformation Technology Infrastructure LibraryITILInstituto Brasileiro de Governana Corporativa IBCGCInternet Information Services IISJava Server PagesJSPMicrosoft Solutions FrameworkMSFPortable Document FormatPDFPractical Extracting and Reporting LanguajePerl9

Problem DomainPDProgramao orientada a objetos POOProject Management Body of KnowledgePMBOKSistemas DistribudosSDSoftware Engineering InstituteSEIStructured Query LanguageSQLSystems InterfacesSITecnologia da Informao TIUser InterfaceUIVirtual Reality Modeling LanguageVRML

SUMRIO1 INTRODUO92 DESENVOLVIMENTO102.1 CONSULTING CONSULTORIA LTDA.102.1.1 Principais Servios112.2 Software Developer Ltda.112.2.1 Estrutura fsica122.2.2 Estrutura Organizacional122.2.3 Problemtica123 gesto de ti e governana de ti133.2 governana em ti143.2.1 Cobit163.2.2 Itil173.2.3 CMMI183.2.4 Balance Scorecard193.2.5 Service Level Agreement (SLA)204 Sistemas para Internet e Software Livre204.1 Sistemas Digitais224.1.1 Arquiteturas cliente/Servidor234.1.2 Sistemas distribudos244.1.3 Modelos de negcio na web254.1.4 Comrcio eletrnico254.1.4.1 Marketing na internet.274.1.5 Tecnologias e metodologias de modelagem de aplicaes web.285 Gesto de Qualidade385.1 Carter sistmico dos modelos de gesto.385.2 outsourcing406 Metodologia407 Concluso42REFERNCIAS44

1 INTRODUO

Um novo mundo surgiu neste fim de milnio, onde a busca por informao criou uma mutao revolucionria em toda a humanidade. O volume de informaes e dados publicados e transmitidos cresceu, exacerbadamente, e a nossa capacidade de receber, armazenar, processar e transmitir esta informao passou a gerar novos conhecimentos e dispositivos de informao, como em um ciclo. Cabe a Tecnologia da Informao (TI), gerenciar e processar estas informaes.

TI o conjunto de componentes interrelacionados trabalhando juntos para coletar, recuperar, processar, armazenar e distribuir informao com a finalidade de facilitar o planejamento, o controle, a coordenao, a anlise e o processo decisrio em empresas e outras organizaes. (LAUDON, 1999)

Para acompanhar este cenrio, as organizaes apresentaram constante transformao, modificando seus princpios, meios e formas.Neste campo, se articulam mudanas tcnicas, organizacionais e institucionais, agregando novas capacidades inteligncia humana, onde informao, conhecimento e gesto passam a assumir papel essencial.Os setores de TI passam, ento, a ocupar um posto estratgico nas empresas, comprometendo diretamente o desempenho e qualidade dos servios de toda a organizao.

A estrutura organizacional se baseia hoje no uso intensivo da Tecnologia da Informao e da Internet, buscando a interligao da empresa com seus clientes, fornecedores e parceiros de negcio, conferindo agilidade aos processos, economias no processo produtivo e adequao dos produtos e servios s necessidades dos clientes (Zott e Amit, 2010).

Partindo desta premissa, gestores das organizaes devem estar cientes necessidade de investimentos e cuidados constantes na rea de TI, onde a Governana em TI dever ser aliada s boas prticas de gesto. Neste contexto, a empresa Software Developer Ltda. - EPP, fabricante de software para instituies financeiras, encontra mltiplos desafios, onde um deles aderir uma metodologia de Governana que garanta qualidade do processo de TI, propondo um modelo que seja adequado aos objetivos.Diante disto, o setor de Consultoria ter um papel extremamente importante, pois dar o suporte necessrio e determinar a maneira exata de se aproveitar os recursos disponveis e eliminar custos desnecessrios; aproveitando oportunidades e definindo vantagens competitivas para obter melhores resultados e garantir a permanncia no mercado, com estabilidade.

2 DESENVOLVIMENTO

2.1 CONSULTING CONSULTORIA LTDA.

Situada em So Paulo, Rua Jos Dias de Arajo, 225 Remdios, a Consulting Consultoria Ltda. foi fundada com o objetivo de atender, de forma diferenciada, propondo solues geis com foco total em seus clientes e colaboradores.Com mais de 15 (quinze) anos de tradio, dispe de recursos necessrios para oferecer servios com qualidade e seriedade, cuja proposta diferenciada de trabalho excede a terceirizao de mo de obra, partindo para a gesto compartilhada de negcios. A empresa possui, entre vrias licenas e certificados, o Certificado ISO 9001,bem como padres e prticas de gerenciamento de projetos semelhantes ao Project Management Body of Knowledge (PMBOK), no qual consta estar apta a uma srie de requisitos, de melhoria contnua.Comprometimento, competncia e talento. Este o diferencial que encontrar na Consulting.

2.1.1 Principais ServiosA Consulting atua em diversos segmentos de consultoria, estando apta a oferecer os seguintes servios. consultoria em Tecnologia da Informao; consultoria em Recursos Humanos; avaliao Econmico-Financeiras; reviso de Processos, avaliao de risco e desenvolvimento de controles internos; planejamento estratgico de resultados; diagnstico empresarial; orientao de plano de negcio; administrao de materiais e recursos patrimoniais e, aprendizagem e inovao organizacional.

2.2 Software Developer Ltda.

A Software Developer Ltda. EPP, CNPJ: 02.002.002/002-01, sito Av. Paulista, 200 Centro, So Paulo/SP, empresa especializada no desenvolvimento de softwares para instituies financeiras e Bancos, foi fundada em 01 de janeiro de 2001, como resultado de anos de pesquisa, desenvolvimento e soluo no ramo de Tecnologia da Informao. Possui equipe de funcionrios preparada a atender amigos e clientes dentro dos mais rigorosos padres de qualidade exigidos pela ISO/IEC, Inmetro e demais rgos competentes na rea de certificaes.Seus principais produtos so: sistemas de Consrcio; sistemas de Financiamento, e sistemas para Emprstimos. Sendo diferencial na implantao de solues identificar problemas e oportunidades, definindo o que poder ser oferecido ao mercado como melhor soluo, antecipando-se s necessidades do consumidor.2.2.1 Estrutura fsicaA estrutura fabril da Software Developer possui 1.400 m, distribudo em dois andares, onde a empresa possui laboratrios de pesquisa, escritrio administrativo, e estacionamento para clientes e funcionrios.

2.2.2 Estrutura Organizacional

A empresa conta com uma equipe de 18 (dezoito) funcionrios, dentre diretores, administrativos e engenheiros, capacitados para atender s mais diversas necessidades de seus clientes, de forma gil e integrada.

