MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA ?RIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIAS…

Download MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA ?RIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIAS…

Post on 09-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

MINISTRIO DA FAZENDA

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

SUPERINTENDNCIAS REGIONAIS

8 REGIO FISCAL

ALFNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL NO PORTO DE SANTOS

PORTARIA N 200, DE 13 DE ABRIL DE 2011

DOU de 14/04/2011 (n 72, Seo 1, pg. 61)

Determina que os procedimentos de autorizao pela Autoridade Aduaneira para o ingresso, a permanncia e a movimentao de pessoas e veculos, nos locais e recintos alfandegados, ou a bordo de embarcaes de viagem internacional, em toda a rea sob a jurisdio da Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, sejam feitos por meio de sistemas eletrnicos.

O INSPETOR-CHEFE DA ALFNDEGA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DO PORTO DE SANTOS, no uso de suas atribuies regimentais, previstas no inciso XVI do art. 220 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB, aprovado pela Portaria MF n 587, de 21 de dezembro de 2010, considerando o art. 237 e o art. 37, XVII, da Constituio Federal; e tendo em vista o disposto no inciso II do art. 36 da Lei n 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, nos arts. 3, 4, 5 e 24 do Decreto 6.759, de 5 de fevereiro de 2009, nos arts. 34 a 39 da Lei n 12.350, de 20 de dezembro de 2010, regulamentada pela Portaria RFB n 2.438, de 21 de dezembro de 2010; bem como a Resoluo 2, estabelecendo o ISPS-Code, na forma do Captulo XI-2, anexo Conveno Internacional para Salvaguarda da Vida Humana no Mar, concluda em Londres no ano de 1974, no mbito da Organizao Martima Internacional, que foi promulgada no Brasil atravs do Decreto n 87.186, de 18 de maio de 1982; resolve:

Art. 1 - Determinar que a autorizao de acesso aos locais ou recintos alfandegados seja efetuada por meio de sistemas eletrnicos de controle, em conformidade com o art. 17 da Portaria RFB n 2.438, de 21 de dezembro de 2010, com identificao das pessoas e veculos atravs de crachs eletrnicos autorizados pela Alfndega, aqui denominando simplesmente "crach autorizado".

1 - obrigatria a confirmao, por parte da administradora do local/recinto alfandegado, da veracidade dos dados eletrnicos gravados nos crachs, mediante consulta no banco de dados do sistema gerenciador da emisso dessas mdias.

2 - No caso de qualquer divergncia sobre um dado impresso graficamente no crach, dever prevalecer o dado do registro eletrnico, o que significa que a aparncia visual no a forma adequada de identificao segura, e esse argumento no eximir a empresa de sua responsabilidade na ocorrncia de uso indevido dessa identidade.

3 - O banco de dados de crach autorizado dever estar disponvel para acesso ininterrupto, e qualquer irregularidade no seu funcionamento, mesmo que por razes de ordem tcnica, que impossibilite o atendimento ao disposto no 1, dever ser imediatamente comunicada Equipe de Vigilncia e Busca Aduaneira - Eqvib desta Alfndega, a quem compete autorizar a adoo dos procedimentos de contingncia que o caso requeira.

4 - A autorizao da Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos para a instalao e utilizao de banco de dados de crach, depende de anlise da Eqvib, em processo protocolizado pela empresa administradora do sistema gerenciador desse banco, condicionada ao atendimento de todos os requisitos e funcionalidades estabelecidos nesta Portaria, sem prejuzo ao disposto no art. 8.

5 - A autorizao de que trata o 4 ser concedida a ttulo precrio, podendo ser revogada a qualquer momento, mediante despacho fundamentado em razo da constatao de fato que comprometa a segurana aduaneira.

Art. 2 - As autorizaes de acesso concedidas com base nesta Portaria no elidem os controles a cargo da empresa responsvel pela administrao e pela segurana dos locais/recintos alfandegados, e, tampouco, se sobrepem s prerrogativas dos comandantes das embarcaes atracadas ou aos protocolos de segurana constantes do Plano de Segurana

do Terminal, aprovado pela Comisso Estadual de Segurana dos Portos (Cesportos), para cumprimento do Cdigo Internacional de Proteo de Navios e Instalaes Porturias (ISPS-Code).

Art. 3 - O ingresso, permanncia e movimentao de pessoas e veculos, tanto nos locais/recintos alfandegados, como nas cercanias ou a bordo de embarcaes fundeadas ou atracadas, na barra ou no Porto de Santos, esto sujeitos ao controle da Secretaria da Receita Federal do Brasil, que, neste ato, determina a obrigatoriedade de utilizao de crachs autorizados, cujos dados, tanto de identificao, como da existncia de autorizao da autoridade aduaneira e prazo de vigncia dessa autorizao, devem ser confirmados, pela administradora desses locais, em banco de dados autorizado pela Alfndega de Santos.

1 - A autorizao de acesso referida no caput deve ser solicitada pelo menos com 48 (quarenta e oito) horas de antecedncia ao primeiro evento, na forma desta Portaria; ter carter precrio e validade por prazo indeterminado ou definido, e passvel de suspenso ou cancelamento a qualquer tempo; ser considerada como uma forma genrica de permisso de acesso, e no significa a liberao para a entrada de pessoas e veculos, mesmo que identificados por crach autorizado, em qualquer local/recinto alfandegado, ou a qualquer tempo, sem que haja alguma "motivao" registrada no sistema referido no art. 1.

2 - A motivao referida no pargrafo anterior, seja para a autorizao de entrada de usurio de crach autorizado ou no, de responsabilidade da empresa administradora do local/recinto alfandegado, e estar sujeita a auditoria pela autoridade aduaneira a qualquer tempo ou quando da avaliao prevista no art. 30 da Portaria RFB 2.438, de 2010.

Art. 4 - A Autoridade Aduaneira exerce sua atribuio legal de controle sobre o acesso aos locais/recintos alfandegados, inclusive fiscalizando rotineiramente o cumprimento das determinaes desta Portaria, mediante atividades exercidas pela Diviso de Vigilncia e Controle Aduaneiro - Divig, que devero ser aprimoradas pela utilizao de um novo sistema informatizado, a ser definido e implantado pela Alfndega da Secretaria da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, que receber a denominao de "Sistema de Identificao e Controle de Acesso - SICA", e obedecer s diretrizes e regulamentao desta Portaria.

Pargrafo nico - O Sica ser uma ferramenta para o tratamento eletrnico das informaes advindas dos diferentes sistemas para controle de acesso de qualquer local/recinto alfandegado, j desenvolvidos e gerenciados pelas prprias empresas administradoras dessas reas, que sero considerados como "subsistemas" do Sica, e devero estar disponveis nas instalaes da Central de Operaes e Vigilncia Aduaneira - COV, localizada nas dependncias da Alfndega da Secretaria da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, conforme estabelece o 2 do art. 17 da Portaria RFB 2.438, de 2010.

Art. 5 - Na permisso de acesso com prvia e tcita autorizao pela autoridade aduaneira, para pessoa fsica ou veculo entrar, permanecer ou passar em local/recinto alfandegado, obrigatrio o porte de crach de identificao e registro da motivao, acreditada pela administradora do local/recinto alfandegado, no seu sistema eletrnico de controle, em tempo real e disponvel para consulta na COV da Alfndega.

