out/nov/dez - 2008 - cebrid

Download Out/Nov/Dez - 2008 - CEBRID

Post on 06-Jan-2017

221 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    BOLETIM

    SISTEMA DE FARMACOVIGILNCIA EM PLANTAS MEDICINAIS

    Coordenao Geral: Ricardo Tabach Equipe de Colaboradores: Paulo Mattos, Daniel de Santi, Julia Movilla, Juliana Lanini, Marna Sakalem Superviso Geral: E. A. Carlini

    CEBRID Centro Brasileiro de Informaes sobre Drogas PsicotrpicasDepartamento de Psicobiologia - UNIFESPSite: http://www.cebrid.epm.brE-mail: planfavi@psicobio.epm.br

    Editorial:Chegamos ao final de mais um ano, ano este de

    consolidao do Planfavi como um boletim informativo sobre farmacovigilncia de plantas medicinais e que tem se mostrado de interesse para um grande nmero de profissionais de sade. Devido ao grande nmero de solicitaes que estamos recebendo, criamos um novo endereo eletrnico, especfico para o boletim (planfavi@psicobio.epm.br), a fim de agilizar a comunicao com os leitores.

    Como principal fato deste ano, destacamos a organizao e realizao do XX Simpsio de Plantas Medicinais do Brasil e X Congresso Internacional de Etnofarmacologia, em So Paulo. Este evento contou com a participao de 1820 inscritos, no s do Brasil, mas tambm de diversos outros pases, palestrantes nacionais e internacionais e a questo da farmacovigilncia de plantas medicinais foi bastante discutida, entre diversos outros temas. Todas as sociedades cientficas que trabalham com plantas medicinais participaram da comisso cientfica, contribuindo de forma significativa para o sucesso do evento. A prxima edio deste simpsio, em 2010, ser em Joo Pessoa.

    Para terminar, temos a expectativa de que, no prximo ano, possamos dar continuidade ao trabalho de consolidao do Planfavi e, para isto, contamos com a sua valiosa colaborao.

    Boa leitura!

    Ricardo Tabach

    Alerta: Cimicifuga racemosa e desordens hepticas?

    Cimicifuga racemosa L. uma planta utilizada para tratar sintomas da menopausa. Contudo, agncias regulatrias de vrios pases (Austrlia, Canad, EUA e Unio Europia) alertam para a possvel relao existente entre o uso da Cimicifugae a ocorrncia de hepatotoxicidade. Esta informao foi analisada por um comit especializado que avaliou vrios parmetros importantes, tais como: casos clnicos registrados em humanos, estudos farmacolgicos em animais, estudos toxicolgicos, histrico do uso, entre outros.

    Apesar dos estudos clnicos realizados em humanos e testes farmacolgicos em animais no terem apresentado resultados desfavorveis quanto ao uso da Cimicifuga, os registros apontam uma relao causal entre o uso da mesma e danos hepticos. Baseados nestes resultados, o Comit Tcnico de Informaes sobre Suplementos (Unio Europia) determinou que os produtos base de Cimicifuga apresentassem tais advertncias no rtulo. Com esta deciso a US Pharmacopeias Botanical poder desenvolver monografias sobre a Cimicifuga, ampliando estudos que so importantes para a populao.

    MAHADY, G.B.; LOW DOG, T.; BARRET, M.L.; CHVEZ, M.L.; GARDINER, P.; KO, R.; MARLES, R.J.; PELLICORE, L.S.; GIANCASPRO, G.I.; SARMA, D.N. United States Pharmacopeia review of the Black cohosh case reports of hepatotoxicity.Menopause 15: 628-638; 2008.

    N 08

    Outubro Dezembro/2008

  • 2

    1. Planta em Foco

    Lippia alba (Mill.) N.E. Brown

    Nome cientfico: Lippia alba (Mill.) N.E. Brown

    Nome popular: erva cidreira de arbusto, erva cidreira do campo, alecrim do campo, alecrim selvagem, falsa melissa, erva cidreira brasileira, cidr, cidro, ch de tabuleiro, erva cidreira brava, salva do Brasil, salva limo, salva brava, organo entre outros

    Usos populares: tosse, catarro, resfriado, como tranqilizante ou calmante, distrbios do sono, hipertenso, analgsico, bem como nos casos de distrbios hepticos, gripe, bronquite, sfilis, diarria, disenteria, como carminativo, no tratamento de dores de cabea e malria, entre outros.

    1.1 Resumo dos Estudos

    a. Propriedades antioxidantes e neuro-sedativas de polifenis e iridides de Lippia alba.

    HENNEBELLE, T. ; SAHPAZ, S. ; GRESSIER, B. ;JOSEPH, H. ; BAILLEUL, F. Antioxidant and neurosedative properties of polyphenols and iridoids from Lippia alba. Phytotherapy Research 22(2): 256-8, 2008.

