organizaci³n y estrategias comunicativas de la iglesia

Download Organizaci³n y estrategias comunicativas de la iglesia

Post on 06-Jul-2015

187 views

Category:

Technology

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Organización y estrategias comunicativas de la Iglesia ante (en la) la sociedad digital Santiago, 19/10/2011 De: Dra. Joana T. Puntel, fsp Introdução Agradeço a Comissão organizadora deste II Congresso RIIAL pelo convite de contribuir para aspectos de reflexão que, certamente, na minha opinião, devem estar presentes quando se trata de comunicação e evangelização. Assim que, falar de organização e estratégias comunicativas da Igreja diante da sociedade digital é entrar no desenvolver, no atuar o binômio comunicação/evangelização. Entretanto, o “fazer” comunicação dentro e para fora de uma instituição, no nosso caso, “evangelizar”, deve estar plantado, enraizado em uma condução que se baseia em diretrizes advindas do Magistério da Igreja, como o fio condutor que dirige, que dá as orientações, que mantém a unidade, que avança no diálogo entre fé e cultura – e isto significa direção das estratégias nos processos comunicativos. Naturalmente que, a este ponto, não me deterei a considerar o que é digital, as redes sociais, a necessidade de uma evangelização inculturada, etc. Pois toda essa temática tem sido considerada ao longo destes dias, nas várias exposições deste Congresso, e nos fundamentais e enriquecedores aportes que tivemos a oportunidade de acompanhar no site da RIIAL. Meu ponto de referência, então, é, a partir das últimas Mensagens do Papa Bento XVI, para o Dia Mundial das Comunicações, tecer algumas considerações que implicam na organização e nas estratégias comunicativas para a Igreja na sociedade contemporânea. Assim que o meu enfoque se inicia com: 1 - orientações fundamentais (diretrizes do Magistério para o nosso tempo) 2 - Mudança de paradigma no processo da comunicação que exige um cambio de mentalidad (um pensar com uma nova lógica) e isto é indispensável levar em conta porque se trata de ir cambiando os métodos pastorais 3 - a necessidade de organizar-se (ou reorganizar-nos) nas nossas estratégias, no mundo digital. Pois não estamos diante de um mundo digital, mas estamos dentro (en la) de uma sociedade digital.

TRANSCRIPT

  • 1. Organizacin y estrategias comunicativas de la Iglesia ante (en la) la sociedad digital Santiago, 19/10/2011Dra. Joana T. Puntel,fsp Introduo Agradeo a Comisso organizadora deste II Congresso RIIAL pelo convite de contribuir para aspectos de reflexo que, certamente, na minha opinio, devem estar presentes quando se trata de comunicao e evangelizao. Assim que, falar de organizao e estratgias comunicativas da Igreja diante da sociedade digital entrar no desenvolver, no atuar o binmio comunicao/evangelizao. Entretanto, o fazer comunicao dentro e para fora de uma instituio, no nosso caso, evangelizar, deve estar plantado, enraizado em uma conduo que se baseia em diretrizes advindas do Magistrio da Igreja, como o fio condutor que dirige, que d as orientaes, que mantm a unidade, que avana no dilogo entre f e cultura e isto significa direo das estratgias nos processos comunicativos. Naturalmente que, a este ponto, no me deterei a considerar o que digital, as redes sociais, a necessidade de uma evangelizao inculturada, etc. Pois toda essa temtica tem sido considerada ao longo destes dias, nas vrias exposies deste Congresso, e nos fundamentais e enriquecedores aportes que tivemos a oportunidade de acompanhar no site da RIIAL. Meu ponto de referncia, ento, , a partir das ltimas Mensagens do Papa Bento XVI, para o Dia Mundial das Comunicaes, tecer algumas consideraes que implicam na organizao e nas estratgias comunicativas para a Igreja na sociedade contempornea. Assim que o meu enfoque se inicia com: 1 - orientaes fundamentais (diretrizes do Magistrio para o nosso tempo)