1 - Define-se como "motivao" qualquer fato relacionado execuo de atividade profissional lcita, necessria e oportuna, que justifique o acesso, passagem ou permanncia em rea alfandegada.

2 - O disposto no caput tambm se aplica ao visitante ou trabalhador eventual, ainda que no possua crach eletrnico personalizado, mas portando crach especfico definido pela administradora do local/recinto alfandegado, e registrando a motivao no sistema prprio dessa empresa.

3 - Os registros das motivaes de que trata o caput devero ser efetuados no sistema de controle de acesso da administradora do local/recinto alfandegado, simultaneamente ocorrncia dos respectivos movimentos, conforme previsto no art. 2 do Ato Declaratrio Executivo Conjunto Coana/Cotec n 2, de 26 de setembro de 2003.

4 - Quando a motivao de acesso for a prestao de servio ou o fornecimento de bordo a navio, faz-se necessria a anuncia do agente martimo ou do responsvel pela embarcao, que dever ser de forma eletrnica no sistema prprio de controle de acesso da administradora do local/recinto alfandegado por onde ocorrer a entrada.

5 - No constitui motivao vlida a visita comercial para oferecimento de materiais ou servios diretamente ao comandante do navio.

Art. 6 - No permitido o ingresso de pessoas ou veculos, tanto nos locais/recintos alfandegados com acesso ao cais, como a bordo de embarcaes atracadas ou fundeadas na barra, que no seja atravs de portes da Codesp ou de empresa administradora de terminal privado e com sistema eletrnico de controle, exceto no caso das pessoas indicadas nos incisos I, II e III do art. 17, quando no houver essa possibilidade e, exclusivamente, para o desempenho de suas funes.

1 - No permitido o ingresso em embarcaes no atracadas, exceto quando autorizado pela autoridade aduaneira, em situaes caracterizadas como emergncia ou urgncia, caso fortuito ou motivo de fora maior, que no possam aguardar a atracao, e sem prejuzo do exerccio de controle de outros rgos intervenientes.

2 - Fica dispensada a autorizao prevista no 1, desde que observado o disposto no 3 do art. 5, para o ingresso em embarcaes no atracadas, quando da ocorrncia das seguintes situaes emergenciais:

I - perigo ou ocorrncia de dano ambiental;

II - problemas de sade;

III - quebra de equipamentos essenciais para a operao do navio; e

IV - acidentes de trabalho.

3 - No se enquadra no disposto no 1 o ingresso das pessoas indicadas nos incisos I, II e III do art. 17.

4 - Observado o disposto no caput, a Codesp poder determinar locais especficos de embarque e desembarque de pessoas e cargas em pequenas embarcaes de transporte ou de prestao de servio aos navios, que tambm esto sujeitas ao mesmo controle de acesso estabelecido nesta Portaria.

I - Banco de Dados de Crach Autorizado

Art. 7 - O local/recinto alfandegado dever dispor de sistema de controle de acesso, conforme determina o art. 17 da Portaria RFB n 2.438, de 21 de dezembro de 2010, utilizando crachs autorizados pela Alfndega na forma desta Portaria, independentemente da emissora dessa mdia, validado mediante consulta ao banco de dados especfico, para a confirmao do registro eletrnico conforme disposto nos 1 e 2 do art. 1, que deve ser efetuada pela administradora da rea, para cada evento em seus portes de entrada/sada.

Art. 8 - O banco de dados que suporta os registros de identificao das pessoas e veculos, e constitui o arquivo eletrnico para viabilizar a emisso de crach autorizado pela Alfndega, que o comprovante de autorizao de acesso do usurio em rea sob controle aduaneiro, ainda que funcionando com base no 4 do art. 1, poder sofrer auditoria na forma prevista na Instruo Normativa SRF n 682, de 4 de outubro de 2006.

II - Pedido de Autorizao de Acesso

Art. 9 - Qualquer pessoa jurdica, que exera atividade regular e frequente nos locais/recintos alfandegados sob jurisdio desta Alfndega, inclusive, as prprias empresas administradoras dessas reas, dever efetuar seu cadastro em um banco de dados de crach autorizado pela Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, para fins de obteno de autorizao de acesso pela autoridade aduaneira, que a dar sob a forma de permisso de emisso de crach autorizado de identificao de pessoas e veculos a ela vinculados.

Pargrafo nico - Considera-se frequente, para fins de obrigatoriedade de cadastro da empresa, o acesso com motivao em seu nome, efetuado por qualquer pessoa a ela vinculada, mais de cinco vezes consecutivas ou no em um ms, ou doze vezes em um ano, contadas independentemente do local/recinto em que tenha ocorrido, isto , os acessos efetuados em diferentes reas sero contados de forma cumulativa.

Art. 10 - O pedido para autorizao de acesso deve ser formulado de forma eletrnica, atravs de um dos sistemas gerenciadores de bancos de dados autorizados pela Alfndega, e equipara-se a um documento formal que viabiliza a movimentao e permanncia de pessoas e veculos nas reas alfandegadas sob jurisdio desta Alfndega, e a sua concesso de carter precrio e discricionrio da autoridade aduaneira, podendo, portanto, ser negado, cancelado ou suspenso a qualquer tempo, mediante deciso fundamentada.

1 - O pedido dever ser formulado por meio da rede mundial de computadores no sistema escolhido pela empresa, preenchendo os dados que identificar a empresa peticionria e o(s) seu(s) responsvel(eis) perante o banco de dados por ela elegidos, devendo ser impressa essa petio inicial, conforme modelo no Anexo I desta Portaria, e assinada pelo representante legal com poderes de comprometimento dessa pessoa jurdica.

2 - Preenchido os dados conforme o 1, o mesmo sistema gerar um termo Termo de Responsabilidade para cada um dos responsveis perante o banco de dados, conforme modelo no Anexo II, que devero ser impressos para apresentao na Eqvib.

3 - A petio inicial de autorizao de acesso, prevista no 1, dever ser apresentada, juntamente com os demais documentos exigveis anexados, para protocolizao junto Eqvib.

3 - Os documentos que devem instruir o pedido de autorizao de acesso, dentre outros que comprovem a situao ou motivo de pedir, conforme cada caso, so:

I - a petio e os termos referidos no 1;

II - o contrato social ou estatuto referente constituio da pessoa jurdica e s eventuais alteraes, devidamente registrados no rgo competente, de forma a comprovar que o signatrio do pedido tenha poderes de representao da empresa;

III - o(s) documento(s) de identificao com foto do(s) indicado(s) para atuar como responsvel perante o banco de dados;

IV - o comprovante de atividade da empresa que justifique a necessidade de ingresso na rea porturia.

3 - O pedido cuja a documentao no tenha sido apresentada para protocolo no prazo de quinze dias corridos ser automaticamente cancelado pelo sistema.

4 - A Eqvib poder exigir outros documentos no listados no 2, quando entender serem necessrios para melhor anlise do pedido, ocasio em que registrar esse fato no sistema, no qual a parte dever efetuar consulta para cincia dessa exigncia.

