momento atual

Download Momento Atual

Post on 15-Jun-2015

2.624 views

Category:

Economy & Finance

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Cenrios sobre o momento econmico.Sugestes para como enfrentar esta crise

TRANSCRIPT

  • 1. LUIZ HILTON TEMP Vice-Presidente da AURORA

2. Sangramento das economias mundiais 3. OQUENOS ESPERA 4. Viso de nosso guia LULA 30 de maro de 2008: quot;Bush, meu filho, resolve a sua crisequot; 17 setembro 2008: quot;Que crise? Pergunta para o Bushquot; 29 de setembro de 2008: quot;O Brasil, se tiver que passar por aperto,ser muito pequenoquot; 30 de setembro de 2008: quot;A crise muito sria e to profunda que ns ainda no sabemos o tamanhoquot; 22 de setembro de 2008: quot;At agora, graas a Deus, a crise no atravessou o Atlnticoquot; 4 de outubro de 2008: quot;L, a crise um tsunami. Aqui, se chegar, vai ser uma marolinha, que no d nem para esquiarquot; 5 de outubro de 2008: quot;Queremos que esse tema da crise seja levado ao Congressoquot; 5. Henrique MeirellesDepoimento ao Senado no dia 30.10.2008 De setembro de 2007 at agora, cerca de US$ 32 trilhes foram perdidos nas bolsas de valores de todo o mundo, O Banco Central j fez atuaes no mercado de cmbio no valor de US$ 32,8 bilhes entre os dias 19 de setembro e 28 de outubro para segurar a disparada do dlar. BC j vendeu US$ 4,6 bilhes em dlares das reservas internacionais, que hoje somam US$ 203 bilhes. 6. Previses oficiais injetam crise no cenrio de 2010Blog Josias de Souza Folha de So Paulo 02.11.081. Definhando as receitas, o governo no hesitar em cortar os gastos;2. A lmina ser seletiva. Ficam de fora obras de infra-estrutura e programas sociais. OPAC e o Bolsa Famlia so, no dizer de Lula, intocveis;3. Tampouco o aumento do salrio mnimo (12%, em fevereiro de 2009) ser alcanadopela faca;4. Na contramo da retrao das empresas, o governo pretende pisar no acelerador em2009, ao preo de uma reduo no supervit fiscal;5. Em vez de poupar o equivalente a 4,3% do PIB, como previsto na verso inicial doOramento de 2009, a economia ser de, no mximo, 3,8%.6. Com isso, o governo passar a dispor de algo como R$ 15 bilhes a R$ 20 bilhes parainvestir. Numa fase em que o empresariado estar com o p no freio;7. A esse valor podem ser acrescidos, se necessrio, os R$ 14 bilhes que a Fazendadestinou, em 2008, ao Fundo Soberano. Da a pressa em aprovar o fundo no Congresso. 7. Em nov/2008 o mundo enfrenta uma probabilidade de 60% derecesso de acordo com o FMI, um valor que est acima deoutros pontos onde j aconteceram recesses. A probabilidade em ndice, 1 = Os destaques em 100% cinza significamperodos onde ocorreram recesses.Em nov/2008 a probabilidade derecesso 60% 8. Observado as duraes da recesso e os tempos de invervaloentre cada uma delas, estamos iniciando um ciclo recessivo.Aprobabilidade em ndice, 1 = Os destaques em100% cinza significamperodos onde ocorreram recesses. 9. De acordo com a projeo do FMI, a queda na atividade econmica finalizaria no final de 2008, e as economias s recuperariam o crescimento no 2o semestre de 2009.Variao do PIB08Australia, Canad, Dinamarca, UE, Japo, Nova Zelndia,Noruega, Sucia, Suca, Reino Unido, EUA 10. E como pode ser visto, o mundo no recuperaria o patamar de crescimento equivalente ao final de 2007 no final de 2009.Variao do PIB 08Australia, Canad, Dinamarca, UE, Japo, Nova Zelndia,Noruega, Sucia, Suca, Reino Unido, EUA 11. Na ltima recesso, entre 2001 e 2002, as economias avanas demoraram quase 3 anos para recuperar o mesmo patamar de crescimento ao final de 2000. Variao do PIBNaquela poca, aseconomias emergentesexperimentaram umarecuperao maisrpida, puxadas pelaexpanso da China e ofornecimento dematrias primas.A China no manter omesmo patamar decrescimento ocorrido. 