2.2.3 Problemtica

Em anlise no setor de TI, e pesquisa de qualidade, foram detectadas falhas nos sistemas desenvolvidos, para atender s seguintes necessidades: controle de criao, edio e verso dos documentos; cadastramento dos riscos associados aos processos de negcios e armazenar os desenhos de processo; gerenciamento dos documentos e controle dos perodos de reteno e distribuio.Alguns mdulos bsicos do sistema apresentam falhas quando j esto em produo. Nos servios de suporte aos usurios, no h isonomia no processo de atendimento ocorrido pelos analistas, na abertura de chamado. H diversas solues para diferentes chamados e, o sistema de banco de dados para este primeiro atendimento obsoleto.Quando h liberao de correo de softwares, as atualizaes tm gerado problemas nos ambientes de criao dos clientes, interrompendo-os por horas.H ainda, por parte da Sofware Developer, dvidas quanto liberao de software para plataformas livres, com o receio que seu cdigo-fonte seja adquirido pela concorrncia, Ainda no setor de TI, falta definir uma estratgia de negcio que vise priorizar questes de maior importncia, como o investimento no patrimnio informao, e qualidade e em hardware para testes dos softwares desenvolvidos. As maquinas utilizadas para desenvolvimento so Solaris 10 (pesado e exige equipamento de ponta), Unix da SUN.Estes pontos crticos acabaram por refletir na imagem da empresa, de modo que incidiram em sua identidade, se contrapondo a sua Misso, Viso e Valores.

3 gesto de ti e governana de ti

Gesto de TI o conjunto de atividades que objetiva gerir a TI, em prol das estratgias do negcio. Nas organizaes, ainformao tratada como umpatrimnio, sendo agente determinante na continuidade ou fim das atividades de umaempresa. Com isso, uma boa gesto tornou-se um diferencial importante para o mercado tecnolgico, onde para avaliar os impactos da TI nas operaes e estratgias das organizaes, necessrio que haja foco nos resultados advindos das aplicaes da TI em relao aos objetivos, metas e requisitos destas organizaes.

3.2 governana em ti

Para entender Governana de TI preciso saber o conceito de Governana Corporativa. De acordo com o Instituto Brasileiro de Governana Corporativa (IBCGC):Governana Corporativa o sistema pelo qual as sociedades so dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos entre Acionistas/Cotistas, Conselho de Administrao, Diretoria, Auditoria Independente e Conselho Fiscal. As boas prticas de governana corporativa tm a finalidade de aumentar o valor da sociedade, facilitar seu acesso aocapital e contribuir para a sua perenidade. (IBGC)

Na medida em que a Tecnologia de Informao (TI) exerce papel cada vez mais importante nas organizaes, novos desafios relacionados sua governana emergem naturalmente. Uma das principais prioridades das empresas brasileiras na atualidade, a governana em TI tem se justificado pelo reflexo da mudana do papel e da relevncia da TI dentro das organizaes e, conseqentemente, da necessidade de assegurar que ela seja adequadamente gerenciada.A governana de TI, propriamente dita, envolve a aplicao de princpios de governana corporativa para dirigir e controlar a TI de forma estratgica, preocupando-se com dois assuntos-chave: o valor que a TI proporciona organizao; e o controle e a diminuio dos riscos associados a ela. Suas regras so definidas com a finalidade de operacionalizar a funo da TI na organizao de forma mais eficiente e eficaz, sendo em sua grande maioria resultado do senso comum, da padronizao, da experincia e de "melhores prticas" aceitas pelo mercado, (PETERSON, 2004; HARDY, 2006)

A Governana permite uma maior agilidade operacional e uma resposta rpida e eficiente s demandas. A Governana Corporativa visa uma mxima eficcia no alinhamento da estratgia corporativa com as operaes da empresa, enquanto a Governana de TI representa a busca do alinhamento da estratgia do negcio com a rea de TI.A Governana de TI bem mais ampla que a gesto da TI. um conjunto de prticas, padres e relacionamentos estruturados assumidos pela alta administrao, tcnicos e usurios de TI, com o objetivo de garantir controles efetivos, ampliar processos minimizando os riscos, otimizar a aplicao de recursos e reduzir custos, envolvendo todas as questes da organizao relacionadas tecnologia, desde a definio de polticas sobre as decises de TI, aprovao de investimentos e projetos tecnolgicos, bem como monitoramento e manuteno da TI existente, at chegar avaliao do valor entregue pela TI organizao.Schwarz e Hirschheim (2003, p.131) definem governana de TI como sendo as estruturas ou arquiteturas relacionadas de TI (e associadas a um padro de autoridade) implementadas com sucesso para realizar atividades em resposta aos imperativos ambientais e estratgicos do empreendimento.De modo geral, a governana em TI deve abranger as seguintes questes: Quais decises tomar para garantir a gesto e uso eficaz da TI? Como estas decises sero tomadas e monitoradas? Quem deve tomar estas decises?Atualmente, existem no mercado diversas metodologias e prticas, internacionalmente conhecidas, para governana de TI que prometem revolucionar o sistema, devendo estar em conformidade com a Lei Sarbanes-OxleyAct (SOX), que visa confiana dos investidores, exigindo que as organizaes selecionem e implementem um framework de controle interno adequado.A Lei Sarbanes-Oxley uma lei dos Estados Unidos criada em 30 de julho de 2002 por iniciativa do senador Paul Sarbanes (Democrata) e do deputado Michael Oxley (Republicano). Segundo a maioria dos analistas esta lei representa a maior reforma do mercado de capitais americano desde a introduo de sua regulamentao, logo aps a crise financeira de 1929. A criao desta lei foi uma consequncia das fraudes e escndalos contbeis que, na poca, atingiram grandes corporaes nos Estados Unidos (Enron, Arthur Andersen, World Com, Xerox etc...), e teve como intuito tentar evitar a fuga dos investidores causada pela insegurana e perda de confiana em relao as escrituraes contbeis e aos princpios de governana nas empresas.[footnoteRef:1] [1: Fraudes Contbeis e Internas. Introduo Lei Sarbanes-Oxley. Disponvel em: http://www.fraudes.org/showpage1.asp?pg=312. Acesso em: 02.10.12.]

Observando as principais maneiras de se gerenciar TI, sero considerados o COBIT (Control Objectives for Information and Related Technology), ITIL (Information Technology Infrastructure Library), o CMMI (Capability Maturity Model Integration) e SOX.