2. 2 - Mudana de paradigma no processo da comunicao que exige um cambio de mentalidad (um pensar com uma nova lgica) e isto indispensvel levar em conta porque se trata de ir cambiando os mtodos pastorais 3 - a necessidade de organizar-se (ou reorganizar-nos) nas nossas estratgias, no mundo digital. Pois no estamos diante de um mundo digital, mas estamos dentro (en la) de uma sociedade digital. 1 - VERDADE, ANNCIO E AUTENTICIDADE DE VIDA NA ERA DIGITAL (2011) O tema do 45 Dia Mundial das Comunicaes para 2011 revela o pensamento e o zelo do Magistrio da Igreja em seguir e inculturar-se na sociedade contempornea, apontando caminhos e reflexes seguras em tempos de incerteza, que caracterizam o viver das pessoas no mundo atual. Trata-se de olhar, acolher, reconhecer, contemplar e orientar o ser humano, na atual conjuntura revolucionria e impactante do mundo da comunicao. Olhando em profundidade para a mensagem de Bento XVI para 2011, Verdade, anncio e autenticidade da vida na era digital, fica muito claro e relevante a articulao existente com os dois ltimos temas oferecidos pelo Pontfice, 2009 Novas tecnologias, novas relaes. Promover uma cultura de respeito, de dilogo, de amizade; 2010 - O sacerdote e a pastoral no mundo digital: os novos mdia ao servio da Palavra. Articulao que parte de uma constatao em que se move a sociedade, hoje: o continente digital. Nesse continente, vivem pessoas que so convidadas a estar nesse mundo, especialmente os jovens, vivendo e circulando nas redes sociais os valores humanos do dilogo, da amizade, conforme o convite da mensagem de 2010. Alm de reconhecer que, como a revoluo industrial produziu uma mudana profunda na sociedade, a atual mensagem do Papa (2011), enfatiza que hoje a profunda transformao operada no campo das comunicaes guia o fluxo de grandes mudanas culturais e sociais. Parte do grande destaques da mensagem, que requer reflexo, o reconhecimento da Igreja pelas transformaes sociais culturais, provocadas pelas novas tecnologias, que introduzem no somente um modo novo de comunicar, mas nos fazem olhar a mudana da prpria comunicao em si mesma. outro salto de qualidade do Magistrio, demonstrando compreender que uma nova teoria da comunicao est nascendo. Trata-se de uma teoria interacional da mdia, pois as mdias comunicacionais no se restringem aos aparatos tcnicos usados para transmitir informaes de um indivduo a outro, enquanto a relao entre eles permanece inalterada; ao contrrio, usando as mdias comunicacionais novas formas de agir e interagir so criadas.1 E o que so essas formas de agir e interagir? Para entendermos melhor como se d este processo de midiatizao, preciso compreender as variadas formas de comunicao. Vemos assim um cenrio em que se destacam ao menos trs grandes modelos de comunicao, que citarei mais adiante, enfatizando a evoluo do processo de comunicao2, por isso a referncia do Papa sobre a mudana da prpria comunicao em si mesma. 1John B. THOMPSON. A nova visibilidade in MATRIZES, n. 2 abril 2008.2 3. Da a decorrncia de que no se trata somente de novidades das tecnologias, mas, como afirma Bento XVI (2011), est nascendo uma nova maneira de aprender e pensar. como se estivssemos vivendo uma nova civilizao. Aprender e pensar, ousamos dizer, necessitam absorver uma modalidade nova, nos sistemas de educao, de elaborao do pensamento, entre outros. A consequncia pode ser bvia, como entendimento, mas como prtica, requer a mudana de mtodos de ensino, de informar, de comunicar, de evangelizar. Novas possibilidades se apresentam, no mundo digital, mas, ao mesmo tempo, impe-se de modo cada vez mais premente uma reflexo sria acerca do sentido da comunicao na era digital. As redes na internet, como exemplo, oferecem extraordinrias potencialidades, mas tambm a complexidade de suas aplicaes. O pontfice agrega as novas tecnologias da comunicao pedem para ser postas ao servio do bem integral da pessoa e da humanidade inteira. Usadas sabiamente, podem contribuir para satisfazer o desejo de sentido, verdade e unidade que permanece a aspirao mais profunda do ser humano. nesse mundo digital que se ancora o palco planetrio onde se movem as pessoas, sobretudo nas social network. Os