orienta§£o enf. juliana e patricia

Download Orienta§£o enf. juliana e patricia

Post on 27-Jul-2015

575 views

Category:

Healthcare

6 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1. PREFEITURA MUNICIPAL DE ORINDIVAVIGILNCIA SANITRIA DE ORINDIVAORIENTAES TCNICASPARA PROFISSIONAISCABELEIREIROS,MANICURES /PEDICURES 2. INTRODUOOs sales de belezatem um papel fundamental namanuteno da beleza, porm poroutro lado so um ambiente propciopara a contaminao por vrus,bactrias e fungos. 3. INTRODUOMuitas doenas so transmitidas atravs da m-higienizaoe da falta de cuidado com os objetosde trabalho usados por profissionais da rea, como:- Micoses;- Escabiose;- Impetigo;- Pediculose;- Ttano;- Hepatites;- HIV; 4. CUIDADOS GERAIS- O salo deve ser independente de residncia;- Possuir local prprio para lavagem de material;- Apresentar-se limpo, organizado e possuir ventilaoe circulao de ar;- Utilizar apenas produtos com registro na ANVISA.Isto vale para esmaltes, cremes, shampoos, tinturas,maquiagens, etc.;- Possuir licena sanitria.Fonte: ANVISA 5. CUIDADOS NO SALO DECABELEIREIROESCOVAS, PENTES E PINCIS:- Remover os plos e fios de cabelo aps cada uso;- Lavar com gua e sabo formando espumaabundante, e enxaguar bem;- Deixar por 30 minutos em soluo com hipocloritode sdio a 1%;- Lavar o recipiente de imerso com hipoclorito desdio a 1%;- Guardar escovas, pentes e pincis em recipienteslimpos. 6. CUIDADOS NO SALO DECABELEIREIROTOALHAS:- So de uso individual, portanto no podem serreaproveitadas de um cliente para o outro;- Devem ser lavadas com gua e sabo;- Deixar por 30 minutos de molho em soluo dehipoclorito de sdio a 1%;- Secar, passar, embalar em saco plstico e guardarem local limpo. 7. CUIDADOS NO SALO DECABELEIREIROLMINAS E SIMILARES:- Material de uso individual, nico e descartvel;- Aps a utilizao, devem ser desprezados emrecipiente de paredes rgidas e com tampa;- Providenciar coleta especial para resduos prfuro-cortantes. 8. MANICURES /PEDICURESTCNICAS DE HIGIENE:- Lavar as mos antes e depois de cada tcnica eutilizar luvas de silicone;- Esterilize todos os instrumentos de trabalho, semexceo;- Quando notar vestgio de doenas em uma dasunhas, deixe-a para o final, para evitar decontaminar os outros dedos;- Quando retirar a cutcula do cliente, se houverferimentos faa a limpeza e a desinfeco comlcool 70%; 9. MANICURES /PEDICURESTCNICAS DE HIGIENE:- Lave bem o recipiente de gua utilizando, depreferncia, protetores descartveis;- No caso de recipiente com massageador que nocomportam protetores descartveis, lave com guae sabo e finalize a higienizao com lcool 70%;- Jamais utilize a mesma gua para amolecer acutcula do outro cliente;- Utilize para cada cliente materiais descartveiscomo: lixas de unha, lixas de motor, palito ,protetores e outros; 10. MANICURES /PEDICURES- rea mnima total de 10 metros quadrados, com larguramnima de 2,5 metros quadrados e com rea mnima de5 metros quadrados para cada cadeira adicional;- Piso de material liso, resistente e impermevel;- Paredes e forros pintados de cor clara, com tinta lavvel;- Compartimentos de atendimento separados pordivisrias de no mnimo 2 metros de altura;- Instalaes sanitrias apropriadas;- Pia de gua corrente;- Estufa graduada at 200 graus centgrados paraesterilizao;Fonte: CVS 11. MANICURES /PEDICURES- Realizar o processo de DESINFECO comhipoclorito de sdio a 1%;- Realizar o processo de ESTERILIZAO aps alavagem dos artigos, empregando-se posteriormentea estufa eltrica equipada com termostato, onde omaterial permanecer em calor seco de 170C porum tempo mnimo de 60 minutos, interruptamente.Fonte: CVS 12. MANICURES /PEDICURESIMPORTANTSSIMO!!!Se possvel, ter um kit de manicure /pedicurepara cada cliente, ou no mnimo 6 jogos. 13. E SE EU NO CUIDAR O QUEPODE ACONTECER? 14. PEDICULOSECausada por piolho, pode ocorrer em regies docorpo com plos. Gera coceira mais intensa nopescoo e atrs das orelhas. Devido sualocalizao, mais comumente transmitida pelocompartilhamento de escovas, pentes e pincis,toalhas, lenis e protetores de cadeiras e de macasque no foram devidamente higienizados ousubstitudos. 15. ESCABIOSEPopularmente conhecida como sarna, causada por um caro. Causa leses e coceira napele e pode ser transmitida pelo compartilhamentode toalhas, lenis e protetores de cadeira e demacas que no foram devidamente limpos oudescartados. 16. IMPETIGOBactrias da prpria pele causam esta doena,sobretudo em indivduos com a sade debilitada.Ocorrem leses em forma de bolhas com pus quese rompem e se tornam feridas. A transmisso podeocorrer ao se compartilhar materiais contaminados,como toalhas, lenis, protetores de maca e decadeira, esptulas e outros instrumentais. 17. MICOSESCausadas por fungos, atingem principalmentepele e unhas; so transmitidas por meio de toalhas,lenis, protetores de cadeira e de maca, lixas deunha e de ps, entre outros instrumentos.Recomenda-se uso de luvas e cuidados higinicosespecficos para cada material. 18. TTANO causado por uma bactria chamadaClostridium tetani. extremamente resistente noambiente, uma vez que se apresenta em forma deesporo (como se possusse uma capa ao seuredor). Penetra na pele por meio de feridas e atingeo sistema nervoso. transmitido por instrumentosprfuro-cortantes, tais como alicates e tesourascontaminados. 19. HEPATITES B E CSo duas doenas causadas por vrus queatacam o fgado, podendo levar insuficinciaheptica e at mesmo cirrose. A hepatite C podelevar at 30 anos para se manifestar e seutratamento demorado. Requer muitas vezestransplante de fgado. O vrus da hepatite C podesobreviver por at 72 horas no material contaminadoe sua disseminao se d por instrumentaiscontaminados. Agulhas e seringas devem serdescartadas aps o uso. Atualmente existe a vacinacontra hepatite B, porm no h vacina contra a dotipo C. 20. AIDSCausada pelo vrus HIV. Atinge o sistema dedefesa do indivduo abrindo caminho para queoutras infeces (infeces oportunistas) seinstalem pelo organismo. Tambm pode sertransmitida por instrumentais prfuro-cortantes noesterilizados e contaminados com sangue ou poragulhas e seringas reutilizadas. um vrus poucoresistente no ambiente. Porm, por se tratar de umadoena incurvel, o risco de contaminao deve sersempre considerado, e as normas de esterilizao edescarte de materiais seguidas risca. 21. Vigilncia Sanitria de OrindivaAvenida Francisco Tomaz de Aquino, 536Fone: (17) 3816-1297 e (17) 3816-7566E-mail: visa@orindiuva.sp.gov.br