    Neste estudo as propriedades neuro-sedativas e antioxidantes dos compostos majoritrios isolados de um quimiotipo ctrico de Lippia alba foram investigados. Testes de binding foram realizados em dois alvos inibitrios do SNC: receptores benzodiazepnicos e GABAA. O composto mais ativo foi a luteolina-7-diglicorondeo, com concentrao inibitria mxima (CI50) de 101 e 40 M respectivamente..Foram testados quinze compostos isolados de Lippia alba para seu potencial de eliminao de radicais livres frente a DPPH (1,1-difenil-2-picrilidrazila).Quatro dos compostos majoritrios (verbacosdeo, calciolarosdeo E, luteolina-7-diglucorondeo e thevesideo) foram tambm testados para avaliao da atividade antioxidante frente a nions radical-superxido emsistemas hipoxantina-xantina oxidase livre de clulas e em granulcitos de neutrfilos estimulados por PMA.

    b. Efeitos centrais de citral, mirceno e limoneno, contituntes quimiotipos do leo essencial de Lippia alba.

    do VALE, T.G.; FURTADO, E.C.; SANTOS, J.G. JR;VIANA, G.S. Central effects of citral, myrcene and

    limonene, constituents of essential oil chemotypes from Lippia alba (Mill.) n.e. Brown. Phytomedicine 9(8):709-14, 2002.

    O estudo demonstrou que os constituintes do leo essencial de quimiotipos de Lippia alba - citral, mirceno e limoneno (100 e 200mg/kg, ip), diminuram no somente o nmero de cruzamentos mas tambm o nmero de rearinge grooming, avaliados no teste de campo aberto em camundongos. Apesar de a atividade msculo relaxante ser detectada no rotarod apenas na dose mais alta de citral (200mg/kg) e mirceno (100 e 200mg/kg), este efeito foi observado tambm na dose mais baixa de limoneno (50mg/kg). Alm disso, citral e mirceno (100 e 200mg/kg) aumentaram o tempo de sono barbitrico quando comparado ao controle. Limoneno tambm foi efetivo na dose mais alta e citral no aumentou o perodo de latncia, mas prolongou a durao do sono, o que indicativo de uma potencializao do tempo de sono. Citral (100 e 200 mg/kg) aumentou 2,3 a 3,5 vezes, respectivamente, o tempo de sono barbitrico em camundongos.

    Efeitos similares foram observados para mirceno e limoneno nas doses mais altas (200 mg/kg). No labirinto em cruz elevado, nenhum efeito foi observado com citral at a dose de 25mg/kg, enquanto que na dose mais alta houve um decrscimo de 46% do nmero de entradas nos braos abertos. Um efeito menor, mas significante, foi observado com limoneno (5mg/kg). Enquanto mirceno (10mg/kg) diminuiu em apenas 22% o nmero de entradas nos braos abertos, este parmetro diminuiu em 48% na dose mais alta. O estudo demonstrou que citral, limoneno e mirceno apresentaram efeitos sedativos e mio-relaxantes nos modelos testados. As doses mais elevadas produziram potenciao do tempo de sono induzido por pentobarbital em camundongos, o qual foi mais intenso na presena do citral. Alm disso, nenhum deles apresentou efeito ansioltico, mas apenas um leve efeito tipo ansiognico nas doses mais altas.

    c. Estudo etnofarmacolgico de duas espcies Lippia de Oriximin, Brasil.

    OLIVEIRA, D.R.; LEITO, G.G.; SANTOS, S.S.; BIZZO, H.R.; LOPES, D.; ALVIANO, C.S.; ALVIANO, D.S.;LEITO, S.G. Ethnopharmacological study of two Lippiaspecies from Oriximin, Brazil. Journal of Ethnopharmacology 108(1):103-8, 2006.

    O foco deste estudo foi a investigao etnofarmacolgica de Lippia alba, conhecida popularmente como erva-cidreira, e de Lippia alba f. intermdia, conhecida como carmelitana . Alm disso, a composio e atividade antimicrobiana dos leos essenciais foram investigadas para correlacionar com seus usos tradicionais. O estudo etnofarmacolgico mostrou uma boa concordncia com o uso principal (CUP) de Lippia alba(CUP=92.0%) e em uma extenso menor, para Lippia albaf. intermdia, como sedativa. A anlise dos leos essenciais permitiu identificar a Lippia alba como um quimiotipo mirceno-citral (15% e 37.1%, respectivamente) e Lippia alba f intermdia como um quimiotipo citral (22.1%). Os leos de ambas as espcies foram ativos contra todos os microorganismos testados (bactrias e fungos) pelo teste da gota, com o halo de inibio variando entre 1.1 a 5.0 cm, provavelmente devido aos monoterpenos oxigenados presentes em grande quantidade (51,0% e 40,1%, respectivamente), especialmente representados por aldedos e lcoois. O estudo concluiu que os dados qumicos e farmacolgicos

    A Lippia alba uma planta aromtica brasileira pertencente famlia Verbenaceae.

    Apresenta grande importncia na medicina popular tanto no Brasil quanto em outros pasesdo mundo, sendo empregada no tratamento dos mais diversos males.

  • 3

    esto de acordo com os resultados do levantamento etnofarmacolgico.

    1.2 Outras Publicaes

    HENNEBELLE, T.; SAHPAZ, S.; JOSEPH, H.;BAILLEUL, F. Ethnopharmacology of Lippia alba.Journal of Ethnopharmacology 116(2): 211-22, 2008.

    ZTOLA, M.; DE LIMA, T.C.; SONAGLIO, D.;GONZLEZ-ORTEGA, G.; LIMBERGER, R.P.;PETROVICK, P.R.; BASSANI, V.L. CNS activities of liquid and spray-dried extracts from Lippia alba -Verbenaceae (Brazilian false melissa). Journal of Ethnopharmacology 82(2-3): 207-15, 2002.

    do VALE, T.G.; MATOS, F.J.; DE LIMA, T.C.; VIANA, G.S. Behavioral effects of essential oils from Lippia alba (Mill.) N.E. Brown chemotypes. Journal of Ethnopharmacology 67(2)