ORIENTAL - Trab Democracia

Download ORIENTAL - Trab Democracia

Post on 14-Dec-2014

21 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>O Processo de Democracia Ateniense: de Slon a PriclesEm sua obra Do Esprito das Leis, ao apresentar a forma de participao poltica que estava em vigor em Atenas, Montesquieu afirma que Slon dividiu o povo de Atenas em quatro classes. Levado pelo esprito da democracia, no as estabeleceu para fixar aqueles que deviam eleger, mas aqueles que podiam ser eleitos e, deixando para cada cidado o direito de eleio, quis que em cada uma destas quatro classes pudessem ser eleitos juzes. Mas foi apenas nas trs primeiras, onde se encontravam os cidados abastados, que se puderam escolher os magistrados. [...] O sorteio uma maneira de eleger que no aflige ningum, deixa a cada cidado uma esperana razovel de servir sua ptria. Encontra-se a matriz do autor na Constituio de Atenas, de Aristteles. Este assevera que segundo a lei de Slon, que ainda se acha em vigor, devem pertencer aos pentacosiomedinos, porm, de fato, a pessoa em quem recai a sorte, desempenha o cargo, ainda que seja desprovida de fortuna. Delimitaremos como tema deste trabalho a forma de governo vigente na plis ateniense, a democracia. Apresentaremos o tema desde a era de Slon, o legislador, at a era de Pricles. Em O Mundo de Atenas, Peter V. Jones, comenta sobre os sistemas de governo que impetravam nas comunidades gregas. A democracia no era o sistema mais peculiar, e sim a oligarquia, como forma mais caracterstica, baseando-se na riqueza e no nascimento. Neste contexto, diversas questes afligem os atenienses. Sobre este aspecto, Claude Moss, em O Cidado na Grcia Antiga, coloca que os camponeses, apesar de serem livres, viviam eminentemente ameaados de servido por dvidas, no participavam das assemblias dos demos, alm de estarem condenados misria, vista a desigual repartio de terras. A escravido era uma conseqncia possvel, complementa Jones. A formao da plis ateniense se realizou entre fins do sculo XI e princpios do VIII, com a fuso de vrias comunidades ticas, aborda em A Democracia Grega, o autor Hlio Jaguaribe, ao destrinchar a temtica da evoluo democrtica ateniense. Sua constituio, continua o autor, de carter aristocrtico e seus poderes detidos por uma nobreza agrria. Reduz-se o poder da realeza entre o rei, sacerdote supremo; polemarca, chefe militar e o arconte, autoridade civil. Este sistema evolui para um arcontado de nove</p> <p>1</p> <p>magistrados de mandato anual, com seis thesmostetas assumindo o poder de juzes e guardies das leis. Para Loiva Otero e Miriam Barcellos, em Cultura Grega Clssica, Slon assume a magistratura mxima em Atenas neste perodo de crise social e perigo de stsis. Suas medidas efetivamente constituram-se em avanos em direo democracia, no plano jurdico e poltico. A diviso censitria (em quatro classes: pentacosiomedinas, hippeis, zeugitas e tethas) que institui, baseada na riqueza agrcola, perdura durante toda a histria ateniense. Claude Moss explicita a diviso censitria realizada por Slon. Os pentacosiomedinas e os hippeis correspondem antiga aristocracia, os zeugitas so os camponeses capazes de se armar como hoplitas e os thetas no poderiam ascender s magistraturas. Todavia, Clstenes o apresentado como pai da democracia, ele mais um propiciador de condies para a sua efetivao como conferem Otero e Barcellos. Clstenes, na abordagem de C. Moss, fornece a base concreta de igualdade jurdica dos cidados. A ele se atribui o nascimento da cidadania ateniense. Segundo P. Jones, Slon, em 594-93 nomeado arconte em Atenas. Este procura oferecer solues para os problemas da poca, como o de aliviar a opresso das dvidas que levam escravido. Jaguaribe expe alguns dos feitos de Slon: a cidade dotada de leis escritas, a