microeconomia - marcílio

Download Microeconomia - Marcílio

Post on 10-Jul-2015

324 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

ECONOMIAPARTE ICONCEITOS BSICOS DE MICROECONOMIA

MARCILIO FERREIRA

1. INTRODUO

A economia considerada uma cincia social, em virtude da preocupao com aspectos relativos ao estudo da organizao e do funcionamento da sociedade. Assim, podese dizer que a Cincia Econmica tambm vai se ocupar do comportamento humano, particularmente quanto forma como as pessoas e as empresas se empenham na produo, troca e consumo dos bens e servios. Problemas econmicos Em todo o tempo e lugar estamos em contato com consideraes que envolvem aspectos econmicos. Assim, h sempre questes relativas a variados assuntos, por exemplo: Quem vai trabalhar? O que produzir? Que recursos utilizar? A quem vender? E perguntas mais especficas, como: Por que as taxas de juros so maiores no Brasil, do que nos Estados Unidos? Por que subiu o preo da margarina?

Conceito e Objeto da Teoria Econmica A palavra economia deriva das expresses gregas: oikos - casa, moradia; e nomos - administrao, organizao, distribuio... Assim, a Economia pode ser entendida como a cincia de planejar ou administrar a casa(oikos).

Cincia da escassez Podemos considerar que as necessidades humanas so infinitas e ilimitadas. Isto porque, o ser humano, pela sua prpria natureza, sempre deseja mais coisas. Cabe aqui a considerao de que nem tudo o que queremos pode ser obtido com os recursos que temos, ento precisamos fazer escolhas. Assim preciso estudar os problemas da decorrentes e a forma de resolv-los. Por isso, a economia a cincia que vai procurar alocar recursos escassos para obter a satisfao de desejos ilimitados. Por este motivo que se diz que a economia essencialmente a cincia da escassez. Diviso da Economia Microeconomia preocupa-se em explicar o comportamento econmico das unidades individuais de deciso representadas pelos consumidores, pelas empresas e pelos proprietrios de recursos produtivos. Macroeconomia estuda o comportamento da economia como um todo. Estuda o que determina e o que modifica o comportamento de variveis agregadas tais como a produo total de bens e servios, as taxas de inflao e de desemprego, o volume total de poupana, as despesas totais de consumo, as despesas totais de investimento, e as despesas totais de governo.

Conceito de Sistema Econmico

Os vrios elementos que participam da vida econmica de uma nao, bem como suas conexes e dependncias, constituem o Sistema Econmico. Em um sistema econmico podemos destacar quatro grandes agentes atuantes:

I-Famlias : que so as pessoas que atuam no sistema, e podem ser divididas em:

Populao produtiva o contingente de populao em idade de trabalhar ( em geral, entre 14 e 60 anos) e populao dependente, que a parte da populao que ainda no ingressou ou j se retirou das atividades produtivas. A partir destes conceitos encontramos dois outros: Populao economicamente ativa (PEA) e Populao ocupada. o primeiro engloba a parcela da populao voltada para o mercado de trabalho, ou seja o total de pessoas em idade de trabalhar e que ofertam servios do fator trabalho no mercado de fatores, estejam ou no empregada ( so excludos os aposentados, os estudantes, as donas de casa, e outras pessoas em idade de trabalhar mas que se dedicam a atividades no remuneradas, que so considerados inativos, economicamente. o segundo, diz respeito ao contingente absorvido pelo sistema( inclui empregados e subempregados). Chamamos de taxa de ocupao, ao quociente do total de pessoas ocupadas pelo total de habitantes. II- Empresas: unidades produtoras de bens e servios, integram o aparelho produtivo da sociedade. III- Governo : Que compreende as instiuies governamentais, excludas as empresas estatais, que tomam parte do item anterior. IV- Resto do mundo: os demais pases que se relacionam economicamente com aquele que estamos considerando.

Recursos Produtivos Os Recursos Produtivos (tambm denominados fatores de produo) so elementos utilizados no processo de fabricao dos mais variados tipos de mercadorias as quais, por sua vez, sero utilizadas para satisfazer necessidades.

Classificao dos Recursos Produtivos

Os Recursos Produtivos podem ser classificados em quatro grandes grupos: Terra, Trabalho, Capital e Capacidade Empresarial. Terra (ou Recursos Naturais) E o nome dado pelos economistas para designar os recursos naturais existentes, ou ddivas da natureza, tais como florestas, recursos minerais, recursos hdricos etc. Compreende no s o solo utilizado para fins agrcolas, mas tambm o solo utilizado na construo de estradas, casas etc. Trabalho o nome dado a todo esforo humano, fsico ou mental, despendido na produo de bens e servios. Capital Pode ser definido como o conjunto de bens fabricados pelo homem e que no se destinam satisfao das necessidades atravs do consumo, mas que so utilizados no processo de produo de outros bens. O capital inclui todos os edifcios, todos os tipos de equipamentos e todos os estoques de materiais dos produtores, incluindo bens parcial ou completamente acabados, e que podem ser utilizados na produo de bens. Capacidade Empresarial Alguns economistas consideram a Capacidade Empresarial como sendo tambm um fator de produo. Isto porque o empresrio exerce funes fundamentais para o processo produtivo.