Art. 11 - O servidor desta Alfndega responsvel pela anlise do pedido poder limitar o quantitativo de pessoas ou veculos, definir o prazo de validade da autorizao, ou especificar os locais de acesso permitido, considerando as caractersticas do peticionrio, a atividade a ser exercida, a regularidade perante a RFB e outros rgos de governo envolvidos e, ainda, o histrico registrado em qualquer banco de dados de crach autorizado, principalmente, quanto a existncia de ocorrncias informadas pelos contratadores de servio, administradoras de local/recinto alfandegado, ou o conhecimento de fatos apurados pela fiscalizao aduaneira.

Art. 12 - Aos rgos pblicos aos quais as pessoas fsicas indicadas nos incisos I e II do art. 17, esto vinculadas no se aplica o disposto nos arts. 9 e 10, sendo o cadastro do rgo realizado por meio de ofcio, assinado por seu titular, onde seja indicada a pessoa fsica que ser habilitada no perfil de responsvel perante o banco de dados.

1 - Objetivando a agilizao do cadastro, tanto de despachantes aduaneiros e seus ajudantes, devidamente credenciados na Secretaria da Receita Federal do Brasil, como de motoristas autnomos de veculos de carga, de forma a permitir a emisso e a validao de crach autorizado, as entidades de classe dessas categorias de profissionais podero equiparar-se pessoa jurdica interveniente no banco de dados de crach autorizado, mediante a habilitao de representante legal, no perfil de responsvel perante o banco de dados, exercendo atividades de registro de dados eletrnicos no sistema e de arquivamento da documentao comprobatria da sua regularidade, independentemente de tratar-se de usurio filiado ou no nesses sindicatos.

2 - O disposto no pargrafo anterior tambm se aplica ao OGMO em relao aos trabalhadores porturios avulsos - TPA, o que no impede o estabelecimento de nveis intermedirios do mesmo perfil, para a interveno subsidiria por parte das entidades de classe especficas da mesma categoria.

III - Aprovao do Cadastro e Autorizao de Acesso

Art. 13 - Sendo aprovado, pela Eqvib desta Alfndega, o pedido de que trata o art. 10, a empresa fica autorizada a acessar, atravs de seus "vinculados", as reas alfandegadas sempre que houver motivao.

1 - A motivao que justifica a entrada pontual na rea dever ser apresentada diretamente administradora do local/recinto alfandegado, que ficar responsvel pela veracidade/confirmao de tal fato a ser registrado em seu sistema de controle de acesso.

2 - Esta autorizao poder estabelecer limites temporrios, registrados pela Eqvib no prprio banco de dados de crach autorizado, cuja informao estar disponvel para consulta da administradora da rea onde o usurio de crach autorizado venha a se apresentar.

3 - A Eqvib tambm poder autorizar o acesso de determinada empresa apenas para locais definidos ou, ainda, condies especficas de validade da autorizao, restries que sero cientificadas peticionria no seu processo, e cujo cumprimento, no sendo informao disponvel em sistema eletrnico, ser responsabilidade exclusiva dessa empresa.

4 - A peticionaria, no curso do processo de autorizao de acesso em reas alfandegadas, poder ser comunicada da existncia de exigncias da Eqvib pelo prprio sistema eletrnico no qual efetuou o pedido, mediante consulta ao stio ou por correspondncia eletrnica.

5 - A comunicao da aprovao do pleito pela Eqvib, liberando a habilitao do usurio no perfil definido no inciso IV do art. 19, que ir interagir no sistema gerenciador do banco de dados de crach autorizado, ser na mesma forma definida no 4.

6 - O no comparecimento da peticionria, no prazo de 15 (quinze) dias corridos, para cumprimento do disposto no 2 da art. 10 ou para atendimento das exigncias previstas no 4 deste artigo, implicar o arquivamento do processo e o cancelamento dos registros eletrnicos de pedido de autorizao de acesso e de cadastro no banco de dados de crach autorizado.

Art. 14 - A habilitao de que trata o 5 do art. 13, ter carter precrio, estar condicionada a utilizao de certificao digital do usurio e as intervenes, por meio desse certificado que depende de senha pessoal e sigilosa, sero de responsabilidade do titular, inclusive no caso de uso indevido.

1 - Somente em caso de contingncia previsto no 3 do art. 1, mediante pedido justificado da empresa gerenciadora do banco de dados autorizado, a Eqvib poder admitir, de forma excepcional e provisria, o acesso ao sistema gerenciador desse banco mediante procedimento alternativo.

2 - As intervenes, em sistema gerenciador de banco de dados de crach autorizado, sero restritas s funes individualizadas para o perfil de cada usurio, garantidas as condies de segurana e sigilo das informaes, dentro das limitaes definidas pela Alfndega para os perfis especificados no art. 19.

IV - Cadastramento de Usurios de Crach Autorizado

Art. 15 - O usurio com perfil definido no inciso IV do art. 19 dever providenciar o cadastramento de todas as pessoas e veculos vinculados empresa para as quais pretenda a obteno de autorizao de acesso nas reas alfandegadas sob a jurisdio da Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, e a consequente autorizao para a emisso de crach eletrnico autorizado.

1 - Para fins desta Portaria entende-se por "vinculo" qualquer relao de trabalho ou de prestao de servio entre uma pessoa ou um veculo e seu vinculante no banco de dados de crach autorizado, que lhe permitir exercer atividade em nome dessa empresa que efetuou a sua incluso no cadastro do sistema.

2 - O cadastramento de veculo deve ser efetuado na forma do art. 27, e restrito aos destinados, exclusivamente, para utilizao na atividade operacional da empresa, e necessrios para a movimentao de cargas ou de trabalhadores dentro das reas alfandegadas, ficando a autorizao de acesso condicionada concordncia da administradora do local/recinto onde o veculo se apresentar.

3 - O cadastro de pessoa fsica dever ser efetuado mediante a incluso dos seguintes dados no banco de dados de crach autorizado:

I - nome do funcionrio ou pessoa que pretende vincular empresa;

II - nmero do CPF junto Receita Federal do Brasil;

III - nmero do documento de identidade (RG, RNE ou Passaporte);

IV - data de expedio e rgo emissor do documento de identificao (opcional); e

V - nmero e data de validade da Carteira Nacional de Habilitao (obrigatrio apenas para motoristas).

Art. 16 - A manuteno do banco de dados de crach autorizado, no que diz respeito atualizao dos cadastros de pessoas e veculos vinculados empresa, com os registros constantemente confiveis, responsabilidade exclusiva e indelegvel da vinculante, pela interveno de seu "responsvel perante o banco de dados" obrigatoriamente em tempo real dos fatos.

V - Acessos que Independem de Porte de Crach Autorizado

Art. 17 - Quando em servio, o ingresso, permanncia e movimentao das pessoas abaixo listadas na faixa do cais, nos locais/recintos alfandegados e a bordo de embarcao atracada, independe de porte de crach autorizado:

I - servidores pblicos do Ministrio da Fazenda, do Ministrio da Sade, do Ministrio da Agricultura e do Abastecimento, do Ministrio do Trabalho, do Ministrio do Meio Ambiente, do Ministrio da Defesa, do Ministrio da

Justia, das Polcias Militar e Civil, das Secretarias Estaduais e Municipais da Sade, da Codesp, e dos demais rgos governamentais com atividade na zona porturia;

II - servidores a servio da Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos;

III - prticos a servio da praticagem; e

IV - tripulantes, seus parentes autorizados pelo comandante, e passageiros de navio cargueiro.