fim de a justia ser igual a todos. Slon, o legislador, institui o acesso s Assemblias atravs de sorteio. Dentre as instituies criadas por Slon, encontramos a Assemblia Popular a Eclsia que elegia os magistrados e adotava as leis. Sua composio inicial era aristocrtica, formada por um conselho de ancios Arepagos vindos de famlias nobres. Este Tribunal passa a ser integrado pelos ex-arcontes. Este Conselho propunha a adoo de leis que regulavam os assuntos religiosos e judiciais, conforme o cdigo de Drcon. Slon tambm institui o Tribunal dos Heliastas, jri popular que julgava crimes de natureza civil, com membros recrutados tambm por sorteio entre todos os cidados, e a Boul dos Quinhentos, que organizava as leis a serem votadas na Eclsia. Havia uma remunerao (misthoi) que beneficiava os cidados que exerciam cargos polticos. Isso permitia que os cidados mais pobres participassem ativamente da poltica. Esse auxlio, denominado bulo, servia de meio para o cidado de poucos recursos, no que tange a sua sobrevivncia, apresenta Josiah Ober, em Massa and Elite in Democratic Athens. Claude Moss em Atenas: a Histria de uma Democracia,</p> <p>2</p> <p>complementa esta idia, quando afirma que a maioria dos atenienses que participavam dos tribunais tendiam remunerao, o tribulo, o que certificava alguns deles no morrerem de fome. Jacqueline de Romilly complementa este ponto, afirmando que os atenienses presentes nos julgamentos eram incompetentes, obcecados e instveis e que depositar confiana no julgamento popular constituiria uma forma de reafirmar a soberania dos atenienses, tornando-os responsveis por suas decises. A evoluo scio-poltica sofrida por Atenas, desde o sculo VII, alarga a participao dos cidados nas atividades militares e polticas. Forma-se uma classe urbana de mercadores, artesos e pequenos proprietrios. No entanto, continua C. Moss, Slon recusa-se a proceder diviso igualitria da terra pblica, originando novos tumultos. Cabe salientar que a partir deste momento que os atenienses passam a ser iguais aos olhos da lei. Ao examinar a legislao de Slon, em O Poder na Antiguidade, Accio V. L. Filho o apresenta como um dos sete sbios da Grcia, integrante da classe dos aristocratas e eliminador das barreiras que separavam os euptridas das demais classes. inegvel que Slon melhora o nvel de vida das classes populares, alm de em sua poltica econmica estimular a produo comercial, atraindo os metecos para Atenas. Todavia, no h igualdade entre os cidados e os acessos s fundaes pblicas vinculado diviso das classes. Os thetas podem fazer parte das Assemblias e dos Tribunais, mas no tem acesso s magistraturas, restringidas somente s duas primeiras classes. Claude Moss ao relatar sobre o sistema censitrio, afirma que estas Assemblias, que no eram realizadas freqentemente, tinham a finalidade de aprovar as decises tomadas pelo Conselho do Arepago. Deste s participavam os membros bem nascidos. Todos os integrantes das quatro classes, continua Accio Filho, eram considerados cidados, porm suas obrigaes e direitos variavam. Claude Moss analisa a crise que se estabelece entre os atenienses, como desempenhadora de um papel importante na evoluo das cidades gregas: a tirania, que surge num contexto de lutas sociais e de rivalidades no seio da aristocracia dominante das cidades. A tirania de Psstrato, complementa C. Moss, conseqncia do descontentamento gerado pelas reformas de Slon, e sua recusa em resolver a crise agrria com uma nova diviso de terras. Psstrato mantm as leis de Slon e as instituies j</p> <p>3</p> <p>existentes, ajudando materialmente o campesinato, reforando a unidade da cidade e favorecendo o seu desenvolvimento material. Sua tirania contribui para um rpido desenvolvimento da cidade e progresso do artesanato. O perodo que compreende os