narratividade e t£â€œpicas em uirapuru (1917) de heitor o objetivo deste...

Download NARRATIVIDADE E T£â€œPICAS EM UIRAPURU (1917) DE HEITOR O objetivo deste trabalho £© analisar a estrutura

If you can't read please download the document

Post on 18-Aug-2020

0 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

    CENTRO DE ARTES – CEART

    MESTRADO EM MÚSICA

    DANIEL ZANELLA DOS SANTOS

    NARRATIVIDADE E TÓPICAS EM UIRAPURU (1917) DE HEITOR VILLA-LOBOS

    FLORIANÓPOLIS, SC

    2015

  • DANIEL ZANELLA DOS SANTOS

    NARRATIVIDADE E TÓPICAS EM UIRAPURU (1917) DE HEITOR VILLA-LOBOS

    Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Música, da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Música. Orientador: Prof. Dr. Acácio Tadeu de Camargo Piedade

    FLORIANÓPOLIS, SC

    2015

  • Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Central da UDESC

    S237n

    Santos, Daniel Zanella dos

    Narratividade e tópicas em Uirapuru (1917) de Heitor

    Villa-Lobos / Daniel Zanella dos Santos. – 2015.

    177 p. : il. ; 29 cm

    Orientador: Acácio Tadeu de Camargo Piedade

    Bibliografia: p. 167-176

    Dissertação(Mestrado) – Universidade do Estado de

    Santa Catarina, Centro de Artes, Programa de Pós-

    Graduação em Música, Florianópolis,2015.

    1. Musicologia. 2. Arte narrativa - Brasil. 3.

    Música popular – Brasil. 4. Biografia – Músicos -

    Brasil. 5. Heitor Villa-Lobos. I. Piedade, Acácio Tadeu

    de Camargo. II. Universidade do Estado de Santa Catarina.

    Programa de Pós-Graduação em Música. III. Título.

    CDD: 780.01 – 20.ed.

  • DANIEL ZANELLA DOS SANTOS

    NARRATIVIDADE E TÓPICAS EM UIRAPURU (1917) DE HEITOR VILLA-LOBOS

    Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Música, da Universidade do Estado de

    Santa Catarina, como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Música.

    Banca examinadora

    Orientador: ___________________________________ Prof. Dr. Acácio Tadeu de Camargo Piedade Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC

    Membro: ___________________________________ Prof. Dr. Norton Eloy Dudeque Universidade Federal do Paraná – UFPR

    Membro: ___________________________________ Prof. Dr. Paulo de Tarso Camargo Cambraia Salles Universidade de São Paulo – USP

    Florianópolis, 25/03/15

  • AGRADECIMENTOS

    Agradeço à Universidade de Santa Catarina – UDESC, principalmente aos professores

    e colegas, por todos estes anos de crescimento que ela me proporcionou. Termino meu ciclo

    de estudante nesta universidade como uma pessoa muito diferente da que entrou, acredito

    que melhor. Agradeço também à Universidade Federal de Santa Catarina, principalmente a

    profa. Dra. Maria Eugênia Dominguez e ao prof. Dr. Rafael de Menezes Bastos, pela disciplina

    de Antropologia da Arte, que me abriu novos horizontes de pensamento. Agradeço à CAPES

    pela bolsa de mestrado concedida desde o primeiro mês do curso até o último, o que permitiu

    que eu me dedicasse quase integralmente às disciplinas e à pesquisa, e ao PPGMUS-UDESC

    pelos apoios concedidos para a realização das viagens de pesquisa e de apresentações de

    trabalhos em congressos. Agradeço também ao Museu Villa-Lobos pelos materiais fornecidos

    prontamente e de maneira tão cordial.

    Agradeço ao meu orientador, prof. Dr. Acácio Piedade, por ter sugerido o assunto de

    pesquisa e fornecidos diversos materiais, pelas conversas produtivas e generosas, pela

    paciência, pelo empenho nas correções e sugestões para a elaboração do trabalho, e também,

    é claro, pela amizade. Agradeço à banca examinadora, profs. Drs. Norton Dudeque e Paulo de

    Tarso Salles, que participaram também da banca de qualificação, pelas sugestões generosas e

    competentes que contribuíram imensamente para esta pesquisa e pela disponibilidade em

    dedicar seu tempo para fazer as correções necessárias.

    Agradeço aos meus amigos, novos e antigos, que mesmo distantes sempre estiveram

    presentes. Agradeço à minha família, Dani pela amizade, Aninha pelas alegrias, Marco e Tete

    por todo o apoio, e principalmente à minha mãe Zinha e meu pa(i)drasto Otávio, por muito

    mais do que é possível declarar aqui. Agradeço também à minha companheira Káritha, pela

    parceria, pelas conversas, textos, sugestões, correções e pelo incomensurável apoio em todas

    as horas, sem exceção.