3.2.1 Cobit

O Control Objectives for Information and related Technology (COBIT), criado e mantido pelo Information Systems Audit and Control Association (ISACA) objetiva auxiliar os gerentes de TI no controle e no cumprimento dos objetivos de TI, mantendo estes sempre alinhados com os objetivos da organizao. Possui uma srie de recursos que podem servir como um modelo de referncia para gesto da TI, um framework, objetivos de controle, mapas de auditoria, ferramentas para a sua implementao e principalmente, um guia com tcnicas de gerenciamento.[footnoteRef:2] [2: COBIT. Disponvel em: http://pt.wikipedia.org/wiki/CobiT. Acesso em: 03.09.13.]

Recomendado como meio para otimizar os investimentos de TI, melhorando o retorno sobre o investimento e fornecendo mtricas para avaliao dos resultados.O COBIT tenta garantir a Governana de TI provendo umframeworkque garanta quatro aspectos principais: que a TI esteja alinhada com o negcio; que a TI torne o negcio possvel e maximize seus benefcios; que os recursos de TI sejam utilizados com responsabilidade e que os riscos associados TI sejam gerenciados de maneira apropriada. (Giampaoli, 2010)

O Cobit foi projetado para auxiliar trs audincias distintas: administradores: como instrumento de avaliao de risco, controle e investimento do ambiente de TI; usurios: que precisam ter garantias de certificao de segurana dos servios fornecidos por TI (internos ou externos); auditores de sistemas: permitindo apoio com base nas recomendaes do cobit, para avaliao padronizada do nvel de gesto de TI e apresentar recomendaes administrao sobre melhoria dos controles internos.O Cobit possui conjunto de objetivos de controle, agrupados em 4 domnios: planejamento e organizao; aquisio e implementao; entrega dos servios; suporte e monitoramento (superviso).Caractersticas do Cobit foco no negcio; base em controles; direcionamento medio e a orientao ao processo.

3.2.2 Itil

O Information Technology Infrastructure Library (ITIL) tem como objetivos a operao e gesto da infra-estrutura da TI na organizao, auxiliando no atendimento de uma ou mais necessidades do cliente, fornecendo qualidade de servios de forma a apoiar seus objetivos no negcio, relacionando os custos dos servios de TI e como estes trazem valor estratgico organizao.O ITIL abrange um conjunto de processos e procedimentos gerenciais, organizados em disciplinas, com os quais a organizao pode fazer sua gesto ttica e operacional em vista de alcanar o alinhamento estratgico com os negcios. Em razo de sua flexibilidade, a adoo do ITIL traz grandes benefcios, uma vez que no define os processos a serem implementados, mas sim demonstra as melhores prticas que podem ser utilizadas.Caractersticas do ITIL: modelo de referncia para processos de TI no proprietrio; adequado para todas as reas de atividade; independente de tecnologia e fornecedor; baseado nas melhores prticas; um modelo de referncia para a implementao de processos de TI; checklist testado e aprovado; o que fazer e o que no fazer.

3.2.3 CMMI

OCapability Maturity Model Integration (CMMI) um modelo desenvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI) utilizado para definio e implementao de melhorias de processos de desenvolvimento de software.O CMMI reconhecido mundialmente por atestar a maturidade dos processos de desenvolvimento da organizao. Rene diretrizes e boas prticas, tanto acadmicas quanto de mercado, as quais devem ser incorporadas pelas empresas em seus processos. O CMMI auxilia na garantia e melhoria da qualidade de seus produtos e servios na rea de TI. uma metodologia criada pela SEI para ser um guia destinado a melhorar os processos organizacionais e a habilidade desses em gerenciar o desenvolvimento, a aquisio e a manuteno de produtos e servios. O CMMI organiza as prticas, que j so consideradas efetivas, em uma estrutura que visa auxiliar a organizao a estabelecer prioridades para melhoria dos softwares.[footnoteRef:3] [3: CMMI. Disponvel em: http://www.devmedia.com.br/cmmi-capability-maturity-model-integration/3529. Acesso em: 10.09.13]

Estruturado em 5 nveis de maturidade, o CMMI abrange 25 reas de processo divididas em 4 categorias: gerenciamento de projetos: Foco no processo organizacional, Treinamento organizacional; gerenciamento de processos: Planejamento do Projeto, Gesto Integrada do Projeto, Gesto de Riscos; Engenharia: Desenvolvimento de requisitos, Gesto de requisitos; Suporte: Gesto da Configurao, medio e anlise, anlise de resoluo as causas.

3.2.4 Balance Scorecard

O Balanced Scorecard (BSC) foi apresentado, inicialmente, como ummodelode avaliao e performance empresarial, porm, sua atuao proporcionou seu desenvolvimento para uma metodologia degesto estratgica, onde passou a utilizar metodologias consagradas que relacionem aTI gerncia de servios e garantia de resultados. Segundo Kaplan e Norton, Balanced Scorecard uma tcnica que visa a integrao e balanceamento de todos os principais indicadores de desempenho existentes em uma empresa, desde os financeiros/administrativos at os relativos aos processos internos, estabelecendo objetivos da qualidade (indicadores) para funes e nveis relevantes dentro da organizao, ou seja, desdobramento dos indicadores corporativos em setores, com metas claramente definidas.Sua metodologia inclui: definio da estratgia empresarial; gerncia do negcio; gerncia de servios, e gesto da qualidade.As perspectivas do Balanced Scorecard criam um fluxo de causa e efeito que se inicia na perspectiva do aprendizado e crescimento e termina na perspectiva financeira da organizao.

3.2.5 Service Level Agreement (SLA)

O SLA um documento formal, um acordo de nvel de servio, a parte de contrato de servios entre duas ou mais entidades no qual o nvel da prestao de servio definido formalmente, pode ser considerado na contratao de um servio e TI ou Telecomunicaes. Tem por objetivo especificar os requisitos mnimos aceitveis para o servio proposto. Cobri itens como qualidade do servio, critrios de cobrana, provisionamento, processo de atendimento e relatrios fornecidos ao cliente. Seu no cumprimento do SLA implica em penalidades, estipuladas no contrato, para o provedor do servio. Um SLA deve conter parmetros objetivos e mensurveis os quais o provedor de servios se compromete a atender. Os requisitos tpicos que devem fazer parte de um SLA para um servio de telecomunicaes podem ser a disponibilidade dos servios, os compromissos com tempos e prazos e requisitos de desempenho.

