nr 10 - pdca

Download NR 10 - pdca

If you can't read please download the document

Post on 07-Jun-2015

3.351 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Norma comentada ... quem kiser pode contribuir e manda o arquivo atualizado para disponibilizar ...

TRANSCRIPT

norma regulamentadora n 10 segurana em instalaes e servios em eletricidade 10.1- objetivo e campo de aplicao orientaes objetivas quanto s especificidades e genricas quanto as finalidades e aplicabilidade, resumindo e condicionando as disposies regulamentais. 10.1.1 esta norma regulamentadora nr estabelece os requisitos e condies mnimas objetivando a implementao de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurana e a sade dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalaes eltricas e servios com eletricidade. 10.1.2 esta nr se aplica s fases de gerao, transmisso, distribuio e consumo, incluindo as etapas de projeto, construo, montagem, operao, manuteno das instalaes eltricas e quaisquer trabalhos realizados nas suas proximidades, observando-se as normas tcnicas oficiais estabelecidas pelos rgos competentes e, na ausncia ou omisso destas, as normas internacionais cabveis. necessidade de obedincia a normas tcnicas o que a torna parte integrante da legislao, logo de aplicao obrigatria. no trata de periculosidade nem estabelecem adicionais de pagamento para tanto existe legislao especfica. a norma prescreve unicamente a preveno de acidentes e no sua recuperao e ou compensao. o conceito do trabalho em proximidade (trabalho durante o qual o trabalhador pode entrar na zona de controlada, ainda que seja com parte de seu corpo ou com extenses condutoras representadas por materiais, ferramentas ou equipamentos que manipule) atinge os trabalhadores circunvizinhos sujeitos a influncia das instalaes ou execuo de servios eltricos que lhes so prximos.

10.2 - medidas de controle representam o coletivo das aes estratgicas de preveno destinadas a eliminar ou reduzir, mantendo sob controle as incertezas e eventos indesejveis com capacidade potencial para causar leses ou danos a sade dos trabalhadores e, dessa forma, transpor as dificuldades possveis na obteno de um resultado esperado, dentro de condies satisfatrias. 10.2.1 em todas as intervenes em instalaes eltricas devem ser adotadas medidas preventivas de controle do risco eltrico e de outros riscos adicionais, mediante tcnicas de anlise de risco, de forma a garantir a segurana e a sade no trabalho. a utilizao de ferramentas de anlise de risco passa a ser um procedimento obrigatrio e devem existir evidncias objetivas de sua elaborao. (evidncias objetivas = reunies, envolvimento de pessoas relacionadas ao trabalho e o registro final do trabalho em uma planilha ou formulrio equivalente). observe-se que a norma no estabelece qual ferramenta de anlise deve ser usada mas, a utilizada, deve identificar os riscos potenciais de acidentes fsicos e materiais, bem como identificar e corrigir problemas operacionais implementando uma maneira correta para execuo de cada etapa do trabalho. deve ser uma ferramenta de exame critico da atividade ou situao com fim de identificao e antecipao dos eventos indesejveis e acidentes passveis de ocorrncia, possibilitando a adoo de medidas preventivas para os trabalhadores, terceiros e do meio ambiente. 10.2.2 as medidas de controle adotadas devem integrar-se s demais iniciativas da empresa, no mbito da preservao da segurana, da sade e do meio ambiente do trabalho. o termo grifado implica imposio. gera o entendimento de que as iniciativas implementadas de preservao e segurana devem ser complementadas com as medidas de controle de risco eltrico adotas. isso impe forte caracterstica gerencial ao processo. 10.2.3 as empresas esto obrigadas a manter esquemas unifilares atualizados das instalaes eltricas dos seus estabelecimentos com as especificaes do sistema de aterramento e demais equipamentos e dispositivos de proteo. as especificaes documentadas asseguram que os elementos de proteo no sejam substitudos por outros aleatoriamente, no compatveis com os demais elementos das instalaes. 10.2.4 os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kw devem constituir e manter o pronturio de instalaes eltricas, contendo, alm do disposto no subitem 10.2.3, no mnimo: a documentao eltrica , habitualmente, uma incgnita nos estabelecimentos, sendo suas especificaes, caractersticas e limitaes raramente conhecidos pelo trabalhador ou usurio. doravante todas as informaes devem ser organizadas sob a forma de um pronturio mantido pelo empregador ou por pessoa formalmente designada pela empresa e permanecendo a disposio de todos os envolvidos com instalaes e servios com eletricidade.

