para além das fronteiras nacionais: imagens do ...· el brasil como un estudio de caso (1945-1964)

Download para além das fronteiras nacionais: imagens do ...· El Brasil como un estudio de caso (1945-1964)

Post on 21-Jan-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

99

Anuario de Historia Regional y de las Fronteras, Vol.22 No.2DOI: http://dx.doi.org/10.18273/revanu.v22n2-2017004

para alm das fronteiras nacionais: imagens do americanismo como modelo de vida no ocidente.

O Brasil como estudo de caso (1945-1964)*

Resumo

Este artigo procura demonstrar como se deu a globalizao de um modelo cultural pautado no modelo estadunidense a partir do ps-45, entendendo a construo do ocidente como resultado de uma disputa por hegemonia dentro de um determinado contexto histrico. Nesse contexto, as imagens ganharam destaque como veculo de contato entre os sujeitos e o mundo que os cerca, ou seja, como um mecanismo de leitura do real. A pesquisa foi feita a partir da anlise de imagens disponveis em revistas de grande circulao no Brasil com pontuais comparaes com revistas de circulao hemisfrica, tais como a Readers Digest. Dessa forma, foi possvel traar os discursos imagticos hegemnicos presentes na imprensa brasileira e disponveis para subjetivao do pblico leitor. Conclui-se como o uso das imagens contribuiu para a construo de um modelo de vida e cotidiano hoje chamado de ocidental a partir do americanismo, tomando, para isto, a realidade brasileira como estudo de caso.

palavras Chave: Amricas, cultura Norte Americana, visualizao.

Referencia para citar este artculo: M. S. ARRAES, Marcos Alexandre de (2017). Para alm das fronteiras nacionais: imagens do americanismo como modelo de vida no ocidente. O Brasil como estudo de caso (1945-1964). En Anuario de Historia Regional y de las Fronteras. 22 (2). pp. 99-119.

Fecha de recepcin: 30/11/2016 Fecha de aceptacin: 06/04/2017

Marcos Alexandre de M. S. Arraes: Doutor em Histria pela Universidade Federal de Santa Catarina com perodo Sanduche na University of California, Irvine. Mestre em Histria Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil. Graduao em Histria pela Universidade Federal de Pernambuco, Brasil. Professor Adjunto A-1 da Universidade Federal do Tocantins, Brasil. Correo electrnico: maarraes@gmail.com. Cdigo ORCID: 0000-0002-8893-6561.

* O referido artigo fruto de pesquisa de doutoramento concludo em 2015 com financiamento das agncias CAPES-Brasil e Fulbright Foundation-EUA. Trata-se de parte de um captulo da tese transformado em artigo exclusivamente para submisso a esta revista.

100

Beyond National Borders: Images of Americanism as a Model of Life in the West.

Brazil as a Case Study (1945-1964)Abstract

This article tries to demonstrate how the globalization of a cultural model based on the American model occurred after 1945, understanding the construction of the West as a result of a dispute for hegemony within an specific historical context. In this context, the images gained prominence as a vehicle of contact between the subjects and the world around them, that is, as a mechanism for reading the real. The research was made from the analysis of images available in magazines of great circulation in Brazil with punctual comparisons with magazines of hemispheric circulation, such as Readers Digest. In this way, it was possible to trace the hegemonic imagery discourses present in the Brazilian press and available for readers subjectivation. It is concluded that the use of images contributed to the construction of a daily life model based on the Americanism so called Western, taking, for this, the Brazilian reality as a case study.

Keywords: Americas, North American Culture, Visualization.

Ms all de las fronteras nacionales: imgenes del americanismo como un modelo de vida en occidente.

El Brasil como un estudio de caso (1945-1964)Resumen

En el presente artculo se muestra el desarrollo de la globalizacin desde un modelo cultural basado en el modelo estadounidense pos-45, tomando la comprensin de la construccin de Occidente como resultado de disputas por la hegemona dentro de un contexto histrico especfico. En este contexto, las imgenes ganaron la prominencia como un vehculo de enlace entre el sujeto y el mundo que les rodea, o sea, como un mecanismo de lectura de la realidad. La investigacin se realiz a partir del anlisis de las imgenes disponibles en grandes revistas de circulacin en Brasil y ocasionalmente en revistas de circulacin hemisfrica, tales como el Readers Digest. Fue posible rastrear los discursos imagticos hegemnicos presentes en la prensa brasilea y disponible para la subjetividad del pblico lector. De ello se desprende cmo el uso de imgenes contribuy a la construccin de un modelo de vida cotidiana que ahora se llama occidental, teniendo, por esto, la realidad brasilea como un estudio de caso.

Palabras clave: Amricas, cultura norteamericana, visualizacin.

