PCASE4 AVALIAO DO USO RACIONAL DO BENEFICIO EM MEDICAMENTOS VISANDO A GARANTIA DE ACESSO EM UMA POPULAO CONTROLADA POR REGRAS DE ELEGIBILIDADE

Download PCASE4 AVALIAO DO USO RACIONAL DO BENEFICIO EM MEDICAMENTOS VISANDO A GARANTIA DE ACESSO EM UMA POPULAO CONTROLADA POR REGRAS DE ELEGIBILIDADE

Post on 06-Jan-2017

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • Rio Abstracts A529

    medida pelos diversos indicadores especficos para as especialidades analisadas agru-pados nos cinco diferentes domnios. No entanto, como houve reduo de honorrios, sugeriu-se adotar apenas trs bandas de CH: 0.31, 0.34 e 0.37 onde se observou um impacto de 10.9% no oramento e nenhuma especialidade no estudo seria prejudi-cada com a reduo no honorrio. Desta forma, sugeriu-se a adoo deste modelo para todas as especialidades a partir do envolvimento dos mdicos na validao dos indicadores a serem monitorados e da demonstrao de que o objetivo no a reduo de honorrio mdico e sim a alocao de mais recursos para os profissionais de melhor desempenho.

    PCASE3GESTO DE DOENAS: O HOSPITAL COMO FONTE DE INFORMAO DAS CARACTERSTICAS DAS DOENAS DOS CLIENTES DAS OPERADORAS DE SADEFigueira CMGVila Velha Hospital, Vila Velha, Espirito Santo, BrazilORGANIZAO: Vila Velha Hospital (VVH). Vila Velha, Espirito Santo, Brasil. QUESTO TRATADA: Necessidade de garantir espao e fidelizao de clientes no mercado de prestao de servios de sade suplementar atravs de estratgias que permitam s operadoras de sade gerenciar melhor os custos com o tratamento de seus clientes. Permitir que as operadoras de sade conheam o custo real com o tratamento de cada doena, em especial as crnicas, possibilitando a comparao de custos de servios prestados por outros hospitais da regio metropolitana de Vitria, capital do ES, Brasil OBJETIVOS: 1)Aumento semestral de 30% no nmero de clientes referenciados para atendimento no VVH e fidelizao dos mesmos pela qualidade dos servios prestados; 2)Aumento semestral de 20% do nmero de opera-doras de sade compradoras de servios do VVH. TIPOS DE DESFECHOS USADOS NA DECISO: Dados de pesquisa de opinio entre clientes e operadoras de sade sobre o tipo ideal de atendimento a ser prestado para ambos. Dados de publicao do PROAHSA (Programa de Estudos Avanados em Administrao Hospitalar e Sistemas de Sade) e do CHQ (Programa de Controle de Qualidade do Atendimento Mdico Hospitalar). Avaliao de gerenciamento de doenas crnicas Milliman do Brasil LTDA. ESTRATGIA DA IMPLEMENTAO: Anlise da varivel mdia de permanncia e custo total de internao relacionado idade, setor de internao e tipo de doena do cliente atendido no VVH. As doenas descritas no CID (Classifi-cao Internacional de Doenas) foram classificadas em aguda, crnica ou terminal de acordo com a permanncia da alterao fisiolgica, incapacitao, tipo e durao do tratamento e probabilidade de recorrncia RESULTADOS: Os dados obtidos possibilitaram o conhecimento de caractersticas de clientes das diferentes operadoras de sade atendidos no VVH com possibilidade de calculo do custo mdio de trata-mento das diversas patologias e desenvolvimento de uma curva de custo por paciente do tipo ABC, como utilizado para materiais e medicamentos LIES APRENDIDAS: O conhecimento das especificidades da clientela atendida permite a renegociao de preos com maior segurana e transparncia para o prestador e comprador de servios alm de possibilitar melhor gerenciamento de recursos financeiros para ambos.

    PCASE4AVALIAO DO USO RACIONAL DO BENEFCIO EM MEDICAMENTOS VISANDO A GARANTIA DE ACESSO EM UMA POPULAO CONTROLADA POR REGRAS DE ELEGIBILIDADESousa J, Hercules S, Lima A, Gonzalez LVidalink do Brasil SA, So Caetano do Sul, So Paulo, BrazilORGANIZAO: A Vidalink do Brasil atua atravs da aplicao dos conceitos de Pharmacy Benefit Management (PBM), originrios do mercado americano, a realidade brasileira. Associada ao PCMA (Pharmaceutical Care Management Association) e do PBMI (Pharmacy Benefits Management Institute), tendo como um dos acionistas a

