o coletivo edi§£o 143

Download O Coletivo edi§£o 143

Post on 06-Mar-2016

231 views

Category:

Documents

14 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal "O Coletivo" edição n° 143, março/2014

TRANSCRIPT

  • Ano 120

    N 143

    Campinas

    maro

    2014

    Pense verde!

    Recicle a informao: passe

    este jornal para outro leitor.

    Recicle o papel: no jogue este

    impresso em vias pblicas.

    Pg. 11

    Vndalos quebram 30

    nibus no Carnaval

    Pginas 6 e 7

    Pdova

    tem estao

    de tratamento

    para reso

    de gua

    Ovandalismo mais uma vez

    esteve presente no

    Carnaval de Campinas.

    O saldo foi: 30 nibus

    depredados e prejuzo

    financeiro de R$ 80,55 mil. Alm

    disso, como o nmero de nibus

    avariados foi grande e a VB

    Transportes e Turismo teve a maioria

    dos veculos quebrados (25 dos 30

    nibus), a concessionria foi

    obrigada a operar com escala de

    frias e, com isso, mais de 35 mil

    passageiros foram afetados nos dias

    seguintes ao feriado.

    Buracos estragam veculosQuem circula pelos bairros

    Gargantilha, Recanto dos

    Dourados, Monte Belo e Carlos

    Gomes conhece bem as estradas

    de terra por onde circulam as

    linhas 350, 358 e 322 Village

    Campinas, que so as trs de

    Campinas com o pior itinerrio

    da cidade. O resultado: nibus

    quebrados constantemente e

    passageiros prejudicados com a

    falta de manuteno das ruas.

    Pgina 12

    Colaborador mostra o que sobrou das janelas arrancadas em veculo da VB Transportes

    nibus levanta

    poeira antes de

    chegar ao ponto

  • Conselho Editorial: Projeto grfico: Ricardo Cruzeiro Redao: Rua 11 de Agosto, 757, Centro.

    Belarmino da Asceno Marta Jnior, Joubert CEP 13013-101, Campinas, SPFotos: Gustavo Magnusson

    Beluomini, Jos Roberto Felcio, Hlio Anncios: JML/Imediata - (19) 3232-4900Reviso: Marco Antonio StoraniBortolotto Jnior, Armando Corra Damaceno, Tiragem: 35 mil exemplares

    Editorao: Natashy Duarte Ennio Viegas de Oliveira Paes Jnior, Allex Impresso: GrafCorp

    Jornalista responsvel: Villaa, Sergio Finatti e Larcio Reis Publicao mensal para distribuio gratuita

    Paulo Barddal (MTb 20.856)Coordenao e edio: entre clientes e colaboradores da Associao

    Visite nosso site: www.transurc.com.brPaulo Barddal e Natashy Duarte das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de

    Textos: Natashy Duarte Telefone para contato: (19) 3731-2600 Campinas (Transurc).

    Um oferecimento:

    A sociedade do medo

    Acidade de Campinas, mais uma vez, conseguiu colocar ngela, que mente sobre a autoria para proteger algum de quem

    o seu nome estampado nas manchetes policiais. Como ela gostava.

    todo ano, sempre no Carnaval, vndalos destroem os Vivemos em uma sociedade permeada pelo medo e, para lembrar

    nibus do transporte coletivo urbano das o escritor moambicano Mia Couto, destacamos a frase de que

    concessionrias, veculos que so utilizados por h quem tenha medo de que o medo acabe. Ele discorre sobre

    milhares de usurios da nossa comunidade. a nossa indignao em relao ao medo.

    O que chama a ateno de muitas pessoas que, como sempre, A nossa indignao, porm, bem menor que o medo. Sem

    os alvos so sempre os mesmos: os veculos que pertencem s darmos conta, fomos convertidos em soldados de um exrcito

    concessionrias. Quando h depredao ou os nibus so sem nome e, como militares sem farda, deixamos de questionar.

    queimados, por coincidncia, claro, o patrimnio destrudo Deixamos de fazer perguntas e discutir razes.

    sempre o das empresas associadas Transurc. As questes de tica so esquecidas, porque est provada a

    Isso nos faz lembrar do livro Crnica de uma morte anunciada, do barbaridade dos outros e, porque estamos em guerra, no temos

    autor colombiano Gabriel Garca Mrquez, porque se encaixa de fazer prova de coerncia, nem de tica nem de legalidade,

    perfeitamente no que ocorre em Campinas h anos. Na obra, o afirma Couto, outro autor que merece ser lido pelos que ainda

    escritor conta, na forma de uma reconstruo jornalstica, a tm senso crtico.

    histria do assassinato de Santiago Nasar pelos irmos gmeos No prximo Carnaval, caso seja mantido o status quo dos anos

    Pedro e Pablo Vicrio. anteriores, assistiremos novamente s cenas de barbrie e de

    Acusado por ngela Vicrio de t-la desonrado, o jovem vandalismo e, mais uma vez, a impunidade triunfar. O que nos

    Santiago Nasar foi morto a facadas pelos seus irmos. Mas o que restar ver a imagem de Campinas desgastada nas manchetes

    chama a ateno nessa obra que toda a localidade fica sabendo de jornais, tomando espao nas pginas de jornais impressos,

    antes da vingana iminente, mas nada faz para salvar Santiago de linhas e imagens nos sites de notcias e nas redes sociais e alguns

    seu trgico destino, anunciado logo na primeira linha do minutos em reportagens factuais nas emissoras de rdio e de

    romance. O mistrio do livro est em descobrir quem desonrou televiso.