4 Sistemas para Internet e Software Livre

Software Livre ousoftware de cdigo aberto o sistema de computadorcujo cdigo-fonte est disponibilizado para uso, cpia, estudo e redistribuio. Segundo a Free Software Foundation considerado livre qualquer programa que pode ser copiado, usado, modificado e redistribudo de acordo com as necessidades de cada usurio. Em outras palavras, o Software considerado livre quando atende a esses quatro tipos de liberdades definidas pela fundao. Nada impede que um desenvolvedor cobre pelas modificaes feitas, pois h custos como em qualquer outra atividade, porm a diferena est nafilosofia do Software Livre, a qual visa o esprito de liberdade e no o lucro.De forma bsica, quando um software livre, significa que seu cdigo-fonte est disponvel para qualquer um e voc pode alter-lo para adequ-lo s suas necessidades, sem ter de pagar.Mesmo com a garantia destas liberdades, os direitos autorais devem ser garantidos, no permitindo que sua autoria seja apoderada por terceiros, ou que sejam impostas restries que impeam a distribuio deste software da mesma maneira que foi adquirido. Quem garante estes direitos a General Public License (GLP), alicenade maior utilizao por parte de projetos de software livre.As vantagens do uso do software livre na implementao de um sistema, so inmeras. custo baixo; agilidade em correo de bugs (falhas no cdigo-fonte); flexibilidade na configurao do ambiente; incluso digital; atualizaes constantes, mantendo o sistema estvel e seguro; a disseminao e a ampliao da participao de usurios/desenvolvedores possibilita a rpida atualizao, verificaes e correo de problemas (FREITAS e TELES, 2002).J como desvantagens, destacam-se interfaces pouco intuitivas, com instalaes complicadas, afastamento do padro mundial de softwares utilizados e mudana de cultura em um ambiente de trabalho. Pode-se citar como desvantagens do software livre a inexistncia de um fabricante formalmente responsvel pelas falhas, a falta de garantia de suporte quando baixado direto da rede, compatibilidade com verses por causa do grande nmero de atualizaes, descontinuao de alguns softwares e a documentao de alguns softwares que pode no ser encontrada to facilmente (CAMPOS, 2004).

4.1 Anlise de custo/benefcio na Implantao de software livre.

A estratgia de transio para softwares livres visa conter gastos e manter a funcionalidade no trabalho, minimizando o grande nus causado pela necessidade de aquisio de licenas para habilitar softwares proprietrios (no livres).Entretanto importante se atentar s vantagens e desvantagens da implantao de infra-estrutura de software livre, que causaro impacto em toda estrutura organizacional, levando-se em conta: o custo inicial de cada um deles (se o software livre for gratuito, este valor zero); o histrico de problemas (bugs) em produtos da empresa comercial e do software livre; o histrico do tempo de resposta da empresa fornecedora ou da comunidade de utilizadores na soluo de problemas; o custo para a adaptao s suas necessidades; a oferta e custo da mo de obra especializada; o custo de treinamento da mo de obra da empresa; a comunidade de usurios; a segurana dos sistemas de informao a serem desenvolvidos.

4.1 Sistemas Digitais

O conceito de Sistema de aplicao bem ampla, como atestam os Sistemas Fsicos, os Sistemas Biolgicos, os Sistemas Sociais, etc... e pode ser entendido atravs de sucessivas definies:[footnoteRef:4] [4: Sistemas Digitais. Disponvel em: www.di.ufpb.br/jose/sistemas.doc. Acesso em: 08.09.13]

definio abstrata: Um sistema uma disposio, conjunto ou coleo de elementos, conectados ou relacionados de tal maneira a formarem um todo; definio especfica: Um sistema uma disposio de componentes fsicos (dispositivos), conectados ou relacionados de tal maneira a formar e/ou atuar como um conjunto; definio particular: Um sistema de controle uma disposio de componentes fsicos, conectados ou relacionados de maneira a comandar, dirigir ou regular a si mesmos ou a outros sistemas;Um sistema digital pode ser definido como um conjunto de componentes interconectados que processam informaes em forma digital ou discreta. Na maioria dos sistemas digitais, os componentes bsicos utilizados so dispositivos eletrnicos chamados Circuitos Integrados (CIs). As ligaes entre estes componentes eletrnicos so conexes fsicas atravs das quais a informao digital pode ser transmitida.[footnoteRef:5] [5: Sistemas digitais. Disponvel em: http://minerva.ufpel.edu.br/~guntzel/isd/isd1.pdf. Acesso em: 08.09.13]

4.1.1 Arquiteturas cliente/Servidor

Cliente-servidor uma arquitetura onde o processamento da informao dividido em processos distintos, geralmente utilizando-se uma rede de computadores, onde: clientes o processo responsvel pela obteno de dados. O processo cliente envia pedidos e solicita servios para o processo servidor; servidores o processo responsvel pela manuteno da informao. O processo servidor processa e envia os resultados dos pedidos.Cliente-Servidor uma arquitetura onde o processamento da informao dividido em mdulos ou processos distintos. Um processo responsvel pela manuteno da informao (Servidor),enquanto que outro responsvel pela obteno dos dados(Cliente). (BATTISTI, 2001).

A interao entre os processos cliente e servidor uma troca cooperativa, em que o cliente o ativo e o servidor reativo.Esta arquitetura de rede uma das tecnologias mais utilizadas em ambientes corporativos, nos dias atuais, substituindo a arquitetura antiga, onde o compartilhamento de dados envolviam mainframes[footnoteRef:6]com vrios terminais ligados eles. [6: Computador de grande porte, usado no processamento de dados em grande escala. Estrutura cara e rgida.]

4.1.2 Sistemas distribudos

Sistemas Distribudos (SD) so definidos como uma coleo de computadores autnomos, ligados por uma rede e com software projetado para produzir uma integrao de recursos computacionais. (COULOURIS, 2005)Um exemplo de sistema distribudo a internet, no qual temos uma rede de computadores, interdependente que interligam-se com o objetivo de compartilhar recursos, dando a impresso ao usurio que tudo isto um nico sistema.Um sistema constitudo por um conjunto de computadores independentes visto pelos utilizadores do sistema como sendo um sistema coerente e nico. (Tanenbaum)Tipos de Sistemas Distribudos: sistemas de Computao; sistemas de Informao; sistemas Pervasivos.