08 Australia, Canad, Dinamarca,UE, Japo, Nova Zelndia, Noruega, Sucia, Suca, ReinoUnido, EUA 12. Entre abril e outubro de 2008 diminui o apetite ao risco, e ficaro mais apertadas as condies monetrias e financeiras. Ao mesmo tempo (e como consequncia das condies) aumentam os riscos de crdito e assim os riscos de mercado e liquidez.RiscosRiscos nos mercados emergentes Riscos de crdito RiscosRiscos de macroeconmicos mercado e liquidez Monetrias e FinanceirasApetite ao risco Condies 13. Panorama simplificado do mundo para 2009 Espera-se recesso (se j no estamos nela!) Os emergentes ainda suportaro o ano com bons desempenhos (e os pases desenvolvidos enfrentaro desepenhos pfios) Espera-se a estabilizao dos preos das commodities Finalmente o fundo do poo (e o fim) da crise imobiliria nos Estados Unidos, com o realinhamento dos preos O setor financeiro internacional enfrentar dificuldades para construir crdito (e por consequncia teremos limitaes no Brasil) Inflao crescente 14. Panorama simplificado do Brasil para 2009 As condies econmicas sero mais apertadas, porm estveis. Menor fluxo financeiro entrando no Brasil, propiciando uma taxa cambial no to baixa como no 1o sem 2008, mas no to alta quanto em out/2008. Falam pouco abaixo de R$2,00. Inflao superior a 2008, resultante da acomodao dos preos das commodities em todas as cadeias de valor, e um dlar mais alto para importaes. Crdito corporativo caro, considerando que as principais fontes de financiamento sejam os bancos brasileiros, considerando que os estrangeiros pagaro dvidas em 2009. Possvel queda dos investimentos (pela falta de crdito), com consequente aumento do desemprego. 15. Panorama simplificado do Brasil para 2009 Sem recesso, mas crescimento pequeno. Menos crescimento = menor massa salarial Inflao reduzir o poder de consumo Pessoa fsica endividada Massa consumo menor = potencial dimunuio massa salarial inflao dvidas Consumidor endividado e sem crdito novo, pra de comprar, e pode agravar o j reduzido crescimento previsto para 2009. 16. Panorama simplificado do Brasil para 2009 Condio para captar Crdito em 2009 Gerar resultado ser imperativo para bancos brasileiros fornecerem capital de giro ou investimento = melhores indicadores de balano e resultado. Ou com o resultado ruim demonstrar que existe um plano de gesto para a recuperao de resultados. O banco cobrar esse plano como contrapartida para liberar recursos. Crdito mais caro para financiar operao, mesmo com bom desempenho = menor oferta e ambiente de risco Crdito corporativo escasso, os bancos estrangeiros pagaro dvidas fora. Os brasileiros obtm dinheiro internamente. Mais do que pensar como captar ser mais prudente que todos os gestores na empresa pensem em como reduzir as necessidades de capital de giro e de investimento 17. Panorama simplificado do Brasil para 2009 Como crescer em 2009 Realizar parcerias de otimizao na cadeia de valor O