1 - A dispensa de uso de crach autorizado para os trabalhadores indicados neste artigo no implica a desobrigao da administradora do local/recinto alfandegado de efetuar o registro do fato e da motivao do acesso por ela autorizado, a comprovao da identificao pessoal desse trabalhador, observando-se, ainda, o disposto no art. 35.

2 - Para as pessoas indicadas nos incisos I e II, a dispensa de crach engloba, igualmente, os veculos por elas utilizados, desde que devidamente caracterizados como pertencentes aos rgos Pblicos correspondentes.

3 - Nada impede que as pessoas relacionadas neste artigo obtenham seus crachs autorizados, a pedido voluntrio e diretamente em qualquer empresa emissora, para facilitao dos procedimentos de identificao e entrada nos portes dos locais/recintos alfandegados sob a jurisdio da Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos.

VI - Casos Excepcionais

Art. 18 - Nos casos de eventos abertos ao pblico, com dias e horrios definidos, o ingresso de visitantes, viajantes e tripulantes faixa do cais, aos locais/recintos e ptios de armazenamento alfandegados, ou a bordo de embarcaes atracadas, independe de emisso de crach autorizado, podendo, inclusive, ser dispensada a obrigatoriedade de registro, no sistema de controle de acesso da administradora do local/recinto alfandegado, de motivao individualizada, desde que:

I - o evento seja previamente autorizado pela autoridade aduaneira, em processo com o pedido da administradora dessas reas, formulado junto Alfndega, com antecedncia mnima de 2 (dois) dias teis;

II - o acesso se restrinja rea indicada na petio, e existam condies de segurana e de isolamento do local do evento; e

III - no haja impedimento ou restrio por parte da Autoridade Porturia e dos demais rgos envolvidos, se for o caso.

1 - Cabe Guarda Porturia da Codesp, no caso de cais pblico, e s equipes de segurana patrimonial, no caso dos terminais privatizados, garantir o isolamento dos locais de atracao e movimentao de cargas, bem como o controle do fluxo de pessoas nos eventos referidos no caput.

2 - Inclui-se na situao prevista neste artigo o embarque de passageiros em navios de cruzeiro martimo, quando atracados fora do bero contguo ao terminal especfico.

3 - Fica dispensado o pedido, de forma especfica e individualizada, para a autorizao da Autoridade Aduaneira, referente ao acesso faixa do cais de veculos, desde que estes estejam perfeitamente identificados, e sejam controlados pela administradora do local/recinto alfandegado, e ainda, exclusivamente, durante o evento de que trata o caput.

VII - Habilitao no Sistema Gerenciador de Banco de Dados de Crach Autorizado

Art. 19 - Quesito comum para qualquer banco de dados de crach passvel de ser autorizado pela Alfndega a definio das funes e atribuies dos intervenientes no seu sistema gerenciador, mediante a habilitao pessoal especfica e vinculada ao perfil de cada usurio, segundo as especificaes seguintes:

I - "Administrador" - para funcionrio da empresa gerenciadora do banco de dados, cuja interveno no sistema deve ser controlada por agente da Alfndega, sendo que ambos assumem as funes de gestores do sistema, com poderes de atualizao de tabelas, definio de funes, correo de dados, emisso e gravao de crach autorizado;

II - "Autoridade Aduaneira" - para agentes da Alfndega com poderes de autorizao ou impedimento de emisso, gravao ou entrega de crach, e, ainda, suspenso ou bloqueio ao acesso para crachs j entregues;

III - "Guarda" - para agentes da segurana da administradora do local/recinto alfandegado, responsveis pelo controle da operao dos portes, confirmando ou incluindo a motivao de acesso no sistema prprio do local/recinto alfandegado;

IV - "Responsvel perante o banco de dados" - para aqueles indicados pelo representante legal da empresa, incumbidos de cadastrar e atualizar o banco de dados de crach autorizado, mediante o uso de certificao digital, inserindo dados com a identificao de todos os funcionrios registrados, ou de qualquer modo vinculados empresa e que necessitem exercer suas atividades profissionais, em nome dessa empresa, dentro das reas alfandegadas;

V - "Emissor de Crach" - para pessoa fsica vinculada pessoa jurdica de que trata o art. 20, responsvel pela impresso e/ou gravao de crachs, mediante o uso de certificao digital e interagindo em sistema gerenciador de banco de dados de crach autorizado;

VI - "Usurio de Portes" - para todos os portadores de crach autorizado cadastrado em banco de dados de crach autorizado; e

VII - "Pblico Web" - para qualquer pessoa com acesso rede mundial de computadores, que, por meio do stio do banco de dados de crach autorizado, pode elaborar o pedido de cadastro de empresa para a obteno da autorizao pela Autoridade Aduaneira para o ingresso motivado de seus vinculados nas reas alfandegadas sob a jurisdio da Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, mediante o uso de crach autorizado e reconhecido pelo sistema gerenciador do banco de dados de crach autorizado.

1 - Cabe ao peticionrio da autorizao de acesso a opo pelo perfil de usurio apropriado, sendo que o detalhamento das funes que constituem os perfis completos, bem como as possibilidades de estabelecimento de nveis intermedirios, nos casos dos perfis definidos nos incisos I a V do caput deste artigo, que permitem estabelecimento de nveis intermedirios de autonomia e competncia, sero objetos de procedimento dentro do sistema gerenciador do banco de dados de crach autorizado, totalmente regulado por manuais do sistema e disponveis para consulta no prprio stio desse banco de dados.

2 - A Autoridade Aduaneira pode discordar das funcionalidades pretendidas ou do prprio perfil solicitado para determinado usurio, comunicando sua deciso ao interessado, na forma do 4 do art. 10, para justificativas ou alteraes no pedido.

3 - A autorizao de acesso para a pessoa jurdica cadastrada em banco de dados de crach autorizado, quando no concedida em carter temporrio e por prazo definido, como regra geral, ter validade de 1 (um) ano, devendo sua renovao ser solicitada de forma eletrnica e com antecedncia mnima de 30 (trinta) dias do vencimento, dispensada a apresentao de documentos, exceto em havendo qualquer alterao de dado cadastral no perodo.

VIII - Emisso de Crachs Autorizados (Impresso e Gravao da Mdia)

Art. 20 - Somente mediante autorizao em processo formalizado na Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, e depois de auditadas e vistoriadas pelo setor de tecnologia deste rgo, podero ser habilitadas empresas interessadas em tornarem-se emissoras de crach autorizado, que podero ser as administradoras de locais/recintos alfandegados ou outras, desde que detenham o domnio de sistema gerenciador de banco de dados, inclusive por delegao ou terceirizao para prestador de servio, que atenda s exigncias desta Portaria para sua autorizao.

1 - As empresas de que trata o caput podero, atravs de pessoa fsica a elas vinculada, e mediante o uso de certificao digital, emitir os crachs para os usurios e veculos previamente cadastrados em banco de dados de crach autorizado.

2 - A habilitao da empresa emissora de crach, autorizada na forma do caput, ser efetuada eletronicamente no sistema gerenciador do banco de dados de crach autorizado, mediante a interferncia do agente com o perfil definido no inciso I do art. 19.