Os bens e servios podem ser classificados como: Quanto raridade em Bens Livres e Bens Econmicos.

Os Bens Econmicos so relativamente escassos e supem a ocorrncia de esforo humano na sua obteno. Tais bens apresentam como caracterstica bsica o fato de terem um preo. Quanto natureza, os Bens Econmicos so classificados em dois grupos: Bens Materiais e Bens Imateriais ou Servios. Quanto ao destino, os Bens Materiais classificam-se em Bens de Consumo e Bens de Capital. De consumo, quando satisfazem diretamente as necessidades. Podendo ser durveis que seriam reutilizveis, podendo ser usados por muito tempo (mveis, eletrodomsticos, etc.), ou no durveis, que extinguem-se com o uso simples (alimentos, cigarros, gasolina, etc). De capital, destinam-se a melhorar a produtividade do trabalho. So, assim, aqueles que permitem produzir outros bens. So exemplos de Bens de Capital as mquinas, computadores, equipamentos, instalaes, edifcios etc. Tanto os Bens de Consumo quanto os Bens de Capital so classificados como Bens Finais, uma vez que j passaram por todos processos de transformao possveis, significando que esto acabados. J esto prontos para ser consumidos ou fazer parte do estoque de capital do sistema. Os Bens Intermedirios, que so aqueles que ainda precisam ser transformados para atingir sua forma definitiva, devem ser alterados antes de se tornarem bens de consumo ou de capital. Eles so produtos utilizados no processo de produo de outros produtos. A ttulo de exemplo podemos citar o fertilizante usado na produo de arroz, ou o ao, o vidro e a borracha usados na produo de carros. Os bens ainda podem ser classificados ainda em Privados e Pblicos. Os Bens Privados so os produzidos e possudos privadamente. Como exemplo termos os automveis, aparelhos de televiso etc. Os bens pblicos so caracterizados como bens cujo consumo por parte de um indivduo no prejudica o consumo dos demais indivduos (consumo indivisvel ou no-

rival). Referem-se ao conjunto de bens gerais fornecidos pelo setor pblico, justia, segurana, etc. So chamados de bens meritrios ou semi-pblicos, classificao intermediria entre os bens pblicos e os privados, aqueles que, embora possam ser fornecidos pelo setor privado, podem e devem ser produzidos pelo setor pblico, para evitar a excluso pois so submetidos ao princpio da excluso de determinados setores da sociedade. A definio est associada a valores histricos, culturais e polticos, sendo bens possuidores de importncia social, como a educao e a sade, que, se produzidos exclusivamente pelo setor privado, podem ser inatingveis por parte da populao de baixa renda, produzindo a necessidade de interveno governamental, com seus custos financiados pela tributao compulsria da sociedade. O montante de bens e servios finais produzidos ao final de um perodo chamado de produto.

2.BENS

PBLICOS,

BENS

PRIVADOS,

RECURSOS

COMUNS

E

MONOPLIOS NATURAIS A maioria dos bens em nossa economia so alocados em mercados. O preo monitora as decises de consumidores e produtores. Quando os bens so livres, as foras de mercado que normalmente alocam os recursos de nossa economia esto ausentes e os mercados privados no conseguem assegurar que o bem seja produzido e consumido de forma eficiente. Nesse caso, as polticas governamentais podem remediar falhas de mercado e aumentar o bem-estar econmico da sociedade. Quando pensamos nos vrios bens em uma economia, til agrupar esses bens de acordo com as duas caractersticas seguintes: Exclusividade:Pessoas podem ser impedidas de usar o bem. Rival: O uso do bem por uma pessoa diminui o prazer de outra em usar aquele bem. Conforme a relao entre a exclusividade e a rivalidade no uso de um bem, o mesmo pode ser classificado da seguinte forma: Bens privados: So ao mesmo tempo excluveis e rivais. Bens pblicos: No so nem excluveis nem rivais. Recursos comuns: So rivais mas no so excluveis. Monoplios naturais: So excluveis, mas no rivais.

O Problema do Carona Um carona aquela pessoa que recebe o benefcio de um bem sem pagar por esse benefcio. J que as pessoas no podem ser excludas por usar os benefcios de um bem pblico, indivduos podem decidir no pagar por esse bem na esperana que outros paguem. O problema do carona impede que mercados privados forneam bens pblicos. Como solucionar o Problema do Carona? O governo pode decidir prover o bem pblico se o benefcio total exceder os custos. O governo pode melhorar a situao de todos atravs do fornecimento do bem pblico e pagar por esse bem com a receita de impostos. Bens Pblicos Importantes Defesa nacional Pesquisa bsica Programas de combate pobreza Anlise de Custo-Benefcio Para decidir se