Noções de orçamento público LDO LDA... .pdf

Download Noções de orçamento público LDO LDA... .pdf

Post on 10-Aug-2015

143 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>Noes de Oramento Pblico</p> <p>Noes de Oramento Pblico</p> <p>ResumoOramento Pblico: conceito e finalidades PPA - Plano Plurianual LDO - Lei de Diretrizes Oramentrias O Ciclo Oramentrio LOA (Lei Oramentria Anual) e sua execuo</p> <p>Oramento Pblico: Conceito e Finalidade</p> <p>Oramento Pblico: Conceito e FinalidadeFases: Unidimensional : DESPESA Bidimensional : despesa e ATIVIDADE Tridimensional : despesa, atividade e PROGRAMAS Obs: Multidimensional: despesa, atividade, programas e METAS O Oramento sob o aspecto: Poltico Financeiro1.</p> <p>Contbil Administrativo</p> <p>Econmico etc</p> <p>Oramento Tradicional: controle poltico - equilbrio financeiro e controle dos gastos Oramento Moderno : instrumento de administrao - realizao de metas</p> <p>2.</p> <p>Oramento Pblico: PrincpiosUnidade (5 e incisos do art. 165 da CF) o oramento deve ser uno totalidade oramentria e no unidade oramentria oram. fiscal + investim. das empresas estatais + entidades de segur. Social Universalidade (Arts. 3 e 4, Lei 4.320) conhecimento de todas as receitas e todas as despesas autorizao legislativa cobrana de tributos compatvel com o nvel de gastos Oramento bruto (Art. 6, Lei 4.320) nenhum tipo de deduo Anualidade ou Periodicidade (Art. 34 , Lei 4.320) perodo determinado de tempo No-afetao das receitas (inciso IV, art. 167, CF) proibida a vinculao entre receita e despesa (salvo dispositivos constit: arts. 158, 159 e 198 e 212 da CF e as garantias decorrentes de ARO) Discriminao ou Especializao (Art. 5 cc art. 15, Lei 4.320 ) identificao pormenorizada das receitas e de suas aplicaes</p> <p>Oramento Pblico: Conceito e FinalidadeExclusividade (8, art. 165, CF) impedimento de que na Lei Oramentria Anual (LOA) conste assunto estranho Receita e a Despesa. Equilbrio (doutrina) gastar apenas o que se tem ! Publicidade(direito administrativo) eficcia e validade Forma x Transparncia Clareza (doutrina) compreensibilidade por qualquer cidado Forma x Transparncia Uniformidade ou Consistncia (doutrina) possibilitar comparaes Legalidade da tributao (art.37, CF) Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade, Eficincia</p> <p>O Processo Oramentrio no BrasilO Oramento na Constituio de 1988</p> <p>O Oramento na Constituio de 1988Antecedentes 1) Qual era o modelo administrativo herdado de 64 (regime autoritrio) ? falta de transparncia manipulao dos oramentos pelo Executivo comprometimento da moralidade administrativa centralizao de recursos e tarefas no Governo Federal privilgios, subsdios e concesso indiscriminada de favores com o dinheiro pblico Constituio de 1988 Regras oramentrias de natureza processual apenas no dirigem a ao administrativa nem garantem resultados efetivos a serem alcanados pela Administrao Pblica Constituio com preocupao constante de: equilbrio oramentrio transparncia dos gastos moralidade no emprego dos recursos pblico</p> <p>-</p> <p>O Oramento na Constituio de 1988-</p> <p>Qual o tamanho ideal do Estado ? mnimo (liberal) ou mximo (social) Clara inspirao alem ( sistema parlamentarista) na definio de trs planejamentos oramentrios: a) o plano plurianual (Inciso I, art 165, CF) b) as diretrizes oramentrias (Inciso II, art 165, CF) c) o oramento anual (Inciso III, art 165, CF) obs: todos compatveis com um planejamento econmico e social maior ( 4)</p> <p>O Oramento na Constituio de 19881) -</p> <p>As emendas ao projeto do Oramento iniciativa do Executivo limitaes de emenda ao Legislativo - tendncia universal premissas: compatibilidade com a LDO e o PPA que indiquem os recursos compensatrios correes de erros ou omisses no pode: dvida, pessoal, oper. de crdito e transferncias constitucionais</p> <p>Plano Plurianual</p> <p>Plano Plurianual. Planejamento