Os media nos percursos vivenciais dos seniores

Download Os media nos percursos vivenciais dos seniores

Post on 24-May-2015

460 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li> 1. Projeto Incluso e Participao Digital (Programa UTAustin | Portugal) 4 de Novembro de 20011, Fundao Calouste Gulbenkian Os Seniores na Sociedade da Informao e da Comunicao Inqurito sobre a Utilizao da Internet por indivduos com idade igual ou superior a 55 anos Ldia Oliveira (lidia@ua.pt) Departamento de Comunicao e Arte Universidade de Aveiro CETAC.MEDIA - Communication Sciences and Technologies Centre - http://www.cetacmedia.org/ </li></ul><p> 2. Projeto Incluso e Participao Digital Conferncia 4 de Novembro de 20011, Fundao Calouste Gulbenkian Os Seniores na Sociedade da Informao e da Comunicao Inqurito sobre a Utilizao da Internet por indivduos com idade igual ou superior a 55 anos No contexto do Projeto Incluso Digital foi realizado um inqurito por questionrio (aplicado com colaborao de entrevistador) em Lisboa e no Porto ao qual responderam 756 indivduos, sendo 50,3% masculinos e 49,7% femininos. O presente documento apresenta os resultados dos respondentes com idade igual ou superior a 55 anos (entre 55 e 88 anos, com idade mdia de 64,55 anos), que responderam ao referido inqurito por questionrio. Interessa compreender os resultados obtidos, nomeadamente, no contexto dos dados relativo ao contexto nacional, que tm vindo a ser publicados pelo Obercom. Caracterizao da Amostra Quanto caracterizao da amostra dos Seniores, consideram-se as variveis gnero e escolaridade, para alm da idade: Gnero Cumulative Frequency Percent Valid Percent Percent Valid Masculino 42 51,2 51,2 51,2 Feminino 40 48,8 48,8 100,0 Total 82 100,0 100,0 Ldia Oliveira lidia@ua.pt 2 3. Idade do entrevistado Valid Cumulative Frequency Percent Percent Percent Valid 55 6 7,3 7,3 7,3 56 7 8,5 8,5 15,9 57 5 6,1 6,1 22,0 58 5 6,1 6,1 28,0 59 3 3,7 3,7 31,7 60 4 4,9 4,9 36,6 61 4 4,9 4,9 41,5 62 5 6,1 6,1 47,6 63 5 6,1 6,1 53,7 64 2 2,4 2,4 56,1 65 4 4,9 4,9 61,0 66 3 3,7 3,7 64,6 67 2 2,4 2,4 67,1 68 4 4,9 4,9 72,0 69 2 2,4 2,4 74,4 70 3 3,7 3,7 78,0 71 3 3,7 3,7 81,7 72 2 2,4 2,4 84,1 73 2 2,4 2,4 86,6 74 1 1,2 1,2 87,8 75 1 1,2 1,2 89,0 76 3 3,7 3,7 92,7 77 1 1,2 1,2 93,9 79 1 1,2 1,2 95,1 81 1 1,2 1,2 96,3 82 1 1,2 1,2 97,6 83 1 1,2 1,2 98,8 88 1 1,2 1,2 100,0 Total 82 100,0 100,0 Ldia Oliveira lidia@ua.pt 3 4. No que diz respeito formao a amostra apresenta a seguinte distribuio: Escolaridade Cumulative Frequency Percent Valid Percent Percent Valid 1 Ciclo 17 20,7 20,7 20,7 2 Ciclo 6 7,3 7,3 28,0 3 Ciclo 15 18,3 18,3 46,3 Secundrio 24 29,3 29,3 75,6 Superior 20 24,4 24,4 100,0 Total 82 100,0 100,0 Ainda no sentido de compreender o contexto familiar, domstico, dos respondentes ser interessante observar com quem vivem e qual a influncia dos diversos atores presentes na rede ego-centrada de cada um. Neste sentido foi solicitado ao respondente que indicasse quantas pessoas com mais de 18 anos (incluindo o prprio) e quantas pessoas com menos de 18 anos vivem em sua casa. Os resultados mostram que: Pessoas em casa com mais de 18 anos CumulativeFrequency Percent Valid Percent Percent Valid1 3846,346,3 46,32 2834,134,1 80,53 1315,915,9 96,343 3,7 3,7 100,0Total 82 100,0 100,0 Pessoas em casa com menos de 18 anos CumulativeFrequency Percent Valid Percent Percent Valid0 7895,195,1 95,112 2,4 2,4 97,622 2,4 2,4 100,0Total 82 100,0 100,0Ldia Oliveira lidia@ua.pt 4 5. Verifica-se que so agregados familiares envelhecidos, dos quais 95% no tem nenhum elemento com menos de 18 anos, apenas dois respondentes vivem com uma pessoa com idade inferior a 18 anos e outros dois com duas pessoas jovens. No que respeita a coabitar com pessoas com idades superior a 18 anos verifica-se que quase metade vive apenas uma pessoa, como a questo pedia para o respondente se considerar a si prprio, conclui-se que quase metade dos respondentes vive sozinho, o que traa bem o cenrio da potencial solido. Se analisarmos os resultados para um agregado de duas pessoas maiores de 18 anos, verifica-se que isso ocorre em 34,1% dos casos, que se poder inferir ser o companheiro(a). Apenas aproximadamente um quinto (19,6%) dos respondentes partilha a casa com maior nmero de pessoas, sendo agregados com trs ou quatro membros, incluindo o respondente. Logo, estamos face agregados onde predomina o isolamento ou um nmero mnimo de membros tendencialmente envelhecido. Neste contexto domstico a questo relativa aos relacionamento inter-geracionais e potencializao dessas relaes no sentido de fluxos mutuamente estimulantes, se coloca de forma residual. Ainda assim, poderemos olhar para os resultados da questo: Quem o ensinou a usar a