101

Anuario de Historia Regional y de las Fronteras Vol.22 No.2

Introduo

O presente artigo objetiva analisar o uso e importncia da visualidade como agente de consolidao do modelo de civilizao estadunidense enquanto paradigma para todo o mundo ocidental no ps-Segunda Guerra. Em outras palavras, buscar-se- entender a globalizao do americanismo1 na segunda metade do sculo XX, tendo como ponto de partida a construo de uma comunidade imaginada2 a que hoje chamamos de mundo ocidental. Para tanto, utilizarei o Brasil como estudo de caso, onde, como veremos, fez-se necessrio um amplo esforo de enquadramento e apresentao do americanismo e seus valores centrais a partir de uma srie de prticas, s quais s imagens foram produto central.

Antes de mais nada, penso ser necessrio definir o que estou entendendo como americanismo. De forma simplista e direta, poder-se-ia defini-lo como um conjunto de prticas culturais relativas aos Estados Unidos da Amrica. Todavia, a simplicidade, nesse caso, pende para uma perigosa generalizao que nada explica.

Antonio Gramsci, ao que parece, foi o primeiro pensador a se ater a esse conceito no texto Americanismo e Fordismo, incluso em seu Cadernos do Crcere, de 1934. Para ele, o termo qualificava um equivalente cultural necessrio ao modelo fordista de produo fabril.

Nesse sentido, o americanismo denota um modelo de sociedade, o que implica dizer que ele enquadra no apenas prticas culturais, como tambm um modelo de produo econmica e reproduo social. Em outras palavras, uma cultura em sentido amplo, englobando tudo aquilo que foi construdo e dotado de sentido pelo homem em sua experincia no tempo.

1 Apesar de no se tratar de palavra estrangeira, o termo ser utilizado em itlico neste artigo por uma questo poltica. Acredito que o substantivo Amrica e seus adjetivos correlatos sejam mais amplos que a realidade estadunidense. Contudo, por tratar-se de um conceito j estabelecido na historiografia, optei por utiliz-lo, mas deixando-o em destaque.2 A referncia aqui ao conceito desenvolvido por Benedict Anderson, ainda que em contexto e situao distintos. A analogia se faz possvel pois, tal como Anderson pensa o conceito de nao, a formao de um bloco hegemnico que partilha de instituies econmicas, militares e culturais, tambm possui um sentimento de pertena comum que tem razes em uma construo cultural. Assim, percebo a ideia de Ocidente ou Mundo Ocidental, como uma construo imagtica, que no possui organizao poltica, fronteiras definidas ou mesmo uma histria comum, mas baseia-se numa partilha de valores, ideais e sentimentos de pertena comuns, ou seja, de uma imagem mental de unidade. Isso no implica dizer que ela seja ilusria ou irreal. Ao contrrio, ela se realiza no campo do simblico e nele constitui subjetividades. Em ltima instncia, para citar Anderson, [...] ela imaginada pois, mesmo os membros da mais minscula nao jamais conhecero, encontraro ou sequer ouviro falar da maioria de seus companheiros, embora todos tenham em mente a imagem viva da comunho entre eles. Anderson, Benedict. Comunidades imaginadas. Reflexes sobre a origem e a difuso do nacionalismo (So Paulo: Cia das Letras, 2008), p. 32. Cabe ressaltar, no entanto, que tal comunho no suplanta outras comunidades imaginadas, tais como a nao ou outras existentes dentro dessa mesma comunidade, mas funciona em dilogo e, por vezes, em conflito com estas. Por fim, preciso dizer que existe uma longa discusso a respeito da construo do Ocidente, desde o perodo da Antiguidade Clssica e no estou querendo supor uma originalidade dessa construo no perodo do Ps-Guerra, mas sim, destacar esse perodo como um marco histrico de transformao na ideia e escopo da imagem do Ocidente, que passa a ser associado aos valores do americanismo.

102

Para alm das fronteiras nacionais: imagens do americanismo como modelo de vida...

Para a ocasio deste artigo, estou considerando como americanismo o projeto civilizador estadunidense esboado e sucessivamente reelaborado, recortado, reinterpretado, desde a fundao da nao. Um projeto que, medida que foi sendo estabelecido na prtica na conquista das fronteiras do Oeste das treze colnias, passou a ganhar fora e ampliar seu escopo de ao, fazendo surgir o Destino Manifesto. As repetidas lapidaes que esse esquema recebeu, contudo, no deixaram de lado alguns valores tidos como essenciais e universais, entre eles os ideais de liberdade, democracia e individualidade.

No estou, com isso, pensando o americanismo enquanto um tlos histrico que mira, atravs de sucessivas progresses, um futuro promissor e positivo. Ao contrrio, esse foi um modelo de sociedade que aconteceu historicamente, sendo sucessivamente recolocado e rearranjado dentro de suas historicidades. Foi a histria, e exclusivamente dentro dela, que, entre acasos, acertos diplomticos e outras condies de possibilidade, permitiu que tal projeto se tornasse hegemnico ao longo do sculo XX e, assim, se universalizasse3.

Tal tema bastante recorrente na historiografia latino-americana desde, ao menos,

Recommended

View more >