participação e controle social 2 .controle social ministério das cidades novembro de 2004 2...

Download Participação e controle social 2 .controle social Ministério das Cidades Novembro de 2004 2 CADERNOS

Post on 02-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Participao e controle social

    Ministrio das Cidades

    Novembro de 2004

    2

    CA

    DE

    RN

    OS

    MC

    IDA

    DE

    S P

    AR

    TIC

    IPA

    O E

    CO

    NT

    RO

    LE S

    OC

    IAL

    MCidades_participacao_miolo.indd 1MCidades_participacao_miolo.indd 1 19/11/2004 23:04:1119/11/2004 23:04:11

  • REPBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

    LUIZ INCIO LULA DA SILVA

    Presidente

    MINISTRIO DAS CIDADES

    OLVIO DUTRA

    Ministro de Estado

    ERMNIA MARICATO

    Ministra Adjunta e Secretria-Executiva

    JORGE HEREDA

    Secretrio Nacional de Habitao

    RAQUEL ROLNIK

    Secretria Nacional de Programas Urbanos

    ABELARDO DE OLIVEIRA FILHO

    Secretrio Nacional de Saneamento Ambiental

    JOS CARLOS XAVIER

    Secretrio Nacional de Transporte e Mobilidade Urbana

    JOO LUIZ DA SILVA DIAS

    Presidente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos CBTU

    AILTON BRASILIENSE PIRES

    Diretor do Departamento Nacional de Trnsito Denatran

    MARCO ARILDO PRATES DA CUNHA

    Presidente da Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Trensurb

    MCidades_participacao_miolo.indd 2MCidades_participacao_miolo.indd 2 19/11/2004 23:04:2219/11/2004 23:04:22

  • APRESENTAO

    A criao do Ministrio das Cidades representa o reconhecimento do Governo

    do presidente Luiz Incio Lula da Silva de que os imensos desafi os urbanos do

    pas precisam ser encarados como poltica de Estado.

    Atualmente cerca de 80% da populao do pas mora em rea urbana e, em

    escala varivel, as cidades brasileiras apresentam problemas comuns que foram

    agravados, ao longo dos anos, pela falta de planejamento, reforma fundiria,

    controle sobre o uso e a ocupao do solo.

    Com o objetivo de assegurar o acesso moradia digna, terra urbanizada,

    gua potvel, ao ambiente saudvel e mobilidade com segurana, iniciamos

    nossa gesto frente ao Ministrio das Cidades ampliando, de imediato, os

    investimentos nos setores da habitao e saneamento ambiental e adequando

    programas existentes s caractersticas do dfi cit habitacional e infra-estrutura

    urbana que maior junto a populao de baixa renda. Nos primeiros vinte

    meses aplicamos em habitao 30% a mais de recursos que nos anos de 1995

    a 2002; e no saneamento os recursos aplicados foram 14 vezes mais do que o

    perodo de 1999 a 2002. Ainda pouco. Precisamos investir muito mais.

    Tambm incorporamos s competncias do Ministrio das Cidades as reas

    de transporte e mobilidade urbana, trnsito, questo fundiria e planejamento

    territorial.

    Paralelamente a todas essas aes, iniciamos um grande pacto de

    construo da Poltica Nacional de Desenvolvimento Urbano PNDU, pautado

    na ao democrtica, descentralizada e com participao popular, visando

    a coordenao e a integrao dos investimentos e aes. Neste sentido, foi

    desencadeado o processo de conferncias municipais, realizadas em 3.457 dos

    5.561 municpios do pas, culminando com a Conferncia Nacional, em outubro

    de 2003, e que elegeu o Conselho das Cidades e estabeleceu os princpios e

    diretrizes da PNDU.

    Em consonncia com o Conselho das Cidades, formado por 71 titulares que

    espelham a diversidade de segmentos da sociedade civil, foram elaboradas

    as propostas de polticas setoriais de habitao, saneamento, transporte e

    mobilidade urbana, trnsito, planejamento territorial e a PNDU.

    CA

    DE

    RN

    OS

    MC

    IDA

    DE

    S P

    AR

    TIC

    IPA

    O E

    CO

    NT

    RO

    LE S

    OC

    IAL

    MCidades_participacao_miolo.indd 3MCidades_participacao_miolo.indd 3 19/11/2004 23:04:2219/11/2004 23:04:22

  • Como mais uma etapa da construo da poltica de desenvolvimento,

    apresentamos uma srie de publicaes, denominada Cadernos MCidades,

    para promover o debate das polticas e propostas formuladas. Em uma

    primeira etapa esto sendo editados os ttulos: PNDU; Participao e Controle

    Social; Programas Urbanos; Habitao; Saneamento; Transporte e Mobilidade

    Urbana; Trnsito; Capacitao e Informao.

    Com essas publicaes, convidamos todos a fazer uma refl exo, dentro

    do nosso objetivo, de forma democrtica e participativa, sobre os rumos das

    polticas pblicas por meio de critrios da justia social, transformando para

    melhor a vida dos brasileiros e propiciando as condies para o exerccio da

    cidadania.

    Estas propostas devero alimentar a Conferncia Nacional das Cidades,

    cujo processo ter lugar entre fevereiro e novembro de 2005. Durante

    este perodo, municpios, estados e a sociedade civil esto convidados a

    participar dessa grande construo democrtica que a Poltica Nacional de

    Desenvolvimento Urbano.

