MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ESAF Nº 16, ... 1.2.1.3 - Prova 3 - Discursiva – de caráter…

Download MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ESAF Nº 16, ... 1.2.1.3 - Prova 3 - Discursiva – de caráter…

Post on 10-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>MINISTRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA </p> <p>ESCOLA DE ADMINISTRAO FAZENDRIA </p> <p>EDITAL ESAF N 16, DE 28 DE MARO DE 2005 * </p> <p>CONCURSO PBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE ANALISTA DE FINANAS E CONTROLE AFC DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL-STN </p> <p>O DIRETOR-GERAL DA ESCOLA DE ADMINISTRAO FAZENDRIA, no uso de suas atribuies e considerando a subdelegao de competncia outorgada ESAF pela Portaria n 01, de 05/01/2005, do Secretrio-Executivo do Ministrio da Fazenda, publicada no Dirio Oficial da Unio - DO de 06/01/2005, RESOLVE divulgar a abertura das inscries e estabelecer normas para a realizao do concurso pblico destinado a selecionar candidatos para o provimento de cargos vagos de Analista de Finanas e Controle AFC, da Secretaria do Tesouro Nacional-STN, do Ministrio da Fazenda, autorizado pela Portaria n 376, do Ministrio do Planejamento, Oramento e Gesto - MP, publicada na Seo 1 do DO de 31 de dezembro de 2004. </p> <p>1 - DAS DISPOSIES PRELIMINARES 1.1 - O concurso visa ao provimento do nmero de vagas definido no subitem 1.3, observado o disposto nos subitens 13.2.3 e </p> <p>13.3. 1.2 - O concurso ser constitudo de duas etapas, especficas para este processo seletivo: 1.2.1 - Primeira Etapa - assim constituda: 1.2.1.1 - Prova 1 - Objetiva de Conhecimentos Gerais de carter seletivo, eliminatrio e classificatrio, valendo, no </p> <p>mximo, 80 pontos ponderados; 1.2.1.2 - Prova 2 - Objetiva de Conhecimentos Especficos de carter seletivo, eliminatrio e classificatrio, valendo, no </p> <p>mximo, 60 pontos ponderados; 1.2.1.3 - Prova 3 - Discursiva de carter seletivo, eliminatrio e classificatrio, valendo, no mximo, 50 pontos; 1.2.1.4 - Ttulos - de carter apenas classificatrio, valendo, no mximo, 10 pontos. 1.2.2 - Segunda Etapa - Curso de Formao - de carter apenas eliminatrio, ao qual sero submetidos somente os </p> <p>candidatos habilitados e classificados na Primeira Etapa, na forma do subitem 12.1, at o limite de vagas estabelecido no subitem 1.3, ressalvada a possibilidade de acrscimo e de substituio prevista no 3 do art. 1 do Decreto n 4.175, de 27 de maro de 2002, publicado no DO de 28 de maro de 2002 e na Portaria MP n 450, de 06 de novembro de 2002, publicada no DO de 07/11/2002, respectivamente, e obedecido o Regulamento prprio a lhes ser entregue quando da apresentao no local de realizao desta Etapa. </p> <p>1.3 - A escolaridade, o nmero de vagas por rea de Conhecimento, a localidade de exerccio e a taxa de inscrio so os estabelecidos no quadro a seguir: Cargo: ANALISTA DE FINANAS E CONTROLE (Secretaria do Tesouro Nacional - STN) Escolaridade: Curso superior concludo em nvel de graduao Taxa de Inscrio: R$ 100,00 (cem reais) </p> <p> N de vagas rea de Conhecimento Ampla Portadores de Localidade </p> <p> concorrncia deficincia Total de exerccio Econmico Financeira 76 04 80 Contbil Financeira 26 02 28 Tecnologia da Informao 09 01 10 Braslia - DF Desenvolvimento Institucional 06 01 07 </p> <p>Total 117 08 125 1.4 - As vagas distribudas por rea de conhecimento so independentes e no se comunicam para efeito da classificao, da </p> <p>aprovao e da nomeao. 2 - DA REMUNERAO INICIAL DO CARGO: at R$ 6.810,38, a partir de abril/2005. 3 - DO REGIME JURDICO O regime jurdico para os candidatos aprovados e classificados neste processo seletivo ser o vigente na data da nomeao, </p> <p>observado, principalmente, o disposto na Lei n 9.962, de 22 de fevereiro de 2000. 