o ? Bernardino Batista/PB, Boa Ventura/PB, Boa Vista/PB, Bom Jesus/PB, Bom Sucesso/PB, Bonito De ...

Download o ? Bernardino Batista/PB, Boa Ventura/PB, Boa Vista/PB, Bom Jesus/PB, Bom Sucesso/PB, Bonito De ...

Post on 09-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • CONVENO COLETIVA DE TRABALHO 2017/2018

    NMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000026/2018 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/02/2018 NMERO DA SOLICITAO: MR004806/2018 NMERO DO PROCESSO: 46224.000383/2018-20 DATA DO PROTOCOLO: 02/02/2018

    Confira a autenticidade no endereo http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

    SINDICATO DOS MOTORISTAS E TRABALHADORES EM TRANS. ROD. DE PASSAG. E CARGAS NO EST. DA PARAIBA, CNPJ n. 09.237.660/0001-65, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). ANTONIO DE PADUA DANTAS DINIZ; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS E TURISMO DO ESTADO DA PARAIBA, CNPJ n. 09.142.068/0001-80, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOSE MARCONI MEDEIROS DE SOUZA; SIND DO COM VAREJISTA DE GENEROS ALIM DE JOAO PESSOA, CNPJ n. 09.141.896/0001-01, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JAILTON ELOY MENDES; SINDICATO DOS LOJISTA DO COMERCIO DE JOAO PESSOA, CNPJ n. 08.696.502/0001-00, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). JOSE MARCONI MEDEIROS DE SOUZA; celebram a presente CONVENO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condies de trabalho previstas nas clusulas seguintes: CLUSULA PRIMEIRA - VIGNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigncia da presente Conveno Coletiva de Trabalho no perodo de 01 de julho de 2017 a 30 de junho de 2018 e a data-base da categoria em 01 de julho. CLUSULA SEGUNDA - ABRANGNCIA A presente Conveno Coletiva de Trabalho abranger a(s) categoria(s) A presente Conveno Coletiva de Trabalho abranger a(s) categoria(s) DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES RODOVIARIOS, , com abrangncia territorial em gua Branca/PB, Aguiar/PB, Alagoa Grande/PB, Alagoa Nova/PB, Alagoinha/PB, Alcantil/PB, Algodo De Jandara/PB, Alhandra/PB, Amparo/PB, Aparecida/PB, Araagi/PB, Arara/PB, Araruna/PB, Areia De Baranas/PB, Areia/PB, Areial/PB, Aroeiras/PB, Assuno/PB, Baa Da Traio/PB, Bananeiras/PB, Barana/PB, Barra De Santa Rosa/PB, Barra De Santana/PB, Barra De So Miguel/PB, Bayeux/PB, Belm Do Brejo Do Cruz/PB, Belm/PB, Bernardino Batista/PB, Boa Ventura/PB, Boa Vista/PB, Bom Jesus/PB, Bom Sucesso/PB, Bonito De Santa F/PB, Boqueiro/PB, Borborema/PB, Brejo Do Cruz/PB, Brejo Dos Santos/PB, Caapor/PB, Cabaceiras/PB, Cabedelo/PB, Cachoeira Dos ndios/PB, Cacimba De Areia/PB, Cacimba De Dentro/PB, Cacimbas/PB, Caiara/PB, Cajazeiras/PB, Cajazeirinhas/PB, Caldas Brando/PB, Camala/PB, Campina Grande/PB, Capim/PB, Carabas/PB, Carrapateira/PB, Casserengue/PB, Catingueira/PB, Catol Do Rocha/PB, Caturit/PB, Conceio/PB, Condado/PB, Conde/PB, Congo/PB, Coremas/PB, Coxixola/PB, Cruz Do Esprito Santo/PB, Cubati/PB, Cuit De Mamanguape/PB, Cuit/PB, Cuitegi/PB, Curral De Cima/PB, Curral Velho/PB, Damio/PB, Desterro/PB, Diamante/PB, Dona Ins/PB, Duas Estradas/PB, Emas/PB, Esperana/PB, Fagundes/PB, Frei Martinho/PB, Gado Bravo/PB, Guarabira/PB, Gurinhm/PB, Gurjo/PB, Ibiara/PB, Igaracy/PB, Imaculada/PB, Ing/PB, Itabaiana/PB, Itaporanga/PB, Itapororoca/PB, Itatuba/PB, Jacara/PB, Jeric/PB, Joo Pessoa/PB, Joca Claudino/PB, Juarez Tvora/PB, Juazeirinho/PB, Junco Do