mercado ficar mais competitivo: consumidor com menos dinheiro = mercado menor para os mesmos concorrentes. Mercado mais competitivo poder gerar queda nos preos (como contrapartida ajudando a manter a inflao controlada). Falta de crdito vai gerar necessidade de aumento dos programas de produtividade e reestruturao 18. Panorama simplificado do Brasil para 2009 Panorama poltico No temos nenhum fator poltico importante que potencialize o cenrio econmico no prximo ano. Lula j teria definido Dilma Roussef como sua sucessora. Execuo do PAC deve sofrer reviso, continuar a ser executado, porm em velocidade menor. A me do PAC a Dilma, ser a bandeira para a continuidade do PT. 19. P 20. Sem um plano, o que fcil torna-se difcil; com um plano, o difcil torna-se fcil. Texto Judaco 21. Viso do BradescoDe modo geral, todos os setoresdevem ser afetados pelo cenrio internacional que est marcadopor aperto de liquidez, compresso do crdito e desacelerao da economiamundial. 22. CRISE ADIA INVESTIMENTOS E SUSPENDENEGCIOS NO BRASIL Lojas Renner (Varejo) no vai mais comprar a Leader Magazine Duratex adiou por 6 meses os investimentos Inbev(AMBEV) adiou o lanamento de aes para comprar a Budweiser Arcelor Mittal est revendo investimentos no Brasil e est negociando reduo do preo do minrio pago vale A UNICA (cana de aucar) considera que pode haver cancelamento de projetos MMX (minerao) cancelou investimento em porto Votorantim cancelou disputa para um terminal de exportao no Rio de janeiro Construtoras cancelando projetos. Vale reduz em 30 milhoes de toneladas de minrio de ferro Ita e Unibanco formam um banco nico. 23. PESQUISA QUORUM BRASIL / OUTUBRO 2008ATENO: REALIZADA EM 29, 30 E 31 DE SETEMBRO Fonte: Quorum Brasil Outubro de 2008 / www.quorumbrasil.com.br 24. NO TEMOS CERTEZA DE NADA! (e no vai dar para ter certeza de nada!!!!)A nica certeza o 25. No perca tempo procurando indicadores que demonstrem melhoria Melhor opo Opes que correm o risco de no ocorrerem na incertezaPior CenrioIncertezaMelhor Cenrio 26. Se aqui estivessem as suas possibilidades para onde voc iria? 27. E aqui? 28. No importa para onde voc v, v com um bom caixa! 29. TOME MEDIDAS DIFCEIS E ANTES IMPENSVEIS PARA PROTEGER OCAIXA. 30. Prepare-se para o PIOR CENRIO(ALGUMAS POSSIBILIDADES) Pases Protegendo suas Economias = Reduo das Exportaes Diminuio Drstica das Exportaes Dlar > 2,00 = Custo Alto para Importar Aumento da Inflao > 10% Juros Altos > 14% 31. Prepare-se para o PIOR CENRIO (ALGUMAS POSSIBILIDADES) Diminuio do Consumo Individual Recesso no Brasil Reduo do Crdito para Financiar a Operao (NCG) Dificuldades no Sistema Agropecurio Quebra de Empresas Slidas Quebra de Instituies Financeiras 32. Atualmente melhor ficar vermelho (de vergonha) de uma vez... 33. ...do que ficar muitas vezes amarelo.... 34. SE VOC TEM O CRDITO RESTRITO E BAIXA GERAO DE CAIXA PRPRIO ENTO: INVISTA NA PRODUTIVIDADE DOS ATIVOS ATUAIS, DELEGUE ESSA META A RESPONSVEIS NA EMPRESA. CANCELE/SUSPENDA QUALQUER OPERAO QUE NO GERE FLUXO DE CAIXA POSITIVO (SOMA DE SADAS + ENTRADAS ESPECFICAS) AUMENTE A PRODUTIVIDADE DO TEMPO DOS ATIVOS: FSICOS, PESSOAS, TRANSPORTE. TEMPO PARADO MENOS ENTRADA DE CAIXA (OU SADAS DESNESSRIAS = DESPESAS) MANTENHA AS PESSOAS NA EMPRESA ALINHADAS NA GESTO PELO CAIXA. FAA PESSOALMENTE REVISES SEMANAIS DO

Recommended

View more >