Art. 21 - Somente aps a autorizao da Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, as empresas emissoras de crach, podero imprimir e/ou gravar eletronicamente os crachs dos usurios, pessoas fsicas ou veculos, previamente cadastrados, pela interveno de usurio com o perfil definido no inciso IV do art. 19, agindo em nome da empresa vinculante, em banco de dados de crach autorizado, inserindo o registro de seus dados pessoais no sistema gerenciador desse banco.

1 - A autorizao de que trata este artigo ser efetuada diretamente no sistema gerenciador do banco de dados autorizado, de forma automtica e em funo de parmetro inserido pela Autoridade Aduaneira no prprio sistema, que pode ser o decurso de prazo, geralmente de 48 horas, varivel em funo do expediente normal da repartio.

2 - O acesso antes de decorrido o prazo do 1 ser considerado como acesso eventual previsto no art. 26.

3 - Decorridos 15 (quinze) dias da autorizao para a emisso dos crachs sem o comparecimento do usurio, ou apresentao de motivo que justifique essa falta, no ser permitida sua gravao, e a emissora dever comunicar tal fato Alfndega e, se for o caso, empresa vinculante como parte interessada.

Art. 22 - O crach autorizado, para ser regularmente validado no banco de dados de crach autorizado, depender da confirmao, sob a responsabilidade da empresa emissora, dos dados de identificao do portador, pela apresentao de documento legalmente reconhecido e com foto, pela coleta e incluso do arquivo com a foto digital, tirada pela emissora ou recebida e conferida por ela, e, opcionalmente, pelo registro no banco da biometria dessa pessoa.

1 - Para a confirmao dos dados cadastrados de veculo, a emissora de crach autorizado dever vistori-lo comparando-o com o seu documento legal de trnsito.

2 - A vistoria de que trata o pargrafo anterior poder ser terceirizada para empresas ou entidades de classe, mediante autorizao da Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos em pedido especfico da emissora e sob sua responsabilidade.

Art. 23 - A emisso e entrega dos crachs autorizados no impede a atuao futura da Autoridade Aduaneira, no sentido de aplicao de restrio de acesso pessoa fsica ou jurdica, por informao inverdica de dados no banco ou por outro motivo justificado, podendo ocorrer o bloqueio de um crach especfico ou de todos os vinculados mesma empresa.

Art. 24 - A validade eletrnica dos crachs das pessoas fsicas dever constar apenas na forma de registro no sistema gerenciador do banco de dados do crach autorizado, e no poder exceder a data final de validade da autorizao de acesso dada pela Alfndega para a pessoa jurdica qual esteja vinculada.

Art. 25 - Quando concedido por prazo determinado, no vencimento da validade do crach de pessoa fsica, ele ser automaticamente bloqueado pelo sistema gerenciador do banco de dados de crach autorizado, podendo a empresa realizar, antecipadamente, pedido eletrnico de revalidao junto Alfndega, por meio do mesmo sistema.

Pargrafo nico - responsabilidade da empresa emissora do crach vencido, o registro do novo termo final no banco de dados de crach autorizado, observando o disposto nos arts. 21 e 22.

IX - Casos Especiais de Permisso de Acesso Eventual

Art. 26 - Ser permitido o ingresso rea alfandegada, desde que haja motivao que caracterize o acesso como eventual, de pessoas ou veculos sem crach autorizado personalizado, devendo ser apresentada tal justificativa prpria empresa administradora dessa rea, que registrar o fato, para cada evento, em seu sistema de controle de acesso.

1 - A qualquer tempo o registro da motivao de que trata o caput dever estar disponvel para a homologao pela autoridade aduaneira.

2 - Considera-se eventual todo acesso no caracterizado como frequente, nos termos do pargrafo nico do art. 9.

3 - A autorizao de ingresso eventual de pessoa ou veculo sem crach autorizado personalizado ser automtica por parte da autoridade aduaneira, mas sob a responsabilidade exclusiva da administradora do local/recinto alfandegado, devendo ser por ela confirmada, mediante consulta em todos os bancos de dados autorizados, a inexistncia desse usurio como cadastrado ou portador de qualquer crach autorizado, de forma a comprovar no haver um bloqueio desse usurio por determinao da Autoridade Aduaneira.

4 - O ingresso na forma estabelecida no caput no desobriga o porte de crach de identificao da qualidade do usurio, por exemplo "visitante", "convidado" etc.

5 - Somente por razes afetas segurana, poder ser negado pela administradora do local/recinto alfandegado o acesso de que trata o caput, desde que registrada tal justificativa no sistema de controle da empresa.

X - Cadastro de Veculos Terrestres no Banco de Dados de Crach Autorizado

Art. 27 - O pedido de crach autorizado de veculo ser deferido, de forma eletrnica e automtica, quando inserido os seus dados no sistema gerenciador de banco de dados de crach autorizado, pela pessoa jurdica, j cadastrada e autorizada pela Autoridade Aduaneira na forma do art. 13, pela interveno de seu representante habilitado no sistema com

o perfil definido no inciso IV do art. 19, e sua emisso estar condicionada vistoria fsica, prevista no 1 do art. 22, com a apresentao, para a empresa emissora do crach, dos documentos originais comprobatrios dos dados informados no sistema.

1 - A requisio eletrnica conter os seguintes dados, e os campos sero assim formatados:

I - tipo ou espcie de veculo;

II - marca;

III - modelo;

IV - ano de fabricao;

V - cor predominante;

VI - placa de licenciamento;

VII - nmero Renavam;

VIII - nmero de registro na ANTT;

IX - proprietrio ou arrendatrio do veculo;

X - atividade a ser exercida, que justifique o ingresso do veculo na zona porturia; e

XI - prazo ou perodo para o qual se refere o pedido.

2 - O sistema gerenciador do banco de dados de crach autorizado controlar o prazo mximo de 12 (doze) meses para a validade dos crachs de veculos, de modo a ser revalidado, mediante a comprovao, junto emissora, do licenciamento regular no exerccio correspondente e a confirmao dos dados constantes no banco, inclusive com nova vistoria fsica.

3 - No caso de o veculo ser a prpria carga em operao de exportao ou importao, mediante o ingresso na zona porturia por meios prprios, no haver crach autorizado, mas, alm da exigncia de identificao do motorista vinculado ao operador porturio, a administradora do local/recinto alfandegado poder estabelecer controle de acesso desses veculos pela criao de crachs especficos.

4 - No caso de veculo de carga, pertencente a um motorista autnomo, as entidades de classe dessa categoria profissional podero formular acordo com as administradoras de local/recinto alfandegado, bem como com as emissoras de crach autorizado, comprometendo-se ao arquivamento da documentao e execuo de inspeo fsica do veculo, prevista no 1 do art. 22, comprovando a veracidade dos dados.

5 - A impossibilidade de credenciamento de determinado veculo, em razo de caracterstica fsica divergente ou irregularidade documental, no impede a emisso de crachs para outros do mesmo peticionrio.

