o mapa do abismo e outros poemas

Download O Mapa do Abismo e Outros Poemas

Post on 19-Jun-2015

442 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Livro de poesia - poetry book“O Mapa do Abismo e Outros Poemas” – poesia – Edições Tigre Azul / FAC ( Fundo de Assistência à Cultura de Mauá – SP) – Mauá – SP – 2006;

TRANSCRIPT

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Edson Bueno de Camargo

O Mapa Do Abismo e Outros Poemas.

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

2003 Edson Bueno de Camargo email: camargoeb@ig.com.br Endereo: Rua Jos Cezrio Mendes, 104 Vila Noemia Mau SP CEP 09370-600

1 Edio. Tiragem:

tEdies Tigre Azul

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Impresses sobre o Mapa do Abismo e Outros Poemas de Edson Bueno de Camargo A primeira impresso , aps a primeira leitura deste O Mapa do Abismo e Outros Poemas do Edson Bueno de Camargo a quem chamarei aqui de EBC foi Ufa! Terminei, afinal! Muito denso, escrita multifacetada, revela toda inquietao nebulosa, baudelaireiana trao marcante do poeta EBC, quem conheci jovem estudante no final dos anos 70; j sombrio, inquieto, questionador. Esprito crtico aguado, cada detalhe observado detona nele uma impresso sensual; Fui ao campo/ e apanhei uma flor branca/ que nascia por entre a grama/ como o nome desta flor?/ um nome de mulher/ tem perfume que me lembra o de jasmim. in Algo com Som, de repente, no ltimo verso, o ritmo quebrado pelo cheiro feminino exalado pela flor, sugere a sensualidade lembrada pela viso de uma flor nascida toa, uma viso refrescante, tanto lbrica, pueril at, os poemas se sucedem, neste Mapa do Abismo... que bem poderia ser apenas Abismos, j que cada poema dele convite ao delrio, ao vo no escuro. Os escritos se sucedem como cenas de um filme, rpidas, j que o Autor em seu Posfcio do folheto No vers o Mar Como eu vi, revela que dois livros escritos na juventude no foram publicados. Da, quem sabe, uma explicao de que poesia guardada em gavetas e no look atual em disquetes, quando liberados de suas respectivas prises, se acotovelam numa obra potica como esta, na maturidade. Porm, o grande mrito do Autor a coragem. A leitura de seus escritos, uma viagem. Como interpretar tal viagem? Como queira o leitor. A mim, causou-me surpresa belas imagens do cotidiano como em Vigia o gato ... h algo egpcio/ de orgulho antigo,/ perdido nas eras do tempo/ e nas pontas dos cobertores , em Distrao ... no momento em que o drago vencido/ uma goteira irrompe o teto/ ao lado da distrada leitora/, em Caf Filosfico Ser feliz o vendedor de mandioca,/ fruto do ventre da terra? - nos remete ao lado telrico e essencial do ser terrqueo, vivente no planeta Terra, o homem em especial, vive sobre a terra e se dispe (vende, negocia) dela para sobreviver. A dvida sugerida pelo Ser? revela um crtica ferina quanto atividade vender mandioca produzido no mago do solo onde ele vive, como se fosse condenvel vender, negociar o alimento (mandioca). Excessos do poeta. Como tal, tudo bem: at vale sacralizar a mandioca. Resta ento, o convite: caro (a) leitor (a) leia, desarmado, leve, livre de preconceito, este novo ( e velho) livro de poesias de Edson Bueno de Camargo. Este abismo de olhar o mundo catico em que vivemos. Olhar de um jovem que, macambzio, percorreu a p, de trem, de nibus, de carro, solitrio ou de mos dadas com as duas mulheres de sua vida a esposa Ceclia e a filha Sarah, seus caminhos tortuosos. Poemas que revelam o espanto, o encanto, o desencanto frente s atrocidades do homem que sobrevive amontoado nos morros de Mau a Singapura; fica Faltando, agora, seu olhar sobre o do Autor, EBC. E Boa Viagem! Diretamente do Litoral Norte, Caraguatatuba (SP), setembro de 2.003.

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Katsuko Shishido Pastore

Poema do Aviso Final Torquato Neto preciso que haja alguma coisa alimentando o meu povo; uma vontade uma certeza uma qualquer esperana. preciso que alguma coisa atraia a vida ou tudo ser posto de lado e na procura da vida a morte vir na frente e abrir caminhos. preciso que haja algum respeito, ao menos um esboo ou a dignidade humana se afirmar a machadadas.

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

antes fosse palavra solta como bolo que se d ao vento mas, os sonhos esto enterrados no ar e o mapa foi h muito perdido dedicar aos amigos filha ao neto para minha amada naquilo que somos imortais

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

O Mapa Do Abismo.

