participaÇÃo popular e controle social

Download PARTICIPAÇÃO POPULAR E CONTROLE SOCIAL

Post on 03-Jan-2016

29 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

PARTICIPAÇÃO POPULAR E CONTROLE SOCIAL. Curso Técnico em agente comunitário de saúde. OBJETIVOS. Objetivo geral Ser capaz de analisar, com base na história do SUS, a participação da população nas políticas públicas de saúde do Brasil, sua atual organização. Objetivos específicos - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

PARTICIPAO POPULAR E CONTROLE SOCIAL

PARTICIPAO POPULAR E CONTROLE SOCIALCurso Tcnico em agente comunitrio de sadeOBJETIVOSObjetivo geralSer capaz de analisar, com base na histria do SUS, a participao da populao nas polticas pblicas de sade do Brasil, sua atual organizao.

Objetivos especficosDiscutir o processo histrico da participao comunitria nas polticas pblicas do BrasilCompreender as formas de participao da comunidade em suas atuais instituies: CNS, CES,CMS, Conferncias de Sade.Compreender as formas de organizao das comunidades e trabalhadores: Movimentos Sociais, Associaes, Sindicatos.Compreender as formas locais de participao da comunidade. Conselhos Locais de Sade, Conferncias Locais de Sade

Marcos Histricos da Participao da Comunidade na SadeCaixas de aposentadorias e pensesAlma Ata8 Conferncia Nacional de Sade

Instncias colegiadasConselho Nacional de SadeConselhos Estaduais de SadeConselhos Municipais de Sade

Conferncias de SadeLegislaoLei 8080Lei 8142Resoluo 453 de 2012Cajati - Lei 1049/2012 Conselho Municipal de Sade Atuar na formulao estratgica e controle da execuo da poltica municipal de sade; inclusive nos seus aspectos econmicos e financeiros, e nas estratgias para sua aplicao aos setores pblico e privado; Deliberar sobre os modelos de ateno a sade da populao e de gesto do Sistema nico de Sade; Estabelecer diretrizes a serem observadas na elaborao dos planos de sade, em funo das caractersticas epidemiolgicas; das organizaes dos servios e em consonncia com as diretrizes emanadas nas Conferncias Municipais de Sade. Propor critrios para a programao e para as execues financeiras e oramentrias do fundo municipal de sade, acompanhando a movimentao e o destino dos recursos; Definir as prioridades, acompanhar e controlar a atuao do setor privado da sade credenciado mediante contrato e convnio;Conselho Municipal de SadeAprovar a instalao de qualquer novo servio pblico de sade no municpio, levando-se em considerao a demanda, a cobertura, a distribuio geogrfica e grau de complexidade e articulao do Sistema nico de Sade;Propor prioridades, mtodos e estratgias para a formao e educao permanente dos recursos humanos do SUS;Avaliar e emitir resoluo quanto a proposta oramentria anual da sade, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na Lei de Diretrizes Oramentrias (LDO) e no Plano Plurianual (PPA), observando o princpio do processo de planejamento e confeco de oramento ascendente. Co-elaborar o Plano Municipal de Sade, acompanhar e reavali-lo periodicamente;

Conselho Municipal de SadeAnalisar, discutir e aprovar o relatrio anual de gesto, com a prestao de contas e informaes financeiras, repassadas em tempo hbil aos conselheiros, acompanhado do devido assessoramento;Fiscalizar e acompanhar o desenvolvimento das aes e dos servios de sade e encaminhar os indcios de irregularidades e as denncias aos respectivos rgos conforme a legislao vigente;Estabelecer a data das conferncias de sade, propor sua convocao, estruturar a comisso organizadora, submeter o respectivo regimento e programa plenria do Conselho Municipal de Sade, explicitando deveres e papis dos conselheiros nas pr Conferncias e Conferncias Municipais de Sade;Estimular, apoiar e promover estudos e pesquisas sobre assuntos e temas na rea da sade pertinentes ao desenvolvimento do SUS;

Conselho Municipal de SadeEstabelecer aes de informao, educao e comunicao em sade e divulgar as funes e competncias do Conselho Municipal de Sade, seus trabalhos e decises pelos meios de comunicao;Aprovar, encaminhar e avaliar a poltica para Recursos Humanos do SUS.Apoiar e promover a educao para promoo social;Acompanhar a implementao das deliberaes constantes nas plenrias dos conselhos de sade;Apoiar a organizao e regulamentao dos Conselhos Locais de Sade, aprovar os regimentos internos, estabelecendo composio, objetivos e competncias para essa instncia.

