período democrático (1945-1964)

Download Período Democrático (1945-1964)

If you can't read please download the document

Post on 16-Apr-2017

58.212 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Prof Janana Tavares

http://falandoefazendohistoria.blogspot.com.br/PERODO DEMOCRTICO(1945-1964)

1

AntecedentesDamos o nome de Perodo Democrtico, ao perodo que vai de 1946 a 1964, uma fase de nossa histria em que se tentou avanar na direo de uma verdadeira democracia.

Uma das primeiras manifestaes claras a favor da redemocratizao do pas foi o Manifesto dos Mineiros, lanado em 1943 por polticos de Minas Gerais.

Deste manifesto, surgiu a Unio Democrtica Nacional (UDN), partido de oposio a Getlio Vargas. Pressionado, Getlio convocou eleies para dezembro de 1945, ao mesmo tempo que estimulou seus partidrios a realizarem manifestaes pblicas a seu favor.

Estes partidrios levantavam bandeiras com os dizeres Queremos Getlio. Por este motivo, o movimento ficou conhecido como Queremismo. Porm, no conseguiu se manter no poder.

Neste resumo, vamos conhecer todos os presidentes do perodo democrtico, assim como as suas principais obras.

2

Governo Eurico Dutra (1946-1951)

Os dois principais candidatos a presidente nas eleies de dezembro de 1945 eram militares: Eurico Gaspar Dutra, do PSD; e Juarz Tvora, da UDN. O povo foi s urnas e deu a vitria a Dutra, que governou o Brasil de 1946 a 1951.

Em plena Guerra Fria, o presidente Dutra rompeu relaes com a Unio Sovitica, fechou o Partido Comunista Brasileiro (PCB), mandou a polcia invadir sindicatos e perseguir aqueles que eram contra o governo.

Para dar um melhor preparo aos oficiais superiores das Foras Armadas, criou a Escola Superior de Guerra. Nesta escola, ensinava-se a importncia da segurana e da ordem para o desenvolvimento.

Dutra convocou as grandes empresas americanas a se instalarem no Brasil, dando-lhes todas as facilidades, como terrenos, impostos baixos, liberdade para mandar lucros para o exterior e mo-de-obra barata.

Durante o seu governo, foi criada a Constituio de 1946.

Constituio de 1946A Constituio de 1946, assinada em 18 de setembro, foi a quarta do perodo republicano e representou um avano democrtico em relao a Constituio do Estado Novo.

A Constituio restabeleceu as eleies diretas para a escolha dos governantes em todos os nveis: presidente, governadores e prefeitos.

Alm disso, foram mantidas as eleies para senadores, deputados federais, deputados estaduais e vereadores.

Ela consagrou as liberdades j expressas na Constituio de 1934, mas anuladas em 1937, como a liberdade de expresso, de pensamento, de crena religiosa, entre outras.

Garantia, tambm, a igualdade de todos perante a lei, a inviolabilidade do sigilo e moradia, alm da defesa do acusado.

Dutra e a Guerra FriaQuanto poltica externa, a aliana com os Estados Unidos foi reforada. Em decorrncia disso, o Brasil foi um dos primeiros pases ocidentais a romper relaes com a Unio Sovitica.

Em 1947, o Partido Comunista Brasileiro foi fechado e, logo em seguida, os deputados comunistas tiveram seus mandatos cassados.

Plano Salte

Numa tentativa de planejamento governamental, lanou oplano SALTE, que previa um forte investimento em quatro reas fundamentais:Sade,ALimentao,Transporte eEnergia. Os recursos viriam da Receita Federal e de emprstimos externos. Este projeto no obteve sucesso e foi abandonado pouco tempo depois.

Governo Getlio Vargas (1951-1954)Nas eleies de 1950, Getlio Vargas concorreu presidncia pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e derrotou facilmente seus adversrios.

Getlio Vargas ganhou as eleies e voltou nos braos do povo. Desde o incio de seu mandato, em 1951, comeou a colocar em prtica a sua poltica popular e nacionalista.

Esta medidas visavam beneficiar os trabalhadores e favorecer as empresas nacionais. A principal delas foi o aumento do salrio mnimo. Em 1 de maio de 1954, o aumento foi de 100%.

Os privilgios que Getlio estava concedendo aos trabalhadores deixou muita gente descontente, como os grandes empresrios, alguns chefes militares e a classe mdia alta.

A poltica nacionalista de Getlio ficou evidente principalmente a partir de outubro de 1953, quando criou a Petrobrs com a campanha: o petrleo nosso.

Suicdio de Vargas

As medidas nacionalistas de Getlio Vargas geraram muita oposio ao seu governo. O jornalista Carlos Lacerda, deputado pela UDN, foi um dos seus principais opositores.

Carlos Lacerda atacava o presidente todos os dias com denncias de corrupo. O principal veculo destes ataques era o jornal A Tribuna da Imprensa, que pertencia a Lacerda.

Carlos Lacerda sofreu um atentado, no qual morreu seu guarda-costas, o major Rubem Vaz, da Aeronutica. O principal suspeito do atentado foi Getlio.

As presses contra o presidente aumentaram: os grandes empresrios, as multinacionais, a embaixada dos Estados Unidos, os grandes jornais, alguns chefes militares, todos estavam contra ele.