dos Gastos Pblicos . Permitir atingir objetivos especficos . Proporcionar melhorias reais na qualidade de vida . Inicialmente abrangia apenas as despesas de Capital e outras delas decorrentes . Atualmente abrange todas as despesas . Programas de durao continuada</p> <p>Plano PlurianualDiretrizes: Orientaes e Macro-objetivos definidos pelo Plano de Governo Objetivos: Expressa um resultado sobre um pblico alvo. Sempre mensurvel por um indicador. Metas: Conjunto de aes e operaes que contribuem para o objetivo do programa</p> <p>launairulP onalP</p> <p>A onrevoG :APP od aicngiV1 ano</p> <p>2 ao 4 ano</p> <p>1 ano</p> <p>Plano PlurianualEtapas: Preparao, Elaborao, Aprovao, Implantao e Avaliao Programa : . instrumento de organizao da atuao governamental . conjunto de aes . objetivo comum preestabelecido . busca a soluo de Problemas Ex: TODA CRIANA NA ESCOLA Objetivo: Eliminar o analfabetismo no Municpio Indicador: N de matrculas 1.000 (2000) =&gt;1.250 (2005) Unidade Responsvel: Secretaria Municipal de Educao Ao_1: Ampliar as oportunidades de freqncia escolar atravs do fornecimento de transporte gratuito (Produto: crianas transportadas) Fontes: Fiscal, Fundef, Setor Privado Parcerias: Estado, Unio e Setor Privado</p> <p>Lei de Diretrizes Oramentrias</p> <p>LDO</p> <p>Lei de Diretrizes OramentriasAntes da LRF : LDO mero indicador de intenes Agora : Instrumento de Planejamento e norteador da elaborao da LOA Segundo a LRF, a LDO dever dispor: Equilbrio Receitas x Despesas Critrios Limitao de Empenho Controle de Custos e avaliao de resultados Condies para Transferncias de recursos entidades pblicas e privadas Metas Fiscais Riscos Fiscais</p> <p>8 8 8 8 8 8</p> <p>Lei de Diretrizes OramentriasAO PRIORIDADE DENOM. UN. META MED Oficina Escola Unid. QUAN</p> <p>Difuso Cultural</p> <p>Promover a capacitao de recursos humanos nas reas culturais (artes cnicas, cinema, msica, etc)em parceria com a iniciativa privada e com o Estado.</p> <p>5</p> <p>Ciclo oramentrio</p> <p>Ciclo oramentrio1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.</p> <p>8. 9.</p> <p>Fixao de diretrizes e projees Proposta Oramentria Elaborao de propostas setoriais Projeto de Lei do Executivo Projeto de Lei Processo Legislativo Lei Oramentria Anual - LOA Execuo oramentria (rgos setoriais) Controle da execuo (CGM / SOR / TCM / Cmara de Vereadores) Parecer prvio sobre as contas (TCM) Julgamento das contas (Cmara de Vereadores)</p> <p>LOA</p> <p>Ciclo oramentrioEtapa Preliminar:1. 2. 3. 4.</p> <p>Fixao das diretrizes Projees e Prognsticos Preparo das normas e instrues Encaminhamento s unidades operacionais</p> <p>Etapa Intermediria:1.</p> <p>Indicao dos Programas de Trabalhos a serem desenvolvidos</p> <p>Etapa Final:1. 2. 3. 4.</p> <p>Consolidao das propostas setoriais Formulao da proposta geral Aprovao pelo Chefe do Executivo Encaminhamento ao Legislativo (iniciativa vinculada)</p> <p>Ciclo oramentrioProcesso Legislativo (Projeto de Lei): 1. Iniciativa do Executivo 2. Discusso: emendas, voto do relator, redao final e votao em plenrio 3. Sano ou Veto pelo Executivo 4. Promulgao (existncia da Lei) 5. Publicao (torna-a obrigatria =&gt; LOA)</p> <p>O documento bsico utilizado na Administrao Pblica para exerccio da atividade financeira a Lei Oramentria.</p> <p>Alteraes da Lei OramentriaCrditos Oramentrios</p> <p>Alteraes da Lei OramentriaTipos: 1) Suplementares 2) Especiais 3) Extraordinrios: guerra, comoo interna ou calamidade pblica Abertura Vigncia Recursos compensatrios: supervit financeiro excesso de arrecadao anulao parcial ou total de dotao operaes de crdito dotao global recursos sem despesas correspondentes (veto, emenda ou rejeio)</p> <p>Programao Financeira- Elaborao da estimativa do fluxo mensal de arrecadao e realizao de despesas - Estabelecimento de regras para liberao de recursos - Acompanhamento da arrecadao e evoluo das despesas realizadas - Limitao de empenho no caso de evoluo desfavorvel da arrecadao</p> <p>Lei Oramentria Anual e sua ExecuoClassificaes oramentrias</p> <p>Classificaes oramentrias18.01.10.122.0001.2002 1 e 2 dgitos : 3 e 4 dgitos: rgo (Secretaria de Sade) -Institucional (Quem ?) Unidade oramentria (Gab. do Secretrio)</p> <p>5 e 6 dgitos : Funo (Sade) 7, 8 e 9 dgitos: Sub funo (Administrao Geral)</p> <p>Funcional (Em que rea ?)