nesta longa estrada da vida - .ano 11 • nº 99 • julho 2018 nesta longa estrada da vida...

Download NESTA LONGA ESTRADA DA VIDA - .ano 11 • nº 99 • julho 2018 nesta longa estrada da vida portonave

Post on 29-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • ANO 11 N 99 JULHO 2018

    NESTA LONGA ESTRADA DA VIDA

    PORTONAVE PRESTA HOMENAGEM A QUEM MOVIMENTA O BRASIL

    PROFISSIONAIS DISCUTEM INCLUSO NO MUNDO DO TRABALHO

    PORTONAVE PRESENTE NA QUARTA EDIO DO LATIN AMERICA PORT SUMMIT

    PGINA 3 PGINA 9

  • Destacamos nesta edio a relevncia da atividade dos caminhoneiros para o bom desempenho da atividade econmica. Uma categoria profissional que demonstra superao a cada dia, que est integrada operao do Terminal e tem sido relevante para os padres de produtividade alcanados por aqui. Esperamos que caminhando juntos, com uma postura de colaborao, mantendo o equilbrio e corrigindo eventuais desvios, possamos aprimorar cada vez mais esta j duradoura relao. Parabns a todos os caminhoneiros, expresso de persistncia e determinao, que todos sigam sempre numa rota segura.

    Seguimos abordando as riquezas de Santa Catarina, um Estado consistente e sustentvel, que gera oportunidades e cria conexes para o desenvolvimento das organizaes e profissionais. Com esta base, com a fora do trabalho de cada um e o envolvimento de todos, podemos superar expectativas, aproveitar cada momento e colocar em prtica os nossos planos. Pois o ambiente corporativo dinmico, conectado com a mudana permanente e a aplicao de novas tecnologias. Neste contexto, equipes fortes so protagonistas de grandes transformaes, geram resultados e constroem bons relacionamentos.

    Obrigado a todos os integrantes do nosso time pela dedicao e determinao em buscar os objetivos comuns.

    portonave.com.br portonaveportonave

    PA P O E X P R E S S N D I C E

    Este informativo uma publicao da Portonave.

    Coordenao Melissa Arago de Souza

    Conselho Editorial Cristiane Ermnia Incio, Ellen Garcia, Fernanda Fiori, Mariana Rgis Vargas, Melissa Arago de Souza e Slvia Mendes

    Realizao rea de Comunicao Corporativa e Responsabilidade Social da Portonave

    E X P ED I E NT E

    Sugestes ou dvidas comunicacao@portonave.com.br

    Textos e diagramao Fbrica de Comunicao

    Jornalista responsvel Melissa Arago de Souza

    Reviso Portonave e Fbrica de Comunicao

    OSMARI DE CASTILHO RIBASDiretor-superintendente Administrativo

    E D I T O R I A L

    Fotos Acervo Portonave e banco de imagens

    9 BENEFCIO

    Nossa homenagem aos motoristas de todo o Brasil

    6 e 7 CAPA

    Carto vale-alimentao distribudo para funcionrios

    SADEPortonave participa do Dia do Desafio de Navegantes

    10

    PORTONAVE EXPRESS ANO 11 N 99 JULHO 20182

  • M E R C A D O

    S R I E R I Q U E Z A S D E S A N T A C A T A R I N ANeste captulo sobre as riquezas produzidas no Estado de Santa Catarina, o Portonave Express apresenta informaes sobre a Indstria Qumica, responsvel por fornecer insumos e produtos finais para diversas atividades da economia.

    Entre os materiais pertencentes a esta categoria est a gelatina, os vrios tipos de pigmentos, fertilizantes, tintas, esmaltes e solventes e muito mais.

    Segundo dados da Fiesc, o setor de Produtos Qumicos (que engloba tambm a indstria plstica) representa 6,5% dos empregos da indstria catarinense, empregando cerca de 48 mil pessoas.

    As regies de maior destaque no setor so o Norte e o Sul Catarinense, que juntas detm mais de 60% da fora de trabalho desta atividade industrial. Entre as cidades que mais exportam esto It, Joinville e Iara.

    Entre as exportaes do setor em 2017, as relaes comerciais de maior destaque so com Estados Unidos com 18,3% do total de vendas do setor, seguido da Argentina (15,5%) e Paraguai (12,1%). No ano passado, apenas pela Portonave, foram 570 contineres exportados e neste ano, at o primeiro trimestre, outros 165 contineres enviados ao exterior, principalmente para a Rssia, China, Egito e frica do Sul.

    Cabeos: Estruturas de ferro localizadas no cais para suportar os cabos de amarrao dos navios.

    Defensas: Objetos colocados no cais para proteger os navios de tocarem o per.

    O supervisor comercial da Portonave, Lus Henrique Lemos, representou o Terminal na quarta edio do Latin America Port Summit, realizado em Santiago, no Chile, entre os dias 7 e 8 de junho. O evento reuniu especialistas e profissionais do setor porturio

    para discutir as principais questes do setor, trocar de informaes e boas prticas com outros portos, expandir conhecimentos e fazer networking.

    a primeira vez que o Terminal participa e, durante a programao, Lus teve a

    oportunidade de apresentar o case da Portonave para os presentes. Os principais portos da Amrica Latina participaram do Summit e estar ali, mostrando as conquistas obtidas na primeira dcada de operaes da Portonave, significa estar no mesmo nvel que esses terminais, diz o supervisor.