Os chefes militares se reuniram com Vargas para obrig-lo a renunciar. Getlio respondeu: Daqui s sairei morto. E assim foi. Getlio cometeu suicdio com um tiro no corao, em 24 de agosto de 1954. As razes do ato foram registradas em uma carta-testamento, que gerou grande comoo nacional.

Governo Juscelino Kubitschek (1956-1961)

Com a morte de Getlio Vargas, a presidncia foi assumida pelo vice-presidente Caf Filho. Nas eleies de 1955, saram vencedores Juscelino Kubitschek e Joo Goulart, como vice.

Ao assumir, Juscelino apresentou ao pas um ousado plano de desenvolvimento. Conhecido como Plano de Metas, tinha como slogan fazer o pas crescer cinquenta anos em cinco.

A construo de hidreltricas, de estradas e a fabricao de veculos eram as trs metas mais importantes do governo.

Para conseguir atingir as metas, Juscelino recorreu tecnologia e ao capital estrangeiro. Foi neste contexto que se instalaram no Brasil diversas multinacionais de veculos, como a Ford, General Motors (GM), Willys e Volkswagen.

No entanto, a maior obra durante o governo de Juscelino Kubitscheck foi a construo de Braslia, que viria ser a nova capital do pas.

Construo de BrasliaA transferncia da capital da Repblica para o Planalto Central j estava prevista na Constituio de 1891.

Na verdade, desde o sculo XIX, lderes como Jos Bonifcio j destacavam a importncia de mudar a capital para o interior do pas.

Mas foi Juscelino Kubitscheck que tomou a iniciativa. Convocou os arquitetos Lcio Costa e Oscar Niemeyer e buscou trabalhadores nordestinos, denominados candangos.

Juscelino queria inaugurar a nova capital antes de deixar o governo. E cumpriu a promessa. No dia 21 de abril de 1960, o Brasil passou a ter uma nova capital: Braslia.

Governo Jnio Quadros (1961)Jnio Quadros teve uma vitria esmagadora nas eleies de 1960. Como vice-presidente foi eleito novamente Joo Goulart.

Para conquistar votos, tentava falar a linguagem do povo. O smbolo de sua campanha era a vassoura, com a qual dizia pretender varrer a corrupo do pas.

Jnio dizia ser catlico, anticomunista, a favor da famlia e da propriedade, pretendendo moralizar a sociedade. Assim, conquistou o mandato.

No entanto, aps assumir a presidncia, em 31 de janeiro de 1961, comearam as decepes. Jnio ameaou controlar os lucros que as grandes empresas mandavam para fora do pas e falava em reforma agrria.

Na poltica externa, assumiu uma posio independente e progressista. Restabeleceu relaes com a Unio Sovitica e foi contra a expulso de Cuba da Organizao dos Estados Americanos (OEA).

Renncia de JnioEm 18 de agosto de 1961, Jnio condecorou com a Ordem do Cruzeiro do Sul a mais alta condecorao brasileira o mdico argentino e guerrilheiro Che Guevara, um dos comandantes da Revoluo Cubana.

O udenista Carlos Lacerda comeou a esbravejar, acusando Jnio de abrir as portas ao comunismo. Da mesma forma, os chefes militares se inquietaram com a atitude de Jnio.

As presses contra Jnio aumentaram, manifestando-se principalmente no Congresso Nacional. No dia 25 de agosto de 1961, menos de sete meses aps assumir a presidncia, Jnio renunciou.

Jnio acusou foras terrveis de serem responsveis pela sua renncia. Alguns historiadores dizem que Jnio teatralizou sua sada, buscando apoio dos polticos, militares e da populao. Em vo.

Campanha da LegalidadeQuando Jnio renunciou, o vice-presidente Joo Goulart estava fazendo uma visita oficial China, um pas comunista.

Os opositores de Joo Goulart acusavam-no de ser a favor do comunismo. Os chefes militares resolveram que prenderiam o vice-presidente assim que ele desembarcasse. Tentavam um golpe de estado.

Porm, houve uma forte reao do Rio Grande do Sul. O governador Leonel Brizola liderou a Campanha da Legalidade, com apoio da populao e dos militares daquele estado.

Os legalistas defendiam o cumprimento da Constituio, a qual afirmava que, com a renncia do presidente, quem deveria assumir o governo era o vice.

Os golpistas logo viram que, se insistissem em impedir a posse de Joo Goulart, o pas poderia mergulhar numa guerra civil. Recuaram, mas exigiram que fosse adotado o sistema parlamentarista, ou seja, quem governaria seria o primeiro-ministro.

Governo Joo Goulart (1961-1968)

Joo Goulart aceitou e, no dia 7 de setembro de 1961, tomou posse como presidente. Em janeiro de 1963, Joo Goulart promoveu um plebiscito, pedindo que os eleitores escolhessem entre o parlamentarismo e o presidencialismo.

A maioria da populao optou pelo presidencialismo. Com os poderes de volta, Joo Goulart estabeleceu, em dezembro de 1963, o monoplio estatal sobre a importao de petrleo.

Em janeiro de 1964, estabeleceu o controle sobre os lucros que as multinacionais mandavam para fora do pas. Em 13 de maro daquele ano, participou de um grande comcio, chamado Comcio das Reformas de

Recommended

View more >