o correio - ed 733

Download O Correio - ed 733

Post on 20-Jun-2015

160 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Diretor Tcnico Mauro Srgio Fernandes da Silva CRM 8789 - Pediatra

A sade de sua criana merece a ateno de um especialista Dr. Mauro Srgio Fernandes da SilvaCRM 8789 - Pediatra

Atendemos Particular e com ConvniosAgora com sala de vacinas

Proteja-se: Vacine-se contra o vrus da nova gripe (H1N1)

Fone: 3646-2488Av. Colombo Machado Sales 11 Laguna SC

O Senhor meu pastor, nada me faltar

LAGUNA/SC - ANO XV - EDIO 733 - LAGUNA/SC 31/07/2010 - R$ 2,00

SOS MORRO DA GLRIA

Laguna completou 334 anos

Melanclica a situao em que se encontra um dos mais importantes pontos tursticos de Laguna, o Morro da Glria.(Pgina 05)

No dia do aniversrio do municpio moradores e turistas receberam o presente, uma nova fonte da Carioca, totalmente revitalizada, foi entregue populao. (Pgina 04)

ESTACIONAMENTO NO CENTRO HISTRICOFoto Nivaldo

Pr-projeto e assinaturas foram entregues ao prefeito durante reunio(Pgina 12)

Exigncias para carteira de pescador so suspensas para reavaliao3646-5123 / 9129-5395(Pgina 04)

LAGUNA/SC 31/07/2010

O CORREIO P. 02

Tempos e VontadesAtanazio Lameiralameira@bizz.com.br

Reinventando o Profissional

Assdio moralDebater tica, disciplina, foco, resultados com tantas variantes s vezes podem gerar muita confuso e alguns conceitos debatidos na realidade corporativa muitas vezes se confundem com momentos da vida real como o caso do assdio moral e suas conseqncias. Apesar de complexo, faremos uma reflexo trazendo um conceito sobre o que assdio moral: toda e qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, escritos, comportamento, atitude...) que, intencional e freqentemente, fira a dignidade e a integridade fsica ou psquica de uma pessoa, ameaando seu emprego ou degradando o clima de trabalho. Alguns exemplos: o Instrues confusas e imprecisas ao() trabalhador(a); o Dificultar o trabalho; o Atribuir erros imaginrios ao() trabalhador(a); o Exigir, sem necessidade, trabalhos urgentes; o Sobrecarga de tarefas; o Ameaas; o Ignorar a presena do(a) trabalhador(a), ou no cumpriment- lo(a) ou, ainda, no lhe dirigir a palavra na frente dos outros, deliberadamente; o Fazer crticas ou brincadeiras de mau gosto ao() trabalhador(a) em pblico; o Impor horrios injustificados; o Revista vexatria. s vezes o lder de uma equipe comete estes abusos acreditando firmemente que faz parte da sua funo cobrar resultados, disciplina, manter a ordem etc, mas no v que abala moralmente um colega de trabalho e fere o conceito de equipe. Muitos acreditam que estas imposies ou atitudes fazem um lder de respeito. Muito cuidado! Como diz aquele comentarista esportivo: a regra clara e um profissional que buscar solues jurdicas ou na justia do trabalho com certeza ter resultados a seu favor. um tema polmico, s vezes confuso, mas estamos na era do bom relacionamento, da conquista do respeito, da formao de equipes, das lideranas servidoras e no cabe mais este tipo de ao e liderana, por isso, sugiro que observe como seus lderes comandam suas equipes, lideres do bem ou terroristas? Faa isso o mais rpido possvel, pois o resultado que os liderados buscam sero conquistados atravs do exemplo e respeito destes lderes.

Tudo por um sorrisoTodas as manifestaes do sorriso. Todos os seus benefcios. Nada melhor que receber as pessoas com um verdadeiro sorriso no rosto. Na comunicao se diz que quebra o gelo. Encoraja o interlocutor a comear uma prosa. Ao contrrio com semblante fechado srio pode indicar outra caracterstica diferentemente da verdadeira. As pessoas que tm o hbito do sorriso, como carto de visita, so capazes de operar milagres. Sendo assim seu sorriso por certo alegrar os cus e os anjos, que ficaro felizes - transmitindo raios de felicidade a todos ns.

A histria da vidaNo fuja de sua idade, ela linda em qualquer etapa da vida. Pense em sua histria, nos anos vividos. Em cada momento, em cada emoo. Sinta-se realizado naquilo que efetivamente construiu. Imagine a fortaleza que voc . Nas pedras do caminho. Nas dificuldades. No sorriso do nascimento do filho. Na capacidade de chorar. Na compaixo. No aperto do peito, em cada notcia que envolve a sua famlia. Na felicidade de estar vivo. No privilgio de contar histrias. Na comunho. Na amizade. No amor. A vida por si s um grande veculo temos que saber ou aprender dirigi-lo para que nos leve ao destino desejado ou no.

Terra de AnitaEu no trago dio na minha caminhada. Eu trago alegria. Eu tento de toda sorte fazer as pessoas sorrirem. Eu no preciso de muito dinheiro para ser feliz. Eu no atrapalho a trajetria de ningum. Eu no odiei todo aquele que se utilizou da ferramenta fraudulenta, para alcanar o pdio. Eu preciso viver a minha vida livremente. Eu tenho direito de ir, vir e permanecer na terra natal. Eu no preciso fugir. Eu posso enfrentar o Deus e o Diabo na Terra de Anita.