4 - DAS ATRIBUIES DO CARGO Atividade de nvel superior, de complexidade e responsabilidade elevadas, compreendendo superviso, coordenao, direo </p> <p>e execuo de trabalhos especializados sobre gesto oramentria, financeira e patrimonial, anlise contbil e de programas; assessoramento especializado em todos os nveis funcionais dos Sistemas de Administrao Financeira Federal e de Contabilidade Federal; orientao e superviso de auxiliares; anlise, pesquisa e percia dos atos e fatos de administrao oramentria, financeira e patrimonial; interpretao da legislao econmico-fiscal e financeira; superviso, coordenao e execuo dos trabalhos referentes programao financeira anual e plurianual da Unio; modernizao e informatizao da administrao financeira do Governo Federal. </p> <p>5 - DOS REQUISITOS PARA INVESTIDURA NO CARGO 5.1 - O candidato aprovado no processo seletivo de que trata este Edital ser investido no cargo, se atendidas as seguintes </p> <p>exigncias: a) ter sido aprovado e classificado no concurso, na forma estabelecida neste Edital; b) ter nacionalidade brasileira; no caso de nacionalidade portuguesa, estar amparado pelo estatuto de igualdade entre </p> <p>brasileiros e portugueses, com reconhecimento do gozo dos direitos polticos, na forma do disposto no art. 13 do Decreto n 70.436, de 18 de abril de 1972; </p> <p>c) gozar dos direitos polticos; d) estar quite com as obrigaes eleitorais; e) estar quite com as obrigaes do Servio Militar, para os candidatos do sexo masculino; </p> <p>f) ter idade mnima de 18 anos; g) ter aptido fsica e mental para o exerccio das atribuies do cargo, comprovadas por junta mdica do Ministrio da </p> <p>Fazenda; h) possuir a escolaridade prevista no subitem 1.3; i) apresentar certido dos setores de distribuio dos foros criminais dos lugares em que tenha residido, nos ltimos cinco </p> <p>anos, da Justia Federal e Estadual; j) apresentar folha de antecedentes da Polcia Federal e da Polcia dos Estados onde tenha residido nos ltimos cinco anos, </p> <p>expedida, no mximo, h seis meses; l) apresentar, na forma da legislao vigente, declarao firmada pelo candidato de no ter sido, nos ltimos cinco anos: I responsvel por atos julgados irregulares por deciso definitiva do Tribunal de Contas da Unio, do Tribunal de Contas de </p> <p>Estado, do Distrito Federal ou de Municpio, ou ainda, por conselho de contas de Municpio; II punido, em deciso da qual no caiba recurso administrativo, em processo disciplinar por ato lesivo ao patrimnio </p> <p>pblico de qualquer esfera de governo; III condenado em processo criminal por prtica de crimes contra a Administrao Pblica, capitulados nos Ttulos II e XI </p> <p>da Parte Especial do Cdigo Penal Brasileiro, na Lei n 7.492, de 16 de junho de 1986, e na Lei n 8.429, de 2 de junho de 1992; m) apresentar outros documentos que se fizerem necessrios, poca da posse. 5.1.1 - A falta de comprovao de qualquer um dos requisitos especificados neste subitem e daqueles que vierem a ser </p> <p>estabelecidos na letra m impedir a posse do candidato. I PRIMEIRA ETAPA 6 - DA INSCRIO 6.1 - A inscrio do candidato implicar o conhecimento e a tcita aceitao das normas e condies estabelecidas neste </p> <p>Edital, em relao s quais no poder alegar desconhecimento. 6.2 - O pedido de inscrio ser efetuado no perodo de 11 a 29 de abril de 2005, mediante recolhimento, em guia especfica, </p> <p>da correspondente taxa de inscrio, em qualquer agncia bancria, constando como depositante o prprio candidato. O Formulrio de Pedido de Inscrio - Guia de Recolhimento - estar disponvel nos endereos constantes do Anexo II deste Edital. </p> <p>6.2.1 - Aps as providncias descritas no subitem 6.2, o candidato dever retornar, obrigatoriamente, ao endereo no qual recebeu o Formulrio de Pedido de Inscrio, entre os indicados no Anexo II, para entregar, mediante recibo, a via ESAF do respectivo formulrio, devidamente preenchida e assinada, e receber o Edital do concurso. </p> <p>6.2.2 O candidato poder, tambm, realizar