PESQUISAS CIENTÍFICAS NA ENGENHARIA BIOMÉDICA NO ?· PESQUISAS CIENTÍFICAS NA ENGENHARIA BIOMÉDICA…

Download PESQUISAS CIENTÍFICAS NA ENGENHARIA BIOMÉDICA NO ?· PESQUISAS CIENTÍFICAS NA ENGENHARIA BIOMÉDICA…

Post on 16-Feb-2019

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

PESQUISAS CIENTFICAS NA ENGENHARIA

BIOMDICA NO BRASIL

Nathalia Freitas1,Gabriela Scur2

Centro Universitrio da FEI

Nathalia.conradim@gmail.com; Gabriela@fei.edu.br

Resumo: Este projeto tem por objetivo fazer um mapeamento das principais pesquisas, pesquisadores,

escolas, publicaes e interaes com o setor produtivo na rea de engenharia biomdica no Brasil. Espera-se

que ao final seja possvel fazer um panorama de onde se

encontram as ofertas tecnolgicas dessa rea de modo a

que possa aproxim-las demanda, ou seja, ao setor

produtivo. Foram declarados 184 grupos de pesquisa em

engenharia biomdica e deles, 26 grupos afirmam

manter interaes com o setor produtivo.

1. Introduo O setor industrial vem passando por considerveis

transformaes nas ltimas dcadas, em funo das

mudanas ocorridas nos nveis econmico, poltico e

social, desde os anos 80, que foraram as empresas a se

organizarem de maneira diferente, buscando alternativas

que garantissem a competitividade dentro de um novo

cenrio, estimulado pela globalizao e evoluo

tecnolgica. Uma destas alternativas a interao com

universidades. A literatura que trata de sistemas nacionais de inovao, a interao entre a produo

cientfica e a tecnolgica desempenha um papel crucial.

Nos sistemas de inovao dos pases desenvolvidos

possvel caracterizar a existncia de circuitos de

retroalimentao positiva entre essas duas dimenses.

Por um lado, as universidades e institutos de pesquisa

produzem conhecimento que absorvido por empresas

e pelo setor produtivo, conforme comprovam e

demonstram estudos [1] e [2].

De fato, a interao universidade-empresa apresenta-se

como estratgia compatvel nova necessidade do

mercado, uma vez que permite rpida reao das empresas s constantes variaes na demanda por parte

dos clientes [3].

O mercado de equipamentos para sade no Brasil

faturou US$ 5.690 bilhes em 2013 [4] e est em

expanso devido demanda reprimida que ainda existe.

O grande desafio das empresas nacionais do setor

aumentar a inovao para competir com as empresas

multinacionais, que esto pressionando cada vez mais o

mercado.

2. Metodologia A pesquisa ser desenvolvida em 2 etapas: a de

levantamentos e entrevistas. A primeira ainda est em

andamento e consiste no acesso de sites e principais

publicaes da rea. Para fazer o levantamento do censo

dos grupos de pesquisa, utilizou-se o site do Diretrio

de Grupos de Pesquisa do CNPq. Foi utilizado o critrio

de busca dos grupos e linhas de pesquisa com o termo:

engenharia biomdica.

3. Resultados

Dados do Censo de 2010 apontam que no Brasil h

declarados 184 grupos de pesquisa na rea de

Engenharia Biomdica, localizados principalmente nas

regies Sul e Sudeste do pas, conforme grfico abaixo.

Desse total, 26 grupos produzem esforos tecnolgicos

com empresas e rgos de sade pblicos e privados. A

interao mais comum entre universidade-empresa a

pesquisa cientfica com consideraes de uso imediato dos resultados.

Grfico 1 Grupos de Pesquisa por Estado

4. Concluses Com esta interao so concebidos resultados econmicos positivos, atravs da inovao, seja pela

criao e desenvolvimento de novos produtos,

equipamentos, melhorias em processos j existentes e a

difuso do conhecimento tcnico.

A relao entre universidades e empresas apresenta

benefcios mtuos. Por um lado, as parcerias valorizam

a capacidade de produzir conhecimento da universidade

e, por outro, oferecem mais competitividade s

empresas visto que reduzem o custo de Pesquisa e

Desenvolvimento (P&D) e, por conseguinte, reduzem

tambm o risco.

5. Referncias [1] KLEVORICK, A.; NELSON, R.; WINTER, S

(1995). On the sources and significance of inter-industry

differences in technological opportunities. Research

Policy, 24: 185-205.

[2] COHEN, W.; NELSON, R.; WALSH, J. (2002)

Links and Impacts: the influence of public R&D. Management Science, v. 48, n. 1, pp. 1-23.

[3] MOWERY, D.; NELSON, R.; SAMPAT, B. (2004)

Ivory Tower and Industrial Innovation. Stanford

University.

[4] ABIMO (2014). Dados de mercado. Rel. Brazil. 1 Aluno de IC do Centro Universitrio da FEI

2 Orientador de IC do Centro Universitrio da FEI

mailto:Nathalia.conradim@gmail.commailto:Gabriela@fei.edu.br

Recommended

View more >