os 5 sentidos do corpo humano

Download Os 5 sentidos do Corpo Humano

Post on 04-Jan-2016

42 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Os 5 sentidos do Corpo Humano. Tato, Visão, Audição, Olfato e Paladar. Ciências 8º ANO. Tato. Este sentido nos permite perceber as vibrações e toques. Para isso contamos com neurônios sensoriais em nossa pele:  Estruturas encontradas em todas as regiões do corpo - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

  • Os 5 sentidos do Corpo HumanoTato, Viso, Audio, Olfato e PaladarCincias 8 ANO

    Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • TatoEste sentido nos permite perceber as vibraes e toques.Para isso contamos com neurnios sensoriais em nossa pele: Estruturas encontradas em todas as regies do corpoCorpsculo de Vater-Pacini: percebe vibraes e movimentos rpidos dos tecidos;

    Professora Brbara Lemos

  • TatoDiscos de Merkel: percebem toques contnuos de objetos contra a pele. Percebem o tato e a presso.Terminaes nervosas livres: associadas a percepo de estmulos mecnicos, trmicos e pricipalmente de dor.

    Professora Brbara Lemos

  • Estruturas encontradas em regies sem pelo (lbios, mamilos, pontas dos dedos, etc):Corpsculos de Meissner: identificam toques leves e vibraes;Corpsculos de Krause: so receptores trmicos do frio. Ficam na regio limite entre a pele e a membrana das mucosas.Corpsculos de Ruffini: so receptores trmicos de calor. (encontrados SOMENTE em regies SEM PELOS)

    Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • Viso atravs dos olhos que conseguimos enxergar tudo o a nossa volta.O olho capta a imagem e envia para o crebro, para que este faa o reconhecimento e interpretao.Os olhos ficam nas cavidades oculares e possuem as estruturas: retina, esclertica, coride, humor aquoso, humor vtreo, cristalino, pupila, ris e crnea.

    Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • Esclertica: membrana que envolve e protege os globos oculares e onde se fixam os msculos que movimentam os olhos. ( a parte BRANCA do olho).Coride: membrana que fica entre a esclertica e a retina e tem a funo de nutir e absorver a luz que chega a retina. Possui muitos vasos sanguneos e melanina. Retina: membrana que fica na parte interna do olho, e onde so formadas as imagens. L encontramos as clulas bastonetes (percebem a luminosidade e forma dos objetos) e as clulas cones (distinguem as cores).

    Professora Brbara Lemos

  • Humor Vtreo: lquido que preenche o globo ocular. viscoso e transparente, mas com o passar dos anos pode perder sua transparncia, o que chamamos de catarata.Humor Aquoso: lquido que fica entre o cristalino e a ris.Cristalino: uma lente biconvexa que orienta a luz at a retina.ris: estrutura muscular e de cor varivel. ( a parte COLORIDA dos olhos).

    Professora Brbara Lemos

  • Pupila: orifcio que fica no meio da RIS, e por onde passa a luz. RIS E PUPILA, juntas, REGULAM A QUANTIDADE DE LUZ QUE ENTRAM NOS OLHOS.Crnea: membrana transparente que fica na frente da ris, funciona como uma lente. Mcula e Fvea: onde a imagem ser formada na retina.Ponto cego: local onde no h clulas fotorreceptoras.

    Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • rgos Anexos dos Globos Oculares

    Professora Brbara Lemos

  • Como a viso se forma

    Professora Brbara Lemos

  • Doenas relacionadas a visoHipermetropia: quando o globo ocular curto e a imagem se forma depois da retina.

    Usa-se lentes convergentes (convexas) para acertar a viso

    Professora Brbara Lemos

  • Miopia: quando o globo ocular longo e a imagem se forma de antes da retina.

    Usa-se lentes divergentes (cncavas) para acertar a viso

    Professora Brbara Lemos

  • Astigmatismo: uma deficincia ocular, na qual a crnea possui um formato mais ovalado, ao invs de ser arredondado e liso. Isto faz com que a luz se caracteriza pela formao da imagem em vrios focos, em eixos diferenciados.

    Usa-se lentes de contato ou culos com lentes tricas ou cilndricas

    Professora Brbara Lemos

  • Presbiopia: a anomalia da viso que ocorre com o envelhecimento da pessoa, ocasionando o enrijecimento dos msculos ciliares, ocorrendo por volta dos 40 anos de idade. Pessoas com hipermetropia ou Diabetes mellitus tendem a apresentar a presbiopia mais precocemente, ao redor dos 35 anos de idade.

    Professora Brbara Lemos

  • Galucoma: uma doena ocular causada principalmente pela elevao da presso intraocular que provoca leses no nervo tico.

    Professora Brbara Lemos

  • Catarata: uma patologia dos olhos que consiste na opacidade parcial ou total do cristalino.

    Professora Brbara Lemos

  • Daltonismo: Anomalia hereditria recessiva ligada ao cromossomo sexual X. uma deficincia na viso que dificulta a percepo de uma ou de todas as cores. assim que um daltnico v um semforo!

