o imperialismo legal e seus limites: um estudo da

Download O IMPERIALISMO LEGAL E SEUS LIMITES: UM ESTUDO DA

Post on 09-Jan-2017

214 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • O IMPERIALISMO LEGAL E SEUS LIMITES: UM ESTUDO DA

    EXTRATERRITORIALIDADE AMERICANA NO JAPO (1858-1899)

    EMANNUEL HENRICH REICHERT*

    Nos primeiros anos do sculo 21, predomina em todo o mundo o sistema de jurisdio

    territorial: cada Estado pode aplicar suas normas legais a tudo aquilo que ocorre dentro de

    suas fronteiras, e a nada que acontea dentro do territrio de outro Estado. As leis relevantes

    para analisar as consequncias jurdicas de um ato, portanto, so aquelas do lugar onde ele se

    deu: por exemplo, se o indivduo A mata B no pas X, isso ser investigado e julgado pelas

    autoridades do pas X e de acordo com sua legislao, mesmo que A e B fossem nacionais de

    outros pases com regras diferentes. Existem excees, uma das mais conhecidas dizendo

    respeito a diplomatas, que seguem o princpio da jurisdio pessoal, ou seja, eles esto

    sujeitos s leis de seu pas de origem, no importa onde se encontram. Modificando o

    exemplo anterior, se o diplomata A do pas Y mata B em territrio do pas X, o diplomata ser

    julgado por e segundo as normas do pas Y, no do X. Casos assim esto previstos em acordos

    internacionais, sendo previamente aceitos pelos pases signatrios como excees regra

    geral da jurisdio territorial a chamada imunidade diplomtica est estabelecida na

    Conveno de Viena sobre Relaes Diplomticas de 1961.

    Embora hoje a territorialidade predomine, a era da expanso ocidental sobre a sia foi

    marcada pela ocorrncia de um sistema alternativo, a extraterritorialidade, entendida como a

    extenso da jurisdio de um Estado alm de suas fronteiras (JONES, 1931: 1). Esse regime

    se assemelha quele vlido para os diplomatas, no sentido de isentar algumas pessoas da

    jurisdio local, como se elas carregassem consigo a lei de seu pas natal para dentro de uma

    terra estrangeira. A diferena que a extraterritorialidade no se aplicava apenas a diplomatas

    ou outra categoria especfica, mas a todas as pessoas de uma dada nacionalidade que se

    encontrassem no pas sujeito ao regime extraterritorial todos os franceses na China, todos os

    americanos no Japo, e assim por diante.

    O objetivo das pginas que seguem compreender o fenmeno da extraterritorialidade

    * Mestre e Doutorando em Histria (PPGH/UPF), bolsista FUPF. E-mail: ehr.historia@yahoo.com.br.

  • 2

    em um caso especfico, o da relao Estados Unidos-Japo. De que maneira ela veio a existir?

    Como era aplicada na prtica? Quais eram os objetivos que a justificavam, e em que medida

    se concretizaram? Comecemos pela primeira questo, associada aos primrdios do

    imperialismo americano na sia.

    Expanso americana no Pacfico

    A relao dos Estados Unidos com o imperialismo um assunto complexo, em parte

    pelas paixes polticas que a discusso desperta, e em parte pela dificuldade inerente a

    generalizar com apenas duas palavras, Estados Unidos, toda a populao, todos os governos

    e todos os perodos da histria do pas, como se fosse possvel falar de uma entidade

    monoltica que permaneceu inalterada desde a Declarao de Independncia at os dias de

    hoje. Uma generalizao positiva, a viso patritica de muitos americanos sobre seu passado

    nacional, foi exposta com excelente ironia por Mary Ann Heiss (2002: 511):

    Como uma nao nascida da revoluo contra o controle imperial, os Estados

    Unidos supostamente desdenharam o imperialismo, seja na poltica de outras

    naes, seja na sua prpria. [] Nos pouqussimos casos em que os Estados

    Unidos controlaram territrio que no era destinado a ser incorporado na unio,

    agiram assim por motivos claramente positivos, governaram de modo esclarecido e

    benevolente e concederam auto-governo e independncia o mais cedo possvel. E,

    claro, os Estados Unidos nunca foram mesmo imperialistas. Foram

    expansionistas. Praticaram assimilao benevolente. Assumiram o fardo do

    homem branco. Seguiram seu Destino Manifesto. Mas nunca aceitaram o

    imperialismo em moldes europeus. Nunca.

    De uma perspectiva menos laudatria, a data inicial do imperialismo americano pode

    ser considerada 1898, ano da guerra contra a Espanha e da aquisio de suas primeiras

    colnias: Hava, Porto Rico e Filipinas, alm de um protetorado praticamente colonial sobre

    Cuba (HERRING, 2008: 335). Certamente esses eventos foram de grande importncia, mas o

  • marco de 1898 depende de se considerar apenas a dominao imperial direta, de anexao e

    subjugao explcitas de um local e seus habitantes. Entretanto, essa no a nica maneira

    como o imperialismo pode se apresentar. Ele pode se basear na ameaa e uso ocasional da

    fora, na influncia poltica e controle econmico, sem o encargo de substituir o aparato

    administrativo existente. O imperialismo informal atendia lgica de comrcio com controle

    informal se possvel; comrcio com governo quando necessrio (GALLAGHER e

    ROBINSON, 1953: 13). Se for levada em conta a dominao indireta, mas no menos real por

    usar meios mais sutis, possvel argumentar que a experincia imperialista americana

    remonta a um perodo anterior, ao menos meio sculo antes da Guerra Hispano-Americana1.