sua inscrio e o pagamento da taxa a ela pertinente, via internet, por meio de dbito em conta corrente (para correntistas do Banco do Brasil) ou por boleto eletrnico, pagvel em toda a rede bancria, utilizando-se do site www.esaf.fazenda.gov.br, no perodo compreendido entre 10 horas do dia 11/04/2005 e 20 horas do dia 01/05/2005, considerado o horrio de Braslia-DF. </p> <p>6.2.2.1 - Somente o pagamento da taxa de inscrio via internet correspondente a boleto eletrnico j impresso, no concretizado at o encerramento do horrio estabelecido no subitem anterior poder ser efetuado no primeiro dia til subseqente ao ltimo dia do perodo destinado ao recebimento de inscrio via internet, indicado no subitem 6.2.2. </p> <p>6.2.2.2 - O candidato poder retirar o Edital regulador do concurso no endereo eletrnico indicado no subitem 6.2.2 ou, de posse do recibo de confirmao de inscrio, nos endereos indicados no Anexo II deste Edital. </p> <p>6.2.2.3 - A ESAF no se responsabilizar por pedidos de inscrio, via internet, que deixarem de ser concretizados por motivos de ordem tcnica dos computadores, falhas de comunicao, congestionamento das linhas de comunicao ou outros fatores de ordem tcnica que impossibilitem a transferncia de dados. </p> <p>6.3 - Ser admitida a inscrio por terceiros mediante a entrega de procurao do interessado, acompanhada de cpia legvel do documento de identidade do candidato. </p> <p>6.3.1- No h necessidade de reconhecimento de firma na procurao. 6.3.2 - O candidato inscrito por procurao assume total responsabilidade pelas informaes prestadas por seu procurador, </p> <p>arcando com as conseqncias de eventuais erros de seu representante no preenchimento do Formulrio de Pedido de Inscrio. 6.4 - No ser acatado pedido de inscrio por via postal, via fax, via correio eletrnico, condicional e extemporneo. 6.5 - Ser considerado inscrito no concurso o candidato que tiver o seu Pedido de Inscrio confirmado, na forma dos </p> <p>subitens 6.13 e 6.13.1. 6.6 - No caso de pagamento com cheque, este somente ser aceito se do prprio candidato, sendo considerada sem efeito a </p> <p>inscrio se o cheque for devolvido por qualquer motivo. 6.7 - O valor da taxa de inscrio no ser devolvido em hiptese alguma. 6.8 - No sero aceitos pedidos de iseno de pagamento do valor da taxa de inscrio, seja qual for o motivo alegado. 6.9 - Ao preencher o Formulrio de Pedido de Inscrio, vedada qualquer alterao posterior, o candidato indicar uma nica </p> <p>rea de Conhecimento, a cujas vagas optar por concorrer e a localidade onde deseja prestar as provas, entre as indicadas no Anexo II deste Edital. </p> <p>6.9.1 - O candidato somente poder inscrever-se uma nica vez, para uma nica rea de Conhecimento, considerando que as provas sero realizadas nos mesmos dias e horrios. </p> <p>6.10 - As informaes prestadas no Formulrio de Pedido de Inscrio so da inteira responsabilidade dos candidatos, dispondo a ESAF do direito de excluir do processo seletivo aquele que o preencher com dados incorretos, incompletos ou rasurados, bem como se constatado, posteriormente, que os mesmos so inverdicos. </p> <p>6.11 - O candidato que se julgar amparado pelo Decreto n 3.298, de 20/12/99, publicado na Seo 1 do DOU de 21/12/99, alterado pelo Decreto n 5.296, de 02/12/2004, publicado na Seo 1 do DOU de 03/12/2004, poder concorrer s vagas reservadas a portadores de deficincia, fazendo sua opo no Formulrio de Pedido de Inscrio. </p> <p>6.11.1 - No ato da inscrio, juntamente com o Formulrio de Pedido de Inscrio (via ESAF) j devidamente preenchido, o candidato portador de deficincia dever: </p> <p>a) apresentar laudo mdico atestando a espcie e o grau ou nvel da deficincia, com expressa referncia ao cdigo correspondente da Classificao Internacional de Doena - CID, bem como a provvel causa da deficincia; </p> <p>b) requerer, se necessrio, tratamento diferenciado para os dias do concurso, indicando