se pretende a criao de uma memria dinmica das instalaes eltricas, dos procedimentos de trabalho, dos sistemas de medidas de proteo, das realizaes de treinamentos, capacitaes, contrataes, certificaes, testes de rigidez dieltrica etc. da surge a oportunidade de gesto responsvel e avaliaes a qualquer tempo que, com a documentao atualizada, facilitar estudos e pesquisas aos trabalhadores e demais interessados com a promoo de auditorias fiscalizadoras e aes de segurana. a) conjunto de procedimentos e instrues tcnicas e administrativas de segurana e sade, implantadas e relacionadas a esta nr e descrio das medidas de controle existentes; b) documentao das inspees e medies do sistema de proteo contra descargas atmosfricas e aterramentos eltricos; c) especificao dos equipamentos de proteo coletiva e individual e o ferramental, aplicveis conforme determina esta nr; d) documentao comprobatria da qualificao, habilitao, capacitao, autorizao dos trabalhadores e dos treinamentos realizados; e) resultados dos testes de isolao eltrica realizados em equipamentos de proteo individual e coletiva; f) certificaes dos equipamentos e materiais eltricos em reas classificadas; e g) relatrio tcnico das inspees atualizadas com recomendaes, cronogramas de adequaes, contemplando as alneas de a a f. 10.2.5 as empresas que operam em instalaes ou equipamentos integrantes do sistema eltrico de potncia devem constituir pronturio com o contedo do item 10.2.4 e acrescentar ao pronturio os documentos a seguir listados: a)descrio dos procedimentos para emergncias; b) certificaes dos equipamentos de proteo coletiva e individual; sistema eltrico de potncia conjunto de instalaes e equipamentos destinados a gerao, transmisso e distribuio de energia eltrica at medio inclusive. 10.2.5.1 as empresas que realizam trabalhos em proximidade do sistema eltrico de potncia devem constituir pronturio contemplando as alneas a, c, d e e, do item 10.2.4 e alneas a e b do item 10.2.5. 10.2.6 o pronturio de instalaes eltricas deve ser organizado e mantido atualizado pelo empregador ou pessoa formalmente designada pela empresa, devendo permanecer disposio dos trabalhadores envolvidos nas instalaes e servios em eletricidade. 10.2.7 os documentos tcnicos previstos no pronturio de instalaes eltricas devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado. 10.2.8 - medidas de proteo coletiva 10.2.8.1 em todos os servios executados em instalaes

eltricas devem ser previstas e adotadas, prioritariamente, medidas de proteo coletiva aplicveis, mediante procedimentos, s atividades a serem desenvolvidas, de forma a garantir a segurana e a sade dos trabalhadores. a desenergizao dos circuitos pressupe manter os circuitos sem energia durante a execuo dos servios. 10.2.8.2 as medidas de proteo coletiva compreendem, prioritariamente, a desenergizao eltrica conforme estabelece esta nr e, na sua impossibilidade, o emprego de tenso de segurana. tenso de segurana aquela denominada de extra-baixa tenso (menor que 50 v em ca) utilizada prioritariamente em ambientes externos, molhados, sujeitos a ficarem inundados .... utilizadas nos pontos onde outras medidas de controle sejam insuficientes para garantir a segurana ou por restries tcnicas. a tenso de segurana utilizada para garantir a segurana dos usurios de instalaes e equipamentos eltricos instalados nos referidos ambientes. as demais medidas de proteo referem-se as alternativas para impedir o contato com as partes vivas das instalaes e equipamentos eltricos instalados nos referidos ambientes. 10.2.8.2.1 na impossibilidade de implementao do estabelecido no subitem 10.2.8.2., devem ser utilizadas outras medidas de proteo coletiva, tais como: isolao das partes vivas, obstculos, barreiras, sinalizao, sistema de seccionamento automtico de alimentao, bloqueio do religamento automtico. 10.2.8.3 o aterramento das instalaes eltricas deve ser executado conforme regulamentao estabelecida pelos rgos competentes e, na ausncia desta, deve atender s normas internacionais vigentes. o aterramento continua sendo a principal proteo coletiva contra contatos acidentais. a empresa realizar inspeo peridica do sistema de aterramento buscando confirmar a sua eficcia por intermdio da verificao de sua integridade fsica (continuidade do sistema) e qualidade (resistncias de aterramento); (laudo)

10.2.9 - medidas de proteo individual 10.2.9.1 nos trabalhos em instalaes eltricas, quando as medidas de proteo coletiva forem tecnicamente inviveis ou insuficientes para controlar os riscos, devem ser adotados equipamentos de proteo individual especficos e adequados s atividades desenvolvidas, em atendimento ao disposto na nr 6. relao de epis necessrios ao perfeito desenvolvimento de cada tarefa devem constar na anlise preliminar de riscos.

todos os epis utilizados devem conter ca (certificado de aprovao) emitido pelo ministrio do trabalho. 10.2.9.2 as vestimentas de trabalho devem ser adequadas s atividades, devendo contemplar a condutibilidade, inflamabilidade e influncias eletromagnticas. o indicador mais utilizado para o desempenho de vestimenta frente a temperatura do arco eltrico, expresso em calorias por centmetro quadrado o atpv (arc thermal performance value). quanto maior, maior a energia que a vestimenta pode suportar. 10.2.9.3 vedado o uso de adornos pessoais nos trabalhos com instalaes eltricas ou em suas proximidades. os metais so bons condutores de eletricidade e favorecem a diminuio da resistncia de contato, podendo resultar em leses mais cri