XI - Caractersticas de Crach Autorizado

Art. 28 - Os crachs de identificao de pessoas ou de veculos, sem prejuzo do disposto no art. 47, devero apresentar as seguintes caractersticas:

I - quanto ao material constitutivo e tecnologia:

a) mdia em PVC, nas medidas de 8,6 cm de altura por 5,4 cm de largura, com chip eletrnico incorporado de forma definitiva, que permita a impresso de alta qualidade, opcionalmente com recursos hologrficos de segurana;

b) tecnologia Mifare modelo "classic 1K", com capacidade de armazenamento de 1 kb (1.024 bytes), plus ou superior, podendo optar por outros similares compatveis;

c) trilhas de gravao divididas em setores, de forma a reservar as de nmero 14, 15 e 16 exclusivamente aos dados de banco de dados de crach autorizado;

d) uso de criptografia padro RSA para a gravao dos dados do banco de dados de crach autorizado no carto; e

e) garantia contra clonagem atravs de "contramedidas" definidas pela Philips/NXP, empresa detentora da patente Mifare;

II - quanto aos dados impressos, obrigatoriamente, devero estar legveis:

a) para pessoa fsica:

1. o nome da primeira empresa vinculante, que solicitou a emisso do crach;

2. a foto digital recente, preferencialmente tirada pela emissora do crach;

3. o nome completo ou parcial (pelo qual mais conhecido) do portador; e

4. a identificao da empresa emissora (impresso grfica) do crach;

b) para veculo:

1. a marca ou fabricante;

2. o modelo;

3. a placa de registro no rgo de trnsito; e

4. a identificao da empresa emissora (impresso grfica) do crach.

Pargrafo nico - Quando a empresa vinculante for a prpria emissora do crach, essa identificao ser subentendida pela ausncia da informao, isto , quando no constar indicao grfica de empresa emissora, significar que a prpria vinculante que exerce essa atividade.

III - quanto ao registro eletrnico, devero ser gravados no crach, na formatao indicada:

a) para pessoa fsica:

1. o tipo de documento, que pode ser o CPF ("C") ou o passaporte ("P") do portador (se estrangeiro no residente), campo de tamanho 1, formato (alfanumrico) = A;

2. nmero do documento, campo de tamanho 14, formato = AAAAAAAAAAAAAA; e

3. a identificao do crach (ID), campo de tamanho 10, formato = AAAAAAAAAA;

b) para veculo:

1. a placa de registro no rgo de trnsito, campo de tamanho 10, formato = AAAAAAAAAA;

2. o tipo de registro, que pode ser o Renavam ("R") ou outro ("O"), se veculo estrangeiro, campo de tamanho 1, formato = A;

3. o nmero do Renavam (ou outro, se veculo estrangeiro), campo de tamanho 14, formato = AAAAAAAAAAAAAA; e

4. a identificao do crach (ID), campo de tamanho 10, formato = AAAAAAAAAA.

XII - Controle de Acesso

Art. 29 - O cumprimento do disposto nesta Portaria complementa as exigncias determinadas no art. 17 da Portaria RFB n 2.438, de 21 de dezembro de 2010, sendo que os diferentes sistemas utilizados pelas empresas administradoras para o controle do ingresso, movimentao e permanncia de pessoas ou de veculos nas reas alfandegadas

sob jurisdio da Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos devero adaptar-se para a obrigatria utilizao de crach autorizado pela Alfndega.

Pargrafo nico - permitida a formalizao de acordos entre as administradoras de locais/recintos alfandegados, para a integrao de sistemas de controle de acesso e compartilhamento de informaes e dados de interesse comum, inclusive baseado no disposto no art. 19 da Portaria RFB n 2.438, de 21 de dezembro de 2010.

Art. 30 - Observado o disposto no 1 do art. 3, o controle efetivo do acesso responsabilidade da empresa administradora da rea alfandegada, no eximindo os usurios dessas instalaes da obrigatoriedade de porte de crach autorizado personalizado, exceto nos casos previstos nos incisos I e IV do art. 17 e nos arts. 18 e 26, devendo:

I - apresent-lo quando solicitado por Autoridade Aduaneira, ou outra legalmente constituda, em exerccio no porto de Santos, podendo ter sua autenticidade e validade confirmadas junto ao banco de dados de crach autorizado correspondente;

II - sujeitar-se a confirmao, quanto veracidade da motivao registrada no sistema de controle de acesso do local/recinto alfandegado, pela equipe de guarda dos portes da rea ou pela Autoridade Aduaneira; e

III - demonstrar a existncia da perfeita identificao do veculo como pertencente empresa autorizada ou rgo pblico com atividade no local.

1 - Considera-se como perfeita identificao do veculo a existncia de adesivo ou pintura ostensiva, em local de fcil visualizao, nas medidas iguais ou superiores a 30 cm de largura e altura, que individualize de forma inequvoca a pessoa jurdica por ele responsvel, exceto para veculos de rgos pblicos, cuja identificao ser a oficial do respectivo rgo.

2 - A utilizao de crach autorizado personalizado para pessoa fsica no implica a autorizao automtica para o acesso de veculo por ela utilizado, se este no possuir crach autorizado especfico, mesmo que no desempenho da sua atividade profissional.

3 - A tentativa de acesso com a utilizao de crach bloqueado, em qualquer banco de dados de crach autorizado, caracteriza descumprimento desta Portaria, devendo a administradora do local/recinto alfandegado ret-lo, mediante a elaborao de termo circunstanciado, e encaminh-lo empresa emissora para providenciar sua destruio, alm de comunicar Autoridade Aduaneira por meio de registro de ocorrncia no sistema gerenciador do banco de dados de crach autorizado correspondente.

Art. 31 - As administradoras de locais/recintos alfandegados ficam responsveis pelo registro no sistema gerenciador de banco de dados de crach autorizado das ocorrncias, nos seus portes ou dentro de seus limites de rea.

1 - Para fins desta Portaria, "ocorrncia" pode ser definida como qualquer fato de interesse aduaneiro ou indcio de existncia de irregularidade fiscal, bem como qualquer conduta disciplinar condenvel, provocada por usurio de crach autorizado ou no.

2 - Tais ocorrncias sero objeto de anlise da Autoridade Aduaneira e podero ensejar a instaurao de processos legais administrativos, tendentes penalizao cabvel ao autor, inclusive sano administrativa de proibio de acesso dessa pessoa a qualquer rea alfandegada.

Art. 32 - No ser permitido o ingresso de visitante nas reas alfandegadas sem o acompanhamento de pessoa regularmente autorizada e portadora de crach autorizado.

Pargrafo nico - Quando atendida esta exigncia de acompanhamento, o acesso do visitante restrito mesma rea qual o acompanhante est autorizado, e ambos esto obrigados ao uso de crachs identificadores.

XIII - Bloqueio, Cancelamento e Destruio de Crach Autorizado

Art. 33 - Por fora do disposto no art. 16, quando do desligamento de quaisquer das pessoas fsicas ou veculos vinculados, exclusivamente, a uma empresa, est dever reter, imediatamente, seu crach autorizado e providenciar sua devoluo emissora, sob pena de responder por seu uso indevido.

1 - Quando a emissora receber qualquer crach autorizado em devoluo para cancelamento, dever confirmar sua baixa no banco de dados e inutiliz-lo, de modo a no permitir o seu reaproveitamento, garantindo, ainda, que o registro da destruio da mdia possa ser consultado, pelo seu ID, pelas empresas administradoras de locais/recintos alfandegados.

2 - Se um portador de crach autorizado tiver mais do que um vnculo e for desligado de uma das empresas, desde que a desvinculante no figure como dado impresso na mdia, esse crach no deve ser retido, pois permanece vlido pelas demais vinculantes.

