P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E P O R T O A L E ... ?· p r e f e i t u r a m u n i c i p…

Download P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E P O R T O A L E ... ?· p r e f e i t u r a m u n i c i p…

Post on 16-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E P O R T O A L E G R E COMISSO CONSULTIVA DO CDIGO DE EDIFIC AES </p> <p>ATA N 646 </p> <p> DATA: 13.01.10 INCIO: 8h45min FIM: 10h45min LOCAL: Sala de Reunies do Gabinete da SMOV Av. Borges de Medeiros, 2244 5. Andar. </p> <p> Pgina 1 de 3 </p> <p>1. PRESENTES: Estiveram presentes os seguintes membros: Arq. Letcia Cruz Klein (SMOV), Arq. Vernica Medina (SPM), Eng. Milton ris Oliveira ( SERGS), Arq. Raul Milani (AREA) e Arq. Carla Piccoli (SINDUSCON). 2. ASSUNTOS TRATADOS: 2.1 Proc 002.074558.09.9 Foi solicitado pela Associao de Cimentos Portland anlise da CCCE quanto a possibilidade de uso de blocos vazados de concreto em paredes externas e divisrias internas com e sem revestimento argamassado, face o disposto no art. 45 da LC 284/92. Os laudos exigidos pelo art. 45 da LC 284/92 foram analisados pelo Eng. Milton de Oliveira, representante da SERGS, o qual emitiu o parecer em anexo, endossado pela CCCE. 2.2 EU 002.303333.09.3 Rua Camaquo, 534. Retorna a Comisso o E.U. onde tramita aprovao de regularizao da Escola Adventista de Porto Alegre, solicitando agora o aceite de 05 vagas de estacionamento destinadas administrao da escola, sem espao para manobra. A CCCE aps analisar o assunto devolveu o E.U. SALP, sugerindo o encaminhamento chefia da SALP, face tratar-se de matria do Plano Diretor . 3. PRXIMA REUNIO: </p> <p>Dever ser realizada no dia 20/01/2010 nos mesmos horrio e local 4. REPRESENTANTES: </p> <p>1.1 SMOV Arq. Letcia Cruz Klein Presidente 1.1.2 SMOV Arq. Denise Barbieri 1.2 SPM Arq. Antnio Selmo 1.2.2 SPM Arq. Vernica M. Medina 1.3 SERGS Eng. Milton ris Oliveira 1.3.2 SERGS Eng. Elmo Tomazi 1.4 IAB Arq. Jos Carlos Pereira da Rosa 1.4.2 IAB Arq. Cesar Dorfman 1.5 COMUNITRIO 1.6 SINDUSCON Arq. Srgio Koren 1.6.2 SINDUSCON Arq. Carla Piccoli 1.7 AREA Arq. Raul Milani 1.7.2 AREA Arq. Slon Nhuch </p> <p>P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E P O R T O A L E G R E COMISSO CONSULTIVA DO CDIGO DE EDIFIC AES </p> <p>ATA N 646 </p> <p> DATA: 13.01.10 INCIO: 8h45min FIM: 10h45min LOCAL: Sala de Reunies do Gabinete da SMOV Av. Borges de Medeiros, 2244 5. Andar. </p> <p> Pgina 2 de 3 </p> <p>Anexo do Item 2.1 : </p> <p> Ref.: Processo adm. 002.074558.09.9 </p> <p>Trata o presente processo administrativo da utilizao de blocos vazados de concreto com dimenses 140 x 190 x 390 mm, de fabricao TBS SUL Sistemas Construtivos e Arquitetnicos Ltda. em alvenarias externas e internas com e sem revestimento argmassado em substituio a alvenaria de tijolos macios de 23cm de espessura para atendimento ao artigo 45 do Cdigo de Edificaes de Porto Alegre Lei 284/92. </p> <p> O requerente apresentou parecer tcnico de autoria do Engenheiro Civil Marcus Daniel Friederich dos Santos com carteira do Crea RS089447. </p> <p> No parecer apresentada uma anlise tcnica dos ensaios realizados nos blocos vazados de cimento para atendimento dos requisitos previstos no artigo 45 da Lei 284/92, referentes RESISTNCIA MECNICA , ISOLAMENTO TRMICO , ISOLAMENTO ACSTICO e IMPERMEABILIDADE . Os ensaios realizados acompanham a anlise e compem-se dos seguintes anexos: </p> <p> ANEXO 1 RESISTNCIA COMPRESSO: </p> <p> Os resultados dos ensaios apresentados no ANEXO 1, realizados pelo Laboratrio de Materiais de Construo do Centro de Tecnologia da Universidade Federal de Santa Maria datado de 09 de fevereiro de 2009 para seis corpos de prova e constantes da tabela n 2, so os seguintes: </p> <p>CORPO DE PROVA RESITNCIA A COMPRESSO (MPa) 7699 5,8 7700 7,5 7701 6,4 7702 7,4 2299 7,7 2300 6.9 </p> <p> A resistncia caracterstica a ser adotada o resultado da seguinte </p> <p>expresso (item 6.5 da NBR 6136 verso 2007 BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES PARA ALVENARIA - REQUISITOS -). Fbk= 2((Fb1+ Fb2)/2)-Fb3 (as siglas adotadas e os valores esto descritos no item 6.5.1.1 e 6.5.1.2. O valor encontrado para Fbk no pode ser inferior 0,89xFb1 (para 6 corpos de prova), resultando como valor final de Fbk=5,20MPa. De acordo com o item 5.3 Requisitos fsico-mecnico, o resultado acima enquadra este material na Classe B com funo estrutural para uso em elementos de alvenaria acima do nvel do solo, conforme o item 4.1 da referida norma. </p> <p> Na comparao com tijolos macios, a referncia dada pela NBR 7170/1983 TIJOLO MACIO CERMICO PARA ALVENARIA , ele se equipara a tijolos macios comuns de uso corrente como categoria C , com Resistncia mnima a compresso acima de 4MPa. (item 5.1.1, tabela 2 da NBR 7170/1983). No foram apresentados os ensaios de resistncia a impacto de corpo mole e de corpo duro. ANEXO 2 ISOLAMENTO TRMICO: </p> <p> Os resultados apresentados no ANEXO 2 realizado pelo Centro Tecnolgico do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de Santa Catarina, datado de junho de 1999 so os constantes da tabela abaixo: </p> <p>P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E P O R T O A L E G R E COMISSO CONSULTIVA DO CDIGO DE EDIFIC AES </p> <p>ATA N 646 </p> <p> DATA: 13.01.10 INCIO: 8h45min FIM: 10h45min LOCAL: Sala de Reunies do Gabinete da SMOV Av. Borges de Medeiros, 2244 5. Andar. </p> <p> Pgina 3 de 3 Bloco Resistncia </p> <p>Trmica (K.m/W) </p> <p>Transmitncia Trmica (W/m.K) </p> <p>Capacidade Trmica </p> <p>(KJ/m.K) </p> <p>Atraso Trmico (horas) </p> <p>Fator solar para paredes </p> <p>brancas (adm.) </p> <p>14x19x19 4,5MPa </p> <p>0,3457 2,89 198 3,5 2,3 </p> <p>A Transmitncia trmica e a capacidade trmica apresentam valores de desempenho satisfatrios em comparao com o desempenho de alvenarias de tijolos macios de 23cm de espessura.. O ensaio apresentado no esclarece se o mesmo foi realizado com a parede revestida ou no conforme proposta do requerimento. ANEXO 3 ISOLAMENTO ACSTICO: O interessado apresentou ensaio realizado pelo LABORATRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUO CIVIL LMCC da FUNDAO DE APOIO A TECNOLOGIA E CINCIA, cujo resultado apresentou um ndice Ponderado de Reduo Sonora de 42 dB, superior ao mnimo exigido para desempenho de alvenarias entre reas privativas (dormitrios) e reas comuns/paredes de geminao. O ensaio realizado refere-se somente a alvenarias revestidas. Apresentar ensaio para alvenarias sem revestimento conforme proposta do requerimento. ANEXO 4 IMPERMEABILIDADE: </p> <p> Os resultados apresentados no ANEXO 4, realizado pela CIENTEC FUNDAO DE CINCIA E TECNOLOGIA em julho de 1999, apresenta em sua concluso final que No houve aparecimento de manchas de umidade na fac e de observao das paredes que constituram a amostra na altura oposta rea de exposio . Considerando que o ensaio data de 10 anos atrs e os procedimentos esto desatualizados quanto a presso e tempo de exposio, solicitamos que sejam realizados novos ensaios atendendo aos requisitos atuais comprovando a eficcia quanto a impermeabilidade. O ensaio realizado refere-se somente a paredes revestidas, sem entretanto especificar a espessura dos revestimentos. Apresentar tambm ensaio para alvenarias sem revestimento conforme proposta do requerimento. CONCLUSO : Para anlise e parecer final devero ser atendidas as seguintes observaes: </p> <p>1) Resistncia mecnica Dever ser apresentados os ensaios de resistncia a impactos de corpo mole e duro. </p> <p>2) Isolamento trmico Esclarecer se o ensaio apresentado refere-se a alvenarias revestidas ou no e apresentar o ensaio complementar. </p> <p>3) Isolamento acstico Apresentar o ensaio para alvenarias sem revestimento. 4) Impermeabilidade Apresentar ensaios para alvenarias com e sem revestimentos com </p> <p>procedimentos atualizados para presso e tempo de exposio. 5) Anexa planilha explicativa dos ensaios e ndices a serem atingidos para o material </p> <p>proposto. Preencher. </p> <p>Porto Alegre, 13 de janeiro de 2010 </p> <p> Eng Civil Milton Oliveira </p>

Recommended

View more >