jovens, expressa a mensagem, so os principais sujeitos que transitam pela mudana da comunicao; vivem as contradies e a criatividade prpria de quantos se abrem com entusiasmo e curiosidade s novas experincias da vida. Nas redes sociais se estabelecem novas formas de relao interpessoal; h uma influncia na percepo de si prprio e, por consequncia, da autenticidade do prprio ser. Nesse confronto e busca de partilha, enfatiza o Papa, imprescindvel a pergunta: quem o meu prximo, neste novo mundo? (...) Tambm na era digital, cada um v-se confrontado com a necessidade de ser pessoa autntica e reflexiva. O estilo cristo de estar nas redes, sem dvida, diz o Papa, vai desafiar algumas lgicas prprias da web, porque, a verdade que somos chamados a partilhar no extrai o seu valor da sua popularidade, ou da quantidade de ateno que lhe dada(...) A verdade do Evangelho no algo que possa ser objeto de consumo ou de fruio superficial, mas dom que requer uma resposta livre. O olhar positivo da Igreja convida todos os cristos a exercerem uma criatividade consciente e responsvel na rede de relaes que as possibilidades da era digital proporciona porque ela se tornou parte integrante da vida humana. A, na web, somos chamados a contribuir para desenvolver com formas novas a conscincia intelectual e espiritual, de certeza compartilhada. No mundo digital, transmitir informaes significa com frequncia sempre maior inseri-las numa rede social, onde o conhecimento partilhado no mbito de intercmbios pessoais. A distino clara entre o produtor e o consumidor da informao aparece relativizada, pretendendo a comunicao ser no s uma troca de dados, mas tambm e cada vez mais uma partilha. Esta dinmica contribuiu para uma renovada avaliao da comunicao, considerada primariamente como dilogo, intercmbio, solidariedade e criao de relaes positivas. Por outro lado, isto colide com alguns limites tpicos da comunicao digital: a parcialidade da interao, a tendncia de comunicar s algumas partes do prprio 2Para aprofundamento dos modelos mencionados, ver livro Comunicao: dilogo dos saberes na cultura miditica, de Joana T. Puntel, op.cit.3 4. mundo interior, o risco de cair numa espcie de construo da auto-imagem que pode favorecer o narcisismo. Enfatiza a mensagem que o envolvimento cada vez maior no pblico arepago digital (principalmente os jovens) dos chamados social network, leva a estabelecer novas formas de relao interpessoal, influi sobre a percepo de si prprio e por conseguinte, inevitavelmente, coloca a questo no s da justeza do prprio agir, mas tambm da autenticidade do prprio ser. A presena nestes espaos virtuais pode ser o sinal de uma busca autntica de encontro pessoal com o outro, se estiver atento para evitar os seus perigos, como refugiar-se numa espcie de mundo paralelo ou expor-se excessivamente ao mundo virtual. Na busca de partilha, de amizades, confrontamo-nos com o desafio de ser autnticos, fiis a si mesmos, sem ceder iluso de construir artificialmente o prprio perfil pblico. Tambm na era digital, prossegue o Papa, cada um v-se confrontado com a necessidade de ser pessoa autntica e reflexiva. Alis, as dinmicas prprias dos social network mostram que uma pessoa acaba sempre envolvida naquilo que comunica. Quando as pessoas trocam informaes, esto j a partilhar-se a si mesmas, a sua viso do mundo, as suas esperanas, os seus ideais. Segue-se daqui que existe um estilo cristo de presena tambm no mundo digital: traduz-se numa forma de comunicao honesta e aberta, responsvel e respeitadora do outro. Comunicar o Evangelho atravs dos novos midia significa no s inserir contedos declaradamente religiosos nas plataformas dos diversos meios, mas tambm testemunhar com coerncia, no prprio perfil digital e no modo de comunicar, escolhas, preferncias, juzos que sejam profundamente coerentes com o Evangelho, mesmo quando no se fala explicitamente dele. A indicao do Magistrio, chama a ateno para o compromisso por um testemunho do Evangelho na era digital exige que todos estejam particularmente atentos aos aspectos desta mensagem que possam desafiar algumas das lgicas tpicas da web. Antes de tudo, devemos estar cientes de que a verdade que procuramos part