personalidades ipt - francisco maffei

Download Personalidades IPT - Francisco Maffei

Post on 17-Mar-2016

219 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Durante todo o 112º ano de vida do IPT, convidamos você a conhecer a vida e o trabalho desses ipeteanos ilustres. Traremos todo mês uma exposição sobre cada uma dessas personalidades. Este mês o contemplado é Francisco Maffei.

TRANSCRIPT

  • Fr an ci s co

    M feaf i

    9 10 11 12

    32 33 34 35

    13

    Francisco Joo Humberto Maffei, engenheiro qumico, professor e pesquisador, foi um homem ativo e infatigvel na busca pelo desenvolvimento de pesquisas no pas.

    Na Universidade de So Paulo, Maffei foi professor, diretor da Escola Politcnica e vice-reitor da universidade entre 1959 e 1962. A partir do final da dcada de 40, fomentou as inovaes pesquisa sistemtica em Engenharia Qumica na instituio.

    O Prof. Maffei dedicava-se com afinco a ampliar as reas de pesquisa e propiciar aos estudantes slida formao. Foi o grande incentivador da criao do Departamento de Qumica, institudo em 1955, e criou o curso de Engenharia Naval sob sua direo. No IPT, foi o principal responsvel pelo desenvolvimento de uma seo inteiramente dedicada engenharia qumica e voltada para as mltiplas necessidades da indstria.

    Seu trabalho permeou todas as reas da engenharia do Pas. Deu suporte tcnico s indstrias que estavam em pleno progresso no Brasil e atuou juntamente com a Prefeitura da Cidade de So Paulo no processo de desenvolvimento e urbanizao da cidade.

    Seu comprometimento com o desenvolvimento tecnolgico trouxe o reconhecimento de seu trabalho e o convite para a superintendncia do Instituto em 1949, cargo no qual atuou at o seu falecimento em 26 de janeiro de 1968.

    confira a galeria de imagens no site do IPT:

    www.ipt.br

    Francisco Joo Humberto Maffei (1899-1968) atuou no IPT por cerca de 39 anos como assistente de pesquisa, engenheiro qumico, diretor e superintendente. Seu esprito inovador e empreendedor fez do pequeno laboratrio de qumica, criado no final dos anos 20, uma diviso de destaque do Instituto

  • Vida

    Francisco Joo Humberto Maffei nasceu em 19 de maro de 1899, na cidade de So Paulo, filho dos imigrantes italianos Francisco Humberto Maffei e Victoria Pirpho Maffei, que haviam chegado ao Brasil em 1881. Seu pai era tcnico em fiao e tecelagem e foi gerente de tecelagem na cidade de Salto, interior do estado de So Paulo.

    Maffei passou grande parte da infncia em Salto com seus sete irmos, at a famlia se mudar para o bairro do Brs, na capital paulista, onde viveu o resto da infncia e a adolescncia.

    Dc. de 1930 - Maffei na Fazenda Barra Mansa,

    na cidade de Ja-SP

    1932 - Famlia: Maffei (agachado) ao lado do pai

    Fez o curso primrio na Escola Isolada do Brs e o curso secundrio (atual ensino mdio) no Instituto Alfredo Paulino, no qual depois chegou a lecionar. Ao terminar o curso secundrio, foi trabalhar no setor industrial. Maffei era muito dedicado aos estudos e, por incentivo do irmo mais velho, Sbato Antonio, decidiu fazer o curso de Qumica, que se apresentava como uma profisso de futuro.

    Maffei entrou na Escola Politcnica em 1916, no recm-criado curso de qumica, e se formou em 1920.

    Em 1921, recebeu do Ministrio da Agricultura uma bolsa de estudos para os Estados Unidos, onde permaneceu por dois anos aperfeioando-se em tecnologia bioqumica e de alimentos.

    Ao retornar para o Brasil, Maffei colocou em prtica os conhecimentos adquiridos no exterior, assumindo o cargo de diretor do laboratrio de qumica do Frigorfico Wilson do Brasil.

    Em 1925, foi trabalhar na Escola Politcnica de So Paulo, como assistente de pesquisa. Chegou a vice-reitor da Universidade de So Paulo na dcada de 1950, construindo uma slida carreira.

    Nesse perodo, Maffei conhece, por intermdio de suas irms, a professora Vasni Abreu, da cidade de Ja, interior de So Paulo. Ela viria a ser sua esposa e me de seus cinco filhos: Marlia, Ceclia, Beatriz, Francisco Humberto e Carlos Alberto.

    Maffei ingressa no IPT em 1929, como assistente de pesquisa, no Laboratrio de Ensaio de Materiais. Sua determinao e vontade levaram o diretor do laboratrio, Ary Torres, a convid-lo cinco anos depois para criar a seo de Qumica do Instituto, com o mais amplo campo de atividades, de forma a atender s necessidades no s de um Instituto em crescimento, como tambm de todo o Pas.

    Dc. de1930 - Maffei ao lado da esposa

    Vasni e a filha Beatriz. frente, da esq para

    dir, as filhas Ceclia e Marlia

    1924 - Maffei quando trabalhava no

    frigorfico Wilson

    Dc. de 1940 - Fundio na

    Usina de Chumbo, na cidade

    de Apia-SP

    Meu pai tinha fascinao por novos inventos e pelos avanos da tecnologia; quando voltou a primeira vez dos Estados Unidos, nos anos 20, trouxe um rdio, se no me engano ainda de galena. Contaram minhas tias que todos os vizinhos do bairro se reuniam na casa de seus pais, onde ento morava, para ver e ouvir aquela grande novidade.