Aquele que luta com monstros deve acautelar-se; para no tornar-se tambm um monstro. Quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para voc. Friedrich W. Nietzche - Alm do Bem e do Mal.

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Fragmentos.

carrego fragmentos de poemas nos bolsos um poema inconclusivo, como sementes estreis h nmeros de telefone misturados, estratos bancrios, propagandas de rua, papeis de bala, coisas que vou colocando nos bolsos e esquecendo s no esqueo este poema que no vem, mas que tambm no vai embora

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Espectros.

se tivesse poder de vida e morte mandaria matar meus poemas no nascedouro para que no pudessem mais estes, me atormentarem como espectros de criaturas no nascidas palavras que me rondam a cabea dia e noite me perseguindo no escuro como fantasmas se dissolvendo como expostos a luz da manh quando apresentados caneta e ao papel

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Uma casa. uma casa para mim seria o suficiente me basta o espao de quatro paredes onde pudesse ser eu mesmo o tempo todo e a verdade fosse a nica religio um lugar onde no me sentisse um estrangeiro um aliengena um alienado um exilado do prprio cho um refgio onde estivesse a salvaguarda sem salvo condutos passaportes documentos pessoais habeas corpus uma embaixada pessoal a salvo sob a proteo da ONU das leis internacionais da Conveno de Genebra da Declarao Universal dos Direitos do Homem onde um homem e uma mulher pudessem ser amantes sem pudores sem dores sem culpas sem desculpas sem cobranas de nenhuma espcie

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Olhar pela Janela.

conversas de corredor sussurros no salo semi-escurido espectral conspiraes so urdidas na calada da noite traies revanches vendetas a paz espreita l fora na forma de um galho de arvore e de um passarinho

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Algo com Som.

fui ao campo e apanhei uma flor branca que nascia por entre a grama como mesmo o nome desta flor? um nome de mulher tem perfume que me lembra o de jasmim

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Sob a Sombra.

minguante no horizonte sob a sombra da arvore misterioso passante

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Tramar.

pois tudo que eu pensara era delicadamente atado com fios de pura seda fabricados por uma aranha negra ao cair da noite banhado pela luz da lua as gotas do sereno formavam pequenos cristais na teia

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

tero da terra.

tero da terra umidade grossas razes hmus pequenas criaturas verve do cho mago velha paixo

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Aqurio Vazio.

procuro por peixes no aqurio vazio no canto da sala s tem solido as pedras no fundo esto l sem razo

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Evanescentes.

escuto um zumbido permanente em meus ouvidos sero palavras vindas de um mundo distante fadas invisveis com suas asas e vestes cor de rosa pastel vespas inflamadas, pirilampos fericos mundos transparentes sinto uma apreenso sensao de eminncia vises de sonho e pesadelo existem as portas que no devem ser abertas (quem proibiu?) mas sero pela curiosidade desperta no h aprendizado sem dor.

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Pax Panis.

me sinto perseguido por vises do paraso um branco luminoso sem fim um terror imvel e glido que me consome uma paz que me incomoda triste e desolada ser deveras o inferno o fim de todo o movimento o mirar no espelho sem reflexo algum? a passagem do tempo sem percepo nunca dormir nem acordar

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Urge.

urge que ouamos o chamado (eco) bramam anjos de fogo no cu a lua vermelha se esconde sob negro vu cavalgada de guerra, corcis, brandem o ferro e o bronze, reluzente metal espelho do horror rompem escudos e carne fogo e negro fumo negar sua face disforme com os dentes a mostra a reluzir? oua o cortejo de anjos marchando o Deus guerreiro e general a buzina, a trombeta, os tambores marciais com forte rudo a produzir

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Aluagem.

a lua esta a pino no respeita os horrios impostos pelo sol cravados em nossa mente regulados pelo relgio nasce no meio da tarde em pleno sol da primavera obscurecida pelo dia que no o seu reinado esta a pino ao anoitecer se pe no meio da noite para repentinamente na madrugada ameaar nascer de novo como que querendo competir com o sol que comea finalmente a nascer

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Alma de Cristal.

no alto da colina as rochas que cantam no campo entoam cnticos de antiga religio alma de cristal no centro da terra no tempo das eras

By Edson Bueno de Camargo

Mapa do Abismo de Outros Poemas

Cidades Antigas.

igrejinhas barrocas ( alvas de doer os olhos ) com santos dourados e azuis pequenas cidades em forma de jogo da velha antigos segredos guardados maons grades sagradas onfalos torres vigiadas montanhas