o traço todo da vida.subjetividade e narrativa em minha ...· ! 1! andré jobim martins o traço

Download O traço todo da vida.Subjetividade e narrativa em Minha ...· ! 1! André Jobim Martins O traço

If you can't read please download the document

Post on 11-Feb-2019

217 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1

Andr Jobim Martins

O trao todo da vida Subjetividade e narrativa em Minha formao,

de Joaquim Nabuco

Universidade Federal Fluminense Programa de Ps-Graduao em Histria

DISSERTAO DE MESTRADO

2

Andr Jobim Martins

O trao todo da vida Subjetividade e narrativa em Minha formao,

de Joaquim Nabuco

Universidade Federal Fluminense Programa de Ps-Graduao em Histria

DISSERTAO DE MESTRADO

Dissertao apresentada ao Programa de Ps-Graduao em Histria da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para a obteno do grau de Mestre em Histria

Orientadora: Prof Dr Renata Torres Schittino

Niteri

Maro de 2016

3

Ficha Catalogrfica elaborada pela Biblioteca Central do Gragoat

M386 Martins, Andr Jobim. O trao todo da vida: subjetividade e narrativa em Minha formao, de Joaquim Nabuco /Andr Jobim Martins. 2016.

165 f. Orientadora: Renata Torres Schittino. Dissertao (Mestrado) Universidade Federal Fluminense, Instituto

de Cincias Humanas e Filosofia. Departamento de Histria, 2016. Bibliografia: f. 142-150.

1. Nabuco, Joaquim, 1849-1910. 2. Autobiografia. 3. Literatura brasileira. 4. Pensamento social brasileiro. I. Schittino, Renata Torres. II. Universidade Federal Fluminense. Instituto de Cincias Humanas e Filosofia. III. Ttulo.

4

Andr Jobim Martins

O trao todo da vida Subjetividade e narrativa em Minha formao,

de Joaquim Nabuco

Dissertao apresentada ao Programa de Ps-Graduao em Histria da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para a obteno do grau de Mestre em Histria

Prof Dr Renata Torres Schittino

Orientadora Programa de Ps-Graduao em Histria

Universidade Federal Fluminense

Prof. Dr. Ricardo Henrique Salles Programa de Ps-Graduao em Histria

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Prof Dr Luiza Larangeira da Silva Mello Programa de Ps-Graduao em Histria Social

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Niteri

29 de Maro de 2016

5

A Luiz Fernando Pereira das Neves Franco, influncia insensvel

6

Agradecimentos

professora Renata Schittino, pela ateno, pacincia, dedicao e brilho com que me

orientou na escrita desta dissertao. Se h algum mrito no presente trabalho, ele todo

tributrio de seu empenho.

Aos professores Ricardo Salles e Luiza Larangeira, cujos escritos j se faziam influenciar

neste trabalho desde antes de receberem meu convite, por prestigiarem a sua defesa.

professora Giselle Venancio, com quem tive o privilgio de dialogar j no incio do mestrado,

pelas aulas e pela participao no exame de qualificao.

Ao Vitor Fonseca e Slvia Estevo, pela gentileza de me orientarem antes do perodo de

seleo. professora Maria Letcia Corra, por ajudado em 2013 um ento internacionalista

sem qualquer formao em Histria na elaborao do projeto de pesquisa que viria a ser

aprovado pela banca de seleo do PPGH. Ao professor Guilherme Pereira das Neves, por ter

me aconselhado a optar por este programa de ps-graduao. Ao Tito Palmeiro, pela

importante interlocuo na reta final.

Brbara, pelo amor, pelo apoio e pelas alegrias que me permitiram atravessar os ltimos

dois anos.

Ao Lucas, aos dois Antonios, Manara, ao Luis, ao Joo, ao Yuri, Brena, ao Pedro, ao

Vicente, ao Rafael, Andrea, ao Vinicius, ao Victor, s duas Isadoras, ao Idjahure, ao Amir,

ao Brulio, por terem tornado este caminho mais leve. Maria Cristina, por ouvir toda sorte

de resmungos, relacionados ou no a este trabalho.