</p> <p>10 ao 13 dgitos : Programa (Gesto Administrativa) 14 ao 17 dgitos: Projeto/Atividade (Apoio Administ.)</p> <p>Programtica =&gt; Para qu ?</p> <p>Classificaes oramentriasQuanto Natureza de Despesa =&gt; O qu ? 3.3.90.30.xx 1 dgito : 2 dgito : Categoria econmica da despesa Grupo de natureza da despesa</p> <p>3 e 4 dgitos: Modalidade de aplicao 5 e 6 dgitos : Elemento de despesa 7 e 8 dgitos : Item despesa</p> <p>Receita Pblica</p> <p>Receita Pblicao complexo de valores recebidos pelo errio pblico, sejam provenientes de rendas patrimoniais, sejam resultantes de rendas tributrias, ou outras rendas permanentes, destinadas a fazer frente despesa pblica. De plcido e Silva Entrada Todo e qualquer $$$ que ingressa : cauo, fiana, depsitos tributrios Receita Entradas DEFINITIVAS</p> <p>Receita PblicaClassificao 1) Quanto a periodicidade: Ordinrias ou Extraordinrias 2) Quanto a origem : Originria (patrimnio prprio) ou Derivada (de terceiros) 3) Quanto a natureza: Oramentrias ou Extra-oramentrias 4) Por categoria econmica - Correntes : derivadas, originrias e outras complementares - Capital: Operaes de crdito, alienao de bens, recebimento de dvidas e auxlios recebidos pelos rgo ou entidade 11) Receita tributria 12) Receita de contribuies 13) Receita patrimonial 14) Receita agropecuria 15) Receita Industrial 16) Receita de servios 17) Transferncia corrente 19) Outras receitas corrente 21) Operaes de Crdito 22) Alienao de bens 23) Amortiz. de emprstimos 24) Transferncia de capital 25) Outras receitas de capital 90) Dedues da Receita Corrente</p> <p>Receita PblicaEstgios da Receita Previso Lanamento Arrecadao Recolhimento Previso da Receita na LOA - Histrico (3 ltimos exerccios) - Parmetros macroeconmicos: inflao, cmbio e PIB - Incio em fevereiro do exerccio (para a LDO) - Compatibilidade entre LOA e LDO - Constantes mudanas por Portarias da STN</p> <p>Receita PblicaCodificao (Unio - Portaria da STN)1112.02.00.02 1 dgito: categoria econmica (1 - Receitas correntes) 2 dgito: fonte (11 - Receita tributria) 3 dgito: rubrica (111 - Impostos) 4 dgito: alnea (1112 - Imposto sobre patrim. e renda) demais: subalneas (1112.02.00 - Imposto s/ a Prop. Pred. e Terr. Urbana) (1112.02.00.02 - Imposto Territorial Urbano)</p> <p>Despesa Pblica</p> <p>Despesa Pblicao conjunto dos dispndio do Estado, ou de outra pessoa de direito pblico, para o funcionamento dos servios pblicos Aliomar Baleeiro ... fundamentalmente uma DECISO POLTICA. Alguns requisitos - limites mnimos legais: 25% na Educao e 15% na sade - Pessoal: 60% (sendo 4% para o Legislativo) -Toda despesa tem que ser autorizada pelo Legislativo - Procedimento licitatrio - Sempre documentada</p> <p>Controle formal x Controle finalstico</p> <p>Despesa PblicaClassificao 1) Quanto a periodicidade: Ordinrias ou Extraordinrias 2) Econmica: Correntes =&gt; consumo do Governo Capital =&gt; investimento do Governo 3) Quanto ao objeto do gasto (ou elemento de despesa) : pessoal, consumo, servio, despesa com terceirizao, etc Estgios da Despesa Empenho (ordinrio, global e estimativo) Liquidao (verificao do direito) Pagamento</p> <p>Despesa PblicaConceitos complementares: Restos a Pagar (RP) a) Processado (RPP) b) No Processado (RPN) Despesa de exerccios anteriores (DEA)</p> <p>Acompanhamento da execuo e Controle: Relatrio Resumido da Execuo Oramentria =&gt; divulgao da execuo oramentria. Relatrio de Gesto Fiscal =&gt; gastos por Poder e rgo Prestao de Contas =&gt; fiscalizao efetuada pelo