    SmartphoneAtualmente, comum ver todo jovem mexendo o

    tempo todo no celular. No desgrudam nem

    quando conversam com algum, muito menos

    quando esto sozinhos. Ningum mais est s, mas

    nunca as pessoas foram to solitrias.

  • Campinas, maro de 2014

    3P A S S E E S C O L A R

    33 mil estudantes j fizeram

    Cadastramento Escolar

    Faz apenas dois meses que a de carto Bilhete nico

    Padaria Irmos Moura Comum vo recarregar,

    integra a Rede Credenciada sempre aproveitam para levar

    Transurc, mas j v bons po, balas, salgados e o que

    resultados. O pessoal est mais tiverem vontade. A

    gostando bastante, tanto os padaria, que conta com

    clientes antigos quanto os mercearia e confeitaria, fica

    novos que apareceram, no Parque So Jorge.

    conta Jucimara de Souza

    Silva, balconista.

    que, quando os usurios

    Recarga no Pq. So Jorge

    cadastros durante o processo atendimento fsicos mencionados

    de antecipao. acima.

    Para conseguir o benefcio, os A partir da entrega do formulrio por

    alunos interessados que ainda parte dos estudantes, a Transurc tem

    no tm Bilhete nico Escolar prazo legal de at 15 dias para verificar

    devem apresentar o Atestado a documentao, emitir a Carteira de

    de Matrcula para Aquisio Frequncia e o carto Bilhete nico

    do Passe Escolar, devidamente Escolar para os alunos que ainda no o

    preenchido, em um dos postos possuem.

    de atendimento da Transurc.

    O formulrio para Quem pode utilizar

    cadastramento para estudantes O Passe Escolar pode ser utilizado pelos

    que ainda no possuem o estudantes que residam a mais de 1.000

    benefcio est disponvel no metros do estabelecimento de ensino.

    site www.transurc.com.br, na O benefcio usufrudo pelos alunos

    sede da associao ou nos que cursam Ensino Fundamental,

    postos de venda dos terminais Mdio, supletivos ou cursos

    Central, Ouro Verde, Campo profissionalizantes tcnicos de nvel

    Grande e Baro Geraldo. O mdio. O processo de Cadastramento Associao das Empresas de

    horrio de atendimento, em todos do Passe Escolar amparado pelo Transporte Coletivo Urbano de

    os postos, de segunda a sexta- Decreto n 13.807, de 12 de dezembro Campinas (Transurc) j realizou o

    feira, das 8h s 17h, explica Paulo de 2001, regulamentado pela Lei n cadastramento do Bilhete nico

    Barddal, diretor de Comunicao e 9.788, de 2 de julho de 1998. O Escolar de 33 mil estudantes. Desde

    Marketing da Transurc. A entrega benefcio do Passe Escolar concede um que o cadastramento comeou, em 6 de

    do formulrio preenchido deve ser desconto de 60% em relao ao valor janeiro, j foram feitos 22.058 novos cartes.

    feita em um dos postos de da tarifa vigente.No ano passado, j haviam sido feitos 10.942

    AFamlia comparece

    Transurc para

    fazer o

    cadastramento

    Recarga fcil para usurio de BU

  • faz um ano e meio que a Lei n

    14.350/12, que probe os passageiros de

    nibus a ouvirem aparelhos sonoros sem

    fone de ouvido, vigora, mas mesmo

    assim tem gente que insiste em burlar a

    lei, que prev at a expulso dos sem noo dos

    veculos. Segundo a lei, cobradores e motoristas

    devem orientar o passageiro a usar fones de ouvido,

    num primeiro momento, mas, se a advertncia no

    for acatada, a polcia pode ser acionada para retir-

    lo fora.

    Contudo, como no Brasil h leis que pegam e outras

    no, essa uma que parece que no vingou ainda.

    Uso transporte coletivo para ir e voltar do trabalho

    todos os dias da semana e o hbito deselegante de

    alguns passageiros e transeuntes portarem seus

    celulares com o recurso mp3 ajustado no ltimo

    volume, sem a companhia do agradvel e discreto

    fone de ouvido, permanece.

    um martrio. Os presentes so obrigados a obrigado a suportar aquilo que as pessoas esto compartilhar do gosto musical alheio, que particu- escutando, e tampouco a fazer parte de suas larmente, em sua grande maioria, duvidoso e conversas enquanto falam ao telefone ou conver-incomoda os ouvidos. E, como se no bastasse, a sam entre si: baixar o tom de voz de excelente maioria tem o costume de cantarolar alto as letras grado tambm.das msicas, sem a mnima preocupao. uma Talvez voc imagine que as minhas crticas so tremenda falta de respeito com o prximo. porque as msicas no so do meu estilo musical Pergunto-me por que senso coletivo algo desco- preferido. No entanto, mesmo que todos ouvissem nhecido por essas pessoas, que no conseguem ao bandas de rock em alto e bom som, eu teria a menos parar para pensar em como esto sendo mesma vontade de jogar os aparelhos pela janela.inconvenientes e desagradveis. Como o prprio nome diz, transporte pblico, uma questo intrig