o controle externo e a contabilidade governamental frente À lrf

Download O CONTROLE EXTERNO e a CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL FRENTE À LRF

Post on 22-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • O CONTROLE EXTERNO e a CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL FRENTE LRF
  • Slide 2
  • Em busca da verdade Acho graa nisso de voc falar em verdade e mentira como se realmente soubesse o que uma coisa e outra. At Jesus Cristo no teve nimo de dizer o que era verdade. Quando Pncio Pilatos lhe perguntou: Que verdade?, ele, que era Cristo, achou melhor calar-se. No deu resposta. Monteiro Lobato, in Memrias da Emlia.
  • Slide 3
  • Atributos para tornar a administrao pblica mais eficiente 4Descentralizao de atividade 4Reduo de hierarquia 4nfase na qualidade 4Ao planejada 4Aprimorar o controle
  • Slide 4
  • "Seu Dot, uma esmola; pr um homem que so, ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidado Vozes da Seca, Luiz Gonzaga e Z Dantas.
  • Slide 5
  • ? Gastar mais X Gastar menos GASTAR MELHOR
  • Slide 6
  • O Estado Eficiente Navegar e no remar
  • Slide 7
  • O CONTROLE ORIGEM DO TERMO: Latim Fiscal Medieval: Contra rotulum; Francs: Contro-rle - Contrle Exemplar do catlogo dos contribuintes (dos censos, dos foros anuais) com base em que se verifica a operao do exator. (Gualazzi, 1992) ACEPO MODERNA: Ato ou efeito de controlar: verificao, prova, fiscalizao, conteno, domnio, averiguao administrativa. (Enciclopdia Mrito, 1961)
  • Slide 8
  • ACEPES DA PALAVRA CONTROLE Conforme Bergeron: 4Dominao 4Direo (comando, gesto) 4Limitao (regulamentao, proibio) 4Vigilncia ou Fiscalizao (superviso, inspeo, censura) 4Verificao (exame, contratao) 4Registro (identificao, autenticao) + + FORTE + + FRACA
  • Slide 9
  • CONTROLE NA ADMINISTRAO PBLICA CONTROLE INTERNO: todo aquele realizado pela entidade ou rgo responsvel pela atividade controlada no mbito da prpria administrao. (Meirelles, 1990) CONTROLE EXTERNO: o que se realiza por rgo estranho administrao responsvel pelo ato controlado, como por exemplo a apreciao das contas do Executivo e do Judicirio pelo Legislativo; a auditoria do Tribunal de Contas sobre a efetivao de determinada despesa do Executivo;.... (Meirelles, 1990) ControleExternoControleInterno Verificao dos Princpios da Administrao
  • Slide 10
  • OS PRINCPIOS DA ADMINISTRAO PBLICA ART. 37 DA CONSTITUIO FEDERAL L egalidade I mpessoalidade M oralidade P ublicidade E ficincia
  • Slide 11
  • O ARTIGO 70 DA CONSTITUIO FEDERAL A fiscalizao contbil, financeira, oramentria, operacional e patrimonial da Unio e das entidades da administrao direta e indireta, quanto legalidade, legitimidade, economicidade, aplicao das subvenes e renncia de receitas, ser exercida pelo Congresso Nacional, mediante Controle Externo, e pelo sistema de Controle Interno de cada Poder.
  • Slide 12
  • CONTROLE X FISCALIZAO X AUDITORIA AUDITORIA X INSPEO CONTROLE = FISCALIZAO = AUDITORIA
  • Slide 13
  • OS RGOS DE CONTROLE EXTERNO NO MUNDO CONTROLADORIA / AUDITORIA GERAL 4Modelo anglo-saxo 4rgo monocrtico 4Gr-Bretanha, Estados Unidos, Israel, Canad, etc. TRIBUNAL DE CONTAS 4Modelo latino 4rgo colegiado 4Itlia, Frana, Espanha, Blgica, Alemanha, Portugal, Brasil, CEE, etc. A INTOSAI
  • Slide 14
  • TRIBUNAL DE CONTAS
  • Slide 15
  • De fato, O Tribunal de Contas essa instituio nascida para atender a necessidade de algum dizer no na administrao pblica e para dizer no, inclusive, aos mais poderosos. No surgiu o Tribunal de Contas para agradar a ningum e por isso, lhe foram dadas, e aos seus membros, autonomia e independncia, porquanto s com essas prerrogativas se torna possvel contrariar esses poderosos e bem guardar o interesse pblico. Cons. Joo FEDER. em 1982.
  • Slide 16
  • AUDITORIA CONJUNTO DE PROCEDIMENTOS TCNICOS APLICADOS, COM BASE EM NORMAS PROFISSIONAIS, SOBRE UMA RELAO DE ACCOUNTABILITY OBJETIVANDO A EMISSO DE COMENTRIOS INDEPENDENTES E ADEQUADOS.
  • Slide 17
  • AUDITORIA - ACCOUNTABILITY
  • Slide 18
  • ACCOUNTABILITY E muito tempo depois, veio o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles. (Evangelho de So Mateus, cap. 25, v. 19, na parbola dos dez talentos.)