Legislativo com auxlio do Tribunal de Contas</p> <p>Oramento - Conceitos</p> <p>Oramento - ConceitosOs oramentos documentam expressivamente a vida financeira de um pas o de uma circunscrio poltica em determinado perodo de tempo, geralmente de um ano, porque contm o clculo das receitas e despesas autorizadas para o funcionamento dos servios pblicos ou para outros fins projetados pelo governo. James Giacomoni Nos Estados democrticos, o oramento considerado o ato pelo qual o poder Legislativo prev e autoriza o poder Executivo, por certo perodo em pormenor, as despesas destinadas ao funcionamento dos servios pblicos e outros fins adotados pela poltica econmica ou geral do pas, assim como a arrecadao das receitas j criadas em lei. Aliomar Baleeiro</p> <p>O oramento uma instituio inviolvel e soberana, havendo a necessidade urgente de fazer dessa Lei das Leis uma fora de nao.Rui Barbosa, 1891</p> <p>Discusses finais1) O que o oramento e para que serve? Expr. Legal + Proc. Escolha + Instr. Gesto 2) Quem faz oramento? 3) O oramento dos governos tm alguma relao com o oramento dos indivduos, das famlias e das empresas? Indivduo Governo Empresas 4) Os oramentos dos municpios, dos estados e da Unio so independentes ? 5) Quem responsvel pela sua elaborao, anlise, aprovao e execuo ? 6) Os governos e legisladores tm liberdade para propor o que quiserem no oramento ? 7) O que os oramentos devem informar ao cidado ? Forma x Transparncia 8) No seria melhor que os recursos que o oramento do governo retira das famlias e das empresas ficassem com elas para atender as suas necessidades e desejos? Interesse pblico x interesse privado 9) Os governos podem gastar mais do que arrecadam? 10) Como os cidados podem saber se o que estava no oramento se cumpriu?</p> <p>1- "O oramento deve conter todas as receitas e todas as despesas do Estado". Esta afirmativa refere-se a qual Princpio Oramentrio? A- Princpio da Legalidade da Tributao B- Princpio da Periodicidade C- Princpio da Universalidade D- Princpio da No-afetao das Receitas E- Princpio da Clareza 2- Quais das afirmativas abaixo est correta? A- O Oramento Pblico pode ser definido como um documento cujo principal objetivo o controle poltico do Poder Legislativo sobre o Executivo. B- O Oramento Pblico pode ser definido como o ato legal que estabelece um conjunto de aes a serem realizadas durante um perodo de tempo determinado, estimando o montante de recursos a serem arrecadados e fixando o montante dos recursos a serem aplicados a fim de manter ou ampliar os servios pblicos e a realizao de obras que atendam s necessidades da populao. C- O Oramento Pblico tem como principal objetivo evitar a expanso dos gastos, proporcionando, desta forma, o perfeito equilbrio entre receitas e despesas. D- O Oramento Pblico Moderno no se preocupa com o Planejamento, ao contrrio do Oramento Tradicional, j que no cabe ao Estado planejar, mas sim, adequar os gastos aos recursos arrecadados. E- A Lei Oramentria pode conter artigos e incisos que tratem de matria estranha estimativa de receita e fixao da despesa para o prximo exerccio desde que decorra de iniciativa do Poder Legislativo.</p> <p>3- Qual o instrumento oramentrio que a Administrao Pblica utiliza no seu planejamento para a arrecadao e aplicao de recursos a longo prazo ? 4- Em qual etapa do processo de desenvolvimento do PPA so definidos os Programas que sero institudos no Plano Plurianual de maneira a atender s concluses dos estudos efetivados na etapa de Preparao ? 5- O projeto de lei do Plano Plurianual dever ser enviado pelo Executivo para apreciao por qual Instituio ? 6- Quais as funes da Lei de Diretrizes Oramentrias originrias desde a promulgao da Constituio da Repblica de 1988 ? 7- Qual a nova funo da Lei de Diretrizes Oramentrias com a criao da Lei Complementar n 101/2000 - Lei de Responsabilidade Fiscal? 8- Todos os crditos adicionais so...</p>