  • Serid/PB, Juripiranga/PB, Juru/PB, Lagoa De Dentro/PB, Lagoa Seca/PB, Lagoa/PB, Lastro/PB, Livramento/PB, Logradouro/PB, Lucena/PB, Me D'gua/PB, Malta/PB, Mamanguape/PB, Manara/PB, Marcao/PB, Mari/PB, Marizpolis/PB, Massaranduba/PB, Mataraca/PB, Matinhas/PB, Mato Grosso/PB, Maturia/PB, Mogeiro/PB, Montadas/PB, Monte Horebe/PB, Monteiro/PB, Mulungu/PB, Natuba/PB, Nazarezinho/PB, Nova Floresta/PB, Nova Olinda/PB, Nova Palmeira/PB, Olho D'gua/PB, Olivedos/PB, Ouro Velho/PB, Parari/PB, Passagem/PB, Patos/PB, Paulista/PB, Pedra Branca/PB, Pedra Lavrada/PB, Pedras De Fogo/PB, Pedro Rgis/PB, Pianc/PB, Picu/PB, Pilar/PB, Piles/PB, Pilezinhos/PB, Pirpirituba/PB, Pitimbu/PB, Pocinhos/PB, Poo Dantas/PB, Poo De Jos De Moura/PB, Pombal/PB, Prata/PB, Princesa Isabel/PB, Puxinan/PB, Queimadas/PB, Quixaba/PB, Remgio/PB, Riacho Do Bacamarte/PB, Riacho Do Poo/PB, Riacho/PB, Riacho De Santo Antnio/PB, Riacho Dos Cavalos/PB, Rio Tinto/PB, Salgadinho/PB, Salgado De So Flix/PB, Santa Ceclia/PB, Santa Cruz/PB, Santa Helena/PB, Santa Ins/PB, Santa Luzia/PB, Santa Rita/PB, Santa Teresinha/PB, Santana De Mangueira/PB, Santana Dos Garrotes/PB, Santo Andr/PB, So Bentinho/PB, So Bento/PB, So Domingos Do Cariri/PB, So Domingos/PB, So Francisco/PB, So Joo Do Cariri/PB, So Joo Do Rio Do Peixe/PB, So Joo Do Tigre/PB, So Jos Da Lagoa Tapada/PB, So Jos De Caiana/PB, So Jos De Espinharas/PB, So Jos De Piranhas/PB, So Jos De Princesa/PB, So Jos Do Bonfim/PB, So Jos Do Brejo Do Cruz/PB, So Jos Do Sabugi/PB, So Jos Dos Cordeiros/PB, So Jos Dos Ramos/PB, So Mamede/PB, So Miguel De Taipu/PB, So Sebastio De Lagoa De Roa/PB, So Sebastio Do Umbuzeiro/PB, So Vicente Do Serid/PB, Sap/PB, Serra Branca/PB, Serra Da Raiz/PB, Serra Grande/PB, Serra Redonda/PB, Serraria/PB, Sertozinho/PB, Sobrado/PB, Solnea/PB, Soledade/PB, Sossgo/PB, Sousa/PB, Sum/PB, Tacima/PB, Tapero/PB, Tavares/PB, Teixeira/PB, Tenrio/PB, Triunfo/PB, Uirana/PB, Umbuzeiro/PB, Vrzea/PB, Vieirpolis/PB, Vista Serrana/PB e Zabel/PB.

