período pré-colonial e início da colonização do brasil

Download Período pré-colonial e início da colonização do Brasil

Post on 05-Apr-2017

80 views

Category:

Education

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • COLONIZAO DO BRASIL: PERODO PR-COLONIAL E INCIO DA COLONIZAO

    NATANIA A. S. NOGUEIRANOGUEIRA.NATANIA@GMAIL.COMWWW.DEPOSITORIODEHISTORIA.BLOGSPOT.COM.BR

  • O PERODO PR-COLONIALA Descoberta no significou o inicio da colonizao.Portugal havia encontrado o caminho para as ndias e a Coroa Portuguesa priorizou o comrcio de especiarias.Mas o Brasil no foi de todo ignorado.Para c foram enviadas expedies de reconhecimento do territrio, em busca de riquezas.

  • A EXPLORAO DO PAU-BRASILNa ausncia de metais e pedras preciosas, os portugueses se concentraram em explorar o que a terra tinha de extico e que pudesse atrair compradores na Europa.Uma das riquezas naturais exploradas foi o pau-brasil.A madeira era cortada pelos indgenas que a trocavam por objetos de vidro, metal, etc. Esta forma de comrcio ficou conhecida como ESCAMBO.

  • O RISCO DE SE PERDER AS TERRAS AMERICANASO tratado de Tordesilhas nunca foi bem aceito por pases como a Frana, que no reconheciam seu valor jurdico.Os franceses enviaram para a costa do Brasil corsrios e tentaram fundar colnias em terras brasileiras.AFrana Antrtica, por exemplo,foi uma colnia criada pelos franceses, no Rio de Janeiro. Ela existiu de 1555 a 1560, quando o restante dos franceses foram derrotados pelos portugueses.Os franceses foram derrotados e expulsos em 1565, por Estcio de S, responsvel pela construo da atual Fortaleza de So Joo, fundando a cidade do Rio de Janeiro.

  • O INCIO DA COLONIZAOAs frequentes ameaas de invaso estrangeira e a decadncia do comrcio de especiarias so apontas como algumas das principais razes para o incio da colonizao do Brasil.Em 1530 o Rei Dom Joo III enviou para o Brasil uma expedio chefiada por Martim Afonso de Souza com as funes de estabelecer ncleos de povoamento no litoral, explorar metais preciosos e proteger o territrio de invasores. Teve incio assim a efetiva colonizao do Brasil.

  • A tela mostra o desembarque de Martim Afonso no Porto das Naus, em 1532, momentos antes defundar a Vila de de So Vicente.

  • A MONTAGEM DO SISTEMA ADMINISTRATIVO COLONIALEm 1534, D. Joo III implantou o sistema de capitanias hereditrias no Brasil. O sistema j fora aplicado com xito nas ilhas atlnticas, durante o sculo XV.Ao conceder terras a particulares, o Estado transferia tambm para a iniciativa privada o nus da colonizao.Os donatrios recebiam lotes em carter hereditrio, indivisveis e inalienveis no todo ou em parte, e que podiam ser readquiridos somente pela Coroa. Para formalizar seus direitos e deveres, havia dois documentos: a Carta de Doao e o Foral.

  • O FRACASSO DO SISTEMA DE CAPITANIAS HEREDITRIAS E O GOVERNO GERALo sistema de capitanias fracassou devido grande distncia da metrpole, da hostilidade dos indgenas, da grande extenso dos lotes e do desinteresse dos donatrios, faltaram recursos econmicos para a viabilizao das capitanias e um rgo centralizador que coordenasse a empresa colonizadora.Apenas duas tiveram xito: a de Pernambuco e a de So Vicente, cujos donatrios eram, respectivamente, Duarte Coelho Pereira e Martim Afonso de Sousa. Ambos souberam fazer amizade com indgenas e desenvolveram com sucesso a lavoura canavieira.

  • As capitanias no desapareceram imediatamente, mas foram pouco a pouco sendo retomadas pela Coroa.Perderam seu carter privado, passando esfera pblica. Entretanto, mantiveram a funo de unidade administrativa at o incio do sculo XIX, quando transformaram-se em provncias.Em 1548 Portugal criou um rgo central para administrar a colnia: o governo-geral.Em 1549 seguinte, chegou Bahia Tom de Sousa, o primeiro govemador-geral.

  • O governo-geral tornou-se o centro poltico da administrao portuguesa na Amrica. Sua legitimidade foi estabelecida pelo Regimento de Tom de Sousa, de 1548, que determinava as funes administrativas, judiciais, militares e tributrias do governador-geral. Para assessor-lo, havia trs altos funcionrios: o ouvidor-mor, responsvel pela justia; o provedor-mor, encarregado da tributao; e o capito-mor, responsvel pela defesa.