nr33 segurança do trabalho

Click here to load reader

Post on 02-Aug-2015

58 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE 102242-A0 - HIGIENE E SEGURANCA DO TRABALHO JOSE AUGUSTO MACHADO

SEGURANA EM ABIENTES CONFINADOS

ALUNOS: FAGNER FREITAS HELDER PRADO ERICK CERQUEIRA WANDEBERG ARANHA VANESSA FORTES

Aracaju Se 25/09/2012

Sumrio Introduo Objetivo Discusso Consideraes finais

1. Introduo

1.1 Ambiente Confinados Ambiente confinado aquele espao onde no prprio para ocupao contnua do ser humano, que possua alguma limitao na entrada e sada desse local, que tenha deficincia ou enriquecimento de oxignio (menos de 20,9% ou mais de 23% em volume de gs oxignio) e que haja algum limitante de ventilao para remoo de contaminantes do ar. Os acidentes em espaos confinados so distribudos nas seguintes categorias: Incndios, Exploses e acidentes envolvendo produtos perigosos. Estima-se que os acidentes com bitos ocorridos em espaos confinados s seja superado pelos acidentes com queda na construo civil. Os acidentes ocorridos em espaos confinados normalmente no ocorrem apenas por um fator, mas por um encadeamento deste, sendo o despreparo e a falta de informao os principais fatores que causam acidentes. Para diminuir acidentes as normas so utilizadas com a finalidade de antecipar, avaliar os riscos e a definio das medidas preventivas. A integridade fsica e psicolgica dos trabalhadores de suma importncia, pois os trabalhadores colocam em risco as suas prprias vidas e a de demais trabalhadores. Soldagem submarina, tanques de armazenamento, silos, dutos de ventilao, torres, pores de navios, tubulaes, minas subterrneas, frigorficos, entre outros, so exemplos de ambientes de trabalho confinados. Um trabalhador que tem que soldar uma pea dentro de uma tubulao se caracteriza como um trabalho em um ambiente confinado. 1.2 NR 33 Esta norma tem como objetivos estabelecer os requisitos mnimos para identificao de espaos confinados e o reconhecimento, avaliao, monitoramento e controle dos riscos existentes de forma a garantir a sade permanentemente a segurana e sade dos trabalhadores que interagem diretamente ou indiretamente nestes espaos Segue as responsabilidades cabveis ao empregador a) indicar formalmente o responsvel tcnico pelo cumprimento desta norma; b) identificar os espaos confinados existentes no estabelecimento;

c) identificar os riscos especficos de cada espao confinado; d) implementar a gesto em segurana e sade no trabalho em espaos confinados, por medidas tcnicas de preveno, administrativas, pessoais e de emergncia e salvamento, de forma a garantir permanentemente ambientes com condies adequadas de trabalho; e) garantir a capacitao continuada dos trabalhadores sobre os riscos, as medidas de controle, de emergncia e salvamento em espaos confinados; f) garantir que o acesso ao espao confinado somente ocorra aps a emisso, por escrito, da Permisso de Entrada e Trabalho, conforme modelo constante no anexo II desta NR; g) fornecer s empresas contratadas informaes sobre os riscos nas reas onde desenvolvero suas atividades e exigir a capacitao de seus trabalhadores; h) acompanhar a implementao das medidas de segurana e sade dos trabalhadores das empresas contratadas provendo os meios e condies para que eles possam atuar em conformidade com esta NR; i) interromper todo e qualquer tipo de trabalho em caso de suspeio de condio de risco grave e iminente, procedendo ao imediato abandono do local; j) garantir informaes atualizadas sobre os riscos e medidas de controle antes de cada acesso aos espaos confinados. E aos trabalhadores a) colaborar com a empresa no cumprimento desta NR; b) utilizar adequadamente os meios e equipamentos fornecidos pela empresa; c) comunicar ao Vigia e ao Supervisor de Entrada as situaes de risco para sua segurana e sade ou de terceiros, que sejam do seu conhecimento; e d) cumprir os procedimentos e orientaes recebidos nos treinamentos com relao aos espaos confinados.

Existem medidas tcnicas que visam prevenir possveis riscos fsicos, qumicos biolgicos ergonmicos e mecnicos em ambientes confinados, so eles de acordo com a norma: a) identificar, isolar e sinalizar os espaos confinados para evitar a entrada de pessoas no autorizadas; b) antecipar e reconhecer os riscos nos espaos confinados; c) proceder avaliao e controle dos riscos fsicos, qumicos, biolgicos, ergonmicos e mecnicos; d) prever a implantao de travas, bloqueios, alvio, lacre e etiquetagem; e) implementar medidas necessrias para eliminao ou controle dos riscos atmosfricos em espaos confinados; f) avaliar a atmosfera nos espaos confinados, antes da entrada de trabalhadores, para verificar se o seu interior seguro; g) manter condies atmosfricas aceitveis na entrada e durante toda a realizao dos trabalhos, monitorando, ventilando, purgando, lavando ou inertizando o espao confinado; h) monitorar continuamente a atmosfera nos espaos confinados nas reas onde os trabalhadores autorizados estiverem desempenhando as suas tarefas, para verificar se as condies de acesso e permanncia so seguras; i) proibir a ventilao com oxignio puro; j) testar os equipamentos de medio antes de cada utilizao; k) utilizar equipamento de leitura direta, intrinsecamente seguro, provido de alarme, calibrado e protegido contra emisses eletromagnticas ou interferncias de radiofrequncia.