    Professora Brbara Lemos

  • TESTE DE DETECO DO DALTONISMO:Que nmero voc v???

    Professora Brbara Lemos

  • E agora, que nmero voc v?

    Professora Brbara Lemos

  • Isso seria o certo!

    Professora Brbara Lemos

  • AudioEste sentido responsvel pela percepo e interpretao das ondas sonoras.O som produzido por ondas de compresso e descompresso alternadas do ar.

    Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • A captao do som at sua percepo e interpretao uma seqncia de transformaes de energia, iniciando pela sonora, passando pela mecnica, hidrulica e finalizando com a energia eltrica dos impulsos nervosos que chegam ao crebro.

    Professora Brbara Lemos

  • Energia Sonora Orelha Externa:O pavilho auditivo capta e canaliza as ondas para o canal auditivo e para o tmpanoO canal auditivo serve como proteo e como amplificador de pressoQuando se choca com a membrana timpnica, a presso e a descompresso alternadas do ar adjacente membrana provocam o deslocamento do tmpano para trs e para frente.

    Professora Brbara Lemos

  • Energia Mecnica Orelha Mdia:O centro da membrana timpnica conecta-se com o cabo do martelo. Este, por sua vez, conecta-se com a bigorna, e a bigorna com o estribo. Essas estruturas, encontram-se suspensas atravs de ligamentos, razo pela qual oscilam para trs e para frente.

    Professora Brbara Lemos

  • Energia Hidrulica Orelha Interna: medida que cada vibrao sonora penetra na cclea, a janela oval move-se para dentro, lanando o lquido da escala vestibular numa profundidade maior dentro da cclea. A presso aumentada na escala vestibular desloca a membrana basilar para dentro da escala timpnica; isso faz com que o lquido dessa cmara seja empurrado na direo da janela oval, provocando, por sua vez, o arqueamento dela para fora.

    Professora Brbara Lemos

  • Assim, quando as vibraes sonoras provocam a movimentao do estribo para trs, o processo invertido, e o lquido, ento, move-se na direo oposta atravs do mesmo caminho, e a membrana basilar desloca-se para dentro da escala vestibular.

    Professora Brbara Lemos

  • Paladar a capacidade de reconhecer os gostos de substncias colocadas sobre a lngua.Na lngua existem pequenas estruturas, chamadas papilas que vo perceber o alimento.As papilas tteis percebem a forma e volume, enquanto que as papilas gustativas distiguem os 4 sabores primrios (azedo, doce, salgado e amargo).Das combinaes das quatro sensaes gustatrias, surgem centenas de outros sabores.

    Professora Brbara Lemos

  • PaladarAs dezenas de papilas linguais (tteis e gustativas) presentes na superfcie da lngua captam os quatro sabores primrios, ou as quatro sensaes gustatrias: doce, salgado, azedo ou cido e amargo.

    Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • OlfatoPor meio do olfato o homem, assim como os demais animais, percebe diferentes odores. O epitlio olfativo humano contm cerca de 20 milhes de clulas sensoriais, cada qual com seis plos sensoriais (um cachorro tem mais de 100 milhes de clulas sensoriais, cada qual com pelo menos 100 plos sensoriais). Os receptores olfativos so neurnios genunos, com receptores prprios que penetram no sistema nervoso central.

    Professora Brbara Lemos

  • A cavidade nasal, que comea a partir das janelas do nariz, est situada em cima da boca e debaixo da caixa craniana. Contm os rgos do sentido do olfato, e forrada por um epitlio secretor de muco. Ao circular pela cavidade nasal, o ar se purifica, umedece e esquenta. O rgo olfativo a mucosa que forra a parte superior das fossas nasais - chamada mucosa olfativa ou amarela, para distingui-la da vermelha - que cobre a parte inferior.

    Professora Brbara Lemos

  • A mucosa vermelha dessa cor por ser muito rica em vasos sangneos, e contm glndulas que secretam muco, que mantm mida a regio. Se os capilares se dilatam e o muco secretado em excesso, o nariz fica obstrudo, sintoma caracterstico do resfriado. A mucosa amarela muito rica em terminaes nervosas do nervo olfativo. Os dendritos das clulas olfativas possuem prolongamentos sensveis (plos olfativos), que ficam mergulhados na camada de muco que recobre as cavidades nasais. Os produtos volteis ou de gases perfumados ou ainda de substncias lipossolveis que se desprendem das diversas substncias, ao serem inspirados, entram nas fossas nasais e se dissolvem no muco que impregna a mucosa amarela, atingindo os prolongamentos sensoriais.

    Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • Professora Brbara Lemos

  • Olfato e PaladarConfundimos gostos e cheiros, isso porque as sensaes olfativas e gustativas trabalham em parceria. Quando sentimos o cheiro de algum alimento que apreciamos, por exemplo, liberamos saliva como se estivssemos degustando tal alimento. Outro exemplo clssico da co-relao entre o olfato e o paladar o que ocorre ao nos alimentarmos quando estamos resfriados e a comida parece no ter gosto. Na verdade, o que no sentimos so os odores que os alimentos liberam assim que os colocamos na boca.

    Professora Brbara Lemos