Instncias colegiadas locaisConselhos Locais de SadeConferncias Locais de SadeCLS - CAJATIO Conselho Local de Sade - CLS a instncia mxima deliberativa e de participao da comunidade na rea de abrangncia de cada unidade de sade, que atua no planejamento, na co-gesto e na fiscalizao, exercendo atuao descentralizada e regionalizada do CMS de Cajati.As reunies do Plenrio do Conselho Local de Sade sero abertas aos trabalhadores e usurios da respectiva unidade de sade, sendo obrigatria a participao do Gerente da mesma. A organizao dos Conselhos Locais de Sade dever ser realizada pela Equipe de Sade local com apoio do Departamento Municipal de Sade conjuntamente com o Conselho Municipal de Sade.

CLS CAJATI - COMPETNCIAatuar na formulao e controle de execuo da poltica de sade, no mbito local do servio de sade incluindo seus aspectos econmicos e financeiros; traar diretrizes de elaborao e aprovar o planejamento do servio de sade, com vistas a adequar sua capacidade de resposta frente s necessidades sociais identificadas; estabelecer estratgias e mecanismos de parceria para o desenvolvimento da qualidade de vida e sade no mbito do seu territrio; promover a articulao com as demais instncias de participao local, gerando agendas e metas integradas, promovendo a qualidade de vida e sade, mobilizao social e a garantia do cumprimento por parte do Gestor; propor e acompanhar medidas especficas para o aperfeioamento da organizao e do funcionamento do servio de sade;

CLS CAJATI - COMPETNCIAexaminar e encaminhar propostas e denncias, relativas sade na rea de abrangncia, respondendo aos rgos competentes; fiscalizar e acompanhar o desenvolvimento das aes que impactem na sade por parte dos setores pblicos e privados; estimular a participao comunitria para o controle social em seu territrio de abrangncia; incentivar, apoiar ou promover estudos e pesquisas sobre assuntos e temas de interesse para o desenvolvimento da qualidade de vida e sade no servio; designar os representantes para comporem o Plenrio do CMS;

V CONFERNCIA MUNICIPAL DE SADE DE CAJATI

14ATUAO DO CMSFILME 7 SAUDE EM CENASociedade Civil organizadaOrganizaes no governamentais - As Organizaes no governamentais (ONG) atualmente significam um grupo social organizado, sem fins lucrativos, constitudo formal e autonomamente, caracterizado por aes de solidariedade no campo das polticas pblicas e pelo legtimo exerccio de presses polticas em proveito de populaes excludas das condies da cidadania.1 Porm seu conceito no pacfico na doutrina, e com muitas divergncias. Fazem parte do chamado Terceiro setor.Organizaes sociais - As Organizaes Sociais de Sade (OSS) so instituies do setor privado, sem fins lucrativos, que atuam em parceria formal com o Estado e colaboram de forma complementar, para a consolidao do Sistema nico de Sade, conforme previsto em sua lei orgnica - Lei n 8080/90.Sociedade civil organizadaAssociaes - Associao uma organizao resultante da reunio legal entre duas ou mais pessoas, com ou sem personalidade jurdica, sem fins lucrativos para a realizao de um objetivo comum. Associaes de classeAssociaes de bairro

Sociedade Civil OrganizadaSindicato uma agremiao fundada para a defesa comum dos interesses de seus aderentes. Os tipos mais comuns de sindicatos so os representantes de categorias profissionais, conhecidos como sindicatos laborais ou de trabalhadores, e de classes econmicas, conhecidos como sindicatos patronais ou empresariais.No plano poltico, os sindicatos detm uma fora considervel: na Alemanha, Reino Unido, ustria e naes escandinavas a vinculao com os partidos polticos socialistas e trabalhistas confere aos sindicatos forte referncia na formulao de diretrizes e na execuo de poltica econmica. Os dirigentes sindicais so eleitos para cargos legislativos, e o principal instrumento de poltica sindical a negociao coletiva.

Recommended

View more >