PARQ0061-D

Download PARQ0061-D

Post on 25-Nov-2015

48 views

Category:

Documents

13 download

TRANSCRIPT

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLGICO PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM ARQUITETURA E URBANISMO MIGUEL CORREIA DE MORAES ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Dissertao de Mestrado FLORIANPOLIS 2007 MIGUEL CORREIA DE MORAES ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Dissertao de mestrado apresentada ao Programa de Ps-Graduao em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Orientadora: Prof Vera Helena Moro Bins Ely, Dr. FLORIANPOLIS 2007 MIGUEL CORREIA DE MORAES ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Esta dissertao foi julgada e aprovada para a obteno de grau de Mestre em Arquitetura e Urbanismo no Programa de Ps-Graduao em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianpolis, 26 de Junho de 2007. ____________________________________________ Prof. Alina Gonalves Santiago, Dr. Coordenadora do Programa ____________________________________________ Prof. Vera Helena Moro Bins Ely, Dr. Orientadora BANCA EXAMINADORA ____________________________________________ Prof. Leila Amaral Gontijo, Dr. UFSC, Dept. de Engenharia de Produo Membro Avaliador ____________________________________________ Prof. Antnio Renato Pereira Moro, Dr. UFSC, Dept. de Educao Fsica Membro Avaliador ____________________________________________ Prof. Marta Dischinger, PhD. UFSC, Dept. de Arquitetura e Urbanismo Membro Avaliador Aos meus pais Carlos e Silvete, minha irm Monick e minha esposa Ramona. Agradecimentos painho, Carlos Jos de Moraes Sousa, e mainha, Silvete Correia de Moraes, pelo apoio moral e financeiro, amor, incentivo e principalmente por nunca me permitirem deixar de sonhar. So meus eternos heris. minha esposa, Ramona Sant Ana Maggi de Moraes, por ser uma Santa e ter suportado sem fraquejar toda as intempries advindas dessa fase da minha vida. Professora Vera Helena Moro Bins Ely pela pacincia e dedicao, mesmo nos momentos mais difceis. Aos membros das bancas, que gentilmente aceitaram participar e contribuir para a avaliao e concluso deste trabalho. minha irm, Monick Correia de Moraes, que apesar da distncia geogrfica tambm um incentivo para que eu continue lutando pelos meus sonhos. s associaes que contriburam para este trabalho: ACIC e AFLODEF. Parabns pelo excelente trabalho que desenvolvem. Cris, Geofilho, Nelson, Thiagus, Yuri e a V. Aos meus amigos de jornada, Alberto, Claudio, Gabriela, Maria Aline e em especial para minha grande amiga Claudete. Ivonete, por ser nossa socorrista de planto, ajudando no que for possvel e impossvel. Ao PET Arquitetura da UFSC, pelo intercambio de conhecimentos. Noah, por ter ficado sempre comigo, inclusive nas madrugadas enquanto eu escrevia incessantemente. Enfim, a todos aqueles que mesmo no tendo sido mencionados sabem que direta ou indiretamente contriburam para a realizao desse trabalho. A vocs, o meu sincero muito obrigado! Resumo MORAES, Miguel Correia de. Acessibilidade no Brasil: anlise da NBR 9050. Florianpolis, 26 de junho de 2007, 166 p. Dissertao (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Programa de Ps-graduao, UFSC, 2007. As normas tcnicas destinadas ao espao construdo existem para garantir sua padronizao quanto a atributos como: qualidade, segurana, confiabilidade e eficincia. O objeto de estudo desse trabalho uma dessas normas tcnicas, a NBR 9050, que trata da acessibilidade no espao construdo, de modo a garantir que todas as pessoas possam se orientar e se deslocar facilmente em um ambiente, fazendo uso dos elementos que o compem com segurana e independncia, isto , sem acidentes e sem necessidade de solicitar ajuda para realizar tarefas. Alm disso, tambm visa facilitar a comunicao entre as pessoas. Esse trabalho tem como objetivo analisar essa norma, a fim de contribuir para o aprimoramento dos estudos da acessibilidade no espao construdo, mais especificamente no Brasil, tanto de um ponto de vista terico-cientfico como de um ponto de vista prtico. Para isso estabeleceu-se uma seqncia de 2 etapas metodolgicas utilizando diferentes mtodos. Na primeira etapa foi realizada pesquisa bibliogrfica compreendendo alguns temas pertinentes a NBR 9050, tais como: acessibilidade, Desenho Universal, deficincia e restrio, alm do estudo da antropometria, uma vez que a norma se utiliza dessa cincia para a elaborao de seus parmetros tcnicos. Aps essa pesquisa houve a discusso desses conceitos no contexto da norma brasileira. Na segunda etapa metodolgica, realizou-se uma pesquisa de campo qualitativa, avaliando algumas das solues propostas na NBR 9050 de 2004, identificadas em reas livres e edificaes de Florianpolis, a partir de sua utilizao por usurios. Para essa avaliao, foi utilizado o mtodo da observao sistemtica. De forma a enriquecer o trabalho, foi realizada uma anlise comparativa entre a NBR 9050 e algumas normas internacionais, focando os elementos construdos contemplados na pesquisa de campo. Com o embasamento terico e a sustentao prtica da pesquisa de campo, foi possvel identificar alguns dos problemas contidos na NBR 9050 e que se refletem diretamente nas aes em prol da acessibilidade no espao construdo. Ao fim, realizada uma sntese dos principais problemas identificados e discusses sobre estes. Espera-se que essa dissertao reforce a importncia do ambiente construdo para a acessibilidade no cotidiano, podendo ser esse ambiente um agente facilitador, garantindo o direito de igualdade sem nenhuma forma de discriminao entre as pessoas, ou um agente que muitas vezes dificulta ou impede a utilizao do espao construdo por todas as pessoas. Tambm espera-se, principalmente com os resultados obtidos nos estudos prticos, contribuir para no desenvolvimento efetivo da acessibilidade espacial no Brasil. Palavras-chave: acessibilidade espacial, NBR 9050, antropometria. Abstract MORAES, Miguel Correia de. Accessibility in Brazil: analyzing the NBR 9050. Florianpolis, June, 26, 2007, 166 p. Dissertation (MA in Architecture and Urbanism) Programa de Ps-graduao, UFSC, 2007. The standards destined for constructed areas have uniform guarantees giving the attributes like: quality, safety, reliability and effectiveness. This study objective is about one of these standards, the NBR 9050, which deals with the access of constructed space, in a way to guarantee that anyone will have the ability to locate and to move around the area easily, using the elements available safely and independently, that is, without accidents or the necessity of third parties. This also aims to facilitate communication among people in general. This study has as the objective to analyze this standard with ends to contribute to the betterment of the constructed area access, more specifically in Brazil, as much the technical scientific point of view as the practical one. In order to establish this, a sequence of two methodological phases was analyzed using two different methods. A bibliographic study was implemented in the first stage, using several theories developed in the field in relation to NBR 9050, like certain concepts: accessibility, Universal Design, disability and restriction, besides an anthropometric study, once this norm is utilized in this science to elaborate technical parameters. After the research done, a discussion was held about these themes in context to Brazilian standards. During the second phase, a field research was performed evaluating the relationship between people and some solutions proposed for NBR 9050 of 2004. To achieve this, a qualitative field research was done, utilizing the systematic observation method. To enrich the study, a comparative analysis between NBR 9050 and several international norms was performed, focusing on contemplated elements from the field research. With the theoretic base and practical support of the field research, it was possible to identify several problems found in NBR 9050 and subsequently reflects directly on actions in favor of accessibility to constructed spaces. Finally, a summary of the principal problems were identified and appropriate suggestions were given to resolve these problems. Hopefully, this dissertation demonstrates the importance of constructed environments for daily use, allowing the same to be a facilitating agent, guaranteeing equal rights without any form of discrimination among people or an agent which may difficult or impede socialization. In the same way, this study hopes to contribute to the effective development of accessible space in Brazil. Key words: accessibility, NBR 9050, anthropometry. Lista de Ilustraes Ilustrao 1 - Sinalizao visual informando sobre o ambiente______________________________ 31 Ilustrao 2 TDD________________________________________________________________ 31 Ilustrao 3 - Traduo em Libras ____________________________________________________ 31 Ilustrao 4 - Pessoas cruzando uma faixa de pedestres por uma guia rebaixada ________________ 32 Ilustrao 5 - Pessoa usando o elevador com autonomia e segurana _________________________ 32 Ilustrao 6 - Porta automtica_______________________________________________________ 34 Ilustrao 7 Bancada de cozinha ____________________________________________________ 35 Ilustrao 8 Informao pictrica em um manual montagem de uma cadeira ________________ 36 Ilustrao 9 Interfone que maximiza a percepo da informao ___________________________ 36 Ilustrao 10 Anfiteatro Bradford Woods_____________________________________________ 37 Ilustrao 11 Maaneta que propicia melhor pega ______________________________________ 38 Ilustrao 12 Painel informativo do Museu Nacional da Colmbia _________________________ 38 Ilustrao 13 Sem restrio de orientao_____________________________________________ 44 Ilustrao 14 Com restrio de orientao ____________________________________________ 44 Ilustrao 15 Ambiente possibilita a no restrio de comunicao_________________________ 45 Ilustrao 16 Sem restrio de comunicao __________________________________________ 45 Ilustrao 17 Sem restrio de deslocamento __________________________________________ 46 Ilustrao 18 Com restrio de deslocamento__________________________________________ 46 Ilustrao 19 Sem restrio de uso __________________________________________________ 47 Ilustrao 20 Com restrio de uso __________________________________________________ 47 Ilustrao 21 O Homem Vitruviano de Leonardo Da Vinci _______________________________ 49 Ilustrao 22 Exemplo de medio antropomtrica esttica _______________________________ 52 Ilustrao 23 Exemplo de medio antropomtrica dinmica______________________________ 52 Ilustrao 24 Exemplo de medio antropomtrica funcional _____________________________ 53 Ilustrao 25 Instrumentos de Medio ______________________________________________ 53 Ilustrao 26 - Exemplo de Mtodo Direto (medida do permetro do abdome) _________________ 54 Ilustrao 27 - Exemplo do uso da fotogrametria digital para se obter medidas do nariz __________ 55 Ilustrao 28 Banco de praa ______________________________________________________ 58 Ilustrao 29 Capacidade de alcance de uma mulher sentada______________________________ 58 Ilustrao 30 Cinto com furos Exemplo de projetos para faixas da populao _______________ 59 Ilustrao 31 Banco de carro com vrios comandos de ajuste _____________________________ 59 Ilustrao 32 Brao binico confeccionado sob medida para o usurio ______________________ 60 Ilustrao 33 Recorte da figura 20 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.15) ______________________ 72 Ilustrao 34 figura 1 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.5) _________________________________ 74 Ilustrao 35 figura 3 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.6) _________________________________ 74 Ilustrao 36 figura 135 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.74) ______________________________ 76 Ilustrao 37 Figura 8 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.9) - Alcance manual frontal Pessoa em p 78 Ilustrao 38 Simulao da altura do centro da mo com o brao a 45 da horizontal (percentis 5% e 95%) a partir de dados obtidos na figura 8 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.9) __________________ 78 Ilustrao 39 Figura 13 e 14 da NBR 9050 - ngulos de trao e compresso ________________ 79 Ilustrao 40 Outros formatos de seo permitidos pela NBR 9050 de 2004__________________ 80 Ilustrao 41 Exemplos de sees no circulares da ADA ________________________________ 81 Ilustrao 42 Exemplos de dispositivos de comando ou acionamento _______________________ 81 Ilustrao 43 figura 19 da NBR 9050 - Movimento dos olhos e da cabea ___________________ 82 Ilustrao 44 Movimento dos olhos _________________________________________________ 83 Ilustrao 45 Dimenso do piso ttil de alerta _________________________________________ 86 Ilustrao 46 montagem da tabela 3 da NBR 9050 de 2004 _______________________________ 86 Ilustrao 47 montagem da tabela 4 da NBR 9050 de 2004 _______________________________ 87 Ilustrao 48 Corte em uma rampa identificando a guia de balizamento _____________________ 88 Ilustrao 49 Sinalizao em escadas na NBR 9050 de 2004______________________________ 89 Ilustrao 50 Escadas no sinalizadas na NBR 9050 de 2004 _____________________________ 89 Ilustrao 51 Exemplos de portas sem sinalizao na NBR 9050 de 2004____________________ 90 Ilustrao 52 montagem da figura 137 da NBR 9050 de 2004 _____________________________ 91 Ilustrao 53 Piso Alerta Pesquisa de Campo ________________________________________ 99 Ilustrao 54 Piso Direcional Pesquisa de Campo ____________________________________ 100 Ilustrao 55 figura 65 da NBR 9050 de 2004 ________________________________________ 101 Ilustrao 56 montagem sobre texto da NBR 9050 de 2004______________________________ 102 Ilustrao 57 - Exemplo de composio de pisos tteis no Manual de Castilla-La Mancha _______ 103 Ilustrao 58 - Exemplo de composio de sinalizao ttil de alerta e direcional em diferentes tipos de travessia de pedestre______________________________________________________________ 103 Ilustrao 59 Piso Direcional Pesquisa de Campo ____________________________________ 104 Ilustrao 60 Composio de Pisos Tteis Pesquisa de Campo__________________________ 104 Ilustrao 61 Pisos Tteis Pesquisa de Campo Pessoa B _____________________________ 105 Ilustrao 62 Pisos Tteis Pesquisa de Campo Pessoa C _____________________________ 105 Ilustrao 63 Pisos Tteis Pesquisa de Campo Pessoa E _____________________________ 106 Ilustrao 64 Croqui e planta da rampa em estudo _____________________________________ 107 Ilustrao 65 Rampa Pesquisa de Campo___________________________________________ 108 Ilustrao 66 - Exemplo de rampa ___________________________________________________ 110 Ilustrao 67 Clculo para aferio dos desnveis mximos para GDN e Castilla-La Mancha ___ 110 Ilustrao 68 - Exemplo da guia de balizamento servindo de proteo _______________________ 112 Ilustrao 69 Percurso realizado na rampa de estudo ___________________________________ 114 Ilustrao 70 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa A _________________________________ 114 Ilustrao 71 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa B _________________________________ 115 Ilustrao 72 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa C _________________________________ 115 Ilustrao 73 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa D _________________________________ 116 Ilustrao 74 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa E _________________________________ 116 Ilustrao 75 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa F _________________________________ 117 Ilustrao 76 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa G _________________________________ 117 Ilustrao 77 - Croqui e planta da rampa em estudo _____________________________________ 119 Ilustrao 78 Escada Pesquisa de Campo___________________________________________ 120 Ilustrao 79 baco para escadas da NBR 9050 de 2004________________________________ 121 Ilustrao 80 - Percurso realizado na escada de estudo ___________________________________ 124 Ilustrao 81 Escada Pesquisa de Campo Pessoa B _________________________________ 125 Ilustrao 82 Escada Pesquisa de Campo Pessoa C _________________________________ 125 Ilustrao 83 Escada Pesquisa de Campo Pessoa D _________________________________ 126 Ilustrao 84 Escada Pesquisa de Campo Pessoa E _________________________________ 126 Ilustrao 85 Escada Pesquisa de Campo Pessoa F _________________________________ 127 Ilustrao 86 Croqui dos corrimos em estudo ________________________________________ 128 Ilustrao 87 - Corrimo 01 ________________________________________________________ 129 Ilustrao 88 - Corrimo 02 ________________________________________________________ 130 Ilustrao 89 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa B _______________________________ 133 Ilustrao 90 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa C _______________________________ 134 Ilustrao 91 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa D _______________________________ 134 Ilustrao 92 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa E _______________________________ 135 Ilustrao 93 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa F______________________________ 135 Ilustrao 94 Croquis e plantas da porta em estudo ____________________________________ 137 Ilustrao 95 Porta Pesquisa de Campo ____________________________________________ 138 Ilustrao 96 - Parmetros tcnicos para espaamento junto s portas NBR 9050_____________ 138 Ilustrao 97 Outros tipos de parmetros tcnicos para porta trazidos na ADA/ABA __________ 140 Ilustrao 98 - Parmetros tcnicos para espaamento junto s portas - GDN _________________ 140 Ilustrao 99 - Parmetro tcnico pra espaamento junto s portas - Castilla-La Mancha ________ 140 Ilustrao 100 Porta Pesquisa de Campo Pessoa A__________________________________ 142 Ilustrao 101 Porta Pesquisa de Campo Pessoa A Continuao______________________ 143 Ilustrao 102 Porta Pesquisa de Campo Pessoa B ________________________________ 143 Ilustrao 103 Porta Pesquisa de Campo Pessoa C__________________________________ 143 Ilustrao 104 Porta Pesquisa de Campo Pessoa D__________________________________ 144 Ilustrao 105 Porta Pesquisa de Campo Pessoa E __________________________________ 144 Ilustrao 106 Porta Pesquisa de Campo Pessoa F __________________________________ 144 Ilustrao 107 Barras de Apoio Pesquisa de Campo __________________________________ 146 Ilustrao 108 - Parmetros tcnicos para barras de apoio lateral e de fundo NBR 9050________ 148 Ilustrao 109 Barras de Apoio Pesquisa de Campo Pessoa A _________________________ 149 Ilustrao 110 Barras de Apoio Pesquisa de Campo Pessoa D _________________________ 149 Ilustrao 111 Barras de Apoio Pesquisa de Campo Pessoa F _________________________ 150 Ilustrao 112 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo ___________________________________ 151 Ilustrao 113 - Distncia do eixo da bacia sanitria parede______________________________ 152 Ilustrao 114 Uso da bacia sanitria Pessoa G ____________________________________ 154 Ilustrao 115 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Pessoa A__________________________ 154 Ilustrao 116 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Pessoa D__________________________ 155 Ilustrao 117 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Pessoa E __________________________ 155 Ilustrao 118 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Pessoa F ________________________ 155 Ilustrao 119 Tranferncia usando a barra do fundo Pessoa A________________________ 156 Ilustrao 120 Transferncia usando a barra lateral Pessoa A _________________________ 156 Ilustrao 121 Uso do boxe Pessoa G____________________________________________ 157 Ilustrao 122 Lavatrio Pesquisa de Campo _______________________________________ 158 Ilustrao 123 rea de aproximao ADA/ABA ______________________________________ 159 Ilustrao 124 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa A ______________________________ 161 Ilustrao 125 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa B ______________________________ 161 Ilustrao 126 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa C ______________________________ 161 Ilustrao 127 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa D ______________________________ 162 Ilustrao 128 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa E ______________________________ 162 Ilustrao 129 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa F ______________________________ 162 Lista de Tabelas Tabela 1 - Percentis e seus coeficientes em destaque o percentil do exemplo a seguir __________ 55 Tabela 2 Piso Alerta Pesquisa de Campo____________________________________________ 99 Tabela 3 Piso Direcional Pesquisa de Campo ________________________________________ 99 Tabela 4 Piso Alerta NBR 9050 x Normas Internacionais 01 ___________________________ 100 Tabela 5 Piso Alerta NBR 9050 x Normas Internacionais 02 ___________________________ 101 Tabela 6 Descrio da rampa estudada ______________________________________________ 107 Tabela 7 Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 01 _____________________________ 109 Tabela 8 Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 02 _____________________________ 111 Tabela 9 - Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 03 _____________________________ 111 Tabela 10 - Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 04 ____________________________ 111 Tabela 11 - Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 05 ____________________________ 112 Tabela 12 Escada Pesquisa de Campo _____________________________________________ 119 Tabela 13 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 01 ____________________________ 120 Tabela 14 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 02 ____________________________ 121 Tabela 15 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 03 ____________________________ 122 Tabela 16 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 04 ____________________________ 122 Tabela 17 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 05 ____________________________ 123 Tabela 18 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 06 ____________________________ 123 Tabela 19 Corrimo 01 Pesquisa de Campo ________________________________________ 129 Tabela 20 Corrimo 02 Pesquisa de Campo ________________________________________ 130 Tabela 21 Corrimo NBR 9050 x Normas Internacionais 01 __________________________ 131 Tabela 22 Corrimo NBR 9050 x Normas Internacionais 02 __________________________ 131 Tabela 23 Corrimo NBR 9050 x Normas Internacionais 03 __________________________ 132 Tabela 24 Porta Pesquisa de Campo ______________________________________________ 137 Tabela 25 Porta NBR 9050 x Normas Internacionais 01 _____________________________ 139 Tabela 26 Porta NBR 9050 x Normas Internacionais 02 _____________________________ 141 Tabela 27 Porta NBR 9050 x Normas Internacionais 03 _____________________________ 141 Tabela 28 Barras de Apoio Pesquisa de Campo______________________________________ 146 Tabela 29 Barras de Apoio NBR 9050 x Normas Internacionais 01 ____________________ 147 Tabela 30 Barras de Apoio NBR 9050 x Normas Internacionais 02 ____________________ 147 Tabela 31 Barras de Apoio NBR 9050 x Normas Internacionais 03 ____________________ 148 Tabela 32 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo ______________________________________ 151 Tabela 33 Bacia Sanitria NBR 9050 x Normas Internacionais 01 _____________________ 152 Tabela 34 Lavatrio Pesquisa de Campo ___________________________________________ 157 Tabela 35 Lavatrio NBR 9050 x Normas Internacionais 01 ___________________________ 158 Tabela 36 Lavatrio NBR 9050 x Normas Internacionais 02 ___________________________ 159 Tabela 37 Lavatrio NBR 9050 x Normas Internacionais 03 ___________________________ 160 SUMRIO CAPTULO 1 - INTRODUO ______________________________________________ 16 1.1. JUSTIFICATIVA E RELEVNCIA _____________________________________ 16 1.2. QUESTES DE PESQUISA ___________________________________________ 19 1.3. OBJETIVOS ________________________________________________________ 20 1.3.1. Objetivo Geral ___________________________________________________ 20 1.3.2. Objetivos Especficos ______________________________________________ 20 1.4. PROCEDIMENTOS METODOLGICOS ________________________________ 20 1.4.1. Pesquisa Bibliogrfica _____________________________________________ 20 1.4.2. Pesquisa de Campo________________________________________________ 21 1.5. ESTRUTURA DA DISSERTAO _____________________________________ 23 CAPTULO 2 - REFERENCIAL TERICO_____________________________________ 24 2.1. ACESSIBILIDADE __________________________________________________ 24 2.2. DESENHO UNIVERSAL______________________________________________ 33 2.3. DEFICINCIA E RESTRIO _________________________________________ 39 2.4. ANTROPOMETRIA__________________________________________________ 48 CAPTULO 3 - DISCUSSO TERICA _______________________________________ 61 3.1. CONCEITOS DA NBR 9050 ___________________________________________ 61 3.1.1. NBR 9050 de 1985 ________________________________________________ 61 3.1.2. NBR 9050 de 1994 ________________________________________________ 63 3.1.3. NBR 9050 de 2004 ________________________________________________ 65 3.1.4. Anlise comparativa dos conceitos das trs verses da NBR 9050 ___________ 67 3.1.5. Concluso sobre os conceitos da NBR 9050 ____________________________ 70 3.2. DADOS ANTROPOMTRICOS DA NBR 9050 de 2004 ____________________ 71 3.2.1. Percentis ________________________________________________________ 72 3.2.2. rteses _________________________________________________________ 73 3.2.3. rea de circulao ________________________________________________ 75 3.2.4. rea de transferncia e rea de aproximao ____________________________ 76 3.2.5. Alcance manual __________________________________________________ 77 3.2.6. Foras de trao e compresso _______________________________________ 79 3.2.7. Empunhadura ____________________________________________________ 80 3.2.8. Manipulao e controle ____________________________________________ 81 3.2.9. Parmetros sensoriais ______________________________________________ 82 3.2.10. Concluso sobre os dados antropomtricos da NBR 9050 de 2004__________ 83 CAPTULO 4 PESQUISA DE CAMPO_______________________________________ 85 4.1. DESCRIO DO EXPERIMENTO______________________________________ 85 4.1.1. Montagem do experimento__________________________________________ 85 4.1.2. Aplicao do experimento __________________________________________ 98 4.2. PISOS TTEIS ______________________________________________________ 98 4.2.1. Descrio _______________________________________________________ 98 4.2.1.1. Piso Alerta _____________________________________________________ 99 4.2.1.2. Piso Direcional _________________________________________________ 99 4.2.2. Anlise comparativa das normas ____________________________________ 100 4.2.2.1. Piso Alerta ____________________________________________________ 100 4.2.2.2. Piso Direcional ________________________________________________ 102 4.2.3. Resultado e discusso _____________________________________________ 104 4.3. RAMPA___________________________________________________________ 107 4.3.1. Descrio ______________________________________________________ 107 4.3.2. Anlise comparativa das normas ____________________________________ 108 4.3.3. Resultado e discusso _____________________________________________ 113 4.4. ESCADA __________________________________________________________ 119 4.4.1. Descrio ______________________________________________________ 119 4.4.2. Anlise comparativa das normas ____________________________________ 120 4.4.3. Resultado e discusso _____________________________________________ 124 4.5. CORRIMO _______________________________________________________ 128 4.5.1. Descrio ______________________________________________________ 128 4.5.2. Anlise comparativa das normas ____________________________________ 130 4.5.3. Resultado e discusso _____________________________________________ 133 4.6. PORTA ___________________________________________________________ 136 4.6.1. Descrio ______________________________________________________ 136 4.6.2. Anlise comparativa das normas ____________________________________ 138 4.6.3. Resultado e discusso _____________________________________________ 142 4.7. BARRAS DE APOIO ________________________________________________ 145 4.7.1. Descrio ______________________________________________________ 145 4.7.2. Anlise comparativa das normas ____________________________________ 146 4.7.3. Resultado e discusso _____________________________________________ 149 4.8. BACIA SANITRIA ________________________________________________ 151 4.8.1. Descrio ______________________________________________________ 151 4.8.2. Anlise comparativa das normas ____________________________________ 152 4.8.3. Resultado e discusso _____________________________________________ 154 4.9. LAVATRIO ______________________________________________________ 157 4.9.1. Descrio ______________________________________________________ 157 4.9.2. Anlise comparativa das normas ____________________________________ 158 4.9.3. Resultado e discusso _____________________________________________ 160 4.10. DISCUSSO PESQUISA DE CAMPO _________________________________ 163 CAPTULO 5 CONCLUSES E RECOMENDAES _________________________ 166 REFERNCIAS __________________________________________________________ 170 Apndice 1 ______________________________________________________________ 175 16161616 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 16161616CAPTULO 1 CAPTULO 1 CAPTULO 1 CAPTULO 1 ---- INTRODUO INTRODUO INTRODUO INTRODUO 1.1. JUSTIFICATIVA E RELEVNCIA Existem inmeras normas tcnicas destinadas ao espao construdo. Pode-se dizer que essas normas existem para garantir uma padronizao desses espaos de maneira a garantir-lhes atributos como qualidade, segurana, confiabilidade e eficincia. Tendo em vista os aspectos citados, percebe-se a grande importncia das normas tcnicas, no s de um ponto de vista econmico, como tambm social, j que promovem qualidade de vida. Para celebrar a importncia das normas no cotidiano das pessoas, comemora-se no dia 14 de Outubro, em todo o mundo, o Dia da Normalizao, o world standard day, criado pela International Organization for Standardization, ISO. No Brasil as normas tcnicas so elaboradas pela Associao Brasileira de Normas Tcnicas, ABNT, associao civil sem fins lucrativos, fundada em 1940, sendo considerada de utilidade pblica pela Lei n 4.150, de 21 de novembro de 1962. Dentro da ABNT existem os Comits Brasileiros, chamados de CB, que so os rgos responsveis pela coordenao, planejamento e execuo das atividades de normalizao tcnica (ABNT, 2006). O objeto de estudo desse trabalho uma dessas normas tcnicas, a NBR 9050 que trata da acessibilidade no espao construdo. Esta norma pretende garantir que todas as pessoas possam se orientar e se deslocar facilmente em um ambiente, fazendo uso dos elementos que o compem como telefones, mesas, guichs, mquinas de auto-atendimento, entre outros com segurana e autonomia, isto , sem acidentes e sem necessidade de terceiros para essas tarefas. Alm disso, tambm se visa facilitar a comunicao entre as pessoas. A NBR 9050 mais atual, datada de 2004, tem 97 pginas e dividida basicamente em trs partes: 1. Primeira parte (representa cerca de 5% da norma em n. de folhas) apresenta a norma, os propsitos, traz a aplicao da norma e definio de termos usados no documento como acessibilidade, deficincia e desenho universal; 17171717 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 171717172. Segunda parte (representa cerca de 10% da norma em n. de folhas) apresenta os parmetros antropomtricos da norma, como rea de cadeira de rodas, medidas de alcance mximo e mnimo, rea de transferncia e aproximao, etc., necessrios para formulao dos parmetros tcnicos. 3. Terceira parte (representa cerca de 85% da norma em n. de folhas) apresenta os parmetros tcnicos e as determinaes para os elementos espaciais. Considerou-se para este trabalho que, quando a norma define uma mensurao para determinado elemento espacial, ela est definindo um parmetro tcnico. J quando define apenas o uso ou quantidade de um elemento sem mensurar, ela est fazendo uma determinao. Por exemplo: Elemento rampa; Parmetros tcnicos inclinao, largura mnima, etc.; Determinao quantidade de rampas que deve existir em um determinado ambiente. A NBR 9050 foi concebida pelo Comit Brasileiro 40 da ABNT, CB-40, que trata da acessibilidade espacial. Ela serve para que arquitetos e outros projetistas do ambiente possam conceber ambientes acessveis no Brasil. O termo acessibilidade, que est presente em todo trabalho e inclusive no ttulo, ser melhor discutido e exposto no captulo 2.1. No momento, para proporcionar uma idia inicial sobre o tema, deve-se considerar acessibilidade como um conjunto de qualidades que deve dispor o ambiente construdo de modo a ser confortvel e seguro, proporcionando autonomia todos os cidados, independente de suas habilidades ou dificuldades em executar as tarefas do cotidiano. A NBR 9050 foi criada em 1985, tendo passado at o presente momento por duas revises, uma em 1994 e a ltima em 2004. Por se tratar de uma norma que pretende assegurar qualidade ao meio construdo em todo o territrio nacional, notrio o seu alcance e importncia social. Por muito tempo os espaos foram, e muitos ainda so, projetados sem levar em considerao o homem como ser passvel de limitaes no desempenho de atividades. Essas limitaes podem ser resultado de diversos fatores, entre eles: Processos naturais como o envelhecimento e a gravidez; 18181818 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 18181818 Eventos cotidianos como um simples passeio usando um carrinho de beb ou se deslocar carregando sacolas de compras; Acidentes, que dependendo da intensidade podem deixar seqelas e causar limitaes; M formao ou desenvolvimento de rgos do corpo. Geralmente as pessoas com maiores dificuldades em executar atividades nos ambientes, principalmente as pessoas com deficincia, ficam margem da sociedade. Muito disso se deve ao fato desses ambientes no auxiliarem as pessoas amenizando suas dificuldades. Sendo assim, o ambiente exerce um papel fundamental na sociedade, uma vez que tem o poder de facilitar ou de impedir a realizao das tarefas cotidianas dos cidados. Ao projetar o ambiente de maneira a ser um agente facilitador, garante-se o direito de igualdade sem nenhuma forma de discriminao, estabelecido pela Constituio Federal de 1988. Atualmente tem-se observado grande esforo para a incluso social, tanto por parte da sociedade civil como da esfera pblica. Um exemplo disso o crescente poder poltico das organizaes de pessoas com deficincia, que teve como reflexos mais recentes: a prpria NBR 9050 de 2004 e a Lei que a regulamenta e promove, Lei Federal n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000, regulamentada pelo Decreto n. 5296 de 02 de dezembro de 2004, que estabelece normas gerais e critrios bsicos para a promoo da acessibilidade. Aliado a isso, v-se a questo da incluso social sendo reforada pelos mais diversos veculos da mdia, mostrando que salutar conviver com as diferenas, pois fomenta as habilidades sociais. Apesar da existncia do arcabouo tcnico e jurdico para a acessibilidade no ambiente construdo, e de toda a campanha de conscientizao da populao dos benefcios de um ambiente acessvel e da necessidade da acessibilidade, principalmente para a incluso social, ainda so poucas as entidades de ensino superior, mais especificamente nos cursos voltados construo civil como arquitetura e engenharia civil, que trazem o tema em sua grade curricular. Sendo assim, so poucos os profissionais qualificados para projetar um ambiente acessvel. Somado a isso, temos no Brasil apenas 22 anos de aplicao e desenvolvimento das leis e normas de acessibilidade espacial, considerando a data de publicao da primeira NBR 9050, que se acredita ter sido o primeiro ato concreto para a promoo da acessibilidade espacial no Brasil. 19191919 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 19191919 Nessa conjuntura observa-se que muitos profissionais desconhecem tanto os benefcios da acessibilidade espacial, como os problemas que essa se prope a solucionar. Partindo do princpio de que para criar boas solues necessrio conhecer o problema, acredita-se que no Brasil haja uma dificuldade na relao entre o profissional e a norma. Dessa forma, mesmo tendo a NBR 9050 em mos, muitos profissionais no sabem o porqu de determinado parmetro tcnico ou determinao e, consequentemente, no avaliam quais os reflexos que determinados elementos tero quando implantados ou edificados no ambiente. Sendo assim, esse trabalho justifica-se por seu alcance social, uma vez que o objeto de estudo, a NBR 9050, se prope a tornar acessveis os ambientes construdos, de modo a possibilitar a socializao de todos os cidados brasileiros independente de suas dificuldades na realizao de tarefas, proporcionando ainda qualidade de vida. Alm do alcance social, acredita-se que esse trabalho tambm tenha um alcance cientfico, pois pretende contribuir para o aprimoramento dessa rea do conhecimento, principalmente no que tange a normalizao da acessibilidade espacial no Brasil. 