    Olvio Dutra Ministro de Estado das Cidades

    CA

    DE

    RN

    OS

    MC

    IDA

    DE

    S P

    AR

    TIC

    IPA

    O E

    CO

    NT

    RO

    LE S

    OC

    IAL

    MCidades_participacao_miolo.indd 4MCidades_participacao_miolo.indd 4 19/11/2004 23:04:2219/11/2004 23:04:22

  • CA

    DE

    RN

    OS

    MC

    IDA

    DE

    S P

    AR

    TIC

    IPA

    O E

    CO

    NT

    RO

    LE S

    OC

    IAL

    O DESAFIO: MUDANA, JUSTIA SOCIAL E PARTICIPAO 7

    O MINISTRIO DAS CIDADES E AS LUTAS URBANAS 9

    referncias da bandeira da reforma urbana 11

    a criao do Ministrio das Cidades 15

    CONFERNCIA NACIONAL DAS CIDADES 19

    Construo solidria do pacto urbano 21

    Resolues da 1 Conferncia Nacional das Cidades 24

    CONSELHO DAS CIDADES 49

    A participao na gesto pblica 51

    Dia histrico para a cidadania 51

    Composio e funcionamento do ConCidades 53

    Resoluo do ConCidades 56

    Resoluo n. 13, de 16 de junho de 2004

    ANEXOS 59

    1 Conferncia Nacional das Cidades 61

    Decreto de convocao da Conferncia Nacional das Cidades 61

    Regimento Interno da 1 Conferncia Nacional das Cidades 63

    Regulamento da 1 Conferncia Nacional das Cidades 76

    Recomedaes da 1 Conferncia Nacional das Cidades 81

    Moes aprovadas na 1 Conferncia Nacional das Cidades 91

    Conselho das Cidades 107

    Decreto do Conselho das Cidades - ConCidades 107

    Regimento Interno do Conselho das Cidades - ConCidades 111

    MCidades_participacao_miolo.indd 5MCidades_participacao_miolo.indd 5 19/11/2004 23:04:2319/11/2004 23:04:23

  • MCidades_participacao_miolo.indd 6MCidades_participacao_miolo.indd 6 19/11/2004 23:04:2319/11/2004 23:04:23

  • O DESAFIO: MUDANA, JUSTIA SOCIAL E PARTICIPAO

    Estamos vencendo o desafi o de governar o Brasil e democratizar a gesto de um Pas com tradi-

    o patrimonialista, imensas desigualdades sociais e uma rica diversidade cultural e geogrfi ca.

    De forma democrtica e participativa, queremos que todos possam defi nir os rumos das pol-

    ticas pblicas por meio de critrios de justia social que atendam especialmente queles que

    mais necessitam.

    Essa nova forma de governar no poderia se dar em outro momento da histria do pas. O

    contexto atual marcado pela gesto do Presidente Luiz Incio Lula da Silva, eleito pelo desejo

    de mudana, justia social e desenvolvimento.

    No h uma frmula pronta e acabada para a realizao do desafi o colocado s adminis-

    traes democrticas de proporcionar condies ao exerccio do direito de todo cidado de

    participar do controle e planejamento do governo, atravs de formas diretas e representativas,

    priorizando o fortalecimento, transparncia, efi ccia e autonomia das administraes pblicas.

    Na busca de vencer esse desafi o, o governo federal vem realizando um esforo permanente

    de ouvir a sociedade sobre diferentes temas, convidando-a e incentivando-a a participar da

    construo de um novo modelo de gesto.

    J no primeiro ano de governo, em 2003, vrios ministrios realizaram conferncias. O Minis-

    trio das Cidades realizou a Conferncia Nacional das Cidades, que mobilizou 3.457 municpios

    brasileiros em 26 estados e o Distrito Federal.

    Toda esta mobilizao, realizada em seis meses, culminou com a Conferncia Nacional da

    qual participaram 2.510 delegados. Eles elegeram diretamente o Conselho das Cidades, com-

    posto por 71 membros efetivos e representativos da sociedade civil urbana brasileira.

    Quando se abre a oportunidade de participao nas decises queles que nunca tiveram

    vez e voz, objetiva-se fazer a justia social . A democracia adquire outra dimenso quando a

    sociedade participa da elaborao, do acompanhamento e da execuo dos programas que se

    referem s polticas pblicas.

    O Caderno Participao e Controle Social apresenta, para o exame da sociedade brasileira,

    elementos da experincia acumulada de um processo de participao promovido pelo Minist-

    rio das Cidades, em parceria com a representao dos segmentos sociais urbanos em especial

    com os que demandam cidades justas e democrticas.

    7 CA

    DE

    RN

    OS

    MC

    IDA

    DE

    S P

    AR

    TIC

    IPA

    O E

    CO

    NT

    RO

    LE S

    OC

    IAL

    P articipao e controle social

    MCidades_participacao_miolo.indd 7MCidades_participacao_miolo.indd 7 19/11/2004 23:04:2319/11/2004 23:04:23

  • Optou-se por um texto composto de trs partes. A primeira delas - O Ministrio das Cidades e

    as Lutas Urbanas discorre sobre as referncias de conjunturas sociais que balizaram a criao do

    Ministrio das Cidades.

    A segunda Conferncia Na