Orçamento Participativo Jovens - ?· Orçamento Participativo Jovens Filipa Biel 17 de Maio de 2012…

Download Orçamento Participativo Jovens - ?· Orçamento Participativo Jovens Filipa Biel 17 de Maio de 2012…

Post on 21-Jan-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • Oramento Participativo Jovens

    Filipa Biel

    17 de Maio de 2012

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • OPCJ O CASO DE S. B. ALPORTEL

    Surge no mbito do OP (adultos) e de candidatura (2006)ao Programa Escolhas;

    Pretende:

    Criar um espao formal de dilogo entre os jovens eos atores polticos locais;

    Reforar o protagonismo juvenil na vida comunitria;

    Compreender o papel dos poderes polticos, o seupotencial e fragilidades;

    Contribuir para a criao uma cidadania juvenilinformada e crtica, com potencial de interveno navida dos seus territrios.

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • Ciclo de OPCJ S. B. Alportel

    Metodologia testada e consolidada de participao na

    discusso e definio das prioridades de investimento;

    Metodologia de mobilizao e interveno

    comunitria;

    Metodologia disseminvel. uma proposta flexvel e

    ajustvel a diferentes realidades institucionais e

    territoriais.

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • Ciclo de OPCJ S. B. Alportel

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 1 FASE PREPARAO DO PROCESSO

    A fase de preparao do processo prev

    diferentes aes:

    Reunies preparatrias;

    Criao/reviso da metodologia;

    Definio territorial, oramental e temporal;

    Enquadramento normativo;

    Formao de tcnicos envolvidos;

    Divulgao do processo.

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 2 FASE APRESENTAO DE PROPOSTASE ANLISE TCNICA

    A fase da APRESENTAO DE PROPOSTAS E ANLISE

    TCNICA prev :

    Realizao de 4 sesses por turma;

    1 sesso - enquadramento na temtica, introduo de

    conceitos - democracia e modelos de representao,

    oramento, economia familiar, receitas, despesas de

    financiamento e investimento, competncia do sector

    pblico (poder central e local) e privado;

    Elaborao do exerccio prtico oramento da famlia

    Silva.

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 2 FASE APRESENTAO DE PROPOSTASE ANLISE TCNICA

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 2 FASE APRESENTAO DE PROPOSTASE ANLISE TCNICA

    Na 2 sesso os alunos apresentam as suas propostas;

    As propostas e projetos devem

    obedecer aos critrios gerais

    estabelecidos nas Normas de

    Participao do OP.

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 2 FASE APRESENTAO DE PROPOSTASE ANLISE TCNICA

    Eleio do delegado e delegada do OPCJ;

    Anlise tcnica das propostas.

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 2 FASE APRESENTAO DE PROPOSTASE ANLISE TCNICA

    CRITRIOS GERAIS DAS PROPOSTAS

    Devem ser apresentadas nas sesses, em contexto de aulano sendo consideradas as propostas entregues por outra via;

    Devem sempre enquadrar-se nas reas temticas decompetncia da autarquia;

    Devem ser especficas, bem delimitadas na sua execuo e, sepossvel, no territrio, para uma anlise e oramentaocorreta;

    Podem ser apresentadas de forma oral, escrita, em sistemaudio e/ou vdeo ou outro;

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 2 FASE APRESENTAO DE PROPOSTASE ANLISE TCNICA

    Em caso do processo ser deliberativo, no seroconsideradas propostas ou projetos que configurempedidos de apoio ou venda de servios a entidadesconcretas, que se verifiquem exceder o montante de xeuros (a definir) ou o prazo de x anos para a suaexecuo (consoante o perodo de mandato doexecutivo municipal), que contrariem ou sejamincompatveis com planos e projetos municipais, quesejam relativas cobrana de receita e funcionamentointerno da autarquia ou que sejam demasiadoabrangentes ou genricas.