1.2. QUESTES DE PESQUISA As questes que norteiam este trabalho e que sero expostas a seguir so originrias da vivncia do autor nesta rea do conhecimento, como tambm do conhecimento adquirido durante o desenvolvimento dessa dissertao. 1. A parte terica das trs verses da NBR 9050 traz conceitos condizentes com seu perodo histrico? Ela suficiente para suprir a carncia de informao dos profissionais que iro projetar o ambiente? 2. Quais dados antropomtricos foram utilizados na elaborao da NBR 9050 de 2004? 3. A verso mais recente da norma traz em seus elementos, parmetros tcnicos condizentes com seus conceitos e dados antropomtricos? 4. Como est a NBR9050 de 2004 se comparada s demais normas utilizadas no mundo? Existem bons exemplos nas normas internacionais que possam ser teis no contexto da norma brasileira? 20202020 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 202020201.3. OBJETIVOS 1.3.1. Objetivo Geral Analisar a NBR 9050 de 2004, a fim de contribuir para o aprimoramento dos estudos da acessibilidade no espao construdo, mais especificamente no Brasil, tanto de um ponto de vista terico-cientfico como de um ponto de vista prtico. 1.3.2. Objetivos Especficos 1. Discutir os conceitos de acessibilidade, Desenho Universal, deficincia e restrio, dentro do escopo da NBR 9050; 2. Verificar se teoricamente a norma traz informaes suficientes para suprir a carncia dos profissionais no familiarizados com a acessibilidade espacial; 3. Discutir e analisar os dados antropomtricos utilizados para a elaborao da NBR 9050 de 2004; 4. Testar e discutir alguns parmetros tcnicos de elementos espaciais da NBR 9050 de 2004, avaliando sua eficcia em promover a acessibilidade a todos; 5. Analisar comparativamente os parmetros tcnicos de elementos selecionados para o estudo de campo com os de outras normas internacionais, para verificar a condio da norma brasileira no cenrio internacional, alm de observar possveis bons exemplos que poderiam ser teis na NBR 9050. 1.4. PROCEDIMENTOS METODOLGICOS Para alcanar os objetivos acima citados, estabeleceu-se uma seqncia de 2 etapas nas quais foram utilizados diferentes mtodos. 1.4.1. Pesquisa Bibliogrfica Essa pesquisa compreendeu alguns dos trabalhos tericos desenvolvidos nos campos do conhecimento pertinentes a NBR 9050, como os conceitos de: acessibilidade, Desenho Universal, deficincia e restrio. Alm desses, tambm foi estudado a antropometria, cincia 21212121 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 21212121que trata das medidas do corpo humano, pois a norma se utiliza desta para a elaborao dos parmetros tcnicos para os elementos espaciais. Desta forma tm-se: 1. Conceitos intrnsecos NBR 9050 de 2004 acessibilidade, Desenho Universal, deficincia e limitaes a fim de: 1.1. Levantar o estado da arte; 1.2. Analisar esses conceitos aplicados a NBR 9050 de 2004; 1.3. Comparar os conceitos das trs NBR 9050 1985, 1994, 2004 a fim de analisar as mudanas ocorridas e verificar quais os reflexos de tais mudanas na norma; 1.4. Verificar se a NBR 9050 de 2004 traz informaes suficientes para suprir a carncia dos profissionais no familiarizados com a acessibilidade espacial; 2. Antropometria, objetivando-se: 2.1. Levantar o estado da arte; 2.2. Analisar e discutir os parmetros antropomtricos da NBR 9050 de 2004; 3. Normas de acessibilidade usadas em outros pases a fim de verificar se h uma equiparao entre seus parmetros tcnicos com os da NBR 9050 de 2004, estudados na pesquisa de campo. Alm disso, espera-se apontar boas solues utilizadas nestas normas que poderiam ser utilizadas na norma brasileira. Para seleo dessas normas definiram-se dois critrios: 3.1. Normas de pases com reconhecida experincia e aplicao de normas tcnicas de acessibilidade; 3.2. Normas referenciadas em outros trabalhos cientficos. 1.4.2. Pesquisa de Campo Como um dos objetivos desta dissertao a anlise dos parmetros tcnicos dos elementos espaciais da NBR 9050, foi necessria a realizao de uma pesquisa de campo avaliando a relao entre os elementos e pessoas em situaes reais. Para isso foi realizada uma pesquisa de campo qualitativa, utilizando o mtodo da observao sistemtica com o objetivo de coletar dados reais que pudessem servir de suporte para a discusso dos parmetros tcnicos dos elementos da NBR 9050 de 2004. A pesquisa qualitativa, pois serve como suporte necessrio para explicar os reflexos das relaes entre as pessoas e os elementos espaciais. No mtodo qualitativo considerada a 22222222 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 22222222subjetividade do sujeito que no pode ser traduzido em nmeros (SILVA, 2001). A observao realizada foi sistemtica, pois tem planejamento, realiza-se em condies controladas para responder aos propsitos preestabelecidos (SILVA, 2001). Segundo Suassuna (1998) uma das principais limitaes desse tipo de observao que o pesquisador est impossibilitado de ocultar a realizao da pesquisa. A presena do pesquisador pode provocar alteraes no comportamento dos observados, destruindo a espontaneidade dos mesmos e produzindo resultados pouco confiveis (SUASSUNA, 1998). Mesmo assim, acredita-se que este foi o mtodo de observao mais adequado para obteno dos dados nessa pesquisa de campo. Na impossibilidade de testar e discutir todos os elementos espaciais, optou-se por avaliar uma pequena amostra, devido ao curto espao de tempo em comparao ao nmero de parmetros tcnicos contidos na norma; e a escassez de solues espaciais de acordo com a NBR 9050 de 2004 em Florianpolis, Santa Catarina. Foram selecionados elementos encontrados em Florianpolis, que tinham parmetros tcnicos condizentes com a NBR 9050 de 2004. Ao todo foram selecionados nove elementos localizados em ambientes internos e externos. Aps a seleo, foram analisados comparativamente os parmetros tcnicos desses elementos na norma brasileira a nas normas internacionais previamente escolhidas. O objetivo dessa anlise foi identificar os parmetros de maior divergncia entre as normas, e assim dar maior enfoque esses. Em seguida definiu-se o grupo de pessoas que iria interagir com os elementos espaciais selecionados, tendo como critrio de escolha o grau de dificuldade do convidado para desempenhar certas atividades do cotidiano. Ao todo, contou-se com seis pessoas para essa pesquisa: uma pessoa em cadeira de rodas; uma pessoa que no enxerga; uma pessoa que tem dificuldades de enxergar, mas consegue distinguir cor e forma; uma idosa; uma pessoa que usa muletas; e uma pessoa jovem e sem deficincia. Pediu-se s pessoas que interagissem com elementos selecionados enquanto eram filmadas. Essas pessoas interagiram com os elementos sem nenhuma informao prvia sobre os mesmos. O experimento foi realizado com um convidado por vez, para que as observaes no fossem influenciadas por terceiros. Todo o perodo em que o autor esteve em contato com 23232323 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 23232323esses, foi gravado em udio para que no se perdessem as informaes oralizadas obtidas nos experimentos e nas conversas durante o deslocamento entre elemento e outro. Toda a pesquisa de campo, com critrios estabelecidos e outros aspectos, ser melhor apresentada no captulo 4. 1.5. ESTRUTURA DA DISSERTAO Na introduo apresentam-se as justificativas e a relevncia da realizao dessa dissertao, bem como os objetivos e os procedimentos metodolgicos para alcan-los. Faz-se uma breve descrio da NBR 9050 abordando sua utilizao, seus objetivos e como organizada. Tambm so expostos brevemente alguns conceitos que sero estudados neste trabalho. O captulo 2, referencial terico, trata da conceituao dos temas centrais da NBR 9050. So expostas as definies relativas : acessibilidade, Desenho Universal, deficincia e restrio. Alm disso, tambm apresentado o estudo realizado sobre antropometria que teve como objetivo a fundamentao terica para a discusso dos parmetros antropomtricos usados para a realizao da norma citada. No captulo 3 realiza-se a discusso dos conceitos presentes nas trs NBR 9050, tendo como fundamentao terica os conceitos expostos no captulo 2. Tambm so discutidos os parmetros antropomtricos da NBR 9050 de 2004, tendo como fundamentao terica o tema antropometria, igualmente exposto no captulo 2. J no captulo 4 exposta a pesquisa de campo. Primeiramente retoma-se a descrio dos mtodos, que aqui dividida em dois momentos: a montagem e a aplicao. Em seguida se expe as discusses e resultados obtidos. Finalmente, no captulo 5, realizada a concluso final da dissertao, que consiste numa sntese das concluses realizadas ao decorrer do trabalho, onde procurou-se responder as questes de pesquisas e objetivos contidos na introduo. Ao final so sugeridos alguns temas para futuras pesquisas com os assuntos que no foram aprofundados nesse trabalho. 24242424 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 24242424CAPTULO 2 CAPTULO 2 CAPTULO 2 CAPTULO 2 ---- REFERENCIAL TERICO REFERENCIAL TERICO REFERENCIAL TERICO REFERENCIAL TERICO A NBR 9050 de 2004, intitulada acessibilidade a edificaes, mobilirio, espaos e equipamentos urbanos (ABNT, 2004, p.1), alm do conceito de acessibilidade, tambm traz intrnseco os conceitos de Desenho Universal, deficincia e restrio. A importncia de estudar esses conceitos est no conhecimento dos problemas que a NBR 9050 pretende solucionar. Acredita-se que quanto maior o conhecimento do problema, mais variadas e bem sucedidas sero as solues. O estudo da antropometria tambm necessrio para analisar e discutir os parmetros antropomtricos utilizados na elaborao da NBR 9050 de 2004, que ser realizado no captulo 3. Este referencial terico trar uma reviso histrica e conceitual que contemplar esses temas, de maneira que proporcione um melhor entendimento dessa dissertao. 2.1. ACESSIBILIDADE Acessibilidade de forma simplificada significa acesso. Um ambiente acessvel seria ento um ambiente onde possvel o acesso. Para uma melhor compreenso desse termo, inicialmente ser exposto seu elemento antagnico a barreira elemento que impede o acesso. Segundo Mozos & Lpez (2005, traduo nossa), as barreiras geram uma srie de circunstncias que podem dificultar o desenvolvimento das atividades cidads mais comuns, tais como caminhar pelos passeios, cruzar uma avenida, utilizar um transporte pblico, pedir informao, solicitar um servio, etc.. Para uma conceituao mais detalha, usaremos as trs classificaes propostas por Dischinger et al (2004): Barreiras Atitudinais esto principalmente relacionadas ao preconceito. Tambm so chamadas de barreiras invisveis j que so barreiras estabelecidas na esfera social, em que as relaes humanas centram-se nas limitaes dos indivduos e no em suas habilidades, dificultando sua participao na sociedade (DISCHINGER et al, 2004). Pode-se dizer que essa barreira envolve questes sociais, a partir do momento em que o indivduo possa no ser aceito por aqueles que o cercam, e questes de 25252525 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 25252525igualdade, quando a pessoa no tratada como igual, ou quando no lhe so ofertadas iguais oportunidades, sejam quais forem os motivos; Barreiras Fsicas so de origem arquitetnica originrias de elementos fsicos ou do desenho espacial que dificultam ou impedem a realizao de atividades desejadas de forma independente causando diversos tipos de [limitaes] (DISCHINGER et al, 2004). Essa barreira ainda pode ser dividida em dois outros tipos (OLIVEIRA, 2006): o Barreiras Fsicas Fixas so aquelas imveis por um longo espao de tempo, como postes, a maioria das cabines de telefone pblico, bancos de praa, etc; o Barreiras Fsicas Dinmicas so aquelas que se deslocam em curtos espaos de tempo, como veculos estacionados ilegalmente em passeios pblicos, equipamento de venda ambulante como um carrinho de pipoca posicionado de maneira incorreta em reas de circulao de pedestres, etc. Barreiras de Informao esto principalmente relacionadas com comunicao e a sinalizao, uma vez que so [...] os elementos de informao adicional (placas, mapas, sinais sonoros, etc.) e os elementos de informao verbal (interpessoais), que perturbam ou reduzem as possibilidades de obteno da informao espacial desejada (OLIVEIRA, 2006). Desta forma, v-se que as barreiras podem fazer com que as pessoas tenham grandes dificuldades na realizao de atividades em um ambiente construdo, o que se pode chamar tambm de dificuldade de acesso ao ambiente. Segundo Halden (2005, p.3, traduo nossa) acessibilidade a facilidade com que qualquer indivduo ou grupo de pessoas podem alcanar um objetivo ou grupo de objetivos. Pode-se dizer ento que, de maneira genrica, acessibilidade significa promover o acesso a algo. Esse algo pode ser sade, educao, moradia, entre outros. Sendo assim, podemos encontrar o termo acessibilidade nas mais diversas reas do conhecimento, tendo significados especficos cada uma delas. 26262626 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 26262626 Acredita-se que o conceito mais amplo de acessibilidade, o conceito geogrfico de Milton Santos. Este fala da acessibilidade, como o acesso ao territrio, seus bens e servios, enfatizando que na sua ausncia, no h como exercer a cidadania. Mais do que um direito cidadania, o que est em jogo o direito a obter da sociedade aqueles bens e servios mnimos, sem os quais a existncia no digna. Esses bens e servios constituem um encargo social, atravs das instncias do governo, e so devido a todos. Sem isso, no se dir que existe o cidado. (...) A acessibilidade compulsria aos bens e servios sociais seria [deveria ser] uma parte obrigatria dos diversos projetos nacionais. (SANTOS, 1998, p. 129-130) Atualmente, no meio cientfico, o conceito mais comum aquele que trata a acessibilidade como sendo um conjunto de caractersticas do qual deve dispor um ambiente, produto ou servio, de modo que este possa ser utilizado com conforto, segurana e autonomia por todos crianas, adultos e idosos independente de suas habilidades ou limitaes. Esse conceito que apresenta a acessibilidade como algo que favorece a todos, est presente nos trabalhos de autores como Aldan (2004), Baptista (2003), Cabrero (2004), Cebreros e Pelln (2004), Dischinger e Jackson (2005), Ely (2004a), Lagarn (2004), Lopes (2005), Lpez (2004), Mozos (2004), Nart (2004), Oliveira (2006). Mas nem sempre foi assim. Antes do sculo XX, tinham-se os dois primeiros estgios da acessibilidade definidos por Baptista (2003), que so estgios da evoluo dos projetos de ambientes focados na acessibilidade espacial. Estgio 1 Projetos sem adequao estgio mais primitivo, onde as pessoas com deficincia eram postas margem da sociedade, chegando at mesmo a serem sacrificadas, como usualmente ocorria na antiguidade greco-romana; Estgio 2 Projetos para segregao estgio caracterizado por uma eugenia sanitarista, onde as pessoas com deficincia eram, quase sempre, enviadas asilos, hospcios e outras unidades de sade especializadas. Este estgio foi bem explicito no sculo XIX, quando foram criados, em vrias partes do mundo, os primeiros centros de educao voltados exclusivamente para pessoas com deficincia; os primeiros 27272727 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 27272727hospitais especializados em um determinado tipo de deficincia; os primeiros centros de tratamento, entre outros (BRADDOCK & PARISH, 2000). Como se pde observar, a incluso social era algo no cabvel neste momento histrico o que imperava era justamente o contrrio, a excluso social. Acredita-se que o pensamento corrente era que por serem diferentes, as pessoas com deficincia no estariam aptas a serem consideradas cidads, alm de causar mal estar populao. Em 1973 houve um grande intento do Congresso Norte Americano em promover o acesso pessoa com deficincia no espao construdo, viabilizado pela seo 504 da Lei de Reabilitao. Essa Lei previa que as novas construes fossem livres de barreiras fsicas (BRADDOCK & PARISH, 2000, p. 78). Nessa mesma dcada, inicia-se o penltimo estgio descrito por Baptista (2003, p. 10). Estgio 3 Projetos acessveis de carter exclusivo os projetos livres de barreiras eram muito limitados em sua concepo. No se tinha uma compreenso das reais necessidades advindas das diferentes deficincias. Alm disso, s eram consideradas as barreiras fsicas, enquanto as barreiras atitudinais e as de informao eram ignoradas. Nesse estgio aparece o chamado projeto livre de barreiras, essas apenas constitudas de elementos fsicos contidos no ambiente. Nisso, subentende-se que o pensamento era de que apenas liberando os caminhos, se garantiria a incluso de pessoas com deficincia no ambiente construdo. Desconsideravam-se outros tipos de barreiras que, em certos casos, podem tornar um ambiente menos acessvel do que um com apenas barreiras fsicas. Nas consideraes de Saeta e Teixeira (2001) sobre esse perodo, surge o termo barreiras atitudinais, que como j visto refere-se principalmente ao preconceito. Tudo isso leva a crer que nesse estgio o objetivo era favorecer apenas as pessoas com limitaes ligadas a locomoo, como os cadeirantes e os muletantes. A partir da dcada de 70 temos nos Estados Unidos e parte da Europa, a poca mais significativa para o incio das aes de acessibilidade, uma vez que as leis formuladas aqui j incluam aspectos do que Silvertein (2000) chama de novo paradigma da deficincia, que considera as limitaes como parte normal e natural da vida humana. Sendo assim, o novo 28282828 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 28282828paradigma focado na superao das limitaes, com aes para adequar o ambiente construdo pessoa com limitaes, contrariando o que se vinha fazendo, que era forar que a pessoa se adequasse a um ambiente inspito, repleto de barreiras. Em um contexto global, a dcada mais importante para o incio efetivo das aes para a acessibilidade, a de 80. Em 1980 a Assemblia Geral da Organizao das Naes Unidas, pela resoluo n. 31/123 de 1979, declarou o ano de 1981 como Ano Internacional da Pessoa Deficiente (SILVA, 2002, p. 41). O Ano Internacional da Pessoa Deficiente deu origem ao Programa Mundial de Ao para as Pessoas com Deficincia, que foi aprovado em Assemblia Geral das Naes Unidas (SILVA, 2002, p. 46). Este programa propunha, entre vrias outras aes de assistencialismo, a insero total dessas pessoas na sociedade em condies de igualdade, de forma a oferecer equiparao de oportunidades (BRADDOCK & PARISH, 2000, p. 85). A partir da dcada de 80 vrias aes em prol da acessibilidade, do ponto de vista jurdico e normativo, so visveis no mundo todo. No Brasil divulgada a primeira NBR 9050 em setembro de 1985, norma esta que tratava da adequao das edificaes e do mobilirio urbano pessoa deficiente (ABNT, 1985), seguida da Constituio Brasileira de 1988, que deu guarida a dispositivos de acessibilidade nas edificaes e transportes (SANTOS, 2003). Em 1982, nos EUA, foi publicado um guia de normas mnimas para o desenho acessvel. Em novembro de 1990 foi lanada a primeira verso completa da norma europia de acessibilidade, contudo seu desenvolvimento comeou em maio de 1985 (EuCAN, 2003). Foi graas a trs acontecimentos desse perodo que a acessibilidade comea a ser discutida com mais afinco no Brasil: Ano Internacional da Pessoa Deficiente, 1981 (Silva, 2002, p. 41); Programa Mundial de Ao para as Pessoas com Deficincia, 1982 (BRADDOCK & PARISH, 2000, p. 85); Assemblia Nacional Constituinte, 1987 a 1988 (Silva, 2002, p. 14). Depois de 1987 com o desenvolvimento do conceito de Desenho Universal por Ron Mace1 (ver captulo 2.2), que se inicia a transio do estgio 3 da acessibilidade para o ltimo estgio definido por BAPTISTA (2003). 1 Arquiteto norte-americano que em 1987 criou o termo Universal Design (BERNARDI e KOWALTOWSKI, 2005, p.158). 29292929 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 29292929 Estgio 4 Projetos universais de carter inclusivo nesta fase o conceito de acessibilidade torna-se mais abrangente. Antes, um ambiente acessvel para um determinado grupo de pessoas poderia no ser acessvel para outro. A acessibilidade agora aquela que reconhece a existncia dos outros tipos de barreiras, e que visa elimin-las do ambiente construdo, de maneira que todos possam utiliz-lo. Sendo assim, o estgio da acessibilidade onde se conhece mais as necessidades originrias das limitaes humanas, fazendo com que os projetos sejam cada vez mais seguros, confortveis, favorecendo a autonomia dos usurios dos ambientes, independente de suas limitaes ou habilidades. Passadas pouco mais de duas dcadas desde o inicio efetivo das aes em prol da acessibilidade no Brasil, j se pode observar um quadro bastante evoludo. Tem-se hoje uma das legislaes mais amplas do mundo, no que tange a igualdade de direitos e deveres dos cidados (Silva, 2002). A Lei Federal brasileira mais recente de promoo da acessibilidade a de n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000, regulamentada pelo Decreto n. 5296 de 02 de dezembro de 2004. No artigo 10 deste decreto, diz-se que a concepo e a implantao dos projetos arquitetnicos e urbansticos devem atender aos princpios do Desenho Universal, tendo como referncias bsicas as normas tcnicas de acessibilidade da ABNT, a legislao especfica e as regras contidas neste Decreto (BRASIL, 2004). A acessibilidade no mais vista como simples eliminao de barreiras fsicas, que visa apenas o deslocamento, como era comumente difundida. Com todos os avanos cientficos que ocorreram nas reas relacionadas com a acessibilidade, esta passou a significar mais que acesso. Atualmente a acessibilidade vista como um meio de possibilitar a participao das pessoas nas atividades cotidianas que ocorrem no espao construdo, com segurana, autonomia e conforto. Isto enfatizado por Ely (2004a, p.19) ao dizer que para [...] haver incluso e participao de todas as pessoas na sociedade, independente de suas limitaes, fundamental que se possibilite pleno acesso aos mais variados lugares e atividades. Para melhor compreender e facilitar os estudos em acessibilidade espacial, Dischinger e Ely (apud OLIVEIRA, 2006) definem quatro componentes fundamentais da acessibilidade: orientao; comunicao; deslocamento; e uso. Essas componentes foram de grande utilidade 30303030 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 30303030no desenvolvimento dessa dissertao, tanto na parte referente teoria como prtica, como poder ser melhor observado no captulo 4. Segundo Dischinger et al (2004), Orientao um processo cognitivo no qual o indivduo pode tanto se situar quanto se deslocar dentro de um dado arranjo fsico. Em relao ao meio construdo, tem-se orientabilidade como um conjunto de caractersticas que permite a obteno de informaes espaciais e sua compreenso. Desta forma, a orientao trata de como os indivduos se deslocam nos ambiente, ou como encontram seu destino, mesmo num espao desconhecido [...] (DISCHINGER, 2001b). Para isto necessrio representar mentalmente caractersticas de um arranjo fsico e poder situar-se dentro desta representao (DISCHINGER, 2001b). Todo e qualquer edifcio carrega informao social e cultural em sua configurao espacial e no edifcio adequadamente desenhado o sistema de rotas deve articular uma distribuio de atividades com ele compatvel. A funo do edifcio deve ser evidenciada naturalmente no arranjo espacial das linhas de movimento; so as seqncias espaciais. Diz-se a que o espao funciona, inteligvel, tem fcil leitura (Aguiar, 2002). Alm da configurao espacial, elementos informativos adicionais (como painis, letreiros digitais, etc.) podem auxiliar na orientao dentro de um ambiente construdo. Como exemplo pode-se citar um hall de um aeroporto internacional (ver ilustrao 1) que deve oferecer aos usurios inmeras informaes sobre os vos, chegadas e partidas, horrio, nmero do vo, portes de embarque, plataformas. Para que as informaes sejam acessveis todos, elas devem ao menos ser comunicadas de forma visual e sonora. Essas informaes so dispostas em vrias lnguas, no mnimo a lngua local e uma lngua de uso internacional (como o ingls) em painis, digitais ou analgicos, e pelo sistema de udio do aeroporto. Desta forma pessoas das mais diversas localidades, sejam elas alfabetizadas ou no, com dificuldades em enxergar ou ouvir, podem compreender a informao. 31313131 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 31313131 Ilustrao 1 - Sinalizao visual informando sobre o ambiente Fonte: http://wangjianshuo.com/personal/places/pudongairport/shanghai.pvg-people.waiting.arrival.exit.jpg. Segundo Oliveira (2006), a componente Comunicao seria a condio de troca e intercmbio entre pessoas e entre pessoas e equipamentos de tecnologia assistiva (como terminais de computadores e telefones com mensagens de texto), que permitam o ingresso e uso do ambiente. O exemplo da ilustrao 2 mostra teclado para telefone, TDD telecommunications device for the deaf, que permite que pessoas com dificuldades de audio ou aquelas totalmente surdas, se comuniquem com outras pessoas por meio de texto j que dispe de visor. A outra ilustrao mostra um coral sendo traduzido na linguagem brasileira de sinais, Libras. A Libras uma importante ferramenta de auxilio a comunicao entre as pessoas, tenham elas dificuldades de audio ou de fala. No caso trazido na ilustrao 3, a Libras possibilitou a participao de pessoas com dificuldades de audio na atividade ali desenvolvida. Ilustrao 2 TDD Fonte: http://newweb.cistera.com. Ilustrao 3 - Traduo em Libras Fonte: http://www.ufmg.br 32323232 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 32323232 Deslocamento a ao de se fazer mudar de lugar ou posio. a pessoa ir onde ela queira em um determinado ambiente. Para as autoras, o ambiente deve propiciar um deslocamento [...] de forma independente em percursos livres de obstculos, que ofeream conforto e segurana ao usurio (OLIVEIRA, 2006). A ilustrao 4 mostra um grupo de pessoas cruzando uma faixa de pedestres por meio de uma guia rebaixada. Esse tipo de soluo, se bem elaborada, reduz a fadiga muscular, proporcionando, alm de conforto, segurana e autonomia aos pedestres. Apesar da imagem s mostrar pessoas em cadeiras de rodas, esta soluo proporciona igual conforto, segurana e autonomia todos as pessoas, de diferentes idades e habilidades, como uma me que leva seu beb em um carrinho, um idoso, uma pessoa que est engessada, entre outros. Ilustrao 4 - Pessoas cruzando uma faixa de pedestres por uma guia rebaixada Fonte: LOPZ, 2006. O Uso a condio que possibilita a utilizao dos equipamentos e a participao nas atividades fins (OLIVEIRA, 2006). Os equipamentos contidos no ambiente construdo devem propiciar o uso independente, confortvel e seguro para todos os cidados que deles necessitem. A ilustrao a seguir mostra uma pessoa que necessita de uma cadeira de rodas para se locomover. Por estar sempre sentada, a pessoa tem limitaes de alcance. Neste caso, o boto foi posicionado numa altura tal que todas as pessoas, independente de sua estatura, pudessem acion-lo sem maiores problemas, como uma criana ou um ano. Ilustrao 5 - Pessoa usando o elevador com autonomia e segurana Fonte: BRASIL, 2005. 33333333 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 33333333 Conclui-se, ento, que para se promover a acessibilidade em determinado ambiente, devem-se eliminar todas as barreiras existentes, que de alguma forma possam restringir as atividades do cidado, independente de suas habilidades ou limitaes, sem deixar de garantir-lhe independncia, conforto e segurana no ambiente construdo. 2.2. DESENHO UNIVERSAL A conceituao de Desenho Universal se fez necessria por ser uma das palavras-chave da NBR 9050 de 2004, sendo at definida na mesma, e por estar ligada aos mais recentes conceitos de acessibilidade, como j foi visto anteriormente. Sendo assim, ser realizado um breve histrico sobre o referido conceito, a fim de contextualiz-lo, antes de conceitu-lo. Segundo Bernard & Kowaltowski (2005) a evoluo do Desenho Universal comeou na dcada de 50, com projetos visando a incluso das pessoas com deficincia. J na dcada de 70, Europa e EUA comeam a dar nfase a solues especiais atravs de normalizaes e integrao, e surge a terminologia projeto acessvel. Ainda nessa mesma dcada, surge o barrier-free design, o projeto livre de barreiras, introduzido pelo arquiteto norte americano Michael Bednar. A idia era que a capacidade funcional, de todas as pessoas, seria realada quando as barreiras fsicas fossem removidas (BERNARD & KOWALTOWSKI, 2005). Anteriormente mostrou-se a classificao e implicaes das barreiras. Foi visto que alm das barreiras fsicas, tambm existem as atitudinais e de informao, e que a eliminao de apenas uma dessas, no implica a acessibilidade do local. Tendo em vista esse conhecimento, fica clara a falha neste tipo de projeto onde as barreiras ligadas ao preconceito e a informao so desconsideradas. S na dcada de 80, mais precisamente em 1985, surge o termo Desenho Universal DU criado pelo arquiteto Ron Mace (DISCHINGER et al, 2004). O arquiteto acreditava que o DU seria um estmulo percepo das necessidades humanas para que se pudesse, a partir da, projetar produtos que pudessem servir todas as pessoas, independente de suas limitaes ou habilidades (BERNARD & KOWALTOWSKI, 2005). Segundo o Centro para o Desenho Universal, CUD, da Universidade do Estado da Carolina do Norte, nos Estados Unidos da Amrica, a diferena bsica entre Desenho Universal e outros conceitos como acessibilidade, 34343434 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 34343434adaptabilidade e projeto livre de barreiras, que este pretende eliminar a necessidade de equipamentos e espaos especiais que, alm de embaraar e estigmatizar as pessoas, ainda so freqentemente mais caros (CUD, 2000). Sendo assim tem-se que Desenho Universal um conceito que reconhece, respeita, valoriza e pretende abranger a maior quantidade possvel de pessoas no desenho de todos os produtos, ambientes e sistemas de informao (CUD, 2000, traduo nossa). Segundo Dischinger et al (2001a, p.24) [...] bons exemplos de Desenho Universal atendem todos os usurios e usualmente passam despercebidos, pois somente podem ser identificados atravs do conhecimento das razes que motivaram as solues de desenho desenvolvidas. O CUD desenvolveu os sete princpios do Desenho Universal como parte do projeto Estudos para Auxiliar o Desenvolvimento do Desenho Universal. Estes princpios constituem uma importante ferramenta para projetistas e educadores, e sero apresentados a seguir de acordo com o CUD (2000). Princpio 1 Uso eqitativo a caracterstica do ambiente ou elemento espacial que faz com que ele possa ser usado por diversas pessoas, independente de idade e habilidade. Para ter o uso eqitativo deve-se: propiciar o mesmo significado de uso para todos; eliminar uma possvel segregao e estigmatizao; promover o uso com privacidade, segurana e conforto, sem deixar de ser um ambiente atraente ao usurio. Uma porta de acionamento automtico por sensor, um exemplo de uso eqitativo. Ela permite que todas as pessoas, independente de suas habilidades ou limitaes, altas ou baixas, em cadeira de rodas ou no, entrem facilmente nos recintos (ver ilustrao 6); Ilustrao 6 - Porta automtica Fonte: CUD, 2002. 35353535 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 35353535 Princpio 2 Uso flexvel a caracterstica que faz com que o ambiente ou elemento espacial atenda uma grande parte das preferncias e habilidades das pessoas. Para tal devem-se oferecer diferentes maneiras de uso, possibilitar o uso para destros e canhotos, facilitar a preciso e destreza do usurio e possibilitar o uso de pessoas com diferentes tempos de reao estmulos. A ilustrao 7 mostra um tipo de bancada de cozinha, projetada de modo que pudesse ser ajustada dos mais diversos modos. Ela possui quatro reas: preparo de alimentos; placa para cortes; lavagem; e cozimento. Essa bancada gira em torno de seu eixo e pode ser regulada em altura de 65 cm 95 cm. Desta forma, ela pode ser usada por pessoa mais baixas ou altas, crianas e adultos, pessoas em p ou sentadas, etc. Alm disso, seu projeto foi pensado de modo a ser flexvel destros e canhotos. Ilustrao 7 Bancada de cozinha Fonte: CUD, 2002. Princpio 3 Uso simples e intuitivo a caracterstica do ambiente ou elemento espacial que possibilita que seu uso seja de fcil compreenso, dispensando para tal, experincia, conhecimento, habilidades lingsticas ou grande nvel de concentrao por parte das pessoas. Como exemplo deste princpio, mostrado algo bem comum, e que grande maioria dos produtos traz: o manual de instrues com ilustraes. Esse tipo de informao visual extra facilita bastante a compreenso das instrues escritas contidas no manual, podendo tambm ser compreendida por pessoas analfabetas ou que desconheam o idioma do manual (ver ilustrao 8); 36363636 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 36363636 Ilustrao 8 Informao pictrica em um manual montagem de uma cadeira Fonte: CUD, 2002. Princpio 4 Informao de fcil percepo Essa caracterstica do ambiente ou elemento espacial faz com que este seja redundante e legvel quanto a apresentaes de informaes vitais. Essas informaes devem se apresentar em diferentes modos visuais, verbais, tteis fazendo com que a legibilidade da informao seja maximizada, sendo percebida por pessoas com diferentes habilidades cegos, surdos, analfabetos, entre outros. O interfone da ilustrao 9 apresenta este princpio do Desenho Universal. Possui grandes botes com pictogramas e texturas de modo a diferenciar uns dos outros. Alm disso, possui visor que possibilita ver a pessoa com quem se fala, o que auxilia bastante a comunicao, principalmente no caso de uma pessoa que tenha que se comunicar em linguagem de sinais, ou que por algum motivo esteja impossibilitada de falar; Ilustrao 9 Interfone que maximiza a percepo da informao Fonte: CUD, 2002. Princpio 5 Tolerncia ao erro uma caracterstica que possibilita que se minimizem os riscos e conseqncias adversas de aes acidentais ou no intencionais na utilizao do ambiente ou elemento espacial. Para tal devem-se agrupar os elementos que apresentam risco, isolando-os ou eliminando-os, empregar avisos de 37373737 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 37373737risco ou erro, fornecer opes de minimizar as falhas, e evitar aes inconscientes em tarefas que requeiram vigilncia. O anfiteatro abaixo (ver ilustrao 10) localizado na Universidade de Indiana, Estados Unidos, um bom exemplo deste princpio. As paredes e o piso tm cores contrastantes, o que auxilia as pessoas a se orientar no espao, principalmente as pessoas com dificuldade em enxergar. Os corredores entre uma arquibancada e outra so bem largos, de modo que as pessoas, mesmo em cadeira de rodas, se desloquem sem esbarrar nas outras que esto sentadas. Alm disso, os corrimos tm prolongamento nas extremidades, alertando as pessoas para o incio dos degraus, evitando acidentes. Ilustrao 10 Anfiteatro Bradford Woods Fonte: CUD, 2002. Princpio 6 Baixo esforo fsico Nesse princpio, o ambiente ou elemento espacial deve oferecer condies de ser usado de maneira eficiente e confortvel com o mnimo de fadiga muscular do usurio. Para alcanar esse princpio deve-se: possibilitar que os usurios mantenham o corpo em posio neutra; usar fora de operao razovel; minimizar aes repetidas; e minimizar a sustentao do esforo fsico. Um exemplo corriqueiro de elemento que obedece a esse princpio a maaneta de porta tipo alavanca. Esse tipo de maaneta possibilita a abertura da porta sem o uso das mos, podendo ser acionada pelo cotovelo, dedo, apenas o brao, etc. Isso muito til quando se est carregando coisas, ou at mesmo quando se tem alguma leso na mo, onde essa precise ser imobilizada. Na ilustrao 11 mostrada uma maaneta do tipo citado, contudo ela tem outras caractersticas que a fazem se destacar das demais. Alm do desenho da maaneta se adequar a forma da mo, ela possui ainda uma superfcie de atrito, possibilitando uma melhor pega do usurio; 38383838 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 38383838 Ilustrao 11 Maaneta que propicia melhor pega Fonte: CUD, 2002. Princpio 7 Dimenso e espao para aproximao e uso Essa caracterstica diz que o ambiente ou elemento espacial deve ter dimenso e espao apropriado para aproximao, alcance, manipulao e uso, independente de tamanho do corpo, postura e mobilidade do usurio. Desta forma, deve-se: implantar sinalizao em elementos importantes e tornar confortavelmente alcanveis todos os componentes para usurios sentados ou em p, acomodar variaes de mos e empunhadura, e por ltimo implantar espaos adequados para uso de tecnologias assistivas ou assistentes pessoais. O exemplo abaixo do Museu Nacional da Colmbia, em Bogot. Trata-se de um painel onde so expostas informaes sobre o museu e sobre as obras nele expostas. O painel foi projetado de tal forma que todas as pessoas, independente de idade e habilidades ou limitaes, pudessem ter acesso s informaes nele contidas. Na ilustrao 12 mostrada uma pintura do general Bolvar, em seqncia sua representao ttil no painel e um desenho em perspectiva do painel. Observa-se a altura utilizada de 87 cm, visando favorecer pessoas de variadas estaturas. Nota-se tambm uma abertura central visando aproximao de usurios de cadeiras de rodas, alm da barra lateral para que as pessoas possam se apoiar, o que auxilia principalmente as pessoas com dificuldade em se equilibrar. Ilustrao 12 Painel informativo do Museu Nacional da Colmbia Fonte: CUD, 2002. 