  • Slide 19
  • CONCEITO DE AUDITORIA Lei de Responsabilidade Fiscal
  • Slide 20
  • AUDITORIA GOVERNAMENTAL A auditoria governamental consiste no exame objetivo, isento da emisso de juzos pessoais imotivados, sistmico e independente, das operaes oramentrias, financeiras, administrativas e de qualquer outra natureza, objetivando verificar os resultados dos respectivos programas, sob os critrios de legalidade, legitimidade, economicidade e razoabilidade, tendo em vista sua eficincia e eficcia. (Art. 8 da Lei Complementar Estadual n 005, de 04/12/91.)
  • Slide 21
  • Contabilidade como um instrumento de accountability Todo administrador tem a obrigao legal e tica de prestar contas de como utilizar os recursos que lhe so confiados para serem administrados em favor da coletividade. PRESTAR CONTAS CONTABILIDADE LRF
  • Slide 22
  • Lei Complementar n 101, DE 04/05/2000 Objetivo: estabelecer normas de finanas pblicas voltadas para a responsabilidade na gesto fiscal.
  • Slide 23
  • Responsabilidade na Gesto Fiscal Ao planejada e transparente, em que se previnem riscos e corrigem desvios capazes de afetar o equilbrio das contas pblicas, mediante o cumprimento de metas de resultados entre receitas e despesas e a obedincia a limites e condies no que tange a renncia de receita, gerao de despesas com pessoal, da seguridade social e outras, dvidas consolidada e mobiliria, operaes de crdito, inclusive por antecipao de receita, concesso de garantia e inscrio em Restos a Pagar. LRF, art. 1, 1.
  • Slide 24
  • LGICA DA GESTO FISCAL RESPONSVEL Planejamento no processo oramentrio (PPA, LDO, LOA) Regras e limites na LRF (pessoal, dvida,...) Mecanismos de compensao e correo de desvios Transparncia e controle social Sanes: Institucionais e pessoais Fonte: Ministrio do Planejamento, Oramento e Gesto
  • Slide 25
  • Lei de Responsabilidade Fiscal Planejamento (arts. 4 a 10) Receita Pblica (arts. 11 a 14) Despesa Pblica (arts. 15 a 28) Dvida Pblica (arts. 29 a 42) Gesto Patrimonial (arts. 43 a 47) Transparncia (arts. 48 a 58) Fiscalizao (arts. 59)
  • Slide 26
  • A LRF e o Controle Externo Planejamento Responsvel
  • Slide 27
  • O Planejamento das Aes Governamentais PLANEJAMENTO RESPONSVEL Pois qual de vs, querendo edificar uma torre, no se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar? Para que no acontea que, depois de haver posto os alicerces, e no a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele, dizendo: Este homem comeou a edificar e no pde acabar. (Lc 14:28-30)
  • Slide 28
  • Alguns requisitos exigidos para a Lei de Diretrizes Oramentrias equilbrio entre receitas e despesas; limitao de empenho; normas relativas ao controle de custos; avaliao dos resultados dos programas; normas para a transferncia de recursos; anexos de metas e riscos fiscais.
  • Slide 29
  • Anexo de Metas Fiscais da LDO resultados nominal e primrio; montante da dvida pblica; avaliao do cumprimento das metas do ano anterior; memria e metodologia de clculo das metas; evoluo do patrimnio lquido; origem e a aplicao dos recursos (venda de ativos); avaliao da situao financeira e atuarial; estimativa e compensao da renncia de receita; margem de expanso das despesas obrigatrias de carter continuado.
  • Slide 30
  • Anexo de Riscos Fiscais da LDO avaliao dos passivos contingentes e outros riscos capazes de afetar as contas pblicas providncias a serem tomadas, caso os riscos se concretizem.
  • Slide 31
  • Lei Oramentria Anual compatibilidade com o PPA, com a LDO e com a LRF; compatibilidade dos oramentos com os objetivos e metas do anexo de metas fiscais; efeitos das renncias de receitas e medidas de compensao; medidas para compensar as despesas de carter continuado; reserva de contingncia.
  • Slide 32
  • Execuo Oramentria e o Cumprimento das Metas programao financeira e cronograma de execuo mensal; limitao de empenho; audincias pblicas para avaliao das metas; identificao dos beneficirios de precatrios, para fins de observncia da ordem cronolgica (art. 100 da CF).
  • Slide 33
  • EQUILBRIO FISCAL RECEITAS x DESPESAS
  • Slide 34
  • RECEITA PBLICA requisitos essenciais: instituio, previso e efetiva arrecadao de todos os tributos; vedada a realizao de transferncias voluntrias para quem no observe essa regra (impostos).
  • Slide 35
  • Previses da Receita observncia: a) de normas tcnicas e legais; b) dos efeitos das alteraes na legislao; c) da variao do ndice de preos; d) do crescimento econmico ou outro fator relevante. metodologia de clculo e premissas utilizadas.
  • Slide 36
  • Renncia de Receita A concesso ou ampliao de incentivo ou benefcio de natureza tributria da qual decorra renncia de receita dever: estar acompanhada de estimativa do impacto oramentrio - financeiro; atender ao disposto na lei de diretrizes oramentrias; no afetar as metas ou existir medidas compensatrias.
  • Slide 37
  • RENNCIA DE RECEITA Compreende anistia, remisso, subsdio, crdito presumido, concesso de iseno em carter no geral, alterao de alquota ou modificao de base de clculo que impl