    Os Estados Unidos foram participantes ativos na semicolonizao de partes da sia

    desde a dcada de 1840. A poltica externa americana continuava centrada no Atlntico, mas

    nesse perodo dois fatores coincidiram para provocar um maior interesse pelo continente

    asitico. O primeiro foi a aquisio de uma costa no Oceano Pacfico com a diviso do

    Oregon com a Inglaterra (1846) e a conquista da Califrnia aps a Guerra Mexicano-

    Americana (1848). Em segundo lugar, a grande potncia imperial de ento, a Inglaterra,

    estava estabelecendo precedentes de abertura comercial forada justamente no pas mais

    populoso da sia, a China.

    Inglaterra e China entraram em guerra em 1839 pelo problema do pio. O governo

    chins havia proibido a importao da droga pelas consequncias nocivas do vcio; os

    comerciantes ingleses ignoravam a proibio porque o pio produzido na ndia era o nico

    produto capaz de equilibrar sua balana comercial com a China. O governo de Sua Majestade

    Britnica partiu em defesa de seu comrcio, alegando que as caixas de pio destrudas pelas

    autoridades em Canto eram propriedade privada confiscada injustamente pelos chineses. Os

    ingleses, com o poder da Revoluo Industrial do seu lado, venceram e, como resultado, o

    governo da China assinou o Tratado de Nanquim em 1842, primeiro de uma longa srie de

    tratados desiguais. Pelo acordo, alguns portos chineses foram abertos a comrcio com a

    Inglaterra e os sditos ingleses tinham direito extraterritorialidade em territrio chins, sem

    que os chineses tivessem o mesmo direito na Inglaterra (LOVELL, 2011).

    O presidente dos Estados Unidos, John Tyler, mandou um enviado China, o poltico

    1 Tambm possvel argumentar que a expanso sobre terras indgenas foi um exemplo ainda anterior de

    imperialismo, mas no pretendo entrar aqui nessa discusso.

  • 4

    Caleb Cushing, com a misso de obter tambm para os comerciantes de seu pas um acordo

    vantajoso. O resultado foi o Tratado de Wangxia, assinado em 3 de julho de 1844, que

    estendia aos americanos os direitos de comrcio e extraterritorialidade na China (RUSKOLA,

    2013: 109-112; DONAHUE, 1982). Em um ponto, Cushing teve mais sucesso que os

    ingleses, ao inserir em seu tratado a clusula de nao mais favorecida, que concedia aos

    Estados Unidos quaisquer concesses e privilgios que fossem concedidos a outros pases

    (KELIHER, 2007: 227). De uma perspectiva social e econmica, o imperialismo americano

    na sia iniciou com Wangxia.

    Enquanto na China os americanos foram beneficirios da diplomacia das canhoneiras

    inglesa, no Japo foram eles mesmos os precursores. Em comparao com a China, que antes

    da Guerra do pio mantinha aberto o porto de Canto, o governo dos xoguns Tokugawa era

    mais seletivo no comrcio exterior, restrito s naes vizinhas e Companhia das ndias

    Orientais holandesa (JANSEN, 2000: 63-95; BA, 2012: 25). O Comodoro Matthew

    Calbraith Perry foi incumbido de liderar uma esquadra rumo ao Japo e conseguir um acordo

    que permitisse relaes comerciais e diplomticas entre os dois pases. O Tratado de

    Kanagawa, obtido por Perry em 1854, e o Tratado Harris de 1858, negociado por Townsend

    Harris, primeiro cnsul americano no Japo, produziram em conjunto efeitos semelhantes aos

    de Wangxia: abertura de cinco portos para comrcio e residncia de americanos (Hakodate,

    Niigata, Kobe, Yokohama e Nagasaki), extraterritorialidade e tratamento de nao mais

    favorecida. Assim como na China os direitos concedidos aos ingleses foram logo estendidos a

    uma srie de naes, a abertura do Japo capitaneada pelos Estados Unidos foi seguida pela

    assinatura de tratados desiguais com quinze outros pases, entre as grandes potncias e alguns

    pases perifricos. Em ordem cronolgica, acordos desiguais foram feitos com Holanda,

    Rssia, Inglaterra, Frana, Portugal, Prssia, Sua, Blgica, Itlia, Dinamarca, Sucia-

    Noruega, Espanha, Confederao Norte-Alem, ustria-Hungria e Hava (AUSLIN, 2004:

    211).

    Para o xogunato, o grande problema era a abertura dos portos e o consequente contato

    maior entre japoneses e estrangeiros, que poderia desestabilizar o regime e que, de fato,

    contribuiu para o fim do xogunato pouco mais tarde, na Restaurao Meiji de 1868 (JANSEN,