Internet?, - em que se procurava compreender a influncia educativa da rede familiar, de amizade, da escola, - verifica-se que: 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 O autodidatismo a situao dominante. As pessoas tendencialmente vivem sozinhas e aprendem sozinhas. Mesmo as que vivem acompanhadas demonstram no usar essa rede para a promoo de interajuda na aprendizagem. Contudo, as rede social funciona em 11% dos casos com os amigos ou colegas e 9,8% com os filhos e/ou netos, ou seja, h ainda assim um grupo que usufru da dinmica interpares e outro da dinmica inter-geracional. No que concerne aprendizagem num contexto formal com ajuda de um professor apenas em 2,4% dos casos se verifica. Ldia Oliveira lidia@ua.pt 5 6. Ecologia Social de Utilizao da Internet Equipamento existente no agregado familiar Os usos, ou os no-usos, ocorrem em contexto. Um dos contextos determinantes do perfil caracterizador dessa dinmica, o contexto domstico. Este tanto mais o contexto quanto mais a populao que estamos a observar uma populao que vai progressivamente ficando desvinculada de um contexto profissional, quer porque se aposenta, quer porque fica em situao de desemprego. importante, portanto, saber que tipo de dispositivos estas pessoas dispem das suas casas independentemente de fazerem ou no uso deles, ou seja, trata-se de compreender o ecossistema ou ecologia social, na qual os seus processos cognitivos e sociais ocorrem. Os resultados, que se sistematizam no grfico que se segue evidenciam que a ecologia tecno-social partilhada por todos tecida pela presena e dinmica comunicacional da TV generalista de sinal aberto e do telefone mvel, sendo que a televiso por cabo ou satlite est presente em 66% dos casos. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% No que respeita a tecnologias mais caractersticas das dinmicas comunicacionais contemporneas, como computadores portteis e dispositivos com ligao Internet a percentagem diminui de forma considervel, o que expressa que a velocidade de adopo destas ferramentas no chegou ainda gerao snior. Mas, para compreendermos melhor o ndice de incluso na sociedade em rede, onde a ligao Internet o indicador principal para se compreender o potencial de incluso e participao teremos de centrar a ateno nos resultados questo sobre o uso, ou no usos, que estes indivduos fazem da rede. Ldia Oliveira lidia@ua.pt 6 7. Para complementar o contexto de uso da tecnologia importa compreender em que percentagem so utilizadores da Internet e em que contextos fazem esse acesso. A questo colocada era: Que frase descreve melhor o seu uso da Internet? Que frase descreve melhor o seu uso da Internet? Eu nunca quis usar a internet J fui utilizador da internet mas agora no sou Eu nunca usei a internet Eu uso muito frequentemente a internet Existem perodos que uso frequentemente e 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 Com estes resultados a nossa amostra passa a estar divida em duas subamostras: os utilizadores da Internet (quem usa frequentemente (26,8%) e os que umas vezes usam frequentemente e noutros perodos usam pouco (43,9%)) e os no utilizadores da Internet. Estes ltimos sero tratados em tpicos especfico. No que diz respeito aos dados daqui para a frente apresentado e tratados, opta-se por considerar os 70,7% dos utilizadores como a amostra e no se incluem as no respostas nos resultados (tabelas, grficos), por efetivamente dizerem respeito aos no utilizadores, que em nmeros absolutos so: vinte que afirmaram nunca ter usado a Internet, um nunca ter querido usar e um j ter sido utilizador, mas agora j no ser e um que no responde. Locais de conexo rizomtica Como se pode verificar no grfico que se segue o lar o lugar com maior expresso quando se trata de aceder Internet, seguido das bibliotecas: Ldia Oliveira lidia@ua.pt 7 8. Acesso no telemvel Acesso na escola ou na Acesso em casa de um amigo ou Acesso num cibercaf Acesso no trabalho Acesso na biblioteca Acesso em casa 0 10 20 30 40 50 Em que locais tem acesso/utiliza a Internet (navegar, chat, e-mail) Dinmicas de utilizao e respetiva frequncia Quais as tarefas que os maiores de 55 anos fazem usando a Internet como mediador e com que intensidade o fazem? Esto criadas novas rotinas cognitivas e sociais? Participar em fruns Publicar informao (blogs, comentrios Pagar compras (livros, viagens, etc.) Fazer downlods de msica ou _ilmes Fazer chamadas telefnicas pelo Produzir contedos para divulgao pela Frequentemente Participar em redes sociais (Facebook, Regularmente Jogar online Raramente Ver vdeos (por ex. Youtube) Nunca Utilizar programas de mensagens Ver informao sobre desporto, msica, Pagar servios/formulrios Aceder a informao para elaborar Ver informao sobre