    Salrios, Reajustes e Pagamento

    Piso Salarial

    CLUSULA TERCEIRA - DO SALRIO NORMATIVO

    A partir de 1 de julho de 2017, os salrios da categoria abrangida por esta Conveno Coletiva tero os seguintes salrios:

    Empilhador R$ 1.174,00 Manobrista R$ 1.236,00 Motorista Domstico R$ 1.236,00 Operador de Mquinas em Geral R$ 1.670,00 Motorista at 15 toneladas R$ 1.670,00 Motorista de Carreta R$ 1.942,00 Motorista de Bitrem R$ 2.127,00

    Pargrafo Primeiro Com os salrios normativos negociados, encerram-se definitivamente todas e quaisquer discusses, na esfera administrativa ou judicial, de possveis diferenas pretritas de salrios em favor dos profissionais motoristas e carreteiros, que por acaso possam vir a serem verificados;

    Pargrafo Segundo - Os Funcionrios que recebem acima do piso estabelecido nessa clusula, o percentual de aumento ser de 3% (trs por cento).

    Pargrafo Terceiro Os valores das diferenas apuradas retroativas a data base 1 de Julho de 2017,

  • decorrentes do reajuste salarial dos pisos e aplicados sobre os salrios de quem percebe acima do piso, podero ser pagos em at duas vezes nos meses seguintes ao registro da presente Conveno Coletiva de Trabalho no stio eletrnico do MEDIADOR do Ministrio do Trabalho e Emprego.

    Pargrafo Quarto As antecipaes de valores ttulo de adiantamento de reajuste realizada pelas empresas a seus empregados no perodo de 1 de julho a janeiro de 2018, podero ser compensadas com as diferenas dos reajustes concedidos por este instrumento normativo retroativas a 1 de julho de 2017.

    Reajustes/Correes Salariais

    CLUSULA QUARTA - REAJUSTE SALARIAL

    Os Funcionrios que recebem acima do piso estabelecido na clusula que estabeleceu o os salrios normativos, o percentual de aumento ser de 3% (trs por cento).

    Pargrafo Primeiro Os valores das diferenas apuradas retroativas a data base 1 de Julho de 2017, decorrentes do reajuste salarial dos pisos e aplicados sobre os salrios de quem percebe acima do piso, podero ser pagos em at duas vezes nos meses seguintes ao registro da presente Conveno Coletiva de Trabalho no stio eletrnico do MEDIADOR do Ministrio do Trabalho e Emprego.

    Pargrafo Segundo As antecipaes de valores ttulo de adiantamento de reajuste realizada pelas empresas a seus empregados no perodo de 1 de julho a janeiro de 2018, podero ser compensadas com as diferenas dos reajustes concedidos por este instrumento normativo retroativas a 1 de julho de 2017.

    Pagamento de Salrio Formas e Prazos

    CLUSULA QUINTA - COMPROVANTE DE PAGAMENTO

    As empresas fornecero mensalmente aos seus empregados, comprovante de pagamento de salrio em papel timbrado, indicando discriminadamente a natureza das diferentes importncias pagas e os descontos efetuados.

    Descontos Salariais

    CLUSULA SEXTA - DESCONTOS

    No ser permitido nenhum desconto do salrio do empregado, a ttulo de danos ou prejuzo empresa, inclusive sobre a classificao de peas quebradas, se no for comprovada a culpa ou dolo do empregado, em processo judicial ou percia realizado pelo rgo competente, ressalvada a hiptese de descumprimento pelo empregado s seguintes normas:

  • a) Obriga-se pela segurana do veculo sob sua guarda e inspeo dos componentes que impliquem em segurana como: calibragem e verificao dos pneus, freios, luz sinaleiras, limpadores e pra-brisas, nvel do leo, gua e combustvel;

    b) Zelar pela observncia das normas de trnsito, cabendo-lhe a responsabilidade de qualquer infrao cometida, providenciar no local de acidente a realizao de percia de rgo competente;

    c) Cabe-lhe tambm a responsabilidade pelo extravio de mercadorias, ferramentas e acessrios, que comprovadamente lhes forem confiados.

    Gratificaes, Adicionais, Auxlios e Outros

    Adicional de Hora-Extra

    CLUSULA STIMA - ADICIONAL DE HORA EXTRA

    As empresas podero prorrogar a jornada de trabalho e as horas extras trabalhadas e no compensadas, de acordo com 2 do art. 59 da C.L.T alterado pela MP 1.952, desde que pagas com adicional de 50% (cinquenta por cento).