    Francisco, filho de Maffei, em janeiro de 2012.

  • Dc. de 1940 - Colaboradores do IPT nas instalaes no

    bairro do Bom Retiro No final da dcada de 1920, a industrializao crescente do Pas e o grande afluxo de imigrantes europeus e asiticos funcionavam como catalisadores da modernizao do Brasil. Fbricas de papel, tecidos, cermicas, adubo, alimentos e explosivos firmaram-se aps o fim da I Guerra Mundial, enquanto outras surgiram para fazer face procura de artigos cuja importao havia sido interrompida.

    O engenheiro Ary Frederico Torres, ao criar o IPT em 1934, intuiu que o Pas necessitava de um laboratrio qumico equipado para atender s demandas dessas indstrias emergentes. Ao investir na ampliao do Laboratrio de Ensaios de Materiais (LEM), convidou

    o qumico Francisco Joo Humberto Maffei, funcionrio do LEM desde 1929 e assistente de pesquisa dos laboratrios de fsico-qumica e bioqumica da Escola Politcnica, para realizar este projeto.

    Maffei aceitou o desafio de montar um laboratrio moderno e eficiente capaz de atender s indstrias em qualquer rea da qumica. Para executar o seu projeto, ele visitou os principais laboratrios europeus da General Eletric, Schering Kahlbaum, Siemens Schuckert e Casa Zeiss, entre outros, e comprou equipamentos modernos para a nova seo, como um aparelho de raios-X, um polargrafo e um espectroscpio, alm de fornos, estufas, balanas e microscpios.

    A seo j estava praticamente montada em 1935. Somente nesse ano foram realizados vrios ensaios oficiais, sendo os trabalhos mais importantes: a identificao de fibras txteis, arenito asfltico, condutibilidade trmica de produtos isolantes, emulsificao de asfalto e leos, anlises das condies em que era feito o tratamento pelo cloro das guas de abastecimento da capital paulista, estudos relativos ao problema dos despejos de guas residuais em rios e ribeires e a solubilizao do leo de rcino em leos minerais.

    IPT

    A viagem foi grandemente proveitosa e trouxe sensveis economias ao Instituto

    Ary torres

    1958 - Pesquisadores Wolfgang Kolbe ( esq.) e Ivo Jordan

    recebendo as centrfugas para separao de istopos

    Labs. de Qumica - na parte superior, seo de anlises

    qumicas de produtos industriais, e abaixo, unidade de

    qumica analtica (qualitativa)

  • A pesquisa sobre o Processamento de leo de Rcino resultou na primeira patente do Instituto, datada de 22 de dezembro de 1936. Essa pesquisa habilitou o IPT a estudar a industrializao da patente e resultou na construo de uma usina para sua produo em escala semi-industrial, no bairro paulistano da Barra Funda, em 1941 e 1942.

    As primeiras aplicaes foram efetuadas em colaborao com a Prefeitura Municipal de Campinas, cujos veculos passaram a funcionar com lubrificantes obtidos a partir desse leo.

    A seo tambm desenvolveu diversos trabalhos para rgos pblicos do Estado de So Paulo, cuja vida industrial estava em progresso. Atuou em conjunto com a Prefeitura em melhorias para a urbanizao da cidade, como os estudos para resolver o problema de corroso das canalizaes de gua, das guas minerais em vrias regies do Estado e o controle dirio do gs de iluminao, verificando a presso, o poder calorfico e a composio qumica para controle da toxidez.

    Na dcada de 1940, Maffei enfrentou grandes desafios. O Pas estava em crise por causa da II Guerra Mundial (1939-1945). A indstria nacional sofria pela dificuldade de importao de equipamentos e produtos. Embora desfavorvel, esse cenrio permitiu ao IPT apresentar o seu potencial tecnolgico e humano.

    nesse contexto que Maffei, com o apoio do superintendente Adriano Marchini, investe com todo vigor na Seo de Qumica, comprando novos equipamentos para os laboratrios e ampliando o escopo dos trabalhos realizados pela rea.

    Conjunto CFR-ASTM para determinao do indice de

    octana de combustvel lquidos

    Raio-X para estudo da

    estrutura fina dos materiais

    Dc. de 1940 - Aparelhos do laboratrio semi-industrialPolargrafo para anlise qualitativa e quantitativa de

    solues baseada na polarizao de eletrodos

    Dc. de 1960 - Seo de leo e Gorduras -

    Tcnicos faziam anlises para produtos como

    sabo, detergente, desinfetantes e outros

    Dc. de 1960 - Colaboradores da Diviso de Qumica

    IPT

    Com o seu esprito empreendedor, Francisco Maffei conseguiu transformar a seo de qumica na mais movimentada do IPT, devido ao aumento da demanda de indstrias como a Cia. Nitro-Qumica Brasileira, o Instituto do Caf, o Ministrio da Guerra, as Indstrias Votorantim e a Cia. Mogiana e Sorocabana de Estradas de Ferro.

  • Um dos grandes trabalhos coordenados por Maffei desta dcada foi a pesquisa para substituio de combustvel oriundo de petrleo, em falta devido crise. O trabalho foi solicitado pelo interventor federal no Estado de So Paulo, Fernando Costa. Foram sugeridos vrios tipos de combustveis: lquidos sintticos, obtidos do hidrognio de carvo, leo de xisto, benzol, leos vegetais, lcool etlico e metlico, gases comprimidos (metana, etana, butana, propana), gs de hulha ou de iluminao e gs pobre (gasognio). De todos esses combustveis, o Brasil s podia contar com o gasognio, lcool e leos vegetais.