Helena, tia e madrinha, por toda variedade de socorros que me prestou ao longo deste

perodo. Maria Pace, pelo interesse e pelo carinho. Ao Joo, pela amizade. Maria e

Thereza, imprescindveis.

Aos meus pais, Marcos e Elizabeth, por coisas que no sei se consigo precisar. Pelas outras,

tambm.

7

O senhor... Mire veja: o mais importante e bonito, do mundo, isto: que as pessoas no esto sempre iguais, ainda no foram terminadas mas que elas vo sempre mudando. Afinam ou desafinam. Verdade maior. o que a vida me ensinou. Isso que me alegra, monto.

Riobaldo (Rosa)

8

Resumo:

Este trabalho empreende uma anlise da autobiografia de Joaquim Nabuco, Minha

formao, concentrando-se nas questes caractersticas do gnero autobiogrfico. Partindo do

pressuposto de que sujeito, identidade, tempo e narrativa so os elementos que sustentam a

composio do texto autobiogrfico, e observando a historicidade e as diferentes

particularidades do gnero, observamos como o livro nele se insere. Primeiramente,

reconstitumos o processo da escrita, tanto no plano temporal da definio dos perodos em

que cada captulo foi escrito, quanto no sentido intratextual da compreenso do projeto de

automodelao em curso a cada momento. Em seguida, examinamos passagens-chave com

maior ateno aos processos de construo de sentido ali presentes, tentando tambm

identific-los ao analisar o livro como um todo.

PalavrasChave: Joaquim Nabuco, autobiografia, literatura brasileira, pensamento social

brasileiro

Abstract:

This work endeavors to analyze Joaquim Nabucos autobiography, My formative

years, focusing on the main questions that arise from the autobiographical genre. Our

interpretative method assumes that subject, identity, time and narrative ground the

composition of the autobiographical text. We also stress the importance of the historical

context of the genre, as well as its many singularities, as we look at our objects standing

within it. At first, we reconstitute the process of writing, both in a chronological sense of

defining the periods in which each chapter was written, and in an intratextual sense, noting

what was, at each time, the authors understanding of his ongoing self-fashioning project.

After that, we examine key excerpts in greater detail, looking for meaning-creating

procedures, while also attempting to identify them in the book as a whole.

Keywords: Joaquim Nabuco, autobiography, Brazilian literature, Brazilian social thought

9

Sumrio

I. Introduo ...................................................................................................................................... 1

II. Minha formao e o problema da subjetividade autobiogrfica ................................ 6 1. Subjetividade, tempo e narrativa .................................................................................................... 6 1.1. O sujeito e a linguagem: Benveniste ........................................................................................................ 6 1.2 O problema de si no tempo: Heidegger ................................................................................................ 10 1.3 A revelao do sujeito no discurso da ao: Hannah Arendt ...................................................... 13 1.4 A narrativa como identidade: Paul Ricur ......................................................................................... 16 1.5. Balano terico .............................................................................................................................................. 22

2. Da escrita de si autobiografia: histria e forma .................................................................... 24 2.1. Origens histricas da autobiografia ...................................................................................................... 25 2.2. Caractersticas e limites da autobiografia .......................................................................................... 29 2.3. Minha formao e a forma autobiogrfica ......................................................................................... 37

III. A autobiografia no Brasil de 1850-1900: alguns antecedentes de Minha formao .......................................................................................................................................... 40

IV. Das Ideias imperfeitas a Minha formao: os tempos da escrita e os planos de uma autobiografia ........................................................................................................................ 49 1. O processo da escrita ......................................................................................................................... 52 2. A progresso temtica ...................................................................................................................... 64

V. Traos e rasuras: motivos e dualidades na narrativa ................................................. 89 1. As margens subjetivas do Atlntico ............................................................................................. 93 2. Poltica e esttica ............................................................................................................................. 109 3. A vida, a Histria e as sagradas escrituras .............................................................................. 118 4. A abolio e suas leituras .............................................................................................................. 129

VI. Consideraes finais ........................................................................