normas gerais para habilitação no sesc - .resoluÇÃo sesc no 1 211/2010 estabelece normas gerais

Download Normas Gerais para Habilitação no Sesc - .RESOLUÇÃO Sesc No 1 211/2010 Estabelece Normas Gerais

Post on 08-Feb-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Normas Gerais para Habilitao no Sesc

miolo_NGHS_148x210mm.indd 1 09/07/13 12:50

| 2 |

miolo_NGHS_148x210mm.indd 2 09/07/13 12:50

| 2 |

Servio Social do Comrcio

Normas Gerais para Habilitao no Sesc

Departamento Nacional Rio de JaneiroJulho, 2013

3 Reimpresso

miolo_NGHS_148x210mm.indd 3 09/07/13 12:50

| 4 |

SERVIO SOCIAL DO COMRCIO

Presidncia do Conselho NacionalAntonio Oliveira Santos

DEPARTAMENTO NACIONAL

Direo-Geral Maron Emile Abi-Abib

Diviso Administrativa e FinanceiraJoo Carlos Gomes Roldo

Diviso de Planejamento e Desenvolvimentolvaro de Melo Salmito

Diviso de Programas SociaisNivaldo da Costa Pereira

Consultoria da Direo-GeralJuvenal Ferreira Fortes FilhoLus Fernando de Mello Costa

Sesc | Departamento NacionalAv. Ayrton Senna, 5555 - JacarepaguCEP 22775-004 - Rio de Janeiro - RJ

www.sesc.com.br

miolo_NGHS_148x210mm.indd 4 09/07/13 12:50

| 4 | | 5 |

miolo_NGHS_148x210mm.indd 5 09/07/13 12:50

miolo_NGHS_148x210mm.indd 6 09/07/13 12:50

RESOLUO Sesc No 1 211/2010

Estabelece Normas Gerais para

Habilitao no Sesc

O Presidente do Conselho Nacional do Servio Social do Comrcio Sesc, no exerccio de suas atribuies regulamentares e regimentais,

CONSIDERANDO a necessidade de atualizar e estabelecer procedimentos e critrios para a habilitao da clientela atendida pelo Sesc, em consonncia com as mudanas observadas na sociedade e os objetivos da Entidade,

CONSIDERANDO a importncia de caracterizar e quantificar adequadamente a clientela reforando a distino entre beneficirios e usurios e seu peso relativo no universo de pessoas atendidas,

CONSIDERANDO que a caracterizao da clientela deve ser aprimorada paraaferio dos progressos feitos pelos Departamentos Regionais em sua expanso geogrfica, etria e no atendimento populao de baixa renda,

CONSIDERANDO o disposto na Resoluo Sesc no 1 166/2008, que aprova as Normas Gerais para Aplicao do Programa de Comprometimento e Gratuidade PCG,

RESOLVE ad referendum do Conselho Nacional

Art. 1 So aprovadas as Normas Gerais para Habilitao no Sesc, parte integrante desta Resoluo. Art 2 Esta Resoluo entra em vigor em 10 de janeiro de 2011, revogadas as disposies contrrias.

Rio de Janeiro, 7 de dezembro de 2010.

Antonio Oliveira SantosPresidente

Referendada na reunio ordinria do Conselho Nacional de 28 de abril de 2011.

Servio Social do ComrcioCONSELHO NACIONAL

miolo_NGHS_148x210mm.indd 7 09/07/13 12:50

miolo_NGHS_148x210mm.indd 8 09/07/13 12:50

Sumrio

1 APRESENTAO ........................................................................ 9

2 CLIENTELA DO SESC .............................................................. 92.1 Caracterizao da clientela do Sesc ................................ 10

2.1.1 Beneficirio titular comercirio ............................... 10 2.1.2 Beneficirio dependente................................................ 10 2.1.3 Usurio........................................................................ 11

3 HABILITAO DEFINIES ............................................. 113.1 Matrcula ................................................................................ 12 3.2 Credenciamento ..................................................................... 12

4 PROCESSO DE HABILITAO ............................................ 134.1 Beneficirio............................................................................. 13

4.1.1 Exigncias para a habilitao dos beneficirios .......... 134.1.2 Dados do cadastro de matrcula dos beneficirios ........ 154.1.3 Dados para a carteira de matrcula dos beneficirios ....164.1.4 Validade de matrcula dos beneficirios e revalidao ... 164.1.5 Direitos dos beneficirios dos servios .......................... 17

4.2 Usurios ................................................................................. 174.2.1 Dados do cadastro de usurios .....................................174.2.2 Dados para a credencial dos usurios .......................... 184.2.3 Perodos de validade das credenciais

e poca de revalidao ................................................. 194.2.4 Direitos dos usurios dos servios .............................. 19

4.3 Habilitaes especficas ........................................................ 19

5 CRITRIOS PARA UTILIZAO DOS SERVIOS ............ 205.1 Utilizao preferencial dos servios ....................................... 205.2 Atividades que exigem inscrio .......................................... 205.3 Formas complementares de atendimento comunidade........ 21