39393939 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 39393939 Com a exposio dos princpios e dos exemplos acima, ficam evidentes as vantagens do Desenho Universal, principalmente do ponto de vista do conforto e segurana das pessoas. Como o uso do ambiente e objetos se torna atrativo s pessoas, por todas as caractersticas dos sete princpios, acredita-se que o Desenho Universal seja um bom investimento, tanto em qualidade de vida como em aspectos econmicos. Um estabelecimento comercial que teve em seu projeto a preocupao com o Desenho Universal, tem maiores chances de atrair maior nmero de consumidores do que um outro estabelecimento, por exemplo. Ao possibilitar a participao de todos no espao construdo, o DU se mostra uma poderosa ferramenta para a incluso social. 2.3. DEFICINCIA E RESTRIO Indivduos com deficincias j faziam parte da ordem social antes mesmo da evoluo do homem, o que comprovado por evidncias antropolgicas de indivduos com deficincia vivendo em grupos pr-histricos de primatas (BRADDOCK & PARISH, 2000). Na civilizao greco-romana, aproximadamente entre os sculos X a.C. e V d.C., as deficincias eram bastante comuns, principalmente pelas doenas, guerras, falta de cuidados pr-natais, desnutrio e leses decorrentes do trabalho pesado. Contudo, o governo garantia suporte financeiro aos adultos com deficincia, contanto que estes comprovassem real incapacidade de realizar tarefas economicamente rentveis (BRADDOCK & PARISH, 2000). Na Idade Mdia surgiram os primeiros hospcios, que serviam de refgio para as pessoas com deficincia. Logo aps, cerca do sculo XVI, surgem as primeiras instituies de segregao de pessoas, no caso os doentes de Hansenase tambm conhecida como lepra. Nesta poca tambm era comum pensar as deficincias, principalmente deficincia mental, surdez e epilepsia, como tendo causas sobrenaturais ou demonacas (BRADDOCK & PARISH, 2000). Segundo Oliveira (2006), na era Moderna clara a busca de solues tcnicas que tentam amenizar as dificuldades de pessoas com deficincia, evidenciada pelos vrios inventos que foram criados para propiciar meios de trabalho e de locomoo a essas pessoas, tais como a cadeira de rodas, as bengalas, as muletas, os coletes, as prteses, etc. 40404040 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 40404040 Em 1975, a ONU promulgou a Declarao dos Direitos da Pessoa Deficiente, definindo que o termo pessoa deficiente refere-se a qualquer indivduo incapaz de assegurar a si mesmo, total ou parcialmente, o atendimento s necessidades de uma vida individual ou social normal, em decorrncia de uma deficincia, congnita ou no, em suas capacidades fsicas ou mentais (LOPES, 2005). Essa definio considera a pessoa com deficincia como incapaz. No se tinha conscincia de que em um ambiente acessvel e dispondo de uma tecnologia assistiva adequada, uma pessoa com deficincia pode participar, sem maiores limitaes, das atividades que ali houver. Aproximadamente a partir da metade do sculo XX, a histria da evoluo do conceito de deficincia se confunde com a da acessibilidade, j mostrada neste trabalho. De qualquer maneira, neste perodo pode-se observar a expanso de instituies para pessoas com deficincia; o desenvolvimento de aes em prol das pessoas com deficincia, em especial a fsica; o desenvolvimento das organizaes de pais, amigos de deficientes e deficientes; a ascenso de polticas de incluso e direito a tratamento, etc. (BRADDOCK & PARISH, 2000). Acredita-se que hoje a sociedade j comea a compreender que a pessoa com deficincia uma pessoa como outra qualquer, com habilidades e limitaes. A NBR 9050 de 2004 define deficincia como uma reduo, limitao ou inexistncia das condies de percepo, mobilidade e utilizao de ambientes construdos, em carter temporrio ou permanente (ABNT, 2004). Desta forma, o termo estigmatiza a pessoa, pois imprime um carter de incapacidade mesma, a partir do momento que fala em reduo, limitao ou inexistncia das condies. Como foi visto anteriormente, mesmo que a pessoa tenha dificuldades sejam elas de locomoo, audio, visual, etc. o ambiente pode auxiliar tanto na eliminao dessas dificuldades como tambm pode aumentar a dificuldade. Uma pessoa que tem uma deficincia nas pernas que a impede permanentemente de andar tem grandes chances de ter dificuldades, em alguns momentos, para realizar atividades referentes, principalmente, ao deslocamento. Para auxiliar na reduo dessa limitao, faz uso de uma cadeira de rodas. Desta forma, em um ambiente acessvel dificuldade quanto ao deslocamento anulada. A pessoa conseguir se locomover e desempenhar qualquer atividade que exija deslocamento nesse ambiente em grau de igualdade com uma pessoa que no tenha deficincia. Sendo assim, a deficincia fisiolgica, nesse caso no ocasionou uma limitao. vlido frisar que no so apenas as pessoas com deficincia que podem sofrer esse tipo de 41414141 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 41414141dificuldade. Uma pessoa, mesmo no apresentando nenhuma deficincia, mas com o p machucado, cimbra ou ainda com um carrinho de beb, tambm teria uma limitao quanto ao deslocamento em um ambiente no acessvel. Sendo assim, o termo deficincia usado neste trabalho, assim como em Oliveira (2006), ser referente a problemas especficos de disfunes fisiolgicas, no fazendo nenhuma meno habilidades ou limitaes do indivduo. Para a classificao de deficincia ser utilizado Dischinger et al (2001a), que elaborou uma classificao onde foram priorizadas as relaes entre os indivduos e o meio-ambiente. Isto porqu as demais classificaes que existem no Brasil tm o foco voltado para as questes mdicas da deficincia. Dessa forma a classificao de deficincia se dividir da seguinte forma: deficincias sensoriais, deficincias cognitivas, deficincias fsico-motoras e deficincias mltiplas. 1. Deficincias sensoriais so aquelas que causam srias perdas na capacidade do sistema de percepo, gerando assim dificuldades na percepo das informaes, tanto as vindas do ambiente como das pessoas. Pessoas com surdez ou cegueira, so exemplos de indivduos que tm este tipo de deficincia; 2. Deficincias cognitivas enquanto a deficincia sensorial est ligada a percepo das informaes, a deficincia cognitiva est relacionada a compreenso e ao tratamento da informaes, podendo gerar dificuldades de concentrao, memria e raciocnio. Pessoas com sndrome de Down ou paralisia cerebral, so exemplos de indivduos que tm este tipo de deficincia; 3. Deficincias fsico-motoras referente capacidade de motricidade do indivduo, podem causar limitaes nas atividades que exijam esforo fsico, coordenao motora, preciso, mobilidade, entre outros. Pessoas com paralisia infantil ou que tiveram membros amputados, so exemplos de indivduos que tm este tipo de deficincia; 4. Deficincias mltiplas quando uma pessoa tem dois ou mais tipos de deficincia ao mesmo tempo, diz-se que ela tem deficincia mltipla. Pessoas com deficincia visual e com paralisia nos membros inferiores, so exemplos de indivduos que tm este tipo de deficincia. 42424242 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 42424242 Como j foi dito, a acessibilidade visa eliminar as limitaes que o indivduo encontra na vivncia de um ambiente construdo. Sendo assim necessrio compreender as necessidades advindas destas limitaes. Tendo em vista a diversidade do ser humano seria muito difcil uma classificao das distintas habilidades e limitaes. Dischinger et al (2004) diz que, apesar de [...] qualquer tentativa de classificao [ser] necessariamente incompleta, [...] fundamental a existncia [...] de classificaes para que possamos compreender como o ambiente pode melhor se adequar a indivduos com diferentes habilidades e necessidades. A Organizao Mundial de Sade, OMS, procurou produzir uma classificao internacional de sade que fosse nica em uso, significados e conceitos para todos, como uma linguagem comum (WHO, 2004). Segundo o Centro Brasileiro de Classificao de Doenas, CBCD, que colabora com a OMS para a Famlia de Classificaes Internacionais, at o presente momento, as classificaes da OMS relacionadas sade so: ICD Classificao Estatstica Internacional de Doenas e Problemas Relacionados Sade Atualmente est em sua dcima reviso, sendo a ltima de uma srie que se iniciou em 1893 como a Classificao de Bertillon ou Lista Internacional de Causas de Morte. a mais antiga das classificaes e v as deficincias apenas como patologia como frisa Lopes (2005); ICF Classificao Internacional de Funcionalidades, Incapacidades e Sade uma reviso da Classificao Internacional de Deficincias, Incapacidades e Limitaes, ICIDH, publicada inicialmente pela Organizao Mundial da Sade em carter experimental em 1980. Em 1993, decidiu-se iniciar o processo de reviso da ICIDH. Essa verso, que foi chamada preliminarmente de ICIDH 2, foi desenvolvida aps estudos de campo sistemticos e consultas internacionais. Aps as duas verses Beta, a ICF foi aprovada pela Assemblia Mundial de Sade em 22 de maio de 2001, resoluo WHA54.21 (CBCD, 200-). a classificao relacionada a sade do indivduo, suas condies corporais e seu desempenho para a realizao de uma atividade e de participao na sociedade (OLIVEIRA, 2006). Segundo Dischinger et al (2004) a ICF traz uma questo positiva nunca antes mencionada, que seria o termo funcionamento, que seria um termo que engloba todas as funes do corpo, atividades e participao, [...] [denotando] os aspectos positivos da 43434343 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 43434343interao entre um indivduo (com uma condio de sade) e seus fatores contextuais individuais (fatores ambientais e pessoais) ICF (CBCD, 200-). Um conceito encontrado na ICF que ser amplamente utilizado neste trabalho, o de restrio, ou restrio de participao. Para a ICF (CBCD, 200-), este termo se caracteriza por (...) problemas que um indivduo pode enfrentar no envolvimento nas situaes da vida. A presena da restrio de participao determinada pela comparao entre a participao individual com aquela esperada de um indivduo sem deficincia naquela cultura ou sociedade (CBCD, 200-). Sendo assim, observa-se que a restrio no uma condio inerente apenas s pessoas com deficincias, j que restrio est ligada a interao do indivduo e o meio. Um turista sem prvio conhecimento da lngua e da cultura do pas que visita, sofre srias restries de participao, de tal forma que, sem algo que lhe auxilie, provavelmente passar por severas privaes, de maneira similar uma pessoas que necessite de uma cadeira de rodas para se locomover ao se deparar com uma escada como nico meio de entrada em uma edificao, ou com objetos postos em alturas elevadas, impossibilitando o alcance. A restrio, portanto refere-se interao entre o indivduo e o meio construdo. Diz-se ento que um indivduo sofre restrio na realizao de determinada atividade dentro de certo espao construdo. Visando uma melhor compreenso do tema, ser elaborada uma classificao de restrio que ter como referncia as quatro componentes da acessibilidade espacial de Dischinger e Ely (apud OLIVEIRA, 2006): Orientao; Comunicao; Deslocamento; e Uso. Ser conceituada cada restrio, com referencia direta as componentes acima citadas, e em seguida sero dados exemplos de situaes sem e com restrio. 1. Restries de Orientao diz respeito s dificuldades para orientar-se em ambientes, devido a presena de barreiras que dificultam ou impedem a percepo das informaes ou o seu tratamento cognitivo. Pessoas com deficincia sensoriais ou cognitivas esto mais sujeitos a sofrerem restries de orientao. Por exemplo, uma pessoa que no enxerga tem grandes chances de sofrer restries quando deseja se orientar em um ambiente. Isto porque a principal forma de informao no ambiente construdo a visual. Contudo, se o ambiente oferecer outras 44444444 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 44444444formas de informao ttil, sonora, olfativa a pessoa, mesmo tendo uma deficincia visual, ter melhores condies de se localizar e orientar no ambiente, melhorando seu desempenho. Uma pessoa sem deficincia tambm pode sofrer esse tipo de restrio. Por exemplo, se um brasileiro viaja ao Japo sem o prvio conhecimento da lngua japonesa, e visita uma edificao onde s h sinalizao escrita em japons. Essa pessoa ter dificuldade ou at estar impedida de saber onde esto os ambientes para onde deseja ir banheiro, restaurante, administrao, etc. Na ilustrao 13 h uma pessoa com deficincia visual que no est sofrendo restrio de orientao, j que no ambiente h um mapa ttil da planta baixa da edificao, informando a localizao atual da pessoa e onde esto os demais ambientes. Alm disso, ao lado do mapa h uma maquete em escala reduzida da edificao, que possibilita que a pessoa tenha tambm uma noo tridimensional do espao. A ilustrao 14 mostra como um ambiente pode dificultar a orientao para qualquer pessoa, com ou sem deficincia. Nesta edificao todas as portas so da mesma cor e no h uma sinalizao eficiente, pois alm de ser apenas em texto, sendo esse muito pequeno e difcil de ser compreendido, ainda est mal localizada. Ilustrao 13 Sem restrio de orientao Fonte: CUD, 2002. Ilustrao 14 Com restrio de orientao 2. Restries de Comunicao diz respeito s dificuldades para comunicar-se seja diretamente pessoa/pessoa ou indiretamente pessoa/tecnologia assistiva em ambientes, devido a presena de barreiras que dificultam ou impedem: a percepo das informaes transmitidas pela pessoa com quem se fala; ou o uso das tecnologias 45454545 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 45454545assistivas para fins de comunicao indireta. Pessoas com deficincia auditiva ou que tenham distrbios da fala, so mais suscetveis a sofrer restrio de comunicao. Por exemplo, uma pessoa que no ouve e no fala tem grandes chances de sofrer restries de comunicao. Se no ambiente houver uma elemento que auxilie essa pessoa a se comunicar, como um TDD, no haver restrio de comunicao, mesmo a pessoa tendo deficincia de fala e audio. Esse exemplo vem novamente reforar a idia que a restrio est na interao entre o indivduo e o ambiente ao desenvolver certa atividade, pois nesse caso no adiantaria o ambiente dispor de um TDD se a pessoa fosse analfabeta, uma vez que a informao passada escrita. O interfone instalado nos elevadores outro exemplo desse tipo de restrio, pois geralmente s possibilita a comunicao verbal. No caso de uma pessoa, mesmo sem ter deficincia, ter um ataque de asma ou de pnico que a impea de falar, mesmo que temporariamente, ela ter restrio de comunicao dentro deste ambiente. Neste exemplo, esta restrio de comunicao poderia ter conseqncias graves sade da pessoa. A ilustrao 15 mostra uma sala de aula que dispe de computadores para todos os alunos e projetor multimdia para exposies de professores e dos prprios alunos. Pode-se dizer que nesse ambiente h pouca chance de ocorrer restries de comunicao, pois as pessoas dispem de recursos multimdia para se expressar. Contudo se as pessoas no souberem usar o computador, sofrero a restrio. A ilustrao 16 mostra uma reunio de pessoas de vrios pases. Para evitar a provvel dificuldade de comunicao, uma vez que h uma diversidade de idiomas, o ambiente dispe de fones de ouvido para que a pessoa possa ouvir as informaes, no idioma que lhe convir. Ilustrao 15 Ambiente possibilita a no restrio de comunicao Fonte: http://www.agrosol.com.br Ilustrao 16 Sem restrio de comunicao Fonte: http://www.info.planalto.gov.br 46464646 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 464646463. Restries ao Deslocamento diz respeito s dificuldades para deslocar-se em ambientes, seja qual for o sentido, devido presena de barreiras que dificultam ou impedem o movimento, tornando-se at mesmo um risco a integridade fsica. Pessoas com deficincia fsico-motoras tm mais chances de sofrer restries de deslocamento. Uma pessoa que tem paralisia nas pernas tem grandes chances de sofrer, em algum momento, srias restries ao deslocamento. Contudo, se esta pessoa fizer uso de uma cadeira de rodas, as chances dessa restrio ocorrer diminuem, pois mesmo usando a cadeira, se o ambiente no for acessvel, haver a restrio. Da mesma forma, uma pessoa puxando malas de viagem com rodas sofrer restrio de deslocamento se o ambiente no for acessvel. Na ilustrao 17 a pessoa, mesmo usando cadeira de rodas, teve bom desempenho na realizao da atividade de deslocamento vertical no ambiente. Este dispunha de um elemento que possibilitou a realizao da atividade com segurana, autonomia e conforto. Desta forma no houve restrio. J na ilustrao 18, a pessoa mesmo sem ter deficincia, obteve resultado negativo no deslocamento no ambiente, devido a um elemento a placa de sinalizao posicionado em altura baixa, impossibilitando a passagem com segurana. Desta forma, nessa interao entre pessoa e ambiente houve uma restrio de deslocamento, j que este oferece risco integridade fsica da pessoa. Ilustrao 17 Sem restrio de deslocamento Fonte: http://www.handiramp.com Ilustrao 18 Com restrio de deslocamento Fonte: BRASIL, 2005. 47474747 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 474747474. Restries de Uso diz respeito s dificuldades em usar os elementos de ambientes, devido presena de barreiras que dificultam ou impedem a aproximao e manipulao dos mesmos. Pessoas com deficincia fsico-motoras tm mais chances de sofrer restries de deslocamento. Por exemplo, uma pessoa an ou em cadeira de rodas tem grandes chances de sofrer em algum momento este tipo de restrio, quando necessite ou queira usar um elemento do espao. Isso porque os ambientes geralmente no so pensados para acolher todas as pessoas, inclusive aquelas que tm alcance vertical reduzido. Em um supermercado que disponha os produtos em prateleiras muito altas, ou quando no h telefones pblicos ou mquinas de auto-atendimento de altura mais baixa, as pessoas com alcance vertical menor, como cadeirantes, anes e crianas, sofrem restries de uso. A ilustrao 19 mostra uma situao onde uma pessoa utiliza uma mquina de auto-atendimento, provavelmente de uma instituio financeira. Apesar de estar sentada em uma cadeira de rodas, a pessoa no teve dificuldades em utilizar esse equipamento. Isso porque o elemento possui caractersticas que possibilitam que um grande nmero de pessoas o utilizem, como: baixa altura do visor, que permite o uso de pessoas com baixo alcance vertical; visor inclinado, que permite que pessoas de diferentes estaturas possam ver as informaes; Touchscreen que permite a seleo de comando com o toque; visor colorido, que permite uma melhor identificao das informaes mostradas; entre outros. A ilustrao 20 mostra uma restrio de uso na realizao de uma atividade de lazer. A poltrona do cinema no foi pensada a comportar pessoas obesas. Desta forma, a pessoa, mesmo no tendo nenhuma deficincia, sofre restrio. Ilustrao 19 Sem restrio de uso Fonte: LOPZ, 2006. Ilustrao 20 Com restrio de uso Fonte: BRASIL, 2005. 48484848 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 48484848 Desta forma tm-se as quatro classificaes de restrio: de orientao, de comunicao, de deslocamento e de uso. vlido frisar que as pessoas ainda podem sofrer um outro tipo de restrio, a restrio mltipla, que seria a ocorrncia de vrias restries em um mesmo evento. Pde-se observar que a deficincia no tem necessariamente uma relao direta com a capacidade do indivduo. Isso quer dizer que deficincia no igual a incapacidade, como comum se pensar. Alm disso, viu-se que a restrio, ou a dificuldade em realizar determinada tarefa, no est no indivduo, mas sim na relao entre este e o ambiente no qual est inserido. Desta forma qualquer pessoa, com deficincia ou no, pode sofrer restries em um determinado momento. Isto depender das condies fsicas, sensoriais, cognitivas e psicolgicas da pessoa e das caractersticas do ambiente e seus elementos se acessveis ou no. 2.4. ANTROPOMETRIA A antropometria a cincia que trata das medidas fsicas do corpo. Segundo Martins e Waltortt (in PETROSKI, 1999, p. 11), ela detm importncia fundamental nos estudos do homem, e a partir de suas tcnicas so possveis estudos da composio corporal. Sendo assim, indispensvel a sua abordagem nesta dissertao, j que esta prope analisar a NBR 9050, cujos parmetros se baseiam nas medidas humanas. H muito tempo o homem j tem conscincia das propores entre as partes do corpo. Um bom exemplo disto est na civilizao egpcia que, entre os sculos XXXV e XXII a.C., utilizavam como unidade de medida o comprimento do dedo mdio do sacerdote (MICHELS, 2000). No decorrer da histria, podemos citar alguns estudiosos que se destacaram em trabalhos sobre as medidas e propores do corpo humano: Marcus Vitruvius Pollio, Vitrvio Engenheiro e arquiteto romano que, por volta do ano 15 a.C., defendeu em sua obra o conceito do homem vitruviano. Tal conceito considerado um cnone das propores do corpo humano, segundo um determinado raciocnio matemtico e baseando-se, em parte, na divina proporo (WIKIPDIA, 2006a); 49494949 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 49494949 Marco Polo Considerado o pai da Antropologia Fsica. Em relatos sobre suas viagens ao redor do mundo (1273-1295), revelou a existncia de um grande nmero de raas diferentes, em termos de dimenses e estruturas do corpo humano (GODOY, 2004); Leonardo Da Vinci Por volta de 1490, Da Vinci produz um estudo das propores e da anatomia humana, baseado nos conceitos de Vitrvio (WIKIPDIA, 2006b); Ilustrao 21 O Homem Vitruviano de Leonardo Da Vinci Fonte: WIKIPDIA, a enciclopdia livre, 12 mar. 2006. Albrecht Durer Publica em 1528 sua obra Four Books of Human Proportions e com isso d incio a Antropometria Cientfica (RODRIGUES, 2003); Lambert Adolfhe James Quetelet Aplica, em 1841, a estatstica na antropometria (SALVENDY, 1997, p. 220). considerado o pai da antropometria cientfica (PETROSKI, 1999, p. 18). Segundo Itiro Iida (2005, p. 98), antes da dcada de 40 as medidas antropomtricas visavam determinar apenas algumas grandezas mdias da populao, como pesos e estaturas. A partir desta poca, os estudos antropomtricos tomaram impulso, devido a carncia de medidas mais confiveis, motivados pela produo em massa e pela globalizao, que promoveu grande movimento migratrio de pessoas ao redor do mundo. Atualmente j se pensa em estabelecer os padres mundiais de medidas antropomtricas para a produo de produtos universais, adaptveis aos usurios de diversas etnias (IIDA, 2005, p. 98). 1. Diversidade antropomtrica No existem seres humanos iguais fisicamente, salva a possibilidade da existncia de clones humanos. O maior responsvel por est desigualdade o nosso DNA, pois existem 50505050 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 50505050em torno de 2,4 x 109 possveis combinaes (SALVENDY, 1997, p. 224). Alm do DNA, existem outros fatores que contribuem para a diversidade antropomtrica como, por exemplo: 1. Sexo A populao masculina tende a ser maior (estatura) que a feminina, salvo algumas excees (IIDA, 2005, p.98). Contudo, algumas medidas so significativamente comparveis, como a medida da menor perna e a circunferncia das ndegas (SALVENDY, 1997, p. 225, traduo nossa); 2. Idade fcil observar que as dimenses e propores corporais mudam no decorrer da idade de uma pessoa. Estas mudanas que ocorrem durante a vida so chamadas por Iida (2005, p. 99) de variaes intra-individuais. Entre estas variaes destacam-se trs aspectos: as partes do corpo crescem em diferentes velocidades; estas diferentes velocidades fazem com que as propores corporais sejam diferentes em cada idade; e algumas pessoas crescem mais rpido que outras. O envelhecimento um processo biolgico natural e inevitvel [...] (GONALVES, 2004, p. 46). Neste processo o corpo comea a declinar em diversos aspectos, como por exemplo: o Estatura por volta dos 40 anos a estatura da maioria das pessoas comea a se reduzir, reduo esta que se acelera com a idade (HEDGE, 2005); o Fora Muscular [...] o ponto mximo da fora muscular para homens e mulheres fica entre os 25 e 35 anos de idade [ ] entre 50 e 60 anos de idade [a pessoa] s dispe de 75 a 85 % de sua fora mxima original (GRANDJEAN, 1998, p.34), e; o Psicomotricidade com a idade os movimentos e o tempo de reao tornam-se cada vez mais lentos, descrevendo um processo contnuo (IIDA, 2005, p.372); 3. Etnia Diversos estudos antropomtricos realizados durante vrias dcadas comprovaram a influncia da etnia nas medidas antropomtricas (IIDA, 2005, p.101). Isto enfatizado por Petroski (1999) quando o mesmo frisa a observao de tal aspecto [etnia] na elaborao de equaes antropomtricas. 51515151 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 51515151 Iida (2005, p.101) ilustra bem esta influncia comparando a estatura mdia entre homens pigmeus da frica Central, 143,8 cm, e homens da regio sul do Sudo, 182,9 cm; 4. Variaes seculares a tendncia do crescimento (estatura) da populao com o passar do tempo. Isto se deve principalmente as constantes melhorias nas condies de vida da populao de modo geral, onde esto englobados aspectos de sade, hbitos alimentares, a prtica de esportes, etc. (IIDA, 2005, p.106). Este fenmeno tambm denominado Tendncia Secular em Estatura, TSE, que definida como a ocorrncia de alteraes na idade em que se atinge uma determinada estatura na infncia ou adolescncia, ou a estatura final alcanada pela populao adulta de um pas (Van Wieringen apud KAC, 1999); 5. Mudanas dirias Segundo Kroemer (in SALVENDY, 1997, p. 225) uma pessoa pode ao longo do dia ter variaes de peso de at 1 kg s pela influncia da gua no organismo, e ter variaes de estatura de at 5 cm devido ao estreitamento dos discos intervertebrais; 6. Profisso Um grupo de trabalhadores braais tero diferenas antropomtricas visveis se comparado a grupo de executivos (SALVENDY, 1997, p. 225); 7. Clima Segundo Iida (2005, p.103), povos de regies quentes tm o corpo mais fino e membros relativamente mais longos. J os de regies frias tm o corpo mais cheio, so mais volumosos e arredondados. 2. Tipos de medio Existem trs tipos bsicos de medies antropomtricas: esttica, dinmica e funcional. A escolha de um tipo ou de outro ser definido pelo uso que ser destinada as medidas, bem como o local de sua aplicao (IIDA, 2005, p.109). Antropometria esttica Segundo Russo (1998, p.4), antropometria esttica aquela em que as medidas se referem ao corpo parado ou com poucos movimentos. Esta medio das dimenses do corpo parado muito utilizada em projetos de portas, 52525252 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 52525252mesas, cadeiras, equipamentos pessoais, dentre outros (Barros apud SANTANNA, 2000). Na ilustrao 22, uma cena bem corriqueira, uma pessoa mede a estatura de outra, que se encontra em p e ereta. Ilustrao 22 Exemplo de medio antropomtrica esttica Fonte: SALEM, 2003. Antropometria dinmica Autores como Hedge (2005) e Santanna (2000), consideram-na como sendo aquela medio do corpo em movimento ou executando alguma tarefa. Na antropometria dinmica os movimentos de cada parte do corpo so medidos mantendo-se o resto do corpo esttico. Este tipo de medio usado para, por exemplo, delimitar uma rea de alcance confortvel e posteriormente delimitar o espao onde sero dispostos controles de mquinas. Na ilustrao 23 mostrado um campo quadriculado onde descrita uma curva em vermelho representando o movimento de alcance de uma pessoa em p, apenas elevando o brao reto, tendo como eixo o ombro; Ilustrao 23 Exemplo de medio antropomtrica dinmica Fonte: Edio de imagem sobre cone de Iida, 2005. Antropometria funcional Segundo Iida (2005) e Russo (1998), neste tipo de medio antropomtrica so levados em considerao todos os movimentos que o corpo faz 53535353 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 53535353para desempenhar determinada funo. Na ilustrao 24 mostrada a mesma imagem da ilustrao 23, s que descrevendo a curva em azul, que representa o alcance de uma pessoa com o corpo em movimento. Pela curva observa-se que a pessoa abaixa-se e depois estica seu corpo para descrever uma curva mxima. Ilustrao 24 Exemplo de medio antropomtrica funcional Fonte: Edio de imagem sobre cone de Iida, 2005. 3. Definio de medidas Para se definir as medidas antropomtricas necessria a descrio dos pontos entre os quais sero realizadas as medidas. Contudo, para uma melhor compreenso e utilizao dos dados obtidos, devem-se descrever outros aspectos da medio, como: postura do corpo, os instrumentos utilizados, a(s) tcnica(s) utilizada(s), alm de outras condies que se fizerem necessrias. (IIDA, 2005, p.110). A ilustrao abaixo expe alguns dos instrumentos utilizados na tomada das medidas antropomtricas. Ilustrao 25 Instrumentos de Medio (01. Fita mtrica / 02. Compasso Lange/ 03. Balana/ 04. Paqumetro) Fonte: SALEM, 2003. 54545454 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 54545454 Bons exemplos de definio de medidas so encontrados no livro Antropometria: tcnicas e padronizaes, organizado por Petroski (1999), onde so descritas vrias medies, dentre as quais: comprimentos, alturas, permetros, etc. Nestas medies a definio descrita na seguinte ordem: 1. Introduo breve definio do que est sendo medido; 2. Finalidade como o prprio nome j diz, informa a finalidade da medio; 3. Instrumentos descreve os instrumentos utilizados; 4. Consideraes gerais descreve, por exemplo, de qual lado do corpo foram realizadas as medidas, quantas medies realizar para validar o resultado, etc. 4. Mtodo de medidas Os mtodos de medidas antropomtricas so dois: o mtodo direto e o mtodo indireto. A diferena entre os dois est relacionada aos instrumentos utilizados, e o contato destes com o corpo (IIDA, 2005, p.111-112). Mtodo direto Aqui so usados instrumentos que requerem contato fsico com o corpo (trenas, balanas, adipmetro, etc.) (ver ilustrao 26). A confiabilidade e a preciso dos dados obtidos so suficientes para propsitos prticos, como um pr-dimensionamento de um projeto, e sua aplicao simples e direta; Ilustrao 26 - Exemplo de Mtodo Direto (medida do permetro do abdome) Fonte: SALEM, 2003. Mtodo indireto Utiliza-se geralmente a fotografia do corpo ou partes dele contra uma malha quadriculada (IIDA, 2005, p.112). Com o advento das novas tecnologias, novos instrumentos foram utilizados para promover maior confiabilidade aos dados obtidos. o caso das tcnicas de fotogrametria digital (ver ilustrao 27) e de raio laser. 55555555 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 55555555 Ilustrao 27 - Exemplo do uso da fotogrametria digital para se obter medidas do nariz Fonte: HOCHMAN, 2002. 5. Estatstica aplicada a antropometria Muitas medidas biolgicas e psicolgicas seguem uma distribuio normal ou de Gauss2. Nesta distribuio, as maiores freqncias se concentram nas classes centrais e elas vo decrescendo simetricamente nas duas extremidades (IIDA, 2005, p. 114). Esta distribuio representada pela mdia, que corresponde a mdia aritmtica, e o desvio-padro, que o grau de variabilidade dessa medida. Tendo esses dois parmetros, mdia e desvio-padro, possvel calcular o intervalo de confiana para os percentis desejados, multiplicando-os pelos seus respectivos coeficientes (IIDA, 2005, p.114-116) (ver tabela 1). PERCENTIL COEFICIENTE 50% - 50% 0,00 25% - 75% 0,67 20% - 80% 0,84 16,6% - 83,5% 1,00 10% - 90% 1,282 5% - 95% 1,645 2,5% - 97,5% 1,960 1% - 99% 2,326 0,5% - 99,5% 2,576 Tabela 1 - Percentis e seus coeficientes em destaque o percentil do exemplo a seguir Fonte: IIDA, 2005. 2 Johann Karl Friedrich Gauss, em 1794 fundamentou as bases matemticas de sua famosa curva, que indicava a tendncia central dos fenmenos astronmicos. Em 1841, Lambert Adolphe Quetelet aplicou os mtodos estatsticos no estudo dos seres humanos, e descobriu que poderia ser usada a teoria de Gauss (SALEM, 200-). 56565656 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 56565656 Para tornar estes dados mais claros tem-se o seguinte exemplo: supondo que a estatura mdia de mulheres de uma populao qualquer seja 162,5 cm e desvio-padro de 6,5 cm, para os percentis de 5% e 95% (coeficiente = 1,645, conforme tabela acima), percentis mais usados em projetos de antropometria, temos os seguintes resultados: Para 5% 162,5 - (6,5 x 1,645) = 151,8 cm Para 95% 162,5 + (6,5 x 1,645) = 173,2 cm Isto quer dizer que 5% das mulheres desta populao tm estatura inferior 151,8 cm e outros 5% tem estatura superior 173,2 cm. Os outros 90% (intervalo de confiana) de mulheres tm estaturas que variam neste intervalo. 6. Tabelas de medidas antropomtricas Existem modelos matemticos formulados para calcular medidas desconhecidas em funo de uma medida conhecida. No entanto o uso desses clculos no indicado por apresentar erros, e por no poder ser aplicado em populaes de grandes miscigenaes (IIDA, 2005, p.133-134). Como se pde observar at agora, para se conseguir dados antropomtricos confiveis, o ideal realizar as medidas antropomtricas na populao a que se destina o estudo, uma vez que h uma infinidade de fatores que influenciam na diversidade antropomtrica. Contudo, se a inteno do uso dos dados for um pr-dimensionamento pode-se recorrer as tabelas de medidas antropomtricas. Existem vrias tabelas de medidas antropomtricas na literatura internacional. A maioria delas realizada com militares, o que um agravante, pois na seleo para esta profisso so excludas vrias tipologias humanas (obesos, pessoas muito baixas, pessoas muito altas, pessoas com deficincia, etc.). Na bibliografia consultada, destacam-se quatro tabelas internacionais. Iida (2005, p.116-120) destaca as tabelas da norma alem DIN 33402 e as tabelas de Panero e Zelnik. Kroemer (in SALVENDY, 1997, p. 228) destaca as tabelas de medidas do exrcito norte americano de Gordon. Grandjean (1998) destaca as medidas da populao alem publicadas por Pheasant em 1986. 57575757 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 57575757 No Brasil no existem medidas antropomtricas abrangentes e confiveis. Existem, no entanto, diversos levantamentos, quase sempre restritos a determinadas regies e profisses. Destes Iida (2005, p.120-122) destaca dois: D. M. P. Ferreira Levantamento realizado pelo Instituto Nacional de Tecnologia em 1988. Foram tomadas medidas de 42 variveis antropomtricas e 3 biomecnicas, de 3100 trabalhadores homens adultos, em 26 empresas do Rio de Janeiro. Alm destas, foram tomadas mais 26 variveis, destinadas confeco de vesturio; Couto Resultados resumidos de um levantamento realizado com 400 trabalhadores masculinos da regio paulista do ABC, publicado em 1995. Iida (2005, p.122), comparando as medidas internacionais com as brasileiras chegou a concluso que as brasileiras so ligeiramente menores, em torno de 4% no mximo. O autor ainda faz algumas consideraes sobre esta diferena, como: Variaes inter-individuais, referentes a idade das pessoas das diferentes amostras; Variaes seculares, referentes a poca em que os levantamentos foram realizados; Variaes pelo critrio de amostragem, uma vez que muitos casos foram baseados em militares ou trabalhadores industriais, o que no representa a populao em geral; Variaes pelos critrios de medio, pois em muitos casos no havia especificao sobre a postura corpo ereto ou relaxado , sobre as vestimentas da amostra com roupa, sem roupa, tipo de roupa etc. Desta forma, na ausncia de medidas brasileiras confiveis, o autor supracitado recomenda o uso de tabelas internacionais, uma vez que essas pequenas diferenas no chegam a comprometer a soluo da maioria dos problemas em ergonomia (IIDA, 2005, p.122). Contudo, Iida frisa que para projetos que requerem maior preciso, estes dados s devem ser utilizados para uma primeira aproximao. Aps esta fase, altamente recomendado que se faam ajustes utilizando uma amostra de possveis usurios. 7. Princpios para aplicao de dados antropomtricos Iida (2005, p.138-140) define cinco princpios para aplicao de dados antropomtricos conforme a seqncia abaixo. 58585858 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 58585858 1 Princpio Projetos para a Mdia da Populao Primeiramente vlido frisar que no existe o homem mdio ou padro. Ele apenas uma abstrao matemtica obtida de medies quantitativas. Contudo, existem alguns projetos, principalmente para elementos de uso coletivo, que so mais bem resolvidos com a adoo deste princpio. O projeto de um banco de jardim um exemplo deste princpio. Por se tratar de um elemento que muito usado por pessoas dos mais variados tipos antropomtricos, este o melhor princpio para atender todos; Ilustrao 28 Banco de praa Fonte: http://br.geocities.com/lucianoduarte/galera_banco.jpg. 2 Princpio Projetos para Extremos da Populao usado quando as medidas mdias no so satisfatrias. Este princpio visa acomodar os casos extremos, e para isto usa grande intervalo de confiana, geralmente 90% (percentis de 5% e 95%). Para utilizao deste princpio necessrio saber qual a varivel limitante. Esta varivel o parmetro mximo e mnimo de um projeto. No projeto de uma porta a varivel limitante a estatura do percentil 95% para homem, pois todos os demais percentis inferiores conseguiriam passar pela porta de maneira satisfatria. J no projeto de uma mesa de trabalho com vrios mecanismos de acionamento, a varivel limitante seria o alcance de percentil 5% para mulher, pois todos os percentis superiores conseguiriam acionar os mecanismos de maneira satisfatria; Ilustrao 29 Capacidade de alcance de uma mulher sentada Fonte: Ferreira e Fujo, 200-?. 