    Pargrafo nico Quando no compensadas e, em caso de resciso, computar-se- a mdia aritmtica dos doze meses para integrar s verbas rescisrias, tais como 13 salrio, aviso prvio, frias vencidas ou proporcionais e quaisquer outras que por determinao legal devam ser includas.

    Adicional de Periculosidade

    CLUSULA OITAVA - DA PERICULOSIDADE

    Os motoristas e carreteiros abrangidos por esta Conveno Coletiva de Trabalho, que transportam produtos inflamveis tero direito a um percentual de 30% (trinta por cento), sobre o salrio, j reajustado a ttulo de periculosidade.

    Ajuda de Custo

    CLUSULA NONA - DIARIAS

    As Empresas fornecero em viagens aos seus trabalhadores abrangidos por esta Conveno as seguintes

  • dirias:

    Diria dentro da grande Joo Pessoa R$ 15,00 Diria sem pernoite R$ 25,00 Diria com pernoite R$ 60,00 Pargrafo Primeiro Os valores das dirias fixados acima no tem natureza salarial, nem se incorpora remunerao do beneficirio para qualquer efeito e, ter sua vigncia a partir do ms de janeiro de 2018; Pargrafo Segundo O valor pago a ttulo de diria no constitui base de incidncia de contribuio previdenciria, do fundo de garantia por tempo de servio e ou tributao de qualquer espcie; Pargrafo Terceiro Se a Empresa possuir refeitrio prprio e fornecer alimentao gratuita para os seus trabalhadores abrangidos por esta conveno, estes no tero direito a percepo de qualquer valor a ttulo de diria;

    Pargrafo Quarto No valor da diria com pernoite (para hospedagem) encontra-se contemplada a indenizao de todas as despesas de alimentao e hospedagem realizadas pelos trabalhadores abrangidos por esta conveno, inclusive o custeio de despesas com mesmo objeto que determinado pela Lei n 13.103, de 02/03/2015.

    Outros Auxlios

    CLUSULA DCIMA - DO UNIFORME DE TRABALHO

    Quando a empresa exigir dos seus motoristas o uso de uniforme padronizado, dever fornecer, gratuitamente, as peas necessrias compostas de 02 (duas) unidades.

    Jornada de Trabalho Durao, Distribuio, Controle, Faltas

    Compensao de Jornada

    CLUSULA DCIMA PRIMEIRA - COMPENSAO DE HORRIO ART. 7, XIII DA CF/88.

    Para os fins do art. 7, inciso XIII, da Constituio Federal, fica desde j reconhecida a plena validade os acordos individuais de prorrogao e compensao de horas de trabalho firmado entre empregados e empresas na vigncia do contrato de trabalho.

    CLUSULA DCIMA SEGUNDA - BANCO DE HORAS

    ADEQUAO DA JORNADA/COMPENSAO

  • Convencionam as partes que na observncia, fiel e rigorosa, do que disciplina o pargrafo segundo do artigo 59 da Consolidao das Leis do Trabalho e na consonncia do disposto pela Lei n. 13.467/2017, poder ser instituda pelas empresas, banco de horas anual, cujo instrumento constaro endereo e CNPJ/MF das Empresas estabelecida na base territorial do Sindicato Profissional, que adotarem a compensao das horas excedentes da jornada normal de trabalho, efetuadas por casa trabalhador, no exerccio das suas funes, desde que sejam estabelecidos os seguintes critrios e limites:

    a) A compensao, atravs da concesso de folgas dos trabalhadores, se dar considerando para cada hora em excesso, uma hora de folga;

    b) Adoo de mecanismo de controle de fiscalizao, que permita mensalmente o acompanhamento individual do trabalhador e do Sindicato Profissional;

    c) At 90 (noventa) dias para apurao das horas em excesso que forem trabalhadas no perodo, dando-se a compensao mediante concesso de folga, impreterivelmente, nos 30 (trinta) dias subsequentes;

    d) Na hiptese de impossibilidade das empresas cumprirem nos prazos acima estabelecidos a compensao atravs das folgas, obriga-se ao pagamento das horas trabalhadas, acrescidas do percentual constante nesta Conveno para as horas extraordinrias.