19

miolo_NGHS_148x210mm.indd 9 09/07/13 12:50

| 10 |

miolo_NGHS_148x210mm.indd 10 09/07/13 12:50

| 10 | | 11 |

1 APRESENTAO

O Servio Social do Comrcio tem por objetivo contribuir para a melhoria da qualidade de vida da sua clientela e para o desenvolvimento humano e social por meio da prestao de servios nas reas da Educao, Sade, Lazer, Cultura e Assistncia para os trabalhadores do comrcio de bens, servios e turismo, classificados como beneficirios. Pode tambm estender seus servios a outras categorias, os no beneficirios. As normas aqui apresentadas renem conceitos, requisitos e pro-cedimentos para a habilitao da clientela aos servios oferecidos pelos Departamentos Regionais e esto em consonncia com o disposto nas Resolues Sesc no 1065/2004, que aprova as Diretrizes Gerais de Ao do Sesc; e no 1 166/2008, que regulamenta a aplicao do Programa de Comprometimento e Gratuidade PCG. Alm de sistematizar o processo de habilitao, essas normas dis-pem sobre o adequado registro da clientela do Sesc para permitir sua caracterizao em termos estatsticos, delineando de forma consistente o perfil das pessoas atendidas pela Entidade.

2 CLIENTELA DO SESC

A clientela do Sesc classificada como beneficiria e no beneficiria, sendo subdividida em categorias:

Beneficirios: Comercirios (beneficirio titular) Dependentes No beneficirios: Usurios

miolo_NGHS_148x210mm.indd 11 09/07/13 12:50

| 12 |

2.1 Caracterizao da clientela do Sesc

2.1.1 Beneficirio titular comercirio

O comercirio em atividade ou aposentado, os servidores e os esta-girios do Sesc e do SENAC, os empregados de Entidades Sindicais do Comrcio. Entende-se por comercirio o empregado de empresas ou entidades enquadradas no plano sindical da Confederao Nacional do Comrcio de Bens, Servios e Turismo (CNC) de que trata o anexo do artigo 577 da CLT ou vinculadas Confederao Nacional dos Trabalhadores no Comrcio (CNTC) e/ou que sejam contribuintes do Sesc (ex-IAPC). So ainda entendidos como Comercirios para fins destas Normas:

Olicenciado,quandoafastadodotrabalhoporlicenaparatratamentode sade ou prestao de Servio Militar.

Odesempregadoquandoseencontraratdozemesesnessacondioacontar da data da resciso do contrato de trabalho.

OsempregadosdasempresasenquadradasnoplanosindicaldaCon-federao Nacional do Comrcio de Bens, Servios e Turismo (CNC) classificadas no Sistema Simples e no Sistema Super Simples.

A inadimplncia junto ao Sesc da empresa enquadrada no Plano Sindical da CNC no retira de seu empregado o direito habilitao como Comercirio.

2.1.2 Beneficirio dependente

Ocnjuge. O(a)companheiro(a)nosendoobeneficiriotitularcivilmentecasado

ser considerado como seu dependente a pessoa com quem viva em unio consensual independente do sexo, desde que comprovada essa unio.

O(a)vivo(a)deuniocivilouunioconsensual.

miolo_NGHS_148x210mm.indd 12 09/07/13 12:50

| 12 | | 13 |

Osfilhoseosenteadosdeuniociviloudeunioconsensualmenoresde 21 anos ou estudantes at 24 anos, desde que solteiros e economica-mente dependentes do beneficirio titular.

Osrfosdobeneficiriotitularmenoresde21anosouestudantesat24 anos, desde que solteiros e economicamente dependentes.

Osmenoressobguarda. Osirmos,filhoseenteadosdobeneficiriotitular,invlidosdequal-

quer condio. Ospais,oupadrastosemadrastas,dobeneficiriotitular.

2.1.3 Usurio

Indivduos que no se enquadram como beneficirios, aos quais pode-ro ser estendidos determinados servios do Sesc, observadas as condies de disponibilidades efetivas das unidades de servio dos Departamentos Regionais, considerando-se os ndices de sua utilizao pelos beneficirios e respeitando-se as prioridades definidas no item 5.1 (Utilizao preferencial dos servios) e as normas baixadas pelo Conselho Regional. Tambm so considerados usurios os empregados de empresas, entidades ou membros de associaes legalmente regulamentadas que tiverem firmado convnios com os Departamentos Regionais aos quais podero ser estendidos determinados servios do Sesc sob condies esti-puladas no convnio.

3 HABILITAO DEFINIES

o conjunto de procedimentos caracterizado pela matrcula dos beneficirios e o credenciamento dos no beneficirios que possibilita o acesso aos servios do Sesc pela clientela segundo as categorias comercirios dependentes ou usurios.

miolo_NGHS_148x210mm.indd 13 09/07/13 12:50

| 14 |

3.1 Matrcula

o ato de identificao e registro dos beneficirios (comercirios e dependentes) para habilit-los, de preferncia gratuitamente, a usufruir os servios do Sesc. Na matrcula, so verificados os requisitos exigidos, fornecida a respectiva carteira e so transmitidas informaes sobre direi-tos e deveres da clientela, bem como sobre a Entidade. A matrcula dever ser gratuita para toda a potencial clientela do PCG, conforme Resoluo do Sesc no 1166/2008. Carteira de matrc

Recommended

View more >