pet tuberculose

Download Pet Tuberculose

Post on 20-Jan-2016

40 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Apresentao do PowerPoint

Pet-sade:TUBERCULOSEUniversidade Federal de Mato Grosso do SulAlunas: Flvia Palla Miranda, Tase Namie NakataAgente Etiolgico

Bacilo de Koch no escarroCausada por uma bactria Mycobacterium tuberculosis ou Bacilo de Koch (BK).

Afeta principalmente os pulmes, mas, tambm podem ocorrer em outros rgos do corpo, como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o crebro).

Como ocorre a transmisso?

Primo infeco Ao ocorrer o primeiro contato do tecido pulmonar com o bacilo de Koch, produz-se o que se conhece como primo-infeco tuberculosa. A primo-infeco tuberculosa passa despercebida em cerca de 90% dos casos, porque a reao defensiva trava a sua evoluo antes que surja qualquer sintoma.

Tuberculose Primria e Ps PrimriaEm 5 % dos casos, a primoinfeco no contida, seja pela deficincia no desenvolvimento da imunidade celular, seja pela carga infectante ou pela virulncia do bacilo. Reativa endgena: quando o sistema imunolgico no pode mais manter os bacilos sob controle e eles se multiplicam rapidamente Reativa exgena: quando ocorre uma nova exposio a bacilos mais virulentos e que resistem forte resposta imunolgica desencadeada pelo hospedeiro.A m alimentao, a falta de higiene, o tabagismo, o alcoolismo ou qualquer outro fator que gere baixa resistncia orgnica, tambm favorece o estabelecimento da doena

Formas da doena a forma pulmonar bacilfera a responsvel pela manuteno da cadeia de transmisso da doena.A busca ativa dos sintomticos respiratrios a principal estratgia para o controle da TB, uma vez que permite a deteco precoce das formas pulmonares.

Tuberculose PulmonarOs sintomas clssicos so: tosse persistente por 3 semanas;ou mais, produtiva ou no;febre vespertina (38,5 C);sudorese noturna;emagrecimento.

Em populaes especiais, tais como presidirios, moradores de rua, pacientes HIV positivos, crianas, tosse com 2 semanas ou mais, pode ser sugestivo de tuberculose pulmonar e DEVE ser investigado.

Tuberculose extrapulmonarSinais e sintomas dependentes dos rgos e/ou sistemas acometidos.Ex: No quadro clnico da pericardite tuberculosa, a dispnia um sintoma precoce e debilitante. A dor torcica. J na meningoencefalite tuberculosa podem ter sintomas como: convulses, cefaleia, evmitosSua ocorrncia aumenta entre pacientes com imunocomprometimento grave, principalmente naqueles com aids.

Diagnstico Baciloscopia de escarroMtodo principal de diagnstico de tb pulmonar.Simples, rpido, de baixo custo e seguro.Utilizado para acompanhamento da evoluo bacteriolgica do paciente (mensal).Escarro: rvore brnquica (esforo da tosse). solicitado quando o paciente:Possui tosse por 2 a 3 semanasSuspeita clnica e/ou radiolgica de tb pulmonar (independente do tempo de tosse)Suspeita clnica de tb em stios extrapulmonares.A baciloscopia direta do escarro o mtodo principal no diagnstico e para o controle de tratamento da tuberculose pulmonar por permitir a descoberta das fontes de infeco, ou seja, os casos bacilferos.Trata-se de um mtodo simples, rpido, de baixo custo e seguro para elucidao diagnstica da tuberculose, uma vez que permite a confirmao da presena do bacilo.Tambm utilizada para acompanhar a evoluo bacteriolgica do paciente pulmonar, inicialmente positivo, durante o tratamento.A boa amostra de escarro a proveniente da rvore brnquica, obtida aps esforo da tosse (expectorao espontnea) e, no, da orofaringe.H a suspeita clnica de tb em stios extrapulmonares quando a pessoa tem linfadenopatia cervical ou axilar, por exemplo, na tb ganglionar, dor ocular na tb oftlmica.

