nr 17 anexo ii ta comentado - 2012

Download NR 17 Anexo II TA Comentado - 2012

Post on 26-Nov-2015

132 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Cmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242

    osny@mundoergonomia.com.br

    ABAIXO, ITENS DA NORMA NR 17 E SEU ANEXO II

    COMENTADOS PELA CMQV E MUNDO ERGONOMIA. MINISTRIO DO TRABALHO E EMPREGO

    SECRETARIA DE INSPEO DO TRABALHO

    PORTARIA N. 09, DE 30 DE MARO DE 2007

    (DOU de 02/04/07)

    Aprova o Anexo II da NR-17 Trabalho em Teleatendimento/Telemarketing. A SECRETRIA DE INSPEO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE

    SEGURANA E SADE NO TRABALHO, no uso de suas atribuies legais, tendo em vista o disposto

    no artigo 200 da Consolidao das Leis do Trabalho e no artigo 2 da Portaria n. 3.214, de 08 de junho de

    1978 e

    Considerando a proposta de regulamentao apresentada pelo Grupo de Trabalho Tripartite do

    Anexo II da NR-17, aprovada pela Comisso Tripartite Paritria Permanente CTPP, de acordo com o disposto na Portaria n. 1.127, de 02 de outubro de 2003, RESOLVEM:

    Art. 1 Aprovar o Anexo II da Norma Regulamentadora n. 17 Trabalho em Teleatendimento/Telemarketing, nos termos do Anexo I desta Portaria.

    Art. 2 Os prazos estabelecidos nesta Portaria no implicam a dispensa da obrigao de cumprir as

    demais normas regulamentadoras de segurana e sade no trabalho.

    Art. 3 O disposto no anexo da Norma Regulamentadora obriga todos os empregadores, inclusive os

    constitudos sob a forma de microempresa ou empresa de pequeno porte.

    Art. 4 Esta Portaria entra em vigor da data de sua publicao.

    RUTH BEATRIZ VASCONCELOS VILELA

    Secretria de Inspeo do Trabalho

    RINALDO MARINHO COSTA LIMA

    Diretor do Departamento de Segurana e Sade no Trabalho COMENTRIO: Portanto LEI Federal, pois as Normas, NR, so

    LEIS!

    Referida Portaria disps que os prazos estabelecidos no implicam a dispensa da obrigao de cumprir as demais normas

    regulamentadoras de segurana e sade no trabalho, e ainda que o disposto no anexo da Norma Regulamentadora obriga todos os

    empregadores, inclusive os constitudos sob a forma de

    microempresa ou empresa de pequeno porte.

    No Anexo, constam os seguintes tpicos: a) disposies gerais sobre o trabalho em teleatendimento e

    telemarketing; b) mobilirio do posto de trabalho;

    c) equipamentos dos postos de trabalho; d) condies ambientais de trabalho;

    e) organizao do trabalho; f) capacitao dos trabalhadores;

    g) condies sanitrias de conforto; h) programas de sade ocupacional e de preveno de riscos

    ambientais; i) pessoas com deficincia;

    j) disposies transitrias.

  • Cmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242

    osny@mundoergonomia.com.br

    ANEXO (A Lei)

    TRABALHO EM TELEATENDIMENTO/TELEMARKETING

    1. O presente Anexo estabelece parmetros mnimos para o trabalho em atividades de teleatendimento/telemarketing nas diversas

    modalidades desse servio, de modo a proporcionar um mximo de conforto, segurana, sade e desempenho eficiente.

    1.1. As disposies deste Anexo aplicam-se a todas as empresas que mantm servio de teleatendimento/telemarketing nas modalidades

    ativo ou receptivo em centrais de atendimento telefnico e/ou centrais de relacionamento com clientes (call centers), para prestao

    de servios, informaes e comercializao de produtos.

    1.1.1. Entende-se como call center o ambiente de trabalho no qual a principal atividade conduzida via telefone e/ou rdio com utilizao

    simultnea de terminais de computador. 1.1.1.1. Este Anexo aplica-se, inclusive, a setores de empresas e

    postos de trabalho dedicados a esta atividade, alm daquelas empresas especificamente voltadas para essa atividade-fim.

    1.1.2. Entende-se como trabalho de teleatendimento/telemarketing aquele cuja comunicao com interlocutores clientes e usurios

    realizada distncia por intermdio da voz e/ou mensagens eletrnicas, com a utilizao simultnea de equipamentos de

    audio/escuta e fala telefnica e sistemas informatizados ou manuais de processamento de dados.

    2. MOBILIRIO DO POSTO DE TRABALHO 2.1. Para trabalho manual sentado ou que tenha de ser feito em p

    deve ser proporcionado ao trabalhador mobilirio que atenda aos

    itens 17.3.2, 17.3.3 e 17.3.4 e alneas, da Norma Regulamentadora n 17 (NR 17) e que permita variaes posturais, com ajustes de fcil

    acionamento, de modo a prover espao suficiente para seu conforto, atendendo, no mnimo, aos seguintes parmetros:

    COMENTRIO: Os itens 17.3.2, 17.3.3 e 17.3.4 so itens gerais e

    importantes.

    a) o monitor de vdeo e o teclado devem estar apoiados em superfcies com mecanismos de regulagem independentes;

    COMENTRIO: Aqui o legislador foi preciso: Um pedao da mesa ou

    bancada suportar o monitor de vdeo e outro o teclado e, ambos, com regulagem de altura.

  • Cmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242

    osny@mundoergonomia.com.br

    Os monitores de vdeo se forem CRT, de vidro ou LCD de cristal

    lquido, podem, eles mesmos, possurem dispositivo de regulagem de suas alturas, normalmente, permitindo que esses dispositivos, alguns

    mais pesados e extravagantes outros mais leves e engenhosos possam trabalhar sobre a superfcie de trabalho. Nestes casos, no

    h necessidade da mesa de trabalho ter tambm uma regulagem de altura para o monitor: Basta apenas para o teclado. Outra soluo

    engenhosa e econmica, apenas para monitores LCD, suport-los por suportes presos (aparafusados) no fundo do biombo das baias

    das TAS s, proporcionando tambm a eliminao da exigncia de mesa com regulagem de altura para o monitor e, ainda, uma boa e

    larga superfcie de trabalho, pois o monitor ficar suspenso.

    J o teclado dever ser apoiado sobre superfcie de trabalho com

    regulagem de altura com acionamento manual ou eltrico.

    Estes acionamentos devem ser fceis de ser acionados pelo operador, de fcil e pequeno esforo se for manual, com a manivela ou

    manivelas situadas em posio de conforto a fim de no comprometer sua coluna e, ainda, estas manivelas no devem

    interferir nas pernas e ou joelhos dos operadores mesmo os mais

    fortes e mais altos.

    b) ser aceita superfcie regulvel nica para teclado e monitor

    quando este for dotado de regulagem independente de, no mnimo, 26 (vinte e seis) centmetros no plano vertical;

    COMENTRIO: Desde que o importante se ter uma superfcie do

    teclado mvel e idem o monitor, uma superfcie nica pode ser aceita desde que o monitor possa ter uma regulagem de altura, ele mesmo,

    independentemente da regulagem da superfcie nica da mesa. Este

    deve ter uma regulagem, isto , um curso vertical de 26 cm.

  • Cmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242

    osny@mundoergonomia.com.br

  • Cmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242

    osny@mundoergonomia.com.br

    As fotos mostra alguns dos modelos oferecidos pela Mundo

    Ergonomia com vrios cursos.

    Atentar para o curso mnimo de 26 cm na vertical para a regulagem de altura. Note que o legislador poderia estar pensando no curso

    TOTAL de 26 cm do dispositivo de regulagem do monitor mais o curso

    da mesa suporte de altura regulvel, mas acreditamos que a primeira interpretao a correta.

    Anotar que ao usar uma mesa de altura regulvel com dois tampos, o

    curso da mesa posterior se soma com o curso do dispositivo de regulagem do monitor, facilitando a escolha do dispositivo, que pode

    ser mais econmico por ter uma regulagem menor do que 26 cm, mas somado com o curso da mesa, atinge o curso pedido pelo

    legislador.

    c) a bancada sem material de consulta deve ter, no mnimo, profundidade de 75 (setenta e cinco) centmetros medidos a partir de

    sua borda frontal e largura de 90 (noventa) centmetros que proporcionem zonas de alcance manual de, no mximo, 65 (sessenta

    e cinco) centmetros de raio em cada lado, medidas centradas nos ombros do operador em posio de trabalho;

    COMENTRIO: Bancada sem material de consulta significa que o usurio precisa de menor espao no seu posto de trabalho, pois no

    ter nada a anotar, a consultar como tabelas ou manual. Apenas suas mos no teclado e o fone de ouvido e microfone. Neste caso, as

    medidas so menores.

  • Cmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida CMQV www.cmqv.org Tel. 011 5055 4931 12 3941 7242

    osny@mundoergonomia.com.br

    Observe que o tampo inferior, mostrado na foto acima, entra por baixo do tampo superior, o que proporciona conforto extra sem perder espao. Os modelos oferecidos pela Mundo Ergonomia, alem do Laudo, atendem varias possibilidades, inclusive esta possibilidade de aumentar o tampo anterior. Tudo possvel.

    d) a bancada com material de consulta deve ter, no mnimo,

    profundidade de 90 (noventa) centmetros a partir de sua borda frontal e largura de 100 (cem) centmetros que proporcionem zonas

    de alcance manual de, no mximo, 65 (sessenta e cinco) centmetros de raio em cada lado, medidas centradas nos ombros do operador em

    posio de trabalho, para livre utilizao e acesso de documentos;

    COMENTRIO: Aqui o problema se apresenta de duas maneiras distintas. De um lado, deve-se ter um local de trabalho, uma

    superfcie de trabalho no caso presente, grande o suficiente para se

    ter ordem e limpeza. Por outro lado, superfcies de trabalho muito distantes do usurio, trazem esforo esttico muito grande, pelo fato

    dos braos, antebraos, estarem, com certa freqncia,