ouro preto - impressão

Download Ouro Preto - Impressão

Post on 18-Nov-2015

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

cidade de ouro preto

TRANSCRIPT

UNIVERSIDADE SO JUDAS TADEU

TRABALHO DE ANLISE E SNTESE HISTRICA DA CIDADE DE OURO PRETO

CARACTERSTICAS GEOGRFICAS, ECONMICAS, SOCIAIS E DE POVOAMENTO.

Duplas e suas respectivas funes:

2

RATURMAPovoamento 1BARMKarina Mayumi Okagawa 201406651Camila dos Santos Martins 201401819

GeografiaFernanda Pereira do Nascimento201405587Sarah Siqueira Barbosa201403885

Economia

Vinicius Macedo Biasoto201303739Caroline Virginia Dato 201409896

Organizao SocialDbora Garcia Rgo 201402408Gabriel Santos Silva201411379

Sntese e Apresentao Victor Fernandes Avils201407646Jssica Dias da Silva201412020SUMRIO

Introduo32. Economia42.1 Contextos Histricos42.2. Principais pontos da economia de Ouro Preto52.2.1. Escravido52.2.2. Atividades Mineradoras52.2.3. Administrao das Minas63.2 Clima (Vila Rica. Formao e desenvolvimento residncias; p.66-69)63.3 Arruamento (Vila Rica. Formao e desenvolvimento residncias; p. 69-83)73.4 Zoneamento e loteamento (Vila Rica. Formao e desenvolvimento residncias; p. 83)93.5 Materiais (Vila Rica. Formao e desenvolvimento residncias)94. Povoamento105. Organizao Social126. Concluso e Consideraes Finais157. Bibliografia16

Introduo

Este trabalho acadmico tem como objetivo analisar a cidade de Ouro Preto usando como base a teoria dos autores Caio Prado, Gilberto Freyre e Srgio Buarque de Holanda. Foram estudadas as teses dos autores em relao formao da colnia, do Brasil e do Brasileiro. Aps este estudo e com mais pesquisas aplicamos essas teorias em cada tpico formador da cidade em questo.A Economia foi o elemento fundamental para a formao da antiga Vila Rica, mais tarde nomeada Ouro Preto, pois o Ouro encontrado em suas terras foi grande atrativo da colnia portuguesa que gerou muita demanda de trabalhadores para a extrao nas minas, ocasionando ento a escravido dos ndios e a exportao cada vez mais frequente de africanos. Por se tratar de uma extrao voltada ao comrcio exterior, junto atividade mineradora se desenvolveram arteses e comerciantes, junto a esses se uniram negros, judeus, cristos, ciganos... Apesar de possuir um terreno quase imprprio para a habitao, por no possuir reas planas e ter uma caracterstica de instabilidade climtica todos criaram a populao que se caracterizou pela rebeldia e coragem para lutar por sua liberdade e independncia da Colnia Portuguesa. Nesse Perodo de luta pela liberdade, os brancos eram quem dominavam a sociedade, e os negros eram os subordinados, mas esto em uma situao melhor que outros, pois ainda tinham a possibilidade de comprar sua liberdade atravs do sistema trabalho-recompensa, caracterstico da atividade mineradora. De modo geral a vida da populao era simples e pacata. Os homens ficavam responsveis pelas atividades profissionais e as mulheres pelos servios domsticos e cuidando dos filhos.

2. Economia2.1 Contextos Histricos

Inicia-se a partir do final do sculo XVII a minerao, marcada pela explorao e extrao de ouro na regio de Vila Rica, nome que foi substitudo por Ouro Preto mais tardar de acordo com a sua origem histrica.A importncia dessa explorao foi to grande para Portugal, que o governo decidiu mudar a capital, at ento em Salvador, para o Rio de Janeiro, pois desta forma estariam mais prximos das minas de ouro.Em 1719 por ordem do rei, foi decretada a criao no Distrito de Minas as Casas de Fundio, as quais fariam a cobrana do imposto do quinto devido Portugal, uma vez que o Brasil era apenas um colnia deste.Todo ouro encontrado deveria ser levado a uma dessas casas, que estavam situadas em diferentes centros de minerao, para que fosse pesado, fundido, transformado em barra e cunhado com o selo real. Um comerciante portugus Pascoal da Silva Guimares enriquece com o ouro encontrado nas encostas do morro do Ouro Podre, indignado com o inicio do controle portugus e a cobrana do quinto, inicia um movimento de revolta conhecido como Sedio de Vila Rica. Para por fim no movimento Dom Pedro de Almeida, manda prender e enforcar Felipe dos Santos, fiel partidrio de Pascoal, depois manda incendiar o arraial do Ouro Podre. A produo de ouro chega ao seu pice nos anos de 1730 1760, o quinto do ouro chegou a 34.275 quilos, o que leva a soma 2.142 quilos recolhidos por ano pela coroa Portuguesa. Mas em 1763, no final do governo de Gomes Freire, ocorre a decadncia do ouro e uma iminente crise econmica. Tais ocorrncias levam a colnia portuguesa a criar novos impostos, sem se preocupar em tornar ativa a economia colonial.O inconformismo com a situao econmica faz nascer no seio de Vila Rica uma conscincia revolucionria, camadas atingidas que comeam a conspirar e tramar a conjurao mineira, visando a separao da colnia de Portugal e a proclamao da independncia. O movimento ficou conhecido como Inconfidncia Mineira, mas foi frustrado pela denuncia do coronel Joaquim Silvrio dos Reis ao Visconde de Barbacena em 1789.No Inicio do Sculo XIX, Vila Rica deixa de ser a referncia econmica do pas, deixando espao a introduo da lavoura de caf em outras regies como So Paulo e Rio Grande do Sul. 2.2. Principais pontos da economia de Ouro Preto2.2.1. EscravidoQuando falamos na economia colonial, o que no podemos deixar de citar a Escravido. Dois so os tipos de escravido: a vermelha, que eram a dos ndios, e a africana, com os negros trazidos da frica. Ambas contriburam para Foi marcada pelo uso de escravos do continente africano, que faziam todo o trabalho pesado e eram tratados como animais. Alguns ndios tambm foram tratados desta forma, mas por j conhecerem oterritrioem que estavam era mais fcil fugir.Ambos foram grandes contribuintespara o crescimento da economia.