9Diagnstico Baciloscopia de escarroColeta de escarro e cuidados:A unidade de sade deve ter profissionais capacitados para:Orientar o paciente quanto ao procedimento de coleta.Informar que o pote deve ser tampado e colocado em um saco plstico , cuidando para que permanea nessa posio.Orientar o paciente a lavar as mos.Orientar o paciente quanto ao procedimento de coleta: ao despertar pela manh, lavar bem a boca, inspirar profundamente, prender a respirao por um instante e escarrar aps forar a tosse. Repetir essa operao at obter trs eliminaes de escarro, evitando que esse escorra pela parede externa do pote. Informar que o pote deve ser tampado e colocado em um saco plstico com a tampa para cima, cuidando para que permanea nessa posio. - Orientar o paciente a lavar as mos.

10Coleta de escarro

rvore brnquica

Pote plstico, descartvel, com boca larga (50mm de dimetro), transparente, tampa de rosca, capacidade de 35 a 50 ml.Coleta de escarro

1. Inspirar profundamente, retendo por alguns instantes o ar nos pulmes e s ento tossir.

2. Lanar o material diretamente no pote de coleta. Repetir o procedimento por 3 vezes at atingir a quantidade necessria (5 a 10 ml).Coleta de escarro

Proteo contra a luz solar;

Acondicionamento adequado para que no haja risco de derramamento;

Colocar os potes com as tampas bem fechadas e voltadas para cima;

Colocar as requisies dos exames em um envelope ou saco plstico, fora da caixa trmica ou isopor.Diagnstico Radiografia de traxRadiografia do trax:Mtodo de grande importncia na investigao da tuberculose.Achados radiolgicos apontam para suspeita de doena em atividade ou doena no passado, alm do tipo e extenso do comprometimento pulmonar.Deve ser solicitada para todo o paciente com suspeita clnica de tb pulmonar.No raio-x, apresentam achados radiolgicos como: polos parenquimatosos e linfonodais, infiltrao micronodular difusa, atelectasia (colapso do pulmo), opacidades infraclaviculares, 14Radiografia de trax

Polo parenquimatoso e linfonodal do lado esquerdo.Radiografia de trax

Em A, mostra opacidade no tero mdio do pulmo direito. Em B, atelectasia do lobo mdio.Diagnstico: Prova tuberculnica (PT) ou Reao de MantouxInoculao intradrmica de um derivado do M.tuberculosis.Medir a resposta imune celular a estes antgenos.Nos indivduos j sensibilizados, ocorre uma reao inflamatria.Indicaes: para diagnstico de infeco latente;deteco de infeco recente;auxlio no diagnstico da tuberculose em crianas; diagnstico na tb extrapulmonar;conhecer a prevalncia/incidncia da tuberculose na populao.Diagnstico: Prova tuberculnica (PT) ou Reao de Mantoux

Aplicao: Tero mdio da face anterior do antebrao esquedo, 0,1 ml de derivado do bacilo.Diagnstico: Prova tuberculnica (PT) ou Reao de MantouxA leitura deve ser realizada 72 horas aps a aplicao do teste.Resultado deve ser registrado em milmetros.Reao positiva: infiltrao nodular, plana, irregular, rea eritematosa.Dimetro da rea: maior que 10mm O indivduo est infectado pelo M.tuberculosis ou foi vacinado com BCG nos ltimos dois anos.Se for negativo, no se exclui a doena em pacientes imunocoprometidos ou vacinados.Prova tuberculnica (PT) ou teste de Mantoux

Avaliao de contatos1. Em caso de confirmao ou suspeita do paciente com tb, investiga-se o quanto antes as pessoas que so consideradas contatos.2. O tipo de convvio deve ser listado (casa, trabalho, escola). Localizar endereo/telefone.3. Realizar visita domiciliar.Todos os contatos sero convidados a comparecer unidade de sade para avaliao da sade.TratamentoEsquema COXIP-4 (Rifampicina, Isoniazida, Pirazinamida, Etambutol) nos 2 primeiros meses.ltimos 4 meses: Rifampicina + Isoniazida.Se aps 6 meses os sintomas no desaparecerem, deve-se continuar o tratamento at o mdico diga que j pode parar.Tratamento observado importante.No tratamento diretamente observado, um profissional da equipe da unidade de sade observa a tomada da medicao do paciente desde o incio do tratamento at a sua cura. Esta estratgia, tambm, oferece maior acolhimento ao doente, melhor adeso com aumento da cura e reduo de abandono ao tratamento.Todo paciente com Tuberculose deve receber este tipo de tratamento.22