    Portonave presente na quarta edio do Latin America Port Summit

    Glossrio porturio

    PORTONAVE EXPRESS ANO 11 N 99 JULHO 2018 3

  • S R I E O T R A B A L H O D E C A D A U M

    SECRETARIADO (PARTE II)CAPTULO 23

    No vigsimo terceiro captulo da srie sobre os departamentos e os profissionais da Portonave, vamos conhecer o Secretariado, uma rea que integra vrios servios e perfis de atendimento, todos eles fundamentais na empresa. Na edio anterior, abordamos como a rea est estruturada e soubemos da sua importncia para a organizao do Terminal. Alm da secretria executiva, a equipe inclui os profissionais da copa da diretoria, da portaria e da recepo, que trabalham para que todos que entram na Portonave sejam recebidos da melhor forma possvel, com cordialidade e ateno.

    O TRABALHO DE CADA UM

    Nossa segunda perfilada uma personagem fundamental de atendimento: a copeira da diretoria, Maria Eleutrio.

    Ela comeou como profissional terceirizada e passou a cobrir as frias da Copa. Em 2013, foi convidada para se efetivar no cargo. Foi uma surpresa, eu no esperava, relembra.

    Mas a oportunidade de trabalho vinha com uma condio: precisaria retomar os estudos. Tinha at a 4 srie primria e estava h muitos anos fora da sala de aula. No comeo no foi fcil, queria desistir. Mas com o tempo, eu peguei amor pelo estudo. A Portonave me fez gostar de estudar. Maria j concluiu o Ensino Mdio e

    agora sonha em fazer Curso Tcnico em Enfermagem. No dia 15 de julho, completar cinco anos da minha contratao e eu s tenho a agradecer. Aprendi muita coisa, entre elas, respeitar cada um. Procuro trabalhar sempre sorrindo, no trago meus problemas para a empresa, fao meu trabalho com muito orgulho e atendo todo mundo igual, no importa o cargo. Para mim no tem quem mais ou quem menos, afirma.

    A rotina de Maria chegar s 7h30, fazer caf, servir os diretores e conforme as reunies vo acontecendo, ela vai servindo os presentes. s vezes, alm da Sala da Diretoria, as trs outras salas de reunies esto cheias, e eu me viro

    em trs Marias para no deixar faltar nada a ningum, conta. Ela tambm d o apoio necessrio em dias de evento no Sky Club e a quem surge na Copa. Tem gente que aparece na cozinha pedindo um cafezinho, um ch ou mesmo um conselho. E a gente atende!, conta.

    Para quem est h pouco tempo trabalhando ou pretende ingressar na empresa, ela recomenda duas coisas: responsabilidade e fora de vontade. Quando entrar na Portonave, mostre o seu melhor. A companhia d muitas oportunidades e quem tiver entrando tem que vir com a garra toda, pois nossos diretores, nossos gestores, mostram que a gente tem chance de crescer aqui dentro, encerra.

    CASE

    PORTONAVE EXPRESS ANO 11 N 99 JULHO 20184

  • S R I E O O U T R O L A D O

    TRAO FINOO desenho surgiu em sua vida ainda pequeno, estimulado pelos pais, que sempre adquiriam livros infantis para colorir. Ainda tenho alguns de recordao, guardo com carinho. Alm disso, meu pai tambm desenhava alguma coisa, mas muito pouco, relembra. Na adolescncia, no Paran, Raphael teve outras influncias. Com 13 anos, conheci o trabalho do grafiteiro Aaron e dali em diante comecei me envolver no mundo gigantesco da arte e no parei mais, conta.

    No entanto, a grande referncia que o inspirou foi o professor da sua cidade natal, Jos Valdir Moreira. Estudei com ele por pouco tempo, aproximadamente uns 6 meses, mas ele foi o responsvel por me ensinar sobre arte clssica, tema que eu me dedico at hoje. Comeava um desenho na aula e terminava em casa. Tambm estudei muitas tcnicas e li muitos contedos sobre artes principalmente a arte renascentista de Michelangelo, Caravaggio, Leonardo, Raphael, o artista classicista William-Adolphe Bouguereau, explica. Atualmente o tempo para se dedicar aos desenhos menor, porm, Raphael, sempre que pode, est no estdio montado em seu apartamento traando alguns esboos. Nunca tive inteno de comercializar nada, apenas j presenteei algumas pessoas com alguns trabalhos.

    Para ele, ser um desenhista vai muito alm de pegar uma folha e um lpis e sair desenhando qualquer coisa que se v. fundamental saber as tcnicas envolvidas, os diferentes tipos de materiais e o porqu de estarmos fazendo aquilo. A vida de um desenhista no e fcil, requer muitas horas de trabalho, concentrao e pacincia. Ele ainda complementa que a atividade, embora exija dedicao e esforo, no tem o reconhecimento merecido. Apenas quem gosta d valor.

    Os planos de seguir desenhando e de se aprofundar na tcnica est traado na cabea e algum dia deve se concretizar. Apesar do custo ser elevado, tenho muita vontade de estudar em uma tradicional Academia, como o Grand Central Atelier em Nova Iorque (EUA) ou a Angel Academy of Art em Florena, na Itlia. Fao projetos para meu futuro, quem sabe. Tambm tenho intenes de um dia passar meus conhecimentos para crianas e adultos, reflete. Para os leitores, Raphael deixa o seguinte conselho: Todos aqueles que buscam por um sonho, no desistam por mais difcil que seja. Um dia tudo se tornar realidade. Tudo vai depender