Art. 34 - Na impossibilidade da apresentao da mdia para cancelamento por qualquer motivo, inclusive por perda ou extravio, a emissora do crach deve ser comunicada pela empresa vinculante, e o fato deve ser registrado no banco de dados para viabilizar a identificao e reteno de usurio que venha a tentar a intruso em qualquer local/recinto alfandegado com o uso indevido desse crach autorizado.

1 - No caso descrito no caput, ou quando ocorrer o desligamento de usurio do quadro da empresa da qual haja algum dado identificador impresso no crach (logotipo ou outro), cabe o pedido de emisso de segunda via ou novo crach, motivado por outra empresa que permanea vinculante desse usurio, devendo a emissora registrar no sistema gerenciador do banco o cancelamento da mdia anterior.

2 - Para a garantia da segurana do banco de dados de crach autorizado, as emissoras habilitadas ficam obrigadas a destruir todos os crachs cancelados, justificando os casos de impossibilidade de atendimento desta exigncia, bem como se obrigam a exercer total controle sobre o estoque de mdias no gravadas, disponibilizando as informaes de entradas e sadas, periodicamente, para a Alfndega.

Art. 35 - Compete Eqvib executar as operaes de bloqueio de crach via sistema gerenciador de banco de dados de crach autorizado, nas situaes previstas no 2 do art. 31, e nos 1 e 2 do art. 36, ou em outras em que o procedimento seja aplicvel, tornando passveis de reteno todos os crachs encontrados nessa situao pelas administradoras de locais/recintos alfandegados, mediante elaborao de termo circunstanciado, para encaminhamento Eqvib.

1 - No obstante a existncia de crach autorizado vlido, a Eqvib, a qualquer momento, poder bloquear o ingresso, permanncia e movimentao de pessoa ou veculo, por meio de incluso de informao nesse sentido nos sistemas gerenciadores de banco de dados de crach autorizado, caso a atividade a ser exercida pelo usurio se mostre incompatvel com os dados cadastrais da empresa vinculante, bem como pela ocorrncia de fato que determine a aplicao imediata de medida preventiva de cautela fiscal aduaneira.

2 - O bloqueio de determinada pessoa jurdica implica o de todos os funcionrios e veculos a ela vinculados e sob sua responsabilidade, independentemente da validade do crach, exceto para os casos de usurios com outras empresas vinculantes, e desde que o ingresso seja para atividades motivadas por vinculante no bloqueada.

Art. 36 - Quando da constatao, por parte da administradora do local/recinto alfandegado ou de agente da fiscalizao desta Alfndega, da ocorrncia de irregularidade decorrente da utilizao indevida da autorizao de acesso genrica, proferida pela autoridade aduaneira, representada pelo porte de crach autorizado, este ser retido, mediante a elaborao de termo circunstanciado, at que seja finalizado o procedimento administrativo fiscal competente.

1 - Durante o processo a que se refere o caput, a Autoridade Aduaneira responsvel pela apurao dos fatos poder suspender o ingresso, permanncia e movimentao das pessoas investigadas nas reas alfandegadas, por comunicao direta s administradoras de locais/recintos alfandegados, ou por meio de bloqueio do crach no sistema gerenciador de banco de dados de crach autorizado correspondente.

2 - Se da irregularidade em anlise resultar suspeio sobre a pessoa jurdica vinculante, a Autoridade Aduaneira, responsvel pela apurao dos fatos, poder bloquear, ainda que preventivamente, todos os crachs de pessoas e veculos a ela vinculados.

XIV - Porte de Volumes, Objetos e Bagagem

Art. 37 - vedado o ingresso ou sada, da faixa porturia ou a bordo de embarcaes, de pessoas, ainda que portadoras de crach autorizado, quando transportando, sem a prvia autorizao da Alfndega:

I - mercadorias em quantidade que denotem destinao comercial;

II - equipamentos e ferramentas de uso profissional incompatveis com a atividade do tcnico que os apresenta, ou em quantidade excessiva; e

III - volumes e bens que no se caracterizem como bagagem constituda de roupas e objetos de uso pessoal.

Art. 38 - O atendimento ao disposto nos arts. 26 e 30 no eximem o usurio da obrigao de cumprimento dos requisitos legais relativos bagagem de tripulante ou passageiro, nem, tampouco, desobriga a administradora do local/recinto alfandegado a observar o disposto nos arts. 2, 3 e 43.

XV - Guarda Porturia e Segurana Privada

Art. 39 - Nos termos do inciso IX do art. 33 da Lei n 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, e para cumprimento do acordo internacional ISPS-Code, cabe Codesp, atravs de sua guarda, a tarefa de prover a vigilncia e segurana da rea porturia, na entrada e sada da zona primria do Porto de Santos, atravs dos "Portes Codesp" interligados ao seu sistema de controle de acesso, observado o disposto nesta Portaria e na Portaria RFB n 2.438, de 21 de dezembro de 2010.

1 - A atividade descrita no caput no exclui a competncia original e indelegvel da Autoridade Aduaneira estabelecida no inciso XVII do art. 37 da Constituio Federal e no inciso II do art. 36 da Lei n 8.630, de 25 de fevereiro de 1993.

2 - Em se tratando de local/recinto alfandegado privado ou de uso misto no administrado pela Cosdesp, com plano de segurana do ISPS-Code aprovado pelo rgo competente, estabelecendo que o acesso s suas instalaes seja por "Portes prprios", o controle de acesso dever ser exercido por equipe de segurana sob a responsabilidade do prprio local/recinto, o qual dever ter sistema eletrnico de controle de acesso que atenda s exigncias e requisitos de alfandegamento estabelecidos pela Portaria RFB n 2.438, de 21 de dezembro de 2010.

XVI - Penalidades Decorrentes da Inobservncia Desta Portaria

Art. 40 - Esta Portaria considerada norma de segurana fiscal, para os fins do disposto na Lei n 10.833, de 29 de dezembro de 2003.

Art. 41 - Na hiptese de descumprimento de qualquer norma legal, mesmo nos casos de dispensa da obrigatoriedade do uso de crach autorizado, prevista no art. 18, a fiscalizao aduaneira de aplicar as penalidades cabveis aos responsveis pela infrao, sem prejuzo da imposio da restrio de ingresso, movimentao ou permanncia dessas pessoas e veculos no evento ou em qualquer rea alfandegada.

1 - Do mesmo modo, poder ser penalizada a administradora do local/recinto alfandegado, nos casos de omisso ou impreciso no registro de ocorrncias no seu sistema de controle de acesso, ou, ainda, se tal registro no for efetuado imediatamente.

2 - Tambm ser considerada irregular a informao de ocorrncia, prevista no art. 31, de fato inverdico ou de forma incompleta, bem como a sua comunicao por outro meio que no seja mediante o imediato registro eletrnico do fato no sistema gerenciador do banco de dados de crach autorizado.

Art. 42 - Sem prejuzo da aplicao das penalidades previstas na legislao fiscal federal, aos infratores dos regramentos desta Portaria podero ser aplicadas outras penas ou medidas legais cabveis ao fato, mediante representao da Autoridade Aduaneira s demais autoridades competentes.