poltica, economia Consultar e-mail 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Utilizao da Internet Ldia Oliveira lidia@ua.pt 8 9. Da anlise do grfico verifica-se que os servios que so utilizados com maior frequncia so servios mimticos de servios pr-Internet, ou seja, o e-mail mimetiza o correio postal, ver informao sobre poltica, economia, etc. mimetiza a consulta de jornais, aceder a material para elaborar trabalhos mimetiza o acesso a livros e enciclopdias para a elaborao dos referidos trabalhos. Todos os servios que implicam uma mudana na lgica de uso e/ou na linguagem tm um ndice de frequncia de utilizao baixssima. Ou seja, quando se salta de uma lgica de recepo/consumo para uma lgica de produo e participao, bem como da linguagem escrita, para a linguagem multimdia interativa o cenrio de adeso altera-se radicalmente. De fato, usar servios que implicam que o utilizador passe de consumidor a produtor de contedos e dinamizador de relacionamentos envolve o domnio de competncias info-comunicacionais que precisam de ser apreendida/aprendidas e que no se transferem por efeito mimtico para o ciberespao. Outra competncia que necessrio ter e exercer quando se navega na Internet a noo que nem toda a informao disponvel credvel e que, ao contrrio das fontes editoriais pr-Internet que tinham um editor, algum responsvel pelos critrios de seleo e ordenao da informao publicada, na Internet desaparece o editor e o receptor assume o estatuto de autor. Logo, o esquema de filtragem e construo de uma viso global e coerente dos assuntos desaparece. Como diria Edgar Morin a necessidade do exerccio crtico e higiene do esprito crescem exponencialmente. Que tipo de preocupao tm os maiores de 55 anos face informao que consultam na Internet? No me preocupo com a origem da informao Sim, preocupo-me, e procuro identi_icar o autor do contedo ou site e comparo os sites Os resultados globais evidenciam que h ainda quase metade dos utilizadores (49,2%) que no se preocupam com a origem da informao, contra um pouco mais de metade (50,8%) que demonstra uma atitude crtica e analtica face informao que encontra na Internet. Ser importante cruzar estes resultados com outras variveis, Ldia Oliveira lidia@ua.pt 9 10. como a escolaridade para compreender se h fatores que potenciam esta atitude mais preocupada. Ser que esta informao recolhida na Internet, com mais ou menos filtragem crtica usada apenas para consumo imediato ou acaba por ser guardada e fazer parte dos referenciais, dos favoritos, e reutilizada para construir outros contedos? Consulto e fao copy/paste directamente para o trabalho que estou a fazer Consulto e habitualmente guardo nos favoritos Consulto e habitualmente guardo para analisar posteriormente Consulto, e habitualmente no preciso de guardar 0 10 20 30 40 50 60 A maioria faz um consumo imediato sem registo para uso futuro. Talvez tambm aqui se verifique o mimetismo da estratgia de consumo dos meios de comunicao de massa (mass media) em que impera o efmero. Considerando ainda a problemtica da literacia info-comunicacional, com as diferentes competncias necessrias a sobreviver e usufruir de forma protegida do ciberespao, importante compreender o que que efetivamente os seniores consideram que sabem fazer. A questo era: Que coisas destas sabe fazer na Internet? Ldia Oliveira lidia@ua.pt 10 11. Alterar as de_inies de privacidade no per_il de uma rede social Comparar sites diferentes para veri_icar se a informao verdadeira Bloquear publicidade indesejada ou lixo sim No electrnico Apagar o registo dos sites que visitou Marcar um site, ou seja, adicion-la aos "Favoritos" 0% 20% 40% 60% 80% 100% Os resultados evidenciam que medida que o grau de complexidade na proteo dos dados pessoais aumenta, menor o nmero de utilizadores que assume saber manusear essas funes. Apenas 20,4% sabe alterar as definies de privacidade no perfil da rede social e apenas 40,4% sabe bloquear publicidade indesejada ou lixo electrnico. Estes resultados demonstram existir uma grande fragilidade desta camada populacional face s ameaas que sempre espreitam em cada esquina on-line. Percepo da utilidade da Internet Do trabalho ao entretenimento, da mxima concordncia ao uma no apropriao para fruio social e ldica. Grau de concordncia / discordncia face s afirmaes Ldia Oliveira lidia@ua.pt 11 12. H percepo de utilidade da Internet para a atividade/trabalho que se exerce, mas contrariamente s dinmicas juvenis em que a Internet apropriada como uma plataforma social e de entretenimento, neste caso essas componentes so desvalorizadas. Este fato tanto mais considervel na presente amostra quanto uma percentagem significativa vive sozinha ou apenas com o(a) companheiro(a). Logo, num contexto...</p>