sculos VIII e VII marcado por grande desenvolvimento das atividades artesanais e comerciais. A despeito das reformas de Slon, Peter Jones, em O Mundo Antigo de Atenas, relata que h uma continua luta dos nobres da tica em assumir a liderana da comunidade ateniense. Psstrato, que em 561-60, assume o poder de Atenas como tirano, at 528-27, garantindo, sem realizar muitas mudanas no sistema poltico, que todos os anos seus seguidores estivessem entre os arcontes. Atenas floresce sob sua tirania, havendo crescente autoconfiana dos atenienses desse perodo. Entretanto, o mesmo autor assegura que Slon viveu apenas o bastante para ver que fracassara. Para Martin Allain, em La tragedie Attique de Thespis a Eschyle, Psstrato promove a insero dos menos favorecidos nas atividades econmicas, religiosas e sociais da plis, exceto a participao poltica. E Hlio Jaguaribe, que a tirania de Psstratos representou a transio entre a aristocracia e a democracia. Peter J. Conclui que at que o processo de democracia estabelea-se com Clstenes, Psstrato transmite sua tirania a seu filho Hpias. Instala-se uma crescente oposio aristocrtica at a sada de Hpias do poder em 510. Psstrato altamente benfico para a sociedade ateniense, uma vez que solucionou a questo agrria, favoreceu o comrcio externo e fez com que aos atenienses fosse ministrada educao poltica, assegura Accio Filho, refutando a idia de Allain, a respeito da falta de participao poltica dos atenienses. Em relao tirania do Aucmenida Clstenes, Accio F. Assevera que Clstenes quem constitui a democracia em Atenas (508-7). O intento deste legislador o de impedir o retorno de Atenas tirania, destruindo a organizao que os nobres haviam estabelecido e buscando que as classes sociais se agrupassem por regies. As leis civis so de Slon e as polticas so de Clstenes. Suas reformas territoriais quebram a hegemonia das grandes famlias, permitindo o estabelecimento da isonomia, ou seja, da igualdade poltica entre os atenienses, sem preocupao com as diferenas econmicas. De acordo com P. Jones, Clstenes realiza mudanas, cria dez novas tribos geogrficas, que anteriormente eram quatro. Talvez essas medidas tenham sido aprovadas na Eclsia, continua Jones, isntituda</p> <p>4</p> <p>desde a poca de Slon. Com o passar do tempo, Clstenes passa a atribuir que questes importantes sejam submetidas Eclsia, abrindo caminho para uma democracia radical no final do sculo V. Hlio Jaguaribe, em A Democracia Grega, analisa a contribuio de Pricles consolidao da democracia ateniense e ao desenvolvimento econmico, social e cultural de Atenas. Entre 463, quando assume a liderana, at a sua morte, em 429, obras polticas, sociais e culturais so realizadas. No contexto scio-poltico que se insere a atuao de Pricles, ocorre a segunda invaso persa. Os atenienses, receosos com as ameaas de novas invases, formam um sistema defensivo: a Liga de Delos, liderada por Atenas, que o torna um sistema imperial sob sua hegemonia. Em um perodo de decorridas guerras onde os ricos j no contam mais com as vantagens polticas, faz-se necessria uma maneira de continuar a arcar com o peso da sustentao econmica da cidade. Com o pretexto de coordenar os esforos dos aliados, Atenas transforma-se em soberana destes, tornando compulsria a permanncia dos confederados na liga, e estabelecendo o seu sistema imperial sobre eles. Todavia, como lder, atribui tributaes, instituindo que seus confederados a enviassem recursos. Atenas apropria-se destes recursos em benefcio da plis, realiza a anexao de terras aliadas, instala o emporium (uma espcie de entreposto comercial e militar), a fim de pagar o misthoi (remunerao que os cidados participantes de atividades polticas atenienses recebiam). A Liga consiste em uma voluntria confederao defensiva, de carter naval, para a proteo