    Intervalos para Descanso

    CLUSULA DCIMA TERCEIRA - DO INTERVALO INTRAJORNADA: ART. 611- A III, DA CLT.

    Fica convencionado que as empresas podero adotar o intervalo mnimo de trinta minutos, mediante aditivo ao contrato individual de trabalho, o qual dever ser encaminhado cpia para cincia do Sindicato.

    Controle da Jornada

    CLUSULA DCIMA QUARTA - DO REGISTRO DE PONTO ART. 611 A, X DA CLT.

    Fica desde j convencionado que as empresas podero adotar a modalidade do registro de frequncia mais adequado ao seu funcionamento nos termos do art. 611 A, X da CLT.

    Outras disposies sobre jornada

  • CLUSULA DCIMA QUINTA - DA TROCA DE DIA FERIADA POR OUTRO DIA DE DESCANSO ART. 611 A, I, DA CLT.

    Fica facultado as empresas realizar a troca de prestao de servios do empregado em dia norma por dia feriado, fixando em aditivo ou acordo individual o valor da ajuda de custo por tal transao.

    Sade e Segurana do Trabalhador

    Outras Normas de Proteo ao Acidentado ou Doente

    CLUSULA DCIMA SEXTA - DO SEGURO DE VIDA

    Fica a empresa obrigada a fazer seguro de vida para todos os seus trabalhadores, beneficiados por esta conveno coletiva de trabalho, de acordo com a lei 12.619 de 30 de abril de 2012.

    Relaes Sindicais

    Acesso do Sindicato ao Local de Trabalho

    CLUSULA DCIMA STIMA - DOS DIRETORES E DELEGADOS SINDICAIS

    Fica assegurado o acesso dos dirigentes sindicais s empresas atingidas pela presente Conveno nos intervalos destinados alimentao e descanso, para desempenho de suas funes sindicais, junto categoria profissional de motorista e carreteiro, ficando expressamente vedada a divulgao de matria poltico partidria ou ofensiva.

    Liberao de Empregados para Atividades Sindicais

    CLUSULA DCIMA OITAVA - DO ABONO DE FALTAS DE DIRIGENTES SINDICAIS

    Sero abonadas as faltas dos dirigentes, quando no efetivo exerccio do seu mandato, sendo 01 (um) por empresa que o possua, para participarem de assembleias e reunies sindicais desde que avisada a empresa com antecedncia mnima de 48 (quarenta e oito) horas devidamente comprovada a sua participao.

    Contribuies Sindicais

    CLUSULA DCIMA NONA - DA MENSALIDADE SINDICAL

  • Fica a Empresa obrigada a descontar mensalmente valor na proporo de 1/30 (um trinta avos) do salrio de todos os trabalhadores associados ao sindicato profissional, at o 10 (dcimo) dia do ms subseqente ao desconto e recolhendo na C/C 036-003-846-0 na Caixa Econmica Federal, de acordo com o art. 545 da CLT.

    Pargrafo nico - Considerando que esta clusula tem como beneficirio exclusivo o sindicato representante dos trabalhadores, qualquer insurgncia ou demanda trabalhsta em face da mesma dever ter como polo passivo exclusivamente a entidade representante dos empregados, excluindo-se os sindicatos de empresrios de qualquer responsabilidade.

    CLUSULA VIGSIMA - DA TAXA NEGOCIAL:

    Os empregados autorizam as empresas realizar o desconto a ttulo de Taxa Negocial, valor na proporo de 1/30 (um trinta avos) sobre o salrio de todos os trabalhadores beneficiados por este instrumento normativo ao sindicato profissional, at o 10 (dcimo) dia do ms subseqente ao desconto e recolhendo na C/C 036-003-846-0 na Caixa Econmica Federal, de acordo com o art. 545 da CLT.

    Pargrafo Primeiro Os trabalhadores que no concordarem com o referido desconto devero fazer oposio ao mesmo no prazo de at 15 (quinze) dias seguintes ao registro da presente Conveno Coletiva de Trabalho no stio eletrnico do MEDIADOR do Ministrio do Trabalho e Emprego, mediante comunicao expressa entregue ao sindicato com cpia entregue na empresa.