59595959 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 59595959 3 Princpio Projetos para Faixas da Populao Neste princpio os elementos so disponveis em diversos tamanhos visando melhor se adequar a seus usurios. o caso de camisas, disponveis em tamanhos P, M, G e GG; calados, os masculinos para adultos vo do tamanho 37 ao 44, e; cintos com furos; Ilustrao 30 Cinto com furos Exemplo de projetos para faixas da populao Fonte: http://www.marimoon.com.br/loja/images/cinto_ilhos2_01.jpg 4 Princpio Projetos de Dimenses Regulveis Este princpio usado para elementos que visem melhor se adaptar ao usurio, proporcionando-lhes certas dimenses regulveis. Por questes econmicas, essas regulagens geralmente no abrangem todo o elemento, mas apenas aquelas medidas consideradas crticas para o desenvolvimento da atividade proposta. Como exemplo pode-se citar as cadeiras para datilgrafos, que tm regulagem na altura do assento e do descanso para braos; e as cadeiras de automveis, que permitem regulagens na altura do assento, ngulo do encosto e na distncia entre o assento e o volante; Ilustrao 31 Banco de carro com vrios comandos de ajuste Fonte: http://www2.uol.com.br/bestcars/carros/gm/antigos/omega-cd-ajuste-banco.jpg 60606060 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 60606060 5 Princpio Projetos para o Indivduo Este princpio usado para elementos projetados especificamente para um indivduo. Naturalmente este princpio o que melhor se adapta ao usurio, contudo o mais oneroso. o caso das roupas realizadas pelo alfaiate, aparelhos de ortodontia, prteses e aparelhos ortopdicos. Ilustrao 32 Brao binico confeccionado sob medida para o usurio Fonte: http://www.nanolux.de/bilder/bionik-protese.jpg Quando da aplicao destes princpios em grande escala, o 1 e o 2 so os mais escolhidos, pois so os mais econmicos, seguidos dos 3 e 4, e sendo praticamente invivel o 5, salvo casos excepcionais como carros de frmula 1 e trajes espaciais, alm dos j citados. 61616161 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 61616161CAPTULO CAPTULO CAPTULO CAPTULO 3333 ---- DISCUSSODISCUSSODISCUSSODISCUSSO TERIC TERIC TERIC TERICAAAA O Captulo 2 trouxe a fundamentao terica necessria s discusses que ocorrero em seguida. Primeiramente, no item 3.1, sero discutidos os conceitos pertinentes NBR 9050, que so: acessibilidade; Desenho Universal; deficincia; e restrio. Ser observado se a norma, em suas trs verses, contempla estes conceitos e se o conjunto de informaes tericas trazido na NBR 9050 de 2004 suficiente para suprir a necessidade de conhecimento especfico dos profissionais que a utilizaro, tendo em mente que muitos desconhecem o tema acessibilidade. Na segunda parte deste captulo, no item 3.2, sero discutidos os parmetros antropomtricos da NBR 9050 de 2004, encontrados em Lopes (2005), tendo como referncia o estudo bibliogrfico realizado no captulo 2. 3.1. CONCEITOS DA NBR 9050 3.1.1. NBR 9050 de 1985 Como j foi dito, a primeira NBR 9050 datada de setembro de 1985. Essa norma, obtida pelo autor apenas em meio digital e sem numerao de pginas, foi intitulada de adequao das edificaes e do mobilirio urbano pessoa deficiente (ABNT, 1985). O comit responsvel por sua elaborao foi o Comit Brasileiro de Construo Civil, CB-2. A NBR 9050 de 1985 tinha como objetivo principal [fixar] as condies exigveis, bem como os padres e as medidas que [visassem] propiciar s pessoas deficientes melhores e mais adequadas condies de acesso aos edifcios de uso pblico e s vias pblicas urbanas (ABNT, 1985). Na poca a norma no trazia a definio de acessibilidade e nem de Desenho Universal. Era a poca do 3 estgio da acessibilidade definida por Baptista (2003), os projetos livres de barreiras fsicas. Contudo, a norma trazia o seguinte conceito de pessoa deficiente: Pessoas portadoras de limitaes de suas capacidades fsicas e/ou mentais (ABNT, 1985). At mesmo a velhice era tida como deficincia. Velhice seria a deficincia que reduz efetivamente a mobilidade, flexibilidade, coordenao motora e percepo, em 62626262 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 62626262indivduos em idade avanada (...) (ABNT, 1985). Ao todo a norma classificava sete tipos de deficincia: deficincia ambulatorial total; deficincia semi-ambulatria; deficincia visual; deficincia auditiva e de expresso; deficincia de coordenao motora; deficincias reumticas; e velhice. Essa classificao de deficincia focava-se no estigma da incapacidade e da limitao inevitvel, no havia distino entre deficincia e restrio de participao. A partir disso possvel dizer que a pessoa com deficincia era vista como invlida, incapaz e limitada por si s. Ao dizer as pessoas com deficincia so portadoras de limitaes de suas capacidades fsicas e/ou mentais (ABNT, 1985), v-se que a idia de limitao estaria na pessoa e no no ambiente hostil. Apesar do termo acessibilidade ainda no aparecer, vemos em (...) propiciar s pessoas deficientes melhores e mais adequadas condies de acesso (...) um esboo desse conceito para a incluso social. Acredita-se que esse acesso do qual a norma trata, refere-se ao deslocamento, visando a eliminao das barreiras fsicas, uma vez que, de acordo com a reviso bibliogrfica, este era o pensamento da poca. Os elementos trazidos nesta norma esto separados em ambiente interno e externo. Para ambiente interno os parmetros so: acessos; circulao; sanitrios; equipamentos e; sinalizao e para ambiente externo so: caladas, passeios, calades, jardins e praas; rampas e escadarias; estacionamentos; mobilirio urbano; e sinalizao. J que a verso digital desta norma no dispe de numerao de pginas, no possvel uma estimativa do volume de parmetros tcnicos. Mesmo que fosse impresso pelo autor, ainda sim no se saberia o nmero de pginas, uma vez que vrios fatores podem interferir: tamanho da pgina; tamanho e tipo de fonte; tabulao; formatao de pargrafo; disposio e dimensionamento de imagens; entre outros. Com a anlise terica dos parmetros tcnicos trazidos nesta norma, observa-se que dentre os componentes da acessibilidade espacial, apenas dois so contemplados: Deslocamento e Uso. Apesar desta norma trazer o item sinalizao em seus parmetros tcnicos, que teoricamente corresponderia componente Orientao, essa componente da acessibilidade no devidamente contemplada. Isto porque de maneira geral, estes parmetros tratam apenas de identificar os caminhos, acessos, e todos os elementos em geral adaptados ao deficiente fsico com o smbolo internacional de acesso, e como foi demonstrado no captulo 2.1, as aes para a Orientao vo muito alm dessas. Hoje o uso desse smbolo obrigatrio 63636363 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 63636363para identificar elementos ou ambientes acessveis, e acredita-se que o estigma trazido com ele perpetua. Para exemplificar, em conversa com gerentes de hotis da cidade de Florianpolis, foi relatado que os quartos acessveis so evitados pelos clientes. Esses quartos s so ocupados em alta temporada, onde no h grande oferta de hospedagem na cidade. Nas demais pocas, os hotis fazem desconto na tarifa para que os quartos sejam ocupados. 3.1.2. NBR 9050 de 1994 A primeira reviso da NBR 9050, datada de outubro de 1994, traz como ttulo acessibilidade de pessoas portadoras de deficincias a edificaes, espaos, mobilirio e equipamentos urbanos (ABNT, 1997). Essa norma contm 56 pginas, sendo: 1 pgina (1,8% do total) de introduo; pgina de conceituao (0,9% do total); 5,5 pginas de parmetros antropomtricos (9,8% do total); e 49 pginas de parmetros tcnicos e determinaes (87,5% do total). Apenas pela anlise do ttulo percebem-se algumas mudanas: 1. Surge o termo acessibilidade; 2. A pessoa agora portadora de deficincia e no mais deficiente, e; 3. A aplicao da norma no se restringe mais apenas ao meio pblico, mas tambm ao privado de uso pblico e de uso multifamiliar (neste caso apenas as reas comuns de circulao so contempladas). Essa norma conceitua acessibilidade como sendo a possibilidade e condio de alcance para utilizao, com segurana e autonomia, de edificaes, espao, mobilirio e equipamento urbanos (ABNT, 1997). Percebe-se que o conceito de acessibilidade no apresenta enfoque nas pessoas com deficincia. Possivelmente isto se deve ao surgimento do Desenho Universal em 1985, que preconiza um projeto confortvel, seguro e que favorea a autonomia para todas as pessoas independente de idade, habilidade e restries. Um dos motivos dessa suposio da influncia do DU nessa norma, o contedo trazido no tpico 1.2 desta mesma norma, que diz que: Esta norma, atendendo aos preceitos de Desenho Universal, aplica-se tanto a novos projetos quanto a adequaes de edificaes, espaos, mobilirio e equipamentos urbanos [...] (ABNT, 1997, p. 1). A norma define, de forma correta, DU como aquele que visa atender maior gama de variaes possveis das 64646464 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 64646464caractersticas antropomtricas e sensoriais da populao (ABNT, 1997, p. 2), o que leva a crer que os responsveis pela elaborao da norma estavam atualizados quanto aos assuntos ligados a incluso no espao construdo. Apesar da tentativa de atender aos preceitos do DU, no conceito de acessibilidade no se encontram as palavras: conforto, orientao e comunicao, que so termos importantes na esfera do DU. Alm disso, h uma contradio entre conceito e o ttulo. Apesar do conceito de acessibilidade no focar a pessoa com deficincia, o ttulo dessa norma foca: acessibilidade de pessoas portadoras de deficincias (...) (ABNT, 1997, p.1). Acredita-se que a mudana do termo pessoa deficiente para pessoa com deficincia, mostra um amadurecimento do conceito de deficincia, motivado principalmente pelo programa nacional de direitos humanos, reflexo da Assemblia Nacional Constituinte de 1987/1988. A velhice no aparece mais como deficincia, levando a crer que neste momento j se compreendera a velhice como uma etapa normal da vida, assim como a infncia. Alm da velhice, tambm no aparece nessa norma a: deficincia de coordenao motora, atribuda a paralticos cerebrais pela norma de 1985; e a deficincia reumtica, decorrente de febre reumtica, reumatismo articular, paralisia da espinha dorsal, artrose, e outras dores de coluna, vertebrais e/ou Reumticas musculares (ABNT, 1985). Apesar do ttulo, a norma ainda traz definies que fazem da deficincia um fator limitante pessoa, o que vai de encontro ao levantamento bibliogrfico realizado no item 2.3. A norma apresenta dois tipos de deficincia, divididos em dois subgrupos: deficincia ambulatria, subdividida em total ou parcial; e deficincia sensorial, subdividida em visual e auditiva. Observou-se que no mencionada a deficincia cognitiva e, alm disso, em nenhuma dessas definies, o ambiente construdo foi citado como fator de importncia, sendo decisivo para a dificuldade ou facilidade que a pessoa encontra para realizar as tarefas de seu cotidiano. Quanto ao fato da norma no se restringir ao meio pblico, acredita-se ser uma tentativa de compartilhar com a iniciativa privada a responsabilidade de tornar o ambiente construdo acessvel. Isso demonstra novamente uma mudana na forma de se pensar a acessibilidade e, ao mesmo tempo, a incluso social, que provavelmente tambm foi reflexo 65656565 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 65656565do programa nacional de direitos humanos, decorrente da Assemblia Nacional Constituinte de 1987/1988. A NBR 9050 de 1994 traz 87,5% de seu volume total de parmetros tcnicos, divididos em: acesso; circulao; sanitrios e vestirios; equipamento urbano; mobilirio urbano; e comunicao e sinalizao. Mesmo no dispondo do nmero de pginas da norma de 1985, observa-se que a norma de 1994 superior na quantidade e detalhamento dos parmetros tcnicos. Como pode-se observar, surge a classificao de comunicao nessa norma. Teoricamente, a norma atende todos os componentes da acessibilidade: Orientao, Comunicao, Deslocamento e Uso. Contudo, ao se observar mais atentamente esses parmetros, constatou-se problema similar ao da norma de 1985. Apesar de existir na norma um item comunicao e sinalizao (ABNT, 1997, p.47), no foram constatados parmetros tcnicos referentes Comunicao, que possibilitariam a condio de troca e intercmbio entre pessoas e entre pessoas e equipamentos de tecnologia assistiva que permitam o ingresso e uso do ambiente (OLIVEIRA, 2006), como visto no captulo 2.1. Quanto aos parmetros de Orientao, acredita-se que esta norma tenha evoludo em comparao anterior. Como exemplo de tal evoluo tem-se: sugesto de indicao do sentido do deslocamento em circulaes, quando necessrio; pela primeira vez indicado o Braille como informao ttil, e; tambm, pela primeira vez, indicado o uso de um piso com textura e cor diferenciadas, para sinalizar o mobilirio urbano. Mesmo assim, das 49 pginas de parmetros tcnicos, apenas 8 pginas foram destinadas ao item comunicao e sinalizao, cerca de 15% do universo dos parmetros tcnicos. Os outros 85% so destinados as componentes: Deslocamento e Uso. 3.1.3. NBR 9050 de 2004 Em maio de 2004 publicada a segunda reviso da NBR 9050, foco principal desta dissertao, que traz como ttulo Acessibilidade a edificaes, mobilirio, espaos e equipamentos urbanos (ABNT, 2004). Essa norma contm 97 pginas, sendo: 1 pgina (1% do total) de introduo; 3 pginas de conceituao (3% do total); 11 pginas de parmetros 66666666 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 66666666antropomtricos (11% do total); e 82 pginas de parmetros tcnicos e determinaes (85% do total). Excetuando-se a expresso de pessoas portadoras de deficincias, da NBR 9050 de 1994, observa-se que o ttulo se manteve inalterado. Uma suposio possvel para essa supresso, que a norma desta vez assume verdadeiramente os preceitos do Desenho Universal, uma vez que no se destina um grupo de indivduos especficos. Nesse caso, acessibilidade para todos, e no mais apenas para as pessoas com deficincia, como foi at o momento. Porm esta idia no parece refletir-se integralmente no contedo da norma. O objetivo dessa reviso de 2004 foi (...) proporcionar maior quantidade possvel de pessoas, independentemente de idade, estatura ou limitao de mobilidade ou percepo, a utilizao de maneira autnoma e segura do ambiente, edificaes, mobilirio, equipamentos urbanos e elementos (ABNT, 2004, p.1). Evidencia, mais uma vez, a influncia do Desenho Universal, ao menos em termos tericos nessa NBR 9050. vlido ressaltar que o conceito de DU manteve-se o mesmo da norma de 1994. A norma atual conceitua acessibilidade como possibilidade e condio de alcance, percepo e entendimento para a utilizao com segurana e autonomia de edificaes, espao, mobilirio, equipamento urbano e elementos (ABNT, 2004, p 2). Em comparao com o conceito da norma de 1994, foram acrescidas trs palavras: percepo, entendimento e elementos, podendo-se supor que: 1. Pelo acrscimo das palavras percepo e entendimento, termos ligados ao processo cognitivo, ser dada maior nfase aos problemas de acessibilidade das pessoas com deficincia sensorial e cognitiva, e que em geral, dizem respeito as componentes Orientao e Comunicao, antes postas em segundo plano; 2. O acrscimo da palavra elementos, uma tentativa de abranger ao mximo o universo da acessibilidade, de maneira a assegurar, conceitualmente, que todo elemento mobilirio e tecnologias assistivas do ambiente construdo seja acessvel. Esta norma conceitua deficincia como reduo, limitao ou inexistncia das condies de percepo das caractersticas do ambiente ou de mobilidade e de utilizao de edificaes, espao, mobilirio, equipamento urbano e elementos, em carter temporrio ou 67676767 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 67676767permanente (ABNT, 2004, p. 3). Apesar da reformulao conceitual, observa-se ainda a deficincia como nico fator limitante pessoa, sem considerar a influncia do ambiente construdo nas atividades desenvolvidas (ver captulo 2.3). Desta forma, acredita-se que a norma brasileira est incompleta quanto aos conceitos de deficincia e restries na participao (CBCD, 200-), uma vez que no expe a deficincia como ela realmente : problema especfico de disfuno fisiolgica, sem ter obrigatoriamente conseqncias diretas nas habilidades das pessoas, visto os avanos na rea da tecnologia assistiva. A reduo, limitao ou inexistncia de percepo ou de mobilidade e de utilizao, no ocorre apenas com pessoas que tm deficincia. Isto depender da interao entre indivduo com suas diferentes habilidades e limitaes e ambiente construdo, ao desenvolver alguma atividade. No captulo 2.3 foram expostos alguns exemplos onde pessoas com deficincia no tinham restries ao desempenhar uma atividade, e de pessoas sem deficincia aparente com restries ao desenvolver determinadas atividades. A NBR 9050 de 2004 traz 81 pginas de parmetros tcnicos, o equivalente 83,5% do volume total, divididos em: Comunicao e sinalizao; Acessos e circulao; Sanitrios e vestirios; Equipamentos urbanos e; Mobilirio. Pela superioridade no nmero de pginas pode-se supor um maior detalhamento dos parmetros tcnicos em relao norma de 1994. Para as componentes da acessibilidade Orientao e Comunicao, so destinadas 23 pginas da norma, cerca de 30% dos 83,5% que compem o universo dos parmetros tcnicos. Os 70% restantes so destinados s componentes Deslocamento e Uso. Tendo em vista os dados acima, constata-se que apesar do avano em nmero e detalhamento dos parmetros, as componentes Orientao e Comunicao ainda so postas em segundo plano. Isso exemplificado com a existncia de apenas duas determinaes na NBR 9050 que correspondem a Comunicao: uma sobre o TDD e outra sobre LIBRAS. 3.1.4. Anlise comparativa dos conceitos das trs verses da NBR 9050 A anlise comparativa ser dividida de acordo com os conceitos do captulo 2. Acessibilidade 68686868 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 68686868o NBR 9050 de 1985 Conceito compatvel com o momento histrico; A norma no menciona o termo acessibilidade. Era o 3 estgio da acessibilidade de Baptista (2003), onde imperava o projeto livre de barreiras fsicas. o NBR 9050 de 1994 Conceito no compatvel com o momento histrico; Apesar do conceito de acessibilidade no focar a pessoa com deficincia, o ttulo dessa norma foca: acessibilidade de pessoas portadoras de deficincias (...). Contudo, j existia o conceito de Desenho Universal que defende o projeto destinado todos, independente de habilidades ou restries e a inteno de fundi-lo com o conceito de acessibilidade, o que demonstrado na prpria norma, no item 1.2. Para que o conceito de acessibilidade estivesse compatvel com o momento histrico, seria necessrio a insero de termos como conforto, orientao e comunicao, alm de cessar o enfoque das aes para acessibilidade da pessoa com deficincia. o NBR 9050 de 2004 Conceito compatvel com o momento histrico. A norma traz o conceito de acessibilidade com influncia do Desenho Universal, uma vez que no destina sua aplicao um determinado pblico. Alm disso, pode-se identificar na conceituao as quatro componentes da acessibilidade, definidas por Dischinger e Ely (apud OLIVEIRA, 2006) Deslocamento, Uso, Comunicao e Orientao, mas no com essas denominaes e nem conceituaes. Desenho Universal o NBR 9050 de 1985 Conceito compatvel com o momento histrico; A norma no menciona o termo Desenho Universal apesar de terem sido cunhados no mesmo ano. Acredita-se que no houve tempo do conceito de DU se disseminar e chegar ao Brasil. o NBR 9050 de 1994 Conceito compatvel com o momento histrico; A norma traz o conceito correto de DU, como sendo aquele que visa atender maior gama de variaes possveis das caractersticas 69696969 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 69696969antropomtricas e sensoriais da populao (ABNT, 1997, p. 2). Apesar disso, o conceito no se reflete na norma de maneira eficaz. o NBR 9050 de 2004 Conceito compatvel com o momento histrico. Apesar de trazer o mesmo conceito de DU da norma de 1994, a norma de 2004 parece ter o agregado mais, ao menos no que diz respeito aos conceitos e definies: o enfoque terico na pessoa com deficincia no existe mais e o ambiente acessvel passa a ser considerado como benfico todos, independente de habilidades e limitaes. Deficincia e Restrio o NBR 9050 de 1985 Conceito compatvel com o momento histrico; A norma conceitua pessoas com deficincia como pessoas portadoras de limitaes de suas capacidades fsicas e/ou mentais (ABNT, 1985). At mesmo a velhice era tida como deficincia. Na poca a pessoa com deficincia era considerada pela sociedade como invlida e incapaz. A prpria Declarao dos Direitos da Pessoa Deficiente de 1975 declara que a pessoa com deficincia, na poca chamada de pessoa deficiente, era qualquer indivduo incapaz de assegurar a si mesmo, total ou parcialmente, o atendimento s necessidades de uma vida individual ou social normal (...) (LOPES, 2005). o NBR 9050 de 1994 Conceito compatvel com o momento histrico; A norma traz o termo pessoa portadora de deficincia ao invs de pessoa deficiente, usado na norma de 1985, demonstrando um amadurecimento do conceito de deficincia. Acredita-se que isto foi motivado principalmente pelo programa nacional de direitos humanos, reflexo da Assemblia Nacional Constituinte de 1987/1988. o NBR 9050 de 2004 Conceito no compatvel com o momento histrico. A norma ainda traz o conceito de deficincia como nico fator limitante pessoa, apesar de j existir na poca o conceito de restrio da ICF (CBCD, 200-), que traz a conscincia de que o ambiente, e no mais exclusivamente a deficincia, tambm um fator que pode limitar uma pessoa no desenvolvimento das atividades. 70707070 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 707070703.1.5. Concluso sobre os conceitos da NBR 9050 Como j foi dito, a maioria dos profissionais responsveis por projetar o ambiente no Brasil, no esto aptos a projetarem ambientes acessveis. Desta forma seria conveniente que a NBR 9050 suprisse essa carncia de conhecimento, que acredita-se ser vital, principalmente quando o profissional se depara com situaes inusitadas no contempladas pela norma onde apenas seu conhecimento possibilitar boas solues. Apesar do grande esforo da comisso responsvel pela NBR 9050 para melhor-la ao decorrer dessas duas revises, pouca nfase foi dada a sua parte terica, se considerarmos que apenas 3 pginas da norma de 2004, cerca de 3% do total da norma, referente a conceitos e definies. Desta forma, acredita-se que o profissional ao utilizar a norma aplicar suas determinaes e parmetros tcnicos, sem saber o motivo e o alcance destes. Ao se deparar com os diversos ambientes e situaes que no constam na norma, esse conhecimento necessrio na parte terica seria a fonte de embasamento para as solues dos profissionais. Sendo assim, seria importante que os profissionais soubessem, por exemplo, quais os principais problemas enfrentados por pessoas com deficincia visual no ambiente construdo no acessvel. Saber como essas se orientam e quais outros canais sensoriais utilizam. Assim, ao projetar o profissional poderia contribuir para realar as habilidades dessas pessoas, reduzindo ou eliminando as barreiras identificadas. Alm dos conceitos, seria importante a explicao dos parmetros tcnicos e determinaes para os elementos, para que assim fosse possvel saber quais as implicaes da implantao ou da falta de um determinado elemento no espao. Um bom exemplo que poderia ser seguido pela norma brasileira, o da norma norte americana (USAB, 2004). Esta norma tem 289 pginas, sendo 140 delas de teoria. Alm disto, durante a exposio dos parmetros tcnicos e determinaes, a norma informa ao profissional o porqu disso, alm de oferecer uma ampla gama de excees para a maioria dos casos. Como exemplo pode-se citar o uso de barras de apoio em banheiros. Enquanto a norma brasileira traz parmetros para barras em banheiros visando apenas pessoa cadeirante adulta, a norma norte americana traz outros tipos de uso em banheiros como para auxiliar pessoas usando muletas , traz tambm parmetros para crianas de diferentes idades de 3 a 4, de 5 a 8 e de 9 a 12 anos alm de trazer algumas advertncias importantes para o uso de tal 71717171 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 71717171elemento por exemplo o no uso em instituies de correo ou deteno, para preveno de suicdios. Observando as consideraes acima, acredita-se que haveria uma grande melhora nesse aspecto, se a NBR 9050 de 2004, ao expor um parmetro tcnico, respondesse o porqu dele e quem so os maiores beneficiados. Com isso o profissional saberia dos reflexos que um ambiente acessvel, ou inacessvel, tem no cotidiano das pessoas, sejam quais forem suas habilidades e limitaes. 3.2. DADOS ANTROPOMTRICOS DA NBR 9050 de 2004 Aqui sero expostos os resultados da anlise comparativa realizada entre o estudo sobre antropometria, exposto no item 2.4, e os parmetros antropomtricos usados na NBR 9050 de 2004. vlido frisar que a norma no apresenta a referncia bibliogrfica de seus parmetros antropomtricos, sendo que esses foram encontrados durante a reviso bibliogrfica do autor em Lopes (2005). As arquitetas Maria Elisabete Lopes e Ana Lcia Pinto de Faria Burjato foram as responsveis pela reviso do captulo sobre Parmetros Antropomtricos da NBR 9050 de 2004 (LOPES, 2005, p. 56). A tese de doutorado de Lopes (2005) foi utilizada neste trabalho pois apresenta em um de seus captulos, parte dos estudos realizados para a reviso da antropometria na norma. Parte dos resultados numricos apresentados neste captulo subsidiou o item sobre parmetros antropomtricos presente na atual norma tcnica brasileira NBR 9050. (LOPES, 2005, p. 56) a partir das informaes contidas na NBR 9050 de 2004 e em LOPES (2005) que se realizou o estudo aqui exposto. A discusso ser apresentada segundo a seqncia de temas encontrados no item de parmetros antropomtricos da NBR 9050 de 2004, sendo que alguns dos temas sero agrupados para uma melhor compreenso dos estudos. O tema da norma ser apresentado, e em seguida sero buscadas em Lopes (2005) as informaes sobre o mesmo, para s depois serem realizadas as consideraes. 72727272 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 727272723.2.1. Percentis A norma inicia o item que trata dos parmetros antropomtricos informando que foram consideradas as medidas entre 5% a 95% da populao brasileira, ou seja, os extremos correspondentes a mulheres de baixa estatura e homens de estatura elevada (ABNT, 2004, p. 5). A utilizao desse percentil tambm foi verificado em Lopes (2005, p.60). Acredita-se que foi bem acertado o uso dos percentis 5% e 95%, uma vez que segundo Iida (2005, p. 139), este intervalo proporciona projetos que melhor acomodam um grande nmero de usurios. Contudo, foi encontrado um dado contundente em Lopes (2005): foi considerado para a estatura os percentis 5% para mulheres como sendo 142 cm e 95% para homens como sendo 160 cm. vlido frisar que a norma no apresenta este dado de forma explcita. O percentil 5% para estatura da mulher apresenta valor aproximado aos apresentados nas tabelas de dados antropomtricos da bibliografia consultada. Contudo, segundo Iida (2005, p.121-122) a estatura do homem adulto brasileiro de percentil 95% em torno de 180 cm. Em relao a medida de 160 cm de Lopes, h uma distoro de aproximadamente 20 cm. No se sabia sobre a presena dessa distoro na norma, contudo ao observar suas ilustraes, constatou-se que as informaes contidas em Lopes (2005) foram de fato utilizadas. Ilustrao 33 Recorte da figura 20 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.15) Conforme a ilustrao 33, a linha do horizonte visual, que corresponde a altura dos olhos est a 1,40 m (percentil 5%) e 1,50 m (percentil 95%). Segundo os dados contidos em 73737373 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 73737373Pequini (2005) a distncia entre o olho e o topo da cabea de aproximadamente 11 cm. Desta forma os dados trazidos na ilustrao da NBR 9050 de 2004 so condizentes com os dados contidos em Lopes (2005). A norma no informa a origem desses dados referentes a estatura, contudo em Lopes (2005) descobriu-se que esses dados foram processados a partir de um grande nmero de dados antropomtricos internacionais e nacionais, todos de pessoas adultas. Acredita-se que tal ao foi acertada uma vez comprovada a inexistncia de dados antropomtricos confiveis para a populao brasileira. Contudo, no fica claro como os dados foram processados, resultando em valores que no condizem com dados consultados na reviso bibliogrfica. Uma vez que as medidas de estatura apresentadas na norma foram utilizadas como varivel bsica para a definio de outras medidas (LOPES, 2005, p.57), acredita-se que possam existir outras medidas com distoro. [...] os parmetros antropomtricos, [...] estabelecem padres dimensionais a partir das quais possvel determinar medidas lineares, angulares, e anlise de esforo fsico para execuo de tarefas. Com essas informaes possvel fixar limites inferior, mdio e superior de alcance e deslocamento, assim como, apontar as variaes da acuidade sensorial (LOPES, 2005, p.56). 3.2.2. rteses A norma tambm apresenta dimenses referenciais para deslocamento de pessoas em p, com e sem o uso de rteses, como: bengala; andador; muletas. O co guia tambm foi contemplado nessa pesquisa conforme ilustrao 34. 74747474 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 74747474 Ilustrao 34 figura 1 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.5) Logo em seguida a norma traz as dimenses de uma cadeira de rodas e o mdulo de transferncia, que a projeo do espao ocupado por uma pessoa utilizando uma cadeira de rodas (ver ilustrao 35). Ilustrao 35 figura 3 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.6) Segundo Lopes (2005, p.61-64), essas medies fizeram parte de uma estratgia para definir medidas que refletissem o maior espectro possvel da populao com deficincia no Brasil. Alm das dimenses de rteses tambm fizeram parte da estratgia: 1. Considerar as dimenses das prteses nos dados; 2. Associar critrios da antropometria dinmica para pessoas com deficincia fsica; 3. Dimensionar o alcance a partir de uma pessoa com a mo estendida e o ombro na posio esttica; 75757575 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 757575754. Definir a aplicao dos parmetros antropomtricos dinmicos funcionais para as pessoas com deficincia ambulatria; 5. Realizar uma pesquisa sobre as dimenses das rteses nacionais e importadas mais utilizadas no Brasil e; 6. Cruzar os dados antropomtricos e das medidas das rteses aliada a conceituao legal e caractersticas dos diferentes tipos de deficincia para fixar parmetros antropomtricos especficos. Para a definio dos dados foi de grande perspiccia o cruzamento das medidas de rteses e prteses com os dados antropomtricos obtidos no trabalho. Contudo, a influncia da estatura nos dados fez com que esse estudo das rteses e prteses no se refletisse de maneira positiva na NBR 9050 de 2004. Um exemplo disto foi a utilizao do homem de p utilizando muletas, andadores, bengalas, trips, com o co-guia e pessoas em cadeiras de rodas (LOPES, 2005, p. 64) como varivel, que fica bastante evidente no caso da varredura da bengala de rastreio, tambm chamada de bengala branca, utilizada no deslocamento e orientao da pessoa com dificuldades em enxergar. Segundo Die Gegenwart (2001), o seu comprimento [o da bengala, e sendo assim a sua rea de varredura] depende da estatura do utilizador [...]. Apesar das variveis terem sido definidas corretamente utilizando o homem em p a estatura deste homem provavelmente est incorreta. Sendo assim, acredita-se que a medida da rea definida para a varredura da bengala esteja menor do que realmente o . 3.2.3. rea de circulao Neste item a NBR 9050 de 2004 trata da: 1. Largura para deslocamento em linha reta de pessoas em cadeira de rodas, igual a 90 cm que se acredita ser referente a largura aproximada da cadeira de rodas, 80 cm, em conjunto com a dimenso para o movimento do cotovelo durante o deslocamento; 2. Largura para transposio de obstculos isolados, de 80 cm , equivalente a largura aproximada da cadeira de rodas, numa distncia mxima de 40 cm. Acredita-se que este comprimento de 40 cm seja referente distncia mxima para o perncentil 5% conseguida com a impulso da cadeira de rodas; 3. rea para manobra de cadeiras de rodas sem deslocamento e; 76767676 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 767676764. rea para manobra de cadeiras de rodas com deslocamento. Nem na norma e nem em Lopes h detalhes de como se chegou a essas medidas. Contudo, uma vez que estes dados so derivados das dimenses da cadeira de rodas, que foram obtidas levando em considerao medidas de cadeiras nacionais e internacionais mais utilizados no Brasil (LOPES, 2005, p.61), acredita-se que estes valores sejam adequados. 3.2.4. rea de transferncia e rea de aproximao A rea de transferncia a rea livre necessria para que uma pessoa consiga se transferir para uma superfcie de altura semelhante a da sua cadeira de rodas. A norma diz que esta rea deve ter no mnimo as dimenses do mdulo de referncia, que 0,80 m x 1,20 m. Essa rea se refere a apenas uma pessoa em sua cadeira. No caso da necessidade da pessoa ser auxiliada por outrem, acredita-se que este dimensionamento no seria confortvel. J a rea de aproximao a rea livre necessria para que uma pessoa em cadeira de rodas possa utilizar com conforto, autonomia e segurana, um equipamento ou elemento do espao, avanando sob ele entre 0,25 m e 0,55 m (ver ilustrao 36). Ilustrao 36 figura 135 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.74) Acredita-se que tanto para rea de transferncia como para rea de aproximao as medidas esto adequadas para uma pessoa em cadeira de rodas, pois tambm so derivadas das dimenses da cadeira de rodas, obtidas levando em considerao medidas de cadeiras nacionais e internacionais mais utilizadas no Brasil (LOPES, 2005, p.61). 77777777 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 777777773.2.5. Alcance manual No item 4.6 da NBR 9050 (2004, p.9) so apresentadas as dimenses referenciais para alcance manual frontal e lateral, alm de ngulos para execuo de foras de trao e compresso. Lopes (2005) apresenta a metodologia utilizada para definio desses parmetros antropomtricos, onde foram eleitas medidas relacionadas a situaes restritivas extremas. Foram analisadas as faixas consideradas satisfatrias para quem est em p e sentado em cadeira comum ou [...] de rodas (LOPES, 2005, p.66). Para atender melhor as necessidades das pessoas com deficincia optou-se por adotar medidas de estatura e partes do corpo mais restritivas mobilidade e alcance associados aos princpios da antropometria dinmica [ver captulo 2.4] [...] (LOPES, 2005, p.68). A primeira dvida apresentada recai sobre a questo da estatura do homem, j que utilizada a pessoa em p, e como foi visto esta medida 1,60 m pode estar incorreta. Desta forma os parmetros antropomtricos para alcance manual tambm podem estar incorretos, pois derivam dessa medida. Nota-se tambm a inexistncia de um memorial de clculos matemticos, bem como a falta de referncia bibliogrfica sobre a definio de ngulos mximos e mnimos de conforto, o que dificulta a compreenso dos resultados, bem como pe em dvida sua credibilidade. Por exemplo, segundo a NBR 9050 (ABNT, 2004, p.9) para uma pessoa em p o alcance mximo confortvel se d com o brao a 45 em relao ao plano horizontal. No se sabe como foi selecionado esse ngulo como sendo o mximo confortvel e alm disso, no h nenhuma referncia bibliogrfica na norma sobre tal ngulo. O exemplo abaixo demonstra como a ausncia de uma melhor explicao pode suscitar dvidas sobre os dados obtidos. Segundo a NBR 9050 de 2004, a altura do centro da mo com o brao a 45 da horizontal de 140 cm, para o percentil 5% (referente s medidas femininas), e 155 cm, para o percentil 95% (referente s medidas masculinas) como observado na ilustrao 37. 78787878 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 78787878 Ilustrao 37 Figura 8 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.9) - Alcance manual frontal Pessoa em p o Altura do centro da mo com o brao a 45 da horizontal (percentil 5%) = 140 cm o Altura do centro da mo com o brao a 45 da horizontal (percentil 95%) = 155 cm Reunindo os dados referentes a altura do ombro3 e ao comprimento do brao na horizontal do ombro ao centro da mo obteve-se os dados expostos na ilustrao 38. Para realizao da ilustrao, utilizou-se Paschoarelli (2001, p.99), que diz que os alcances no plano sagital4 apresentam-se como um setor de um crculo, cujo centro seja o acrmio e o arco seja o alcance mximo. Ilustrao 38 Simulao da altura do centro da mo com o brao a 45 da horizontal (percentis 5% e 95%) a partir de dados obtidos na figura 8 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.9) 3 Na NBR 9050 (ABNT, 2004) no havia especificao de tal medida. Sendo assim considerou-se a altura da mo estendida ao longo do eixo longitudinal do corpo. 