P4322 - Projeto r tulo com altera es - C pia.doc) ?· septoriose e ferrugem castanha do trigo, ferrugem…

Download P4322 - Projeto r tulo com altera es - C pia.doc) ?· septoriose e ferrugem castanha do trigo, ferrugem…

Post on 11-Feb-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

DITHANE M-45

FUNGICIDA

Fungicida orgnico de sntese

P molhvel (WP) com 800 g/kg ou 80% (p/p) de mancozebe

Contm metenamina

Autorizao de venda n. 0460 concedida pela DGAV

Contedo: 250 g ou 25 kg e Data de fabrico e lote: ver embalagem.

ESTE PRODUTO DESTINA-SE AO USO PROFISSIONAL

PARA EVITAR RISCOS PARA A SADE HUMANA E PARA O AMBIENTE, RESPEITAR AS INSTRUES DE UTILIZAO

MANTER FORA DO ALCANCE DAS CRIANAS

LER O RTULO ANTES DA UTILIZAO Um produto: Indofil Industries (Netherlands) B.V. Piet Heinkade 55 1019 GM Amesterdo Holanda

Distribudo por:

O DITHANE M-45 um fungicida Alquilenobis (ditiocarbamato), de superfcie, com atividade preventiva. Inibe vrios processos metablicos, atuando em diversos enzimas. Encontra-se indicado para o tratamento, entre outros, do mldio e podrido negra da videira, mldio e alternariose da batateira, pedrados da pereira e macieira, mldio da alface, cebola, alho porro e chalota, alternariose da cenoura, mldio e antracnose do meloeiro, melancia, abbora e aboborinha, mldio e alternariose da beringela, mldio e alternariose do tomateiro, septoriose e ferrugem castanha do trigo, ferrugem da roseira e flores de corte (bocas de lobo, pelargnios, crisntemos, craveiro, gernios).

UTILIZAES, DOSES,CONCENTRAES, POCAS E CONDIES DE APLICAO Abbora e aboborinha (ao ar livre) Mldio (Pseudoperonospora cubensis) e antracnose (Colletotrichum sp): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Tratar em condies favorveis ao desenvolvimento da doena. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias. Realizar no mximo 4 aplicaes por cultura, no conjunto das doenas, com este ou outro fungicida do grupo dos ditiocarbamatos.

Alface (ao ar livre) Mldio (Bremia lactuca): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Tratar, em condies favorveis ao desenvolvimento da doena, a partir do estado de plntula. Realizar tratamentos em condies de humidade elevada e temperaturas favorveis. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias. Realizar no mximo 4 aplicaes com este fungicida ou outro que contenha ditiocarbamatos. Alho francs (ao ar livre) Mldio (Peronospora destructor): 200 g/hl, no excedendo 2 kg /ha. Tratar, em condies favorveis ao desenvolvimento da doena, a partir do estado de plntula, tendo em especial ateno o perodo de formao do bolbo. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias. Realizar no mximo 3 aplicaes com este fungicida ou outro que contenha ditiocarbamatos. Batateira Mldio (Phytophthora infestans) e alternariose (Alternaria solani): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha e com uma persistncia de 7 a 10 dias. Tratar de acordo com as indicaes do Servio Nacional de Avisos Agrcolas. Na falta deste, iniciar os tratamentos quando as plantas atingem 20-30 cm ou quando a folhagem se toca na linha e se verifiquem condies favorveis ao desenvolvimento da doena (temperatura superior a 10C e humidade relativa elevada). Realizar no mximo 8 aplicaes, no conjunto das doenas, com este ou outro fungicida do grupo dos ditiocarbamatos. Beringela (ao ar livre) Alternariose (Alternaria solani) e mldio (Phytophthora nicotinae): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Tratar, em condies favorveis ao desenvolvimento da doena, a partir do estado de plntula. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias. Realizar no mximo 5 aplicaes, no conjunto das doenas, com este ou outro fungicida do grupo dos ditiocarbamatos. Cebola (ao ar livre) Mldio (Peronospora destructor): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Tratar, em condies favorveis ao desenvolvimento da doena, a partir do estado de plntula, tendo em especial ateno o perodo de formao do bolbo. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias.