    Pargrafo Segundo - Considerando que esta clusula tem como beneficirio exclusivo o sindicato representante dos trabalhadores, qualquer insurgncia ou demanda trabalhsta em face da mesma dever ter como polo passivo exclusivamente a entidade representante dos empregados, excluindo-se os sindicatos de empresrios de qualquer responsabilidade.

    Direito de Oposio ao Desconto de Contribuies Sindicais

    CLUSULA VIGSIMA PRIMEIRA - DIREITO DE OPOSIO

    Os trabalhadores que no concordarem com o desconto institudo pela clusula 18 devero fazer oposio ao mesmo no prazo de at 15 (quinze) dias seguintes ao registro da presente Conveno Coletiva de Trabalho no stio eletrnico do MEDIADOR do Ministrio do Trabalho e Emprego, mediante comunicao expressa entregue ao sindicato com cpia entregue na empresa.

    Disposies Gerais

    Mecanismos de Soluo de Conflitos

    CLUSULA VIGSIMA SEGUNDA - COMISSO DE CONCILIAO PRVIA

  • Ficam mantidas as CCPs Comisses Intersindicais de Conciliao Prvia prevista do artigo 625-A da Consolidao das Leis do Trabalho CLT, conforme a redao dada pela Lei n.9.958, de 12/01/2000, composta de representantes Titulares e Suplentes, indicados pelos Sindicatos dos empregadores supramencionados e representantes dos trabalhadores, com o objetivo de tentar a conciliao de conflitos individuais de trabalho envolvendo integrantes da categoria profissional representada pelo SINDICATO DOS MOTORISTAS E TRABALHADORES EM TRANSPORTES RODOVIRIOS DE PASSAGEIROS E CARGAS DO ESTADO DA PARABA e os integrantes da categoria econmica representada pela FEDERAO DO COMRCIO DO ESTADO DA PARABA, SINDICATO DO COMRCIO VAREJISTA DE GNEROS ALIMENTCIOS DE JOO PESSOA, , SINDICATO DOS LOJISTAS DO COMRCIO DE JOO PESSOA, SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVICOS DE INFORMATICA DO ESTADO DA PARAIBA.

    Pargrafo Primeiro - Todas as demandas de natureza trabalhista na jurisdio das Varas do Trabalho da Comarca de Joo Pessoa - PB, e dos Sindicatos mencionados neste artigo, sero submetidas previamente s CCPs, conforme determina o artigo 625-D CLT;

    Pargrafo Segundo As CCPs funcionaro na sede do NINTER - NCLEO INTERSINDICAL DE CONCILIAO TRABALHISTA, que fornecer toda a estrutura administrativa e assessoria jurdica s CCPs, sendo sua sede instalada na Av Dom Pedro I, 414 - Centro, Joo Pessoa - PB, tendo base territorial idntica jurisdio das Varas do Trabalho da Comarca de Joo Pessoa;

    Pargrafo Terceiro - A demanda ser formulada por escrito ou reduzida a termo pela Secretaria do NINTER ou por qualquer membro da CCP's, que designar na mesma oportunidade, dia e hora da sesso de tentativa de

  • conciliao, entregando recibo ao demandante. A sesso de tentativa de conciliao realizar-se- no prazo mximo de dez dias a contar do ingresso de demanda;

    Pargrafo Quarto - Para custeio e manuteno das despesas administrativas do NINTER e das CCPs, ser cobrada uma taxa exclusivamente da empresa na condio de demandada ou demandante no valor de R$ 230,00 (duzentos e trinta reais). O NINTER notificar a empresa demandada pelo meio de notificao postal com AR, ou pessoal mediante recibo, em no mnimo cinco dias de antecedncia realizao da audincia de tentativa de conciliao, devendo constar nos autos, cpia desta notificao. Da notificao constar, necessariamente, o nome do demandante, o local, a data e a hora da sesso de conciliao, bem como a comunicao de que o demandado dever comparecer pessoalmente ou ser representado por preposto com poderes especficos para transigir e firmar o termo de conciliao;