4 Plano sagital aquele que divide o homem em duas partes simtricas, direita e esquerda (IIDA, 2005, p.124). 79797979 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 79797979Utilizando as medidas da ilustrao acima, tem-se: 115 cm (menor altura do ombro) + 35 cm (altura do brao de 50 cm na posio de 45, em relao ao piso) = 150 cm 140 cm 125 cm (maior altura do ombro) + 39 cm (altura do brao de 55 cm na posio de 45, em relao ao piso) = 164 cm 155 cm Constata-se, ento, uma distoro de aproximadamente 10 cm nos dois casos. Acredita-se que a distoro no traria conseqncias negativas no espao construdo, uma vez que o valor mximo apresentado na norma nesse caso inferior ao do resultado dos clculos, no restringindo o alcance de pessoas no percentil 95%. Pela falta de informaes sobre a metodologia do processamento desses dados na norma, no possvel tecer maiores consideraes. 3.2.6. Foras de trao e compresso A norma apresenta os ngulos de maior fora de trao e compresso do brao, alm de algumas alturas correspondentes a estes ngulos (ver ilustrao 39). O estudo das foras de trao e compresso do ser humano no faz parte do campo de estudo da antropometria (ver captulo 2.4). Este estaria no campo da biomecnica ocupacional, que segundo Iida (2005, p.159) estuda [...] os movimentos corporais e foras relacionados ao trabalho. Ilustrao 39 Figura 13 e 14 da NBR 9050 - ngulos de trao e compresso Fonte: ABNT, 2004, p.12 Apesar de fugir ao escopo da antropometria, tema estudado para fins da discusso presente, esse item foi abordado por acreditar-se que foi bem elaborado por Lopes (2005). Isto 80808080 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 80808080porque os ngulos que favorecem a aplicao da fora mxima sem sobrecarregar os msculos so referenciados pela autora. Lopes embasa esse subitem nos estudos ergonmicos realizados por Grandjean, Grosbois e Woodson (LOPES, 2005, p.72). Na norma essas referncias no so citadas. 3.2.7. Empunhadura No item 4.6.5, a NBR 9050 traz parmetros de empunhadura para objetos como corrimos e barras de apoio, entre outros. A norma define que elementos de empunhadura devem ter seo circular com dimetro entre 3,0cm e 4,5cm e devem estar afastados no mnimo 4,0 cm da parede ou outro obstculo (ABNT, 2004, p.12). A norma tambm admite outros formatos de seo, desde que sua parte superior atenda s condies desta subseo (ver ilustrao 40). Uma vez que a norma no apresenta maiores explicaes sobre o parmetro, foi buscado em Lopes as explicaes para tal, onde descobriu-se que esse foi embasado em Grandjean (1998). Ilustrao 40 Outros formatos de seo permitidos pela NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004, p.12 Itiro Iida (1992, p.182) diz que o manejo geomtrico manejo de elementos de formas geomtricas regulares como: cilindros, esferas, cones, etc. apresenta relativamente pouca superfcie de contato com as mos, uma vez que estas formas so diferentes da anatomia humana. No entanto, este tipo de manejo mais indicado quando h grandes variaes de pega e quando no se exigem grandes foras. Tendo em vista o autor supracitado, acredita-se que a norma no deveria restringir a empunhadura apenas para a seo circular. J que se trata de uma seco geomtrica regular, se poderia permitir o uso de outras sees geomtricas como no caso da norma norte 81818181 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 81818181americana, que permite sees no circulares para corrimos e barras desde que obedeam aos seguintes parmetros tcnicos: permetro de 10 a 16 cm e seo transversal mxima de 5,7 cm (USAB, 2004) (ver ilustrao 41). Ilustrao 41 Exemplos de sees no circulares da ADA Fonte: USAB, 2004. 3.2.8. Manipulao e controle A norma traz parmetros para controles, botes, teclas e similares, recomendando que pelo menos uma de suas dimenses seja igual ou superior a 2,5 cm (ver ilustrao 42). Esse dado tambm aparece em Lopes (2005), contudo no h referncia quanto esta dimenso. Ilustrao 42 Exemplos de dispositivos de comando ou acionamento Fonte: ABNT, 2004, p.13 A NBR 9050 tambm recomenda alturas que proporcionam maior conforto para manipulao, que esto entre 40 a 100 cm do piso. Para a definio desta faixa, a norma considerou a pessoa em p, o que faz remeter novamente questo da medida da estatura do homem, uma vez que influencia diretamente a parmetros de alcance vertival. 82828282 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 828282823.2.9. Parmetros sensoriais Nesse item da norma so apresentados ngulos visuais nos planos vertical e horizontal, ngulos de alcance visual, alm do alcance auditivo. Como no se trata de medidas do corpo humano, nenhum destes temas faz parte do escopo da antropometria. Apesar disso, sero analisados os dados ergonmicos trazidos neste captulo como: ngulos de viso no plano horizontal e vertical. A NBR 9050 (ABNT, 2004, p.14) considera que o movimento dos olhos no plano horizontal, desconsiderando o movimento da cabea, de 30 para cada lado, correspondente aos limites mximos do movimento consciente dos olhos. Para o cone visual, que correspondente rea de viso com o movimento inconsciente dos olhos, a norma dita 15 para cada lado, contados a partir do centro da cabea (ver ilustrao 43). Ilustrao 43 figura 19 da NBR 9050 - Movimento dos olhos e da cabea Fonte: ABNT, 2004, p.14. Iida (2005, p.290) diz que, para rea de viso com movimento dos olhos5, os olhos fazem uma abertura de 80 rea de viso tima, que de 15 para cada lado a partir do centro da cabea e 25 para cada lado da rea de viso tima, que corresponde a viso mxima (ver ilustrao 44). 5 a viso que se consegue movimentando-se somente os olhos, sem movimentar a cabea (IIDA, 1992, p.205). 83838383 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 83838383 Ilustrao 44 Movimento dos olhos Fonte: IIDA, 1992. Pela falta de referncias bibliogrficas e/ou um memorial de clculo na NBR 9050 ou mesmo em Lopes (2005), seria impraticvel um confronto entre estes dados. No entanto acredita-se que 5 de ngulo mximo de viso, equivalente a diferena entre a norma e a bibliografia consultada, pode influenciar em um projeto arquitetnico, principalmente quando se trata de espaos de grandes dimenses como uma sala de cinema. vlido frisar que a NBR 9050 no informa que o cone visual a rea de viso tima que deve ser considerada nos projetos. 3.2.10. Concluso sobre os dados antropomtricos da NBR 9050 de 2004 Acredita-se que o maior problema relacionado antropometria encontrado na NBR 9050 de 2004, foi a inexistncia de referncias quanto aos seus dados. Foi apenas devido a pesquisa bibliogrfica realizada, que a origem destes dados foi encontrada, caso contrrio no seria possvel a realizao das discusses acima. Ainda assim Lopes (2005) apresenta apenas parte do trabalho que desenvolveu para a ABNT na reviso dos parmetros antropomtricos da NBR 9050 de 2004. Desta forma houve alguns problemas que dificultaram a compreenso dos dados, como: a inexistncia de um memorial de clculos matemticos, bem como a falta de referncia sobre ngulos mximos e mnimos de conforto. 84848484 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 84848484 Pode-se dizer que a concluso mais importante desta parte do trabalho refere-se estatura do homem adotada pela NBR 9050 de 2004 que no condiz com a reviso bibliogrfica realizada. A estatura de percentil 95%, referente ao homem, resultante da juno dessas informaes, gerou uma medida com uma distoro de cerca de 20 cm para menos, se comparado com os dados de Iida (2005). A nfase dada a essa distoro se deve ao fato de que a estatura serviu para o clculo de algumas medidas antropomtricas tambm utilizadas na referida norma. Desta forma, essas medidas tambm apresentam distoro proporcional, podendo ter gerado resultados negativos nos parmetros tcnicos e determinaes da NBR 9050 de 2004. Durante o estudo dos parmetros tcnicos da norma no captulo seguinte, espera-se verificar essa possvel conseqncia negativa, relativa estatura e as medidas derivadas dela. 85858585 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 85858585CAPTULO 4 CAPTULO 4 CAPTULO 4 CAPTULO 4 PESQUISA DE CAMPO PESQUISA DE CAMPO PESQUISA DE CAMPO PESQUISA DE CAMPO Esta pesquisa de campo pretende verificar de forma qualitativa se alguns dos elementos espaciais, presentes na NBR 9050 de 2004, apresentam parmetros tcnicos que suprem as necessidades dos usurios. Nesse captulo sero expostas a descrio do experimento e os resultados obtidos com cada elemento. 4.1. DESCRIO DO EXPERIMENTO 4.1.1. Montagem do experimento A montagem do experimento foi composta por trs momentos: definio dos elementos espaciais encontrados em Florianpolis, a serem avaliados; definio das normas internacionais para anlise comparativa; e definio das pessoas que participariam dos experimentos. Definio dos elementos Trs critrios foram utilizados para escolha dos elementos espaciais que seriam estudados: estar de acordo com a NBR 9050 de 2004; o conjunto deveria ter ao menos um elemento relacionado com cada uma das quatro componentes da acessibilidade espacial definidas por Dischinger e Ely (apud OLIVEIRA, 2006); e conter elementos interiores e exteriores edificao. A etapa de maior dificuldade foi identificar elementos que estivessem de acordo com a norma, na cidade de Florianpolis. Poucos foram os elementos identificados em total acordo com a NBR 9050 de 2004. Desta forma, em alguns casos, foram selecionados elementos que no acordavam inteiramente com a norma, porm, continham o maior nmero de parmetros tcnicos exigidos. Apesar disso, acredita-se que a ausncia desses parmetros no influenciou os experimentos, como ser exposto posteriormente. Dessa forma, foram localizados nove elementos espaciais: piso ttil alerta; piso ttil direcional; rampa; escada; corrimo; porta; barra de apoio; bacia sanitria; e lavatrio. 86868686 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 868686861. Pisos Tteis Piso Ttil Alerta O elemento selecionado exterior edificao, referente componente Orientao e no est totalmente de acordo com a norma. O parmetro tcnico de distncia do eixo da primeira linha de relevo at a borda do piso (ver ilustrao 45), apresenta valor menor do que o estabelecido pela NBR 9050. Contudo, cr-se que esse parmetro no influenciar na orientao das pessoas, pois se acredita que sirva apenas para manter a distncia entre os relevos no assentamento, voltado para a questo da continuidade visual do piso. Alm disso, observou-se que a norma no informa claramente sobre parmetro tcnico, pois o apresenta como nota e sem clareza nos valores (ver destaque em vermelho na ilustrao 46). Ilustrao 45 Dimenso do piso ttil de alerta Fonte: ABNT, 2004 Ilustrao 46 montagem da tabela 3 da NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004 Piso Ttil Direcional O elemento selecionado exterior edificao, referente componente Orientao e tambm no est totalmente de acordo com a norma. O parmetro tcnico ausente nesse elemento o mesmo do elemento piso ttil alerta, distncia do eixo da primeira linha de relevo at a borda do piso. As suposies para este caso so as mesma acima apresentadas, 87878787 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 87878787inclusive a norma tambm apresenta esse valor como nota (ver destaque em vermelho ilustrao 47). Ilustrao 47 montagem da tabela 4 da NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004 vlido frisar que ambos os pisos selecionados tm a mesma cor, vermelho, contrariando as determinaes da NBR 9050 de 2004 que diz que os pisos tteis devem ter cor contrastante com a do piso adjacente (ABNT, 2004, p.30). Desta forma, esperado que essa ausncia de contraste afete o experimento realizado com o convidado baixa-viso, j que o contraste cromtico auxiliaria o mesmo no deslocamento nos pisos. vlido frisar que esses foram os pisos encontrados que mais apresentavam parmetros corretos em relao a norma brasileira, e por esse motivo foram os selecionados para o experimento. 2. Rampa O elemento selecionado exterior edificao, referente componente Deslocamento e no est totalmente de acordo com o item 6.5 da norma, referente a rampas. O parmetro tcnico ausente nesse elemento a guia de balizamento (ver ilustrao 48) que deveria estar no limite da largura da rampa, j que esta no tem parede em um dos lados. Apesar da norma no justificar o uso de tal guia, acredita-se que esta pode servir para: evitar que objetos pequenos caiam pelas laterais da rampa; dar mais segurana ao cadeirante, pois as rodas no sairiam do piso; e auxiliar a orientao de uma pessoa com deficincia sensorial visual. Como a instalao do corrimo obrigatria nas rampas, a guia no teria a funo de orientar. Desta forma, acredita-se que h chances dessa ausncia influenciar no resultado do experimento, principalmente no que diz respeito ao cadeirante. Contudo, entre as rampas encontradas, essa foi a que reunia o maior nmero de parmetros tcnicos acordados com a NBR 9050 de 2004. 88888888 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 88888888 Em nenhum momento no item referente a rampas mencionado sobre a sinalizao ttil em rampas. Ao observar o item da norma referente a sinalizao ttil no piso, constatou-se que haviam parmetros tcnicos e determinaes referentes a rampa. Desta forma, h outro parmetro tcnico ausente no elemento selecionado. Como este parmetro se refere a Orientao e o objetivo do experimento ser o Deslocamento, neste caso acredita-se que no haver influncia. Ilustrao 48 Corte em uma rampa identificando a guia de balizamento Fonte: ABNT, 2004 3. Escada O elemento selecionado interior edificao, referente componente Deslocamento e tambm no est totalmente de acordo com a norma. O parmetro tcnico ausente nesse elemento refere-se sinalizao visual na borda do piso, em cor contrastante com a do acabamento. Por esse parmetro estar visivelmente ligado componente orientao e o objetivo aqui foi o deslocamento, acredita-se que essa ausncia no influenciar no resultado do experimento. vlido frisar que a exposio desse parmetro pela norma realizada de maneira confusa. A norma, no item 6.6.4.4, diz que se deve seguir as orientaes da figura 77, quando na verdade as orientaes para o parmetro esto na ilustrao 58 (ver ilustrao 49). O texto referente a essa ilustrao diz que a sinalizao deve estar na borda do piso e a ilustrao mostra a sinalizao localizada afastada da borda (ver ilustrao 49). Alm disso, muitas ilustraes de escadas contidas na NBR 9050 de 2004, como as figuras 88 e 89 (ABNT, 2004, p.47), no possuem tal parmetro (ver ilustrao 50). 89898989 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 89898989 Ilustrao 49 Sinalizao em escadas na NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004 Ilustrao 50 Escadas no sinalizadas na NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004 4. Corrimo Esse foi o nico caso onde foram testados dois elementos: um corrimo externo integrado a rampa e outro interno, integrado a escada. Como esto integrados elementos referentes ao Deslocamento, tambm foram classificados da mesma forma. Esses corrimos 90909090 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 90909090esto de acordo com a NBR 9050 de 2004. Como a norma traz esse elemento em um item separado, optou-se por analis-lo separadamente. 5. Porta O elemento selecionado interior edificao, referente componente Uso e est totalmente de acordo com o item 6.9.2 da NBR 9050, referente a porta. Contudo, foi observado que o item 5.10, intitulado sinalizao de portas (ABNT, 2004, p.28), trazia parmetros e determinaes de instalao de informaes visuais e tteis nas portas, o que no foi referenciado no item 6.9.2. Tanto que em nenhum dos exemplos de porta trazidos neste item, apresentou-se as devidas informaes visuais e tteis (ver figura 51). Apesar da porta selecionada no ter sinalizao visual ou ttil, referente a Orientaes, acredita-se que no se refletir nos resultados do experimento, uma vez que o foco ser o Uso. Ilustrao 51 Exemplos de portas sem sinalizao na NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004, p.52 6. Barras de Apoio O elemento selecionado interior edificao, referente componente Uso e est totalmente de acordo com a norma. Este se encontra integrado com uma bacia sanitria. 91919191 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 919191917. Bacia Sanitria O elemento selecionado interior edificao, referente componente Uso e est totalmente de acordo com a norma. 8. Lavatrio O elemento selecionado interior edificao, referente componente Uso e no est totalmente de acordo com a norma. Os parmetros tcnicos ausentes neste elemento so trs: dispositivo de proteo para tubulao; barras de apoio; e torneira. Apesar da NBR 9050 de 2004 no explicar o motivo da proteo, acredita-se que ela sirva em casos onde o lavatrio disponha de gua quente, evitando que o cadeirante sofra queimaduras. J que o lavatrio em questo s disponibiliza gua fria, acredita-se que a ausncia do parmetro no influenciar no resultado do experimento. A prpria norma traz ilustrao de lavatrio sem a proteo, o que pode levar o leitor a interpretaes equivocadas (ver destaque em vermelho na ilustrao 52). Ilustrao 52 montagem da figura 137 da NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004, p.75 A norma tambm no explica as razes para a implantao das barras de apoio, contudo acredita-se que sirvam para proporcionar maior segurana, principalmente quando o lavatrio no de material rgido, como o plstico. Como o lavatrio em questo est embutido em uma bancada de granito instalada firmemente na parede, acredita-se que a ausncia das barras no ter grande influencia no resultado do experimento. A torneira da bancada selecionada tambm no est de acordo com a NBR 9050. Ela deveria ser acionada por alavanca, sensor eletrnico ou dispositivo equivalente, no entanto, ela de registro giratrio. Contudo, no haver influncia no experimento porque o parmetro 92929292 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 92929292a ser avaliado na torneira est relacionado a sua distncia da borda do lavatrio. Sendo assim, s ser observado se a pessoa consegue alcanar a torneira. Como pde ser observado, nenhum dos elementos selecionados referem-se a componente Comunicao. A razo para tal, que a norma no traz parmetros tcnicos para essa componente. A NBR 9050 de 2004 traz apenas duas determinaes para a componente Comunicao: 1. Lngua brasileira de sinais (Libras), item 5.8 da norma para este item referente Comunicao a norma menciona o seguinte: O local determinado para posicionamento do intrprete de Libras deve ser identificado com o smbolo internacional de pessoas com deficincia auditiva (surdez), visando orientar os expectadores. Deve ser garantido um foco de luz posicionado de forma a iluminar o intrprete de sinais, desde a cabea at os joelhos. Este foco no deve projetar sombra no plano atrs do intrprete de sinais (ABNT, 2004, p. 28). Apesar desse item determinar a identificao, ele no traz parmetros tcnicos posicionando e mensurando o local. 2. Telefone, item 9.2. da norma este item, que apesar de no estar inserido dentre os itens de comunicao e sinalizao, traz dois subitens que se referem Comunicao: Amplificador de sinal e; Telefone com texto (TDD). Estes subitens dizem o seguinte: Em espaos externos, pelo menos 5% do total de telefones, com no mnimo um, deve dispor de amplificador de sinal. (...) Em edificaes, deve haver pelo menos um telefone com amplificador de sinal por pavimento. Quando houver instalao de conjuntos de telefones, o telefone com amplificador de sinais deve estar localizado junto a eles (ABNT, 2004, p. 91). Apesar deste subitem determinar a quantidade dos telefones com amplificador de sinal, no determina as caractersticas que devem ter o TDD no Brasil, como: tamanho do visor, tamanho dos caracteres, tamanho das teclas, entre outras. 93939393 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 93939393Em edificaes de grande porte e equipamentos urbanos, tais como centros comerciais, aeroportos, rodovirias, estdios, centros de convenes, entre outros, deve ser instalado pelo menos um telefone por pavimento que transmita mensagens de texto (TDD) (ABNT, 2004, p. 91). Como o objetivo dessa pesquisa de campo analisar os parmetros tcnicos, o estudo de elementos relacionados com a Comunicao no ser possvel. Sendo assim, os elementos referentes s componentes da acessibilidade espacial Deslocamento, Uso e Orientao (ver captulo 2.1), sero analisados na seguinte ordem: 3. Rampa Item 6.5 da NBR 9050 de 2004; 4. Escada Item 6.6 da NBR 9050 de 2004; 5. Corrimo Item 6.7 da NBR 9050 de 2004; 6. Porta Item 6.9.2 da NBR 9050 de 2004; 7. Barras de Apoio Item 7.2.4 da NBR 9050 de 2004; 8. Bacia Sanitria Item 7.3.1 da NBR 9050 de 2004; 9. Lavatrio Item 7.3.6 da NBR 9050 de 2004; Deslocamento Uso 1. Piso Ttil de Alerta Item 5.14.1 da NBR 9050 de 2004; 2. Piso Ttil Direcional Item 5.14.2 da NBR 9050 de 2004. Orientao ! 94949494 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 94949494 Definio das normas internacionais Para aprofundar a discusso dos parmetros tcnicos dos elementos selecionados, os mesmos foram analisados em normas internacionais. Os critrios de seleo para essas normas foram: normas de pases com reconhecida experincia e aplicao da acessibilidade espacial; normas referenciadas em trabalhos cientficos. Dessa forma, foram selecionadas as seguintes normas: ADA/ABA Norma norte americana de acessibilidade espacial. Reviso mais recente, datada de 2004, que une a ADA Americans with Disabilities Act e a ABA The Architectural Barriers Act. Essa norma tem 304 pginas, das quais 140 so destinadas exclusivamente teoria e introduo as questes da acessibilidade e da norma, e as demais pginas so de parmetros tcnicos e suas explicaes. Usa o sistema de polegadas e o mtrico. A ADA/ABA foi escolhida pelo seu renome internacional, e por ser bastante referenciada em trabalhos cientficos. Acredita-se que tal reconhecimento se deu pelo fato dos EUA ter sido um dos primeiros pases a tomar aes efetivas para a promoo da acessibilidade (ver captulo 2.1). A ABA, por exemplo, foi aprovada em 1968, 17 anos antes da primeira NBR 9050. GDN Norma tcnica recomendada pela comisso europia na ECA European Concept for Accessibility. O Guide Des Normes (Guia de Normas), norma de Luxemburgo, datada de 1997, a nica norma tcnica disponvel no site da ECA, o que contribuiu para a sua escolha. Como visto no captulo 2.1, Europa e Estados Unidos foram pioneiros na questo da acessibilidade espacial. A GDN tem 172 pginas, das quais 7 so de introduo da norma e seus objetivos e as demais so de parmetros tcnicos, determinaes e sua explicaes. Os valores apresentados so no sistema mtrico. Polcm cm 95959595 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 95959595 Definio dos convidados O critrio que definiu o grupo de pessoas que participou dos experimentos foi o grau de dificuldade para o desempenho de atividades do cotidiano. Como descrito na introduo dessa dissertao, contou-se com sete pessoas de diferentes sexos: uma cadeirante; uma cega; uma com dificuldades de enxergar (baixa viso); uma idosa; uma pessoa que utiliza muletas; uma pessoa jovem e sem deficincia; e uma mulher com seu filho cadeirante. Para no expor a identidade das pessoas, optou-se pelo uso de letras para denomin-las. Desta forma temos: A Pessoa A Tem 23 anos, sexo masculino e pratica tnis. Aos 2 anos, em um acidente de carro, perdeu o movimento das pernas. Para se locomover utiliza uma cadeira de rodas de modelo convencional para adultos (aproximadamente 70 cm x 110 cm). As principais restries que essa pessoa pode sofrer na realizao de atividades em um ambiente no acessvel, so de Deslocamento e Uso. Pessoa B Tem 26 anos, sexo masculino, 1,72 m de estatura. Perdeu a viso no olho esquerdo aos 13 anos, devido a uma pancada, e no olho direto aos 15 anos, devido a um glaucoma, doena que ataca os nervos oculares. Utiliza a bengala para se orientar no espao. As principais restries que essa pessoa pode sofrer na realizao de atividades em um ambiente no acessvel, so de Orientao, Deslocamento e Uso. B Castilla-La Mancha O Manual de Acessibilidade Integral uma iniciativa das comunidades de Castilla-La Mancha, Espanha, datada de 2003. Essa norma foi escolhida por ter sido utilizada por Baptista (2003) e por ter sido redigida, coordenada e dirigida por Jos Antonio Junc Ubierna, autor de renome na rea da acessibilidade espacial. A norma, que tambm utiliza o sistema mtrico, tem 387 pginas, das quais 8 so exclusivamente de fundamentos e conceitos, e as demais so de parmetros tcnicos, determinaes e sua explicaes, e textos legais. cm 96969696 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 96969696 Pessoa D Tem 87 anos, sexo feminino, 1,40 m de estatura. Pelo avano da idade, tende a sofrer todas as restries na participao em atividades em um ambiente no acessvel: Orientao, Comunicao, Deslocamento e Uso. Dentre algumas de suas limitaes tem-se: deslocamento mais lento; equilbrio menor; viso e audio menos aguadas; e devido seqelas de quedas, so limitados o alcance horizontal, alcance vertical e a pega. No utiliza tecnologias assistivas. D Pessoa E Tem 23 anos, sexo feminino, 1,60 m de estatura. A princpio, no sofre nenhuma restrio em potencial. Propositalmente, foi solicitado que calasse sapato salto alto durante os experimentos, j que este tipo de calado, bastante utilizado pelas mulheres, faz com que percam parte de seu equilbrio natural. Desta forma, a principal restrio que poderia sofrer na realizao de atividades em um ambiente no acessvel, seria de Deslocamento. E Pessoa C Tem 40 anos, sexo masculino, 1,72m de estatura. Aos 35 anos, devido a toxoplasmose doena infecciosa causa por um protozorio houve um deslocamento de retina, apresentado baixa viso. As imagens so inclinadas e turvas em sua viso. Alm disso, apenas enxerga uma frao do todo, fazendo com que fique rastreando o ambiente incessantemente para ter uma noo do entorno. Apesar disso, se recusa a usar bengala, mesmo sendo consciente dos benefcios desta tecnologia assistiva. A principal restrio que essa pessoa pode sofrer na realizao de atividades em um ambiente no acessvel, de Orientao. C 97979797 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 97979797 Para se chegar em algumas dessas pessoas, contou-se com o intermdio de duas associaes de pessoas com deficincia: ACIC Associao Catarinense de Integrao dos Cegos e AFLODEF Associao Florianopolitana de Deficientes Fsicos. Contou-se tambm com o auxlio da direo do Colgio de Aplicao da Universidade Federal de Santa Catarina. Essas entidades foram muito solcitas, sempre dispondo do tempo de seus colaboradores para ajudar o autor a concluir seus estudos. vlido frisar que as sete pessoas assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido (ver apndice 1), onde permitem a divulgao das informaes obtidas no experimento. Por questes ticas, previstas nesse termo, o nome das pessoas foi mantido no anonimato. Pessoa F Tem 27 anos, sexo feminino, 1,45 m de estatura. Suas maiores dificuldades so de coordenao motora, fora e equilbrio dos membros inferiores. Tambm no tem sensibilidade nos ps. Sua deficincia foi causada por mielomeningocele, patologia que afeta a medula espinhal. Para amenizar suas dificuldades, utiliza bengalas do tipo canadense onde o apoio se d no antebrao e no punho. Tem dores nas mos, com presena de edema, ao se locomover por grandes distncias utilizando as bengalas. Desta forma, a principal restrio que poderia sofrer na realizao de atividades em um ambiente no acessvel, seria de Deslocamento e Uso. F Pessoa G Tem 9 anos, sexo masculino. Suas maiores dificuldades so de coordenao moTora e dico. Para realizar as tarefas do cotidiano, ele conta com a ajuda de sua me. Sua deficincia foi causada por paralisia cerebral. Possui uma cadeira de rodas do modelo infantil para que sua me tenha menos dificuldades em auxili-lo em atividades de locomoo. Desta forma, suas principais restries em um ambiente no acessvel so de Comunicao, Deslocamento e Uso. G 98989898 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 989898984.1.2. Aplicao do experimento Para a aplicao do experimento foi preciso que o autor identificasse o elemento, descrevendo-o, mostrando sua conformidade com os parmetros tcnicos da NBR 9050 de 2004 e trazendo ilustraes para facilitar a compreenso dos dados. Em seguida iniciou-se o processo de anlise comparativa entre a norma brasileira e as internacionais. Dessa forma, identificaram-se quais os parmetros tcnicos apresentavam maior divergncia entre as normas, e assim, definiram-se quais os parmetros que teriam prioridade nas observaes e discusses. Aps estes momentos que o experimento foi realizado, levando a pessoa at o elemento e convidando-a a interagir com o mesmo. Esse momento da aplicao do experimento foi filmado e gravado em udio, ambos em formato digital. A filmagem permitiu que o experimento fosse revisto vrias vezes, facilitando a anlise do autor. O objetivo da gravao em udio foi no perder as informaes trocadas em momentos onde no foram realizadas filmagens, como no decorrer do percurso entre um elemento e outro. 4.2. PISOS TTEIS 4.2.1. Descrio Os pisos tteis so aqueles que fornecem informaes sobre o ambiente para pessoas com restries sensoriais visuais. A NBR 9050 de 2004 o classifica em dois tipos: alerta e direcional. O alerta serviria para advertir as pessoas de possveis perigos quanto a: eminncia de obstculos suspensos; rebaixes de calada; incio e trmino de escadas e rampas; elevadores; e desnveis. J o direcional serviria para guiar a pessoa ao seu destino. Salvas as consideraes em 4.1.1, passamos a descrever os pisos selecionados. 99999999 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 999999994.2.1.1. Piso Alerta O piso alerta selecionado de cor vermelha e encontra-se associado a um piso direcional de mesma cor. Os parmetros tcnicos do piso selecionado esto dispostos na tabela 2. A identificao do elemento e seus parmetros encontra-se na ilustrao 53. Piso Alerta Piso Alerta Piso Alerta Piso Alerta ((((mmmmm)m)m)m) Dimetro base relevo Dist. horiz. centro relevo Dist. diag. centro relevo Altura relevo NBR 9050/2004 22 x 30 42 x 53 60 x 75 3 x 5 Objeto de Pesquisa 25 46 68 5 Tabela 2 Piso Alerta Pesquisa de Campo Ilustrao 53 Piso Alerta Pesquisa de Campo 4.2.1.2. Piso Direcional O piso direcional selecionado que est associado ao piso alerta exposto acima, tambm de cor vermelha e tem os seguintes parmetros: Piso Direcional Piso Direcional Piso Direcional Piso Direcional ((((mmmmm)m)m)m) Largura base relevo Largura topo relevo Dist. horiz. centro relevo Altura relevo NBR 9050/2004 30 x 40 20 x 30 70 x 85 4 x 5 Objeto de Pesquisa 30 23 80 5 Tabela 3 Piso Direcional Pesquisa de Campo Legenda Dimetro da base do relevo Piso Alerta Distncia horizontal entre centros de relevo Distncia diagonal entre centros de relevo 100100100100 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 100100100100 Ilustrao 54 Piso Direcional Pesquisa de Campo 4.2.2. Anlise comparativa das normas 4.2.2.1. Piso Alerta O GDN a nica norma que no apresenta parmetros de dimensionamento para os pisos tteis, apenas faz recomendaes sobre o uso e aplicao. Levando-se em considerao os diferentes sistemas mtricos utilizados nos pases de origem das normas selecionadas, constata-se certa compatibilidade entre os parmetros para o dimensionamento do piso (ver tabela 4). Acredita-se que o objetivo desses parmetros garantir que o piso seja sentido pelas pessoas independente do tipo de calado que utilizem. Piso AlertaPiso AlertaPiso AlertaPiso Alerta ((((mmmmm)m)m)m) NBR 9050/2004 ADA/ABA Castilla-La Mancha Dimetro da base do relevo 22 x 30 23 x 36 26 Distncia horizontal entre centros de relevo 42 x 53 41 x 61 40 Distncia vertical entre centros de relevo No consta 41 x 61 40 Distncia diagonal entre centros de relevo 60 x 75 No consta No consta Altura do relevo 3 x 5 5,1 3 x 5 Tabela 4 Piso Alerta NBR 9050 x Normas Internacionais 01 Legenda Largura da base do relevo Piso Alerta Distncia horizontal entre centros de relevo Largura do topo do relevo 101101101101 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 101101101101 Todas as normas, at mesmo a GDN, so de consenso que o piso alerta deve ser utilizado em plataformas de embarque e desembarque, percorrendo toda a extenso da rea de uso pblico. S diferem quanto ao valor do parmetro referente a distncia entre o piso e a borda da plataforma (ver tabela 5). Piso AlertaPiso AlertaPiso AlertaPiso Alerta ((((mmmmm)m)m)m) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Distncia da borda da plataforma x 50 x = 61 x = 100 x 60 Tabela 5 Piso Alerta NBR 9050 x Normas Internacionais 02 Acredita-se que esse parmetro sirva para garantir segurana a pessoa, informando-a previamente sobre a existncia de um perigo eminente. Apesar de no apresentarem exatamente os mesmos valores para os parmetros de uso, as normas se igualam ao indicar o uso dos pisos tteis de alerta para advertir de possveis perigos encontrados em um trajeto de maneira geral. No captulo 5.14.1.2 da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.31) referente a esse elemento, encontramos um erro que vem sendo observado com certa freqncia na norma. No item e do captulo, a norma diz que o piso deve ter uma largura entre 0,25 m e 0,60 m [...] conforme figura 65. Observando a figura 65 dessa norma, observamos que a largura de 0,25 m e 0,50 m (ver ilustrao 55). Ilustrao 55 figura 65 da NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004, p.33. 102102102102 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 102102102102 4.2.2.2. Piso Direcional J no incio do captulo 5.14.2 da NBR 9050 de 2004 referente a sinalizao ttil direcional, foi observado uma incoerncia. O item a mostra que o piso deve ter textura com seo trapezoidal, qualquer que seja o piso adjacente (ABNT, 2004, p.33). Contudo, na nota que segue logo abaixo, a norma diz que quando o piso adjacente tiver textura, recomenda-se que a sinalizao ttil direcional seja lisa (ABNT, 2004, p.33) (ver ilustrao 56). Essas informaes contraditrias causam dvidas no leitor e podem ter reflexos negativos no ambiente construdo. Ilustrao 56 montagem sobre texto da NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004, p.33. Todas as normas, exceto a ADA & ABA, mencionam o piso ttil direcional. Contudo, s a NBR 9050 traz parmetros tcnicos de dimensionamento desse piso, e as demais normas apenas recomendaes de uso. Acredita-se que assim como no piso alerta, esses parmetros tambm objetivam garantir que as pessoas sintam o piso mesmo com os ps calados. As normas tambm so de consenso que este piso deve ser utilizado em reas de circulao, na ausncia ou interrupo da guia de balizamento, indicando o caminho a ser percorrido, e em espaos amplos. Sobre a composio da sinalizao ttil de alerta e direcional, o Guia de Luxemburgo pouco informa, apenas mostra que estes devem ser dispostos retilneos e que caso seja necessrio fazer curvas, que estas sejam feitas em ngulo reto. O Manual de Castilla-La Mancha tambm pouco informa sobre a composio dos pisos. Porm, traz exemplos que leva o leitor a supor que os pisos podem ser compostos de qualquer maneira (ver ilustrao 57). 103103103103 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 103103103103 Ilustrao 57 - Exemplo de composio de pisos tteis no Manual de Castilla-La Mancha Fonte: UBIERNA, 2003. Acredita-se que a NBR 9050/2004 bem mais completa quanto a este parmetro, trazendo vrias possibilidades de combinao entre os pisos, curvas de vrios ngulos, afastamentos e posicionamento, alm de trazer vrios exemplos de uso (ver ilustrao 58). Ilustrao 58 - Exemplo de composio de sinalizao ttil de alerta e direcional em diferentes tipos de travessia de pedestre Fonte: ABNT, 2004. Tendo em vista as consideraes realizadas, o principal ponto a ser observado ser a percepo ttil do piso pelas pessoas, alm do conforto e segurana desse piso no ambiente construdo. Previamente espera-se que todos os convidados para o experimento consigam perceber os pisos, j que possuem valor mximo para altura do relevo. Contudo, no se sabe se esse valor mximo de altura pode representar risco a segurana dos pedestres. 104104104104 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 104104104104 4.2.3. Resultado e discusso O experimento constar de uma combinao de pisos tteis em duas situaes: 1. Mudana de direo utilizando apenas o piso direcional com inclinao inferior a 165 ser observado se as pessoas com deficincia visual conseguem perceber a curva descrita na ilustrao 59; 2. Mudana de direo de deslocamento utilizando o piso alerta (ver ilustrao 60) ser observado se a pessoa consegue distinguir o piso alerta e qual ser sua ao ao se deparar com o mesmo. Ilustrao 59 Piso Direcional Pesquisa de Campo Ilustrao 60 Composio de Pisos Tteis Pesquisa de Campo Foram convidadas as pessoas que mais se beneficiariam com os pisos, B e C. Alm dessas, tambm foi convidada a pessoa E que por estar calando salto alto, poderia ter algum problema relacionado a segurana ao se locomover nesses pisos. Os demais convidados previamente j afirmaram ter problemas com o piso, chegando a dizer que o evitavam. A e F, que sabiam quais as implicaes do piso, elogiaram sua implantao, mesmo no se sentindo 105105105105 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 105105105105 confortveis sobre ele. Alm do mais, os pisos no chegam a ocupar toda a rea da calada, possibilitando que as pessoas escolham por onde andar. Ilustrao 61 Pisos Tteis Pesquisa de Campo Pessoa B Ilustrao 62 Pisos Tteis Pesquisa de Campo Pessoa C C C conseguiu distinguir o que era piso alerta e direcional mesmo sendo de cores iguais. Tambm no sentiu dificuldade para fazer a curva e para saber o significado do alerta na juno dos pisos. B B conseguiu perceber a mudana de piso e distinguir o que era piso alerta e direcional. B conseguiu identificar o alerta, mas no soube o que esse queria informar. Achou que se tratava de uma faixa de pedestres, quando era a entrada principal da edificao. B conseguiu mudar de direo acompanhando o piso direcional. 