padesp (polo de abastecimento, distribui§£o e entreposto ... (a) o nesp (novo entreposto...

Download PADESP (Polo de Abastecimento, Distribui§£o e Entreposto ... (a) O NESP (Novo Entreposto de S£o

Post on 16-Dec-2018

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1

2

PADESP (Polo de Abastecimento, Distribuio e Entreposto de So Paulo) NESP (Novo Entreposto de So Paulo)

Equipe tcnica: Carlos Leite I Stuchi & Leite Projetos Modelagem urbanismo, Coordenao tcnica Domingos Pires, Camila Maleronka I p3urb Modelagem econmico-financeira, Coordenao estratgica Kleber Zanchim I SABZ Modelagem jurdica Kleber Mendes I Multi Modelagem ambiental

So Paulo, dezembro 2016

ESTUDOS TCNICOS PIU NESP

Projeto de Interveno Urbana - Novo Entreposto de So Paulo

apresentado So Paulo Urbanismo, Prefeitura de So Paulo

3

I APRESENTAO

(a) O NESP (Novo Entreposto de So Paulo) em Perus

(b) O PIU: Projeto de Interveno Urbana

II TERMO DE REFERNCIA PARA OS ESTUDOS TCNICOS

(i) Proposta de ordenamento urbanstico

(ii) Modelagem econmica da interveno proposta

(iii) Definio do modelo de gesto de sua implantao

(iv) Proposta de minuta de decreto

NDICE

pag. 04

pag. 05

pag. 08

pag. 11

pag. 13

pag. 117

pag. 121

pag. 126

4

APRESENTAO

5

(a) O NESP (Novo Entreposto de So Paulo) em Perus

O metabolismo urbano da cidade de So Paulo opera de forma disfuncional na maior parte de seu territrio, com um modelo do sculo 20 e uma dinmica do sculo 21.

A rede logstica e a cadeia de abastecimento alimentcio da cidade so tpicas deste grave descompasso, sintomatizado em uma enorme quantidade de caminhes que circulam pelo tecido urbano, aumentando os congestionamentos e poluindo bairros residenciais. Esta situao traz hoje prejuzos prpria logstica de abastecimento e distribuio, com ineficincia e desperdcio.

A chegada do NESP regio de Perus pea fundamental na engrenagem que constri uma rara oportunidade estratgica de desenvolvimento urbano para a cidade.

Perus, vetor noroeste de So Paulo, possui a vocao ideal para constituir-se no grande polo logstico da cidade e da Regio Metropolitana, ao estar localizado nas bordas da cidade e junto melhor rede de distribuio logstica e de transporte de cargas do pas: rodovias Bandeirantes e Anhanguera, Rodoanel, ferrovia, o futuro Ferroanel e ainda o potencial futuro aeroporto de Caieiras.

Este polo logstico j faz parte do planejamento estratgico da Macrometrpole e da Regio Metropolitana e foi sinalizado no novo PDE. Ou seja, a implementao do NESP em Perus uma ao bem-vinda e consonante aos planos vigentes.

O NESP, empreendimento totalmente privado e constitudo por permissionrios que operam no setor do abastecimento h dcadas, prope-se a ser o mais moderno e eficiente entreposto do pas, com uma implantao gradativa e planejada cresce enquanto a infraestrutura de suporte tambm se expande, configurando-se nas prximas dcadas em um condomnio logstico de aproximadamente quatro milhes de metros quadrados.

Com sua implementao, a regio de Perus beneficia-se daquilo que mais carente: empregos (estimativa de mais de 30 mil vagas qualificadas), em consonncia com a estratgia apontada no PDE de levar oportunidades de trabalho s regies perifricas predominantemente residenciais, cooperando na reduo dos movimentos pendulares (residncia-trabalho) que tanto afligem a populao, especialmente a mais necessitada.

Perus beneficia-se, tambm, com a preservao de grandes reas verdes e doao de reas institucionais por parte do grupo empreendedor, que somam mais de 700 mil metros quadrados, com claros benefcios socioambientais populao local. Haver recuperao e preservao de reas verdes, criao de parque pblico e rea para receber futuros equipamentos pblicos destinados sade e educao, demandas importantes da regio.

A cidade pode ser reinventada atravs de aes sistmicas, tticas e estratgicas. O NESP vem ao encontro de demandas urgentes e integra-se a um conjunto de sinergias de carter estrutural. Temos aqui um desejvel projeto ganha-ganha.

6

So Paulo tem uma rara oportunidade de se reinventar em um de seus gargalos estruturais a rede logstica de abastecimento de alimentos - e requalificar uma regio carente, Perus.

Perus, inserida na regio do Vale do rio Juqueri e da Serra da Cantareira, foi zona de passagem de tropas militares e importante entreposto de abastecimento (!) durante o perodo colonial e sob a vigncia do Imprio, quando surgiram a atual Av. Raimundo Pereira de Magalhes, ou Estrada Velha de Campinas, e a Estrada So Paulo-Jundia. Faz parte do antigo caminho para a regio de Campinas e Jundia. Atualmente a regio servida pela Linha 7 Rubi da CPTM, pelas Rodovias dos Bandeirantes e Anhanguera e pelo Rodoanel Mario Covas e possui o maior parque da cidade, o Parque Anhanguera.