Art. 43 - Tambm se caracterizam como descumprimento desta Portaria, alm da inobservncia de quaisquer de seus dispositivos, fatos como:

I - o ingresso, permanncia ou movimentao de pessoas ou veculos fora dos locais para os quais forem autorizados, segundo a motivao registrada no sistema de controle do local/recinto alfandegado;

II - o ingresso, permanncia ou movimentao de pessoas ou veculos sem crach autorizado, exceto nos casos previstos nos arts. 17 e 18, ou portando crach cuja validade esteja vencida, suspensa ou bloqueada;

III - o ingresso ou tentativa com esse intuito, de uma pessoa fsica ou veculo portando crach de outro, ou cujos dados impressos no possam ser comprovados em nenhum banco de dados de crach autorizado;

IV - o ingresso ou tentativa com esse intuito, de pessoa fsica ou veculo com crach indicando pessoa jurdica vinculante indevida, ou cujo fato no possa ser comprovado em nenhum banco de dados de crach autorizado; e

V - o ingresso de pessoas em navio no atracado, exceto nos casos previstos nos 1 e 2 do art. 6.

Art. 44 - A pessoa jurdica e o usurio a ela vinculado, indicados na motivao de ingresso, permanncia e movimentao de pessoa ou veculo nas reas alfandegadas, respondem solidariamente pela ao ou omisso deste na ocorrncia de fatos que contrariem o disposto nesta Portaria ou qualquer dispositivo legal infringido.

Pargrafo nico - Na aplicao do disposto no caput, no caso de ato praticado por visitante, tanto a pessoa jurdica que motivou a visita, como a pessoa fsica que acompanhou o visitante, tambm respondem solidariamente.

XVII - Procedimentos Transitrios

Art. 45 - A partir da autorizao do primeiro banco de dados de crach pela Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, todas as empresas que exercem atividades nas reas alfandegadas sob a jurisdio desta Alfndega tero 90 (noventa) dias para providenciar seu cadastro inicial conforme estabelecido nos arts. 9 e 10.

1 - A Eqvib poder estabelecer cronograma de atendimento, para o recebimento da documentao de que trata o 2 do art. 10, de forma a cadenciar o fluxo da demanda e apenas enquanto permanecer a situao inicial de implementao do disposto nesta Portaria.

2 - Quando a empresa cadastrada na forma dos arts. 13 e 14 efetuar a alimentao inicial dos dados de seus vinculados em um banco de dados de crach autorizado, e j existirem os mesmos registros em outros bancos, ficar obrigada a efetuar uma pesquisa para no permitir a duplicidade ou possibilidade de emisso de mais de um crach por usurio.

Art. 46 - Como regra de transio, por um perodo de at 180 (cento e oitenta) dias a partir da vigncia desta Portaria, ou at que seja implantado o Sica referido no art. 4, a administradora do local/recinto alfandegado dever comprovar a inexistncia de bloqueio por parte da Autoridade Aduaneira que impea o ingresso em suas instalaes, mediante consulta em todos os bancos j autorizados pela Alfndega, quando a pessoa no possuir ou no apresentar crach em seu porto.

1 - Nessa fase transitria qualquer administradora de local/recinto alfandegado, poder cadastrar-se na Alfndega, em carter permanente ou temporrio, como emissora de crach, mesmo em banco de dados em processo de autorizao, instalando nas suas dependncias equipamentos capazes de efetuar a gravao sobre as trilhas indicadas na alnea "c" do inciso I do art. 28, sobre as mdias emitidas pela Codesp ou por outras empresas, mediante a confirmao dos dados eletrnicos extrados desse banco de dados, sendo que essa gravao no deve alterar as caractersticas fsicas da mdia ou os registros eletrnicos nela gravados anteriormente.

2 - O disposto no pargrafo anterior tambm se aplica Codesp ou empresa por ela indicada.

XVIII - Disposies Finais

Art. 47 - Os crachs eletrnicos, desde que atendam ao disposto no art. 28 e estejam registrados em qualquer banco de dados de crach autorizado, podero suportar outros dados de interesse da empresa vinculante do usurio ou da emissora do crach, desde que estes no prejudiquem os registros eletrnicos obrigatrios ou contrariem as especificaes aqui definidas.

Art. 48 - Os bancos de dados de crachs autorizados devero ser atualizados em tempo real pelos usurios definidos no inciso IV do art. 19, sendo que estas e todas as demais operaes efetuadas no sistema sero registradas e vinculadas ao usurio, de modo a permitir a consulta pela Autoridade Aduaneira e a emisso de relatrios, com o histrico das transaes referentes a todas as incluses e cancelamentos.

Art. 49 - Todas as empresas administradoras de locais/recintos alfandegados, jurisdicionados pela Alfndega da Receita Federal do Brasil do Porto de Santos, por fora da Lei n 12.350, de 2010, e da Portaria RFB n 2.438, de 21 de dezembro de 2010, devem utilizar sistema de controle de acesso, prprio ou compartilhado, bem como promover a transmisso, para a COV da Alfndega, tanto dos dados desse sistema, como as imagens do sistema de monitoramento, em tempo real e sem custos para a RFB, no prazo estabelecido no inciso II do art. 36 da Portaria citada acima.

1 - O sistema de controle de acesso referido no caput dever apresentar base tecnolgica compatvel e a formatao de campos definida no inciso III do art. 28, para possibilitar a leitura, diretamente nos equipamentos instalados em seus portes, dos dados de identificao dos portadores de qualquer crach autorizado por esta Alfndega.

2 - Observado o disposto no art. 19 da Portaria RFB n 2.438, de 21 de dezembro de 2010, podero ser desenvolvidos, para serem autorizados pela Alfndega, sistemas de controle de acesso ou bancos de dados para o gerenciamento da emisso de mdias consideradas como crach autorizado, mediante acordos de utilizao compartilhada entre duas ou mais das empresas referidas no caput, desde que todos os registros de motivao e as informaes de entrada, permanncia e sada das instalaes possam ser disponibilizados para a Alfndega de forma isolada e individualizada por local/recinto alfandegado.

Art. 50 - A Alfndega no autorizar o ingresso nas reas alfandegadas que no seja de maneira eletrnica e atravs de banco de dados de crach autorizado, ficando qualquer acesso no baseado nesses crachs sob a inteira responsabilidade da administradora do local/recinto alfandegado, sujeita s penalidades cabveis pelo descumprimento do disposto nesta Portaria.

Art. 51 - Na ocorrncia de fato tipificado como situao de risco de segurana de nvel III no ISPS-Code, a Guarda Porturia da Codesp e a Equipe de Segurana da administradora de local/recinto alfandegado com cais de atracao privatizado, durante o perodo de risco, devero adotar as medidas emergenciais para o controle de acesso, obedecidas as postulaes legais sobre competncia e as cautelas fiscais aduaneiras.

Art. 52 - Esta Portaria entrar em vigor na data de sua publicao, revogando-se, sem interrupo de sua fora normativa, a Portaria ALF/STS n 73, de 10 de janeiro de 2008.

JOS ANTONIO GAETA MENDES

ANEXO I

IDENTIFICAO DO BANCO DE DADOS AUTORIZADO

ANEXO II

IDENTIFICAO DO BANCO DE DADOS AUTORIZADO

Recommended

View more >