106106106106 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 106106106106 Ilustrao 63 Pisos Tteis Pesquisa de Campo Pessoa E Como j era esperado, os dois convidados com limitaes visuais conseguiram distinguir os pisos apenas pelo tato, provavelmente devido ao valor mximo do relevo dos pisos estudados. Contudo, esse relevo tambm causou desconforto E que estava calando salto alto. Como o piso ttil ocupa uma pequena rea da calada, acredita-se que as pessoas que calam sapato de salto alto no tm maiores problemas com o piso. Mesmo havendo casos onde o piso ocupe grande parte da calada, cr-se que os benefcios trazidos com esses elementos superam em grande escala os possveis riscos. Para futuras revises da norma brasileira, seria interessante a observao de ao menos um ponto: a definio de outros tipos de pisos tteis. Atualmente existem dois pisos tteis definidos pela NBR 9050, o alerta e o direcional. O piso alerta tambm usado para indicar mudana no sentido do deslocamento, e isso pode causar confuso nas pessoas como foi observado na ilustrao 60. Acredita-se que a elaborao de outros tipos de piso, como para indicar mudana de direo por exemplo, contribuiria bastante, principalmente para as pessoas com limitaes visuais que necessitam que o ambiente lhes oferea informaes no visuais da maneira mais precisa possvel. E E achou os pisos desconfortveis e perigosos para quem cala sapatos com salto alto. Afirmou que o piso direcional pior que o piso alerta em desconforto, pois tem o relevo mais alongado. 107107107107 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 107107107107 4.3. RAMPA 4.3.1. Descrio A rampa um elemento do ambiente construdo que permite o deslocamento vertical. Este realizado por um plano inclinado, que pode ou no ter patamares, fazendo parte da componente Deslocamento, definida por Dischinger e Ely (apud OLIVEIRA, 2006). A NBR 9050 de 2004 incorpora o elemento rampa, como componente de uma rota acessvel. Segundo essa mesma norma, rota acessvel seria um trajeto contnuo, desobstrudo e sinalizado, que conecta os ambientes externos ou internos de espaos e edificaes, e que possa ser utilizada de forma autnoma e segura por todas as pessoas, inclusive aquelas com deficincia (ABNT, 2004, p. 4). Desta forma, fica ressaltada a importncia desse elemento no espao construdo. A rampa estudada possui dois segmentos, de diferentes inclinaes. Entre os segmentos h um patamar, pois h mudana de direo, desta forma a rampa disposta em U conforme croqui abaixo. Ilustrao 64 Croqui e planta da rampa em estudo O elemento em questo apresenta os seguintes parmetros tcnicos (ver tabela 6). RampaRampaRampaRampa Incl. long. < 80 cm Largura livre Patamar - Dimenso Longitudinal Incl. trans NBR 9050/2004 6,25% < x 8,33% x 120 cm x 120 cm x 2% 1 Segm. 5 % Objeto de Pesquisa 2 Segm. 8,33 % 128 cm 136 cm 1,5% Tabela 6 Descrio da rampa estudada 108108108108 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 108108108108 Como se pde observar acima, os parmetros tcnicos da rampa inclinao longitudinal, largura livre, dimenso longitudinal do patamar e inclinao transversal esto em conformidade com a NBR 9050 de 2004. Cada um desses parmetros ser analisado no item seguinte, 4.3.2. Abaixo segue imagens da rampa selecionada (ver ilustrao 65). Ilustrao 65 Rampa Pesquisa de Campo 4.3.2. Anlise comparativa das normas A inclinao longitudinal de uma rampa influencia diretamente no esforo que ser despendido na sua utilizao. Pode-se dizer que quanto maior a inclinao, maior ser o esforo realizado para conseguir se deslocar e vice-versa. Quanto inclinao longitudinal mnima, observa-se algo interessante com a norma brasileira ao analisar a tabela 3. Enquanto as outras normas consultadas recomendam que a inclinao longitudinal mnima ou ideal seja menor que um determinado valor, a NBR 9050 de 2004 diz que esse valor deve ser igual a 5%, pois a norma define rampas como aquelas com declividade igual ou superior a 5% (ABNT, 2004, p.4). Supondo-se que quanto menor a inclinao menor o esforo, no se sabe o porqu da norma brasileira no recomendar inclinaes mais amenas, seguindo o exemplo das outras normas estudadas. Se a norma considera inclinao transversal para piso at 3%, o que seriam os planos inclinados entre 3% e 5%? Por que a rampa no pode ser classificada como qualquer plano com declividade inferior a 12,5% que sirva para o deslocamento vertical? Legenda 2 segmento de rampa 1 segmento de rampa 109109109109 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 109109109109 RampaRampaRampaRampa NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Inclinao longit. Mn. x = 5% x 8,33% x 6% x 6% Inclinao longit. Mx. 12,50% 12,50% 6,00% 12,00% Tabela 7 Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 01 Quanto a inclinao longitudinal mxima, observa-se uma equiparao entre os valores apresentados, com exceo da Guide Des Normes. Observa-se que esta inclinao mxima s permitida em casos excepcionais, como em adaptaes em ambientes j existentes, e respeitando uma determinada altura de desnvel. Como a GDN no apresenta casos excepcionais para o elemento rampa, a inclinao mxima considerada foi a mxima ideal, razo pela qual difere tanto das outras normas. vlido ressaltar que a norma brasileira a nica que traz uma equao matemtica para o clculo da inclinao de uma rampa: i = (h x 100)/c. Nessa equao: i a inclinao em porcentagem; h a altura do desnvel; e c o comprimento da projeo horizontal (ver ilustrao 66). A primeira crtica feita quanto o sinal de igualdade, j que se acredita que quanto menor a inclinao mais confortvel ser o deslocamento na rampa. Desta forma, pensa-se que se essa equao for empregada, deve-se ao menos usar o sinal de menor ou igual (). Outro ponto que a norma no diz qual mtodo usar, pois alm da equao tambm traz tabelas contendo inclinao em funo de desnveis e nmero de segmentos, o que pode gerar confuso. Sendo assim, acredita-se que apenas as tabelas com as inclinaes e as alturas seriam suficientes, uma vez que todas as normas internacionais consultadas se referem s inclinaes de rampas por meio de tabelas. 110110110110 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 110110110110 Ilustrao 66 - Exemplo de rampa Fonte: ABNT, 2004, p.42. Apenas as normas brasileira e norte americana apresentaram parmetro para desnvel mximo de rampa sem patamar, que seria equivalente a medida h da ilustrao 65. Para a definio dessa medida nas demais normas, foram usadas as medidas do comprimento da projeo horizontal mxima e a inclinao recomendada em cada uma (ver ilustrao 67). Ilustrao 67 Clculo para aferio dos desnveis mximos para GDN e Castilla-La Mancha GDN Inclinao = 6% (1:16,7) 1m 16,7m x m 6 m x = 0,36 m Castilla-La Mancha 1m 16,7m Inclinao = 6% (1:16,7) x m 10 m x = 0,60 m 111111111111 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 111111111111 Conforme a tabela 8, para altura do desnvel se destacam a GDN e a NBR 9050. A GDN apresenta a menor medida, provavelmente por ter sido a norma que apresentou as medidas mais amenas para este parmetro, principalmente a medida da projeo horizontal, 6 m. J a norma brasileira apresenta o maior desnvel, 150 cm, sendo aproximadamente cinco vezes maior que o da GDN e duas vezes maior que o da ADA/ABA. No se conseguiu chegar a nenhuma concluso plausvel para tal discrepncia. RampaRampaRampaRampa NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Desnvel Mximo 150 cm 76 cm 36 cm 60 cm Tabela 8 Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 02 Na tabela 9 observa-se que todas as normas apresentam medidas iguais para a inclinao transversal, com exceo da NBR 9050, que apresenta medida 1% menor para ambientes internos. Esta norma no diz o porqu dessa inclinao; j a norma norte americana diz que serve para o escoamento de guas. Por apresentar medidas diferenciadas para esse parmetro em ambientes internos e externos, acredita-se que a finalidade apontada pela ADA/ABA esteja correta. RampaRampaRampaRampa NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Interno x 1% Inclinao transversal Externo x 2% x 2% x 2% x 2% Tabela 9 - Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 03 Para largura livre (ver tabela 10), a norma norte americana a que apresenta menor medida, equivalente a uma pessoa se deslocando em cadeira de rodas. A medida da norma brasileira equivale a uma pessoa se deslocando com muletas ou duas pessoas lado a lado, sem portar nenhum tipo de carga. As demais normas tm medidas equivalentes a duas cadeiras de rodas. Tendo em vista o maior conforto e segurana das pessoas, se deveria recomendar rampas que permitissem a passagem de duas cadeiras de rodas simultaneamente, acompanhando o exemplo da GDN e da norma de Castilla-La Mancha. RampaRampaRampaRampa NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Largura livre x 120 cm x 91,5 cm x 160 cm x 150 cm Tabela 10 - Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 04 112112112112 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 112112112112 Dependendo da altura do desnvel a vencer, o patamar se torna um elemento necessrio para o descanso das pessoas. Todas as normas apresentam como dimenso longitudinal mnima do patamar, valor maior ao mdulo de referncia de uma cadeira de rodas, 120 cm (ABNT, 2004, p.6). Contudo, a norma brasileira permite uma dimenso exatamente igual dimenso longitudinal de uma pessoa em cadeira de rodas (ver tabela 11). Isto quer dizer que no foi prevista uma margem de segurana para que a pessoa em cadeira de rodas pudesse se acomodar no patamar, sem o risco de voltar um segmento de rampa. Quanto inclinao transversal todas as normas apresentaram o mesmo valor. Novamente a NBR 9050 apresenta medidas diferenciadas para ambientes interno e externo, tendo este ltimo medida mais elevada, acompanhando a idia do escoamento de guas (ver tabela 11). RampaRampaRampaRampa NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Patamar - Dimenso Longitudinal x 120 cm x 152,5 cm x 160 cm x 150 cm Interno x 2% Patamar Inclinao transversal Externo x 3% x 2% x 2% x 2% Tabela 11 - Rampa NBR 9050 x Normas Internacionais 05 Na NBR 9050 de 2004, os parmetros tcnicos para o elemento corrimo em rampas so os mesmo em escadas, e encontram-se no item 4.5 dessa dissertao. Contudo, para rampa o uso de duas alturas de corrimo obrigatrio, diferente da escada onde o uso optativo. Alm disso, exigido guias de balizamento, de altura mnima de 5 cm, nas laterais de uma rampa sem paredes laterais. As outras normas tambm trazem este parmetro, s que com a medida mnima de 10 cm. Apesar da norma brasileira no justificar o uso de tais guias, a norma espanhola diz que se trata de um elemento de proteo para cadeira de rodas (ver ilustrao 68). Ilustrao 68 - Exemplo da guia de balizamento servindo de proteo Fonte: UBIERNA, 2003, p.51. 113113113113 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 113113113113 Tendo em vista a anlise realizada, os principais pontos que sero observados no experimento so: Inclinaes o 1 segmento de rampa segundo a tabela de inclinaes da NBR 9050 (ABNT, 2004, p.42) para desnveis de at 80 cm, a inclinao mnima seria de 6,25%, sem dar o motivo da restrio da inclinao. Partindo do pressuposto que quanto menor a inclinao mais confortvel o deslocamento, como observado nas demais normas, esse experimento servir para observar a influncia desta inclinao, 5%, no conforto das pessoas, visto que menor do que o recomendado pela norma. o 2 segmento de rampa por ter inclinao mxima permitida para desnveis de no mximo 80 cm, 8,33%, essa observao ser importante para verificar se mesmo com inclinao mxima haver conforto no deslocamento. Como a largura livre e a dimenso longitudinal do patamar apresentam valores maiores que os mnimos e a inclinao transversal menor que a recomendada, acredita-se que no apresentaro problemas s pessoas. Quanto a ausncia da guia de balizamento acredita-se que, pela largura livre ser maior que o mdulo de referncia da cadeira de rodas, no trar transtornos. Isto porque o experimento ser realizado com uma pessoa por vez. Como foi visto, essa largura insuficiente para o deslocamento de duas cadeiras de roda ao mesmo tempo, ou o deslocamento confortvel de um cadeirante e uma pessoa a p. Como se trata de parmetros tcnicos de um elemento comum todas as pessoas convidadas, os experimentos foram realizados com todos. 4.3.3. Resultado e discusso Nesse experimento foi pedido que a pessoa subisse a rampa at o segundo patamar e depois descesse, conforme ilustrao 69. Tambm foi solicitada a opinio sobre o elemento ao decorrer do experimento. 114114114114 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 114114114114 Ilustrao 69 Percurso realizado na rampa de estudo Ilustrao 70 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa A A no teve problema para subir o 1 segmento da rampa. Chegou a afirmar que devido a inclinao suave, no parecia ser uma rampa. Tambm achou boa a largura da rampa. A no teve problemas nos patamares, tanto no momento de fazer a curva para subir o 2 trecho, como para parar a cadeira de rodas com segurana. Apesar do 2 trecho ter exigido mais fora, A considerou a rampa confortvel. Tambm disse que no teve dificuldades na descida. A 115115115115 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 115115115115 Ilustrao 71 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa B Ilustrao 72 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa C C B B no teve dificuldade para subir a rampa estudada, achando-a confortvel. Relatou que sentiu a diferena de inclinao de uma para a outra. B disse que achava mais difcil descer do que subir a rampa, devido a sua limitao visual. C inicia declarando sua preferncia pelo elemento, em comparao a escada para os deslocamentos verticais. Afirmou que na rampa ele pode olhar para frente, enquanto na escada olha sempre para baixo com receio de se acidentar. Achou a subida da rampa confortvel e segura, e sentiu a diferena de inclinao dos segmentos. C considerou igualmente confortvel subir e descer a rampa. 116116116116 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 116116116116 Ilustrao 73 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa D Ilustrao 74 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa E E D Observou-se que os parmetros tcnicos da rampa estudada supriram as necessidades de segurana, conforto e autonomia de D. Toda subida fez segurando o corrimo e parte da descida ela realiza sem us-lo. Desta forma, mesmo afirmando que subida e descida so igualmente confortveis, cr-se que houve maior conforto e segurana na descida. E afirmou que a rampa estava confortvel e segura, tanto para subir como descer. No usou o corrimo e ao ser questionada afirmou no necessitar do elemento naquele caso. Tambm identificou as inclinaes e declarou sua preferncia pela rampa para o deslocamento vertical. Isso devido ao desconforto em subir escadas com salto alto. 117117117117 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 117117117117 Ilustrao 75 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa F Ilustrao 76 Rampa Pesquisa de Campo Pessoa G F Para a subida, F achou a rampa confortvel e segura em toda sua extenso. No utiliza os corrimos, pois necessita dos 2 braos para se deslocar com as muletas. Afirmou preferir rampas, apesar de sentir insegurana na descida pelo elemento. Contudo, achou a rampa estudada confortvel e segura. F tambm identificou as inclinaes dos segmentos. G A me de G achou a rampa confortvel e segura em toda sua extenso. No utiliza os corrimos, pois empurra a cadeira de rodas com as duas mos. A largura do patamar no foi suficiente para que G e sua me fizessem um giro de 180, mudando o sentido de seu deslocamento. 118118118118 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 118118118118 A maior surpresa na realizao desse experimento foi constatar a preferncia de todas as pessoas pelo elemento rampa, para o deslocamento vertical. At mesmo as pessoas com maiores dificuldades de equilbrio, que se acreditava preferir a escada por no ter planos inclinados, declararam a preferncia pela rampa. Outro dado coletado que despertou interesse foi que as pessoas dizem se sentir menos seguras e confortveis na descida do que na subida da rampa. Contudo, todas consideraram a rampa confortvel e segura. Isto leva a crer que apesar de se sentirem menos seguras na descida, a inclinao da rampa conseguiu amenizar essa sensao fazendo com que esse elemento se tornasse adequado todos. Todas as pessoas acharam as inclinaes suaves, o que proporcionou conforto e segurana no deslocamento. vlido frisar que a maioria conseguiu sentir a diferena entre as inclinaes dos dois segmentos, sendo o primeiro mais suave. As pessoas que mais sentiram a inclinao foram A e a me de G, que utilizam cadeira de rodas. Mesmo assim, consideraram confortvel o deslocamento. Dessa forma, como observado na comparao entre as normas internacionais, acredita-se que os parmetros tcnicos para as inclinaes de rampas, dispostas na NBR 9050 de 2004, atendem de maneira satisfatria populao. Contudo, vlido pontuar que essa populao de adultos, pois como observado no captulo 3.2, no foram usados dados antropomtricos de crianas nos estudos para a NBR 9050 de 2004. Isto demonstra a necessidade da norma ser mais abrangente, suprindo no s as necessidades dos adultos, como tambm das crianas e dos idosos. O parmetro referente largura no foi suficiente todos. Apesar de A ter conseguido realizar um giro de 180 em sua cadeira de rodas no patamar da rampa, essa largura no foi suficiente para G e sua me. Isso demonstra que esse parmetro foi pensado para uma situao com apenas uma pessoa, e como foi observado no experimento com G, isso no reflete a realidade. Alm disso, vlida a ressalva de que os experimentos foram realizados com uma pessoa por vez. Em um caso real poderia haver trnsito de pessoas no local, o que poderia comprometer os resultados obtidos. Desta forma, acredita-se que o mais correto seria indicar uma largura livre onde pudessem passar ao menos duas cadeiras de roda ao mesmo tempo, como o caso da GDN. Isto possibilitaria maior conforto, principalmente em rampas muito extensas e onde h mudanas de direo, pois neste caso o campo de viso interrompido e no se v que vem. 119119119119 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 119119119119 4.4. ESCADA 4.4.1. Descrio A escada um elemento do espao construdo, composto por degraus, e assim como a rampa, tambm serve para o deslocamento vertical. Desta forma, esse elemento tambm faz parte da componente Deslocamento da acessibilidade espacial. A NBR 9050 de 2004 incorpora o elemento escada, como componente de rota acessvel interna, da mesma forma que a rampa, demonstrando tambm a importncia desse elemento no espao construdo. Foi selecionado um trecho de uma escada disposto em U, composto de dois lances de 11 de degraus com um patamar para mudana de direo, conforme lustrao 77. Ilustrao 77 - Croqui e planta da rampa em estudo O elemento em questo est de acordo com a NBR 9050 de 2004, apresentando os seguintes parmetros tcnicos (ver tabela 12). EscadaEscadaEscadaEscada (cm) Bocel Espelho Piso p + 2e Largura da escada Dimenso longitudinal do patamar NBR 9050/2004 x 1,5 16 < x < 18 28 < x < 32 63 < x < 65 120 x 120 x Objeto de Pesquisa 1,5 17 30,9 64,9 150 150 Tabela 12 Escada Pesquisa de Campo Cada um dos parmetros dispostos na tabela 12 ser apresentado em seguida no item 4.4.2. Abaixo segue uma imagem da escada onde possvel identificar seus principais parmetros tcnicos e seus materiais de revestimento. O material empregado o piso 120120120120 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 120120120120 cermico antiderrapante, na cor cinza, com granito nas bordas, em um tom mais escuro de cinza (ver ilustrao 78). Ilustrao 78 Escada Pesquisa de Campo 4.4.2. Anlise comparativa das normas O parmetro identificado em vermelho na ilustrao 77 o Bocel. a parte saliente do degrau de uma escada, que tem funo ornamental. Por ser uma salincia, acredita-se que o bocel possa causar acidentes por aumentar as chances de tropeo no deslocamento pela escada. Provavelmente, este o motivo da norma de Castilla-La Mancha recomendar evitar o tal ornamento (ver tabela 13). A NBR 9050 permite o uso do bocel contanto que tenha a dimenso mxima de 1,5 cm para a salincia. Desta forma, tudo leva a crer que nos estudos para elaborao de tal parmetro chegou-se a concluso de que esta dimenso no apresenta risco aos usurios. J a norma norte americana permite uma dimenso maior para o bocel. Acredita-se que o mais indicado seria recomendar o no uso de tal elemento, como na norma espanhola. Contudo, visando no restringir o projeto arquitetnico, cr-se que a norma brasileira apresenta o melhor parmetro para este elemento, uma vez que apresenta a menor dimenso e consequentemente menor probabilidade de acidentes decorrentes de tropeos. Escada Escada Escada Escada (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Bocel x 1,5 x 3,8 No comenta Recomenda evitar Tabela 13 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 01 Espelho a parte vertical do degrau, e todas as normas trazem parmetros para este elemento. A NBR 9050 e a ADA/ABA, definem 18 cm como dimenso mxima confortvel Bocel Piso Espelho Legenda 121121121121 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 121121121121 para o espelho (ver tabela 14). As demais normas definem 16 cm como dimenso mxima confortvel, 2 cm a menos. Apenas a NBR 9050 e a ADA/ABA definem uma dimenso mnima, tendo a norma norte americana a menor dimenso. Acredita-se que esta diferena de 6 cm entre as normas, possa ser decorrncia dos dados antropomtricos usados na NBR 9050, como observado no captulo 3.2, uma vez que no foram usados dados de crianas. Piso a parte horizontal do degrau e tambm contemplado por todas as normas. Com exceo da norma espanhola, as normas definem 28 cm como dimenso mnima (ver tabela 14). Apenas a norma brasileira define uma dimenso mxima para o piso. Acredita-se que dessa forma proporciona melhor conforto no deslocamento, j que evita extensas passadas para vencer os degraus. Alm da definio de dimenses mximas e mnimas, a NBR 9050 tambm traz a equao: 0,63 m < p + 2e < 0,65 m (ABNT, 2004, p. 45), onde p piso e e espelho; e um baco para saber o grau de inclinao de uma escada (ver ilustrao 79). A GDN apresenta duas equaes: 0,61 m < p + 2e < 0,64 m; e p + e = 0,48 m. Escada Escada Escada Escada (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Espelho 16 x 18 10 x 18 x 16 x 16 Piso 28 x 32 28 x 28 x 30 x Tabela 14 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 02 Ilustrao 79 baco para escadas da NBR 9050 de 2004 Fonte: ABNT, 2004, p.45. 122122122122 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 122122122122 Apenas a NBR 9050 e a ADA/ABA trazem parmetros para a inclinao transversal, como pode-se observar na tabela 15. Como visto anteriormente, tudo leva a crer que esse tipo de inclinao sirva para o escoamento de guas. Escada Escada Escada Escada (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Inclinao transversal x 1% x 2% No comenta No comenta Tabela 15 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 03 De maneira geral, possvel observar certa equivalncia dos dados: para espelho se teria 16 cm como medida comum todas e para piso se teria 30 cm. Sendo assim, observa-se que para estes parmetros a norma brasileira est equivalente as demais. Exceto a ADA/ABA, todas as normas apresentam mesma dimenso para largura mnima de escada, como se observa na tabela 16. Segundo a NBR 9050, a largura de uma pessoa 60 cm (ABNT, 2004, p. 5). Desta forma, acredita-se que a dimenso foi determinada visando a passagem de duas pessoas ao mesmo tempo na escada. Isto nos leva outra suposio, a de que o parmetro antropomtrico de largura para uma pessoa o mesmo para as normas. A norma norte americana no determina este parmetro possivelmente por no considerar a escada como componente de uma rota acessvel. Contudo, define uma largura de 203 cm para escadas integradas com plataformas de elevao. Possivelmente para passagem de duas pessoas, 120 cm, e uma cadeira de rodas, 80 cm, ao mesmo tempo na escada. Escada Escada Escada Escada (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Largura Escada 120 x No comenta 120 x 120 x Tabela 16 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 04 Acredita-se que certa distncia entre o primeiro ou ltimo degrau e rea de circulao, evita que haja coliso entre as pessoas, a que est usando a escada e a que est se deslocando na rea de circulao. Apenas a NBR 9050 e a GDN trazem parmetros para isso (ver tabela 17). Porm, h uma grande divergncia entre a dimenso mnima para este parmetro, definida pelas normas. De qualquer forma, cr-se que quanto maior a distncia, menor a possibilidade de coliso entre as pessoas. Dessa forma, a GDN proporcionaria maior conforto e segurana do que a NBR 9050 de 2004. 123123123123 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 123123123123 Com exceo da ADA/ABA, todas as normas apresentam parmetro de altura patamar, que diz que a partir de determinada altura obrigatrio a instalao de um patamar em escadas (ver tabela 17). A NBR 9050 diz que a cada 320 cm, cerca de 18 degraus, deve haver um patamar de no mnimo 120 cm de largura, onde possa passar at duas pessoas ao mesmo tempo. A GDN e a norma espanhola dizem que deve haver um patamar, respectivamente a cada: 160 cm e 192 cm. Considerando que o patamar uma rea de descanso, pode-se dizer que a norma brasileira traz um parmetro pouco confortvel em relao as demais normas. Possivelmente isso tambm seja reflexo dos parmetros antropomtricos da NBR 9050, uma vez que no foi considerada a populao idosa ou as crianas, que tm tnus muscular inferior a de um adulto. Escada Escada Escada Escada (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Distncia do primeiro e ltimo degrau da rea de circulao 30 x No comenta 100 x No comenta Altura para patamar x = 320 No comenta x = 160 x = 192 Tabela 17 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 05 Apenas as normas brasileira e espanhola trazem parmetro para dimenso longitudinal do patamar, que o comprimento do patamar. As normas definem a mesma dimenso de 120 cm (ver tabela 18). Acredita-se que tal valor seja decorrente da passada de uma pessoa usando muleta (ABNT, 2004, p. 5), podendo ter havido ento, uma equiparao entre os parmetros antropomtricos utilizados. Somente a norma brasileira traz parmetro para inclinao transversal do patamar, diferenciando, ainda, rea interna e externa (ver tabela 18). Isto refora a suposio de que esse parmetro sirva para o escoamento de guas, principalmente por ter inclinao maior no ambiente externo, que o mais exposto s intempries. Escada Escada Escada Escada (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Dimenso Longitudinal do Patamar 120 x No comenta No comenta 120 x Interno x 1% No comenta No comenta No comenta Inclinao transversal do patamar Externo x 2% No comenta No comenta No comenta Tabela 18 Escada NBR 9050 x Normas Internacionais 06 124124124124 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 124124124124 Tendo em vista o material analisado, tm-se como principais pontos de observao no experimento: 1. Bocel por apresentar dimenso mxima, ser observado se oferece risco s pessoas; 2. Espelho apesar de estar de acordo com a norma, esta dimenso 1 cm maior que a permitida na GDN e na norma de Castilla-La Mancha. Dessa forma, ser observado se esta dimenso, mesmo estando de acordo com a norma, confortvel s pessoas; 3. Piso essa dimenso est de acordo com todas as normas estudas. De qualquer forma, ser observado se esta dimenso proporciona conforto na passada; Os parmetros tcnicos no citados acima esto de acordo com a norma, com uma grande margem de segurana. Desta forma, acredita-se que esses parmetros no influenciaro no experimento. So eles: inclinao transversal de degraus e patamar; largura de escada; distncia que o primeiro e o ltimo degraus devem distar de uma rea de circulao; patamar por desnvel; e dimenso longitudinal do patamar. vlido lembrar que esse elemento no possui a devida sinalizao (ver captulo 4.1.1). 4.4.3. Resultado e discusso Nesse experimento foi pedido que a pessoa descesse a escada, passando pelo patamar e chegando ao piso inferior, e depois subisse pelo mesmo trajeto (ver ilustrao 80). Tambm foi solicitada a opinio sobre o elemento ao decorrer do experimento. Ilustrao 80 - Percurso realizado na escada de estudo Nesse experimento, apenas A e G no participaram. vlido pontuar que D foi a nica pessoa alertada previamente sobre o possvel risco de acidente devido ao bocel, pois tem histrico de acidentes em escadas, e o autor no gostaria de se responsabilizar por isso. 125125125125 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 125125125125 Ilustrao 81 Escada Pesquisa de Campo Pessoa B Ilustrao 82 Escada Pesquisa de Campo Pessoa C C B B no teve dificuldade para descer a escada. Com a bengala ia previamente fazendo a varredura para identificar o trmino dos degraus. Ao final da descida afirmou que a escada estava confortvel. C achou confortvel tanto a subida como a descida da escada. No teve problemas com o bocel. Suas maiores crticas foram quanto ao pouco contraste nos pisos da escada. Ao contrrio do que se esperava, a ausncia desse parmetro foi notada e promoveu certa dificuldade no deslocamento. Na subida, B tropeou no bocel, contudo conseguiu restaurar o equilbrio rapidamente. Apesar do tropeo, ao final da subida considerou que a escada supria suas necessidades. 126126126126 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 126126126126 Ilustrao 83 Escada Pesquisa de Campo Pessoa D Ilustrao 84 Escada Pesquisa de Campo Pessoa E E D D se deslocou na escada com lentido, devido a sua condio fsica. Mesmo assim, observa-se que tem dificuldades em se movimentar no elemento. Apesar disto, disse ter gostado da escada, achando-a confortvel e segura. No teve problemas para subir ou descer a escada. Tambm no tropeou no bocel. Contudo, no de seu agrado o elemento escada, pois afirma ficar prestando ateno nos pisos de forma a caber todo o sapato e no se acidentar. Para evitar o desconforto de deslocar-se olhando para baixo, algumas vezes pisa com a ponta dos ps. 127127127127 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 127127127127 Ilustrao 85 Escada Pesquisa de Campo Pessoa F Apesar da NBR 9050 apresentar o menor parmetro para o bocel entre as normas consultadas, este no foi suficiente para garantir a segurana de todas as pessoas. Como visto anteriormente, B tropeou nesse elemento e poderia ter sofrido um acidente. Apesar de apenas uma pessoa ter tido problemas com o bocel, excetuando-se D que foi advertida para sua existncia antes do experimento, acredita-se que esse elemento no deveria ser permitido pela NBR 9050, ou ao menos poderiam ter seus parmetros com dimenses diminudas. Desconsiderando o problema com o bocel, todas as pessoas afirmaram no ter tido problemas com a escada estudada. Acredita-se que se deva ao fato de no apresentar parmetros extremos para espelho e piso. Contudo, observou-se que o uso de salto alto aparentemente exige maior piso para ter maior sensao de segurana. Isso porque tanto E quanto F tiveram desconforto durante a subida da escada: E em alguns momentos subiu apoiada apenas na ponta dos ps e houveram momentos no deslocamento na escada em que F no conseguiu posicionar o p com segurana, fazendo com que o mesmo casse. Desta forma, acredita-se que um piso maior poderia ter proporcionado maior conforto E e F. vlido dizer que para F, ao contrrio de E, o salto alto no foi proposital, e que no item 6.6 da F F classificou a escada como boa, conseguindo deslocar-se sem grandes problemas. Sua crtica foi quanto ao mrmore usado, que deixava a escada escorregadia, fazendo com que o salto de seu sapato casse. Contudo, observando o experimento, viu-se que o motivo era que F no conseguia posicionar bem o p no piso. vlido ressaltar que F no teve problemas com o bocel. 128128128128 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 128128128128 NBR 9050 referente a degraus e escadas, no existem parmetros tcnicos ou determinaes para o atrito dos materiais empregados, que foi o ponto negativo observado por F. Para os demais parmetros tcnicos, a escada apresentou valores superiores aos mximos e mnimos recomendados. Acredita-se que por essa razo, esses parmetros no foram citados. Contudo, cr-se que eles refletiram positivamente no experimento. 