Realizar no mximo 4 aplicaes com este fungicida ou outro que contenha ditiocarbamatos. Cenoura (ao ar livre) Alternariose ou queima das folhas (Alternaria dauci) : 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Tratar em condies favorveis ao desenvolvimento da doena (tempo hmido e temperatura de 20-30C), a partir de 7-9 cm. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias. Realizar no mximo 4 aplicaes com este fungicida ou outro que contenha ditiocarbamatos. Chalota (ao ar livre) Mldio (Peronospora destructor): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Tratar, em condies favorveis ao desenvolvimento da doena, a partir do estado de plntula, tendo em especial ateno o perodo de formao do bolbo. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias. Realizar no mximo 4 aplicaes com este fungicida ou outro que contenha ditiocarbamatos. Macieira e pereira Pedrado (Venturia inaequalis e Venturia piyina): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Iniciar as aplicaes de acordo com o Servio Nacional de Avisos Agrcolas. Na sua ausncia iniciar os tratamentos ao aparecimento da ponta verde das folhas, em condies favorveis ao desenvolvimento da doena. A persistncia biolgica do produto de 7 a 10 dias. Realizar no mximo 4 aplicaes por cultura, com este fungicida ou outro que contenha ditiocarbamatos. Melancia e meloeiro (ao ar livre) Mldio (Pseudoperonospora cubensis) e antracnose (Colletotrichum sp): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Tratar em condies favorveis ao desenvolvimento da doena. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias. Realizar no mximo 4 aplicaes por cultura, no conjunto das doenas, com este ou outro fungicida do grupo dos ditiocarbamatos. Roseira (ao ar livre) Ferrugem (Phragmidium mucronatum ): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Tratar em condies favorveis ao desenvolvimento da doena. Aplicar preventivamente. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias. Flores de corte (bocas de lobo, pelargnios, crisntemos, craveiro, gernios) (ao ar livre) Ferrugem (Puccinia sp.): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Tratar em condies favorveis ao desenvolvimento da doena. Aplicar preventivamente. A persistncia biolgica do produto de 7-10 dias. Tomateiro (tomate para consumo em fresco) (ao ar livre) Alternariose (Alternaria solani) e mldio (Phytophthora infestans): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Realizar os tratamentos de acordo com o Servio Nacional de Avisos Agrcolas. Na falta deste iniciar os tratamentos em condies favorveis doena desde o estado de 4 folhas expandidas no lanamento principal. A persistncia biolgica do produto de 7 a 10 dias. O nmero mximo de tratamentos por cultura de 5, no conjunto das doenas e por poca cultural, com este ou outro fungicida dos grupos dos ditiocarbamatos.

Tomateiro (tomate para transformao industrial) (ao ar livre) Alternariose (Alternaria solani) e mldio (Phytophthora infestans): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Realizar os tratamentos de acordo com o Servio Nacional de Avisos Agrcolas. Na falta deste iniciar os tratamentos em condies favorveis doena desde o estado de 4 folhas expandidas no lanamento principal. A persistncia biolgica do produto de 7 a 10 dias. O nmero mximo de tratamentos por cultura de 4, no conjunto das doenas e por poca cultural, com este ou outro fungicida dos grupos dos ditiocarbamatos. Trigo Septoriose (Septoria tritici) e ferrugem castanha (Puccinia recondita): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha.. Tratar em condies favorveis ao desenvolvimento da doena. No aplicar aps o estado de gro leitoso. O produto possui uma persistncia biolgica de 14 dias. Realizar no mximo 3 aplicaes, no conjunto das doenas, com este ou outro fungicida do grupo dos ditiocarbamatos. Videira Mldio (Pasmopora viticola) e podrido negra (Guignardia bidwelli): 200 g/hl, no excedendo 2 kg/ha. Iniciar os tratamentos de acordo com o Servio Nacional de Avisos Agrcolas. Na ausncia destes realizar o 1 tratamento no estado 7-8 folhas. Os tratamentos seguintes devero ser realizados quando existirem condies favorveis ao desenvolvimento da doena. A persistncia biolgica do produto de 7 a 12 dias. Realizar no mximo 4 aplicaes, no conjunto das doenas, com este ou outro fungicida do grupo dos ditiocarbamatos. PRECAUES BIOLGICAS Nas culturas da macieira e pereira devem ser tidas em considerao as seguintes precaues: Consultar a indstria antes de usar o produto em culturas cuja produo se destina a processamento industrial. Este produto pode causar fitotoxidade em algumas variedades de ma e pera.