Porm, a regio de Perus foi ao longo das dcadas se tornando receptculo de destinaes indesejveis (lixo, cemitrio de presos polticos, fbrica de cimento poluente).

Neste sentido, a chegada do NESP potencial boa nova para a regio: oportunidade nica de reverter tal tendncia histrica e de reverter o status de bairro-dormitrio, como uma das regies perifricas da cidade com alguns dos piores indicadores econmico-sociais e de qualidade de vida (por exemplo, Perus possui um dos piores IDH da cidade, 0,772, estando na 83 posio dentre os 96 distritos da cidade; a renda domiciliar per capita de aproximadamente R$ 1.014 Subprefeitura).

As externalidades positivas so relevantes:

o maior benefcio justamente a maior demanda da regio:

gerao de emprego e renda (mais de 30.000 vagas; empregos com maior renda);

trabalhar e morar perto (objetivo do PDE) melhora a mobilidade e a qualidade de vida;

a localizao foi estudada cuidadosamente trata-se escolha adequada;

foi disputado por outras localidades mais ricas (Barueri, Suzano); no deve haver transtornos regio: os caminhes tero acesso

exclusivo pela Rodovia dos Bandeirantes e no circularo no bairro;

as atividades no so poluentes; havero centralidades internas com todos os servios e

facilidades aos trabalhadores do NESP; promove sinergias para a vocao da regio que vem se

preparando recentemente para receber um grande polo logstico (p.ex.: Perus possui uma ETEC com ensino de logstica).

Assim, a implantao do NESP oferece a oportunidade de se fazer um turning point positivo na regio com medidas compensatrias e estruturadas para que durante os prximos 50 anos os empreendedores consigam construir sustentadamente o entreposto e toda a cadeia produtiva associada. Haver fases subsequentes para a implantao gradativa do empreendimento de forma planejada para que os impactos sejam bem absorvidos e trabalhados coordenadamente.

Lembre-se ainda que h atualmente mais de 8.000 unidades habitacionais em projeto e licenciamento na Subprefeitura de Perus, alm de outras aes privadas com suporte de planejamento pblico, garantindo que o futuro do planejamento qualificado ter o

7

necessrio cuidado.

Ao pensar em desenvolvimento socioeconmico para os prximos 50 anos exige-se educao qualificada para o mesmo perodo, de forma a diferenciar o desenvolvimento da regio em modelo distinto do que aquele que a deixou como depsito de vrias atividades nocivas, como o lixo, por exemplo, no parecendo ser adequado que, aps o enfrentamento do fechamento do aterro sanitrio que j aconteceu (Aterro Bandeirantes), a regio no fosse premiada com o planejamento de aes mais consistentes e de maior valor agregado. Ao se direcionar o investimento privado com este contedo para a regio, a articulao entre os governos municipal, estadual e federal ser fundamental para o sucesso desta construo coletiva.

Talvez a questo no seja identificar o NESP como aquele empreendimento que resolver os problemas de equipamentos pblicos e abastecimento da regio, mas sim considerar que seu papel, a logstica, o fundamental do Programa de Interesse Pblico, porque estratgico. Apesar de o NESP ser inteiramente privado e no poder se responsabilizar por todas as demandas pblicas do seu entorno, este se responsabilizar por algumas, pois haver destinao de reas pblicas, conforme os parmetros desenvolvidos no PIU e assinalados no consequente decreto.

Porm, a responsabilidade destes estudos de apresentar as diversas questes envolvidas em empreendimento deste porte e enderea-las, a inclusas as externalidades positivas e o endereamento das medidas mitigatrias das eventuais negativas (objeto dos futuros estudos de impacto), assim como demonstrar o Programa de Interesse Pblico dentro do escopo do Termo de Referncia para os

Estudos Tcnicos, previamente aprovado e cujo contedo se apresenta a seguir.

8

(b) O PIU: Projeto de Interveno Urbana

Os Projetos de Interveno Urbana (PIU) so os estudos tcnicos necessrios a promover o ordenamento e a reestruturao urbana em reas subutilizadas e com potencial de transformao na cidade de So Paulo de acordo com o Marco Regulatrio do Desenvolvimento Urbano municipal: trata-se do Artigo 136 do Plano Diretor Estratgico (PDE; Lei no. 16.050/2014). O Zoneamento (Lei Parcelamento, Uso e Ocupao do Solo no. 16.402/16) em seu Artigo 15. Determina que as Zonas de Ocupao Especial (ZOE) (...) necessitem de disciplina especial de parcelamento, uso e ocupao do solo com elaborao de PIU, aprovado por decreto, observados os coeficientes de aproveitamento estabelecidos por Macrorea conforme Quadro 2A da Lei n. 16.050/16.

Estando grande parte do territrio do Novo Entreposto de So Paulo (NESP) dentro de reas de ZOE, configura-se a necessidade deste PIU (PIU NESP).

Estes estudos apresentam assim o programa de interesse pblico do NESP, inserido no mbito do Termo de Referncia para os Estudos Tcnicos - aprovado pela Prefeitura de So Paulo, at