4.5. CORRIMO 4.5.1. Descrio O corrimo um elemento do espao construdo que instalado geralmente ao longo de uma escada ou rampa, a fim de fornecer apoio s pessoas que sobem ou descem. Dessa forma, este elemento ajuda na segurana, uma vez que no deslocamento vertical realizado em uma rampa ou escada devido a postura inclinada assumida pelo corpo, o equilbrio da pessoa fica comprometido, principalmente se ela estiver em deslocamento mais acelerado. Alm de auxiliar no equilbrio, o apoio tambm facilita o deslocamento pois se pode usar a fora muscular dos membros superiores. Neste item sero estudados dois corrimos distintos associados a elementos distintos (ver ilustrao 86). O primeiro corrimo tem seo circular, confeccionado em metal e associado ao elemento rampa, a mesma estudada no item 4.3 dessa dissertao. O segundo corrimo tem seo no circular, confeccionado em madeira e associado ao elemento escada, a mesma do item 4.4. Ilustrao 86 Croqui dos corrimos em estudo 129129129129 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 129129129129 O corrimo 01, associado a rampa, apresenta parmetros tcnicos de acordo com a tabela 19. Corrimo 01 Corrimo 01 Corrimo 01 Corrimo 01 (cm) Largura Espaamento livre da parede Prolongamento final Altura do corrimo superior Altura do corrimo inferior NBR 9050/2004 3 x 4,5 4 x 30 x x = 92 x = 70 Objeto de Pesquisa 4 5 30 92 70 Tabela 19 Corrimo 01 Pesquisa de Campo Como observado, todos os parmetros desse corrimo esto de acordo com a norma brasileira: largura, nesse caso igual ao dimetro da seo; espaamento livre da parede, distncia ente o corrimo e a parede; prolongamento final, a medida que deve ter o corrimo aps o trmino dos degraus; altura do corrimo superior, altura do corrimo medido da geratriz superior; altura do corrimo inferior, j que est instalada em rampa obrigatrio o duplo corrimo (ver ilustrao 87). Ilustrao 87 - Corrimo 01 O corrimo 02, associado a escada, apresenta parmetros tcnicos de acordo com a tabela 20. Legenda Altura do corrimo superior Altura do corrimo inferior Prolongamento Corrimo 01 Largura (Seo) 130130130130 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 130130130130 CorrimoCorrimoCorrimoCorrimo 02 02 02 02 (cm) Largura Espaamento livre da parede Prolongamento final Altura do corrimo superior NBR 9050/2004 3 x 4,5 4 x 30 x x = 92 Objeto de Pesquisa 4,5 5 30 e 70 92 Tabela 20 Corrimo 02 Pesquisa de Campo Nesse corrimo tambm so atendidos todos os parmetros da norma brasileira: largura da seo; espaamento livre da parede; prolongamento final; e altura do corrimo superior. Como se trata de um corrimo associado a escada, o duplo corrimo no obrigatrio (ver ilustrao 88). Ilustrao 88 - Corrimo 02 4.5.2. Anlise comparativa das normas A norma brasileira recomenda que para o corrimo seja usada a seo circular. Como foi visto na discusso sobre empunhadura na NBR 9050 de 2004, as sees geomtricas so as mais recomendadas quando se h uma grande diversidade de pegas. Dessa forma no s a seo circular, que uma forma geomtrica regular, como outras formas deveriam ser recomendadas. A ADA/ABA traz um bom exemplo disto ao definir parmetros para corrimos de seo circular e no circular (ver captulo 3.2.7). Na tabela 21 observa-se que Largura (Seo) Prolongamento (30 cm) Legenda Prolongamento (70 cm) Altura do corrimo Corrimo 02 131131131131 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 131131131131 todas as normas apresentam parmetros para a largura do corrimo, tendo em comum a dimenso de 4 cm. CorrimoCorrimoCorrimoCorrimo (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Largura 3 x 4,5 x 5 x = 4 3 x 5 Tabela 21 Corrimo NBR 9050 x Normas Internacionais 01 O parmetro tcnico de espaamento livre da parede visa a utilizao do corrimo de modo seguro e confortvel. Observa-se na tabela 22 uma equiparao entre os parmetros das duas primeiras normas, NBR 9050 e ADA/ABA, e das duas ltimas normas, GDN e Castilla-La Mancha. Isso pode ser o indcio de uma provvel cpia de dados entre estes pases. Apenas a NBR 9050 apresenta parmetro especfico para distncia da face superior de reentrncia, que ocorre quando o corrimo instalado em um nicho na parede. Nesse caso, o parmetro refere-se a distncia da geratriz superior do corrimo superfcie acima. A norma norte americana estabelece o valor de 3,8 cm (ver tabela 22) para afastamento de qualquer superfcie adjacente ao corrimo, isso quer dizer que qualquer obstculo deve distar 3,8 cm do corrimo. Todas as normas trazem 30 cm como dimenso mnima de prolongamento de corrimo, tanto no incio como no fim do corrimo. O 0,5 cm de distoro na ADA/ABA proveniente do sistema numrico utilizado nessa norma, polegadas. Acredita-se que este prolongamento sirva para proporcionar maior segurana, apoio e orientao s pessoas, uma vez que uma informao extra no trmino e incio de um lance de degraus. CorrimoCorrimoCorrimoCorrimo (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Espaamento livre da parede 4 x 3,8 x x = 5 5 x Distncia face superior de reentrncia 15 x 3,8 x No comenta No comenta Prolongamento final 30 x 30,5 x x = 30 30 x Tabela 22 Corrimo NBR 9050 x Normas Internacionais 02 Os parmetros para altura do corrimo superior so similares, contudo apenas a NBR 9050 e a GDN definem uma dimenso exata a seguir , x =. No se sabe ao certo quais parmetros antropomtricos so usados na definio destes parmetros tcnicos. Mesmo 132132132132 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 132132132132 assim, acredita-se que definir um intervalo de medidas ao invs do = utilizar o e/ou como no caso da norma norte americana e espanhola (ver tabela 23), possibilita maior liberdade no projeto arquitetnico e maior tolerncia as distores ocorridas na execuo do projeto. Para escada, a norma brasileira no obriga o uso de um corrimo mais baixo, apenas torna seu uso optativo, diferente do caso da rampa onde o uso obrigatrio. A ADA/ABA tambm no obriga o uso, contudo, adverte que quando o ambiente for muito freqentado por crianas, o elemento deve ser implantado para auxiliar seu deslocamento vertical. CorrimoCorrimoCorrimoCorrimo (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Altura do corrimo superior x = 92 86,5 x 96,5 x = 90 90 x 95 Altura do corrimo inferior x = 70 x = 71 x = 70 70 x 75 Tabela 23 Corrimo NBR 9050 x Normas Internacionais 03 Outro ponto importante que a NBR 9050 de 2004, nos itens que tratam de rampas e escadas, itens 6.5 e 6.6 (ABNT, 2004), em nenhum momento menciona a obrigatoriedade do uso dos corrimos, item 6.7. Menciona essa obrigatoriedade no item referente ao corrimo. Acredita-se que essa ausncia de informao possa causar confuses nos projetistas e gerar reflexos negativos no espao construdo. Por exemplo, o profissional ao consultar a norma no item escada no encontrar nada sobre a obrigatoriedade do uso de corrimo, cabendo ao mesmo esta deciso. Partindo do pressuposto que poucos profissionais conhecem as implicaes de uma ambiente acessvel, uma escada poder ser construda sem ter o corrimo, essencial ao deslocamento em escadas e rampas, pois propicia segurana e apoio. Tendo em vista essa anlise, os principais pontos que sero observados no experimento com os corrimos sero: 1. Largura (seo) ser observada a preferncia das pessoas pela pega, circular ou no; 2. Prolongamento final ser observado o quanto esse parmetro pode auxiliar as pessoas; 3. Altura do corrimo superior por ser uma medida restritiva, no deixando uma margem para variao, nesse experimento ser observado se essa altura confortvel; 133133133133 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 133133133133 4. Altura do corrimo inferior ser observado se as pessoas utilizaro essa altura no corrimo 01, justificando sua obrigatoriedade nas rampas. Pelo espaamento livre da parede ser maior que o recomendado, acredita-se que este no representar desconforto as pessoas. 4.5.3. Resultado e discusso Os experimentos para os dois corrimos foram realizados simultaneamente aos elementos a que esto integrados. Pelo uso da filmagem de alta resoluo foi possvel destacar os detalhes pertinentes ao uso dos corrimos. Apesar de A e G terem participado do experimento com a rampa onde est instalado o corrimo 01, eles no fizeram uso deste. Assim, A e G no aparecero nesse experimento. Como E que no necessitou usar o corrimo, foi solicitado que refizesse o experimento utilizando o elemento para que pudesse participar desse experimento. Ilustrao 89 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa B B B achou confortvel a altura do corrimo 1, elogiando principalmente a continuidade. Percebeu o prolongamento no inicio e fim dos segmentos, e considerou que o mesmo d mais segurana, pois a pessoa antes de iniciar a rampa j est com a mo no corrimo. B tambm achou confortvel o corrimo 2. Contudo, disse preferir a seo circular do corrimo 1. Reclamou dos pontos de troca de direo no corrimo 2, onde as emendas no so suaves como no corrimo 1. Elogiou o prolongamento de 70 cm. 134134134134 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 134134134134 Ilustrao 90 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa C Ilustrao 91 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa D D C C tambm achou confortvel a altura do corrimo 1. Fez uma observao importante: disse que no corrimo de uma rampa a principal funo seria guiar, uma vez que raras vezes precisa dele como apoio fora ao contrrio do caso da escada. D considerou o corrimo 1 confortvel. Afirmou que o prolongamento ajudou bastante no deslocamento, principalmente quanto questo da segurana. C tambm achou confortvel o corrimo 2, preferindo sua seo no circular por se ajustar melhor a sua mo. Achou que os prolongamentos do corrimo, principalmente o de 70 cm, deram mais segurana no deslocamento. D achou igualmente confortvel e seguro o corrimo 2, preferindo sua seo no circular. Chegou a dizer que iria instalar um corrimo de mesma seo do corrimo 2 na escada de sua residncia. 135135135135 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 135135135135 Ilustrao 92 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa E Ilustrao 93 Corrimo Pesquisa de Campo Pessoa F F E Aps utilizar o corrimo 1, afirmou ser confortvel, altura e pega, contudo dispensvel. Ao usar o corrimo 2, tambm o achou confortvel. Disse que principalmente o prolongamento de 70 cm no corrimo da escada trouxe segurana. Quando indagada pela seo, optou pela circular porque permitia o encontro do polegar com os demais dedos. F tambm no teve necessidade do corrimo 1 para se deslocar na rampa. Achou confortvel o corrimo 2, e tambm gostou da seo no circular. Contudo, quando perguntado sobre a seo circular, F expressou sua preferncia por esta. Usou a mesma justificativa de E, a questo da pega completa. F tambm considerou os prolongamentos como sendo uma segurana adicional ao deslocamento. 136136136136 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 136136136136 Trs pessoas das cinco entrevistadas preferiram a seo circular seo no circular, demonstrando que ambas so boas. Contudo, quando indagado o motivo da preferncia da seo circular, a maioria respondeu que nessa seo a pega seria completa, ou seja, a mo abraaria todo o permetro do corrimo. Desta maneira, observa-se que tal preferncia motivada mais pelo permetro do que pela forma da seo. Sendo assim, a norma poderia em futuras revises possibilitar o uso de sees circulares e no circulares no elemento corrimo, incluindo o permetro da pega como parmetro tcnico. Outra surpresa foi a constatao de que para a maioria das pessoas convidadas, o corrimo se fez mais necessrio quando associado ao elemento escada. Sendo assim, a NBR 9050 tambm deveria tornar obrigatrio o uso do duplo corrimo na escada, onde se mostra necessrio. Confirmando o que foi discutido anteriormente, todos acharam que o prolongamento do corrimo promoveu mais segurana no deslocamento, principalmente o prolongamento de 70 cm na escada. Com isso acredita-se que a NBR 9050 deveria definir, alm da medida mnima, uma medida ideal que fosse cerca de duas vezes maior que a mnima. Para o parmetro de espaamento livre da parede, o corrimo apresentou valor superior ao mximo recomendado. Acredita-se que por essa razo, esse parmetro no foi notado. Contudo, cr-se que ele influenciou de forma positiva no experimento. 4.6. PORTA 4.6.1. Descrio A porta um elemento do ambiente construdo que serve de abertura para um elemento de vedao, como uma parede. a porta que possibilita o acesso, em seu significado mais simples, de pessoas diferentes ambientes de uma edificao. Alm do acesso, a porta tambm possibilita a privacidade, pois ao fech-la, a pessoa se isola do exterior. Desta forma, fica clara a importncia deste elemento no espao construdo. 137137137137 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 137137137137 A porta estudada do tipo corta chama de 1 folha, confeccionada em metal leve em cor amarela. Suas dobradias tm dispositivo que permite o fechamento automtico, contudo no requer fora para o manuseio, como o caso do mecanismo pneumtico. Essa porta ser estudada em duas situaes: puxando e empurrando a porta (ver ilustrao 94). Ilustrao 94 Croquis e plantas da porta em estudo Como observado na ilustrao 94, as duas situaes onde a porta est inserida so bem amplas, o que possibilitou o experimento com os vrios tipos de aproximao para pessoas em cadeira de rodas (ver ilustrao 95). Os parmetros tcnicos da porta na duas situaes so: PortaPortaPortaPorta Maior rea perpendicular porta - Empurrando Maior rea perpendicular porta - Puxando Vo Livre Altura da maaneta NBR 9050/2004 150 cm 90 cm 80 cm 90 x 110 Objeto de Pesquisa x > 150 cm x > 90 cm 80 cm 106 cm Tabela 24 Porta Pesquisa de Campo Como observado na tabela 24, a porta est de acordo com a NBR 9050. As reas circundantes da porta so bem maiores que o estabelecido pela norma, o vo livre de 80 cm e a altura da maaneta encontra-se no intervalo permitido, 106 cm. 138138138138 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 138138138138 Ilustrao 95 Porta Pesquisa de Campo 4.6.2. Anlise comparativa das normas A NBR 9050 de 2004 traz primeiramente parmetros tcnicos de espaamento necessrio junto s portas para que uma pessoa em cadeira de rodas possa utiliz-la. vlido ressaltar que estes parmetros s se apresentam em ilustraes. No h nada textualizado sobre eles, o que pode gerar dvidas durante a consulta. Na ilustrao 96, extrada da NBR 9050 de 2004, so mostradas medidas para este parmetro. Aqui pode-se ter a seguinte dvida: qual o espaamento necessrio para aproximao lateral, sentido maaneta/dobradia, para uma pessoa puxando a porta (seta em vermelho)? Ser 60 cm ou nenhum? Por ter o tracejado, acredita-se ser 60 cm, contudo no h como afirmar por no haver nada escrito sobre tal medida. Ilustrao 96 - Parmetros tcnicos para espaamento junto s portas NBR 9050 Fonte: ABNT, 2004, p.51. Legenda Emp/Lat/Dob-Ma Emp/Frontal Pux/Lat/Dob-Ma Pux/Lat/Ma-Dob Pux/Frontal Emp/Lat/Ma-Dob 139139139139 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 139139139139 Na tabela 25 observam-se as medidas para os parmetros de aproximao na NBR 9050 e na ADA/ABA. Por apresentarem parmetros mais detalhados que as demais, os parmetros dessas normas sero analisados separadamente. Apenas em dois casos a norma norte americana apresenta grande diferena entre a norma brasileira: rea livre mnima para aproximao frontal empurrando a porta, pois diz que no necessria rea perpendicular a porta fechada, e; rea livre mnima para aproximao lateral no sentido dobradia/maaneta puxando a porta, pois apresenta duas solues possveis. Para o primeiro caso, acredita-se que a ADA/ABA esteja correta, uma vez que a pessoa vem em deslocamento frontal e vai empurrar a porta. Teoricamente esta pessoa no necessitaria de reas livres laterais porta. A NBR 9050 de 2004 no mencionou a necessidade advinda de uma restrio que justificasse essa medida. Isso refora a importncia de um melhor contedo terico na norma, de modo que os projetistas saibam para que servem os parmetros tcnicos. NBR 9050/2004 ADA/ABA PortaPortaPortaPorta (Aproximao) Per. Porta6 Par. Porta7 Per. Porta Par. Porta rea livre mnima Aproximao frontal Empurrando 120 cm 30 cm 122 cm 0 cm Sentido Frontal rea livre mnima Aproximao frontal Puxando 150 cm 60 cm 152,5 cm 45,5 cm rea livre mnima Aproximao lateral Empurrando 120 cm 60 cm 106,5 cm 56 cm 152,5 cm 91,5 cm Sentido Dobradia para Maaneta rea livre mnima Aproximao lateral Puxando 150 cm 90 cm 137 cm 106,5 cm rea livre mnima Aproximao lateral Empurrando 120 cm 60 cm 106,5 cm 61 cm Sentido Maaneta para Dobradia rea livre mnima Aproximao lateral Puxando 150 cm 60 cm 122 cm 61 cm Tabela 25 Porta NBR 9050 x Normas Internacionais 01 6 Perpendicular a porta aberta. 7 Paralelo a porta aberta. 140140140140 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 140140140140 Acredita-se que o segundo caso decorrente do avano terico e tcnico da ADA/ABA. Diferente das outras normas, tambm traz parmetros para portas sanfonadas, de correr, para portas em nichos, para portas em seqncia, entre outros (ver ilustrao 97). Ilustrao 97 Outros tipos de parmetros tcnicos para porta trazidos na ADA/ABA Fonte: USAB, 2004. A GDN e a norma de Castilla-La Mancha no apresentam medidas to especficas para esse parmetro. A GDN diz que para todos os casos, deve-se prever uma rea mnima equivalente a um quadrado de 160 cm, antes e depois das portas, deixando um espao lateral de 60 cm (ver ilustrao 98). A norma recomenda o uso de uma rea quadrangular de 180 cm x 180 cm. Ilustrao 98 - Parmetros tcnicos para espaamento junto s portas - GDN Fonte: EuCAN, 2003, p. 2/012. A norma de Castilla-La Mancha diz que para todos os casos, deve-se prever uma rea mnima equivalente a uma circunferncia de 120 cm de dimetro, mas recomenda 150 cm de dimetro. Diferente da GDN, esta norma no considera a rea de abertura da porta como integrante da rea aproximao (ver ilustrao 99). Ilustrao 99 - Parmetro tcnico pra espaamento junto s portas - Castilla-La Mancha Fonte: UBIERNA, 2003, p. 107. 141141141141 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 141141141141 Para os parmetros de vo livre e altura livre houve uma similaridade entre todas as normas, como pode-se observar na tabela 26. vlido ressaltar que a norma brasileira a nica que estipula o vo mnimo de 100 cm para locais de prticas de esporte, provavelmente para a passagem de cadeiras de rodas esportivas, que em geral so mais largas que as comuns. PortaPortaPortaPorta NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Vo livre mnimo 80 cm 81,5 cm 90 cm 80 cm Altura 210 cm 203 cm No menciona 200 cm Tabela 26 Porta NBR 9050 x Normas Internacionais 02 Com exceo da norma de Castilla-La Mancha, as normas apresentam valores similares para o parmetro de altura da maaneta (ver tabela 27). Apesar da norma de Castilla-La Mancha no mencionar nada especfico para este parmetro, ela diz que todos os mecanismos de acionamento devem estar acima de 40 cm e abaixo de 140 cm. Mesmo assim, acredita-se que essas medidas no so adequadas altura de maanetas, uma vez que muitas pessoas teriam dificuldades em abrir uma porta com a maaneta a 40 cm do piso, por exemplo. Alm disso, todas as normas so de consenso que a maaneta deve ser do tipo alavanca. Apenas a NBR 9050 de 2004 no explica o porqu do uso deste tipo de maaneta, demonstrando falta de contedo terico. Porta Porta Porta Porta (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Altura da maaneta 90 x 110 86,5 x 122 85 x 110 No menciona Tabela 27 Porta NBR 9050 x Normas Internacionais 03 Existem outros parmetros para o elemento portas na norma brasileira. Contudo, a pesquisa de campo se restringir aos parmetros identificados na porta selecionada. Dessa forma, os principais pontos a serem observados no elemento so as reas livres para aproximao. Ser observado se as medidas mnimas dos vrios tipos de aproximao especificados na NBR 9050 de 2004 satisfazem o usurio cadeirante. Com exceo de G, todos participaram dos experimentos para esse elemento. Isso porque esta porta se encontra no segundo pavimento de uma edificao, e no momento o elevador estava inoperante, sendo o nico meio de deslocamento vertical. vlido frisar que os parmetros de rea livre de aproximao s foram realizados com A. A rea livre 142142142142 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 142142142142 estipulada na norma (ver tabela 25) foi simulada demarcando o espao requerido com fita adesiva. 4.6.3. Resultado e discusso Ilustrao 100 Porta Pesquisa de Campo Pessoa A Posio empurando a porta lateralmente, sentido maaneta/dobradia A considerou a rea suficiente para usar a porta. A Posio empurando a porta lateralmente, sentido dobradia/maaneta A considerou a rea suficiente para usar a porta. Posio empurando a porta, aproximao frontal A considerou a rea suficiente para usar a porta. Mas no usou a rea lateral. Posio puxando a porta lateralmente, sentido maaneta/dobradia A considerou a rea suficiente para usar a porta. Posio puxando a porta lateralmente, sentido dobradia/maaneta A considerou a rea suficiente para usar a porta. 143143143143 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 143143143143 Ilustrao 101 Porta Pesquisa de Campo Pessoa A Continuao Ilustrao 102 Porta Pesquisa de Campo Pessoa B Ilustrao 103 Porta Pesquisa de Campo Pessoa C C C achou confortvel e fcil o uso da maaneta, chegando a simular sua abertura sem as mos. Contudo, disse que o tipo retilneo de alavanca pode causar problemas, pois pode enganchar as roupas. Sendo assim, aconselha que a alavanca tenha o final curvo. B Posio empurando a porta, aproximao frontal A considerou a rea suficiente para usar a porta. A A considerou a maaneta confortvel, dando nfase ao modelo em alavanca, pois permite o uso mais fcil e confortvel. B achou confortvel e fcil o uso da maaneta, por sua altura e modelo em alavanca. Tambm sugeriu que todas as portas que abrissem para reas de circulao tivessem fechamento automtico, evitando acidentes. 144144144144 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 144144144144 Ilustrao 104 Porta Pesquisa de Campo Pessoa D Ilustrao 105 Porta Pesquisa de Campo Pessoa E Ilustrao 106 Porta Pesquisa de Campo Pessoa F A primeira constatao vinda dos experimentos foi de que o espaamento lateral de 30 cm para aproximao frontal, empurando a porta, no foi usado pelo convidado A. Dessa forma, cr-se que esse tipo de aproximao no necessita de reas livres laterais, como discutido anteriormente na comparao entre NBR 9050 e ADA/ABA. F E D E considerou confortvel e fcil o uso da maaneta. Para comprovar isso, abriu a porta sem usar as mos, que estavam segurando volumes pesados. F achou porta e maaneta confortveis e fceis de usar. Para usar a maaneta ela segura as muletas com uma mo e abre com a outra. Citou algumas vantagens da maaneta em alavanca comparada a tipo bola. Apesar de ter o movimento do brao direito limitado, D achou confortvel o uso da maaneta mesmo utilizando esse brao. 145145145145 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 145145145145 Outro ponto de discusso foi quanto ao parmetro tcnico de rea livre para posio puxando a porta lateralmente, sentido maaneta/dobradia (ver ilustrao 100). Segundo as observaes do experimento com esse parmetro realizado, notou-se que essa foi a rea que mais limitou A. Isto porque apenas conseguiu realizar o experimento dentro da rea demarcada na terceira tentativa. Mesmo assim ele considerou a rea suficiente para suas necessidades. Contudo, o autor acredita que essa rea para aproximao poderia ter medidas maiores a fim de proporcionar mais conforto aos cadeirantes. Todos consideraram a altura da maaneta confortvel, mesmo estando prxima mxima permitida. Outro consenso foi o de que a maaneta do tipo alavanca era a mais confortvel e de fcil uso. C chamou ateno para a maaneta do tipo alavanca reta o mesmo utilizado no experimento observando que essa maaneta pode prender uma pessoa pela roupa, por exemplo um casaco aberto. Neste caso, recomendou o uso de maanetas com a extremidade da alavanca curva em direo a porta, j existentes no mercado. Grande parte das pessoas comentou casos onde tiveram problemas ao usar uma maaneta do tipo bola, mesmo aquelas com rugosidades. Isto porque necessria a rotao do pulso, e em muitos casos isso no possvel: a mo pode estar suada e escorregadia; a pessoa pode ter limitao no movimento das mos; pode ter volumes nas mos; entre outros. 4.7. BARRAS DE APOIO 4.7.1. Descrio As barras de apoio so elementos instalados nos banheiros que auxiliam as pessoas no uso de seus equipamentos, como bacia sanitria, lavabo, e ducha. As barras do uma segurana extra no uso do banheiro, que como qualquer outra rea molhada de uma edificao, mais propcia ocorrncia de acidentes. A barra de apoio selecionada est associada com a bacia sanitria que ser estudada no captulo 4.6, e est localizada em um Box de 150 cm x 170 cm, seguindo o determinado pela NBR 9050 (ABNT, 2004, p.70). A barra confeccionada em metal e parafusada na parede de modo a dar rigidez ao elemento. de seo circular e contnua, a barra lateral e a do fundo so unidas tendo formato em L (ver imagem 107). 146146146146 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 146146146146 Ilustrao 107 Barras de Apoio Pesquisa de Campo Apesar da norma no mostrar em seus exemplos barras contnuas, a barra estudada possui todos os parmetros tcnicos trazidos na NBR 9050, conforme tabela 28. Barras de Barras de Barras de Barras de ApoioApoioApoioApoio (cm) Dimetro Distncia parede barra Comprimento barra lateral Comprimento barra fundo Altura das barras NBR 9050/2004 3 x 4,5 4 x 80 x 80 x 75 Objeto de Pesquisa 4 6,5 100 100 75 Tabela 28 Barras de Apoio Pesquisa de Campo 4.7.2. Anlise comparativa das normas vlido frisar que no incio do captulo 7 da NBR 9050, que trata de sanitrios e vestirios (ABNT, 2004, p.64), h um subcaptulo que trata de tolerncias dimensionais, onde dito que: Os valores identificados como mximos e mnimos nesta seo devem ser considerados absolutos. Demais dimenses devem ter tolerncias de mais ou menos 10 mm (ABNT, 2004, p.64). Acredita-se que tal informao dispersa inapropriada, pois pode confundir o leitor. Deveria-se considerar essa dimenso de 1 cm para mais e menos nas dimenses dos parmetros, dando tambm maior liberdade ao projeto. Por exemplo, se a dimenso de determinado parmetro 5 cm, a norma deveria por 4 cm x 6 cm. Apenas as normas brasileira e norte americana possuem parmetros tcnicos para definir o dimetro da barra e a distncia entre barra e parede, que apresentam valores de grande similaridade (ver tabela 29). Legenda Altura das barras Barra lateral Barra do fundo 147147147147 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 147147147147 A ADA/ABA permite o uso de barras de apoio de seo no circular, se respeitados certos parmetros tcnicos, como no caso dos corrimos da mesma norma. Alm disso, a norma norte americana traz mais parmetros para determinar as barras de apoio como: distncia entre a barra e objetos abaixo dela; distncia entre a barra e objetos nas suas extremidades, e; distncia entre a barra e objetos acima dela. Barras de ApoioBarras de ApoioBarras de ApoioBarras de Apoio (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA Dimetro 3 x 4,5 3,2 x 5,1 Distncia parede/barra 4 x 3,8 Tabela 29 Barras de Apoio NBR 9050 x Normas Internacionais 01 Quanto ao comprimento das barras, a ADA/ABA apresenta medidas relativamente maiores, fazendo ainda uma diferenciao entre as medidas das barras lateral, 106,5 cm, e de fundo, 91,5 cm (ver tabela 30). No h como fazer maiores consideraes devido a grande diferena de valores. Contudo, acredita-se que ser possvel fazer consideraes posteriores partindo dos dados obtidos na pesquisa de campo. A medida do parmetro para altura da barra na norma brasileira foi considerada a partir do eixo de fixao da barra, enquanto nas demais normas, se considerou a face superior das barras. Desta forma, somou-se a metade das medidas do dimetro da barra, 1,5 cm e 2,25 cm, com a altura estabelecida de 75 cm. Isso resultou nas medidas expostas na tabela 30. A NBR 9050 e a GDN foram as nicas normas que no ofereceram uma margem de dimensionamento para o parmetro de altura das barras. A norma brasileira e a de Castilla-La Mancha apresentam as menores alturas para esse parmetro, contudo no dito o porqu destas medidas em nenhuma das normas. J a ADA/ABA apresenta as maiores alturas. Contudo esta norma diz que no caso do banheiro ser destinado ao uso infantil, este parmetro deve ser dimensionado de 45,5 cm a 68,5 cm. Barras de Apoio Barras de Apoio Barras de Apoio Barras de Apoio (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha 106,5 x Comprimento barra 80 x 91,5 x No menciona 85 cm Altura das barras 76,5 x 77,25 84 x 91,5 80 70 x 80 Tabela 30 Barras de Apoio NBR 9050 x Normas Internacionais 02 148148148148 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 148148148148 Apenas a NBR 9050 e a ADA/ABA trazem parmetros de: distncia mxima entre a barra lateral e a parede do fundo e; extenso mnima da barra do fundo partindo do eixo do vaso sanitrio em direo parede lateral (ver ilustrao 108). As duas normas tambm apresentam valores praticamente idnticos (ver tabela 31). Ilustrao 108 - Parmetros tcnicos para barras de apoio lateral e de fundo NBR 9050 Fonte: ABNT, 2004, p.67. Barras de Apoio Barras de Apoio Barras de Apoio Barras de Apoio (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Distncia mxima barra lateral e parede do fundo 30 30,5 No menciona No menciona Extenso mnima da barra fundo partindo do eixo do vaso - direo parede lateral 30 30,5 No menciona No menciona Tabela 31 Barras de Apoio NBR 9050 x Normas Internacionais 03 Alm de parmetros para barras de apoio em sanitrios acessveis cadeiras de rodas, a norma norte americana tambm traz parmetros para sanitrios acessveis pessoas usando muletas. Nele as paredes laterais so prximas e as barras so dispostas apenas nas laterais, permitindo um melhor apoio destas pessoas. S foram expostos os parmetros que sero estudados na pesquisa de campo. Contudo, a NBR 9050 de 2004 traz outros parmetros para barras de apoio, como dimensionamento e posicionamento de barras de apoio articuladas e barras de apoio lateral fixas na parede do fundo. Sendo assim, os principais pontos que sero observados no experimento sero: 1. Comprimento da barra ser observado se a pessoa ter mais conforto devido ao maior comprimento da barra, que prximo ao indicado pela norma norte americana; 2. Altura da barra ser observado o conforto da pessoa ao usar a barra, questionando-a sobre a altura da barra, que apresenta valor extremo de 75 cm. 149149149149 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 149149149149 Mesmo que na NBR 9050 de 2004, as barras de apoio paream estar destinadas apenas aos cadeirantes, acredita-se que possam se beneficiar delas as pessoas com dificuldades em equilbrio e fora. Sendo assim, esse experimento contou com a participao de A, D, F. A me de G relatou que no necessita das barras para auxili-lo. Os demais no participaram do experimento por no se enquadrarem no perfil acima. 4.7.3. Resultado e discusso Nesse experimento foi pedido simplesmente que a pessoa usasse as barras de apoio para sentar-se na bacia sanitria. Ilustrao 109 Barras de Apoio Pesquisa de Campo Pessoa A Ilustrao 110 Barras de Apoio Pesquisa de Campo Pessoa D D A considerou confortvel e seguro o uso das barras de apoio. As caractersticas que mais considerou positivas para esse elemento foram: solidez do material; a continuidade; e o comprimento das barras, principalmente a do fundo. A D tambm considerou o uso das barras confortvel e seguro. O ponto positivo que mais chamou a ateno de D foi a segurana extra que esse elemento proporciona quando se usa a bacia sanitria, tanto para sentar como para levantar. vlido dizer que s usou a barra lateral para se apoiar. 150150150150 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 150150150150 Ilustrao 111 Barras de Apoio Pesquisa de Campo Pessoa F Apesar de nenhum dos convidados ter comentado sobre os parmetros tcnicos de definio da barra como dimetro e afastamento, todos a consideraram confortvel. Isso leva a crer que mesmo no sendo citados, os parmetros desse elemento foram igualmente confortveis. Outro fator que pode ter feito com que esses parmetros no se ressaltassem entre os demais que eles no apresentam medidas extremas. Alm disso, mesmo tendo a altura mxima permitida, a altura das barras tambm foi considerada confortvel. Uma das caractersticas citadas como a mais positiva e a que mais chamou ateno dos participantes, foi a extenso da barra de apoio. Essa tem 20 cm a mais do que o mnimo permitido pela norma, e possivelmente devido a isso foi to mencionada. Outra caracterstica bastante citada foi a continuidade da barra. A NBR 9050 de 2004 em nenhum momento fala da barra contnua, em todos os textos e ilustraes a norma a apresenta dividida em duas partes. Contudo, os parmetros dessa norma no restringem seu uso. Para surpresa, a maioria dos convidados, que j tiveram contado com barras de apoio no contnuas, elogiaram tal continuidade. Dessa forma, acredita-se que a norma deveria ao menos mencionar as vantagens e desvantagem da instalao de barras contnuas e no contnuas. A barra de apoio estudada apresentou valor superior ao mximo recomendado para os parmetros de: distncia mxima barra lateral e parede do fundo e extenso mnima da barra fundo partindo do eixo do vaso - direo parede lateral. Acredita-se que por essa razo, esses F Antes mesmo do autor perguntar, F j foi mencionando o conforto e segurana proporcionados pelas barras de apoio. F cita dois pontos como os mais positivos: a extenso das barras e sua continuidade. Diferente de D, utilizou as duas barras. 151151151151 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 151151151151 parmetros no foram notados. Contudo, cr-se que eles contriburam de forma positiva nos resultados obtidos com o experimento. 4.8. BACIA SANITRIA 4.8.1. Descrio A bacia sanitria dos principais elementos que compe os banheiros, ou sanitrios, que so espaos construdos destinados aos cuidados de higiene pessoal. Por isso, este espao imprescindvel nas edificaes, o que ressalta a importncia de seu estudo. A bacia selecionada de fabricao de uma empresa de renome no Brasil. No tem assento e de modelo diferenciado, com uma fenda na parte frontal. Esse modelo foi por muito tempo destinado a banheiros para pessoas com deficincia, contudo em nenhuma das trs NBR 9050 h indicaes de modelos parecidos. Abaixo encontram-se a ilustrao da bacia e a identificao de alguns dos principais parmetros tcnicos que sero estudados (ver ilustrao 112 e tabela 32). Ilustrao 112 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Bacia SanitriaBacia SanitriaBacia SanitriaBacia Sanitria Distncia eixo da bacia/barra Altura da bacia NBR 9050/2004 40 cm 43 cm x 45 cm Objeto de Pesquisa 40 cm 44 cm Tabela 32 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Legenda Altura da Bacia Distncia entre Eixo/Barra Bacia Sanitria 152152152152 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 152152152152 4.8.2. Anlise comparativa das normas O primeiro parmetro da NBR 9050 de 2004 para este elemento referente s reas de transferncia destinadas as cadeiras de rodas. A norma diz que para instalao de bacias sanitrias devem ser previstas reas de transferncia lateral, perpendicular e diagonal [...] (ABNT, 2004, p.65). A norma brasileira a nica entre as estudadas que posiciona a bacia sanitria em relao as barras de apoio. As demais normas posicionam a bacia em relao s paredes. Desta forma, no h como elaborar uma tabela exata deste parmetro. Contudo, para efeito ilustrativo, se considerado aproximadamente 8 cm, referentes ao dimetro da barra mais o espaamento entre barra e parede, se teria: Bacia SanitriaBacia SanitriaBacia SanitriaBacia Sanitria (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Distncia do eixo da bacia sanitria parede 488 40,5 x 45,5 35 No menciona Altura da bacia sem assento 43 x 45 Altura da bacia com assento x 46 43 x 48,5 48 45 x 50 Tabela 33 Bacia Sanitria NBR 9050 x Normas Internacionais 01 Quanto a distncia do eixo da bacia sanitria parede (ver ilustrao 113) que acredita-se proporcionar conforto, de forma que a perna da pessoa no encostar na parede observa-se uma grande diferena entre as normas, sendo a NBR 9050 a de valor mais elevado e a GDN com o valor mais baixo, 13 cm de diferena. A ADA/ABA a nica que traz um intervalo para as medidas desse parmetro, mostrando novamente sua flexibilidade. No se conseguiu chegar a uma concluso plausvel sobre os diferentes valores apresentados nas normas. Ilustrao 113 - Distncia do eixo da bacia sanitria parede 8 Valor aproximado. 153153153153 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 153153153153 Diferente dos valores para o parmetro anterior, para a altura do assento observa-se uma equivalncia entre os valores das normas, que vai de 43 cm a 50 cm. Acredita-se que esse parmetro foi pensado para que a maioria das pessoas ao sentar na bacia, ficassem com toda a sola do p fixa no cho. A NBR 9050 a nica que traz parmetros diferenciados para bacias sanitrias com e sem assento. Isto provavelmente decorrente de uma no padronizao dos assentos fabricados no Brasil, caso contrrio no haveria necessidade de tal parmetro. De qualquer forma, a norma brasileira apresenta os menores valores para este parmetro, o que provavelmente favorecer maior nmero de pessoas. No experimento ser verificado se o valor da distncia entre eixo e barra confortvel as pessoas, pois como foi visto na comparao com as normas internacionais, a NBR 9050 apresenta o maior valor. Acredita-se que esse parmetro foi pensado de modo a assegurar que o maior nmero de pessoas pudesse sentar confortavelmente na bacia sanitria sem esbarrar na parede. Por apresentar medida to elevada acredita-se que ningum ter problemas em esbarrar a perna na parede. O parmetro para altura da bacia sanitria tambm ser contemplado, mesmo estando o valor dentro do permitido. Desta forma, previamente se espera que todas as pessoas no tenham problemas em relao a esse parmetro. vlido informar que esta bacia sanitria encontra-se em um boxe sanitrio com dimenses 1,50 m x 1,70 m, que corresponde ao mnimo permitido para um boxe acessvel pela norma vigente (ABNT, 2004, p.70). Para esse experimento foram convidados: A, D, F, que participaram do experimento com as barras de apoio e; E, por ser uma mulher de baixa estatura podendo opinar principalmente sobre a altura da bacia. Uma vez que G auxilia seu filho durante a utilizao da bacia sanitria (ver ilustrao 114), esse experimento no teria sentido de ser realizado. 154154154154 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 154154154154 Ilustrao 114 Uso da bacia sanitria Pessoa G 4.8.3. Resultado e discusso Nesse experimento foi pedido que a pessoa sentasse na bacia e relatasse seu conforto ou desconforto. Ilustrao 115 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Pessoa A A considerou os parmetros de altura e distncia confortveis, contudo criticou a fenda frontal da bacia. Nela suas pernas caiam, tornando o uso desconfortvel e inseguro, pois seu equilbrio comprometido. A 155155155155 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 155155155155 Ilustrao 116 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Pessoa D Ilustrao 117 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Pessoa E Ilustrao 118 Bacia Sanitria Pesquisa de Campo Pessoa F Todos os convidados para esse experimento consideraram a medida para o parmetro de distncia do eixo da bacia barra de apoio lateral confortvel. Da mesma forma ocorreu com o parmetro para altura da bacia. Porm, a anlise do vdeo de D mostrou um possvel indcio de desconforto, mesmo tendo dito o contrrio. Partiu-se do princpio que o parmetro para altura da bacia asseguraria conforto ao permitir que as pessoas firmassem os ps no cho ao se sentarem, garantido assim melhor equilbrio. Como foi exposto na ilustrao 116, quando D, que tem aproximadamente 1,40 m, senta na bacia, seus ps no se firmam F D F achou confortveis todos os parmetros, contudo fez crticas quanto fenda frontal. Nela caiam suas pernas, assim como as de A, causando desconforto e insegurana. D considerou confortveis os dois parmetros propostos e no teve problemas com a fenda. Contudo, observou-se que seus ps no se firmam no piso, mostrando que provavelmente o conforto fosse maior se a bacia tivesse menor altura. E E tambm considerou confortveis os parmetros de altura e distncia. Contudo achou a fenda extremamente desconfortvel, pois a obrigava a sentar no fundo da bacia e afastar os joelhos para reduzir o desconforto. 