as condies diferenciadas de que necessita para a realizao das provas; </p> <p>c) requerer, se necessrio, tempo adicional para a realizao das provas, apresentando justificativa acompanhada de parecer emitido por especialista da rea de sua deficincia. </p> <p>6.11.1.1 - O atendimento diferenciado, referido nas letras b e c do subitem 6.11.1, obedecer a critrios de viabilidade e de razoabilidade e ser comunicado ao candidato quando da confirmao do seu pedido de inscrio, na forma dos subitens 6.13 e 6.13.1. </p> <p>6.11.1.2 - O candidato portador de deficincia, que optar por efetivar sua inscrio pela internet, dever enviar, via SEDEX, para ESAF/Concurso Pblico AFC/STN/2005 Rodovia BR 251 Km 04 Lago Sul CEP 71.686 - 900 - Braslia-DF, o atestado mdico a que se refere o subitem 6.11.1, a e indicar, obrigatoriamente, no seu pedido de inscrio via eletrnica, o nmero do registro da postagem. </p> <p>6.11.2 - O candidato portador de deficincia participar do concurso em igualdade de condies com os demais candidatos, no que se refere ao contedo, avaliao, ao horrio, ao local de aplicao das provas e nota mnima exigida para todos os demais candidatos, observado o disposto no subitem 6.11.1. </p> <p>6.11.3 - Os deficientes visuais que solicitarem prova em Braille, na forma do disposto na letra b do subitem 6.11.1 devero levar, nos dias de aplicao das provas, reglete e puno, para que suas respostas sejam dadas, tambm, em Braille. </p> <p>6.11.4 - O candidato de que trata o subitem 6.11, se aprovado e habilitado na primeira etapa do concurso, ser, antes de sua matrcula na Segunda Etapa, submetido avaliao de Equipe Multiprofissional, na forma do disposto no art. 43 do Decreto n 3.298, de 20/12/99. </p> <p>6.11.4.1 Para os efeitos do subitem 6.11.4 o candidato ser convocado uma nica vez. 6.11.4.2 O no comparecimento avaliao de que trata o subitem 6.11.4, no prazo a ser estabelecido em Edital de </p> <p>convocao, implicar em ser o candidato considerado desistente do processo seletivo. 6.11.5 - A Coordenao-Geral de Recursos Humanos do Ministrio da Fazenda, com base no parecer da Equipe </p> <p>Multiprofissional, decidir, de forma terminativa, sobre a qualificao do candidato como portador de deficincia e sobre a compatibilidade da deficincia da qual portador com as atribuies do cargo. </p> <p>6.11.6 - Os candidatos considerados portadores de deficincia, se habilitados e classificados, alm de figurarem na lista geral de classificao da rea de Conhecimento pela qual optaram por concorrer, tero seus nomes publicados em separado. </p> <p>6.11.7 Caso o candidato no tenha sido qualificado pela Equipe Multiprofissional como portador de deficincia, nos termos do art. 4 do Decreto n 3.298, de 20/12/1999, alterado pelo Decreto n 5.296, de 02/12/2004, este perder o direito de concorrer s vagas reservadas a candidatos em tal condio e passar a concorrer juntamente com os candidatos de ampla concorrncia, observada a rea de Conhecimento de sua opo. </p> <p>6.11.8 - Caso o candidato tenha sido qualificado pela Equipe Multiprofissional como portador de deficincia, mas a deficincia da qual portador seja considerada, pela Equipe Multiprofissional, incompatvel para o exerccio das atribuies do cargo, definidas no item 4 deste Edital, este ser considerado INAPTO e, conseqentemente, reprovado no concurso, para todos os efeitos. </p> <p>6.11.9 - A compatibilidade entre as atribuies do cargo e a deficincia apresentada pelo candidato, referida no subitem 6.11.8, ser avaliada, ainda, durante o estgio probatrio, na forma estabelecida no 2 do art. 43 do Decreto n 3.298/99. </p> <p>6.12 - As vagas reservadas a portadores de deficincia no preenchidas na Primeira Etapa do concurso, revertero aos demais candidatos habilitados de ampla concorrncia, observada a ordem classificatria da rea de Conhecimento da qual foram subtradas. </p> <p>6.13 - Os locais d...</p>

Recommended

View more >