mudanca, revolucao e transformacao social

Download Mudanca, revolucao e transformacao social

Post on 01-Jul-2015

1.620 views

Category:

Education

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Mudana, Revoluo e Transformao Social

  • ::: A mudana social e os clssicos :::

    AUGUSTE COMTE

    - Acreditava que a mudana social estava situada na mente, na qualidade e quantidade de conhecimentos sobre a sociedade;

    - Toda mudana, o progresso, est condicionada pela manuteno da ordem social (Ordem e Progresso, no Brasil);

    - Admitia a mudana, mas no podia alterar a ordem vigente (opo conservadora).

  • ::: A mudana social e os clssicos :::

    Estgios da Evoluo em COMTE:

    - 1 estgio Teolgico Atribuam a entidades e foras sobrenaturais as responsabilidades pelos acontecimentos;

    - 2 estgio Metafsico Surgiu quando as entidades sobrenaturais foram substitudas por ideias e causas abstratas e racionais. Momento da FILOSOFIA;

    - 3 estgio Positivo Corresponde Era da Cincia e da industrializao. Momento da SOCIOLOGIA.

  • ::: A mudana social e os clssicos :::

    KARL MARX

    - Analisou a Revoluo Francesa: considerou poltica e parcial, pois foi realizada para emancipar uma minoria (a burguesia);

    - Para Marx, uma revoluo radical est no fato de ser realizada pela maioria da sociedade;

    - Somente o proletariado pode libertar toda a sociedade da opresso. A transformao no parte do zero, ela sempre nega uma situao anterior.

  • Eis porque a humanidade no se prope nunca seno os problemas que ela pode resolver, pois, aprofundando a anlise, ver-se- sempre que o prprio problema s se apresenta quando as condies materiais para resolv-lo existem ou esto em vias de existir (p. 48).

  • ::: A mudana social e os clssicos :::

    Por que o proletariado?

    - Rene trs condies:

    a) uma organizao ao redor de uma condio comum (situao de vida);

    b) um projeto diferente de sociedade;

    c) a importncia para o funcionamento do sistema capitalista;

  • ::: A mudana social e os clssicos :::

    MILE DURKHEIM

    - Evoluo da solidariedade mecnica para a solidariedade orgnica (por causa da crescente diviso do trabalho). Estava preocupado com o processo de INTEGRAO social;

    - Motivos para essa evoluo:

    a) crescimento demogrfico (concentrao);

    b) aumento da qualidade e quantidade dos vnculos sociais, assim como das interaes econmicas.

  • ::: A mudana social e os clssicos :::

    MAX WEBER

    - Centrou sua anlise nos aspectos econmicos, incluindo o plano das ideias, crenas e valores;

    - Seu mtodo o dos TIPOS IDEAIS de ao e dominao (ver Captulo I);

    - Para Weber, a burocratizao crescente (controle sobre a sociedade a partir do Estado) de uma sociedade seria um entrave para a mudana social.

  • ::: Progresso e Desenvolvimento :::

    TEORIAS DA MODERNIZAO

    - Segundo essas teorias, a sociedade evolui de um estgio inicial (tradicional) para um estgio superior (moderno);

    - Essas teorias esto baseadas em Durkheim e Weber;

    - Segundo essas teorias, as sociedades tradicionais devem seguir os passos histricos e exemplos das sociedades modernas (industrializadas e urbanas). Modelos: EUA, Canad e Europa ocidental.

  • ::: Progresso e Desenvolvimento :::

    TEORIAS DA MODERNIZAO

    - A mudana social a evoluo em direo ao padro de modernidade;

    - Essas teorias so, portanto, ETNOCNTRICAS, LINEARES e CONSERVADORAS;

    - Alm disso, associa tradio a primitivismo e atraso, esquecendo que inmeros avanos cientficos derivam de conhecimentos considerados tradicionais.

  • ::: Teorias do subdesenvolvimento e dependncia :::

    - Anlise da histria de cada sociedade e das relaes econmicas e polticas entre os pases;

    - Os principais intelectuais dessa perspectivas estavam reunidos na Comisso Econmica para a Amrica Latina (CEPAL);

    - Alertava para as condies desiguais entre os pases;

    - Aos pases subdesenvolvidos cabe fornecer matrias-primas e comprar produtos industrializados dos desenvolvidos;

  • ::: Teorias do subdesenvolvimento e dependncia :::

    - Os pases desenvolvidos e subdesenvolvidos tiveram origens diferentes: metrpoles e colnias;

    - A dominao colonial (que perdurou por sculos) impediu que os pases latino-americanos desenvolvessem suas potencialidades livremente;

    - Industrializao dependente: ocorreu mediante a aliana entre os empresrios estrangeiros, nacionais e Estado;

  • ::: Teorias do subdesenvolvimento e dependncia :::

    - Nos pases subdesenvolvidos havia as condies para a industrializao dependente:

    a) proximidade em relao as matrias-primas;

    b) mo-de-obra barata;

    c) incentivos fiscais do Estado (deixava de cobrar impostos);

    d) o Estado construa toda a infra-estrutura necessria.