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 2 FASE APRESENTAO DE PROPOSTASE ANLISE TCNICA

    Na 3 sesso so devolvidas as propostas, aps anlise tcnica

    por parte do conselho executivo

    da escola e servios municipais;

    Esta devoluo dever promover

    a reflexo sobre as propostas e

    gerar debate;

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

    O resultado da anlise tcnica dever permitir a organizaodas propostas em dois grandes grupos: as que so dacompetncia da autarquia e as que no so.

  • 3 FASE DEFINIO DAS PRIORIDADES

    A fase da DEFINIO DAS PRIORIDADES prev :

    Realizao de 3 reunies com os delegados com objetivo

    de apoiar a criao de um documento nico com as

    propostas e de um vdeo ilustrativo e trabalhar o modo

    de apresentao das propostas;

    Se o processo for deliberativo, os delegados so ainda

    responsveis pela criao da Ficha Tcnica do projeto

    vencedor da sua turma a apresentar, em Assembleia de

    OPCJ, para posterior deciso atravs de voto secreto.

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 3 FASE DEFINIO DAS PRIORIDADES

    1 sesso - Apresentao de todas as propostas eelaborao de um documento nico emPowerPoint com todas as propostas das turmasenvolvidas;

    Elaborao das Fichas Tcnicas dos projetosselecionados pelas turmas a votao.

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 3 FASE DEFINIO DAS PRIORIDADES

    2 sesso - Preparao das visitas ao terreno para

    recolha de imagens;

    Visita aos locais para recolha de imagens (os

    alunos devero ser acompanhados pela equipa do

    OPCJ).

    3 sesso - Preparao da Assembleia Geral do OPCJ (preparao e ensaio das apresentaes a realizar pelos delegados).

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 3 FASE DEFINIO DAS PRIORIDADES

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 3 FASE DEFINIO DAS PRIORIDADES

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 4 FASE APROVAO DO ORAMENTO

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

    Realizao da Assembleia Geral de OPCJ, com a

    participao dos alunos das turmas envolvidas,

    dos professores envolvidos e outros interessados,

    pela Equipa OPCJ, o conselho executivo da escola

    e o executivo municipal.

  • 4 FASE APROVAO DO ORAMENTO

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

    PROTOCOLO DA ASSEMBLEIA GERAL DE OPCJ

    Abertura dos trabalhos por parte do Senhor Presidente da

    autarquia;

    Apresentao de uma sntese do trabalho realizado e das

    diferentes fases do processo por parte da equipa do OPCJ;

    Apresentao, por parte dos delegados, das propostas ao

    Executivo (dimenso consultiva) em formato PowerPoint e

    vdeo;

    Resposta do Executivo relativamente s propostas

    apresentadas;

  • 4 FASE APROVAO DO ORAMENTO

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

    PROTOCOLO DA ASSEMBLEIA GERAL DE OPCJ

    Apresentao dos projetos das turmas (dimenso

    deliberativa);

    Debate entre os participantes;

    Votao dos projetos com recurso a um boletim de voto

    criado para o efeito;

    Finalizao da sesso pblica de OPCJ.

  • 4 FASE APROVAO DO ORAMENTO

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 4 FASE APROVAO DO ORAMENTO

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

  • 4 FASE MONITORIZAO E AVALIAO

    MD9.46/1 www.in-loco.pt

    Este trabalho contnuo e transversal a todo o processo.

    Conta com a participao de todos os intervenientes epermiti perceber os pontos fortes e fracos do processo, nosentido de introduzir melhorias no ciclo de participao.

    Esta fase contempla:

    Aplicao dos inquritos por questionrio a todos os alunosque participaram no processo;

    Anlise dos dados.

    Avaliao, em sede de reunies, aos elementos da autarquia eescola envolvidos.

  • MD9.46/1 www.in-loco.pt

    A criana no um recipiente que devemos encher, mas um fogo que devemos atear.

    Montaigne

Recommended

View more >