4.1.3 Modelos de negcio na web

Modelos de negcio so as diversas formataes que os empreendimentos adquirem ao utilizar a Internet como canal primrio ou secundrio de comercializao. Na medida em que qualquer servio ou produto existente pode ser comercializado via Internet, estes so enquadrados em trs grandes grupos:[footnoteRef:7] [7: Modelos de negcios. Disponvel em: http://www.e-commerce.org.br/modelo_de_negocio.php. Acesso em: 08.09.13]

comerciante: envolve a comercializao de servios ou produtos tangveis/digitais para pessoas fsicas (e-tailers) ou jurdicas. Pode ser um negcio totalmente baseado na Internet ou com reforo de uma loja tradicional; corretagem: so os chamados facilitadores de negcios na Internet. So sites que facilitam e estimulam a realizao de transaes, atravs da manuteno de um ambiente virtual, que coloca em contato e aproxima os fornecedores e os potenciais compradores; publicidade: utilizam o conceito das emissoras de TV e Radio, o chamado Broadcasting. Oferecem produtos e servios, gratuitamente, como informao ou entretenimento, geram um grande volume de trfego e obtm receita atravs de anunciantes que desejam atingir esse pblico.

4.1.4 Comrcio eletrnico

Internet tem sido um dos grandes avanos, facilitando a comunicao entre as empresas e os clientes.Com o aumento da Tecnologia da Informao, surge uma grande inovao no mundo econmico, o comrcio eletrnico, possibilitando a realizao de operaes comerciais sem a definio exata do local de origem e destino. E-commerce ou comrcio eletrnico so as compras e aquisies feitas por equipamentos eletrnicos, como computadores e celulares atravs da rede. a transao comercial atravs de um contato virtual vendas por internet ou telemarketing.Seus fundamentos esto baseados em segurana, criptografia, moedas e pagamentos eletrnicos. A evoluo do comrcio eletrnico permite que no sejam vendidos somente produtos palpveis. Se antes, a comercializao on-line era basicamente realizada com produtos como CDs, livros e demais produtos palpveis e de caractersticas tangveis, hoje, as pessoas j confiam em comprar servios como SPA, pacotes tursticos, jantares e outras opes pela Internet.Caractersticas gerais de um comrcio eletrnico: quebrar barreiras geogrficas na comercializao de seu produto/servio; alcance global; apresentar informaes sobre os produtos online; disponibilidade de servio a clientes; efetuar transaes de compra e venda via web; aviso via email sobre alguma venda ou pedido; oportunidade real de gerar renda direta com o website;Benefcios para as empresas: reduo de custos operacionais; aumento da satisfao dos clientes; gesto de dados mais eficiente; potencial aumento de vendas; aumento dos modelos de negcios; trabalhar com estoque do fornecedor; possibilidade de ao para empresas que atuam em nichos de mercado; relao direta com consumidores; monitoramento de preferncias do consumidor; aumento da possibilidade de prestao de servio online. Riscos do comrcio eletrnico: receio do consumidor em comprar online; questes de segurana da informao; transaes fraudulentas; questes de privacidade; compras baseadas apenas em fotos sem manusear o produto; aumento da Competio; possvel dificuldade com devoluo.

4.1.4.1 Marketing na internet.

Segundo Kotler, de forma sucinta, Marketing atividade humana dirigida para satisfazer necessidades e desejos por meio de troca.Para Reedy, Schullo e Zimmerman (2001, p. 26):Marketing eletrnico como todas as atividades on-line ou eletrnicas que facilitam a produo e a comercializao de produtos ou servios para satisfazer os desejos e as necessidades do consumidor. O marketing eletrnico depende muito da tecnologia de redes para coordenar pesquisa de mercado e desenvolvimento de produtos, desenvolver estratgias e tticas para persuadir os consumidores, proporcionar distribuio on-line, manter registros dos consumidores, realizar servios de atendimento aos consumidores e coletar feedback dos clientes. O marketing eletrnico aprimora o programa geral de marketing que, por sua vez, viabiliza os objetivos da empresa no comrcio eletrnico.

A utilizao da internet na estratgia de marketing pode permitir: desenvolver uma maior interatividade com os seus clientes e/ou potenciais clientes, na medida em que possibilita que o receptor/cliente seleccione a informao e comunique com o emissor/empresa; maior acessibilidade - comunicao 24h/dia, 7 dias/semana, 365 dias/ano; personalizao - a Internet possibilita a total individualizao das mensagens; mais e melhor quantificao - a Internet um meio que, sendo mensurvel, permite realizar uma avaliao e controlo mais imediatos e fiveis do impacto da estratgia e comunicao com o mercado.

4.1.5 Tecnologias e metodologias de modelagem de aplicaes web.

A Internet tornou-se um grande mecanismo para realizao de negcios.Modelagem web um ramo daengenharia webque enderea questes especficas relacionadas ao projeto e desenvolvimento deaplicaes webde larga escala. Particularmente, ela foca nas notaes de design e linguagens visuais que podem ser usadas para a construo de aplicaes web robustas, bem estruturadas, teis e de fcil manuteno. Projetar umsite webcom grande quantidade de dados equivale a especificar suas caractersticas em termos de vrias abstraes ortogonais. Os principais modelos bsicos que esto envolvidos no projeto de uma aplicao web complexa so: estrutura de dados, composio de contedo, caminhos de navegao e modelo de apresentao.[footnoteRef:8] [8: Modelagem Web. Disponvel em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Modelagem_web. Acesso em: 08.09.13.]

Segue abaixo algumas ferramentas de Metodologias de modelagem de aplicaes WEB:[footnoteRef:9] [9: Disponvel em: http://www.criarweb.com/artigos/7.php. Acesso em: 08.09.13.]