Figura 1 Imagem de mineradores na poca da crise da minerao.2.2.2. Atividades Mineradoras

http://www.mundoeducacao.com/historiadobrasil/a-crise-mineracao.htm - Acesso em 25/09/2014Podemos citar Tambm a atividade mineradora, era altamente especializada, de modo que toda mercadoria necessria ao consumo vinha de fora. Por isso, ao lado dos milhares de mineradores, foram se estabelecendo arteses e comerciantes, dando regio das minas um povoamento com forte tendncia urbanizao. Tambm a administrao, preocupada em evitar o contrabando e a sonegao, favoreceu a urbanizao. O agrupamento em cidades facilitava o controle sobre a produo mineradora. Assim, rapidamente o arraial do ouro se transformou em um centro urbano: Vila Rica do Ouro Preto.A riqueza proveniente da extrao do ouro na regio possibilitou a formao de um mercado consumidor, principalmente para garantir o fornecimento de mercadorias para o consumo dos habitantes do local. A formao do mercado consumidor interno na cidade de Vila Rica foi favorecida pelo fato da explorao de ouro possibilitar a constituio de camadas intermedirias na pirmide social. Havia uma considervel quantidade de pessoas que detinha um nvel mdio de renda, o que possibilitava a compra de produtos para a alimentao, vesturio e de outros tipos que eram oferecidos no local. 2.2.3. Administrao das Minas

A minerao j se encontrava regulamentada, aos cdigos mineiros que foram criados no inicio do sculo XVII, embora admitisse a livre explorao das minas, impunham uma fiscalizao rigorosa na cobrana do quinto.

3. Geografia 3.1 Topografia (Vila Rica. Formao e desenvolvimento residncias; p.61-66)

A topografia de Vila Rica caracteriza-se por difcil ocupao visto que terrenos planos naturais so quase ausentes e sua obteno invivel pela dureza do solo. Porem essas dificuldades so superadas devido o potencial para comrcio de ouro da regio. Suas ruas so cercadas por um lado com aclives e por outro, declives e, por esse motivo, desistiu-se da ideia de corrigir tais terrenos, resultando na opo de edificar as casas sobre pilares ou esteios, sendo preferencial o uso da madeira. Tais aclives proporcionam duplicidade de pavimentos (espao entre o solo e o piso alto) no qual se instalam lojas no trreo. J em construes em declives, proporcionam obstculos onde os pores ficam inativos devido ao mau acesso a ele. Essa topografia to rdua tambm pode ser atribuda a pouca aplicao da taipa de pilo (tcnica de utilizar os materiais e recursos do prprio ambiente em que a edificao construda).Superando as dificuldades da topografia tpica do local, podem-se enxergar vantagens de ordem higinica uma vez que o terreno favorece o fcil e rpido escoamento de guas (pluviais ou de serventias). Porm, depois de sculos contra a complicada topografia, entende-se uma impossibilidade de adapta-la para suportar e atender necessidades de uma cidade grande.3.2 Clima (Vila Rica. Formao e desenvolvimento residncias; p.66-69)

Com relao ao clima, Vila Rica localizada em terrenos altos (media de 1100m altitude), e situa-se entre serra de Ouro Preto e serra do Itacolomi. Recebe correntes frias que requerem maiores cuidados com as edificaes, como foi o caso do Hospital de Misericrdia, que se muda para um lugar mais protegido para preservar-se dos mal tratos que causas naturais podem ocasionar (correntes e outros); e da igreja das Mercs e Perdoes, que tem sua fachada invertida para o sul (pois tinha porta principal para o norte, onde recebia ventos impetuosos). Por outro lado, o sol ardente, prprio da altitude, compensa as sombras e os ventos frios, proporcionando frequentes alternncias de temperatura. Tenta-se corrigir vagarosamente, devido falta de estudos aprofundados e recursos, essas condies climticas atravs da arquitetura das habitaes.Devido a instabilidade do clima, telhas sobrepostas so substitudas por outras que protegessem melhor os muros que coroam; e casas so isoladas do exterior, reduzindo-se os vos, no favorecendo a intimidade e defesa dos lares. Prevalecem francamentos cheios.As trelias visam mais vedao dos interiores que sua proteo contra o calor intenso. 3.3 Arruamento (Vila Rica. Formao e desenvolvimento residncias; p. 69-83)A Vila se localiza num trecho de es