das ilhas e cidades costeiras do Egeu. A obra de Pricles, conclui H. Jaguaribe, ao mesmo tempo uma expresso e uma reordenao aperfeioadora da sociedade e da cultura atenienses. Sua poltica externa baseia-se na hiptese de que Esparta, exercendo slida hegemonia sobre a Liga do Peloponeso, procuraria enviar permanentes esforos para destruir o imprio ateniense. Os interesses de ambas no eram conflitantes, visto que Esparta era uma sociedade agrcola e uma potncia militar terrestre e Atenas, uma sociedade comercial e uma potncia martima. Com Pricles, Atenas se supera a si mesma e configura sua imagem histrica. Atenas no apresenta uma herana poltica e jurdica to slidas quanto as romanas. o que declara em O Poder na Antiguidade, o autor Accio Vaz de Lima Filho. Ainda o autor, suas federaes urbanas so estveis e passageiras, vista a robustez do edifcio</p> <p>5</p> <p>poltico e magnitude do Estado Romano, as cidades gregas, autrquicas, erguidas umas contra as outras, munidas de federaes estveis e passageiras. No h interesse em submeter os povos que se encontram ao seu domnio aos benefcios da liberdade e democracia a que desfrutam. Por conseguinte, a democracia ateniense extremamente elitista, pois os mais altos cargos das magistraturas so restringidos s duas primeiras classes. A igualdade, e no liberdade, foi a idia dominante da constituio ateniense. Seus cidados detm a isonomia, que a igualdade perante a lei, e isegoria, que consiste no igual direito de falar. A plis, diz, a mais completa e complexa forma de organizao social e associao. Mas ela tambm a causa da runa da antiga Grcia, e a prova disto afirmada pela Guerra do Peloponeso, que possibilitou a dominao estrangeira, pois, segundo Claude Moss, em Dhemosthene ou ls Ambiquits de la politique, Atenas sai fragilizada deste conflito, sendo obrigada a entregar sua frota ao inimigo e destruir sua muralha, smbolo de sua liberdade e soberania. Esta derrota a leva a perder o controle do tesouro de Delos, fonte dos rendimentos que permitia pagar salrios aos remadores, os misthoi aos juzes e magistrados, empregar em reformas e construes, financiar liturgias, permitir a aquisio de terras e distribu-las aos mais necessitados. Pode-se inferir, de acordo com os autores j apresentados, que o processo de transio entre oligarquia e democracia, permitido pela tirania instituda em Atenas, instaurou uma democracia elitista, pois consentiu o acesso s magistraturas somente os cidados das primeiras duas classes censitrias. Todavia, esse processo representou participao dos cidados mais pobres, mesmo que muitos destes participassem dos tribunais visando somente uma remunerao.</p> <p>6</p> <p>Referncias Bibliogrficas</p> <p>ALLAIN, Martin. La Tragedie Attique de Thespis a Eschyle. Paris, 1995. ARISTTELES. Constituio de Atenas. XLV: 2. FLIX, Loiva Otero; GOETTEMS, Mriam Barcellos (Org.). Cultura Grega Clssica. Rio Grande do Sul: Editora da Universidade. 1989. p. 105-117. FILHO, Accio Vaz de Lima. A Democracia de Atenas In: _______. O Poder na Antiguidade: Aspectos Histricos e Jurdicos. So Paulo: cone. Cap. 4, p. 67-85. JAGUARIBE, Hlio (Org.). A Democracia de Pricles In: _______. A Democracia Grega. Braslia: Editora Universidade de Braslia. Cap. 5, p. 21-51. JONES, Peter V. (Org.). Introduo Histrica: Linhas gerais da Histria de Atenas at a Morte de Alexandre, o Grande In: _______. O Mundo de Atenas: uma Introduo Cultura Clssica Ateniense . So Paulo: Martins Fontes, 1997. p. 1-15. MONTESQUIEU. Do Governo Republicano e das Leis Relativas Democracia In: _______. Do Esprito das Leis. So Paulo: Abril Cultural, 1973. Livro Segundo. Cap. 2, p. 40-41. MOSS, Claude. Demosthene ou les Ambiquits de la Politique. Paris, 1994. p. 39. MOSS, Claude. As Origens da Cidade Grega e a Elaborao da Cidadania In: _____...</p>