HTML: linguagem com a qual se definem as pginas web. Basicamente trata-se de um conjunto de etiquetas (tags) que servem para definir a forma na qual se apresentar o texto e outros elementos da pgina; Cascading Style Sheets (CSS), em portugus, Folhas de Estilo em Cascata: tecnologia que nos permite criar pginas web de uma maneira mais exata, onde se mais dono dos resultados finais da pgina, podendo fazer muito alm do que utilizando somente HTML, como incluir margens, tipos de letra, fundos, cores, etc; java script: linguagem de programao do lado do cliente, porque o navegador que suporta a carga de processamento, onde pode-se criar efeitos especiais nas pginas e definir interatividades com o usurio. O navegador do cliente o encarregado de interpretar as instrues Java script e execut-las para realizar estes efeitos e interatividades, de modo que o maior recurso, e talvez o nico, com que conta esta linguagem o prprio navegador; java: linguagem de programao com a qual podemos realizar qualquer tipo de programa. Na atualidade, uma linguagem muito extensa e cada vez cobra mais importncia no mbito de Internet como na informtica em geral. Est desenvolvido pela companhia Sun Microsystems com grande dedicao e sempre enfocada a cobrir as necessidades tecnolgicas mais principais; applets de Java: trata-se de pequenos programas feitos em Java, que se transferem com as pginas web e que o navegador executa no espao da pgina. Os applets de Java esto programados em Java e pr-compilados, por isso que a maneira de trabalhar destes varia um pouco em relao s linguagens de script como Javascript. A principal vantagem de utilizar applets consiste em que so muitos menos independentes do navegador que os scripts em Javascript, inclusive independentes do sistema operativo do computador onde se executam. Ademais, Java mais potente que Javascript, portanto o nmero de aplicaes dos applets poder ser maior; active Server Pages (ASP): a tecnologia desenvolvida por Microsoft para a criao de pginas dinmicas do servidor. ASP se escreve na mesma pgina web, utilizando a linguagem Visual Basic Script ou Jscript (Javascript de Microsoft). Uma linguagem do lado do servidor aquela que se executa no servidor web, justo antes da pgina ser enviada atravs da Internet ao cliente. As pginas que se executam no servidor podem realizar acessos bases de dados, conexes em rede, e outras tarefas para criar a pgina final que o cliente ver. O cliente somente recebe uma pgina com o cdigo HTML resultante da execuo da pgina ASP; hipertext Preprocesor (PHP): linguagem de programao do lado do servidor gratuito e independente de plataforma, rpido, com uma grande livraria de funes e muita documentao. As pginas que se executam no servidor podem realizar acessos a bases de dados, conexes em rede, e outras tarefas para criar a pgina final que ser vista pelo cliente. O cliente somente recebe uma pgina com o cdigo HTML resultante da execuo da PHP. Como a pgina resultante contm unicamente cdigo HTML, compatvel com todos os navegadores; XML: tecnologia na verdade muito simples que tem ao seu redor outras tecnologias que a complementam e a fazem muito maior e com possibilidades muito mais amplas. O XML tem um papel importantssimo neste mundo atual, que tende globalizao e compatibilidade entre os sistemas, j que a tecnologia que permitir compartir a informao de una maneira segura, confivel e fcil. XML interessante no mundo da Internet e do e-bussiness, j que existem muitos sistemas distintos que tm que se comunicar entre si, porm, como se pode imaginar, interessa igualmente a todos os ramos da informtica e o tratamento de dados, j que permite muitos avances na hora de trabalhar com eles; java Server Pages (JSP): que em portugus seria algo como Pginas de Servidor Java, uma tecnologia orientada a criar pginas web com programao em Java; activeX: tecnologia da Microsoft para o desenvolvimento de pginas dinmicas. Tem presena na programao do lado do servidor e do lado do cliente, embora existam diferenas no uso em cada um desses casos. So pequenos programas que podem ser includos dentro de pginas web e servem para realizar aes de diversa ndole. So um pouco parecidos aos Applets de Java em seu funcionamento, embora uma diferena fundamental a segurana, pois um Applet de Java no poder tomar privilgios para realizar aes malignas (como apagar o disco rgido) e os controles ActiveX sim, que podem outorgar-se permisses para fazer qualquer coisa. Os controles ActiveX so particulares de Internet Explorer; frontpage: as extenses de Frontpage so pequenas funcionalidades acrescentadas por tal programa s pginas web bsicas. As extenses de Frontpage so, por exemplo, contadores, formulrios que realizam pequenas tarefas automaticamente ou ajudas para a publicao da web. Definitivamente, so pequenos scripts de servidor para tornar a vida mais simples ou ampliar as funcionalidades de nossas pginas; RSS: padro criado para distribuir contedos, usualmente as novidades, dos websites por um canal distinto da prpria pgina web. Graas a RSS o usurio visitante de uma pgina web pode se inscrever a suas novidades e receb-las em seu computador, no instante de serem publicadas, sem a necessidade de acessar pgina web onde foram inseridas. RSS est pensado para webs que publicam muitas novidades e para usurios que querem estar por dentro de tais atualizaes, sem ter que entrar toda hora no site para ver se foi publicado algo novo; portable Document Format (PDF): formato porttil para documentos desenvolvido por Adobe Systems e muito usado na Internet devido a sua versatilidade, facilidade de uso e tamanho pequeno; asynchronous Java Scriptand XML (AJAX):uma das novidades mais atrativas e promissrias da denominada Web 2.0. Esta tecnologia redefine o termo 'interatividade', passando ao seguinte nvel; cloud Computing: As grandes empresas comearam a utilizar este termo para se referir queles servios alojados na rede. Por isso, podemos dizer que a palavra nuvem seria equivalente ao que conhecemos como Internet. Existem 3 tipos de nuvens: Nuvens pblicas: so administradas pelo provedor do servio. A grande vantagem que elas no requerem um investimento inicial para comear a serem utilizadas e no significam um gasto de manuteno para o cliente que a consome; Nuvens privadas: diferentemente das pblicas, so administradas pelo cliente para a obteno um maior controle. Devido a isto, supem um investimento inicial na infraestrutura j que esta ser alojada on-premise, ou seja, nas instalaes do cliente. Como vantagem principal, o cliente desfruta de uma nuvem de sua propriedade onde ele o nico que reside nela, embora os gastos de manuteno corram por conta do proprietrio; Nuvens hbridas: temos esta opo intermediria entre as duas nuvens anteriores. Embora digam que este tipo ser o mais difundido no futuro, no est to definido quanto o resto. A ideia principal delas que o cliente possa manter o controle daquelas aplicaes principais e delegar a administrao nas que considere secundrias. Como mencionamos acima, existem muitas alternativas de ferramentas para desenvolver sistemas para a WEB, cada uma com sua tecnologia, cada uma com sua particularidade dificuldade ou facilidade, mas para facilitar o sucesso do desenvolvimento, foram criadas algumas metodologias, segue abaixo algumas:[footnoteRef:10] [10: Disponvel em: http://imasters.com.br/artigo/7396/gerencia-de-ti/um-cardapio-de-metodologias-ageis. Acesso em: 08.09.13.]