Mello Jr - www.gmtreinamentos.com.br - mello@gmtreinamentos.com.br

O Correio e o poetaO veculo chamado O Correio completa quinze anos, como diria o poeta: est na flor da idade. Muito bem conduzido pelo seu idealizador maior: Paulo Srgio Silva, que com sua grandeza e sapincia soube administrar deixando ns colaboradores muito vontade para expressar nosso pensamento sem nenhuma censura. Diga-se de passagem, foi o primeiro Jornal a acreditar nas loucuras deste signatrio. O que nos cabe neste instante e torcer que continue firme e forte por mais um longo tempo. Salve a Utopia e viva a Paixo.

Hora do cafezinhoEstrada do Farol - O Secretrio de Estado do Desenvolvimento Regional Laguna, Mauro Vargas Candemil, promoveu a apresentao do projeto de pavimentao asfltica do trecho da SC-100, em Laguna, na localidade da Passagem da Barra. O ato aconteceu sexta-feira (30) no salo Paroquial da Igreja de So Sebastio. Anita Garibaldi - A Fundao Lagunense de Cultura realiza no prximo dia 04 de agosto solenidade comemorativa aos 161 Anos da morte de Anita Garibaldi, Herona de dois mundos. O ato ocorrer na praa Repblica Juliana s 09:30h. Idosos - Populao brasileira acima dos 80 cresce 70% nos ltimos dez anosBrasil possui 21 milhes de pessoas com mais de 60 anos. Destes, 3 milhes esto acima dos 80Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul so os Estados com maior percentual de idosos, com 14,9% e 13,5% respectivamente. Como est a sade do idoso brasileiro na ltima dcada? Vamos pensar nisso?

EXPEDIENTEFundado em 29.07.1995 Direo Geral: PAULO SRGIO SILVA JORNAL O CORREIO. LTDA. ME. C.G.C. 03.002.178/0001-60 Insc. Mun. 54.0375 Redao e Administrao: Rua Voluntrio Fermiano, 52 - Centro Fone: 3644-3959 - Laguna/SC Nmero Avulso: R$ 2,00 Assinatura Semestral (local) R$ 40,00 Tiragem: 2.000 exemplares Os artigos assinados so de responsabilidade de seus autores. Circulao: Laguna, Capivari de Baixo, Tubaro, Garopaba, Imbituba, Paulo Lopes, Imaru e Jaguaruna. E-mail: ocorreio@bizz.com.br hp:http://www.ocorreio.net Este jornal filiado:

Engenharia de pesca - A aula inaugural do primeiro curso de engenharia de pesca no Estado de Santa Catarina foi realizada na quinta-feira, s 8h, no auditrio do Hotel Ravenna. O ministro da Pesca e Aquicultura, Altemir Gregolin, ir inaugurar o curso, que conta com 40 alunos. nico de Santa Catarina e o segundo da Regio Sul tem o perfil direcionado formao de profissionais com atuao em guas martimas, fluviais e lacustres. A escolha de Laguna para a implantao do curso de Engenharia da Pesca deveu-se elevada produo de camaro em suas oito lagoas e de pescado na costa do Atlntico Sul. O centro da Udesc iniciou uma extenso do curso em todas as regies de Santa Catarina com a finalidade de mostrar que o perfil do profissional de engenharia da pesca no somente direcionado produo em gua salgada, mas tambm em gua doce onde h uma elevada produo de peixe em lagoas espalhadas pelo interior. O objetivo do engenheiro de pesca administrar o cultivo, a captura e a comercializao do peixe de gua doce e salgada e outros organismos aquticos; explorar os recursos naturais fundamentado no domnio do conhecimento das cincias bsicas da engenharia e da biologia e buscar solues para os problemas do setor pesqueiro martimo, fluvial e lacustre, alm de resgatar a importncia do pescador artesanal.

LAGUNA/SC 31/07/2010

O CORREIO P. 03

VIUQREPRTERJoo Carlos Wilke E-mail: wilke@ocorreio.net

MARCELO E LUIZ CARLOS EXCLAMAM: ATANZIO, O CANTOR DAS MULTIDESmary.brown28@hotmail.comAssociao de Moradores do Mar Grosso-Dia 27 do corrente realizamos a reunio mensal de nossa associao, feita sempre na ltima segunda feira de cada ms e a mesma foi muito proveitosa, j que tivemos o prazer de receber a visita do nosso prefeito, Sr. Clio Antonio, que junto com nossa diretoria e pessoas presentes, apresentou seus projetos, suas aes e sua boa vontade em resolver os problemas da nossa praia. Foram abordadas diversas metas que nosso grupo de trabalho tem em pauta e quase todas foram bem explanadas pelo senhor Prefeito. Entre elas o Carnaval, cujo local ainda no est bem definido, ficando entre a avenida beira-mar e av. Senador Gallotti. Quanto aos carros particulares estacionados tanto na avenida quanto nas ruas transversais, sero alvo de rigorosa fiscalizao, pois isto o que mais incomoda os moradores. Andaram propagando que a nossa Associao era contra o Carnaval e isto uma inverdade. Queremos um belo Carnaval, com muita alegria, muitos trios eltricos e muita organizao. Isto o que todos ns queremos. Os carros com som alto devero ser guinchados e multados, evitando, desta forma, os agrupamentos de pessoas embriagadas, consumindo suas prprias bebidas e muitas vezes drogas, com cenas de verdadeiras orgias e som enlouquecendo os moradores. Neste ponto, o senhor Prefeito prometeu agir com rigor, vindo ao encontro de nossa meta. Alem disto, foi abordada a colocao de lombadas eletrnicas ou semforos, que o nosso desejo, a fim de evitar as infraes de alta velocidade nas principais