MODO DE PREPARAO DA CALDA No recipiente onde se prepara a calda deitar metade da gua necessria. Numa vasilha juntar a quantidade de produto a utilizar com um pouco de gua e agitar continuamente at obter uma pasta homognea e sem grumos. Deitar esta pasta no recipiente e completar o volume de gua, agitando sempre. Evitar deixar a calda em repouso. MODO DE APLICAO

Calibrar corretamente o equipamento, para o volume de calda gasto por ha, de acordo com o dbito do pulverizador (L/min), da velocidade e largura de trabalho (distncia entrelinhas) com especial cuidado na uniformidade da distribuio de calda. A quantidade de produto e o volume de calda devem ser adequados rea de aplicao, respeitando as concentraes/doses indicadas.

Nas fases iniciais de desenvolvimento das culturas aplicar a calda concentrao indicada. Em pleno desenvolvimento vegetativo, adicionar a quantidade de produto proporcionalmente ao volume de gua distribudo por ha, pelo pulverizador, de forma a respeitar a dose. As concentraes indicadas destinam-se a pulverizaes a alto volume, considerando um gasto de calda de 1000 L/ha. Na cultura do tomateiro, considera-se um volume de calda de 500 a 1000 L/ha. PRECAUES TOXICOLGICAS, ECOTOXICOLGICAS E AMBIENTAIS

ATENO EUH210 - Ficha de segurana fornecida a pedido. H317 Pode provocar uma reao alrgica cutnea. H361d Suspeito de afetar o nascituro. H410 Muito txico para os organismos aquticos com efeitos duradouros. P201 Pedir instrues especficas antes da utilizao. P270 No comer, beber ou fumar durante a utilizao deste produto. P280 - Usar luvas de proteo, vesturio de proteo, proteo ocular e proteo facial. P308 + P313 EM CASO de exposio ou suspeita de exposio: consulte um mdico. P405 Armazenar em local fechado chave. P501 Eliminar o contedo e a embalagem em local adequado recolha de resduos

perigosos. Manter afastado de alimentos e bebidas, incluindo os dos animais. SP1 - No contaminar a gua com este produto ou com a sua embalagem. SPe3 - Para proteo de organismos aquticos, respeitar uma zona no pulverizada em

relao s guas de superfcie de 30 metros em pomideas, 12 metros em videira e 5 metros em hortcolas, cereais e flores de corte. Sempre que possvel, utilizar bicos anti-deriva que garantam, pelo menos, 50% de reduo do arrastamento da calda de pulverizao.

SPoPT1 - Aps o tratamento lavar cuidadosamente o material de proteo e os objetos contaminados. Lavar as luvas, tambm por dentro.

Intervalo de Segurana - 3 dias em abbora (ao ar livre), aboborinha (ao ar livre), beringela (ao ar livre), melancia (ao ar livre), meloeiro (ao ar livre) e tomateiro ao ar livre (tomate para consumo em fresco); 7 dias em batateira; 28 dias em alface (ao ar livre), alho-francs (ao ar livre), cebola (ao ar livre), cenoura (ao ar livre), chalota (ao ar livre), macieira, pereira, tomateiro ao ar livre (tomate para transformao industrial) e videira; em trigo no aplicar aps o gro leitoso. No ultrapassar o nmero mximo de aplicaes indicado para a cultura em causa, com esta substncia ativa ou outra do grupo dos ditiocarbamatos (metirame, propinebe, tirame ou zirame).

Tratamento de emergncia - Em caso de ingesto, consultar imediatamente o mdico e mostrar-lhe a embalagem ou o rtulo.

Em caso de intoxicao contactar o Centro de Informao Antivenenos, Telef.: 808 250 143.

A embalagem vazia no dever ser lavada, sendo completamente esgotada do seu contedo, inutilizada e colocada em sacos de recolha, devendo estes serem entregues num centro de receo Valorfito.

NOTA: Os resultados da aplicao deste produto so suscetveis de variar pela ao de fatores que esto fora do nosso domnio, pelo que apenas nos responsabilizamos pelas caractersticas previstas na Lei. Edio 6

Recommended

View more >