XP: Extreme Programming, mtodos geis so propostas incomuns de tcnicas para projetos de software. XP, como o nome sugere, algo um pouco mais radical. Propostas estranhas de tcnicas esquisitas fazem os gerentes de projetos temerem utiliz-las em grandes projetos. Para atrapalhar ainda mais as poucas iniciativas de se quebrar paradigmas, o radicalismo de alguns pensadores de XP afastam a compreenso sobre as reais vantagens e os benefcios para o negcio que podemos alcanar com estes mtodos. A programao em pares, um dos mais diferentes e originais mtodos do XP, traz para o gerente do projeto a necessidade de uma posio sem hipocrisia. Ou voc ama, ou voc odeia. Os principais mtodos polmicos do XP: Programao em Pares;Integrao Contnua; Stand-Up Reunio; Propriedade Coletiva (Cdigo Fonte coletivo); Refactoring; On-Site Cliente; Generalistas; feature Driven Development (FDD): uma simples compilao de prticas estabelecidas nos ltimos 30 anos. Em sua essncia, FDD mais um mtodo de gerenciamento de software do que um ciclo de vida de desenvolvimento de software. Resumidamente, FDD dividido em 5 fases que explicam sua funo. So elas: Shape Modeling - uma forma de questionar se todos compreendem o que para fazer, analisar requisitos no-funcionais e modelo de arquitetura; Feature List - a representao do escopo listando a compreenso do que para ser feito e os requerimentos a serem desenvolvidos; Plan by subject area - a modularizao da lista em conjuntos de funcionalidades relacionadas, permitindo o desenvolvimento de parte do sistema autonomamente; Design byfeature set - uma orientao que determina o desenvolvimento com base no domnio do problema. Sugere-se nesta fase uma modelagem profunda e detalhada em UML; Build by Chief Programmer Work Package- o empacotamento de pequenas funcionalidades, uma reduo evolutiva que nasce na fase 2 at a fase 4. Prioriza-se este pacote, codificando suas funcionalidades e criando unittests. FDD define tambm 4 camadas de arquitetura de software: User Interface (UI); Problem Domain (PD)- lgica do negcio; Data Management(DM); Systems Interfaces (SI). Cada funcionalidade definida com uma frmula simples, que permite ser repetvel e confivel; Microsoft Solutions Framework (MSF):tem sido usado pelaMicrosoftcomo o seu mtodo para desenvolvimento de solues de software dentro da Microsoft e tambm para os milhares de clientes e parceiros da Microsoft em todo o mundo. A disseminao deste mtodo, agora na verso 4.0 no Visual Studio 2005, normalmente induz as pessoas a compar-lo com outros mtodos da indstria, como o RUP ou XP, entre outros. importante entender, entretanto, o que so estes elementos antes de compar-los. O MSF para Desenvolvimento gil de Software um guia de procedimentos, uma coleo de boas prticas para projetos de desenvolvimento de softwares. Um tema muito forte dentro do MSF Agile integrao. Metodologias geis necessitam que os "stakeholders" estejam presentes o tempo todo durante o projeto. Para o MSF, um projeto precisa dos seguintes papeis (entende-se papis como responsabilidades que devem ser assumidas por algum membro da equipe): Program Manager; Product Manager; User Experience; Tester; Developer; Architect; Release Manager; SCRUM: um mtodo de gerenciamento de software que pode ser usado com XP ou MSF. baseado na teoria do controle emprico de processos e seus fundamentos so originados na indstria de manufatura japonesa. Muitos gerentes de projetos no gostam do mtodo reativo sugerido pelo SCRUM e preferem trabalhar com um planejamento que na minha leitura um trabalho especulativo, pois tenta prever uma sequncia de atividades lineares. Segundo o SCRUM, o desenvolvimento deve ser trabalhado em 3 nveis: Sprint; Release; Product. No SCRUM, o que mais chama a ateno a simplicidade. Controlar projetos desta forma participar de um jogo competitivo e saudvel em que todos se auto avaliam todos os dias (daily stand-upmeeting) tornando possvel resultados e tcnicas de melhoria contnua. O gerente de projetos como conhecemos hoje, na proposta SCRUM, chamado de SCRUM Master. Suas principais responsabilidades resumem-se em duas: Proporcionar a passagem tcnica e retirar todos os impedimentos; servidores Aplicao WEB: um programa de computador onde se executa chamadas HTTP de clientes denominados browser, ou um computador (hardware) onde se pode instalar programas que processe e responda chamadas HTTP. Segue abaixo alguns programas denominados servidores de aplicao web: Apache HTTP Server; BadBlue; Caudium, uma derivao do Roxen; Covalent Enterprise Ready Server, baseado no Apache HTTP Server; Fnord; IBM HTTP Server (baseado no Apache HTTP Server); Internet Information Services (IIS) da Microsoft, incluso no Windows XP; Light HTTP Server (lig httpd); NaviServer; Nginx; Oracle HTTP Server, baseado no Apache HTTP Server; Roxen; Sun Java System Web Server da Sun Microsystems; i Planet Web Server, and Netscape Enterprise Server; thttpd da ACME Laboratories; Zeus Web Server; AOL Web Server.

5 Gesto de Qualidade

Governar levar uma empresa at seu objetivo (eficcia), tratando de fazer o melhor uso possvel dos recursos que esto a sua disposio (eficincia). (Fayol, 1930)

5.1 Carter sistmico dos modelos de gesto.

A palavra modelo tem suas origens no latimmoduluse embora conduza a diferentes significados dependendo do contexto, podemos dizer que algo que serve de referncia ou norma em determinada situao.

O modelo de gesto produto do subsistema institucional, que representa as principais determinaes, vontades e expectativas do proprietrio ou principal gestor, de como as coisas devem acontecer na empresa.Segundo Gary Hamel (2007, p.10), a prtica de gesto envolve:

fixar e planejar objetivos; motivar e alinhar esforos; coordenar e controlar atividades; desenvolver e nomear profissionais; acumular e aplicar conhecimentos; reunir e distribuir recursos; construir e cultivar relacionamentos; equilibrar e satisfazer exigncias de stakeholders.O modelo de gesto tem impacto em todos os demais sistemas da empresa e, suas principais caractersticas podem ser elencadas da seguinte forma: o principal formador da cultura organizacional; determina as linhas de poder; estabelece as principais formas de ao na empresa; determina a importncia das coisas, ao estabelecer os critrios de anlise de desempenho.Gesto Sistmica a gesto atravs da integrao de todas as reas da empresa, desde a alta gerncia, objetivando o cumprimento de prazos, manuteno da qualidade, competitividade e equilbrio de aes de maneira a proporcionar diferencial competitivo garantindo sobrevivncia e credibilidade no mercado.A maioria dos sistemas de gesto de informaes trata apenas das informaes relacionadas aos fatos internos da organizao, mas preciso incluir nesses sistemas as informaes relevantes organizao que ocorrem no ambiente externo. Conhecer as condies externas tem sido vital para o xito do planejamento de aes futuras. Aspectos como legislao vigente, condies scio-econmicas e nvel de concorrncia so fatores que so entendidos como restritivos s decises empresariais. Autores como Hamel&Prahalad, Kaplan, Plunket, Porter e Robbins &Coulter teorizam amplamente sobre isso e, ao final, sugerem que tais variveis, dependendo de seu comportamento, podem ensejar o aparecimento de ameaas e oportunidades aos negcios da empresa. Assim, a anlise do ambiente externo possibilita s empresas ampliar seu conhecimento sobre as situaes futuras com que sede parar, possibilitando a tomada precoce de decises, de forma a reduzir os efeitos das ameaas sobre si de forma a maximizar o aproveitamento de oportunidades ai surgidas.