  • ::: REVOLUO :::

    - Transformao radical das estruturas sociais, polticas e econmicas de uma sociedade;

    Revoluo Reforma:

    - As reformas no se contrapem aos interesses dominantes; revolues buscam romper com a hegemonia da classe dominante;

    - A reformas buscam amenizar as contradies, solucionando os problemas temporariamente; as revolues apontam para emancipao humana.

  • ::: REVOLUO :::

    AS PRINCIPAIS ONDAS REVOLUCIONRIAS:

    - Sculos XVII XVIII Revolues burguesas:

    Revolues Inglesas Industrial Americana Francesa

    - Sculo XIX XX Revolues operrias:

    Revolues de 1848 Comuna de Paris Revoluo Russa Chinesa Cubana.

  • AS REVOLUES CLSSICAS

  • ::: Revoluo Inglesa (1642 - 1660) :::

    - Parte da nobreza e a burguesia combatem o poder absoluto do Rei;

    - O objetivo era limitar os poderes do Rei sobre as questes econmicas e tributao;

    - Entre 1649 1660 Perodo de regime republicano;

    - A soluo do conflito foi a instituio da chamada Bill of Rights (direitos) e a monarquia constitucional, limitando os poderes reais;

    - Foi a primeira grande vitria da burguesia comercial.

  • ::: Revoluo Americana (1776) :::

    - Luta contra o colonialismo ingls no havia inteno de transformar a realidade econmica e social;

    - A luta pela independncia e as caractersticas da populao estadunidense produziu uma sociedade avessa ao Estado (controle) e crente na individualidade (livre iniciativa, empreendedorismo, etc);

    - uma revoluo liberal clssica, pois luta por LIBERDADE e no IGUALDADE;

    - Para os liberais a IGUALDADE impede o desenvolvimento dos mais fortes, nivelando-os ao nvel dos mais fracos.

  • ::: Revoluo Francesa (1789) :::

    - Referncia para inmeros movimentos revolucionrios burgueses na Europa do sculo XVIII;

    - Combatia os privilgios da nobreza e do clero, representando a ascenso da burguesia (desejava o poder);

    - Foi uma revoluo que se propunha UNIVERSAL, lutando em nome de toda a humanidade;

    - Declarao Universal dos Direitos do Homem e do Cidado (1793) igualdade formal, defesa da propriedade privada e liberdade de comrcio.

  • TRS REVOLUES DO SCULO XX

  • ::: Revoluo Mexicana (1910 - 1917) :::

    - Foi uma resposta dos explorados do campo e da cidade a situao de desigualdade e explorao (1% da populao rica detinha 97% das terras);

    - 1 objetivo: era derrubar Porfrio Daz, no poder havia 20 anos e apoiado pelos EUA;

    - Grupos que participaram do movimento:a) camponeses liderados por Pancho Villa (ao norte);

    b) camponeses liderados por Emiliano Zapata (ao sul); c) trabalhadores urbanos reunidos na Casa del Obrero (COM) e liderados por Francisco Madero;

    - .

  • ::: Revoluo Mexicana (1910 - 1917) :::

    Conquistas da revoluo:

    - Separao da Igreja e do Estado;

    - Ensino pblico;

    - Jornadas de 8 horas, regulamentao do trabalho da mulher, menores, trabalho noturno, frias e horas extras;

    - Regulamentao da greve e organizao sindical; - Expropriao e diviso das terras da Igreja; manuteno das comunas em cooperativa (no foi realizada a reforma agrria total).

  • ::: Revoluo Russa (1917) :::

    - Derrubada do Czar Nicolau II, em fevereiro, e tomada do poder pelo bolcheviques, em outubro de 1917;

    - Inovao dessa revoluo: Conselhos operrios (sovietes), que expressavam uma nova sociedade, democrtica;

    - Aps a tomada do poder: todos os focos de oposio ao novo regime foram eliminados (russos brancos, mencheviques, anarquistas, Igreja ortodoxa, etc.) e os sovietes perder pouco a pouco sua influncia;

    - Extino da propriedade privada e fortalecimento do Estado e do partido comunista (que se confundiam).

  • ::: Revoluo Cubana (1959) :::

    - Luta contra a ditadura de Fulgncio Batista, apoiado pelos EUA;

    - Os revolucionrios desembarcam em Cuba em 1956;

    - Aproximao entre Cuba e URSS bloqueio econmico dos EUA;

    - Reforma agrria e melhoria das condies de vida da populao cubana;

  • ::: E agora, o que nos espera? :::

    - O que mais adequado para os tempos que vivemos: revoluo ou reforma?

    O mundo atual, principalmente os meios de comunicao e os governos, tem colocado em dvida a eficcia da proposta revolucionria e o uso da violncia como forma de mudana social;

    Por outro lado, visvel que as reivindicaes populares so duramente reprimidas pelas foras policiais e foras armadas em todo o mundo, mesmo as manifestaes pacficas. Se os opressores no abrem mo da violncia para se manter no poder, porque os pobres no podem fazer uso dela?

  • ::: Bibliografia :::

    TOMAZI, Nelson. Sociologia para o Ensino Mdio. So Paulo: Atual, 2007.

    www.google.com.br

    **************************************************