Para um trabalhador entrar em um ambiente confinado ele precisa receber uma autorizao de um supervisor de entrada com o auxilio do documento de permisso de

entrada e trabalho PET. O supervisor de entrada deve desempenhar as seguintes funes. a) emitir a Permisso de Entrada e Trabalho antes do incio das atividades; b) executar os testes, conferir os equipamentos e os procedimentos contidos na Permisso de Entrada e Trabalho; c) assegurar que os servios de emergncia e salvamento estejam disponveis e que os meios para acion-los estejam operantes; d) cancelar os procedimentos de entrada e trabalho quando necessrio; e e) encerrar a Permisso de Entrada e Trabalho aps o trmino dos servios.

O empregado tem que est capacitado para trabalhar em espaos confinados com treinamentos de preparao e manuteno para que ele no tenha riscos na sua sade fsica e psicolgica. Existem alguns limitantes para o indivduo trabalhar em ambientes enclausurados, dentre eles a obesidade, deficincias fsicas e mentais, distrbios psicolgicos e, alm disso, o trabalhador deve ter suficiente grau de instruo que o permita compreender o treinamento ministrado para o trabalho. Trabalhador analfabeto ou de baixa escolaridade representam risco potencial de acidente. E no raros so aqueles que se submetem a esse tipo de trabalho. 2. Objetivos Estudo da NR33 Acidentes de trabalho em ambientes confinados, casos reais

3. Discusso 3.1 NR 33 Como dito anteriormente a NR-33 trata da segurana do trabalho em espaos confinados. Para introduzir a norma na prtica necessrio classificar as atividades de

trabalho, onde preparado uma lista abrangendo propriedades, instalaes, pessoal e procedimentos e obter informaes sobre eles. A partir da, deve-se identificar todos os perigos significativos a cada atividade de trabalho, levando em considerao os danos que possam ocorrer. Assim, determinar o risco, fazendo estimativas dos riscos associados a cada perigo assumindo os controles existentes e preparar planos de ao para tratar quais quer questes que requeiram ateno. Por fim, analisar a adequao do plano reavaliando os riscos em funo da reviso dos controles. [1] Os espaos confinados devem ter acesso controlado, entrada coordenada com informao de todos os empregados sistema de cancelamento de permisses, superviso das atividades dos trabalhadores dentre esses espaos e atmosfera monitorada para se verificar as condies de acesso e permanncia. [2] A eliminao dos perigos ou evitar a existncia dos mesmos, obviamente impede a ocorrncia de acidentes. A empresa deve responder ao fluxograma abaixo antes de qualquer entrada em um espao confinado, mesmo com os riscos j identificados e sempre focando na atividade a ser desenvolvida no local.

FIGURA 1 Fluxograma de aes para emisso de permisso para trabalho de risco e entrada em espao confinado.[3] A deficincia de oxignio um fator importante e que deve ser avaliado, pois pode causar asfixia e nveis baixos e que tambm podem ser prejudiciais em nveis altos e

pode se desenvolver durante o trabalho, podendo ser facilmente evitado com ventilao no local.Deve-se evitar o uso de ar comprimido, pois pode conter certa contaminao de leo devido aos equipamentos usados, podendo acarretar em fogo ou exploso. Os efeitos para os diferentes nveis de oxignio esto listados na figura 2 logo abaixo.

FIGURA 2 Tabela da deficincia de Oxignio [3] O risco de choque eltrico tambm existe em espaos confinados, podendo ser facilmente evitados por controle da umidade e pela no exposio dos fios. No caso de risco de soterramento, devem existir corda salva vidas e equipamentos de iamento no local para um resgate rpido, pois o ambiente pode estar contaminado. Quedas de objetos so perigosas em espaos confinados devido rea restrita, para isso deve haver o mnimo possvel de ferramentas e equipamentos no local. Os riscos qumicos compreendem desde gases e vapores txicos a poeiras, fumaas, etc. A quantidade desses agentes devem ter suas concentraes medidas para a tomada de providncias de controle. A queda do trabalhador um risco presente na maioria dos espaos confinados por no serem locais destinados a ocupao contnua e por terem acesso limitado. Para isso, torna-se importantes a utilizao de equipamentos de proteo coletiva e/ou individual.

3.2 Acidentes de trabalhos

Em 1967, ocorreu o acidente com a nave Apollo 1, que foi a primeira misso do programa Apollo. Os trs astronautas se preparavam para uma simulao de vo verdadeiro, onde iam orbitar o planeta Terra por 14 dias. Comeou um incndio na nave, as portas se segurana no abriram e os trs tripulantes morreram. [4] Como resultado desse acidente, toda programao do