5.2 outsourcing

Outsourcing a transferncia das atividades conhecidas como atividades meio, e nunca as atividades fins, para uma empresa terceirizada. Significa delegar servios a terceiros fora da empresa. Em TI, outsourcing pode incluir qualquer coisa desde terceirizar todo o gerenciamento de TI para uma IBM ou EDS a terceirizar um servio muito pequeno e facilmente definido, como armazenamento de dados. Visa, principalmente, beneficiar-se de mo-de-obra mais barata.

6 Metodologia

Como forma de verificar se a Software apresenta diferencial superior s empresas do mesmo segmento, utilizou-se o mtodo deestudo de eventos.

Estudo de evento como o mtodo pelo qual possvel medir o efeito de um evento econmico no valor de uma determinada empresa. Tal mtodo possvel e eficaz em funo da hiptese de que, em funo da racionalidade do mercado, o efeito de um evento ser refletido imediatamente nos preos dos ativos. (Campbell e Mackinley,1997)

O estudo de eventosconstitui-se em uma ferramenta que permite avaliar impactos de um determinado evento na forma de agir das organizaes (WILLIAMS; SIEGEL, 1997). Este mtodo tem sido utilizado para julgar os efeitos de eventos corporativos como uma mudana na direo da organizao ou um reposicionamento estratgico, mais especificamente na rea de Sistemas de Informao, buscando verificar os impactos de investimentos em TI, nas decises de terceirizao, em ataques de segurana e na adoo de sistemas Gerenciamento.

7 Concluso

Conclumos que a gesto via outsourcing garantir, de forma otimizada, a resoluo de problemas na Software, reduzindo custos e dispndios com encargos sociais, gerando vantagens competitivas frente a um mercado to exigente.Com a importncia do setor de TI vem crescendo dentro das empresas, cada vez mais necessrio a devida ateno nesse setor.A partir dos problemas apresentados pela a empresa Software Developer, a Consulting adotou, como estratgia de servio, atender de forma eficiente, apresentando custo baixo, segurana de servio e confiana de seu cliente, de modo a corrigir falhas encontradas.Dentre estas estratgias, suas prioridades foram mapear e desenvolver os seguintes Controles: desenvolvimento do software com a correo de falhas encontradas; atualizao de verses com correes de falhas e melhorias no sistema de implementao; gerenciamento de documentos e armazenar os desenhos de todos os processos realizados; dimensionar riscos associados aos processos tomados; desenvolvimento de Servios.Com base nestas estratgias, determinou alteraes no desenho e desenvolvimento de servio j utilizado at o momento. Como melhoria na abertura de chamados, a Consulting determinou a utilizao do Cliente-Servidor para disseminar a isonomia da abertura de tickets e anlise primria dos analistas. O Cliente-Servidor dar suporte aos usurios dos sistemas e equipes de TI da empresa, sendo facilitador na comunicao entre servidor cliente.Os gestores de TI devem dar a devida importncia e prioridade do que se refere a hardware, pois necessrio uma mquina e um sistema operacional adequado para a normalizao de vrios problemas levantados, principalmente no que se refere ambiente de teste, cujo sistema Unix e exigente.A estratgia de transio para softwares livres visa conter gastos, mantendo a eficcia, para as organizaes, porm, para empresas fabricantes destes softwares, o risco da cpia de seus cdigos-fonte mostra grande nus no que tange a abertura a concorrncia. Como metodologias mais utilizadas no mercado, a Consulting indicou a utilizao do ITIL, em virtude de sua flexibilidade na demonstrao de prticas a serem utilizadas, podendo trazer uma transformao na prestao de Nvel de Servios, dentro da lei Sarbans-Oxley, mantendo procedimentos uniformes quanto coleta, processamento e divulgao de relatrios, assegurando a consistncia das informaes.O maior ponto positivo da anlise da ITIL a maneira que conduzida as adaptaes e mudanas necessrias segundo as necessidades das empresas, tambm a mensurao do custoXbenefcio diante dos prazos, preos e qualidade de servios.Os lderes da rea de TI devero mudar sua maneira de liderana, adotando uma prtica de Gesto Sistmica que considere as opinies dos usurios que executam o trabalho operacional, podendo assim ter conhecimento de uma lentido a determinados processos realizados pela aplicao, deficincia de recursos para determinada operao ou at o levantamento de uma melhoria nos sistema, integrando todos setores da empresa, garantindo diferencial frente s concorrentes no mercado.

REFERNCIAS

CERI, Stefano; FRATERNALI, Piero;BONGIO, Aldo; BRAMBILLA, Marco;COMAI, Sara; MATERA, Maristella (2003). Designing Data-Intensive Web Applications. Morgan-Kaufmann Publishers: Amsterdam.

MAADA, A.; BECKER, J. Efeitos da Tecnologia de Informao nas Variveis Estratgicas dos Bancos: uma anlise envolvendo Brasil e Estados Unidos.Revista de Administrao de Empresas, v.41, n.4,2001.

SILVEIRA, A.; BARROS, L.; FAM, R. Atributos corporativos, qualidade da governana corporativa e valor das companhias abertas no Brasil.Revista Brasileira de Finanas, v.4, n.1, p.1-30,2006.

VIDAL, F.; CAMARGOS, M. Estudo de eventos: teoria e operacionalizao.Caderno de Pesquisas em Administrao, v.10, n.3, p.1-20,2003.

WAZLAWICK , Raul S. (2011). Anlise e Projeto de Sistemas de Informao Orientados a Objetos. 2 Edio. EditoraCampus/Elsevier (Srie Didtica da Sociedade Brasileira de Computao).

Era do Informacionalismo. Disponvel em: http://focasweb.blogspot.com.br/2008/08/era-do-informacionalismo.html. Acesso em: 07/09/13.

Depreendendo nosso mundo. Disponvel em: www.virtual.ie.ufrj.br/infoeducar/bib/castells1.doc. Acesso em 08.09.13

Informacionalismo. Disponvel em: http://plantandoideia.blogspot.com.br/2008/08/informacionalismo.html. Acesso em: 07/09/13.

Informao e conhecimento na nova ordem mundial. Disponvel em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19651999000100010&lang=pt. Acesso em: 07.09.13

O Excesso de Informao - A Neurose do Sculo XXI. Disponvel em: http://www.mettodo.com.br/pdf/O%20Excesso%20de%20Informacao.pdf. Acesso em: 08.09.13