mÓdulo 06 - o perÍodo regencial ( 1831-1840) devido a abdicação de d.pedro i e a menoridade de...

Download MÓDULO 06 - O PERÍODO REGENCIAL ( 1831-1840) Devido a abdicação de D.Pedro I e a menoridade de Pedro II, as regências assumem o Império: REGÊNCIA TRINA

Post on 16-Apr-2015

127 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • MDULO 06 - O PERODO REGENCIAL ( 1831-1840) Devido a abdicao de D.Pedro I e a menoridade de Pedro II, as regncias assumem o Imprio: REGNCIA TRINA PROVISRIA(1831) REGNCIA TRINA PERMANENTE(1831-1834) Aprovao do Ato Adicional de 1834: extingui o conselho de Estado instituiu a Regncia Una criao das Assemblias Provinciais
  • Slide 2
  • PARTIDOS POLTICOS LIBERAL MODERADO(CHIMANGOS) monarquistas liberais LIBERAL EXALTADO(FARROUPILHOS) partidrios da Repblica e Monarquia descentralizada. - RESTAURADOR( CARAMURUS) Burocratas e comerciantes portugueses / Pretendiam a volta de D.Pedro I.
  • Slide 3
  • Fase tensa e convulsionada: revoltas em diversas regies ameaa unidade territorial abalos no poder das elites(escravido e latifndio) Principais revoltas: CABANAGEM(PA) BALAIADA(MA) SABINADA(BA) MALES(BA) FARROUPILHA(RS)
  • Slide 4
  • O perodo chegou ao fim em 1840 com o GOLPE DA MAIORIDADE - tentativa de resolver a crise de governabilidade e afastar o Regente Uno Arajo Lima do poder. CONCLUSO : O GOLPE ASSEGUROU O RETORNO ESTABILIDADE E UNIO DAS ELITES, PRESERVANDO O LATIFNDIO, A ESCRAVIDO E A UNIDADE TERRITORIAL.
  • Slide 5
  • MDULO 06 - O II REINADO( 1840- 1889) A) Poltica Interna Predomnio do Parlamentarismo s avessas: Inverso do modelo ingls Com o Poder Moderador, o Imperador reina, governa e administra Assegura a centralizao, agradando as elites dos partidos Liberal e Conservador.
  • Slide 6
  • - Presena dos Partidos Liberal e Conservador: * elites agrrias e escravistas * revezaram-se no poder sem alterarem as bases do Imprio. Nada mais saquarema(conservador) no poder do que um luzia(liberal)... - A Revolta Praieira(1848/1849) (apostila 02 pgina 56)
  • Slide 7
  • B) POLTICA EXTERNA A QUESTO CHRISTIE Em 2 de abril de 1861, o navio ingls Prnce of Wales, encalhou e comeou a adernar prximo ao arroio Chu, no Rio Grande do Sul. Alguns populares resolveram levar a carga transportada pelo navio encalhado, porque j a davam como perdida. Quando os marinheiros britnicos retornaram, encontraram na praia os corpos sem vida de dez dos seus companheiros, e ao constatarem em seguida o prejuzo que haviam sofrido, decidiram apresentar uma reclamao ao embaixador ingls William Dougal Christie, que a encaminhou ao imperador D. Pedro II juntamente com o pedido de indenizao e desculpas, tendo recebido resposta negativa.
  • Slide 8
  • Diante disso, em abril de 1862, a Inglaterra enviou uma canhoneira que ameaou atacar a cidade gacha de Rio Grande e apreendeu cinco navios brasileiros que ali estavam fundeados, exigindo do governo uma indenizao de 3,2 mil libras esterlinas As relaes entre as duas naes se tornaram extremamente tensas e o rei Leopoldo, da Blgica, foi nomeado como rbitro. Acreditando na derrota, D. Pedro II decidiu pagar antecipadamente a indenizao.Ao tomar conhecimento de que os ingleses haviam perdido o imperador brasileiro passou a exigir a devoluo do dinheiro e a apresentao de desculpas.
  • Slide 9
  • C) ECONOMIA E SOCIEDADE C.1- A Economia Cafeeira: - Recuperao da economia em crise desde o I Reinado. A Marcha da economia cafeeira: - Litoral Fluminense - Vale do Paraba - Sul de Minas - *Oeste Paulista(1860/1870)rea de excelncia. Fatores favorveis expanso: - abundncia de terras + m.obra - condies naturais - mercados externos(EUA /Frana /Inglaterra)
  • Slide 10
  • PROBLEMA:o fim do trfico e a diminuio da oferta de escravos. SOLUO: 1- trfico interno de escravos 2- incentivo imigrao IMIGRAO- duas etapas: 1- Sistema de Parceria(1850/1870) Fracasso: imigrante=escravo por dvidas 2- Sistema Subsidiado(1870) xito( recursos de fazendeiros e SP)
  • Slide 11
  • C.2- O I SURTO INDUSTRIAL OU ERA MAU(1850-1870) - Diversos empreendimentos(bancos, ferrovias,fbricas, telgrafo,Cia de Iluminao etc...) sob a gesto do empresrio Irineu Evangelista de Souza(Baro de Mau). - Fatores favorveis: - tarifa Alves Branco - investimentos ingleses - recursos da cafeicultura - fim do trfico negreiro
  • Slide 12
  • D) CRISE DO ESCRAVISMO E A CRISE FINAL DO IMPRIO. Fatores: - presses inglesas contrrias ao trfico e escravido. - o fim do trfico e o encarecimento do preo do escravo. - presena do imigrante na lavoura cafeeira - a resistncia negra:fugas,suicdios, quilombos, sabotagens etc. - leis brasileiras limitando o trfico e a escravido:
  • Slide 13
  • Lei Eusbio de Queiros(1850) Lei Nabuco Arajo(1854) Lei do Ventre Livre(1871) Lei do Sexagenrio(1885) LEI UREA (13/05/1888) E) A CRISE FINAL DO IMPRIO E A TRANSIO PARA A REPBLICA. FATORES: a questo social ou a crise do escravismo a questo religiosa ou EPSCOPO MANICA, opondo a Igreja frente ao Imprio.
  • Slide 14
  • as questes militares, indispondo oficiais do exrcito frente a autoridades do Imprio. o avano do Positivismo nos meios civis e militares o crescimento do Republicanismo(CONVENO DE ITU) o desgaste do Imprio frente ao setores mdios urbanos CONCLUSO : o velho e decadente regime monrquico no mais atendia os interesses dos novos setores dinmicos da economia(burguesia cafeeira do Oeste Paulista), interessados na Repblica e no Federalismo. Em 15/11/1889 o Marechal Deodoro da Fonseca deps o ltimo ministrio da Monarquia, assegurando o fim do Imprio.