156156156156 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 156156156156 completamente no cho, ficando o calcanhar erguido. Possivelmente E e F s no tiveram o mesmo problema por estarem calando sapato com salto alto. Se o princpio utilizado na discusso acima estiver correto, acredita-se que esse possa ser um indcio que reforce a necessidade de estudos antropomtricos criteriosos para a populao brasileira, com fins na elaborao de futuras revises da NBR 9050. Pois como visto no captulo 2.4, no existem medidas antropomtricas abrangentes e confiveis da populao brasileira. vlido frisar que os resultados obtidos com A, tanto na bacia sanitria como nas barras de apoio, tiveram bastante influncia da dimenso do boxe. Mesmo este tendo medidas mnimas segundo a norma, 150 cm x 170 cm, possibilitou que o cadeirante realizasse as transferncias para a bacia, utilizando as barras, com conforto e segurana conforme ilustraes 119 e 120. Ilustrao 119 Tranferncia usando a barra do fundo Pessoa A Ilustrao 120 Transferncia usando a barra lateral Pessoa A 157157157157 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 157157157157 Aps a observao de A realizando as transferncias no boxe, achou-se que seria interessante tambm observar G e seu filho, uma vez que se tratar de duas pessoas utilizando o boxe com as dimenses mnimas recomendadas pela NBR 9050, que de 1,50 m x 1,70 m. Ilustrao 121 Uso do boxe Pessoa G Como pode-se observar na ilustrao 121, as dimenses do boxe no foram suficientes para garantir conforto e segurana para G e sua me. Com isso nota-se fato similar ao constatado no experimento com a rampa (ver ilustrao 76) onde se acredita que o espaamento foi pensado visando apenas uma pessoa. 4.9. LAVATRIO 4.9.1. Descrio O lavatrio encontrado embutido em uma bancada de granito e possui os seguintes parmetros. LavatrioLavatrioLavatrioLavatrio (cm)(cm)(cm)(cm) Extenso mnima Altura livre Altura superior Distncia da torneira NBR 9050/2004 25 73 x 78 x 80 x 50 Objeto de Pesquisa 30 75 80 49 Tabela 34 Lavatrio Pesquisa de Campo 158158158158 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 158158158158 Como se pde observar acima, os parmetros tcnicos do lavatrio extenso mnima, referente a distncia mnima a partir borda do lavatrio sem barreiras; altura livre, referente a altura necessria para que o cadeirante possa entrar sob o lavatrio; altura superior, referente a altura medida da superfcie mais elevada do lavatrio; e distncia da torneira esto em conformidade com a NBR 9050 de 2004. Cada um desses parmetros ser analisado no item seguinte, 4.9.2. Abaixo segue imagens do lavatrio selecionado (ver ilustrao 122). Ilustrao 122 Lavatrio Pesquisa de Campo vlido lembrar que nesse elemento esto ausentes trs parmetros da NBR 9050 de 2004: dispositivo de proteo para tubulao; barras de apoio; e torneira. A justificativa e consideraes sobre essa ausncia esto no item 4.1.1. 4.9.2. Anlise comparativa das normas O primeiro parmetro tcnico a ser estudado o de extenso mnima sob o lavatrio. Esse parmetro vem para garantir que uma pessoa em cadeira de rodas possa se aproximar e utilizar com conforto e segurana um lavatrio. Novamente, apenas as normas brasileira e norte americana trazem esse parmetro, apresentando valores com grande similaridade. LavatrioLavatrioLavatrioLavatrio (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Extenso mnima sob o lavatrio 25 20,59 No menciona No menciona Tabela 35 Lavatrio NBR 9050 x Normas Internacionais 01 9 Referente profundidade mnima requerida para aproximao de uma cadeira de rodas na parte mais alta. Legenda Extenso mnima Torneira Lavatrio Altura livre Altura superior Distncia da Torneira borda 159159159159 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 159159159159 vlido frisar que a ADA/ABA bem mais completa quanto a reas de aproximao, tendo um captulo especfico apenas para tratar desse assunto. Na tabela acima foi utilizada a medida da entrada para o joelho, que pode ser observar na ilustrao 123. A norma apresenta parmetros mais detalhados para a aproximao, levando em considerao a entrada da perna inclinada e a entrada do p. Ilustrao 123 rea de aproximao ADA/ABA Fonte: USAB, 2004. Todas as normas trazem parmetros para altura livre sob o lavatrio (ver tabela 36). Esse parmetro que tambm visto na ilustrao 123, destinado ao conforto do cadeirante ou qualquer pessoa sentada em uma cadeira, j que lhe permite se posicionar sob o lavatrio. As normas apresentam valores similares para esse parmetro, que equivalem aproximadamente a 70 cm. O parmetro seguinte se refere altura da face superior do lavatrio. Acredita-se que ele confere conforto e facilidade no uso do lavatrio, quando permite que um grande nmero de pessoas o utilize sem forar demasiadamente a coluna, e sem precisar se esticar para alcanar os registros. Apenas a NBR 9050 e a ADA/ABA trazem estes parmetros, contudo dessa vez h uma diferena de mais de 5 cm entre os valores mximos. A principio no h argumentos para se discutir essa diferena. Contudo, as informaes obtidas no experimento podero auxiliar em futuras discusses sobre esse parmetro. LavatrioLavatrioLavatrioLavatrio (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Altura livre sob o lavatrio 73 x 68,5 x 70 x10 65 x 75 Altura borda superior 78 x 80 x 86,5 No menciona No menciona Tabela 36 Lavatrio NBR 9050 x Normas Internacionais 02 10 Dimenso extrada da ilustrao 06, na pgina 2/032 desta norma. Na ilustrao aparece 70 cm, contudo o texto diz que a medida de 90 cm. A explicao para tal escolha foi devido as demais normas terem estipulado valores por volta de 70 cm. 160160160160 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 160160160160 O ltimo parmetro referente distncia da torneira face frontal do lavatrio, que equivalente ao alcance horizontal. Novamente a NBR 9050 e a ADA/ABA so as nicas normas a trazerem esse parmetro, que teriam os mesmos valores se no fosse os diferentes sistemas de medidas adotados nos pases. LavatrioLavatrioLavatrioLavatrio (cm) NBR 9050/2004 ADA/ABA GDN Castilla-La Mancha Distncia entre torneira e face frontal do lav. x 50 x 51 No menciona No menciona Tabela 37 Lavatrio NBR 9050 x Normas Internacionais 03 vlido lembrar que alm desses parmetros tcnicos, a NBR 9050 de 2004 traz algumas determinaes quanto ao uso de colunas, sifes, tubulaes e tipo de acionamento torneira. A norma brasileira a nica que recomenda o uso de barras de apoio junto aos lavatrios. Dessa forma, sero observados principalmente os parmetros de: 1. Altura da borda superior por apresentar valor mximo permitido, ser observado se as pessoas tm conforto ao usar o lavatrio; 2. Distncia entre torneira e face frontal do lavatrio por apresentar valor prximo ao mximo permitido, ser observado se as pessoas conseguem alcanar a torneira com conforto. Os demais parmetros apresentam medidas superiores ao mnimo indicado pela norma. Alm disso, apenas A pode fazer consideraes sobre esses. Com exceo de G, todos foram convidados participar dos experimentos. Isso porque G no tem autonomia para lavar as mos, desta forma no justificando o experimento. 4.9.3. Resultado e discusso Nesse experimento foi pedido que a pessoa lavasse as mo ou apenas simulasse a ao, relatando seu conforto ou desconforto. 161161161161 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 161161161161 Ilustrao 124 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa A Ilustrao 125 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa B Ilustrao 126 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa C C C achou confortvel e fcil o uso do lavatrio. Mesmo tendo a mesma estatura de B, ele declarou que a altura da bancada estava de acordo com suas necessidades. Contudo, teve de se curvar bastante para lavar as mos. B A considerou muito confortveis os parmetros de extenso mnima e altura livre. Conseguiu se aproximar facilmente do lavatrio. A B conseguiu utilizar o lavatrio sem dificuldades. Contudo, devido a sua estatura declarou preferncia por uma bancada mais elevada. A tambm achou confortvel a altura total da bancada. Mesmo tendo a coluna fixa, no teve problemas em alcanar a torneira. 162162162162 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 162162162162 Ilustrao 127 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa D Ilustrao 128 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa E Ilustrao 129 Lavatrio Pesquisa de Campo Pessoa F Como era esperado, os parmetros para extenso mnima e altura livre sob o lavatrio foram considerados confortveis por A que cadeirante. Isso porque no se tratava de valores extremos para esses parmetros tcnicos. Quatro das seis pessoas acharam confortvel a altura da bancada do lavatrio. Contudo uma delas, C, necessitou curvar demasiadamente a coluna para usar o elemento. Considerando F E D E achou confortvel a distncia da torneira, mas achou a bancada do lavatrio muito baixa, ficando desconfortvel seu uso. F achou confortvel o lavatrio, principalmente a altura. Outro ponto positivo destacado foi a firmeza da bancada que propiciou maior segurana. D achou confortvel o lavatrio, principalmente a altura da bancada. Apenas teve dificuldade no manuseio da torneira que no de alavanca. 163163163163 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 163163163163 que esse tipo de postura no seja saudvel, acredita-se que o uso no foi to confortvel para C quanto deveria ser. Levando em considerao que h vrias preferncias de altura, acredita-se que a NBR 9050 deveria recomendar o uso de no mnimo duas alturas para o balco dos lavatrios de banheiros pblicos. Sendo um deles com os mesmos valores vigentes atualmente e o outro com valores mais elevados, visando o maior conforto das pessoas mais altas. At mesmo uma terceira altura, mais baixa que a normalizada, destinada a banheiros de uso infantil. Quanto a distncia da torneira, todos consideraram confortvel apesar de no ser de um modelo que facilite o uso. Conduto o parmetro tcnico referente apenas a distncia da torneira a borda da bancada. 4.10. DISCUSSO PESQUISA DE CAMPO Mesmo tendo em vista que muitos dos elementos selecionados nessa pesquisa de campo no possuam parmetros inteiramente de acordo com a NBR 9050 de 2004, de maneira geral todos foram aprovados pelas pessoas convidadas. No houve um elemento inteiramente desconfortvel ou inseguro, em relao ao seu conjunto de parmetros. Isso refora o que foi mencionado no incio do captulo 4, na montagem do experimento, onde se esperava que os parmetros tcnicos ausentes nos elementos selecionados no influenciariam no resultado do experimento. Contudo, houve vrias sugestes de melhoria dos elementos, principalmente no tocante ao conforto. Os pisos tteis, mesmo no contendo dois dos parmetros da norma brasileira, foram aprovados pelos convidados do experimento. Por no haver contraste cromtico entre piso alerta e direcional, acreditava-se que a pessoa com baixa viso teria dificuldades em identific-los, o que no ocorreu. No se quer afirmar que esse contraste no seja importante, mas acredita-se que o relevo dos pisos supre essa ausncia. Esse mesmo relevo tambm foi criticado pelo convidado E que usava salto alto, porm como o piso no ocupa toda a rea do passeio, o convidado no teve maiores dificuldades relacionadas ao seu deslocamento. Dessa forma, acredita-se que o desconforto gerado pelos pisos nfimo se pensado nos benefcios gerados a coletividade. Houve tambm a sugesto de que em futuras revises, a norma apresente novos tipos de piso. Por exemplo, o piso alerta que serviria para indicar a eminncia 164164164164 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 164164164164 de perigo, tambm usado no ambiente construdo para identificar as entradas de uma edificao, placas contendo informaes, bebedouros, bancos, paradas de nibus, dentre outros. Mesmo no encontrando nada referente utilizao de outras tipologias de pisos tteis nas normas internacionais estudadas, acredita-se que uma reviso sobre os pisos e suas utilizaes no ambiente com o intuito de identificar elementos espaciais como os acima citados, seria de grande importncia em futuras revises da NBR 9050. Na rampa as pessoas se deslocaram sem maiores problemas, tanto no primeiro segmento como no segundo. Contudo, observou-se que nesse ltimo, que possui a maior inclinao permitida para a altura vencida pela rampa, o cadeirante teve que fazer maior esforo. Se para o cadeirante, que homem e faz esportes, foi exigido um esforo, o que no dizer para uma criana cadeirante? A escada, onde tambm h a ausncia de alguns parmetros tcnicos, dentre os elementos estudados foi o que mais apresentou possvel risco a segurana. O bocel fez com que uma das pessoas tropeasse e por pouco no casse. Outro ponto observado que aparentemente as pessoas calando sapatos com salto alto necessitam de pisos um pouco maiores para ter sensao de conforto. Os corrimos associados aos dois elementos anteriores foram considerados confortveis pelas pessoas. Houve um equilbrio na preferncia das sees, praticamente metade gostou da seo circular e metade gostou da outra seo, mais parecida com o formato da pega humana. Quando indagadas, as pessoas que preferiram a seo circular disseram que isso era porque nesse corrimo os dedos se juntavam. No caso a mo abraava completamente o corrimo, o que no ocorria com a outra seo. Nesse caso foi sugerido que a norma definisse um permetro para o corrimo, de maneira semelhante o que faz a ADA/ABA (USAB, 2004). No geral o elemento porta tambm foi aprovado pelos convidados, tanto nas reas de aproximao como nos aspectos fsicos: largura, altura e tipo de maaneta. Destaca-se a maaneta em alavanca como grande facilitadora do uso e a observao de C quanto a curvatura da extremidade da alavanca. 165165165165 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 165165165165 As barras de apoio estavam totalmente de acordo com a norma, apesar de no serem citadas na mesma. Por terem formato contnuo e ser maior que o recomendado, esse elemento foi bem aceito por todos aqueles que participaram de seu experimento. Desta forma, como sugesto foi dito que a NBR 9050 futuramente tambm inclua a barra contnua nas recomendaes, mostrando suas vantagens e desvantagens em relao ao outro tipo de barra. A bacia sanitria estudada seria perfeita no gosto dos participantes se no fosse a fenda frontal. Essa fenda foi a grande causadora de desconforto nos participantes. Apesar disso, a norma nada menciona sobre esse tipo de bacia, ficando ento a sugesto da proibio do uso desse modelo com fenda. vlido ressaltar que nenhum dos convidados soube explicar os possveis objetivos para tal abertura. Por ltimo tem-se o lavatrio que teve como principal ponto de discusso a altura. As predilees ficaram divididas para esse parmetro tcnico. No entanto, observou-se que as pessoa de maior estatura tm maior dificuldade com essa altura de lavatrio, devido a m postura que assumem, coluna curvada para frente. Por vrias vezes as normas brasileira e as internacionais apresentaram parmetros tcnicos similares. Contudo a NBR 9050 e a ADA/ABA em muitos casos apresentaram parmetros idnticos, mesmo levando em considerao os diferentes sistemas numricos utilizados nos pases. Tendo em vista que a ADA/ABA mais completa e detalhada quanto a normalizao da acessibilidade espacial, em comparao com a NBR 9050, so feitas duas suposies: 1. A United States Access Board (USAB, 2004) cooperou com a ABNT para a confeco da NBR 9050 de 2004; 2. A NBR 9050 utiliza alguns dos parmetros tcnicos da ADA/ABA sem referenci-los. 166166166166 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 166166166166 CAPTULO CAPTULO CAPTULO CAPTULO 5555 CONCLUSES E CONCLUSES E CONCLUSES E CONCLUSES E RECOMENDAESRECOMENDAESRECOMENDAESRECOMENDAES Aps a apresentao dos resultados e concluses da pesquisa de campo, acredita-se que esta dissertao conseguiu alcanar os objetivos propostos, que foram: 1. Discutir os conceitos de acessibilidade, Desenho Universal, deficincia e restrio, dentro do escopo da NBR 9050; Constatou-se que a NBR 9050 de 2004 encontra-se atualizada com os conceitos de acessibilidade e desenho universal. A acessibilidade conceituada como um meio de possibilitar a integrao de todas as pessoas no ambiente construdo, tendo assim uma grande influncia do conceito de desenho universal. Para a conceituao de deficincia, a norma ainda a considera como fator limitante pessoa, sem levar em conta a influncia do ambiente construdo e das tecnologias assistivas existentes. Dessa forma, contribui para a rotulao da pessoa com deficincia como invlida, ineficaz e inapta. Alm disso, com essa postura terica da norma, a acessibilidade passa a ser algo ainda focado na pessoa com deficincia. Atualmente a acessibilidade espacial j considerada uma necessidade para a qualidade de vida de toda a populao, pois como foi visto no captulo 2.3, as limitaes e habilidades esto em constante modificao durante a vida de uma pessoa. Quando criana, temos limitados o deslocamento, coordenao motora, cognio. Com o passar do tempo, nossas habilidades vo se aprimorando, tendo seu pice na adolescncia. No envelhecimento temos uma gradativa perda de foras e mobilidade. Desta forma, o ambiente tem que prever essas mudanas, de forma a beneficiar a todos na realizao das atividades cotidianas. 2. Verificar se teoricamente a norma traz informaes suficientes para suprir a carncia dos profissionais no familiarizados com a acessibilidade espacial; Observou-se que a parte terica da NBR 9050 de 2004 insuficiente para suprir as carncias de conhecimento do profissional que muitas vezes se depara com situaes 167167167167 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 167167167167 inusitadas no contempladas pela norma onde apenas seu conhecimento possibilitaria boas solues. Alm disso, a norma brasileira apresenta fatores que prejudicam a compreenso dos parmetros tcnicos e indicaes dos elementos e, em conseqncia, sua aplicao. So eles: Falta de explicao dos propsitos de determinado elemento e seus parmetros no ambiente; o A norma poderia explicar, por exemplo, qual o propsito da adoo de um segundo corrimo em rampas. Isto auxiliaria o projetista na deciso de indicar ou no a execuo desse elemento no ambiente construdo, uma vez que seu uso optativo. Incoerncias entre o texto dos parmetros e suas ilustraes, como observado nos captulos 4.2.2.1 (ver ilustrao 48) e 4.2.2.2 (ver ilustrao 49); Elementos no interligados, como no caso do corrimo que no citado nem no item referente a rampa e nem no item referente a escada. o Em nenhum momento dos itens rampa ou escada, se menciona a obrigatoriedade do uso do corrimo. Para o projetista isto pode causar dvidas, uma vez que ao consultar as condies de uma rampa ou escada acessvel a informaes sobre o corrimo no transmitida. Fato que obriga o leitor a consultar integralmente a norma a fim de buscar todas as informaes referentes a apenas um elemento. 3. Discutir e analisar os dados antropomtricos utilizados para a elaborao da NBR 9050 de 2004; Quanto aos parmetros antropomtricos da referida norma, foram feitas vrias observaes no captulo 3.2. Consideram-se as principais: A ausncia de referncia na prpria NBR 9050, sobre a origem dos estudos antropomtricos realizados; 168168168168 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 168168168168 O percentil 95% para a estatura do homem equivalente a 1,60 m, que inexato se comparado com a bibliografia estudada; O uso da estatura como medida base para a definio de outras medidas do corpo. Dessa forma, h probabilidade de que muitos parmetros tcnicos estejam igualmente inexatos. 4. Testar e discutir alguns parmetros tcnicos de elementos espaciais da NBR 9050 de 2004, avaliando sua eficcia em promover a acessibilidade a todos; Quanto aos parmetros tcnicos, a norma brasileira se mostrou uma das mais detalhadas e abrangentes entre as normas estudadas com exceo da norma norte americana, a americans with disabilities act and architectural barriers act accessibility guidelines. De maneira geral os elementos estudados atenderam satisfatoriamente as necessidades das pessoas convidadas. No estudo da antropometria para a norma brasileira foi estipulado um valor para o percentil 95%, referente estatura do homem, abaixo dos valores encontrados na bibliografia consultada. Cabe ressaltar que este dado foi utilizado para inferir outras medidas corporais na norma. Sendo assim, se esses dados tivessem sido utilizados na elaborao dos parmetros tcnicos dos elementos, esses estariam com valores inferiores aos das normas consultadas. Como a anlise comparativa dos parmetros das normas revelou uma similaridade, principalmente entre a norma brasileira e a norte americana, acredita-se que a reviso dos parmetros antropomtricos descritos em Lopes (2005) no tenha sido levada em considerao. 5. Analisar comparativamente os parmetros tcnicos de elementos selecionados para o estudo de campo com os de outras normas internacionais, para verificar a condio da norma brasileira no cenrio internacional, alm de observar possveis bons exemplos que poderiam ser teis na NBR 9050. Apesar dos problemas apontados, acredita-se que a norma brasileira est no nvel das melhores normas tcnicas para a acessibilidade espacial no mundo. Alm disso, esses problemas podem ser resolvidos em futuras revises, sem maiores transtornos. Dessa forma, acredita-se que a NBR 9050 de 2004, mesmo com todas as consideraes 169169169169 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 169169169169 realizadas nesta dissertao, ainda o melhor meio que o profissional brasileiro dispe para projetar o espao o mais acessvel possvel. Com o decorrer dessa dissertao foram surgindo alguns assuntos com potencial de aprofundamento, e que no foram abordados para no fugir do foco da pesquisa. Dessa forma, sero sugeridos dentre esses assuntos, os que foram considerados de maior relevncia e que poderiam servir para dar corpo a outras pesquisas. So eles, em ordem de importncia: Investigar a relao entre o profissional e a NBR 9050, verificando principalmente a forma de consulta do material, as principais carncias de informaes e as dificuldades na interpretao das mesmas. Isso possibilitaria a definio de uma hierarquia na apresentao do contedo da norma e a formulao de uma melhor inter-relao entre parmetros tcnicos e seus respectivos elementos; Analisar outros elementos trazidos na norma, alm dos nove elementos aqui contemplados, comparando-os teoricamente com as normas internacionais e realizar experimentos prticos com outros elementos da NBR 9050 de 2004. 170170170170 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 170170170170 REFERNCIASREFERNCIASREFERNCIASREFERNCIAS AGUIAR, Douglas Vieira de. Alma espacial.Vitruvius: arquitextos 022. Texto especial 121. Mar. 2002. Disponvel em: . Acesso em: 07 mai. 2007. ALDAN, Alfonso Sanz. El rompecabezas de la accesibilidad en el transpor transporte. In: MinusVal. I plan nacional de accesibilidad, n. especial, Madri, p. 14-18, abr. 2004. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS (ABNT). Histrico ABNT: 65 anos. Out. 2006. Disponvel em: . Acesso em: 06 mai. 2006. ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade a edificaes, mobilirio, espaos e equipamentos urbanos. 2004. Rio de Janeiro: ABNT, 2004. ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade de pessoas portadoras de deficincias a edificaes, espao, mobilirio e equipamento urbanos. 1994. Rio de Janeiro: ABNT, 1997. ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS (ABNT). NBR 9050: adequao das edificaes e do mobilirio urbano pessoa deficiente. 1985. BAPTISTA, Arthur Henrique Neves. Procedimentos metodolgicos para a avaliao da acessibilidade de estruturas de circulao de pedestre com vistas ao projeto de antropovias. Dissertao (Mestrado em Engenharia de Produo) Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003. BERNARD, Nbia; KOWALTOWSKI, Doris C. C. K. Reflexes sobre a aplicao dos conceitos do desenho universal no processo de projeto de arquitetura. In: Anais do ENCAC ELACAC 2005. Macei: 2005. BRADDOCK, David L.; PARISH, Susan L. An institutional history of disability. Department of Disability and Human Development, Universidade de Ilinois: Chicago, 2000. BRASIL. Decreto n 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que d prioridade de atendimento s pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critrios bsicos para a promoo da acessibilidade das pessoas portadoras de deficincia ou com mobilidade reduzida, e d outras providncias. Dirio Oficial da Unio, 03 de dezembro de 2004. CABRERO, Javier Romaach. El Buscando la igualdad de oportunidades en la informacin, comunicacin y sealizacin. In: MinusVal. I plan nacional de accesibilidad, n. especial, Madri, p. 28-32, abr. 2004. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. CENTRO BRASILEIRO DE CLASSIFICAO DE DOENAS (CBCD). CIF: Classificao Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Sade. [200-]. Disponvel em: . Acesso em: 07 mai. 2007. 171171171171 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 171171171171 CEBREROS, Mariano Calle; PELLN, Jos Manuel Pazos. La edificacin accesible: presente y futuro. In: MinusVal. I plan nacional de accesibilidad, n. especial, Madri, p. 23-27, abr. 2004. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. CENTER FOR UNIVERSAL DESIGN (CUD). Universal Design Exemplars. Escola de Design, Universidade do Estado da Carolina do Norte. 2000. CD-ROM. DISCHINGER, Marta; JACKSON, Jos Maral. Which future scenarios can we help to construct for our cities? In: LIFE IN THE URBAN LANDSCAPE. International conference for integrating urban knowledge & practice. Gothenburg, Sua. mai. 2005. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. DISCHINGER, Marta; ELY, Vera Helena Moro Bins; MACHADO, Rosngela; SILVA, Rosali Maria de Souza; PADARATZ, Rejane; ANTONINI, Camile; DAUFENBACH, Karine; SOUZA, Thiago Romano Mondini de. Desenho universal nas escolas: acessibilidade na rede municipal de ensino de Florianpolis. Florianpolis: Grupo PET Arquitetura e Urbanismo, UFSC & Prefeitura Municipal de Florianpolis. 2004. DISCHINGER, Marta (org); ELY, Vera Helena Moro Bins (org); DAUFENBACH, Karine; RAMOS, Juliana de Lima; CAVALCANTI, Patrcia Biasi. Desenho universal: por uma arquitetura inclusiva. Florianpolis: Grupo PET Arquitetura e Urbanismo, UFSC. 2001a. DISCHINGER, Marta; ELY, Vera Helena Moro Bins; ANTONIOLLLI, Maicon Jones; MATTOS, Melisa Laus; RIEDTMANN, Louise. Acessibilidade e orientabilidade no Terminal Rodovirio Rita Maria. Florianpolis: Grupo PET Arquitetura e Urbanismo, UFSC. 2001b. ELY, Vera Helena Moro Bins. Acessibilidade Espacial: condies necessrias para o projeto de ambientes inclusivos. In: Ergonomia do ambiente construdo e habitado: ambiente urbano, ambiente pblico, ambiente laboratorial / Organizadora Anamaria de Moraes Rio de Janeiro: iUsEr, 2004a. ELY, Vera Helena Moro Bins. Gesto e implementao de polticas pblicas de incluso de pessoas com necessidades especiais: duas experincias e uma nica estratgia. Revista virtual de gesto de iniciativas sociais. Rio de Janeiro, n. 1, p. 22-29, out. 2004b. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006 EUROPEAN CONCEPT FOR ACCESSIBILITY NETWORK (EuCAN). ECA: European concept for accessibility. Guide Des Norme. Luxemburgo, 2003. FERREIRA, Vitor; FUJO, Carlos. Recomendaes gerais para o dimensionamento dos postos de trabalho. [200-?]. Disponvel em: . Acesso em: 07 mai. 2007. GODOY, Ewerson de; MAGINI, Mrcio; MARTINS, Rodrigo Alvaro B. Lopes. Ergonomia e adequao entre as medidas antropomtricas de crianas e mobilirio escolar: uma reviso. Revista UniVap, So Jos dos Campos: UniVap, V.11, n.20, p. 41-51, jun. 2004. GONALVES, Eliane Cunha. Equao de regresso com a perimetria e o dexa para a terceira idade. 2004. 138 f. Dissertao (Mestrado em Cincia da Motricidade Humana) Universidade Castelo Branco, Florianpolis, 2004. 172172172172 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 172172172172 GRANDJEAN, Etienne. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. 4 ed. Traduo de Joo Pedro Stein. Porto Alegre: Artes Mdicas, 1998. DIE GEGENWART. Associao alem de cegos e amblopes. Traduo de Ana Maria Fontes. N. 9, 2001. Suplemento. Disponvel em: . Acesso em: mai 2006. HALDEN, Derek; et al. Measuring accessibility as experienced by different socially disadvantaged groups: Accessibility analysis literature review. Working paper 3. Grupo de Estudos em Transportes Universidade de Westminster, 2005. Disponvel em: < http://home.wmin.ac.uk/transport/download/SAMP_WP3_Accessibility_Modelling.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2007. HEDGE, Alan. Anthropometry and workspace design. Cornell University, Cornell, out. 2005. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. HOCHMAN, Bernardo; CASTILHO, Helton Traber de; FERREIRA, Lydia Masako. Padronizao fotogrfica e morfomtrica na fotogrametria computadorizada do nariz. Acta Cir. Bras., So Paulo,v. 17, n. 4, 2002. Disponvel em: . Acesso em: 08 Jan 2007. IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produo. 2 ed. rev. e ampl. So Paulo: Edgard Blcher, 2005. IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produo. So Paulo: Edgard Blcher, 1992. KAC, Gilberto. Tendncia secular em estatura: uma reviso da literatura. In: Caderno Sade Pblica, v.15, n.3, Rio de Janeiro, jul./set. 1999. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. LAGARN, Digna Couso. Hacia una cultura de la Accesibilidad Universal, concienciacin, formacin y promocin en el I Plan Nacional de Accesibilidad 2004-2012. In: MinusVal. I plan nacional de accesibilidad, n. especial, Madri, p. 33-37, abr. 2004. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. LOPES, Maria Elisabete. Metodologia de anlise e implantao de acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida e dificuldade de comunicao. 2005. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de So Paulo, So Paulo, 2005. LPEZ, Fernando Alonso. El I Plan Nacional de Accesibilidad en 10 preguntas y respuestas. In: MinusVal. I plan nacional de accesibilidad, n. especial, Madri, p. 6-9, abr. 2004. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. MICHELS, Glaycon. Aspectos histricos da cineantropometria - do mundo antigo ao renascimento. Revista Brasileira de Cineantropometria, Ncleo de Pesquisa em Cineantropometria e Desempenho Humano da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianpolis, V. 2, n. 1, p. 106-110, 2000. 173173173173 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 173173173173 MOZOS, Elisa Sala. Retos y oportunidades de la Ley 51/2003 de Igualdad de Oportunidades No Discriminacin y Accesibilidad Universal. In: MinusVal. I plan nacional de accesibilidad, n. especial, Madri, p. 38-41, abr. 2004. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. MOZOS, Elisa Sala; LPEZ, Fernando Alonso. La accesibilidad universal en los municipios: gua para una poltica integral de promocin y gestin. Instituto Universitrio de Estudos Europeus. Universidade Autnoma de Barcelona. Barcelona, 2005. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. NART, Marta Garca. El entorno urbano: no situacin actual y propuestas en el Pnda. In: MinusVal. I plan nacional de accesibilidad, n. especial, Madri, p. 19-22, abr. 2004. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. OLIVEIRA, Ala Seguin Dias Aguiar de. Acessibilidade espacial em centro cultural: estudo de casos. Dissertao (Mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Ps-Graduao em Arquitetura e Urbanismo, 2006. PASCHOARELLI, Luis Carlos. et al. Parmetros fsico-ergonmicos para o projeto de espaos e postos de trabalho: uma reviso terica. In: Educao Grfica, n.5, Bauru: Universidade Estadual Paulista, 2001. PEQUINI, Suzi Mario. Ergonomia aplicada ao design de produtos: um estudo de caso sobre o design de bicicletas. So Paulo: FAU-USP. 2005. PETROSKI, Edio Luiz (Org.). Antropometria: tcnicas e padronizao. Porto Alegre: Palotti, 1999, 144 p. RODRIGUES, Alessandra Cordeiro. Aspectos da ergonomia que contribuem na preveno das LER/DORT nem setor da indstria cermica: um estudo de caso. 2003. 194 f. Dissertao (Mestrado em Engenharia de Produo) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianpolis, 2003. RUSSO, Suzana. et al. Verificao dimensional de mquinas agrcolas com relao ao perfil antromtrico do agricultor na rea de abrangncia de santo ngelo. Grupo de Pesquisa em Estatstica Aplicada Engenharia de Produo. Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Misses. 1998. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. SAETA, Beatriz Regina Pereira; TEIXEIRA, Maria Luisa Mendes. O lazer na vida da pessoa portadora de deficincia: uma questo de responsabilidade social e um turismo a ser pensado. Revista de Administrao Mackenzie. Universidade Presbiteriana Mackenzie, So Paulo, Ano 2, n. 2, p. 25-38, 2001. SALEM, Marcelo. Desenvolvimento e Validao de Equaes Especficas para a Determinao da Densidade Corporal de Mulheres Militares do Exrcito Brasileiro, a Partir de Variveis Antropomtricas. Dissertao (Mestrado) Universidade Castelo Branco, UCB-RJ, Programa de Ps-Graduao em Cincia da Motricidade Humana, 2003. SALVENDY, Gavriel (Ed.). Handbook of human factors and ergonomics. 2 ed. New York: Wiley Interscience, 1997. 174174174174 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 174174174174 SANT'ANNA, Cleverson de Mello. et al. Estudo do perfil fsico adequado de operadores de motosserra para o corte de eucalipto em regio montanhosa. In: Centro de Estudos em Recursos Naturais Renovveis (CERNE), V.6, N.2, P.095-103, 2000. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. SANTOS, Gildo Magalhes dos. Normalizao da acessibilidade: novas fronteiras? In: Seminrio ATIID: Acessibilidade, TI e Incluso Digital, 2., 2003, So Paulo. Anais ... So Paulo: USP, 2003. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. SANTOS, Milton. Metamorfoses do espao habitado. So Paulo, Hucitec, 1988. SILVA, Edna Lcia da. Metodologia da pesquisa e elaborao de dissertao. 3. ed. rev. atual. Florianpolis: Laboratrio de Ensino a Distncia da UFSC, 2001. SILVA, Idari Alves da. Construindo a cidadania: Uma anlise introdutria sobre o direito diferena. 2002. Dissertao (Mestrado em Histria Social) Universidade Federal de Uberlndia, Uberlndia, 2002. SILVERSTEIN, Robert. Emerging disability policy framework: a guidepost for analyzing public policy. Washington: Center for the Study and Advancement of Disability Policy, 2000. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. SUASSUNA, Dulce Maria Filgueira de Almeida. Tcnicas de Investigao Cientfica. 1998. Faculdade de Educao Fsica Universidade de Braslia. Disponvel em: . Acesso em: 15 mai. 2007. UBIERNA, Jos Antonio Junc, coord. Manual de Accesibilidad Integral. 2 Edio. Junta de comunidades de Castilla-La Mancha, Sociedad Y Tcnica, S.L. Castilla-La Mancha, 2003. UNITED STATES ACCESS BOARD (USAB). Americans with disabilities act and architectural barriers act accessibility guidelines. Washington, 2004. WIKIPDIA, A Enciclopdia Livre. Homem Vitruviano. Modificada pela ltima vez em 01:10, 21 Jan. 2006a. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. WIKIPDIA, A Enciclopdia Livre. Leonardo da Vinci. Modificada pela ltima vez em 00:44, 26 fev. 2006b. Disponvel em: . Acesso em: 12 mar. 2006. WHO World Health Organization. Family of International Classifications: definition, scope and purpose. Ago. 2004. Disponvel em: . Acesso em: 12 out. 2006. 175175175175 ACESSIBILIDADE NO BRASIL: ANLISE DA NBR 9050 Arq. Miguel Correia de Moraes 175175175175 ApndiceApndiceApndiceApndice 1 1 1 1 CENTRO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM ARQUITETURA E URBANISMO REA DE CONCENTRAO: PROJETO E TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUDO CAMPUS UNIVERSITRIO TRINDADE CEP.: 88040-970 FLORIANPOLIS SANTA CATARINA Tel. (48) 3331-9797 E-mail: posarq@ctc.ufsc.br TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Convidamos o(a) senhor(a) para participar da Pesquisa de Campo da Dissertao de Mestrado de Miguel Correia de Moraes, do Programa de Ps-Graduao em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), sob orientao da professora Vera Helena Moro Bins Ely. Este trabalho tem como objetivo geral analisar a NBR 9050 de 2004 a fim de contribuir para o aprimoramento da acessibilidade no espao construdo do Brasil, tanto de um ponto de vista terico cientifico como de um ponto de vista prtico. Sua participao ser na pesquisa de campo, onde ser pedido que o(a) senhor(a) interaja com um determinado elemento do espao construdo e relate sua sensao. O que se pretende com isto verificar de forma qualitativa se alguns dos parmetros tcnicos presentes na NBR 9050 de 2004 suprem as necessidades das pessoas. A participao nessa prtica no ir prejudicar, sob nenhum aspecto, os envolvidos neste trabalho. Ser garantido que seu nome ou qualquer outro dado que o identifique sejam mantidos em sigilo, se assim o(a) senhor(a) desejar, e que ter liberdade para desistir da participao em qualquer momento. Aps ler este termo de consentimento e aceitar participar deste trabalho, pedimos que assine as duas vias do termo de consentimento, sendo que uma delas ficar em seu poder. Eu, ________________________________________________________________, declaro atravs deste documento, meu consentimento em participar como sujeito do presente trabalho. Declaro ainda, que estou ciente do objetivo e do mtodo bem como dos meus direitos de desistir a qualquer momento e tenho a garantia de que meu nome real no ser registrado, preservando o anonimato. Assinatura: __________________________________RG:__________________________ Florianpolis, ___/____/___

Recommended

View more >