    Agradeço imensamente a todos, assumo toda a responsabilidade pelos defeitos deste

    trabalho e reconheço a presença de vocês nas suas eventuais qualidades.

  • RESUMO

    SANTOS, Daniel Zanella dos. Narratividade e tópicas em Uirapuru (1917) de Heitor Villa-Lobos. 2015. 177 f. Dissertação (Mestrado em Música – Área: Musicologia/Etnomusicologia) – Universidade do Estado de Santa Catarina. Programa de Pós-graduação em Música, Florianópolis, 2015. O objetivo deste trabalho é analisar a estrutura musical do poema sinfônico Uirapuru (1917), de Heitor Villa-Lobos, e compreender como os significados são colocados em ação pela peça através de tópicas e da narratividade. A hipótese inicial é que em Uirapuru, as tópicas são elementos determinantes dos aspectos narrativos da obra. A metodologia utilizada está apoiada na análise musical estrutural da peça, que envolve aspectos harmônicos, melódicos, rítmicos, texturais e de orquestração, com posteriores interpretações de significado fundamentadas pelas teorias das tópicas e da narratividade, e sustentadas por uma pesquisa bibliográfica de contexto histórico. A interação entre tópicas em diferentes níveis estruturais e elementos ad hoc, revela que Villa-Lobos utilizou uma estratégia de organização dos significados musicais, aqui compreendida como a narratividade, a qual se relaciona com o roteiro do argumento da peça e pode ser caracterizada sob o conceito de “programa narrativo exterior”. O índio brasileiro nesta obra é representado por elementos característicos do exótico presentes na linguagem da música de concerto moderna do período e, principalmente, no repertório com herança debussysta com o qual Villa-Lobos travava franco diálogo na sua primeira fase composicional. Palavras-chave: Uirapuru. Villa-Lobos. Narratividade. Tópicas. Estrutura e Significado.

  • ABSTRACT

    SANTOS, Daniel Zanella dos. Narratividade e tópicas em Uirapuru (1917) de Heitor Villa-Lobos. 2015. 177 f. Thesis (Mestrado em Música – Área: Musicologia/Etnomusicologia) – Universidade do Estado de Santa Catarina. Programa de Pós-graduação em Música, Florianópolis, 2015. The purpose of this study is to analyze the musical structure of the symphonic poem Uirapuru (1917), by Heitor Villa-Lobos, and to understand how meanings are put into action by the piece through topics and narrativity. The initial hypothesis is that in Uirapuru topics are key elements of the narrative aspects of the work. The methodology is supported by the structural analysis of the musical piece, which involves harmonic, melodic, rhythmic, textural and orchestration aspects, with further interpretations of meaning based on topics and narrativity theories, and sustained by a bibliographic research of historical context. The interaction between topics in different structural levels and ad hoc elements, reveals that Villa-Lobos used an organization strategy of musical meanings, here understood as narrative, which relates to the plot of the piece´s programme and can be characterized under the concept of "external narrative program". In this work, the Brazilian Indian is represented by characteristic elements of the exotic, present in the language of modern concert music of the period and mainly in the repertoire with Debussyst heritage, with which Villa-Lobos had an open dialogue in his first compositional phase.

    Keywords: Uirapuru. Villa-Lobos. Narrativity. Topics. Structure and Meaning.

  • LISTA DE ILUSTRAÇÕES

    Figura 1 - Cena do Bailado “Uirapurú”. Teatro Colón, Buenos Aires, 1940. Colado no verso um

    recorte de programa com as informações “8- Uirapurú (lenda do pássaro encantado).

    Bailado brasleiro em um acto. Texto e música de H. Villa-Lobos. Coreografia de Vaslav

    VELTCHEK, parte musical do maestro Martinez GRAU. Personagens: O índio feio –

    Vaslav VELTCHEK. O índio bonito - Juko Lindberg. A índia caçadora – Madalena

    ROSAY. Jovens índias – corpo de baile do Teatro Minicipal. Regisseur de baile –

    Americo Pereira”. No verso manuscrito “Foto L. Sudak / Teatro Colón / Buenos Aires”.

    .................................................................................................................................... 59

    Figura 2 - Vaslav Veltchek no bailado Uirapuru em 1940. Com a dedicatória “Au Grand Villa-

    Lobos un souvenir de Uirapuru e avec tout reconnaissance de m´avoir Donner realiser

    ce chef-d´ouvre de La musique brésilienne. Affectueusement. Vaslav Veltchek. Rio,

    1940” .......................................................................................................................... 60

    Figura 3 - Gráfico comparativo entre o número de compassos e o tempo de execução das as

    seçõ