    Pargrafo Quinto - No sendo possvel realizar a audincia de conciliao nos dez dias seguintes formulao da demanda ou no tendo a empresa demandada sido notificada da sesso com cinco dias de antecedncia, a secretaria do NINTER fornecer as partes declarao da impossibilidade de conciliao, com descrio do objeto da demanda. Caso a empresa no comparea sesso de Conciliao, o conciliador patronal ou laboral, da CCP, presente na ocasio, firmar declarao acerca do fato, com descrio do objeto da demanda, bem como sobre a impossibilidade da conciliao, entregando cpia ao interessado, em seguida ser expedido empresa, boleto de cobrana no valor convencionado nos termos do

  • Pargrafo Quarto desta Clusula, correspondente ao ressarcimento das despesas efetuadas pelo NINTER n a tentativa de conciliao. Em caso de no comparecimento do Demandante o procedimento da demanda ser arquivado sem a expedio da declarao de frustrao, podendo o Demandante renovar a demanda com o mesmo objetivo. Aberta a sesso de conciliao, os conciliadores esclarecero as partes presentes sobre as vantagens da conciliao e usaro os meios adequados de persuaso para a soluo conciliatria da demanda. No prosperando a conciliao, ser fornecida ao trabalhador e ao empregador, ou seu representante, declarao da tentativa conciliatria frustrada com descrio de seu objeto, firmada pelos membros da CCP, que dever ser juntada eventual reclamao trabalhista. Aceita a conciliao, ser lavrado termo assinado pelo trabalhador, pelo empregador ou seu preposto e pelos membros da CCP presentes sesso, fornecendo-se uma via para cada parte interessada;

    Pargrafo Sexto - O termo de conciliao ttulo executivo extrajudicial e tem eficcia liberatria geral, exceto quanto as parcelas expressamente ressalvadas, de acordo com o pargrafo nico do artigo 625-E, da CLT, com redao dada pela Lei n . 9.958, de 12/01/2000.

    Pargrafo Stimo Os representantes das categorias convenentes que integram as Comisses de Conciliao, devero ser membros da Diretoria das Entidades Sindicais, ou pessoas por estas contratada;

    Pargrafo Oitavo - Caber ao NINTER proporcionar as CCPs todos os meios necessrios consecuo de seu fim, como local adequado, equipamentos e pessoal para secretaria e assessoria jurdica.

  • Descumprimento do Instrumento Coletivo

    CLUSULA VIGSIMA TERCEIRA - DA MULTA POR DESCUMPRIMENTO

    Impe-se multa s empresas por descumprimento das obrigaes de fazer, no valor equivalente a 10% (dez por cento) do salrio bsico, em favor do empregado prejudicado.

    Outras Disposies

    CLUSULA VIGSIMA QUARTA - DA QUITAO ANUAL NOS TERMOS DO ART. 507- B DA CLT.

    Os empregados e as empresas na vigncia ou no do contrato de emprego, podero firmar termo de quitao anual de obrigaes trabalhistas, devendo o mesmo ser redigido e assinado na sede do sindicato, o qual dever contemplar discriminadamente todas as obrigaes de dar, fazer e pagar cumpridas mensalmente e dele constar expressa a quitao dada pelo empregado, com eficcia liberatria das parcelas e ttulos nen especificadas.

    ANTONIO DE PADUA DANTAS DINIZ Presidente

    SINDICATO DOS MOTORISTAS E TRABALHADORES EM TRANS. ROD. DE PASSAG. E CARGAS NO EST. DA PARAIBA

    JOSE MARCONI MEDEIROS DE SOUZA Presidente

    FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS E TURISMO DO ESTADO DA PARAIBA

    JAILTON ELOY MENDES Presidente

    SIND DO COM VAREJISTA DE GENEROS ALIM DE JOAO PESSOA

    JOSE MARCONI MEDEIROS DE SOUZA Presidente

    SINDICATO DOS LOJISTA DO COMERCIO DE JOAO PESSOA

  • ANEXOS ANEXO I - ATA

    Anexo (PDF)

    A autenticidade deste documento poder ser confirmada na pgina do Ministrio do Trabalho e Emprego na Internet, no endereo http://www.mte.gov.br.