    CVS/Caremark, principal fornecedora de servios de PBM do mercado americano, provendo transferncia de tecnologia. Realiza atualmente 1,4 milhes de transaes/ms, representando R$ 250 milhes de vendas em 2008, com atuao em todo o ter-ritrio nacional. QUESTO TRATADA: Avaliao da acessibilidade a tratamentos medicamentosos atravs de regras especficas de elegibilidade e identificao de poten-cias tendncias para doenas crnicas. OBJETIVOS: Implantar uma estratgia de acesso ao tratamento medicamentoso, e identificao de usurios para o programa de monitoramento de crnicos de potenciais patologias especficas, conforme prescrio mdica, oferecendo subsdio financeiro para aquisio e garantindo o uso racional deste recurso pelos funcionrios de uma empresa cliente. TIPOS DE DESFECHOS USADOS NA DECISO: Acesso, subsdio, regras de elegibilidade, uso racional, monitoramento, PBM. ESTRATGIA DA IMPLEMENTAO: A partir da anlise do perfil de consumo da populao atendida no benefcio em medicamentos, a Vidalink props ao gestor do benefcio aplicao de regras de elegibilidade para acesso aos medicamentos, desta forma foram limitados os acessos gerais a determina-dos produtos, p.e. finasterida a beneficirios com idade inferior a 50 anos ou a usurias do sexo feminino. A partir da implantao das regras o usurio que teve sua aquisio bloqueada deveria submeter a prescrio mdica para anlise do departamento mdico da empresa, se aprovado, dentro do protocolo previsto, o tratamento passaria a ser subsidiado pela empresa. Paralelamente as solicitaes especiais os beneficirios foram monitorados em consumos relativos a tratamentos de doenas crnicas e organizados em tendncias potenciais de riscos. RESULTADOS: No perodo de janeiro a dezembro de 2008 foi avaliada a implantao das regras de elegibilidade e o monitoramento do perfil de uso de medicamentos para tratamentos de doenas crnicas na populao consumidora do benefcio. 11,258 vidas utilizaram o benefcio, gerando um movi-mento de R$ 5,284,025 em medicamentos. Foi realizado acompanhamento rotineiro do perfil de consumo destas vidas, tendo em vista o controle do risco de agravo a sade, com base no consumo de medicamentos especficos a um tratamento, como hipertenso arterial. Este acompanhamento de potencial risco permitiu identificar 4,252 usurios (37.8% do total), correspondendo a um montante de R$ 1,895,677 (35.8% dos custos). Este nmero comparado com os dados de um programa de monitoramento realizado pelo cliente que mantinha 245 vidas em acompanhamento, com base nas informaes disponveis de gesto do plano de sade (screening, base custo). Alm da identificao, foram avaliadas as reprovaes ocorridas com base nas regras de elegibilidade, que totalizaram R$ 934,763. Tais reprovaes geraram solici-taes de liberaes especiais de 48 grupos de medicamentos, sendo, do total de 5,977 usurios reprovados em um primeiro momento, 436 (7.2% dos reprovados) passaram a compor os grupos de liberaes especiais, passando a ter acesso a tratamentos que no esto liberados de forma geral. Ao se avaliar a continuidade de uso, foi detectado que 163 (37.3% dos elegveis) usurios mantiveram consumo por mais de 8 meses. Alm disto, um olhar mais detalhado permite avaliar o movimento do acesso de um grupo particular onde 31 usurios tiveram bloqueio a 19 grupos de medicamentos, aps o cumprimento dos protocolos estas vidas foram liberadas e passaram a apre-sentar regularidade em seu perfil de consumo. Neste cenrio, as regras de elegibilidade promoveram a ORGANIZAO: do acesso dos beneficirios a um modelo de assistncia farmacutica. Assistncia que permite ao gestor conhecer as necessidades especficas relativas ao consumo de sade e aumentar potencialmente o nmero de usurios para programas de acompanhamento primrio, pois, um novo screening, com base na tendncia de risco dos medicamentos consumidos, parece ser mais eficaz. LIES APRENDIDAS: A aplicao das regras de elegibilidade permite organizar o acesso ao benefcio. Podemos avaliar que ao compararmos o nmero de vezes que alguma regra de elegibilidade foi aplicada contra o nmero de usurios que efetiva-mente solicitaram a liberao do produto requerido, oferecem uma forma de consenso sobre o acesso ao tratamento. A utilizao de grupos de regras especiais possibilita ao gestor a definio de polticas de subsdio para vidas que apresentam maior necessi-dade de acompanhamento e que estejam mais conscientes com o prprio estado de sade.

Recommended

View more >